São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da"

Transcrição

1 1

2 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham a satisfazer às necessidades humanas. 2

3 3

4 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis, doravante denominado apenas de CPC, instituiu o Pronunciamento Técnico CPC 29 Ativo Biológico e Produto Agrícola, cuja correlação com as normas internacionais de contabilidade refere-se à IAS 41 4

5 Os seguintes termos são usados neste Pronunciamento com significados específicos: Atividade agrícola é o gerenciamento da transformação biológica e da colheita de ativos biológicos para venda ou para conversão em produtos agrícolas ou em ativos biológicos adicionais, pela entidade. Produção agrícola é o produto colhido de ativo biológico da entidade. Ativo biológico é um animal e/ou uma planta, vivos. Transformação biológica compreende o processo de crescimento, degeneração, produção e procriação que causam mudanças qualitativa e quantitativa no ativo biológico. 5

6 Os seguintes termos são usados neste Pronunciamento com significados específicos: Despesa de venda são despesas incrementais diretamente atribuíveis à venda de ativo, exceto despesas financeiras e tributos sobre o lucro. Grupo de ativos biológicos é um conjunto de animais ou plantas vivos semelhantes. Colheita é a extração do produto de ativo biológico ou a cessação da vida desse ativo biológico. 6

7 A IAS 41 define Ativo biológico como um animal ou planta vivos, e Produto agrícola é o produto colhido originado dos ativos biológicos no momento da colheita. Como exemplo: para a pecuária de corte, os animais vivos (bezerro, garrote, novilha etc) são considerados ativos biológicos e A carcaça após o abate como produto agrícola. 7

8 Observa-se que a IAS 41 adotou tais critérios em seu parágrafo 10, onde destaca que a empresa deve reconhecer um ativo biológico quando: a) A empresa controle o ativo em consequência de acontecimentos passados; b) Seja provável que benefícios econômicos associados aos ativos fluirão para a empresa; c) O valor justo ou custo do ativo possa ser confiavelmente mensurado (IAS 41, parág 10). 8

9 pressupõe-se a existência de um mercado ativo para o ativo biológico ou produto agrícola. Para definir o que se considera um mercado ativo, a norma destaca que este deve possuir as seguintes condições: a) Os itens negociados dentro do mercado são homogêneos; b) pode ser encontrado a qualquer momento compradores e vendedores dispostos a comprar e vender; c) os preços estão disponíveis ao público. (IAS 41 parág 8). 9

10 a) O preço mais recente de transações no mercado, observando que não deve ter havido alterações significativas no ambiente econômico entre a data da avaliação e a data da transação de referencia; 10

11 ainda é possível determinar o justo valor dos ativos, utilizando um ou mais critérios dos parágrafos 18 a 21 os quais são assim definidos: b) O preço de mercado de ativos semelhantes, com os devidos ajustes para refletir as diferenças; c) Com base na comercialização de partes dos ativos sob avaliação, que no caso da pecuária de corte pode ser o valor de um quilo de carne, e por último; d) Os fluxos de caixa líquidos de um ativo descontados a uma taxa apropriada para o mercado. 11

12 Com a ausência de um mercado ativo e na utilização destes critérios, tendo em vista a subjetividade que alguns critérios apresentam, podem surgir diferentes conclusões de valor Justo. A recomendação da IAS é de que a empresa deve aplicar sempre o que apresentar estimativa mais confiável dentre estes. 12

13 PRODUÇÃO VEGETAL CULTURA TEMPORÁRIA Milho Soja Feijão CULTURA PERMANENTE Seringueira Café Cana-de-Açúcar 13

14 Pecuária-Grandes Animais Bovinos Suínos Caprinos Equinos Pequenos Animais Apicultura Avicultura Psicultura Ranicultura PRODUÇÃO ANIMAL 14

15 INDÚSTRIAS RURAIS BENEFICIAMENTO Arroz Café Milho TRANSFORMAÇÃO ZOOTÉCNICA Laticínios Frigoríficos Mel TRANSFORMAÇÃO AGRÍCOLA Usinas de Álcool e Açúcar Indústria de Óleo Indústria de Suco 15

16 COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO PRODUÇÃO VEGETAL PRODUÇÃO ANIMAL AGROINDÚSTRIAS 16

17 AGRIBUSINESS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 1. DEPENDÊNCIA DO CLIMA 2. DEPENDÊNCIA DAS CONDIÇÕES BIOLÓGICAS 3. TRABALHO DISPERSO E AO AR LIVRE 4. INCIDÊNCIA DE RISCOS (CLIMÁTICOS, PRAGAS, MOLÉSTICAS, PLANOS GOVERNAMENTAIS) 17

18 Ano Agrícola x Exercício Social Regra Geral Término do exercício social, encerramento em 31/12? Empresas = têm receita e despesa constantes durante todos meses do ano. Opção para o mês de dezembro: redução ou até interrupção da atividade operacional, férias coletivas, condições mais adequadas para o inventário das mercadorias. 18

19 Atividade Agrícola Na atividade agrícola a receita concentra-se, normalmente, durante ou logo após a colheita. Ao término da colheita e, quase sempre, da comercialização dessa colheita, temos o encerramento do ano agrícola é o -A produção agrícola, essencialmente sazonal, concentra-se período em que se planta, colhe e, normalmente, comercializa em determinado período. a safra agrícola. 19

20 Atividade Agrícola Imagine uma cultura de milho em formação, com 1 metro de altura, a dois meses da colheita. Encerrando-se o exercício social antes da colheita, como ficaria o resultado da empresa? 1. Não se poderia apurar resultado não houve ainda venda. 2. Difícil determinar o valor econômico dessa cultura em formação. 20

21 Atividade Agrícola Por isso, recomenda-se fixar para após a colheita e comercialização. 1. Termino do ano agrícola encerramento do ano social. 21

22 Atividade Agrícola A produção agrícola, essencialmente sazonal, concentra-se em determinado período. Não existe melhor momento para medir o resultado do período, senão logo após a colheita e sua respectiva comercialização. 22

23 23

24 24

25 Plano de Contas Balanço patrimonial 1.2 ATIVO Circulante Estoques (Empresa Agrícola) Insumos (matérias-primas) Sementes Adubos Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Embalagens Mudas Ativo Circulante Ativos Biológicos- Culturas Temporárias Ativo Não Circulante Ativos Biológicos Cultura Permanente em Formação 25

26 Plano de Contas Balanço patrimonial 1.2 ATIVO Circulante Estoques (Empresa Agrícola) Ativos Biológicos- Culturas Temporárias Soja Milho Arroz Feijão Batata Horticultura Trigo Controle por Cultura: Soja Adubação 2 Formicida 3 Fungicida 4 Sementes Mudas 5 Mão de Obra 6 Outros Custos... Custos para COLHEITA 1 Mão de Obra 2 Combustível Colheitadeira. 3 Outros Custos... 26

27 Plano de Contas Balanço patrimonial 1.2 ATIVO Não Circulante Imobilizado Ativos Biológicos Cultura Permanente em Formação Café Algodão Laranja Maçã Eucalipto cana-de-açúcar Pastos Controle por Cultura: Café Adubação 2 Formicida 3 Fungicida 4 Sementes Mudas 5 Mão de Obra 6 Encargos Sociais 7 Serviços de Terceiros 8 Depreciação de Equip. 9 Outros Custos 27

28 Plano de Contas Balanço patrimonial 1.3 Não Circulante Imobilizado Ativo Biológico - Cultura Permanente Formada Café Algodão Laranja Maçã Eucalipto cana-de-açúcar Pastos Após formação da cultura que pode levar vários anos. Antes do 1º ciclo de produção ou maturidade, ou antes da; 1º flora, ou da; 1º produção; transfere o valor acumulado da conta: Cultura Permanente em Formação 28

29 Plano de Contas 1.2 ATIVO Circulante Estoques (Empresa Agrícola) Colheita em Andamento (Cultura Permanente) Café Algodão Laranja Maçã Eucalipto cana-de-açúcar Pastos Balanço patrimonial 1º Colheita ou 1º Produção A colheita caracteriza-se, como Estoque em andamento, produção em formação, destinada a venda. Ciclo de floração, formação e maturação normalmente é longo, cria a conta Colheita em Andamento Custos de Colheita: Todos os custos necessários 1. Mão de Obra e Encargos para realização da colheita. Sociais : Depreciação (Exaustão ) da Poda, capina, aplicação de Cultura Permanente. herbicidas, desbrota Produtos químicos: 29

30 Plano de Contas Balanço patrimonial 1.2 ATIVO Circulante Estoques (Empresa Agrícola) Produtos Agrícolas Soja Milho Arroz Feijão Ativos Biológicos- Culturas Temporárias Custos Após Produto colhido: Beneficiamento, acondicionamento Café Algodão Laranja Maçã Colheita em Andamento (Cultura Permanente) Custos Após Produto colhido: Beneficiamento, acondicionamento... 30

31 Sistemas de Custos?

32 32

33 33

34 Depreciação na Agropecuária Reduções de Sentido Contabilidade Ativo Fixo Genérico Rural Amortização No sentido amplo ( qualquer ativo fixo de duração limitada Depreciação Bens Tangíveis Exaustão Recursos Naturais Exauríveis Depreciação Culturas Permanentes que serão extraídos frutos Exaustão Culturas Permanentes ceifadas, seus recursos são esgotáveis Reflorestamento, cana-de-açucar, pastagem Amortização Recursos Naturais (Sentido Restrito) Bens Intangíveis Amortização Aquisição de direitos sobre empreendimentos de propriedades de terceiros Contrato para exploração Patentes J.C.Marion 34

35 Depreciação de Trator Valor do equipamento * * = $ Depreciação p / Número estimado de horas de hora trabalho Valor do trator Depreciação = = $ horas (9.000 horas - esteira) Manutenção e reparos (para não sobrecarregar as culturas específicas, recomenda-se estimar esse dado). Dados aproximados Trator Pneus: 1,0 x 1 hora de depreciação Esteira: 0,8 x 1 hora de depreciação por hora = $ Combustível - nº de litros por hora x $ ----por litro = $ Outros custos indiretos (lubrificação, seguro, depreciação da oficina...). Calcula-se um percentual sobre a depreciação ou a soma dos custos até o momento Salário por hora do tratorista + encargos sociais Total do custo por hora J.C.Marion = $ = $ = $

36 PECUÁRIA

37 Arte de criar e tratar gado, que são animais geralmente criados no campo, para serviços de lavoura, para consumo doméstico ou para fins industriais.

38 Sistema de produção. Os Sistemas de Produção do bovino, também conhecido como manejo podem ser divididos basicamente em Extensivo Semi-intensivo e Intensivo. Sistema Extensivo Geralmente os animais são mantidos em pastos nativos ou artificiais, dependendo exclusivamente dos recursos naturais. 38

39 Sistema Semi-intensivo este método se faz necessária a implantação de pastagem para ser explorada de forma racional, através de algumas subdivisões das mesmas, o que possibilita um melhor aproveitamento da área. Nesse sistema há um melhor acompanhamento zootécnico do rebanho e a pastagem recebe corretivos e adubo necessários e a profilaxia vai além das vacinações oficiais.

40 Sistema Intensivo Formação adequada de pastagem artificial, adequadas à região, propiciando a divisão dos pastos e conseqüentemente a realização de rodízios; Melhoria na alimentação (ração adequada, sal mineral etc.), associando pasto + suplementação ou pasto + confinamento e melhorias também dos aspectos higiênico-sanitária, com a redução da distância entre o estábulo e o rebanho;

41 Sistema Intensivo Introdução de novas raças produtivas, adequadas à região, em substituição ao rebanho nativo.

42 Ano Pecuária x Exercício Social Atividade Pecuária Necessidade do encerramento do exercício social e o levantamento do Balanço Patrimonial? O bezerro é o fruto, o produto final que valoriza o patrimônio Há empresas pecuárias que fixam o exercício social com base no mês seguinte em que concentram a venda das reses para o frigorífico. 42

43 Ano Pecuária x Exercício Social Atividade Pecuária O Ideal é realizá-lo logo após o nascimento do bezerro ou do desmame. Em geral o nascimento de bezerros concentra-se em determinados período do ano. Há empresas pecuárias que planejam lotes de nascimento para determinados período do ano. 43

44 Depreciação Touros / Matrizes Crescimento Período Depreciável Venda ao Frigorifico Ano Ano Ano Ano Ano Ano Ano Agrega ao Ativo Valor Imobilizado residual De Acordo com o Veterinário Nascimento 1ª Monta 1ª Prenhez Depreciação do 1º ano Descarte Apuração de Resultado Valor Contábil $ (-) Valor residual $ (1.000) Valor Depreciavel $ Taxa de Depreciação 10% Depreciação $ 400 x Ativo Não Circulante Imobilizado Touro (-) Deprec. Acumulada (400) Valor Líquido J.C.Marion 44

45 CONTABILIDADE NA PECUÁRIA 45

46 Tipos de atividade pecuária Há empresas que, pelo processo de combinação das várias fases, obtêm até seis alternativas de produção (especializações): cria; recria; cria-recria; cria-recria-engorda; recria-engorda; engorda

47 Tipos de atividade pecuária Existem três fases distintas, na atividade pecuária de corte, pelas quais passa o animal que se destina ao abate: a) Cria: a atividade básica é a produção de bezerros que só serão vendidos após o desmame. Normalmente, a matriz (de boa fertilidade) produz um bezerro por ano. b) Recria: a atividade básica é, a partir do bezerro adquirido, a produção e a venda do novilho magro para engorda. c) Engorda: a atividade básica é, a partir do novilho magro adquirido, a produção e a venda do novilho gordo

48 O gado que será comercializado pela empresa, em forma de bezerro, novilho magro ou gordo, deverá ser classificado no ESTOQUE (Ativo Circulante). O gado destinado à procriação ou a trabalho, que não será vendido(de imediato) reprodutor(touro) ou matriz(vaca), será classificado no IMOBILIZADO (Ativo Não Circulante). 48

49 Plano de Contas 1 ATIVO 1.1 Ativo Circulante Disponível Balanço patrimonial Clientes e títulos Estoques vivos Bezerros de 0 a 12 meses Bezerros de 0 a 12 meses Novilhos de 13 a 24 meses Novilhos de 13 a 24 meses Novilhos de 25 a 36 meses Novilhos acima de 37 meses Novilhas acima de 25 meses ( em experimentação) Garrotes (tourinhos) acima de 25 meses (em experimentação) 49

50 Plano de Contas Balanço patrimonial 1 ATIVO 1.3 Não Circulante Investimentos Imobilizado Terras Rebanhos Reprodutores Matrizes Cultura Permanente Formada Café Seringueira Cultura Permanente em Formação Café Laranja Pastagens Pastagens em formação Pastagens artificiais formada J.C.Marion 50

51 Devido a dificuldades fiscais e contábeis, recomenda-se classificar todo o rebanho nascido na fazenda como ESTOQUE (Ativo Circulante). Somente quando houver certeza de que o animal tem habilidade para a procriação ele será transferido para o IMOBILIZADO (Ativo Permanente). 51

52 Na transferência do Circulante para o Permanente, se o plantel estiver avaliado a preço de custo, às vezes é necessário fazer reavaliação desde o nascimento do bezerro até o momento da transferência. 52

53 Demonstração do resultado do exercício 4. Receita Bruta 4.1 Receita do gado bovino Venda do gado bovino Variação Patrimonial Líquida (a ser utilizada no método de valor de mercado) 4.2 Outras Receitas Leite Custo/Despesa/Deduções 5.1 Custo do gado vendido (método de custo) 5.2 Custo de rebanho no período (método de valor de mercado) 5.3 Despesas operacionais e outros itens 53

54 Método de Custo O método de custo assemelha-se a uma empresa industrial: todo o custo da formação do rebanho é acumulado ao plantel e destacado no estoque. Por ocasião da venda do plantel, dá-se baixa no estoque, debitando-se o Custo do Gado Vendido. Portanto, a apuração do lucro será no momento da venda. Balanço Patrimonial Ativo Circulante Estoque Plantel (Preço Real de Custo) XXXXX XXXXX XXXXX XXXXX XXXXX Custo de formação de rebanho Na venda Demonstração do Resultado do exercício Receita Bruta Venda Gado Vendido (-) Custo de Gado vendido (-----)

55 Exemplo simples diferenciando ambos os métodos No início de 20x1 A Fazenda Modelo possui em seu estoque, 10 cabeças de gado registradas a $ 900, totalizando $ Durante o ano de 20x1 nada se vendeu, nada se comprou em termos de plantel bovino. Constatou-se durante esse ano um custo de manutenção do rebanho de $ O valor de mercado de cada cabeça no final do ano era de $ 2.100, totalizando $ Balanço Patrimonial Ativo Circulante Estoque (plantel) Custo Acumul Método de custo Nada se registra, DRE pois não houve venda do gado; portanto, não se apura o resultado O crescimento biológico e o ganho de peso não são reconhecidos como ganho econômico. Método a valor de Mercado Balanço Patrimonial DRE Ativo Circulante Ativo Circulante Estoque Estoque (plantel) (Líquidas Custo C. Prod.... (10.600) Acumul L. Econômico Reconhece o ganho econômico mostrando aos usuários que valeu a pena manter o rebanho no ano, já que já trouxe lucro econômico para a empresa 55

56 LIVROS PROPOSTOS: 1. Contabilidade Rural José Carlos Marion Ed. Atla 2. Contabilidade da Pecuária José Carlos Marion Ed. 3. Adm. Custos na Agropecuária Gilberto J.Santos, J.C.Marion e Sonia Segatti 56

57 Contato: Cel:

001 O que se considera como atividade rural, nos termos

001 O que se considera como atividade rural, nos termos ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 O que se considera como atividade rural, nos termos da legislação tributária? Consideram se como atividade rural a exploração das atividades agrícolas, pecuárias,

Leia mais

O que é uma empresa rural?

O que é uma empresa rural? Contabilidade Rural Prof. João Marcelo O que é uma empresa rural? É aquela que explora a capacidade produtiva do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO HITÓRICO X VALOR JUSTO E OS IMPACTOS NA PECUÁRIA BOVINA MARCELA FERNANDA DA SILVA Piracicaba, SP. 2010

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii Prefácio à décima terceira edição, xv Prefácio à primeira edição, xvii 1 Atividade rural conceitos básicos, 1 1 Empresas rurais, 2 1.1 Atividade agrícola, 2 1.2 Atividade zootécnica (criação de animais),

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

OBJETIVOS DESTE MATERIAL

OBJETIVOS DESTE MATERIAL TEMA: CPC PME / NBC TG 1000 - Resolução CFC nº 1.255/2009 Seção 34 - Atividades Especializadas OBJETIVOS DESTE MATERIAL Este material tem como objetivo específico uma complementação dos principais aspectos

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO DE PRODUÇÃO DO GADO DE CORTE FAZENDA ÁGUA DA SERRA JUINA/2013 AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA 0 CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA A NOVA ERA DA CONTABILIDADE PARA OS PRODUTORES RURAIS: NOVIDADES, VANTAGENS E DESVANTAGENS

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas.

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas. NBC TSP 27 Ativo Biológico e Produto Agrícola Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil e a evidenciação das atividades agrícolas. Alcance 2. Uma entidade que prepare e apresente

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

DEGUSTAÇÃO VALOR JUSTO EM ATIVOS BIOLÓGICOS INTRODUÇÃO MARIA JOSÉ DE CAMARGO MACHADO DOUGLAS TADEU DE OLIVEIRA RIBEIRO

DEGUSTAÇÃO VALOR JUSTO EM ATIVOS BIOLÓGICOS INTRODUÇÃO MARIA JOSÉ DE CAMARGO MACHADO DOUGLAS TADEU DE OLIVEIRA RIBEIRO INTRODUÇÃO VALOR JUSTO EM ATIVOS BIOLÓGICOS MARIA JOSÉ DE CAMARGO MACHADO DOUGLAS TADEU DE OLIVEIRA RIBEIRO Em 2001, o International Accounting Standards Board (IASB) emitiu um pronunciamento voltado à

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 27/2009. Prazo: 25 de outubro de 2009 Prazo: 25 de outubro de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta;

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Programa de Gestão de Propriedades de Sucesso Cronograma: Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Resultados esperados. Origem do programa: Segundo apontando no diagnóstico da cadeia produtiva

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

OS ATIVOS BIOLÓGICOS

OS ATIVOS BIOLÓGICOS Santarém, 5 de junho de 2012 Auditório CNEMA OS ATIVOS BIOLÓGICOS Abreu & Cipriano, Sumário Estruturas Agrícolas Âmbito e Conceito Aspetos Contabilísticos Informação para a Gestão Estruturas Agrícolas

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE NA GESTÃO DAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE SARANDI - RS

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE NA GESTÃO DAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE SARANDI - RS UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS SARANDI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARMANDO FAVRETTO A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

CONTABILIDADE RURAL. Att. Márcio S. Amorim. marcioamorim@centershop.com.br

CONTABILIDADE RURAL. Att. Márcio S. Amorim. marcioamorim@centershop.com.br CONTABILIDADE RURAL. Prezado (a) Aluno (a), A disciplina Contabilidade Rural, conforme pode-se imaginar, irá proporcionar ao aluno uma visão da contabilidade aplicada e esta área de tão importante atuação

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

PALESTRA. ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural

PALESTRA. ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE RURAL PESSOA FÍSICA Imposto de Renda na Atividade Rural Pessoas Físicas e Jurídicas

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL Janielen Pissolatto Deliberal (UCS ) janipst@yahoo.com.br Denize Grzybovski (UPF ) gdenize@upf.br Marcia Rohr da Cruz (UCS )

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

a) Descasque de arroz e outros semelhantes; b) Debulha de milho; c) Conserva de frutas;

a) Descasque de arroz e outros semelhantes; b) Debulha de milho; c) Conserva de frutas; INTRODUÇÃO O termo Agribusiness está em evidência no país, sua representatividade é muito alta para o PIB (Produto Interno Bruto). O termo é denominado para todas as operações nas unidades de produção

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Valores expressos em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Valores expressos em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (Valores expressos em milhares de reais) NOTA 01 CONTEXTO OPERACIONAL Coamo Agroindustrial Cooperativa, com sede

Leia mais

Brasil: Produção, Consumo e Exportações de Carne Bovina Projeção: 2012 a 2022

Brasil: Produção, Consumo e Exportações de Carne Bovina Projeção: 2012 a 2022 34ª Reunião Ordinária ria da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Propostas para o Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014 Paulo Mustefaga economista, assessor técnico/cna Brasília, 25 de março

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Correção da Prova Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Questão 1 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. O recebimento de caixa resultante

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.)

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Disciplina: Agroindústria EMENTA: Introdução à Agroindústria; Importância das boas práticas de fabricação- BPF s. Valor nutricional

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL

PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL PARTICULARIDADES DA CONTABILIDADE RURAL Eduardo da Silva Amorim Egresso do Curso de Ciências Contábeis das Faculdades Integradas ICE Introdução O Setor Agrícola apresenta particularidades que o diferencia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis

ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis ATIVIDADE RURAL Aspectos Contábeis Sumário 1. Atividades Agrícolas 1.1 - Cultura Temporária 1.2 - Cultura Permanente 1.2.1 - Produção da Cultura Permanente 1.3 - Registros Contábeis 2. Atividades Pecuárias

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

Mensagem do Conselho de Administração

Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração Através de uma parceria inédita no cooperativismo paranaense entre as Cooperativas Copacol e Coagru, foi fundada a Unitá Cooperativa Central, que irá trabalhar com

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Gestão de propriedades rurais

Gestão de propriedades rurais Gestão de propriedades rurais Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT Gestão e Planejamento A gestão empresarial

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A COMIGO, com base na colaboração recíproca a que se obrigam seus associados, objetiva

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2 Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos 1. Fica alterada a alínea (b), do item 1.3, como segue:

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA 48 CURSO DE AGRONOMIA COORDENADOR DO CURSO DE AGRONOMIA Valterley Soares Rocha vsrocha@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro-Agrônomo desempenhar as atividades profissionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF Entidade/Empresa Nº Contrato 1. DADOS DO BENEFICIÁRIO: Nome: ; Nº da DAP: ; Situação:

Leia mais