UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA MUDANÇA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES. Por: Eliane Correa de Souza Orientador Prof. Sérgio Majerowicz Rio de Janeiro 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA MUDANÇA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES. Apresentação de monografia ao Instituto a Vez do Mestre - Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Empresarial. Por: Eliane Correia de Souza.

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por permitir que eu conclua mais esta etapa em minha vida. A minha família, em especial ao meu marido Carlos Alberto e ao meu filho Gabriel por me incentivarem a buscar o conhecimento. Agradeço a minha amiga Anline pela força e companheirismo

4 4 DEDICATÓRIA Agradeço a Deus por tudo que me proporciona na vida, por todas as vitórias conquistadas, pela oportunidade e privilégio que me foi concedido em compartilhar tamanha experiência.

5 5 RESUMO A mudança ocorre naturalmente durante o período de vida das organizações e é conseqüência da reação desta ao ambiente onde estão inseridas, que determinam ou não o sucesso de uma empresa. Mudanças normalmente são dotadas de paradigmas que fazem parte da cultura das organizações. A mudança pode acontecer de várias formas: Pode ser uma alteração da posição que a organização ocupa no mercado, também uma modificação em sua função social ou modificação no direcionamento estratégico (com possível alteração da missão organizacional, mudança de cultura, valores e níveis hierárquicos de autoridade e responsabilidade). E, com base nestes fatos, este estudo tem por objetivo identificar e analisar a gestão da mudança como fator crítico de sucesso em processos de transformação organizacional, bem como sua importância no trabalho de minimizar impactos, reduzir resistências e demonstrar suas formas de implementação através de estudo de caso.

6 6 METODOLOGIA Esta monografia visa objetivar a temática A Gestão da Mudança para o desenvolvimento das organizações. Para atingir o objetivo utilizou-se, como metodologia, a pesquisa bibliográfica em livros, artigos, periódicos e internet, além do estudo de caso de uma empresa de saúde. O trabalho está dividido em três partes, as quais contemplam o referencial teórico. Na primeira parte, discorre-se sobre a gestão da mudança propriamente dita, conceitos, aspectos positivos e negativos e o princípio da tomada de decisão. Na segunda parte, apresenta-se os processos da mudança, o papel da liderança no processo da mudança e descreve-se a estratégia da mudança. Na última parte, vê-se a importância da gestão da mudança com a experiência vivida pela empresa Unimed Rio no Projeto de mudança do seu Contact Center. Após esse desenvolvimento fazem-se as considerações finais.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Gestão da Mudança 09 CAPÍTULO II - Processos da Mudança 16 CAPÍTULO III Estudo de Caso Unimed Rio 28 CONCLUSÃO 36 BIBLIOGRAFIA 37 ÍNDICE 38 FOLHA DE AVALIAÇÃO 39

8 8 INTRODUÇÃO A sociedade humana vive nos dias atuais, um acelerado processo de transformações como nunca se viu em tempo algum. Este fenômeno é conseqüência das mudanças que se processam nos diversos aspectos desta sociedade políticos, sociais, econômicos, tecnológicos e filosóficos entre outros. Nesta concepção, onde estar atento e aberto às mudanças pode significar a sobrevivência das organizações, torna-se fundamental conhecer as diversas propostas que permeiam os textos sobre gestão de mudanças, possibilitando a identificação de modos de lidar com as dificuldades e resistências ao processo, quer seja dos indivíduos isoladamente ou de grupos. O processo de mudança organizacional esta presente no dia-a-dia das organizações, mas nem sempre é tratado como um processo natural. Diante dessa premissa, muitos são os autores que tem se dedicado na busca por fatores que interferem nesse processo, colocando em risco o sucesso da transformação organizacional. Entre esses diversos fatores, objetos de estudos e pesquisas, a comunicação destaca-se por sua ambigüidade nesse processo, já que é apontada tanto como fator de redução da resistência dos indivíduos ou grupos às mudanças necessárias e inevitáveis, bem como pelas dificuldades que ela pode provocar naqueles que, por dificuldade de dominá-la e com ela dialogar, se enclausura diante das transformações. Trabalhando com a hipótese de que a gestão da mudança significa a possibilidade de um modelo mais aberto, para encarar a imprevisibilidade do mercado atual, o presente estudo busca destacar a importância da gestão da mudança para o desenvolvimento das organizações. E fundamenta essa importância através de um estudo de caso: o sucesso da mudança do Contact Center na empresa Unimed Rio.

9 9 CAPÍTULO I GESTÃO DA MUDANÇA Todo ser humano está sujeito a mudanças, que se processam de modo temporário ou definitivo, quer no campo pessoal nascimento de um filho, falecimento de alguém mais próximo, alteração de domicílio, problema de saúde, etc. ou profissional mudança de emprego, promoção, ambiente de trabalho, etc.. Esta premissa também vale para empresas e/ou organizações, que convivem no seu dia-a-dia com mudanças, tais como: perfil de sua clientela, abordagem da concorrência, novas leis de mercado, fornecedores e matéria prima, entre outros. Muitas dessas mudanças ocorrem de forma tão natural e espontânea, que não nos damos conta de sua importância para nossa vida pessoal ou para a estrutura empresarial da qual fazemos parte. Certo é que todas essas mudanças causam impactos psicológicos nos indivíduos, interferindo em seus aspectos pessoais ou nas organizações onde exercem suas atividades profissionais. Buscar e compreender estes impactos, a partir dos estudos desenvolvidos e das teorias que os embasam, gerenciando os efeitos deles decorrentes possibilitarão uma melhor adaptação do indivíduo e da organização a estas mudanças, evitando-se ou, pelo menos, reduzindo-se desperdícios de tempo ou financeiros, além dos desgastes no relacionamento interpessoal para os indivíduos protagonistas desse processo de mudanças. Para uma melhor compreensão dos impactos psicológicos causados pelas mudanças, deve-se primeiramente entender que estas se compõem, basicamente, de três fases: O Velho - o modelo ou o conjunto de práticas que se pretende abandonar; A Transição - o processo no qual se busca abandonar "O Velho" em busca de uma nova fase; e O Novo - onde se pretende chegar (nova fase).

10 10 Resistir a mudanças, acomodar-se frente à segurança do que é estável, faz parte da índole da grande maioria das pessoas, o que as leva a uma tendência de rejeitar o novo. Transição gera tensão e pode provocar temor e ansiedade para muitos indivíduos. A resistência à transição está geralmente associada ao temor de adotar rotinas com as quais o indivíduo não está familiarizado, o que o coloca diante da necessidade de ter que produzir mais, ou ainda o receio de que perca o controle da situação e, até mesmo, o emprego já que será avaliado por outro padrão, às vezes mais elevado ou com outra abordagem diferente daquela sobre a qual tem controle. O grande desafio que se apresenta à gestão de mudanças é o processo motivacional direcionado aos diversos grupos de indivíduos que emperram a transição do Velho para o Novo, tanto aos que, por acomodação, não se dispõem a aumentar seus níveis de responsabilidades, quanto os que rejeitam mudanças, quando elas são propostas por indivíduos estranhos à organização. Neste contexto que se faz presente no Século XXI, por muitos designados como o século das grandes transformações, percebe-se um aumento significativo da importância do tema gestão da mudança nas organizações, em diversos estudos e publicações. são: Em linhas gerais, os objetivos da gestão da mudança nas organizações Criar um sentido de direção único e estabelecer um patrocínio, visível e tangível, para acompanhar e garantir o sucesso no processo de mudança ou transformação; Determinar, dimensionar e gerenciar impactos organizacionais decorrentes destas mudanças; Minimizar resistências as mudanças; Estimular e promovera aceitação da mudança; e capacitar a organização para que a mudança funcione efetivamente.

11 11 A gestão da mudança organizacional deve minimizar os impactos sobre o desempenho organizacional decorrente da mudança, bem como direcionar os esforços, alinhados aos objetivos estratégicos da organização. 1.1 Organização, Cultura e Mudança Organizacional A Wikipédia descreve o sentido que a palavra organização tem na administração: combinações de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos coletivos. Exemplos: Associações, órgãos do governo, empresas, ou qualquer instituição privada ou pública. As estruturas das organizações são compostas por física, tecnológica e de pessoas. É possível gerenciar e modificar uma cultura? Esta pergunta é freqüentemente encontrada nos estudos da cultura organizacional, e sua resposta é sim. Entretanto a mudança de uma cultura é extremamente difícil e muitas vezes traumática. Como bem nos coloca Maquiavel: "nada é mais difícil do que realizar, mais perigoso que conduzir, ou mais incerto quanto ao seu êxito, do que iniciar a introdução de uma nova ordem de coisas, pois a inovação tem, como inimigos, todos aqueles que prosperaram sob as condições antigas, e como defensores tíbios todos aqueles que podem se dar bem nas novas condições" (Chauí, 1999). Momentos de crise podem se tornar altamente favoráveis à realização de mudanças. As crises, tanto provocadas por fatores externos (econômicos, políticos etc.), como por fatores internos (aparecimento de novas lideranças etc.), podem propiciar um momento mais adequado para a introdução de mudanças na organização (Da Matta, 1984 ). Vale ressaltar, que a evolução da cultura de um grupo pode servir a diferentes propósitos em diferentes momentos. Quando um grupo esta se formando a cultura opera como uma "liga". Em outras palavras, quando a organização é jovem a cultura atua no sentido de manter a organização unida. A mudança de cultura na organização jovem pode ser descrita como

12 12 adaptações às necessidades internas e externas que vão aparecendo (Chauí, 1999 ; Da Matta,1984). Quando a organização atinge a meia-idade, a cultura pode ser gerida e modificada, mas não sem levar em conta todas as fontes de instabilidade. A grande organização diversificada contém, provavelmente, muitos grupos funcionais com culturas próprias, algumas das quais podem estar em conflito com outras. Uma das difíceis decisões estratégicas com que a gerência se defronta é se a organização deve reforçar a diversidade para se manter flexível diante das turbulências ambientais ou se deve criar uma cultura mais homogênea. Esta dificuldade é particularmente maior quando a alta gerência desconhece as premissas culturais da organização (Bergamini, 1997). Finalmente, quando a organização atinge sua plenitude ou ainda, quando esboça algum declínio, há que se estar atento para a necessidade de se alterar parte de sua cultura. Quando um processo de mudança é deflagrado nesse contexto, se apresenta geralmente doloroso, podendo até mesmo sofrer violenta resistência. Em casos extremos, a mudança somente será possível se, primeiramente, forem substituídas as numerosas pessoas que vão querer manter íntegro o todo da cultura original. Outros aspectos primordiais para o sucesso no processo de mudança são: conhecer as razões da mudança e gerenciar o seu processo; realizar um diagnóstico organizacional para definição da direção da mudança; estabelecer um plano estratégico de mudança, monitorando-o e avaliando-o continuamente. 1.2 Aspectos positivos e negativos da mudança As organizações que apresentam objetivos focados na garantia de sobrevivência e buscam um crescimento sustentável neste tão competitivo e globalizado mercado estão atentas para os conceitos de competitividade, lucro e ampliação de sua atuação, compreendendo que suas decisões precisam

13 13 estar concatenadas com as mudanças que permitirão a flexibilidade de adaptação e a dinâmica dos relacionamentos interpessoais dos indivíduos que a integram. Nessa premissa, as transformações são influenciadas por fatores internos e externos que estarão se relacionando com as práticas sedimentadas, quer positiva ou negativamente, caracterizando-se pela implantação de um novo processo que contemple a intensa competitividade do mercado. Para acompanhar tal competitividade, necessita-se cada vez mais processos dinâmicos, produtos com melhor qualidade e eficiência operacional. Destas inovações surgem as ferramentas de garantia de sustentabilidade das organizações, para sua produtividade e lucratividade. Também é necessário que a organização concilie suas estratégias de ação com a necessidade de mudanças, pois desta relação resultará a vantajosa competitividade que a organização deseja obter no mercado. Adaptando-se a mudança, a organização obterá a flexibilidade necessária para que se estabeleça a diferenciação da empresa no mercado, criando valor para o cliente e sustentabilidade para a organização. Fomentando uma reestruturação que a diferencie dos modelos comumente praticados por suas concorrentes, a organização estará viabilizando possibilidades de sucesso nestes tempos de grandes transformações mudanças. Como propõem Prahalad e Hamel, deve ocorrer uma reinvenção dos setores e regeneração das estratégias, com foco na reavaliação de seus processos e atitudes. A adaptação da organização e dos indivíduos para esse objetivo, constrói as bases de uma organização bem estruturada. Chiavenato, p.251 afirma que quem sempre viveu em empresas imutáveis e estáticas, fechadas e herméticas, onde as coisas não mudam, nunca aprenderá a mudar e a inovar. Desta forma, somente o trabalho do gestor, alinhado a sua facilidade em conduzir os mais diferentes grupos e

14 14 personalidades, poderá resultar em uma mudança eficaz e com o mínimo de resistência. Resistência, que por sinal, deve merecer atenção especial dos gestores, por se destacar como um dos principais obstáculos para a mudança. Analisando os principais motivos dessa resistência aspectos lógicos dos indivíduos, onde se destacam os interesses pessoais; aspectos psicológicos, onde as atitudes emocionais tais como o medo do desconhecido e a dificuldade de compreender a mudança são fatores determinantes; e por último, os aspectos sociológicos, nos quais prevalecem os interesses de grupos e fatores sociológicos, como valores sociais opostos cabe ao gestor integrar os indivíduos no enfrentamento das resistências que se apresentarem, procurando envolver, negociar e manter uma comunicação clara e objetiva com todo o grupo. Outro aspecto que merece atenção neste estudo é a situação de estagnação presente em muitas organizações, nas quais persistem paradigmas de conservadorismo e certa liberdade assistida. Esse tipo de organização, que tem suas práticas alicerçadas em valores não condizentes com as atuais leis de mercado, compreendem a mudança como um risco para a organização e até mesmo para sua rotina de trabalho, ressaltando o alto grau de incertezas e riscos inerentes as mudanças. De fato, nenhuma mudança em uma organização se processará sem expor ao conflito as atividades cotidianas, nas relações de trabalho, nas responsabilidades, nos hábitos e comportamentos das pessoas que são os membros da organização. Desta forma, o ambiente psicológico e a cultura da organização devem fomentar um entrosamento de toda a equipe, para aperfeiçoar a implantação da mudança, com o mínimo de resistência possível. Resistência a mudança é fator previsível em qualquer organização, mas plenamente adaptável às ações gerenciais de quem as promove. Cabe portanto a organização e principalmente ao gestor analisar, compreender e envidar todos os esforços no sentido de alinhar os fatores determinantes da

15 15 mudança, buscando o melhor resultado para a organizações e para os indivíduos. 1.3 Princípios da tomada de decisões Tomada de decisão é sempre um momento difícil, mas se tivermos em conta todos os parâmetros que cercam essa decisão, e se reduzirmos os erros mais comumente cometidos nestas situações, estaremos nos colocando em posição privilegiada para uma decisão favorável à organização As decisões devem ser escolhas tomadas com base em propósitos bem definidos e difundidos entre todos os membros da organização, possibilitando ações orientadas para determinado objetivo que, quando alcançado, determinará a eficiência do processo de tomada de decisão. A tomada de decisão é uma ação essencial na vida de qualquer indivíduo. Grande parte das decisões tomadas por cada um de nós, definirá o rumo e o percurso de nossa atividade profissional assim como o nosso bem estar social e daqueles que dependem de nós. No entanto, são poucas as pessoas que possuem, ou adquirem, a capacidade de tomar decisões com a presteza compatível e necessária para o acelerado mundo atual. A tomada de decisão, para a grande maioria das pessoas e organizações, ainda se mostra um processo lento e complexo, ficando atrelado aos diversos fatores que a cercam, além da necessidade de se analisar a combinação das mais diversas e variadas possibilidades. Antes da tomada de qualquer decisão considera-se proveitoso a análise de todos os custos e benefícios da opção a ser escolhida.. A tomada de decisão, ação mais importante na gestão da mudança, é realizada pelo líder que tem o papel prepoderante no sucesso da implantação e realização da mudança junto aos colaboradores, cabendo a ele a responsabilidade principal no sucesso da organização.

16 16 CAPÍTULO II PROCESSOS DE MUDANÇA Definida a tomada de decisão, com o estabelecimento das metas a serem atingidas pela organização, passa-se a etapa seguinte que é a de implantar as mudanças. Mudanças que poderão ser planejadas para uma execução gradativa e constante, logo, a médio ou longo prazo, ou ainda mudanças que podem ser implantadas de forma radical e imediata. Porém existem mudanças orgânicas, que acontecem ao longo do tempo, sem que haja um planejamento para elas. São mudanças que se processam tão naturalmente, que os indivíduos não a percebem apesar de incorporaremnas em suas práticas. Muitas mudanças podem criar zonas de reforma, de rejuvenescimento ou de revolução na organização, dependendo da combinação de fatores presentes nessa transformação e da forma com que elas são propostas e implementadas. Por outro lado, existem mudanças em que o indivíduo é afetado de forma indireta, tornando-se necessário o seu enquadramento na nova configuração organizacional, seja por meio de qualificação técnica, mudança de comportamento, e até adaptação cultural. Quando se submetem às mudanças, as organizações enfrentam um sério e contraditório dilema. Se, de um lado, elas desejam mudanças em nome da competitividade, de outro lado, resistem às mudanças em função do desejo de manter a estabilidade e a previsibilidade. Essa resistência pode chegar a paralisá-las e tolhe-las, não permitindo a adaptação da organização na mesma rapidez das transformações do meio ambiente, em constante evolução. Ao mesmo tempo em que as mudanças trazem novos desafios, novas tecnologias e novos mercados, também geram inseguranças e dúvidas. As mudanças podem envolver relações, processos tanto produtivos como tecnológicos, de estrutura organizacional, mecanismos de coordenação, pessoas ou papéis na organização, e de cultura.

17 17 Existem três fundamentais tipos de mudanças, de acordo com a intensidade da transformação na organização: a mudança incremental planejada, a mudança radical e a mudança não planejada. A mudança incremental planejada, ou mudança sistemática, ocorre de maneira lenta, ela evolui mais do que revoluciona segundo os estudiosos. Não atinge todos os componentes da organização ao mesmo tempo, e os transtornos à organização são limitados. A mudança radical está ligada diretamente às mudanças estratégicas que, caracteristicamente, requerem mudanças na estrutura e nos processos organizacionais. A mudança radical é também considerada uma mudança difícil e dramática, pois é, sempre, iniciada em tempos de dificuldades e crises tanto no mercado quanto nas organizações. As mudanças normalmente são planejadas, mas, existem aquelas que surgem por intermédio de processos não planejados ou não estimados. A mudança não planejada é a mudança que surge ou acontece sem pensar, sem ter sido previamente organizada, e é denominada de mudança orgânica. A tendência deste tipo de mudança é crescer informalmente, e indica uma aparente falta de capacidade gerencial. Nesse tipo de mudança, a organização reage aos incentivos do meio ambiente com a mínima ação de planejamento por parte de sua diretoria. As mudanças dramáticas são realizadas a partir da direção da organização, ou seja, de cima para baixo da estrutura hierárquica. A mudança sistemática ocorre de forma lateral, habitualmente conduzida por consultores e membros da equipe, e a mudança orgânica surge dos níveis inferiores da hierarquia. Esses três tipos de mudanças interagem dinamicamente, cada uma delas impulsiona o processo de transformação. A mudança dramática estimula a resolução, a qual produz impulso; a mudança sistemática ministra uma reestruturação, que indica ordem; e a mudança orgânica mostra rejuvenescimento, o qual estimula a iniciativa.

18 18 O processo de planejamento da mudança organizacional pode ser ordenado em doze etapas, essas etapas são: 1. Exploração do ambiente e das condições internas da organização; 2. Reconhecimento da diferença entre as condições atuais e as condições desejadas; 3. Percepção e avaliação; 4. Planejamento e análise; 5. Determinação dos objetivos de mudança; 6. Determinação do programa e das táticas de mudança; 7. Descongelamento de comportamentos (desaprender modos antigos de fazer as coisas e aprender novos métodos). 8. Avaliação do plano de mudança; 9. Ajuste ou modificação do plano; 10. Implementação do plano; 11. Acompanhamento da implementação do plano; 12. Congelamento e consolidação dos comportamentos e atitudes (focados no novo modo de fazer as coisas, através de treinamento, sistemas de incentivo e outros). Para evitar problemas, a organização deve continuar acompanhando os esforços da mudança por um longo período após sua execução. O monitoramento contínuo ajuda muito, pois se consegue detectar precocemente alguns problemas, antes que estes se tornem graves e precisem de novas mudanças radicais. As pessoas envolvidas no processo de mudança devem ser informadas sobre a natureza da mudança proposta, e de que modo a mudança afetará suas vidas. Resistência, confusão e sentimentos de raiva podem ser minimizados por meio de estratégias corretas de comunicação, aplicadas no momento adequado.

19 O papel do líder no processo da mudança O Grande desafio do cenário mundial hoje é o de facilitar os processos de mudança. O momento exige a excelência na prestação de serviços, e a urgência de resultados como requisitos importantíssimos para conseguir a sobrevivência da organização no mercado de hoje. O líder tem um papel de destaque nas organizações atualmente. É cobrado sempre dele o comprometimento com resultados e o uso de sua capacidade para resolver problemas dentro de abordagens diversificadas e eficazes. Para se obter o máximo de retorno positivo, o administrador precisa desenvolver sua capacidade de liderança, a marca registrada de um bom administrador. O conhecimento técnico e teórico e as diversas competências serão pouco úteis ao administrador contemporâneo e se este não desenvolver as habilidades humanas necessárias para mobilizar as pessoas. A liderança não é apenas a soma de alguns traços de personalidades ou outros aspectos isolados. Liderança é a soma, a conjunção e multiplicação de vários atributos, habilidades, competências e fatores. O professor Chiavenato afirma que o administrador deve ser sempre um poderoso agente de mudança na empresa (2006, p. 52). Para tanto se faz necessário que este líder desenvolva flexibilidade para atuar de maneira diferente de acordo com cada cenário encontrado em diferentes momentos. Chiavenato destaca ainda, alguns imperativos que precisam ser definidos ao refletir sobre a complexidade da liderança (2006, p.121). O primeiro imperativo ao líder está em conduzir as pessoas a alcançar resultados; o segundo, em impulsionar o desempenho das pessoas lideradas, definindo expectativas e auxiliando os subordinados. Estabelecer parceria dentro e entre as equipes da organização é o terceiro item primordial ao líder segundo o estudioso. Segundo Maria Rita Gramigna (Mestre em Criatividade Total Aplicada pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) em 2007 no site

20 20 portaldomarketing.com.br). Desenvolver pessoas e promover mudanças é um processo que ocorre em fases, a saber: 1ª - PERCEPÇÃO DA NECESSIDADE: Esta fase é facilmente superável e demanda um curto espaço de tempo. Constitui o primeiro passo no processo. É aquele momento onde a pessoa toma conhecimento de fatos, dados, conceitos e informações técnicas que ajudam a identificar necessidades de mudanças e melhorias. 2ª - O QUERER: A segunda etapa passa pelo nível emocional e é uma questão atitudinal. As dificuldades e o tempo para seu processamentos são mais prolongados. Dependerá da forma como cada pessoa se posiciona frente ao quadro diagnosticado anteriormente e de seu nível de sensibilidade para a questão. Características pessoais tais como autoconfiança, flexibilidade, iniciativa, motivação empreendedora e visão de futuro atuam como elementos facilitadores da atitude do querer. Ao contrário, a insegurança, o medo, a acomodação e as visões limitadas podem predispor a uma atitude de manutenção do "status-quo". Afinal, permanecer na rotina é menos ameaçador do que arriscar a sair do círculo de influências pessoais. 3ª - PLANEJAMENTO DO FAZER O novo degrau só é transposto quando está presente a busca de caminhos para fazê-lo. Nesta fase as dificuldades aumentam. A pessoa precisa se envolver e atuar com força de vontade na busca de sua capacitação técnica e pessoal. É um momento de decisão, planejamento e preparação para a ação. 4ª - EMPREENDIMENTO DE AÇÕES Esta etapa pode ser concluída ou não, dependendo do contexto organizacional em que a pessoa atua. Diretrizes superiores, cultura da

21 21 empresa, sistema de valores vigente, crenças, mitos, clima de trabalho, forma de atuação das equipes e recursos disponíveis são algumas variáveis que atuam como forças propulsoras ou inibidoras à ação. O fazer pode tornar-se realidade ou permanecer no discurso. 5ª - FAZER-FAZER É o grau mais refinado de mudança e o último passo do processo. Novas atitudes, comportamentos e padrões são incorporados naturalmente e passam a fazer parte do cotidiano do envolvido. Nesta etapa a pessoa consegue atuar como agentes multiplicadores e estimulam em seu ambiente o ciclo do desenvolvimento. O líder competente sabe que estar cercado de pessoas talentosas é a maneira mais segura de garantir condições para o crescimento da organização. Formar uma equipe melhor do que ele próprio deve ser um dos maiores objetivos do líder, que garante o contínuo treinamento e desenvolvimento de seus colaboradores. 2.2 Estratégias da mudança Estratégias de mudanças e qualidade total são objetivos buscados pelas organizações que pretendem adequar-se às novas tendências do mercado e ambas se organizam a partir de aspectos construídos a partir de alguns princípios. Ocorre que, esses objetivos apresentam uma estruturação organizada em sentido inverso, porém com o mesmo foco de chegada. Enquanto as estratégias estão elencadas partindo do princípio de que é preciso estruturar primeiramente os métodos, as técnicas e processo de trabalho, para depois promover o envolvimento das pessoas que se engajarão nessa mudança, a qualidade total. Já a qualidade total parte de prioridades inversas: começa por sensibilizar e envolver as pessoas; para somente depois, modificar processos e estruturas organizacionais.

22 22 Para que o objetivo de uma bem sucedida mudança se alcance, tendo como resultado final a qualidade total, é necessário que o gestor de mudanças observe algumas ações: 1. Estabelecer com clareza o objetivo da mudança. Muitas são as organizações que iniciam um processo de mudança sem que se tenha clareza do que pretendem ao final do processo. Ainda que seus objetivos estejam claros para os gestores da mudança, a não socialização desses objetivos provocará desperdício de tempo, trabalho e capital, além de desestimular os indivíduos envolvidos nesse processo, provocando uma relação custo-benefício ineficientes. Um processo de mudança somente se torna eficiente, quando todos os seus protagonistas têm as informações necessárias para o implemento das ações que se sucederão. Processos de mudança também podem ter mais de um objetivo a ser buscado de forma simultânea, sendo necessária uma maior atenção dos gestores para a socialização desses objetivos, sem perder de vista a compreensão de que isso exigirá maior esforço de planejamento. 2. Planejar as ações ou estratégias a serem adotadas. É necessário que se defina com bastante clareza e planejamento os objetivos e as ações que serão desenvolvidas. Otimizar recursos á partir do enxugamento de custos, criar dinâmicas e estratégias que agilizem os serviços prestados, melhorando a qualidade final, assimilar novas tecnologias, incorporando-as às praticas rotineiras, delegar competências, descentralizando as decisões e ampliar a participação no mercado., são apenas algumas das possibilidades entre tantas outras, que podem ser definidas no coletivo da organização, valorizando-se propostas que surjam dos diversos setores da organização.

23 23 3. Criar um cronograma para as ações de mudança. Tendo objetivos e ações definidos, é fundamental que o gestor apresente, através de eficientes meios de comunicação, o cronograma para a execução das ações planejadas, definindo prazos datas de início e fim das ações; local onde as ações ocorrerão setores, departamentos, etc. Além dessas definições, é necessário que se clarifique os agentes dessas ações e o alvo quem será atingido com as mudanças a serem implantadas. 4. Estabelecer parcerias. Um processo de mudança pode ser mais eficiente à partir da cooptação de pessoas-chaves para a fundamentação das ações concebidas. Agentes externos como consultores que orientem e auxiliem no planejamento e implantação das mudanças, podem facilitar a compreensão das metas planejadas. Nesta parceria, é fundamental que se estabeleça uma relação de confiabilidade e sintonia da organização dom o parceiro, acatando sugestões e orientações para as ações a serem adotadas. Outras pessoas-chaves neste processo de mudança são os diretores, gerentes, supervisores, encarregados, líderes formais e informais de grupos, especialistas e técnicos de grandes conhecimentos em suas áreas. Destes agentes, dependerá substancialmente o sucesso ou o fracasso das mudanças a serem implementadas. 5. Comprometer e envolver pessoas. Um gestor de mudanças deve incentivar e valorizar todos os indivíduos participantes desse processo. A partir de reuniões individuais ou setorizadas, as sugestões devem ser acatadas, debatidas e submetidas aos demais indivíduos. Uma sugestão aceita e incorporada ao processo de mudança torna seu autor ou autores comprometidos com o processo. Dentre esses indivíduos técnicos, especialistas, pessoal operacional - pode surgir grandes propostas, tais como modificações em rotinas, processos, métodos, além da sinalização de dificuldades e problemas operacionais, pois vivem essas situações diariamente. É bastante comum nos relatos de

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional,

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Planejamento Estratégico e Governança Corporativa Palestras Temáticas e Motivacionais v.03/15 Neurotreinamentos Neurobusiness

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Vivendo de acordo com nossos valores...

Vivendo de acordo com nossos valores... Vivendo de acordo com nossos valores... o jeito Kinross Nossa empresa, Kinross, é uma empresa internacional de mineração de ouro sediada no Canadá, com operações nos Estados Unidos da América, Rússia,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais