Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira"

Transcrição

1 Disciplina AZ044 - Suinocultura Suinocultura Brasileira Sistemas de produção em suinocultura Prof. Marson Bruck Warpechowski Suinocultura Brasileira Fatores de produção Produtor / mão-de-obra Animais (genótipo) Alimentação Manejo Instalações Controle Sanitário Variáveis de Classificação dos SISTEMAS Tamanho (no. animais/no. matrizes) Concentração de animais/área Manejo, Equipamentos e Instalações Grau de tecnificação (índices produtivos) Tipo de produção (fases biológicas) Objetivo da produção (para quê) Ciclo Completo (CC) Produção de Leitões (UPL) Terminação de leitões (quando integrada: UPT) Segundo Sítio (somente CRECHE) Quarto Sítio (preparação de MARRÃS) Quinto Sítio (primeiro parto do 4 sítio) Reprodutores (sempre CC) é produto específico (então é OBJETIVO e não é Tipo de produção) 1

2 Ciclo Completo Desde a reprodução até a terminação de qualquer tamanho Qualquer nível tecnológico Qualquer sistema de produção Permite reposição de fêmeas do próprio plantel Raças puras ou cruzamentos Produção de leitões Mais especializadas que de ciclo completo Praticamente somente as fases de reprodução Geralmente parte de um sistema integrado Geralmente boa qualidade genética e uso de cruzamentos especializados Geralmente alta qualidade técnica e sanitária Produção de leitões para abate Leitões desmamados com dias Peso de venda de 6 a 12 kg preço por kg? Produção de leitões para engorda Venda com 18 a 25 kg Período de creche (até dias) Preço 3,5 x preço/kg suíno terminado Terminação de leitões para abate Mais especializada ainda Creche (?), Crescimento e Terminação Abate com kg Idade de 160 a 175 dias 2 a 3 lotes por ano Pode ser parte de um sistema integrado Segundo Sítio (Creche) Parte de produções integradas (cada granja pode ser de proprietário diferente) ou de Segregadas em Múltiplos Sítios (dono único, as vezes em regiões diferentes de grandes propriedades) Recebe leitões desmamados da UPL e distribui leitões para a(s) UPT Altamente especializada (instalações, equipamentos, funcionários, manejo) Quarto Sítio Fase de preparo e seleção de marrãs Recebe leitoas recriadas e passa nulíparas com prenhez confirmada Quinto Sítio Recebe nulíparas prenhes, produz os leitões do 1 parto e passa primíparas com prenhez confirmada 2

3 Objetivo da Produção Para quê (ou Quem) produz suínos? Atividade Principal/Secundária Integração lavoura-pecuária-floresta Consumo próprio/subsistência Comercial Mercado normal (N e peso) Mercado específico (produtos diferenciados) Objetivo da produção Produtoras de Reprodutores São granjas de Ciclo Completo Legislação sanitária severa (GRSC) Produção de machos e fêmeas selecionados e inspecionados Venda de reprodutores jovens e de descarte Alta rotação de reprodutores comparado com planteis de leitões para abate Objetivo da produção de Reprodutores Tradicional Gera reprodutores de raças puras Inspeção Zootécnica aos 3 meses Testes de Granja aos 5 meses Testes em Estação de Teste de Reprodutores Julgamento em feiras agropecuárias Certificação de fertilidade Objetivo da produção Núcleo (bisavós) Gera avós de raças puras (linhagens) Inspeção Zootécnica, Testes de Granja e índices reprodutivos dos ascendentes Linhagens genéticas planejadas para cruzamentos nas Multiplicadoras Objetivo da produção Multiplicadoras (avós) Gera híbridos comerciais (cruza entre raças) Inspeção Zootécnica, Testes de Granja e índices reprodutivos dos ascendentes Cruzamentos planejados para formar machos e fêmeas híbridas para granjas produtoras de leitões ou de ciclo completo Pirâmide de dispersão genética Comerciais núcleo multiplicadoras Comerciais Comerciais 3

4 Poder multiplicador da pirâmide de produção segundo Pesti, 2003 Tamanho da produção Ciclo Completo: Pequeno: até 20 matrizes Médio: 21 a 100 matrizes Grande: > 100 matrizes Terminadores: Pequeno: até 250 leitões/ano Médio: 250 a 1000 leitões/ano Grande: > 1000 leitões/ano Intensivo Confinado de Alta Tecnologia Confinado Tradicional Semi-Confinado Confinado Sobre Cama (deep beding) Intensivo ao Ar Livre (SISCAL) Extensivo e semi-extensivo Subsistência (fundo de quintal e extrativismo ) Montanheira / Agroecológico (selos) Confinado de Alta Tecnologia Alta concentração de animais Sítios múltiplos especializados Genética especializada Altos níveis de nutrição e manejo Máximo desempenho zootécnico Alto nível sanitário Alto custo e alta produtividade Confinado Tradicional Alta concentração de animais Prédios menos especializados (sem creche, gestação coletiva) Genética variável (raças comerciais) Níveis variáveis de nutrição e manejo Desempenho zootécnico variável Nível sanitário adequado Custo e produtividade variáveis Semi-Confinado Tradicional Semelhante ao Confinado Tradicional Fêmeas vazias e gestantes e machos reprodutores tem acesso a piquetes Lactação, crescimento e terminação confinados (sem creche, gestação coletiva) Em geral nível médio a baixo de tecnologia e produtividade 4

5 Confinado Sobre Cama Creche (?), Crescimento e Terminação em galpão semelhante a de frangos de corte (menor custo fixo) Menor impacto ambiental (dejetos sólidos, melhor relação N/C) Melhor bem estar e melhor carne Maior gasto energético, pior conversão Ganho de peso semelhante Suínos em sistema sobre cama Oliveira e Diesel CNPSA Intensivo ao Ar Livre (SISCAL) Ciclo completo, todas as fases em piquetes ao ar livre Custo mínimo com instalações Uso de cercas elétricas e abrigos móveis Necessário programar rotação de piquetes e de abrigos maternidade Sistemas mistos: creche, crescimento e terminação confinados Porca Caribenha em SISCAL Suínos Moura em SISCAL - UFPR Dimensões SISCAL com 23 matrizes Dalla Costa et al CNPSA 5

6 Extensivo de subsistência Raças rústicas tipo banha, pequeno porte Grandes extensões com baixa lotação Permanentemente soltos, sem divisão de fases e sem controle de reprodução Utilização de recursos locais (restos de culturas, pastagem nativa e suplementos sazonais milho, abóbora, batata-doce...) Baixo nível sanitário Engorde de suínos de raças brasileiras em Minas Gerais Sistema extensivo Portugal Indices de produtividade estimado em sistema extensivo não comercial Índice Valores Leitões/porca/ano 5 a 6 Desm am ados/parto 3 a 5 N de partos/ano m enos de 1 idade abate (m eses) 12 a 18 peso abate (Kg) 70 a 90 Sobestiansky et al Extensivo tipo Montanheira Raças rústicas do tipo ibéricas Reprodução semelhante ao SISCAL Engorde em montanheira (bolota de carvalho, castanha, pinhão) Ou engorde em pastagem suplementada com ração (Parma) Controle sanitário adaptado ao sistema Suínos Ibéricos em Montanheira 6

7 Suínos Ibéricos em Montanheira Indices de produtividade de acordo com o nível de tecnologia Índices baixa Média Alta Nascidos/parto 10,6 11,2 11,5 Nascidos vivos/parto 10,0 10,5 10,9 Desmamados/parto 7,5 9,7 10,0 Parto/porca/ano 2,0 2,3 2,4 Nascidos/porca/ano 21, ,0 Nascidos vivos/porca/ano 20,0 24,0 26,5 Desmamados/porca/ano 15,0 22,4 24,8 Taxa de partos/porca cob 0,75 0,85 0,89 Terminados/porca/ano 14,0 22,0 24,2 Conversão alimentar 4,0 3,3 2,9 Custo/kg (R$) 1,30 1,07 1,04 Ver dados atuais na Aula 2c ANUALPEC - FNP 1996 e em Comparação de sistemas de engorde Selos de qualidade/procedência Origem genética / região Sistema de produção: Típico/Étnico/Colonial/Caipira Agroecológico/Verde/Sustentável Comercio justo/ético/equitável/solidário Rastreabilidade/Controle sanitário Critérios? Fiscalização? Custo com dejetos menor no sistema sobre cama Dalla Costa et al. (2007) Selos de qualidade/procedência Distribuição do rebanho Brasileiro nos sistemas de produção Sistema Confinado de alta tecnologia 15,0 21,0 32,0 40,0 Confinado tradicional 25,0 27,0 29,0 30,0 Semi-confinado tradicional 27,0 26,0 21,0 17,0 Intensivo ao Ar livre 0,2 0,5 1,0 2,0 Extensivo 32,8 25,5 17,0 10,0 Agroecológico ,0 Bonett e Monticelli CNPSA 7

8 Fatores de produção Organização da Cadeia Produtiva Produtor / mão-de-obra Animais (genética) G Núcleo Cooperativas Integrações Mercado Alimentação Manejo Instalações Controle Sanitário Multiplicadora Produtora de leitões Equipamentos Instalações Terminador Grãos e ingredientes Aminoácidos e Aditivos Frigorífico Fábrica de Rações Fábrica de Premix Estrutura do Sistema Horizontal x Vertical Produtor individual / Empresa especialista Empresas multifatoriais (verticalizadas) Integração Vertical (integradoras) Associação Horizontal (condomínios, cooperativas, associações de produtores) Estrutura Horizontal de produção Ingredientes e ração Material genético Abate e indústria Empresas especializadas: fatores espalhados horizontalmente Associações entre empresas em Estrutura Horizontal Terminadores Estrutura Verticalizada Empresa Material genético de produção Produtora de leitões Acordo comercial Ingredientes e ração Ingredientes e ração Abate e indústria Frigorífico Empresa única detém muitos fatores de produção empilhados verticalmente 8

9 Integração entre empresas em Estrutura Vertical Integrador x Integrado Integrador: reprodutores, alimentação*, produtos veterinários, orientação técnica e compra dos leitões terminados Integrado: terra, mão de obra, instalações e equipamentos, alimentação* *Acordos variáveis conforme disponibilidade de insumos e recursos do produtor 9

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi Disciplina AZ044 - Suinocultura Manejo do cachaço Prof. Marson Bruck Warpechowski Importância do cachaço Eficiência reprodutiva: precocidade sexual, ritmo reprodutivo, raças e cruzamentos, alimentação,

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO Daniel Henrique Sousa Tavares 1; Gerson Fausto da Silva 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹

MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹ MEDIDAS DE GESTÃO QUE CONTRIBUEM PARA O RESULTADO OPERACIONAL DO NEGÓCIO SUÍNO MÁRIO FACCIN ¹ No ano de 98/99 a suinocultura americana viveu a sua pior crise que, culminou com a venda/compra de mais de

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Desafios da agroindústria na implementação de sistemas de gestações coletivas. WS Boas Práticas de Bem estar Animal Suínos 25/11/2014 Brasília/Brasil

Desafios da agroindústria na implementação de sistemas de gestações coletivas. WS Boas Práticas de Bem estar Animal Suínos 25/11/2014 Brasília/Brasil Desafios da agroindústria na implementação de sistemas de gestações coletivas WS Boas Práticas de Bem estar Animal Suínos 25/11/2014 Brasília/Brasil Introdução A BRF entende e concorda com a abordagem

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS

AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS AULA 02 CARACTERISTICAS ZOOTECNICAS E ECONOMICAS DOS SUINOS PRINCIPAIS ATIVIDADES FISIOLÓGICAS DO SUÍNO Sistema respiratório: Frequência Respiratória variando entre 20 a 30 movimentos por minuto. Sistema

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO DE PRODUÇÃO DO GADO DE CORTE FAZENDA ÁGUA DA SERRA JUINA/2013 AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS

UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTO DIFERENTES REGIMES ALIMENTARES DE BOVINOS DA RAÇA HEREFOD TERMINADOS EM SISTEMA DE CONFINAMENTO E SEMI-CONFINAMENTO

Leia mais

CUSTO MÉDIO DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PARA ABATE ANEXO 33 - SETEMBRO/88

CUSTO MÉDIO DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PARA ABATE ANEXO 33 - SETEMBRO/88 12993 CNPSA 1988 FL-12993 ttnrrec:t 35'3 RAPA- Brasileira de Pesquisa Agropectiária Vinculado ao Ministério da Agricultura Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves - CNPSA BA 153km 110 Trecho SC Vila

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU IN-16 AVICULTURA Última atualização: 18/06/2014 INSTRUÇÕES GERAIS: A FAMABI coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta Instrução Normativa. Sempre que julgar necessário

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico.

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico. GRANJA FONTE NATAL 1. Dados da Propriedade A pequena propriedade denominada Granja Fonte Natal está localizada na Depressão Central do Estado as margens da BR-290, Km. 272, no Município de Cachoeira do

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais

Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil. José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Sistema de Alimentação líquida e seus pontos chaves para bons resultados no Brasil José Vr. Machado Gerente Regional Minas Gerais Introdução - Energia Elétrica; - Água; - Espaço de cocho para alimentação;

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA

VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Salvador/BA 25 a 28/11/2013 VIABILIDADE ECONÔMICA E OTIMIZAÇÃO DO USO DO BIOGÁS DE SUINOCULTURA Diógenes Araújo Sônego (*), Reinaldo de Souza Bílio, Ester Ferreira Silva * Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA BACHARELADO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS: UM ESTUDO DE CASO NA GRANJA ZONTA Autor: André Luiz Zonta Orientador:

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Gestão de propriedades rurais

Gestão de propriedades rurais Gestão de propriedades rurais Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT Gestão e Planejamento A gestão empresarial

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Durante as ultimas duas décadas os avanços genéticos na espécie suína culminaram com o desenvolvimento de matrizes chamadas hiperprolíficas,

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

LEVANTAMENTO DO PERFIL DA SUINOCULTURA NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA - MT

LEVANTAMENTO DO PERFIL DA SUINOCULTURA NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA - MT LEVANTAMENTO DO PERFIL DA SUINOCULTURA NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA - MT marcelosmpinheiro@hotmail.com Apresentação Oral-Estrutura, Evolução e Dinâmica dos Sistemas Agroalimentares e Cadeias Agroindustriais

Leia mais

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta;

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Programa de Gestão de Propriedades de Sucesso Cronograma: Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Resultados esperados. Origem do programa: Segundo apontando no diagnóstico da cadeia produtiva

Leia mais

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar Disciplina AZ044 - Suinocultura Seleção de Reprodutores Prof. Marson Bruck Warpechowski Introdução Reposição de plantel Substituição de descartes Melhoramento dos produtos Produção: reprodutores x leitões

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE SUINÍCOLA DESENVOLVIDA PELOS PRODUTORES FAMILIARES DE QUEIJO EM NOSSA SENHORA DA GLÓRIA, SEMIÁRIDO SERGIPANO

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE SUINÍCOLA DESENVOLVIDA PELOS PRODUTORES FAMILIARES DE QUEIJO EM NOSSA SENHORA DA GLÓRIA, SEMIÁRIDO SERGIPANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE SUINÍCOLA DESENVOLVIDA

Leia mais

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO III.1 - SISTEMA EXTENSIVO DE CRIAÇÃO DE SUÍNOS 1. Não há preocupação com a produtividade, os animais não são identificados; 2. Não existe controle reprodutivo; 3. Suínos

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

E desafio da Co- Gestão Sucessão Familiar na AgroPecuária

E desafio da Co- Gestão Sucessão Familiar na AgroPecuária E desafio da Co- Gestão Sucessão Familiar na AgroPecuária Francisco Vila Sociedade Rural Brasileira vila@srb.org.br PROCESSOS O que é Co-Gestão? SINCRONIZAÇÃO Funções + Talentos HABILIDADES 8 Inteligências

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos

Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos Andréa Leda Ramos de Oliveira Ojima (andrea@iea.sp.gov.br) Luiza Maria Capanema Bezerra (luizamcb@aptaregional.sp.gov.br) Alessandra Ligia Ramos de Oliveira

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

ACONTE. Veterano de CV Grande destaque do 53º Leilão Nelore Mocho CV de Paulínia, SP 50% Integração Lavoura/Pecuária Página 4

ACONTE. Veterano de CV Grande destaque do 53º Leilão Nelore Mocho CV de Paulínia, SP 50% Integração Lavoura/Pecuária Página 4 ACONTE informativo carlos viacava nº - 9 Junho 2014 50% à venda Veterano de CV Grande destaque do 53º Leilão Nelore Mocho CV de Paulínia, SP Páginas 2 e 3 Integração Lavoura/Pecuária Página 4 Venda de

Leia mais

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal,

Leia mais

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Evolução do Processo Agroindustrial D É C A D A D E 30 A té a década de 30 - o criador fazendo o abate. Era pré industrial. R eino da banha e do suíno de

Leia mais

Análise de fatores contingenciais na cadeia de valor da suinocultura: estudo em uma agroindústria

Análise de fatores contingenciais na cadeia de valor da suinocultura: estudo em uma agroindústria Análise de fatores contingenciais na cadeia de valor da suinocultura: estudo em uma agroindústria 100 Análise de fatores contingenciais na cadeia de valor da suinocultura: estudo em uma agroindústria Recebimento

Leia mais

Gestão de custos na suinocultura: um estudo de caso.

Gestão de custos na suinocultura: um estudo de caso. 2 Gestão de custos na suinocultura: um estudo de caso. Recebimento dos originais: 18/11/2008 Aceitação para publicação: 08/05/2009 Luciane Andréa Siedleski Süptitz Bacharel em Ciências Contábeis - UNIOESTE

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 1. Introdução A PADS 2013, a ser promovida e organizada pelo Núcleo de Melhoramento da Raça Senepol sob supervisão técnica do GENEPLUS - Programa

Leia mais

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Antonio Flavio Dias Avila INPE, São José dos Campos, 12 de julho de 2006 Avaliação dos impactos da pesquisa da Embrapa: multidimensionalidade

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034. Prof. Eduardo Brum Schwengber

MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034. Prof. Eduardo Brum Schwengber MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034 Prof. Eduardo Brum Schwengber I EMENTA Principais programas de melhoramento genético utilizados nas diferentes criações de animais domésticos: Melhoramento de bovinos

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais