O impacto do touro no rebanho de cria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O impacto do touro no rebanho de cria"

Transcrição

1 Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica para se perpetuar e crescer. Neste cenário existem muitas culturas, muitas condições edafoclimáticas (clima e solo) que fazem com que nas diferentes realidades de cada sistema de produção pecuária inviabilize um único modelo de produção ou sistema de produção que seja responsável pela permanência e crescimento no negócio. Mas números todo mundo conhece, independente da realidade e do sistema de produção empregado. Baseado nesta máxima avaliamos o impacto do touro no rebanho de cria brasileiro. A realidade do negócio pecuário de cria brasileiro e a importância do Touro Basta se fazer algumas contas simples para se constatar que o touro no sistema pecuário de cria é um fator de produção de extrema relevância e muito barato pela relatividade de eficiência produtiva que trás ao rebanho. Sabe-se que mais de 90% dos bezerros nascidos no Brasil são oriundos de acasalamentos ocorridos em sistema de monta natural. Considerando-se que o rebanho nacional conta com aproximadamente 72 milhões de fêmeas com idade mínima de 24 meses, portanto em idade reprodutiva, e s u p o n d o t a x a d e natalidade de 75%, tems e q u e a p r o x i m a - damente 49 milhões de crias são oriundas de monta natural. Há de se considerar os ganhos da heterose obtidos com o cruzamento industrial, em que se utilizam bos taurus de origem européia em cima da vacada zebuína, pergunta-se como fazer isto em uma condição climática predominantemente quente no Brasil, já que os bos taurus de origem européia tem dificuldades de adaptação e resistência nas condições de campo brasileiras? Analisando ainda a importância que os touros exercem na produção de bezerros, Touro Senepol 01

2 conclui-se facilmente que embora os touros representem de 3 a 5 % do número total de animais em uma propriedade de cria, estes (os touros) são responsáveis pela metade do potencial genético do rebanho. A vaca responde por outra metade do potencial genético dos bezerros produzidos ao ano. Enquanto uma vaca produz um bezerro ao ano, um touro produz de 50 a 60 bezerros pelo menos em um ano, se considerarmos taxa de natalidade de 80% e relação touro:vaca de 1:50 a 1:60 respectivamente. O pecuarista precisa se despertar para este impacto, em se considerando também que este touro permanecerá no plantel por 10 a 12 anos em fase produtiva, desde que não se deixe que cruze com as próprias filhas e netas, a sua escolha no momento da compra deve ser criteriosa, e entendida como investimento e não custo. Investimento este que permite ao pecuarista evoluir geneticamente seu plantel de forma relativamente barata e de rápida eficiência. Senepol acompanha a vacada zebuína a campo A relação Touro por vaca Tradicionalmente a recomendação técnica é que seja utilizado 1 touro para 25 a no máximo 30 vacas, normalmente esta proporção é adequada, porém muitos estudos mostram que touros 100% bos taurus adaptados aos climas quentes como no do Brasil, a exemplo do Senepol, possuem alta libido e rusticidade suficiente para acompanhar a vacada zebuína a campo. Os primeiros exemplares da raça chegaram ao Brasil nos idos dos anos 2.000, ao longo dos a n o s, m u i t a s m u d a n ç a s ocorreram na base genética hoje disponível ao pecuarista de cria para que utilize esta dinâmica da necessidade de modernidade d e m a n d a d a p e l o m e r c a d o pecuário para a adoção do cruzamento industrial. A relação touro:vaca de 1:25 ou 30 estabelecida de forma aleatória, e provavelmente determinada em função do material genético e do manejo nutricional praticados no passado, continua enraizada na cultura de grande parte dos pecuaristas, 02 Touro reprodutor Senepol

3 fazendo com que o elevado número de touros seja utilizado nos rebanhos, e o que é pior, muitos deles utilizados sem critério de seleção genética, como boi de ponta de boiada e sem registro das associações que representam as raças, ou seja, sem nenhuma garantia do grau sanguíneo, escolhidos somente pela aparência física visual (fenótipo). Este fato além de aumentar o custo de produção do bezerro, prejudica a evolução genética do rebanho e do resultado da bovinocultura nacional, uma vez que é utilizado grande número de touros sem nenhum critério de seleção e com baixa relação touro:vaca, comprometendo a eficiência da monta natural. A utilização de maior número de vacas por touro permite selecionar reprodutores com alta eficiência reprodutiva, prática necessária para elevar as taxas de natalidade e de desmama do r e b a n h o, p o s s i b i l i t a n d o a o b t e n ç ã o d e p r o d u t o s melhorados e o menor custo do bezerro desmamado. Alguns trabalhos de pesquisa demonstraram que alterar a proporção touro:vaca interfere diretamente sobre a eficiência econômica da atividade de cria, sendo possível obter redução no mínimo em torno de 25% do custo de produção do bezerro. Se o pecuarista considerar o período de estação de monta variando de 30 a 90 dias, é possível elevar a proporção touro:vaca ainda mais, sem se afetar os índices de gestação das vacas. Apesar da heterogeneidade nas taxas de gestação, a qual pode ser atribuída a diversos fatores, como diferenças na fertilidade de solo, na qualidade das pastagens, na idade e condição corporal das matrizes e tamanho dos lotes, a análise dos resultados quando se faz as contas permite concluir que o a u m e n t o d a p r o p o r ç ã o touro:vaca é vantajosa e deve ser adotada como medida para a p r o v e i t a r a c a p a c i d a d e r e p r o d u t i v a d o s t o u r o s registrados, puros de origem de preferência e de qualidade genética destacada, melhorar c a r a c t e r í s t i c a s p r o d u t i v a s, aumentar a produção de bezerros e, consequentemente, a eficiência reprodutiva dos rebanhos. Reprodutor Senepol A idade do touro também interfere na proporção de vacas por reprodutor, sendo que touros jovens (idade menor de 24 meses) devem ser utilizados com menor número de fêmeas em relação aos touros mais velhos do rebanho. Também deve ser observado as dimensões das pastagens, relevo e formato dos pastos, qualidade dos pastos e da água e condição corporal das fêmeas. 03

4 E m rebanhos bem manejados, mais d e 7 0 % d o s c i o s deverão ocorrer no p r i m e i r o m ê s d a estação de monta, sendo que esse maior n ú m e r o d e a c a s a - lamentos faz com que os reprodutores percam peso corporal. À medida que a estação de monta atinge a metade para o final, os cios vão diminuindo, a ociosidade dos touros aumenta e eles tendem a recuperar o peso perdido. Av a l i a ç ã o d o a p a r e l h o reprodutor do Touro N e s t e c e n á r i o d e competitividade o p e c u a r i s t a n ã o pode esperar muito tempo após colocar os touros nas vacas, em especial se utilizar estação de monta, para descobrir que o touro apresenta problemas em cobrir e emprenhar as vacas. Um touro que não desempenha de forma adequada resultará em perdas econômicas significativas, além de prolongar a estação de monta, comprometer a uniformidade do lote de bezerros e induzir o descarte por aumentar o número de vacas vazias ao final da estação de monta. Desta forma é extremamente necessário que os touros sejam avaliados visualmente o aparelho reprodutor, a condição corporal física, aprumos e fazer o exame andrológico, através do uso de profissionais habilitados para se realizar o exame clínico nos touros. O exame andrológico permite avaliar a qualidade do s ê m e m, o s q u a i s n ã o s ã o identificados a olho nu e são responsáveis pela presença de touros inférteis ou sub-férteis nos rebanhos. Avalia-se volume de sêmem, concentração, coloração, motilidade, vigor e presença de espermatozóides anormais. Os touros também devem apresentar perfeita condição de sanidade, uma vez que são p r o p a g a d o r e s d e d o e n ç a s venéreas que afetam a saúde e a eficiência reprodutiva das vacas, como vibriose, tricomonose e leptospirose, tuberculose e b r u c e l o s e, n ã o d e v e n d o permanecer no rebanho quando apresentar qualquer uma das enfermidades citadas acima. Trabalho realizado por Menegassi (2011) mostrou que com a realização do exame andrológico se elevou em até 31% a produção de bezerros em relação às propriedades com rebanhos criados em mesmas condições, mas que não utilizavam o exame andrológico e avaliação dos t o u r o s a n t e s d a e s t a ç ã o reprodutiva. 70% dos cios deverão ocorrer no primeiro mês da estação de monta. 04

5 Benefício econômico do uso de Touros Senepol com monta natural em vacada Zebuína O uso do Senepol em vacada zebuína permite o melhoramento animal num índice que contempla todas as características de interesse econômico, já que altera a curva de crescimento da sua p r o g ê n i e, a o e x p l o r a r a s diferenças genéticas aditivas entre as raças, pelos benefícios da h e t e r o s e, a o o t i m i z a r a exploração das diferenças raciais via complementariedade. Com o efeito heterose o uso do touro Senepol na vacada zebuína permitirá que a bezerrada tenha peso à desmama elevado em pelo m e n o s 2 5 a 3 0 % q u a n d o comparado à progênie de sangue 100% zebuína. Este fator de maior peso somado à característica de padronização de cor, mocha em pelo menos 95% dos nascidos, eleva a procura por bezerros deste cruzamento no mercado gerando uma valorização comercial de 20 a 30% em relação à bezerrada pura zebu com a mesma idade de comercialização. Caso o pecuarista resolva não comercializar sua bezerrada meio sangue Senepol com Zebu ao recriá-la e engordá-la conseguirá ter animais terminados prontos para o abate com menos de 22 meses de idade, somente a pasto, ou seja, consegue obter 18 arrobas de peso vivo até 12 meses antes que cruzamentos tradicionais, elevando o giro da propriedade significativamente, melhorando a taxa de desfrute, que se traduz em entrada de capital na fazenda mais rapidamente e com margem positiva, preservando e elevando assim a rentabilidade do seu negócio. No caso das fêmeas temse o aproveitamento das fêmeas F1 tornando-as aptas como receptoras, como engorda para transformação direta em carne e c o m o r e p r o d u t o r a s q u e Reprodutor Senepol com vacada Zebuína 05

6 continuam na evolução do plantel, reduzindo a idade de aparição do primeiro cio e consequentemente produzindo bezerros mais rapidamente e reduzindo o intervalo entre partos a partir da segunda cria em diante. Como números todo mundo entende, tentamos demonstrar através de cálculos o potencial de ganho econômico obtido com a substituição de touros convencionais, por touros da raça Senepol, beneficiando-se assim o pecuarista criador de bezerros de todo o efeito da heterose do Senepol com vacada zebuína, de médio grau de tecnologia: Sistema Média Tecnificação - Cria Sistema com Uso de Touro Convencional Resultado do lote de 1000 Vacas ou 1200 Uas: Por Bezerro Lote Vacas Receita 597, ,00 Custo 580, ,64 Margem Bruta 17, ,36 % Markup 2,95 2,95 (retorno do capital investido) 1) Nível de Tecnificação do Sistema de Cria Média 2) Proporção Macho: Fêmea - Média Nacional 1:30 3) Proporção Macho : Fêmea - Touro Senepol POI 1:40 4) % Taxa de Desmama - Média Nacional 69% 5) % Taxa de Desmama - Touro Senepol POI 80% 6) Peso Desmama com 8 meses - Média Nacional - Kg PV 170 7) Peso Desmama com 8 meses - Touro Senepol POI - Kg PV 230 Sistema Média Tecnificação - Cria Sistema com Uso de Touro Senepol Resultado do lote de 1000 Vacas ou 1200 Uas: Por Bezerro Lote Vacas Receita 807, ,00 Custo 453, ,25 Margem Bruta 354, ,75 % Markup 78,33 78,33 (retorno do capital investido) 06

7 Análise dentro do Sistema de Cria com Média Tecnificação Tipo de Genética Utilizada: Convencional Senepol Ganho Genética Senepol Receita , , ,00 Custo , , ,39 Margem Bruta , , ,39 % Markup 2,95 78,33 75,39 (retorno do capital investido) Aumenta Receita em Diminui Custo Produção em Aumenta Rentabilidade em 35,29% 21,90% 75,39% Conclui-se que em sistemas de média tecnificação o emprego de touros da raça Senepol podem elevar a receita com a venda de bezerros desmamados em 35%, ao mesmo tempo em que reduzem o custo de produção em 22% ao permitirem maior proporção de touros por vaca, em função de seu libido elevado, e da elevada eficiência reprodutiva, acompanhando a vacada zebuína a campo sob temperaturas muito elevadas inclusive. Estes fatores quando potencializados permitem aumentar a rentabilidade em até 75%. Além da elevação dos índices reprodutivos, que expressam economicamente nos sistemas de cria, a adoção de exames clínicos dos touros é ferramenta essencial para se saber a condição do indivíduo reprodutor ao mesmo tempo em que o investimento em touros melhoradores e registrados dão a garantia e a velocidade necessárias para que a atividade de cria se torna mais eficiente. Pedro Crosara Gustin Médico Veterinário, especializado em produção animal, finanças empresariais e MBA em MKT Senepol Santa Luzia (34) design 07

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%)

Pressão de Seleção. Touros Jovens CEIP (20%) Machos avaliados (100%) O Qualitas Programa de melhoramento genético da raça Nelore Reconhecido, aprovado e auditado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) Autorizado a emitir o CEIP a partir de 2002 O

Leia mais

Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo

Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo Sistema Integrado Tropicana Manual Tropicana de Manejo Manual Tropicana de Manejo INTRODUÇÃO Vantagens proporcionadas pela Estação de Monta No período de acasalamento No parto e nascimento Na desmama Na

Leia mais

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG A fase de Cria Aspectos Econômicos Eficiência econômica encontra-se altamente

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE

PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GRANDE ESCALA EM BOVINOS DE CORTE / PRODUÇÃO DE NOVILHO PRECOCE E SUPER PRECOCE Nixon Rodrigues de Faria 1 - INTRODUÇÃO A eficiência do produtor e a qualidade dos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Colonial Agropecuária e Fazenda Calciolândia F-1, A MATRIZ MAIS ADEQUADA AO SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

José Ferreira Pankowski

José Ferreira Pankowski José Ferreira Pankowski O conselheiro técnico da Associação dos Criadores de Nelore de Mato Grosso, José Ferreira Pankowski, é o entrevistado da semana do site da Nelore MT. Ele fala sobre o desenvolvimento

Leia mais

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 1. Introdução A PADS 2013, a ser promovida e organizada pelo Núcleo de Melhoramento da Raça Senepol sob supervisão técnica do GENEPLUS - Programa

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares UFRGS FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA NESPRO

Leia mais

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras.

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras. Projeto SIMGIR 1 1 Introdução 2 Escolha das Raças 3 Parceria 4 Produção 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais Receptoras Bezerras F1 5-2 Calendário de Manejo 5-3 Projeto de Comercialização dos

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

Manual de Produção Pecuária

Manual de Produção Pecuária Copyright 2013 Agropecuária Guapiara. Todos os direitos reservados. PERMITIDA A REPRODUÇÃO DESDE QUE COM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA AGROPECUÁRIA GUAPIARA. Agropecuária Guapiara Rua Heráclio Mendes de Camargo,

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Considerações A suinocultura brasileira apresenta atualmente bom nível de desenvolvimento e ótimos

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces

Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces Alexandre Zadra 1 1. Introdução O aumento da competitividade com outras carnes, bem como outros mercados, e a possibilidade de o

Leia mais

OBJECTIVOS PRODUTIVOS

OBJECTIVOS PRODUTIVOS I CICLO DE PALESTRAS TEMÁTICAS Gestão reprodutiva em bovinos de carne 5 e 6 de Dezembro de 2008 Associação de Criadores de Bovinos de Raça Alentejana MANEIO REPRODUTIVO EM EXPLORAÇÕES DE BOVINOS DE CARNE

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE Fábio Dias 1 ; Joanir P. Eler 2 ; José Bento S. Ferraz 2 ; Josineudson A. II de V. Silva 3 1 Zootecnista, MSc. Agro Pecuária CFM Ltda, Av. Feliciano

Leia mais

ACONTE. Touros CV. Integração Lavoura/Pecuária Página 7. informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013

ACONTE. Touros CV. Integração Lavoura/Pecuária Página 7. informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013 ACONTE informativo carlos viacava nº - 8 Junho 2013 Grupo de novilhas super precoces que estarão à venda no Leilão Nelore Mocho CV do dia 28 de julho em Paulínia, SP. Prenhes aos 12 a 14 meses. Leilões

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Especial Senepol. Senepol, feito para o Brasil. Fabio Fatori / Senepol Agua Limpa

Especial Senepol. Senepol, feito para o Brasil. Fabio Fatori / Senepol Agua Limpa Especial Senepol Senepol, feito para o Brasil Fabio Fatori / Senepol Agua Limpa 12 - OUTUBRO 2009 Taurino adaptado encanta pecuaristas de Norte a Sul do Brasil, atrai novos investidores e impressiona pelos

Leia mais

MATÉRIA DE CAPA. Fábrica de BEZERR. Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais. Luiz H.

MATÉRIA DE CAPA. Fábrica de BEZERR. Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais. Luiz H. ~. ~ MATÉRIA DE CAPA Fábrica de BEZERR Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais Luiz H. Pitombo No ano passado, 8 milhões de fêmeas bovinas, 75% delas das raças

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Ilustração Olaff Behrend

Ilustração Olaff Behrend Autora José Luiz Jivago de Paula Rôlo Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Brasília (2009). Atualmente é médico veterinário da Universidade de Brasília. Tem experiência na área

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido Evoluir é democratizar o conhecimento Uma das características mais marcantes do ser humano é a de registrar o conhecimento. Isso nos diferenciou e proporcionou nossa rápida evolução em relação a outras

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS ARTIGO TÉCNICO PREMIX 12ª edição EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS Gustavo da Silva Freitas 1,4, Paola Moretti Rueda 2,4, Désirée Ribeiro Soares 2,4, Tiago da

Leia mais

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta

Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Associação de Criadores de Bovinos da Raça Preta Benavente, 18 de Abril de 2013 1 - Resultados produtivos e reprodutivos 1.1 - Indicadores da evolução do efetivo 1.2 - Indicadores de produtividade 2 -

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

Conheça a primeira central de inseminação do mundo.

Conheça a primeira central de inseminação do mundo. Conheça a primeira central de inseminação do mundo. A primeira central de inseminação do mundo nasceu nos Estados Unidos e veste verde e amarelo há mais de 40 anos. A C.R.I. Genética é uma cooperativa

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE: SUSTENTÁVEL POR NATUREZA O brasileiro elegeu a carne bovina como um dos seus alimentos preferidos nas refeições diárias. O consumo per capita é um dos

Leia mais

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU

5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore Vitrine Tecnológica da UFU 1. Apresentação Este documento tem por finalidade apresentar a 5ª Prova de Desempenho Individual de Touros Nelore a ser realizada

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

Desenvolvimento e performance produtiva e reprodutiva de fêmeas F1 Holandês/Zebu

Desenvolvimento e performance produtiva e reprodutiva de fêmeas F1 Holandês/Zebu Desenvolvimento e performance produtiva e reprodutiva de fêmeas F1 Holandês/Zebu Alberto Marcatti Neto; José Reinaldo Mendes Ruas; Reginaldo Amaral; Lázaro Eustáquio Borges; Marcos Brandão Dias Ferreira

Leia mais

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta;

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Programa de Gestão de Propriedades de Sucesso Cronograma: Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Resultados esperados. Origem do programa: Segundo apontando no diagnóstico da cadeia produtiva

Leia mais

Gestão de propriedades rurais

Gestão de propriedades rurais Gestão de propriedades rurais Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT Gestão e Planejamento A gestão empresarial

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

PKGA + O Programa de Genética Avançada da Katayama

PKGA + O Programa de Genética Avançada da Katayama impresso revista Ano 2 N o 2 julho 2010 www.katayama.com.br PKGA + O Programa de Genética Avançada da Katayama Agenda Katayama 51ª Expô Araçatuba 2010 08 a 18 de julho Araçatuba (SP) Leilão Virtual Elo

Leia mais

Aspectos básicos b produtividade da indústria de ovinos da Nova Zelândia

Aspectos básicos b produtividade da indústria de ovinos da Nova Zelândia Aspectos básicos b e produtividade da indústria de ovinos da Nova Zelândia NUTRIR Novembro 2009 Jack Cocks AbacusBio Ltd, New Zealand Renata Green e Bruno Santos Áries Repr. Melh.. Gen. Ovino Ltda, Brasil

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda São Paulo, 12 março de 2014 Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda Suprir a demanda de mercado com produtos de qualidade e sustentáveis. Este é

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda

SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO. CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda SAÚDE ANIMAL: CUSTOS NA EXPLORAÇÃO CAMTO, Casa Agrícola do Monte do Tojal, Lda CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO Área 500ha próprios 1200 ha arrendados Solos Pardos mediterrâneos Delgados Ácidos Com pouca drenagem

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol

Avaliação da qualidade da carne e características de carcaça de novilhos cruzados com Senepol A cadeia de produção da carne bovina tem direcionado esforços, no sentido de estar cada vez mais atenta para atributos de qualidade da carne já que é uma exigência do consumidor final. A maciez é uma das

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Coleta e Análise de Dados

Coleta e Análise de Dados Uma ferramenta para melhorar os resultados no campo Renato Pavan Anderlini Médico Veterinário Mestrado UNESP Botucatu Cel: (11) 986 770 089 renato.pavan@multbovinos.com.br BeefExpo 2015 O que são dados?

Leia mais

Informativo Técnico. Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando!

Informativo Técnico. Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando! Informativo Técnico Informativo Técnico N 01/Ano 01 abril de 2010 Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando! Ivo Kohek Jr.* O carrapato do bovino (Boophilus microplus) passa a

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS David R. Rocha Manejo reprodutivode de novilhas NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE:??? venda, engorda, reprodutor, rufião, etc. CRIA E RECRIA Manejo reprodutivode de novilhas

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ANIMAIS F1: PERSPECTIVAS E PESQUISA

SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ANIMAIS F1: PERSPECTIVAS E PESQUISA Capítulo 24 Sustentabilidade de produção de leite com animais F1 SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ANIMAIS F1: PERSPECTIVAS E PESQUISA Marcos Brandão Dias Ferreira, Beatriz Cordenonsi

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

PROVA de GANHO de PESO de BARRETOS (Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo) GANHO MÁXIMO - Lote Nº

PROVA de GANHO de PESO de BARRETOS (Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo) GANHO MÁXIMO - Lote Nº A Raça Tabapuã Como pode-se depreender, a raça TABAPUÃ foi assim denominada pelo Ministério da Agricultura ao considerá-la oficialmente como raça, e a primeira genuinamente brasileira, por ter tido sua

Leia mais

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal,

Leia mais

Integração. vertical chega à bovinocultura. da avicultura e da suinocultura

Integração. vertical chega à bovinocultura. da avicultura e da suinocultura R EPORTAGEM DE CAPA Integração vertical chega à bovinocultura ROBERTO CHACUR Ricardo Merola (esq.), seu filho Pedro e o primeiro integrado da Santa Fé, Aurélio Bitar, de Goiânia. Projeto lançado pelo empresário

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS COMPORTAMENTO SEXUAL DE TOUROS DA RAÇA NELORE E SUA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS COMPORTAMENTO SEXUAL DE TOUROS DA RAÇA NELORE E SUA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS COMPORTAMENTO SEXUAL DE TOUROS DA RAÇA NELORE E SUA IMPORTÂNCIA NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NO REBANHO Fabio Dias Rio

Leia mais