PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA"

Transcrição

1 PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA Vamos considerar as seqüências numéricas a) (, 4, 6, 8, 10, 1). Veja que a partir do º termo a diferença entre cada termo e o seu antecessor, é constante: a - a 1 = 4 - = ; a 3 - a = 6-4 = ; a 5 - a 4 = 10-8 = ; a 6 - a 5 = 1-10 = b) (, 3/, 1, 1/, 0, -1/) a - a 1 = 3/ - = -1/; a 3 - a = 1-3/ =-1/; a 5 - a 4 = 0-1/ = -1/; a 6 - a 5 = -1/ - 0 = -1/ Quando observamos que essas diferenças entre cada termo e o seu antecessor, é constante, damos o nome de progressão aritmética (P.A.) À constante damos o nome de razão (r). Obs.: r = 0 => P.A. é constante. r > 0 => P.A. é crescente. r < 0 => P.A. é decrescente. De um modo geral temos: Chama-se de progressão aritmética (P.A.), toda sucessão de números que, a partir do segundo, a diferença entre cada termo e o seu antecessor é constante. Isto é: Sucessão: (a 1, a, a 3, a 4, a 5, a 6, a 7,..., a n,...) a - a 1 = a 3 - a = a 4 - a 3 =...= a n - a n -1 = r 1.1 FÓRMULA DO TERMO GERAL DE UMA P.A. Vamos considerar a seqüência (a 1, a, a 3, a 4, a 5, a 6, a 7,..., a n ) de razão r, podemos escrever: Somando membro a membro essas n - 1 igualdades, obtemos: a + a 3 + a a n -1 + a n = a 1 + a + a a n -1 + (n - 1).r Após a simplificação temos a fórmula do termo geral de uma P.A.: a n = a 1 + (n - 1).r Oliveira Nota Importante: Quando procuramos uma P.A. com 3, 4 ou 5 termos, podemos utilizar um recurso bastante útil. Para 3 termos: (x, x+r, x+r) ou (x-r, x, x+r) Para 4 termos: (x, x+r, x+r, x+3r) ou (x-3y, x-y, x+y, x+3y). Onde y = r/ Para 5 termos: (x, x+r, x+r, x+3r, x+4r) ou (x-r, x-r, x, x+r, x+r) Prof. Júlio Oliveira 1. INTERPOLAÇÃO ARITMÉTICA Interpolar ou inserir k meios aritméticos entre dois números a 1 e a n, significa obter uma P.A. de k+ termos, cujos os extremos são a 1 e a n. Pode-se dizer que todo problema que envolve interpolação se resume em calcularmos a razão da P.A. Exemplo 1.1 Veja esta P.A. (1,..., 10), vamos inserir 8 meios aritméticos, logo a P.A. terá 8+ termos, onde: Solução: 81

2 a 1 = 1; a n = 10 ; k = 8 e n = k + = 10 termos. a n = a 1 + (n-1).r => r = 1 a P.A. ficou assim: (1,, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) 1.3 SOMA DOS n TERMOS DE UMA P.A.(S n ) Vamos considerar a P.A. (a 1, a, a 3,..., a n-, a n-1, a n ) (1). Agora vamos escrevê-la de uma outra forma: (a n, a n-1, a n-,..., a 3, a, a 1 ) (). Vamos representar por S n a soma de todos os membros de (1) e também por S n a soma de todos os membros de (), já que são iguais. Somando (1) + (), vem: S n = a 1 + a + a a n- + an-1 + a n S n = a n + a n-1 + a n a 3 + a + a 1 S n = (a 1 + a n ) + (a + a n-1 ) + (a 3 + a n- )... + (a n-1 + a ) + (a n + a 1 ) Observe que cada parênteses representa a soma dos extremos da P.A., portanto representa a soma de quaisquer termos eqüidistantes dos extremos. Então: S n = (a 1 + a n ) + (a 1 + a n ) (a 1 + a n ) + (a 1 + a n ) S n = (a 1 + a n ). n => que é a soma dos n termos de uma P.A. Exemplo 1.: Calcular a soma dos 0 primeiros termos da P.A. ( 3, 7, 11,...). Solução: a 1 = 3; r = 4 => [ ] Exemplo 1.3: Calcule o 17: termo da P.A. ( 3, 8, 13, ) Solução: Temos que: a 1 3 e Logo, a a r 5 1r a 16r Exemplo 1.4: Calcule a soma dos doze primeiros números ímpares. Solução: Temos então: ( ) Donde,, logo 1, 3, 5, a 1 1 e a r a1 1 1r a1 11r a a S Exemplo 1.5: No depósito de uma firma de informática, costuma-se empilhar as caixas de um determinado equipamento em filas horizontais superpostas, conforme ilustrado na figura. Quantas dessas filas seriam necessárias para empilhar 171 dessas caixas? 8

3 Solução: Temos uma P.A. representada por ( ) 1,, 3, onde, a 1 1 e r 1 Desejamos saber o n para o qual temos Sabemos que: S n Fig. 1. S n 171 a a n a a n 1r n a n 1 1 n n Substituindo valores, n n, 1 n 1 1 n, n 1 n, 34 1 n n, n n 34 0 que é uma equação do º grau para a qual Assim sendo, b n 1 ' n 18 n " 19 b 4ac a r a 1, b 1 e 34 c 34 Como não existe número de fileiras negativo, só a 1ª raiz tem significado físico... PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Chamamos Progressão Geométrica (P.G.) a uma seqüência de números reais, formada por termos, que a partir do º, é igual ao produto do anterior por uma constante q dada, chamada de razão da P.G. Dada uma seqüência (a 1, a, a 3, a 4,..., a n,...), então se ela for uma P.G. _a n = a n-1. q, com n e n ϵ IN, onde: 83

4 .1 CLASSIFICAÇÃO DAS P.G'S. 3. Alternante ou Oscilante: quando q < Constante: quando q = 1 5. Estacionária ou Singular: quando q = 0. FÓRMULA DO TERMO GERAL Vamos considerar uma P.G. (a 1, a, a 3, a 4,..., a n,...). Pela definição temos: Depois de multiplicarmos os dois membros das igualdades e simplificarmos, vem: a n = a 1.q.q.q...q.q => (n-1 fatores q) Termo Geral da P.G..3 INTERPOLAÇÃO GEOMÉTRICA Interpolar, Inserir ou Intercalar m meios geométricos entre dois números reais a e b significa obter uma P.G. de extremos a e b, com m+ elementos. Podemos resumir que problemas envolvendo interpolação se reduzem em calcularmos a razão da P.G. 84

5 .4 SOMA DOS TERMOS DE UMA P.G. FINITA Dada a P.G. (a 1, a, a 3, a 4,..., a n-1, a n...), de razão q 0 e q 1 e a soma S n de seus n termos pode ser expressa por: S n = a 1 +a +a 3 +a a n (Eq.1) Multiplicando ambos os membros por q, vem: q.s n = (a 1 +a +a 3 +a a n ).q q.s n = a 1.q+a.q+a a n.q (Eq.). Encontrando a diferença entre a (Eq.) e a (Eq.1), temos: ou com q 1 Obs.: Se a P.G. for constante, isto é, q = 1 a soma S n será: S n = a 1 + a 1 + a a 1 = n. a 1.5 SOMA DOS TERMOS DE UMA P.G. INFINITA Dada a P.G. infinita: (a 1, a, a 3, a 4,...), de razão q e S sua soma, devemos analisar 3 casos para calcularmos a soma S. 1. Se a 1 = 0 => S = 0, pois a n = 0. Se q < 1 ou q > 1, isto é q > 1 e a 1 0, S tende a ou +. Neste caso é impossível calcular a soma S dos termos da P.G. 3. Se 1< q < 1, isto é, q < 1 e a 1 0, S converge para um valor finito. Assim a partir da fórmula da soma dos n termos de uma P.G., vem: Quando n tende a +, q n tende a zero, logo: que é a fórmula da soma dos termos de uma P.G. Infinita. Obs.: S nada mais é do que o limite da Soma dos termos da P.G., quando n tende para + é representada desta forma: Exemplo.1: Determine o 10º termo da P.G. (1,, 4, ) Solução: a 1 1 e q Logo, a a1q a1q 1 Exemplo.: Determine a soma dos vinte primeiros termos da P.G. (, 1, 0, ) Solução: Temos: a 1 1 Logo, 1 4 e q 4 a1 S 0 1 q 6 143,75 1 q

6 Exemplo.3: Um barco patrulha está distante 65 milhas de um navio carregado de contrabando de armas pesadas. Sabendo-se que ambas as embarcações estão seguindo o mesmo rumo (movimentos na mesma direção e mesmo sentido) e que a velocidade do barco patrulha é o dobro da velocidade do navio, pede-se calcular a distância que o barco deve percorrer para alcançar o navio. Solução: v v 0 65 mi Fig. 1.3 Quando o barco patrulha tiver percorrido as 65 milhas iniciais, o navio terá percorrido vez que sua velocidade é a metade da do barco. Assim o barco terá que percorrer também x milhas, uma milhas. Quando o barco tiver percorrido estas últimas milhas, o navio terá percorrido milhas, e assim por diante, de modo que a distância total a ser percorrida pelo barco é: x b mi mi mi 4. Temos pois uma P.G. decrescente ilimitada, para qual a a 65 mi e. Logo, x b a 65 mi 1 q mi. Claro, o estudante deve estar se perguntando: o problema não poderia ter sido pelos métodos da Cinemática aprendidos na Física do º grau? Sim, é claro! Senão vejamos: As equações horárias dos movimentos são: Barco Navio No encontro e v vt 65 t vt vt 65 vt 65 x b vt v x n 65 t xb x n,, e o tempo de encontro é: 130 t. v Voltando à equação do barco, temos então: 130 x b vt v 130 mi v e concluímos, mais uma vez, que o barco deve percorrer 130 mi para alcançar o navio. Aí cabe uma outra pergunta: Por quê não termos utilizados diretamente o segundo método? 1 86

7 A resposta é simples: esta foi apenas uma ilustração de soma de parcelas, que são termos de uma P.G., as quais vão se tornando cada vez menores. 3 - Trigonometria 3.1 Introdução Historicamente, existem vestígios de um estudo de Trigonometria entre os babilônios, que a usavam para resolver problemas práticos de navegação, de Astronomia e de Agrimensura. As correspondências entre relações das medidas dos lados de um triângulo retângulo e da medida dos seus ângulos foram, sistematicamente, empregadas, pela primeira vez, pelo astrônomo grego Hiparco, por volta do ano 140 a.c. A Trigonometria não se limita ao estudo de triângulos. Sua aplicação hoje em dia se estende, por exemplo, à Análise, à Eletricidade, à Mecânica, à Acústica, à Topografia, etc. Do ponto de vista etimológico, a palavra Trigonometria significa medida dos triângulos, sendo formada por três radicais gregos tri = três, gonos = ângulo e metron = medir. 3. Ângulos Um ângulo no plano é uma região delimitada por duas semi-retas de origem no mesmo ponto. Na figura, α é a menor região delimitada pelas semi-retas. Outro ângulo definido pelas semi-retas é o ângulo β, que é uma região de abertura visivelmente maior que a o ângulo α. Os ângulos α e β na figura ao lado dizem respeito a ângulos no plano (Existem os chamados ângulos sólidos, definidos no espaço, mas estão fora do âmbito deste estudo). No plano, o sentido positivo atribuído aos ângulos é contrário ao dos ponteiros do relógio. Na figura ao lado está indicado o sentido de crescimento de um ângulo. O ângulo α aumenta se a abertura aumentar no sentido indicado pela seta. O sentido negativo é definido pela semi-reta movendo-se no sentido horário Medida de Ângulos O grau é a unidade de medida de ângulo obtida ao dividirmos uma circunferência em 360 partes iguais. Denotaremos a medida desta parte como sendo um grau ( ). Usualmente, utiliza-se o grau como unidade de medida de ângulos, porém, a unidade de ângulo adotada pelo Sistema Internacional (SI) é o radiano. Ele é definido de tal forma que um ângulo de π radianos é igual a : π radianos =, em que π é o número irracional 3, , definido pelo quociente entre o perímetro de uma circunferência e o seu diâmetro. Assim teremos, por exemplo, que. Para ângulos em unidades de grau de arco, é necessário indicar o símbolo para distinguir da unidade radiano. Existem, além destas, outras medidas utilizadas. Por exemplo, o grado, que é obtido de forma análoga ao grau; porém, a divisão é feita por 400. Podemos estabelecer, portanto, que = 100 grad. Esta última unidade é muito pouco utilizada. 3.. Mudança de Unidades Considere x a medida em radianos de um ângulo que corresponde a α graus. A relação entre estas 87

8 medidas é obtida pela seguinte proporção: π rad x rad Isso permite que façamos a conversão da medida de uma unidade para a outra através de uma regra de três simples. Podemos estabelecer a seguinte tabela de medidas de ângulos: Da tabela acima podemos notar que medidas em graus e em radianos de um arco de circunferência são diretamente proporcionais, isto é, Exemplo 3.1: Converta 16 em radianos. Solução: Temos π rad x Então, Exemplo 3.: Converter π/5rad em graus. Exemplo 3.3: Exprimir 300 o em radianos Classificação de Ângulos (i) quanto à abertura: 1. Ângulo nulo: α =.. Ângulo agudo: < α <. 3. Ângulo reto: α =. 4. Ângulo obtuso: < α <. 5. Ângulo raso: α =. 6. Ângulo giro: α =. (ii) quanto ao posicionamento (relativamente a outros ângulos): 1. Ângulos complementares: α+β =. Diz-se que α e β são complementares se a soma α+β for um ângulo reto. Neste caso, diz-se também que 90 α é o complementar ou o complemento de α, e vice-versa. Naturalmente, < α < e < β <, com 0 < α + β <. 88

9 . Ângulos suplementares: α + β =. Diz-se que α e β são suplementares se a soma α + β for um ângulo raso. Neste caso, diz-se também que α é o suplementar ou o suplemento de α, e vice-versa. Naturalmente, < α < e 0 < β <, com 0 < α + β <. 3. Ângulos replementares: α + β =. Diz-se que α e β são replementares se a soma α + β for um ângulo giro. Neste caso, diz-se também que α é o replementar ou o replemento de α, e vice-versa. Naturalmente, < α < e < β <, com 0 < α + β <. 4. Ângulos explementares: α + β = 7. Diz-se que α e β são explementares se a soma α + β for um ângulo de dois giros. Neste caso, diz-se também que 7 α é o explementar ou o explemento de α, e viceversa. Naturalmente, 0 < α < 7 e 0 < β < 7, com 0 < α+β < 7. Exemplo 3.4: O complemento do suplemento do triplo de um ângulo mede 30. Classifique este ângulo quanto a abertura. Solução: O triplo de um ângulo: 3x. O suplemento do triplo de um ângulo: 18 3x, e o complemento do suplemento do triplo de um ângulo: 9 (18 3x). Este último é igual a 3, ou seja, 9 (18 3x) = 3. Resolvendo-se esta equação encontramos x = 4. Logo, o ângulo é agudo. 3.3 A Circunferência Trigonométrica Considere uma circunferência de raio unitário com centro na origem de um sistema cartesiano ortogonal. Essa circunferência será denominada ciclo ou circunferência trigonométrica. O ponto A = (1, 0), interseção da circunferência com o semi-eixo positivo OX, será chamado origem do ciclo. Os pontos A, B, C e D, interseções do ciclo com os eixos coordenados, dividem o ciclo em quatro partes congruentes denominadas quadrantes. Os quadrantes são numerados, a partir de A, no sentido anti-horário (de A para B para C), conforme indicamos na figura abaixo. Convencionamos que o ponto divisor de dois quadrantes está em ambos; assim, por exemplo, B está no quadrante e também no (ele é o ponto final do e o ponto inicial do quadrante). Os quadrantes são usados para localizar pontos e a caracterização de ângulos trigonométricos. Por convenção, os pontos situados sobre os eixos não pertencem a qualquer um dos quadrantes. Já sabemos associar os números reais aos pontos de uma reta. Veremos agora como associar a cada número real x a um ponto na circunferência trigonométrica. Sabemos também que ao número x = 0 está correspondido o ponto A, que é a origem do ciclo. Se x 0, associamos a x o ponto final do seguinte percurso realizado sobre a circunferência: partimos de A; se x > 0, percorremos o ciclo no sentido anti-horário; 89

10 se x < 0, percorremos o ciclo no sentido horário; o comprimento de percurso é x. O ponto associado ao número x é denominado imagem de x no ciclo. OBS. *Esses percursos podem ter mais do que uma volta na circunferência. Mesmo assim vamos chamá-los de arcos. *Como a circunferência tem raio 1, o seu comprimento é l = π 1 = π. Nessa circunferência o comprimento de qualquer arco é numericamente igual à sua medida em radianos. Isso significa que fazer um percurso de comprimento x é percorrer um arco de x rad Ângulo Trigonométrico Vimos que um ângulo pode ter o valor real que se desejar. No entanto, a semi-reta que determina o ângulo (com outra semi-reta, fixa, de referência) completa uma volta após 36, duas voltas após 70, etc., ou uma volta no sentido contrário e, nesse caso, diz-se que descreveu um ângulo de 36. O menor ângulo α descrito pela semi-reta é o ângulo trigonométrico, ou primeira determinação positiva, e para o ângulo ϕ descrito pela semi-reta tem-se: ϕ = α + k 36, k Z. O ângulo α é o de maior interesse em trigonometria, em particular, no que toca às funções trigonométricas, abordadas posteriormente. Por exemplo, se x = α+m 36 e y = α+n 36 (m e n números inteiros), para igualar os ângulos x e y é necessário que m = 0 e n = 0 (por exemplo), uma condição trivial. A razão para a existência desta periodicidade para ângulos prende-se com o caráter das funções trigonométricas, o qual será discutido adiante. No entanto, é necessário definir univocamente a aplicação que determina o ângulo definido por duas retas que se intersectam. Portanto, e para esse efeito, medem-se os ângulos num domínio que vai de a 36 (ou, o que é equivalente, de 0 a π radianos) Números Congruentes Os números x e x + π têm representação no mesmo ponto da circunferência trigonométrica. Nesse mesmo ponto são representados, de fato, todos os seguintes números, x, x ± π, x ± 4π, x ± 6π, x ± 8π,..., etc, que denominamos números congruentes (ou côngruos) a x. Podemos notar que cada número congruente a x se escreve na forma x +( número par )π e, portanto, pode ser representado por x +kπ, em que k Z. Assim, o conjunto dos números congruentes a x é {x + kπ; k Z}. 3.4 Trigonometria e as Relações no Triângulo Retângulo A partir da sua criação pelos matemáticos gregos, quando a trigonometria dizia respeito exclusivamente à medição de triângulos, e tal como as funções e relações trigonométricas apresentadas a seguir, era aplicada ao estudo de triângulos retângulos. Porém, as funções trigonométricas resultantes, e apresentadas mais adiante, encontram aplicações mais vastas e de maior riqueza noutras áreas como a Física (por exemplo, no estudo de fenômenos periódicos) ou a Engenharia. Teorias mais elaboradas como a dos números complexos, a das funções trigonométricas hiperbólicas e do desenvolvimento em série de Taylor de funções trigonométricas, dependem do estudo da trigonometria. Nos limitaremos à trigonometria no plano. Em trigonometria, os lados dos triângulos retângulos assumem nomes particulares, apresentados na figura ao lado. O lado oposto ao ângulo reto, chama-se hipotenusa; os lados que formam o ângulo reto chamam-se catetos O Teorema de Pitágoras 90

11 O geômetra grego Pitágoras ( a.c.) formulou o seguinte teorema, que tem hoje o seu nome, e que relaciona a medida dos diferentes lados de um triângulo retângulo. Teorema (de Pitágoras). A soma dos quadrados dos comprimentos dos catetos é igual ao quadrado do comprimento da hipotenusa, ou seja, se a e b são os comprimentos dos dois catetos e c o comprimento da hipotenusa, temos Relações Trigonométricas no Triângulo Retângulo Boa parte das aplicações trigonométricas estão relacionadas com comprimentos dos lados e com os ângulos de um triângulo. Devemos, no entanto, apresentar algumas definições das relações trigonométricas no triângulo retângulo. Definição. Considere um triângulo ABC retângulo em B, cujos lados medem = a, = b e = c e seja α o ângulo oposto ao cateto. Então, Exemplo 3.5: Encontre, para o ângulo α, as relações trigonométricas no triângulo da figura. Exercícios Propostos 1.1 até 1.18 no final da apostila. 3.5 Funções Trigonométricas As Funções e as Relações Trigonométricas Fundamentais Recorrendo-se à circunferência trigonométrica, podemos estender o valor das razões trigonométricas no triângulo retângulo para quaisquer valores, além dos ângulos de medida entre zero e noventa. 91

12 Considere o ponto P(xP, yp) sobre a circunferência trigonométrica e cujo centro coincide com o sistema cartesiano ortogonal. O triângulo ΔOMP é retângulo e = 1. Assim sendo, Como na circunferência trigonométrica o raio é unitário, temos que as coordenadas do ponto P são (xp, yp) = (cos(x), sen(x)). Assim, se P é um ponto de coordenadas (xp, yp) na circunferência trigonométrica, então: Desta forma, definimos o seno e o cosseno do ângulo para quaisquer valores de x, e não somente para aqueles entre (ou 0 radianos) e 9 (ou π/ radianos), como anteriormente. Enunciemos a definição, portanto, destas funções. Definição. A função que associa cada x R à abscissa do ponto P da circunferência trigonométrica, denomina-se função cosseno, ou seja, Definição. A função que associa cada x R à ordenada do ponto P da circunferência trigonométrica, denomina-se função seno, ou seja, De acordo com a definição e observando a figura, podemos ver que 9

13 Pode-se observar ainda que, por P pertencer à circunferência trigonométrica, 1 cos(x) 1 e 1 sen(x) 1. Assim, o conjunto imagem das funções cosseno e seno estão limitadas ao intervalo [ 1, 1], ou seja, f(x) =cos(x) e g(x) = sen(x). Então, A definição de tangente de um ângulo num triângulo retângulo nos diz que: e, de acordo com a figura, os triângulosδopm e ΔOP A são retângulos e o ângulo em O é comum. Logo, eles são semelhantes. Assim, ou seja, Segue, da primeira igualdade, que 93

14 e, da segunda, A tangente de x é, portanto, também assinalada pela ordenada do ponto P, ou seja, o ponto P tem coordenadas P (x, y) = (1, tg(x)). Definição. A função que associa cada x R à ordenada do ponto P, obtido da interseção do prolongamento do segmento OP com a reta tangente à circunferência trigonométrica no ponto A, denomina-se função tangente, ou seja, h : {x R; x π/ + kπ, k Z} x R h(x) = tg(x) = yp Definição. A função que associa a cada x, em que cos(x) 0, ao inverso multiplicativo do seu cosseno, denomina-se função secante, ou seja, h : {x R; x π/ + kπ, k Z} x R Observe que estamos definindo a secante do ângulo x como o inverso multiplicativo do cosseno deste mesmo ângulo. Sendo assim, O mesmo se passa para as funções cotangente e cossecante. O valor da cotangente de um ângulo corresponde à abscissa do ponto P, situado sobre a reta horizontal tangente à circunferência no ponto (0, 1), ou seja, o ponto P tem coordenadas P (x, y) = (cotg(x), 1). De fato, são semelhantes os triângulos ΔOPM e ΔP OB. Assim, ou seja, Segue, da segunda igualdade, que e, da primeira, que Quanto maior for a abscissa do ponto P, menor será o ângulo x, e a semi-reta definida pelo ângulo com o eixo X se aproxima deste. Logo, cotg(x) aumenta, bem como a abscissa do ponto P. Definição. A função que associa cada x R à abscissa do ponto P, obtido da interseção do prolongamento do segmento OP com a reta tangente à circunferência trigonométrica no ponto B, denomina-se função cotangente, ou seja, Definição. A função que associa a cada x, em que sen(x) 0, ao inverso multiplicativo do seu seno, denomina-se função cossecante, ou seja, 94

15 Observe que estamos definindo a cossecante do ângulo x como o inverso multiplicativo do seno deste mesmo ângulo. Sendo assim, Por se tratar de triângulos retângulos, podemos escrever para ΔOPM, ΔOP A e ΔP OB as seguintes relações: 3.5. As Funções Trigonométricas e os Números Trigonométricos Nas aplicações são bastantes usados o seno e o cosseno das medidas de arcos dadas em graus, que são respectivamente iguais ao seno e ao cosseno dos números reais que se obtém transformando as medidas em radianos. Podemos formar a tabela abaixo. 95

16 Dois números congruentes tem imagens coincidentes no ciclo trigonométrico e por isso possuem senos iguais e cossenos iguais. Para todo x real e para todo inteiro k, temos Exercícios Propostos 1.19 até 1.33 no final da apostila Paridade das Funções Trigonométricas Nesta seção serão apresentadas algumas propriedades importantes das funções trigonométricas seno, cosseno, tangente e cotangente, nomeadamente: paridade, sinal, monotonia, periodicidade, e o resultado da redução ao primeiro quadrante. Das funções trigonométricas (seno, cosseno, tangente, cotangente, secante e cossecante), todas têm uma paridade bem definida. Proposição. A função seno é ímpar e a cosseno é par. Proposição. As funções tangente, cotangente e secante são ímpares e a função secante é par Sinal das Funções Trigonométricas Seja P(cos(α), sen(α)) um ponto da circunferência trigonométrica. Em suma, temos o seguinte quadro 96

17 3.5.7 Reduções ao Primeiro Quadrante A circunferência trigonométrica fica dividida em quatro partes quando, por exemplo, sua origem coincide com o sistema cartesiano ortogonal, como indicado na figura ao lado. Cada partes é denominada quadrante e são indicados conforme o sentido do crescimento dos ângulos. Vimos que existem alguns ângulos, no primeiro quadrante, para os quais podemos determinar facilmente os valores das razões trigonométricas, e que convém ter sempre presente. A aplicação da redução ao primeiro quadrante nos auxilia, por exemplo, a encontrar o valor de cada uma das funções trigonométricas para outros ângulos, entender o comportamento destas nos quadrantes restantes e na simplificação de expressões e de equações. Redução do Segundo ao Primeiro Quadrante Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então, Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então Redução do Terceiro ao Primeiro Quadrante Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então, 97

18 Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então, Redução do Quarto ao Primeiro Quadrante Apesar desta redução poder ser demonstrada da mesma maneira que as anteriores, a faremos de outro modo mais simples. Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então Proposição. Seja α um ângulo no primeiro quadrante. Então Os resultados obtidos para a redução de quadrantes encontram-se resumidos no seguinte quadro: em que α é um ângulo do quadrante e β é um ângulo a converter Periodicidade das Funções Trigonométricas Definição. Uma função y = f (x), definida no domínio D, é chamada função periódica se existe um número positivo p que satisfaz a igualdade, f (x + p) = f (x), para todo x D. O menor valor positivo de p que satisfaz essa condição é chamado período da função. Verifica-se que para este valor p, f (x + k p) = f (x), para todo k Z. O período de uma função é o comprimento do intervalo no qual esta função passa por um ciclo completo de variação. Graficamente, o gráfico da função periódica apresenta um elemento de curva que se repete. Proposição. O período das funções f (x) = cos(x) e g(x) = sen(x) é π. 98

19 3.5.9 Resumo das Propriedades das Principais Funções Trigonométricas A Função Cosseno Denominamos função cosseno à função que a cada número real x faz corresponder o número y = cos(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = cos(x), construímos o gráfico da função cosseno no intervalo 0 x π. Propriedades O domínio da função y = cos(x) é o conjunto dos números reais R. Imagem: Im = {y R; 1 y 1} = [ 1, 1] ( x; cos(x) = y 1 y 1). O valor máximo de cos(x) é 1, enquanto o valor mínimo é 1. Período: p = π, pois, x temos cos(x + π) = cos(x). A Função Seno Denominamos função seno à função que a cada número real x faz corresponder o número y = sen(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = sen(x), construímos o gráfico da função cosseno 99

20 no intervalo 0 x π. Propriedades O domínio da função y = sen(x) é o conjunto dos números reais R. Imagem: Im = {y R; 1 y 1} = [ 1, 1] ( x; sen(x) = y 1 y 1). O valor máximo de sen(x) é 1, enquanto o valor mínimo é 1. Período: p = π, pois, x temos sen(x + π) = sen(x). A Função Tangente Denominamos função tangente à função que a cada número real x π/+kπ, k Z, faz corresponder o número y = tg(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = tg(x), construímos o gráfico da função tangente no intervalo 0 x π. 100

21 Propriedades O domínio da função y = tg(x) é o conjunto dos números {x R; x π/ + kπ, k Z}. Imagem: Im = R ( x; tg(x) = y y R). Período: p = π, pois, x π/ + kπ, k Z, temos tg(x + π) = tg(x). A Função Cotangente Denominamos função cotangente à função que a cada número real x kπ, k Z, faz corresponder o número y = cotg(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = cotg(x), construímos o gráfico da função cotangente no intervalo 0 x π. 101

22 Propriedades O domínio da função y = cotg(x) é o conjunto dos números {x R; x kπ, k Z}. Imagem: Im = R ( x; cotg(x) = y y R). Período: p = π, pois, x kπ, k Z, temos cotg(x + π) = cotg(x). A Função Secante Denominamos função secante à função que a cada número x R; x π/+kπ, k Z, faz corresponder o número y = sec(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = sec(x), construímos o gráfico da função secante no intervalo 0 x π. 10

23 Propriedades O domínio da função y = sec(x) é o conjunto dos números {x R; x π/ + kπ, k Z}. Imagem: Im = R \ ( 1, 1) ( x; sec(x) = y y ], 1] [1,+ [). Período: p = π, pois, x π/ + kπ, k Z, temos sec(x + π) = sec(x). A Função Cossecante Denominamos função cossecante à função que a cada número x R; x kπ, k Z, faz corresponder o número y = cossec(x). Utilizando os pares (x, y) da tabela abaixo, em que y = cossec(x), construímos o gráfico da função secante no intervalo 0 x π. 103

24 Propriedades O domínio da função y = cossec(x) é o conjunto dos números {x R; x kπ, k Z}. Imagem: Im = R \ ( 1, 1) ( x; cossec(x) = y y ], 1] [1,+ [). Período: p = π, pois, x π/ + kπ, k Z, temos cossec(x + π) = cossec(x). Exercícios Propostos 1.34 até 1.46 no final da apostila. 3.6 Relações Importantes das Funções Trigonométricas Em muitos casos é previsto a utilização de relações que envolvem funções trigonométricas diferentes das que temos visto até aqui. Algumas destas podem envolver, por exemplo, funções trigonométricas da adição de ângulos ou determinadas funções que envolvem funções trigonométricas de um ângulo, e cuja escrita pode ser simplificada Fórmulas de Adição e Subtração 104

25 Considere dois arcos α e β com extremidades, respectivamente, nos pontos A e B, que estão sobre o ciclo trigonométrico com centro na origem do sistema cartesiano ortogonal (ver figura abaixo). Pela lei dos cossenos temos que: Teorema. Considere α e β dois ângulos quaisquer. Então, O cálculo de tg(β ± α) decorre, naturalmente, dividindo-se sen(β ± α) por cos(β ± α). Portanto, exceto π/, 3π/ e seus côngruos Fórmulas de Duplicação Teorema. Seja α um ângulo qualquer. Então, Teorema. Seja α 6= π/ + kπ e α 6= π/4 + kπ/, k Z, um ângulo. Então, Fórmulas de Bissecção Teorema. Seja α um ângulo qualquer. Então, Teorema. Seja α kπ, k Z, um ângulo. Então, Fórmulas de Transformações da Adição em Produto 105

26 Teorema. Sejam α e β dois ângulos quaisquer. Então, Os resultados obtidos nesta seção estão resumidos na seguinte tabela: Exercícios Propostos 1.47 até 1.53 no final da apostila. 3.7 Funções Trigonométricas Inversas Uma função f está devidamente caracterizada quando temos expresso quem é o seu domínio, contradomínio e a lei de correspondência y = f (x). Quando uma dada relação entre números reais y = f (x) é dita uma função, fica subentendido que o domínio D desta é o maior subconjunto de R que a define como tal. Se dada uma função y = f (x), alterarmos seu domínio para um subconjunto D de D, dizemos que esta função está restrita a D e a denotamos por. Por um abuso de notação, utiliza-se f tanto para a função original quanto para sua restrição. A relação (y) = x é função se f é uma função bijetora. Notoriamente, a classe das funções trigonométricas não é bijetora. Neste caso, para determinar cada elemento que compõe a classe das funções trigonométricas inversas trabalharemos com a classe das funções resultante de restrições impostas a cada função trigonométrica. Devido à periodicidade das funções trigonométricas, existem muitos intervalos nos quais cada restrição a um destes define uma outra função bijetora. No entanto, usualmente é escolhido um intervalo de comprimento máximo no qual o elemento zero é o ponto médio dos extremos deste ou é o extremo inferior Arco Cosseno 106

27 A função f : R R definida por f (x) = cos(x) é não bijetora. Isto é facilmente constatado pelo seu gráfico. Pelo que foi dito anteriormente, a inversa da função cosseno será obtida de uma restrição de f tal que ela seja bijetora. Por convenção, utiliza-se o intervalo [0; π] como o novo domínio, e, para que a função seja sobrejetora, tomamos como contradomínio o conjunto dos valores permitidos para o argumento de f, ou seja, o intervalo [ 1; 1]. Desta forma, a função inversa do cosseno (x) = arccos(x) pode ser estabelecida e, por definição de função inversa, tem-se para esta função que o domínio é [ 1; 1] e o contradomínio é [0; π]. Definição. Definimos a função arco cosseno y = arccos(x) à função que associa cada número real do intervalo [ 1, 1] ao ângulo y, 0 y π. Simbolicamente, 3.7. Arco Seno Podemos facilmente verificar que a função f : R R definida por f (x) = sen(x) não é bijetora através do seu gráfico. A inversa da função seno é obtida se restringirmos f (x) = sen(x) de tal modo que ela seja bijetora. Por convenção, utiliza-se o intervalo [ π/; π/] como o novo domínio, e, para que a função seja sobrejetora, tomamos como contradomínio o conjunto dos valores permitidos para o argumento de f, ou seja, o intervalo [ 1; 1]. Desta forma, a função inversa do seno (x) = arcsen(x) pode ser estabelecida e, por definição de função inversa, tem-se para esta função que o domínio é [ 1; 1] e o contradomínio é [ π/; π/]. 107

28 Definição. Definimos a função arco seno y = arcsen(x) à função que associa cada número real do intervalo [ 1, 1] ao ângulo y, π/ y π/. Simbolicamente Arco Tangente Podemos facilmente verificar que a função definida por f (x) = tg(x) não é bijetora através do seu gráfico. A inversa da função tangente é obtida se restringirmos f (x) = tg(x) de tal modo que ela seja bijetora. Por convenção, utiliza-se o intervalo ] π/; π/[ como domínio, e, para que a função seja sobrejetora, tomamos como contradomínio o conjunto dos valores permitidos para o argumento de f, ou seja, o conjunto dos números reais. Desta forma, a função inversa da tangente (x) = arctg(x) pode ser estabelecida e, por definição de função inversa, tem-se para esta função que o domínio é R e o contradomínio é ] π/; π/[. Note que os extremos do intervalo, π/ e π/, são excluídos, pois, nesses pontos, a tangente não está definida. Definição. Definimos a função arco tangente y = arctg(x) à função que associa cada número real ao ângulo y, π/ < y < π/. Simbolicamente Arco Cotangente 108

29 Podemos facilmente verificar através do seu gráfico que a função definida por f (x) = cotg(x) não é bijetora. A inversa da função cotangente é obtida se restringirmos f (x) = cotg(x) de tal modo que ela seja bijetora. Por convenção, utiliza-se o intervalo ]0; π[ como domínio, e, para que a função seja sobrejetora, tomamos como contradomínio o conjunto dos valores permitidos para o argumento de f, ou seja, o conjunto dos números reais. Desta forma, a função inversa da cotangente (x) = arccotg(x) pode ser estabelecida e, por definição de função inversa, tem-se para esta função que o domínio é R e o contradomínio é ]0; π[. Note que os extremos do intervalo, 0 e π, são excluídos, pois, nesses pontos, a cotangente não está definida. Definição. Definimos a função arco cotangente y = arccotg(x) à função que associa cada número real ao ângulo y, 0 < y < π. Simbolicamente, 3.8 Equações Trigonométricas Uma grande parte das equações trigonométricas são ou ficamreduzidas a uma das seguintes equações fundamentais: 1. cos(α) = cos(β). sen(α) = sen(β) 3. tg(α) = tg(β) Teorema. Dados dois números reais α e β, o conjunto solução da equação cos(α) = cos(β) é Teorema. Dados dois números reais α e β, o conjunto solução da equação sen(α) = sen(β) é Teorema. Dados dois números reais α e β, o conjunto solução da equação tg(α) = tg(β) é 109

30 Exercícios Propostos 110

31 111

32 11

33 113

34 114

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras:

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: b) 15 5 α α 1 resp: sen α =/5 cos α = /5 tgα=/ resp: sen α = 17 cos α

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo.

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo. Triângulo Retângulo São triângulos nos quais algum dos ângulos internos é reto. O maior dos lados de um triângulo retângulo é oposto ao vértice onde se encontra o ângulo reto e á chamado de hipotenusa.

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Computação Gráfica Interativa

Computação Gráfica Interativa Computação Gráfica Interativa conceitos, fundamentos geométricos e algoritmos 1. Introdução Computação Gráfica é a criação, armazenamento e a manipulação de modelos de objetos e suas imagens pelo computador.

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números MATEMÁTICA 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números reais, dada por f(x) = 3 cos x sen x, que tem parte de seu gráfico esboçado a seguir. Analise a veracidade das afirmações

Leia mais

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULARES-2011 DA MACKENZIE RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. 13 / 12 / 2010

PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULARES-2011 DA MACKENZIE RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. 13 / 12 / 2010 PROVAS DE MATEMÁTICA DO VESTIBULARES-0 DA MACKENZIE Profa. Maria Antônia Gouveia. / / 00 QUESTÃO N o 9 Dadas as funções reais definidas por f(x) x x e g(x) x x, considere I, II, III e IV abaixo. I) Ambas

Leia mais

Seno de 30 é um meio?

Seno de 30 é um meio? Seno de 30 é um meio? Adaptado do artigo de Renate Watanabe Acontecem fatos estranhos quando se ensina Trigonometria: Observe as tabelas abaixo, contendo alguns valores de duas funções f e g. x f(x) x

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS.

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS. ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS ÁLGEBRA I: 003 a 013 Funções: definição de função; funções definidas por

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Revisão Matemática Prof. Ederaldo Azevedo Aula 2 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Metro é uma unidade básica para representação de medidas de comprimento no Sistema Internacional(SI). Prefixos

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

α rad, assinale a alternativa falsa.

α rad, assinale a alternativa falsa. Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 09 / 0 Professor: Paulo (G - ifce 0) Considere um relógio analógico de doze horas O ângulo obtuso formado entre os ponteiros que indicam a hora e o minuto, quando o

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Trigonometria na circunferência

Trigonometria na circunferência Módulo 2 Unidade 20 Trigonometria na circunferência Para início de conversa... Figura 1: Reportagem do jornal O Globo da década de 1990 mostra o relógio da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo limpo

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) =

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) = Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 9 Trigonometria I Resumo das principais fórmulas da trigonometria Arcos Notáveis: Fórmulas do arco duplo: ) sen (a) = ) cos (a) = 3)

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br MATEMÁTICA APLICADA Disciplina: Matemática Aplicada Trigonometria e aplicações Introduzimos aqui alguns conceitos relacionados com a Trigonometria no triângulo retângulo, assunto comum na oitava série

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA Na representação trigonométrica, um número complexo z = a + bi é determinado pelo módulo do vetor que o representa e pelo ângulo que faz com o semi-eixo positivo

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Relações Métricas nos. Dimas Crescencio. Triângulos

Relações Métricas nos. Dimas Crescencio. Triângulos Relações Métricas nos Dimas Crescencio Triângulos Trigonometria A palavra trigonometria é de origem grega, onde: Trigonos = Triângulo Metrein = Mensuração - Relação entre ângulos e distâncias; - Origem

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA.

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. FUVEST VESTIBULAR 00 FASE II PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. Q 0. Para a fabricação de bicicletas, uma empresa comprou unidades do produto A, pagando R$9, 00, e unidades do produto B, pagando R$8,00. Sabendo-se

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36 MATEMÁTICA Se Amélia der R$ 3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade

Leia mais

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA

1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA II 1 ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA Circunferência é o conjunto de pontos que está a uma mesma distância (chamaremos essa distância de raio) de um ponto fixo (chamaremos

Leia mais

(c) 30% (d) 25% aprovados. é a quantidade de: Em uma indústria é fabricado um produto ao custo de

(c) 30% (d) 25% aprovados. é a quantidade de: Em uma indústria é fabricado um produto ao custo de QUESTÃO - EFOMM 0 QUESTÃO - EFOMM 0 Se tgx sec x, o valor de senx cos x vale: ( 7 ( ( ( ( O lucro obtido pela venda de cada peça de roupa é de, sendo o preço da venda e 0 o preço do custo quantidade vendida

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 010 1 a Fase Profa Maria Antônia Gouveia QUESTÃO 01 Sobre números reais, é correto afirmar: (01) Se m é um número inteiro divisível por e n é um número inteiro divisível

Leia mais

MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA

MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA MATEMÁTICA TRIGONOMETRIA 1. UFGO Considere segmentos de reta AE e BD, interceptando-se no ponto C, os triângulos retângulos ABC e CDE, e o triângulo BCE, conforme a figura abaixo. 1 Sabendo-se que as medidas

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

Capítulo 2 Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real. Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Capítulo 2 Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real. Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Capítulo Generalidades sobre Funções Reais de Variável Real Carlos J. Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ano Lectivo 7/8 Índice Generalidades sobre Funções. Definiçãodefunção....

Leia mais

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_007_ A FASE RESOLUÇÃO PELA PROFA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Se Amélia der R$3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia Se Maria

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Exercícios Trigonometria

Exercícios Trigonometria Exercícios Trigonometria Temas Abordados: Funções Trigonométricas e Equações; Arcos na Circunferência; Redução ao Primeiro Quadrante; Razões Trigonométricas.. (Upe 0) Um relógio quebrou e está marcando

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD)

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínios de conteúdos: Números e Operações (NO) Geometria e Medida (GM) Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Álgebra (ALG) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínio NO7 9 GM7 33 Números racionais

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

Função Logarítmica Função Exponencial

Função Logarítmica Função Exponencial ROTEIRO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2014 Aluno (a): nº 1ª Série Turma: Data: /10/2014. 3ª Etapa Professor: WELLINGTON SCHÜHLI DE CARVALHO Caro aluno, O objetivo desse roteiro é orientá-lo em relação aos conteúdos

Leia mais

ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2003 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja z. Das seguintes afirmações independentes: argumento de ω. é (são) verdadeira(s) A) todas. C) apenas II e III.

Leia mais

Exercícios de Números Complexos com Gabarito

Exercícios de Números Complexos com Gabarito Exercícios de Números Complexos com Gabarito ) (UNIFESP-007) Quatro números complexos representam, no plano complexo, vértices de um paralelogramo. Três dos números são z = i, z = e z = + ( 5 )i. O quarto

Leia mais

João Batista

João Batista <jmnbpt@yahoo.com> João Batista Revisões de Trigonometria Novembro de 000 Não tenho aqui espaço suficiente para dar a eplicação completa. Pierre de Fermat (1601-1665), matemático francês Índice PREÂMBULO...

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

MATEMÁTICA Abril 2015

MATEMÁTICA Abril 2015 152547 - Agrupamento de Escolas D. António Ferreira Gomes 342592 - Escola E.B. 2,3 D. António Ferreira Gomes INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA MATEMÁTICA Abril 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada MATEMÁTICA APLICADA 1. SISTEMA ANGULAR INTERNACIONAL...2 2.

Leia mais

Sistema Internacional de unidades (SI). 22/06/1799 sistema métrico na França

Sistema Internacional de unidades (SI). 22/06/1799 sistema métrico na França CURSO DE ENGENHARIA CARTOGRÁFICA Carlos Aurélio Nadal Doutor em Ciências Geodésicas Professor Titular do Departamento de Geomática - Setor de Ciências da Terra Sistema Internacional de unidades (SI). 22/06/1799

Leia mais

Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Solução:

Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Solução: Matemática Aplicada Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Apresentaremos a seguir as propriedades:

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia a Fase 0/novembro/008 MTEMÁTI 0. umentando a base de um triângulo em 0% e reduzindo a altura relativa a essa base em 0%, a área do triângulo aumenta em %.

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

15 + 17 + 19 +... + 35 + 37 = 312

15 + 17 + 19 +... + 35 + 37 = 312 MATEMÁTICA 1 Para uma apresentação de dança, foram convidadas 31 bailarinas. Em uma de suas coreografias, elas se posicionaram em círculos. No primeiro círculo, havia 15 bailarinas. Para cada um dos círculos

Leia mais

Curso Wellington Matemática Trigonometria Lei dos Senos e Cossenos Prof Hilton Franco

Curso Wellington Matemática Trigonometria Lei dos Senos e Cossenos Prof Hilton Franco 1. A figura a seguir apresenta o delta do rio Jacuí, situado na região metropolitana de Porto Alegre. Nele se encontra o parque estadual Delta do Jacuí, importante parque de preservação ambiental. Sua

Leia mais

FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS: senx, cosx e tgx Estudo de proposições de abordagem no ensino médio

FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS: senx, cosx e tgx Estudo de proposições de abordagem no ensino médio UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS FÍSICAS E MATEMÁTICAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS: senx, cosx e tgx Estudo de proposições de abordagem no ensino médio FRANCIELY SAMISTRARO Florianópolis,

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática 6º Ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005.

MATEMÁTICA. 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005. MTEMÁTI 01. O gráfico a seguir ilustra o lucro semestral de uma empresa, em milhares de reais, de 2003 a 2005. 80 60 40 20 0 1 /03 2 /03 1º/04 2º/04 1º/05 2º/05 Lucro 50 60 45 70 55 65 0-0) O lucro médio

Leia mais

A Importância das Deduções das Fórmulas Trigonométricas para a Construção de uma Aprendizagem Significativa

A Importância das Deduções das Fórmulas Trigonométricas para a Construção de uma Aprendizagem Significativa Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Matemática Mestrado Profissional em Matemática A Importância das Deduções das Fórmulas Trigonométricas para a Construção

Leia mais

Proposta para Abordagem da Trigonometria da Primeira Volta Utilizando o Software Sintesoft Trigonometria 2.0

Proposta para Abordagem da Trigonometria da Primeira Volta Utilizando o Software Sintesoft Trigonometria 2.0 Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas, Curso de Licenciatura em Ciências Exatas, com habilitação integrada em Física, Química e Matemática Atividades desenvolvidas na pesquisa Inserção

Leia mais

n! (n r)!r! P(A B) P(A B) = P(A)+P(B) P(A B) P(A/B) = 1 q, 0 < q < 1

n! (n r)!r! P(A B) P(A B) = P(A)+P(B) P(A B) P(A/B) = 1 q, 0 < q < 1 FORMULÁRIO DE MATEMÁTICA Análise Combinatória P n = n! = 1 n A n,r = Probabilidade P(A) = n! (n r)! número de resultados favoráveis a A número de resultados possíveis Progressões aritméticas a n = a 1

Leia mais

2. Noções de Matemática Elementar

2. Noções de Matemática Elementar 2. Noções de Matemática Elementar 1 Notação cientíca Para escrever números muito grandes ou muito pequenos é mais cómodo usar a notação cientíca, que consiste em escrever um número na forma n é o expoente

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ECONOMIA RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ECONOMIA RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 0 - FGV CURSO DE ECONOMIA Profa. Maria Antônia C. Gouveia QUESTÃO 0 Laura caminha pelo menos km por dia. Rita também caminha todos os dias, e a soma das distâncias diárias

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. FUVEST 008 a Fase Matemática Professora Maria Antônia Gouveia Q0 João entrou na lanchonete BOG e pediu hambúrgueres, suco de laranja e cocadas, gastando R$,0 Na mesa ao lado, algumas pessoas pediram 8

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. NÚMEROS NATURAIS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICOS (Aprovados em Conselho Pedagógico a 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Matemática,

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. alternativa B

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. alternativa B Questão TIPO DE PROVA: A Em uma promoção de final de semana, uma montadora de veículos colocou à venda n unidades, ao preço único unitário de R$ 0.000,00. No sábado foram vendidos 9 dos Questão Na figura,

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA

FUVEST VESTIBULAR 2006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA FUVEST VESTIBULAR 006. RESOLUÇÃO DA PROVA DA FASE 1. Por Professora Maria Antônia Conceição Gouveia. MATEMÁTICA 1. A partir de 64 cubos brancos, todos iguais, forma-se um novo cubo. A seguir, este novo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

no de Questões A Unicamp comenta suas provas

no de Questões A Unicamp comenta suas provas Cad no de Questões A Unicamp comenta suas provas 99 SEGUNDA FASE 4 de Janeiro de 998 Matemática 0 prova de Matemática do Vestibular Unicamp procura identificar nos candidatos um conhecimento crítico e

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com. 2012 Copyri'ght. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com. 2012 Copyri'ght. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. EP FISL Raciocínio Lógico - GEOMETRI ÁSI - TRIGONOMETRI webercampos@gmail.com 01 opyri'ght. urso gora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ÍNDIE Exercícios Resolvidos de GEOMETRI 0 Exercícios

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais