ANAIS COMÉRCIO ELETRÔNICO: MELHORAMENTOS NA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FINAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS COMÉRCIO ELETRÔNICO: MELHORAMENTOS NA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FINAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS"

Transcrição

1 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MELHORAMENTOS NA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FINAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Bruno Oliveira; FATEC Mogi das Cruzes Fabio Evangelista Ramos; FATEC Mogi das Cruzes Ivanildo Nogueira da Silva; FATEC Mogi das Cruzes Patrícia O. Campos Andrade; FATEC Mogi das Cruzes Thaís Lessa; FATEC Mogi das Cruzes Orientadora: Profª. Ms. Marina Codo FATEC Mogi das Cruzes RESUMO Este trabalho tem como objetivo o estudo do comércio eletrônico, verificando suas características e fatores importantes em seu desenvolvimento no Brasil, da logística e o processo de distribuição na modalidade de compra Business to Consumer (B2C), com foco no contexto das Pequenas e Médias empresas (PMEs). A partir de dados e pesquisas pretendemos verificar quais são as dificuldades e desafios encontrados por essas empresas na logística e, então, propor o uso de técnicas e decisões para a otimização do serviço logístico, com a finalidade de garantir a experiência positiva dos clientes na compra de produtos e nos serviços logísticos. Palavras Chave: Logística, Comércio Eletrônico, Logística Empresarial, Pequenas e médias empresas, B2C, Distribuição, Serviço Logístico. ABSTRACT This work aims to study the e-commerce, verifying the characteristics and important factors in its development in Brazil, the logistics and distribution process in the B2C activity, with focus on the context of small and medium sized companies. Based on data and academic research, we intend to check what kind of difficulties and challenges are being faced by these companies in logistics, then propose the use of techniques and decisions for the optimization of logistic services, therefore, it can ensure the positive experience for customers when buying products and in the logistics services. Key Words: Logistics, E-commerce, Business Logistics, Small and medium sized companies, B2C, Distribution, Logistics Services. 1. INTRODUÇÃO Com base em pesquisa sobre o comércio eletrônico e logística, este artigo tem como objetivo estudar o processo de distribuição do comércio eletrônico na modalidade B2C (business to consumer; empresa para consumidor) de pequenas e médias empresas, analisar quais são as maiores dificuldades encontradas no processo de distribuição e logística por pequenas e médias empresas e, com base nos dados estudados, propor soluções que tragam otimização no resultados aos clientes, agilizando assim a entrega para o consumidor final.

2 Pode-se observar o crescimento rápido dos negócios realizados pela internet, o comércio eletrônico vem sendo uma ferramenta muito explorada pelas empresas de pequeno, médio e grande porte, pois esta oferta se torna atrativa aos consumidores, devido à variedade de serviços. De acordo com Silva e Moreira (2010, p. 3): o consumidor brasileiro passou a comprar mais e a buscar serviços pelos meios eletrônicos, pela comodidade, facilidade em realizar cotações, em busca por preço baixo e a agilidade do processo em relação direta nos dias de hoje à escassez de tempo. Essa é uma nova tendência que a princípio foi chamada de nova economia (SILVA e MOREIRA, 2010, p. 3). A partir desta nova tendência, o consumidor exige cada vez mais a qualidade dos serviços como, promoções, segurança on-line e entregas eficientes, tornando-se os principais requisitos no momento da compra. Novaes (2007, apud Lima et al., 2010, p. 4) afirma que os clientes dão muita importância a fatores logísticos, exigindo total pontualidade para com prazos de entrega dos seus pedidos. Essa crescente demanda e exigência dos clientes requer mais investimentos logísticos e planejamento por parte das empresas. A entrega ao consumidor e a qualidade dos serviços, inclusive no pós-venda, se tornam vitais para a empresa fidelizar o cliente e ser referência no mercado. Para as pequenas empresas, há grandes vantagens em adotar o comércio virtual, principalmente em comparação aos custos das tradicionais estruturas físicas, aumentando a competitividade junto ao mercado. De acordo com Dias (2014), O comércio virtual proporciona benefícios que diminuem a vantagem competitiva das grandes para as pequenas empresas. Os benefícios, segundo a autora, são o oferecimento de custo mensal muito reduzido se comparado às estruturas físicas das organizações e permite investimentos em novos produtos e serviços. 2.1 CARACTERIZAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico trata-se de uma modalidade nova, de rápido desenvolvimento e com vasta possibilidade de exploração e expansão. No Brasil é notável o envolvimento das empresas no ambiente on-line, Mattos et al (2011, p.1) afirma que a modernização dos meios de comunicação está tomando cada vez mais conta do mercado atual, principalmente a internet caracterizada pela globalização das informações. Nesse contexto as empresas se viram obrigadas a se adaptar a esse novo meio de comunicação e negócio, o chamado e- commerce. O comércio eletrônico refere-se a realizar transações por meio de computadores e comunicação de dados. É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócio num ambiente eletrônico, através da aplicação intensa de tecnologias de comunicação e de informação, atendendo aos objetivos de compra e venda de informações, produtos e serviços. (ALVES et al, 2004, p. 6) A ideia da realização de transações por meio eletrônico se dá através de uma empresa vendedora, que cria um site (vitrine virtual) e expõe seus produtos para a comercialização, disponibilizando descrições técnicas, preço, forma de pagamento e entrega. (BORNIA et al, 2006, p.1)

3 Historicamente, o crescimento da internet na década de 90 mudaram as relações comerciais profundamente, tornando possível realizar todas as negociações que anteriormente só eram realizados tradicionalmente. O comércio eletrônico afetou todos os tipos de organização, causando impactos na aquisição, compras, parcerias comerciais, atendimento a cliente e prestação de serviços. (ALVES et al, 2004, p. 1, 2). A partir da década de 90, o comércio eletrônico começou a ganhar importância, primeiramente com anúncios de grandes empresas, tornando a internet um canal alternativo para publicidade e vendas. Naquela época, o crescimento do comércio eletrônico não era tão exponencial como nos anos seguintes, chegando a triplicar e dobrar o crescimento anualmente. (LAUDON E LAUDON, 2004 apud OLIVEIRA, 2009, p. 25) Nos EUA a difusão do comércio eletrônico esteve ligada ao crescimento da empresa Amazon.com. Desde seu primeiro mês de atividade, a Amazon.com, já havia vendido livros para todos os estados americanos e também para mais de 40 países ao redor do mundo. Entre 1995 (ano de sua criação) e 1999 a empresa faturou 1,7 bilhão, feito inédito na história do varejo mundial. O sucesso das vendas da Amazon.com despertou a atenção de inúmeras empresas e empresários em todo o mundo para o enorme potencial do novo conceito de varejo, fazendo com que surgissem um sem número de novas iniciativas de comércio eletrônico. (FLEURY e MONTEIRO, 2000 apud ALVES et al, 2004, p. 7) Considerado como tendo grande potencial para novas estratégias e oportunidades de negócio, tanto dentro das organizações com redução de custo e melhoria de processos, no relacionamento com clientes com novos canais de vendas, novos produtos e serviços, novas formas de relacionamento, e até mesmo em novas oportunidades em novos escopos de negócio, para o sucesso do comércio eletrônico é necessário que toda a estrutura logística seja adaptada a esse contexto comercial. (ALVES et al, 2004) Atualmente o comércio eletrônico brasileiro conseguiu desvincular-se do cenário de dúvida e incerteza dos primeiros anos de atividade, passou a ser uma modalidade atraente para empresas e consumidores, gerando grandes faturamentos para os e-varejistas. Segundo relatório Web Shoppers (2014, p.8), relatório realizado pela E-bit (empresa que atua no fornecimento de informações para consumidores e empresas do comércio eletrônico) - no ano de 2013 o setor faturou 28,3 bilhões, o número de pedidos feitos na internet chegou a 88,3 milhões representando acréscimo de 32% em relação a 2012 e o número de consumidores chegou a 51,3 milhões, sendo que 9,1 milhões fizeram a sua primeira compra on-line. Essa atenção de consumidores e empresas deve-se a vários fatores, Oliveira (2009, p. 28) relaciona as oportunidades das empresas com o comércio eletrônico e o benefício dessa oportunidade ao consumidor, como a redução nos custos e redução de intermediários na cadeia de suprimentos que, para o cliente, traz a redução de preço e uma resposta mais rápida de entrega; a competitividade para as empresas gera, para o consumidor, a melhora na qualidade de serviços e amplitude de escolha; novas oportunidades de negócios e customização em massa geram para o cliente novos produtos, serviços e a personalização destes. Laudon e Laudon (1999, apud BORNIA et al, p.2) descrevem que o comércio eletrônico leva à redução do tempo de transações, aumento do raio de atuação da empresa, redução de custos com o pessoal e estreitamento das relações com os clientes.

4 2.2 REALIDADE DO COMÉRCIO ELETRÔNICO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO BRASIL De acordo com Macedo (2010), a grande corrida para o ingresso no comércio eletrônico dos grandes varejistas em 2009 fez com que o número de consumidores aumentasse e as PMEs buscassem orientações no meio tecnológico como forma de facilitar as vendas no meio eletrônico. Turchi (2011, apud MATTOS et al, 2011, p.6) vê características importantes que geram oportunidades para as PMEs, são elas: gastos ínfimos com a manutenção dos empreendimentos; tíquetes de compra elevados e formas de prazo e pagamentos diferenciados. Mattos et al (2011, p. 12) afirma que: o comércio eletrônico traz vantagens expressivas e abre novas oportunidades de comércio para o pequeno e médio empreendedor, desde que o empresário realize um estudo detalhado e invista em um bom planejamento de seu comércio eletrônico, proporcionando assim um diferencial competitivo. (MATTOS et al, 2011, p. 12) Também é importante ressaltar outros fatores críticos para o sucesso do comércio eletrônico, Segundo Albertin (2002, apud MATTOS et al, 2011, p. 4) o grande fator de sucesso para as vendas no comércio eletrônico é a confiabilidade do consumidor com o serviço, a empresa deve assumir o compromisso desde o início da compra até a entrega e, eventualmente, no serviço de logística reversa. Nesse contexto, o planejamento e a logística são essenciais para o sucesso do comércio eletrônico, Macedo (2010) acredita que é necessário desenvolver todo um planejamento estratégico de comercialização, logística, estoque e administração para não frustrar o cliente e comprometer o futuro dos negócios da companhia. Turchi (2010) ressalta a grande importância para o pequeno e médio empreendedor do foco em determinados segmentos: O pequeno e médio empreendedor deve ver no universo on-line a grande oportunidade de atender nichos, que antes tinham dificuldades em encontrar determinados produtos, mas, hoje, contam com as vantagens dos buscadores para localizar praticamente qualquer coisa. Se a empresa entender esse mecanismo de funcionamento, terá muito mais sucesso e de forma muito mais rápida, do que se ficar tentando competir de frente com os grandes players. (TURCHI, 2010) Portanto, o pequeno e médio empreendedor deve, antes de tudo, pesquisar, e a partir daí planejar. Turchi (2011, apud MATTOS et al, 2011, pg 6) afirma que o planejamento se estende à logística, ao capital de giro e, sobretudo, ao público alvo, a autora ainda ressalta que o empreenderdor deve ter o planejamento bem delineado, para que haja foco e metas. O fator de confiabilidade, na empresa on-line, passa a ser um diferencial importante para o consumidor, uma vez que há a possibilidade de troca de produto ou devolução. De acordo com pesquisa do relatório Web Shoppers (2014, p. 23) realizada com 2501 pessoas que fizeram compras pela internet nos últimos 12 meses, cerca de 40% já pensaram em devolver algum produto e 36% já pensaram em trocar algum produto. O relatório ainda chama atenção ao impacto negativo enfrentado pelo consumidor nos processos de troca e devolução; quase

5 metade dos entrevistados afirmou que deixaram de comprar nas lojas em que tiveram problemas; a mesma quantidade de pessoas declarou que ter tido dificuldades com a troca ou devolução fez com que comprasse menos pela internet. Portanto, o acompanhamento de compra e um bom serviço de logística tornam-se muito importante para os consumidores. Outro fator crítico revelado pelo relatório Web Shoppers é o atraso na entrega. Usando a metodologia NPS (net promoter score) ferramenta para obter o feedback do consumidor, na qual é feita a pegunta: numa escala de 0-10, qual a probabilidade de você recomendar nossa empresa para um amigo ou colega? A resposta a essa pergunta gera três tipos de grupos: os promotores (que dão notas de 9 e 10, são considerados clientes leais as lojas); os passivos (pessoas que dão notas de 7 e 8, considerados passivamente satisfeitos) e; os detratores (pessoas que dão notas 6 ou inferior, que são os clientes insatisfeitos) - entre 15 de novembro e 31 de dezembro de 2013 (obtendo mais de 90 mil respostas), constatou-se que cumprir o prazo informado de entrega tem forte influência na lealdade dos clientes: casos em que as compras chegaram pontualmente, o NPS é 71%, com menos de 6% de consumidores detratores, enquanto casos em que o prazo não é cumprido, há 69% de detratores, resultando em um NPS negativo de -52%. (Relatório Web Shoppers, 2014, p. 33, 34 e 38) Portanto, os fatores relacionados à logística tem impacto muito grande sobre as compras do cliente no comércio eletrônico, para pequenas e médias empresas pode desempenhar um dos fatores de grande impacto do sucesso. 2.3 LOGÍSTICA E APLICAÇÃO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO DE PME S Atualmente, a logística representa muita importância para as organizações, sendo um diferencial para garantir a satisfação ao cliente. Segundo o Council of Supply Chain Management (apud BALLOU, 2004, p. 27), a logística é: o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. (COUNCIL OF SUPPLY CHAIN MANAGEMENT, APUD BALLOU, 2004, p. 27) Nessa mesma linha, Closs e Bowersox (2001, p. 19, apud BORNIA, 2006 et al, p. 4) afirmam que a logística tem como objetivo tornar disponível produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados, pelo menor custo possível. Bornia et al (2006, p.4) observa que a logística tende a deixar os processos internos das empresas mais enxutos, simplificados e padronizados; agilidade e precisão passam a ser fatores de diferenciação competitiva. A aplicação da logística deve partir de um planejamento, segundo Ballou (2004, p. 53) o planejamento logístico procura resolver quatro grandes processos: níveis de serviço ao cliente, localizações das instalações, decisões sobre estoque e decisões sobre transporte. No comércio eletrônico, o gerenciamento logístico tem papel muito significativo, é um fator determinante para obter competitividade, uma vez que o mercado on-line passa a ser vantajoso para o consumidor, a logística, como um todo, representa um desafio para as empresas, desde a aquisição do produto junto ao fornecedor, até a entrega ao consumidor final. (OLIVEIRA, 2009, p. 34)

6 A logística do comércio eletrônico se caracteriza por pequenos pedidos dispersos geograficamente e entregues de forma fracionada, o que gera custos altos de entrega. Assim sendo, o sistema de distribuição é determinante para o sucesso ou fracasso das empresas que trabalham com o comércio eletrônico. Este cenário cria enormes desafios e oportunidades para o desenvolvimento da logística em todos os locais onde o comércio eletrônico está evoluindo. Atualmente os principais desafios daqueles que atuam no Comércio Eletrônico ainda estão relacionados à eficiência no planejamento de estoques, picking (separação de materiais), distribuição física, coleta de devoluções, entre outros itens relacionados à logística do varejo virtual. Outra dificuldade do comércio eletrônico não se encontra na atividade de entrega física, mas na atividade de fulfillment (atendimento do pedido), que compreende o processamento do pedido, a gestão do estoque, a coordenação dos fornecedores e a separação e embalagem das mercadorias (ALVES et al, 2004) Essa dificuldade no atendimento de pedido esbarra no processamento, Bornia et al (2006, p.3) afirma que há a necessidade de equipamentos e sistemas capazes de administrar a demanda dos pedidos. Os sistemas, também, podem envolver outras operações, Alves et al (2004, p. 13), pondera a importância da contabilidade para o comércio eletrônico, uma vez que as cobranças e pagamentos determinam a alocação de produtos, custos e lucros. Então, para fazer toda a operação de venda acontecer, é necessário um sistema integrado que gerencie a demanda dos pedidos de forma eficiente, a disponibilidade de produto em estoque em equidade ao site, dados do endereço de entrega etc. A logística só funcionará a partir da informação gerada no site ou sistema. Atualmente há no mercado os chamados softwares livres, é recomendável o uso destes para pequenos empreendedores, pois não representam custos. O gerenciamento de estoque irá depender muito da estratégia adotada pela empresa e do produto a ser vendido; produtos que têm demanda constante necessitam de reposição programada; demandas sazonais necessitam de um bom planejamento prévio e; produtos a serem personalizados devem utilizar o postponement (postergar a produção). A coordenação de fornecedores também está intimamente ligada ao gerenciamento de estoque - No próximo capitulo serão abordados estes assuntos. Enquanto ao ciclo de pedido e as dificuldades no picking (separação de pedidos) e packing (embalagem) há atividades e tarefas específicas, em muitos casos, pedidos devem ser tratados de acordo com sua urgência; pedidos feitos com a opção de entrega rápida precisam de atenção e despacho especiais. Outro fator logístico para PMEs, no comércio eletrônico, são as entregas. Já há no mercado, prestadores de serviços voltados especificamente para o comércio eletrônico, porém é observável que grande maioria das empresas atuantes no comércio eletrônico utilizam serviços de entrega de encomendas dos correios: Em 2012, os Correios distribuíram 48 milhões de objetos oriundos do comércio eletrônico, ultrapassando o patamar de 40% de participação no segmento no mercado brasileiro. Mais de lojistas on-line em todo o País utilizam os serviços dos Correios, a única empresa que faz distribuição em mais de municípios do Brasil. O e-sedex, modalidade específica para as compras virtuais, registrou crescimento de 25% no ano passado, com 21 milhões de encomendas entregues. (CORREIOS)

7 Por conseguinte, o gerenciamento de estoque e as estratégias de transporte geram a logística de serviço ao cliente, que segundo Ballou (2004, p. 117) é "o resultado líquido da execução de todas as atividades componentes do mix logístico". Os elementos da logística de serviço ao cliente que, segundo Ballou (2004, p. 94, 95), se dividem em três categorias: 1) Elementos de pré-transação, são elementos que proporcionam um bom ambiente para o serviço ao cliente; 2) Elementos de transação, resultam diretamente na entrega do produto ao cliente; 3) Elementos de pós-transação, serviços necessários para dar suporte ao produto. O autor conclui que a logística de serviço ao cliente tem impacto importante sobre as vendas. No próximo capítulo estes elementos de serviço ao cliente serão tratados especificamente. Se bem planejados e controlados, os fatores logísticos certamente desempenharam papel importante na experiência positiva do consumidor. 3. MODELO As decisões sobre logística, aqui abordadas, são resultado de pesquisas bibliográficas. As técnicas e decisões a serem apresentadas têm como objetivo melhorar os processos logísticos, tratando da gestão de estoque com a técnica de reposição, decisões de gerenciamento de produtos sazonais, a postergação da produção (em casos de customização de produto), estratégia de ciclo de atendimento ao pedido, operador de transporte e objetivos do serviço logístico. Essas técnicas e decisões serão contextualizadas para aplicação nas pequenas e médias empresas de comércio eletrônico. A técnica de reposição de estoques com prazo de entrega, também conhecida como estoque mínimo, é um procedimento básico de controle de estoque, que parte do princípio de determinar um ponto de reposição assim que o estoque atingir um certo nível. A técnica considera o tempo que o pedido é feito e a disponibilização dos itens em estoque. A fórmula (1) abaixo é dada por: ROP, que é a quantidade do ponto de reposição, 'd' é a taxa de demanda/ unidade de tempo (ano, mês ou semana) e LT é o prazo médio de entrega/unidade de tempo. O resultado da multiplicação de d e LT determina a quantidade do ponto de reposição. (BALLOU, 2004, p. 285) ROP = d x LT (1) Suponha que leve 1,5 semana ( LT ) para que um fornecedor entregue um determinado pedido, e que a taxa de demanda é 750 (unidades por ano)/52 (semanas por ano), que é igual a 14,42 unidades por semana, então temos: ROP = 14,42 x 1,5 = 21,6, ou 22 unidades. Ou seja, quando o nível de estoque atingir a 22 unidades deve-se fazer um novo pedido ao fornecedor, para reabastecer os estoques. Essa técnica evita a falta de estoques, também determina compras bem planejadas e eficazes. (BALLOU, 2004, p. 285) Quanto aos produtos sazonais, Ballou (2004, p. 275) acredita que deve ser colocado um pedido único de reposição, com pouca ou nenhuma chance de ser feito um novo pedido ou acontecer devolução, pois esse tipo de produto, quando mantido em estoque, dificilmente pode ser liquidado, a não ser com base em promoções e descontos. Estudos prévios e relações com períodos anteriores também devem ser feitos para atender a demanda de maneira eficaz. Como dito anteriormente, produtos que precisam de customização devem utilizar a técnica de postponement ou postergação da produção. Postponement, segundo Bornia et al (2006, p. 5) é

8 uma estratégia onde a diferenciação do produto ocorre mais o próximo da demanda. Portanto, adia-se ao máximo a finalização do produto, assim será garantido as especificações do cliente. Quanto ao atendimento do pedido, as atividades realizadas geralmente são: a preparação (requisição) do pedido; a transmissão; a entrada do pedido, onde acontece a verificação do crédito do cliente, verificação de estoque, preparação da documentação e faturamento. Após a atividade de entrada, acontece o atendimento do pedido, que é responsável por tarefas como a retirada dos itens do estoque, a embalagem, programação do embarque para entrega e documentação de embarque. Logo após, é necessário relatório da situação do pedido, onde ocorre o rastreamento e o comunicado ao cliente. (BALLOU, 2004, p ) Algumas dessas etapas do ciclo de atendimento ao pedido acontecem quase que instantaneamente, devido a sistemas integrados. Após a aprovação de crédito, é necessário dar prioridade àqueles que tenham maior grau de urgência, nesse processo de separação é interessante orientar os colaboradores responsáveis a priorizar a separação pelo grau de urgência. Quanto a atividades como o relatório da situação do pedido (rastreamento) e embalagem, vão depender do transportador. Aqui será considerado os Correios. Como dito anteriormente, os Correios é o operador mais requisitado quando se trata de encomendas provenientes do comércio eletrônico. Principalmente, devido ao seu alcance e alto nível de serviço. Para aplicação nas empresas, é recomendável a firmação de contrato com os serviços dos Correios. Há o serviço e-sedex que, segundo a empresa, é um serviço dos Correios para remessa expressa de mercadorias de até 15 kg adquiridas por meio do comércio eletrônico, com preços diferenciados para as lojas on-line que contratam este serviço, neste serviço há a opção por serviços básicos que incluem o sistema de rastreamento de objetos, indenização automática e a entrega porta a porta, os serviços opcionais incluem, entre outros, a logística reversa. Também há a possibilidade de firmação de contratos com outros serviços dos correios, o Sedex (serviço de encomenda expressa de documentos e mercadorias) e o PAC (serviço de via econômica para o envio de mercadorias), cada um destes serviços tem suas limitações com peso e tamanho de itens, é importante estudar a viabilidade de cada um antes de contratá-los. (CORREIOS) O oferecimento de serviços diferenciados de encomendas, nas lojas on-line, com prazos e preços diferentes, é um ótimo diferencial para o cliente. Diversificando esses serviços e, mais importante ainda, especificando, de forma clara, as características de cada um dos serviços demonstra confiabilidade e dá mais poder de escolha ao cliente. Os correios também proporcionam ferramentas que auxiliam as empresas na geração de encomendas como o endereçador que permite a geração e a impressão de etiquetas para endereçamento de encomendas postadas nos Correios; o SIGEP (sistema gerenciador de postagens) que permite as lojas on-line, com contrato com os correios, preparem e gerenciem a postagem de encomendas; calculador de preços e prazos; entre outros. (CORREIOS) Ainda, para o pequeno e médio empreendedor, ter em mente os elementos logísticos de serviço ao cliente, servirá como um diferencial e indicador de pontos fracos e fortes no desempenho logístico da empresa. Lalonde e Zinszer (1975, apud BALLOU, 2004, p. 95) elencam esses elementos em:

9 Elementos de pré-transição: Compromisso de procedimento; sistema flexível; serviços técnicos. Elementos de transição: Níveis de estoque; elementos do ciclo de pedidos; sistema confiável; conveniências do pedido; substituição de produtos. Elementos pós-transação: Instalação, garantia, alterações, consertos; rastreamento do produto; embalagem; queixas e reclamações. Esses elementos irão auxiliar o pequeno e médio empreendedor a identificar e aperfeiçoar atividades que são importantes para bom desempenho de serviço ao cliente. 4. CONCLUSÃO Por ser um mercado muito atraente, para todo tipo de empresa, gerando grandes faturamentos para os varejistas, o comércio eletrônico vem demonstrando ser bem acessível e possível de se desenvolver com investimento relativamente baixo. No entanto, isso não significa facilidade de operação e rápida rentabilidade, a experiência de muitas empresas ao longo da história demonstrou que é necessário muito mais do que um site de boa aparência e preços baixos. Como em todo empreendimento, o estudo prévio e planejamento são peças chaves para o sucesso. Como verificado, devido a reclamações de clientes estarem ligadas, quase sempre a fatores logísticos, se faz necessário para atender a demanda e exigência dos clientes mais investimentos logísticos e planejamento por parte das empresas. As técnicas e decisões apresentadas, são importantes para o desenvolvimento da logística, com um bom software de gerenciamento, crê-se que a distribuição logística operará precisamente, trazendo melhor resultados aos clientes e para as empresas. Dentre os itens abordados, cabe ressaltar a necessidade do planejamento contínuo dos estoques e, com uso das técnicas e decisões abordadas, a implantação de uma política de estoques, estabelecendo níveis de reposição para a solicitação de uma nova remessa de cada item. A escolha do fornecedor também é essencial no plano de aquisições, verificar prazos de entrega, características do produto, como tipo de embalagem a ser transportada, e quantidade de compra resultam no melhor planejamento. Enquanto à entrega de encomendas, é importante ressaltar que, ter uma empresa prestadora de serviços de entrega regional para atendimento emergencial pode ser providencial, pois os Correios tem, como fator negativo, a grande possibilidade de ocorrências de paralisações de seus empregados em períodos de dissídio salarial. Por fim, conclui-se que para as PMEs, a logística aplicada ao comércio eletrônico tende a desenvolver-se conforme planejamento preestabelecido pelo próprio empreendedor. É necessário estudo e entendimento do comércio eletrônico e da aplicação da logística em seu contexto, para garantir um melhor desempenho da empresa. 5. REFERÊNCIAS ALVES, Carla Santin. CHAVES, Renata Pavanelli. PENTEADO, Isis Malusá. COSTA, Simone Alves da. A importância da Logística para o E-commerce: O exemplo da amazon.com. Disponível em: < Acesso em Setembro de 2013.

10 BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006, 616 p. BORNIA, A. C. DONADEL, C..M. LORANDI, J. A. A logística do comércio eletrônico B2C In: XXVI ENEGEP, 2006, Fortaleza, Ceará.. - Disponível em: < Acesso em: Fevereiro de CORREIOS. Correios expõe experiência de comércio eletrônico na Espanha Disponivel em: <http://blog.correios.com.br/correios/?p=5916> acesso em Março de CORREIOS. Serviços de Entrega dos Correios. <http://www.correios.com.br/empresa/comercioeletronico/servicoscorreios.cfm> acesso em março de DIAS, Amanda. Vantagens do e-commerce para pequenas e médias empresas Disponível em: <http://www.coworkers.com.br/marketing/vantagens-do-e-commerce-parapequenas-e-medias-empresas/ > Acesso em Março de LIMA, Sandra C. C. S. SANTT ANA, Carlos Henriques M. CENTRUIÓN, Wanusa C. SILVA NETO, Jorge C. Processo Logístico no Comércio Eletrônico: Estudos de Casos em Empresas Brasileiras. In: XVII SIMPEP 2010, Bauru, São Paulo. Disponível em: < d=10189&opcao=com_id> Acesso em: setembro de 2013 Macedo, Antonio Carlos. Crescimento do e-commerce no Brasil gera oportunidades para empresas ingressarem no setor. Revista online Administradores Disponível em: <http://www.administradores.com.br/noticias/administracao-e-negocios/crescimento-do-ecommerce-no-brasil-gera-oportunidades-para-empresas-ingressarem-no-setor/32222/> Acesso em: Março de 2014 MATTOS, Bruno C.. DESANTI, Flávio H.. CHAVES, Renato F.. Desmitificando o comércio eletrônico para pequenos e médios empreendedores. Revista Cognitio, n. 1, Disponivel em: <http://revista.unilins.edu.br/index.php/cognitio/article/view/30>. Acesso em Fevereiro de OLIVEIRA, Leandro Santos. Estudo sobre o processo de compra pela internet e a distribuição ao consumidor final f. Trabalho de conclusão de curso (graduação tecnológica de Logística com ênfase em transportes). Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, FATEC, São Paulo, Disponível em: < > Acesso em Setembro de SILVA. D.A.; MOREIRA. E.R. O e-commerce como estratégia no processo de expansão dos negócios de pequenas empresas. Revista de Administração da Fatea, v. 3, n. 3, p , jan./ dez., Disponível em:<http://publicacoes.fatea.br/index.php/raf/article/viewarticle/456> Acesso em Setembro de E-BIT. Relatório Web Shoppers ª ed. Disponível em: <http://www.ebit.com.br/webshoppers> TURCHI, Sandra. Nicho é a palavra chave do e-commerce Disponível em: <http://www.sandraturchi.com.br/e-commerce/07/%e2%80%9cnicho%e2%80%9d-e-apalavra-chave-do-e-commerce/> Acesso em Março de O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade dos autores.

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

A logística do comércio eletrônico do B2C (business to consumer)

A logística do comércio eletrônico do B2C (business to consumer) A logística do comércio eletrônico do B2C (business to consumer) Antonio Cezar Bornia (PPGEP UFSC) - cezar@inf.ufsc.br Cristian Mendes Donadel (TBG) - cdonadel@tbg.com.br Joisse Antonio Lorandi (PPGEP

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Seminário Logística Ubifrance 2014: E-logistics. A Excelência em Logística para seus Processos de e-commerce

Seminário Logística Ubifrance 2014: E-logistics. A Excelência em Logística para seus Processos de e-commerce Seminário Logística Ubifrance 2014: E-logistics A Excelência em Logística para seus Processos de e-commerce Junho 2014 Sobre: Generix Group Diagma Generix Group presentation - Confidential document Do

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA Márcia Esperidião 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Patrícia Pâmela Martins 3. RESUMO Este artigo tem como finalidade,

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Serviço de logística reversa em agência dos Correios

Serviço de logística reversa em agência dos Correios Serviço de logística reversa em agência dos Correios Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) Ministério das Comunicações (MCT) Ao oferecer o serviço de logística reversa em agência com a utilização

Leia mais

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet jairolm@sebraesp.com.br O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara 1. O e-commerce e a Logística Muitas controvérsias surgem quando se fala no futuro do e-commerce no Brasil. Raríssimas empresas

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Você sabia que... A Embalagem. Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio

Você sabia que... A Embalagem. Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio Guia #9 Como escolher as melhores embalagens e formas de envio Você sabia que... Sua Loja Virtual está online, com anúncios de sucesso, imagens de produtos, e-mail marketing preparado, ou seja você tem

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE

PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE PLANEJAMENTO DE COMPRAS COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA SEU E-COMMERCE SAMUEL GONSALES MBA em Gestão de Negócios e PÓS em Sistemas Integrados de Gestão (ERP). Gerente de Produtos e-millennium. Professor

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INFLUÊNCIA DA LOGÍSTICA NO COTIDIANO DAS PESSOAS Por: Carlos Fernando Peres Orientador Prof. Marcelo Saldanha Rio de Janeiro

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA NO E- COMMERCE

A LOGÍSTICA REVERSA NO E- COMMERCE A LOGÍSTICA REVERSA NO E- COMMERCE Liamara Vargas Bidinha (UFSC ) liamarabidinha@gmail.com Joao Figueiredo Penaforte (UFSC ) joaobsb@gmail.com Antonio Sergio Coelho (UFSC ) coelho@deps.ufsc.br Mirian Buss

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil.

Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil. Correios é o parceiro de 9 em cada 10 sites de e-commerce no Brasil. Sabe por quê? Porque os Correios têm as melhores soluções de ponta a ponta para todas as etapas do e-commerce. Porque têm a melhor cobertura

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente AGRADECIMENTOS! A ABComm agradece o apoio dos mantenedores 2015 METODOLOGIA Foram coletados 451 questionários válidos no campo

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso Carla Pereira Chagas UVV /Faculdade de Guaçuí russo2009@hotmail.com Simone de Souza UVV /Faculdade

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara Resumo Este artigo apresenta a evolução do desempenho logístico no setor de e-commerce B2C no Brasil ao longo do ano de 2000.

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE: uma análise documental Letícia Silva Guimarães leticia.sguimaraes@yahoo.com.br UNIS-MG Reginaldo da Silva Souza reginaldo-vga@hotmail.com

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Gestão e-commerce São 3 cenários possíveis: 1º SIGNUS ERP Back-office integrado a sua loja virtual 2º SIGNUS B2B e-commerce on-line 3º SIGNUS B2C e-commerce on-line Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Integração

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

webba PLATAFORMA DE ECOMMERCE

webba PLATAFORMA DE ECOMMERCE A EMPRESA A Webba foi fundada em 2008 com foco em soluções para que nossos clientes possam vender mais e melhor, amamos trabalhar com e-commerce, mais que desenvolver softwares nós desenvolvemos soluções

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Frete. Completa gestão e governança das tabelas de fretes:.

Frete. Completa gestão e governança das tabelas de fretes:. A transpobrasil é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções para gestão de transportes e logística dos embarcadores. Com tecnologia de ponta, oferece softwares que facilitam a integração

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

3. Comércio Eletrônico

3. Comércio Eletrônico 3. Comércio Eletrônico Com a rápida evolução dos meios de comunicação e difusão da Internet, o comércio eletrônico conquistou espaço no ambiente empresarial. Nos EUA, a Amazon.com, uma das pioneiras e

Leia mais

Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br

Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br As informações aqui disponíveis são apenas um breve resumo. Caso tenha qualquer dúvida ou necessite de maiores informações, entre

Leia mais

esafios logísticos no e-commerce

esafios logísticos no e-commerce Desafios esafios logísticos no e-commerce cada pedido no comércio eletrônico é uma promessa D e acordo com o WebShoppers, relatório semestral realizado pela e-bit, o e-commerce no Brasil deverá crescer

Leia mais

Luiz Turolla. Consultor Comercial

Luiz Turolla. Consultor Comercial Luiz Turolla Consultor Comercial O Tripé do e-commerce Loja Virtual Cadeia Logística Entrega e-commerce Cliente Envio Montagem Lojista Encomenda Pacote Pedido Sua loja conectada aos Correios Serviços e

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais