MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural"

Transcrição

1 Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R. Deus ; F. C. S. Machado ; R. A. M. Silveira ; C. L. Nogueira Departamento de Engenharia Civil, Escola de Minas, UFOP Ouro Preto, MG CEP: Departamento de Engenharia de Minas, Escola de Minas, UFOP Ouro Preto, MG CEP: Resumo. Este trabalho trás inicialmente algumas considerações sobre os métodos numéricos que podem ser utilizados na solução de problemas da engenharia civil, com ênfase na área de estruturas. Em seguida, atenção especial é dada aos métodos aproximados que atuam diretamente sobre a equação diferencial que rege o problema estrutural, em especial ao Método das Diferenças Finitas (MDF). No MDF, as derivadas da equação diferencial em consideração são substituídas por fórmulas de diferenças do valor da variável em alguns pontos selecionados, que estão localizados nas juntas ou pontos nodais de uma malha. Através desse procedimento a equação diferencial do problema é transformada numa equação algébrica. Procurando então satisfazer essa equação algébrica em todos os pontos da malha chega-se num sistema de equações cuja solução fornece os valores da variável primária nos pontos nodais considerados. Através de diversas aplicações, como por exemplo, o problema de estabilidade em colunas e o problema de equilíbrio de vigas, placas e cascas, verifica-se o funcionamento do MDF. É verificado também se as soluções numéricas obtidas através do MDF se aproximam das soluções analíticas e outras soluções numéricas. Através dessas análises conclui-se que o MDF é uma estratégia numérica bastante simples e de fácil implementação computacional, além de poder ser utilizado na resolução de uma grande variedade de problemas da engenharia estrutural. Palavras chaves: Métodos numéricos, Método das diferenças finitas, Análise estrutural, Mecânica das Estruturas.

2 INTRODUÇÃO Durante a solução de problemas de engenharia, é comum se deparar com equações diferenciais (ordinárias e parciais) que regem o fenômeno físico. A solução analítica dessas equações nos casos de condições de contorno, carregamento e geometria complexas é bastante complicada ou até mesmo impossível. Nesses casos é comum recorrer às soluções aproximadas obtidas através de métodos numéricos. O emprego de um método numérico está relacionado com uma seqüência finita de operações aritméticas para aproximar a solução de determinado problema quando esse é de difícil resolução analítica. O objetivo é encontrar uma solução numérica bastante próxima da solução exata do problema, visando sempre diminuir o erro (ou seja, a diferença) entre as duas soluções, de tal forma que o método possa ser considerado válido. São muitos os métodos numéricos utilizados hoje, mas no geral eles podem ser divididos em dois grandes grupos: i. métodos que atuam diretamente sobre a equação diferencial do problema real (como exemplos, pode-se citar o Método das Diferenças Finitas (MDF) e o Método dos Resíduos Ponderados (MRP)); ii. métodos que atuam de forma indireta no problema real e possuem uma base variacional (como exemplos têm-se o Método de Rayleigh-Ritz (MRR) e o Método dos Elementos Finitos (MEF)). O MDF talvez seja o mais simples dentre essas abordagens numéricas. Ele consiste basicamente em substituir as derivadas da equação diferencial por fórmulas de diferença previamente definidas. Esse método surgiu com o trabalho de Southwell (96), sendo ainda utilizado em diversos problemas da engenharia, sempre fornecendo resultados de precisão bastante razoável, como será visto adiante. O MDF também tem aplicação em diversas áreas da engenharia civil (Estruturas, Geotecnia e Hidráulica). Como exemplos de aplicações do MDF nessas áreas, pode-se citar: i. equilíbrio estrutural de vigas, placas e cascas; ii. estabilidade elástica de colunas; iii. fluxo em meio poroso; iv. linha de corrente em um escoamento. Nos próximos tópicos serão abordados temas específicos sobre a utilização do MDF e algumas aplicações na área da engenharia estrutural. MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS (MDF) Como já mencionado, se um problema real de engenharia tem geometria, condições de contorno e condições de carregamento simples, os métodos analíticos podem ser usados para resolver a equação diferencial que rege o fenômeno em estudo. Caso contrário, quando tais características forem complicadas, pode-se utilizar o MDF para aproximar a solução para o mesmo. O MDF é um esquema bastante simples e prático para a solução numérica de equações diferenciais, que apresentou franca expansão entre os anos 50 e 60, mas perdeu espaço para métodos mais sofisticados (MEF) com a crescente utilização dos computadores digitais nas décadas de 80 e 90 (Oliveira & Pedroso, 008). Atualmente, o MDF é aplicado e estudado principalmente no meio acadêmico. O resultado analítico obtido para um dado problema é geralmente considerado a solução exata desse problema. A análise numérica resulta num valor aproximado, que pode conter erros. Esses erros podem ser: de cálculo, de dados, de máquina, ou mesmo do analista na interpretação dos resultados. Por isso, para que o método possa ser utilizado, o erro entre o resultado analítico exato e o resultado aproximado deve ser o menor possível.

3 A idéia geral do MDF é obter a solução aproximada de uma equação diferencial em pontos discretos do domínio considerado, utilizando fórmulas de diferenças para substituir as derivadas de ordem n presentes na equação governante do problema. O conjunto desses pontos é denominado de malha de diferenças finitas, e quanto mais pontos essa malha tem, mais precisa é a resposta dada pelo método. 3 FÓRMULAS DE DIFERENÇA As fórmulas de diferença utilizadas no MDF para substituir as derivadas contidas na equação que rege o problema estrutural podem ser obtidas através da expansão da fórmula de Taylor, como descrito por Szilard (975). Há três tipos de fórmulas de diferenças que podem ser utilizadas no MDF, a saber: Diferença em Avanço, Diferença em Atraso e Diferença Central (a utilizada neste trabalho). Para os problemas de equilíbrio e estabilidade das estruturas que serão vistos a seguir, foram usadas as fórmulas de diferenças correspondentes às derivadas de primeira à quarta ordem em relação às variáveis independentes x, y ou θ num determinado ponto k da malha. Para uma dada função genérica f, que nos problemas estruturais representa uma componente de deslocamento da estrutura, pode-se escrever as seguintes expressões procurando aproximar as derivadas: df dx k d f dx d f dx k k x x x ( f f ) k + k ( f f f ) k+ k + ; (a) k ( f f + 6 f f f ) k= k + k k + Já a derivada /( ), por exemplo, pode ser aproximada pela expressão: k+ (b) (c) f x y m,n x y ( f m+,n+ f m,n+ f m+,n + f m,n ) m, n () em que m e n são pontos da malha de diferenças finitas. ALGORITMOS As aplicações que serão mostradas a seguir estão relacionadas com a solução de problemas de equilíbrio (vigas, placas e cascas) e com a solução do problema de estabilidade elástica de colunas. No caso dos problemas de equilíbrio, a aplicação do MDF está diretamente relacionado com a obtenção da matriz de rigidez do sistema e do vetor de cargas atuante, e como conseqüência gera-se um sistema de equações algébricas de simples resolução. Já no caso de problemas de estabilidade, o emprego do MDF interfere diretamente na obtenção das matrizes de rigidez e geométrica do sistema estrutural, e como conseqüência tem-se um problema de auto-valor a ser resolvido. Assim, no caso de aplicação do MDF na solução de problemas de equilíbrio, deve-se seguir o seguinte roteiro: i. definir equação diferencial do problema; ii. aproximar as derivadas por fórmulas de diferença; iii. obter a equação de equilíbrio na forma de DF (equação algébrica); iv. definir a malha de DF;

4 v. definir as condições de contorno do problema; vi. aplicar a equação nos pontos da malha de DF; como conseqüência: - obter a matriz de rigidez K - obter o vetor de cargas F vii. resolver o sistema de equações: KU = F; viii. obter os resultados secundários (rotação, momento fletor, cortante). No caso de aplicação do MDF para solução de problemas de estabilidade linearizados, devem-se seguir os seguintes passos: i. definir equação diferencial do problema; ii. aproximar as derivadas por fórmulas de diferença; iii. obter a equação de equilíbrio crítico na forma de DF (equação algébrica); iv. definir a malha de DF; v. definir as condições de contorno do problema; vi. aplicar a equação nos pontos da malha de DF; como conseqüência: - obter a matriz de rigidez K - obter a matriz de rigidez geométrica K G vii. resolver o sistema de auto-valor: (K - λk G ) U = 0; viii. avaliar as cargas (auto-valores, λ) e os modos (auto-vetores, U) de flambagem. 5 APLICAÇÕES DO MDF Considere como primeiro exemplo de aplicação do MDF, o problema de equilíbrio ilustrado na Figura a. Trata-se de uma viga biapoiada submetida a uma carga uniformemente distribuída q. A equação que rege esse fenômeno é definida a seguir: d w EI dx = (3) q em que w é a deflexão lateral da viga, EI é a rigidez à flexão da viga e q é o carregamento atuante. As condições de contorno para esse problema particular são dadas por: w =0 e M =0 em x = 0 e x = L () sendo M o momento fletor e L o comprimento da viga. Na Figura b é apresentada a malha de DF para o caso de 5 pontos nodais e na Figura c está a forma molecular (ou forma de DF) da Eq. (3). Como conseqüência da aplicação dessa equação nos pontos, 3 e (pontos reais da malha), chega-se ao seguinte sistema de equações, após serem aplicadas as condições de contorno (w = 0; w 5 = 0; M = 0; e M 5 = 0): EI x 5 6 w w 5 w 3 q = q q (5) A solução do sistema mostrado na Eq. (5) fornece os valores da deflexão lateral nos pontos da malha (ver Tabela ). Foram assumidos: EI = 87,5 MPa; L = 0 m; x =,5 m; e q = 30 kn/m).

5 Figura : a) Viga biapoiada com carregamento distribuído; b) Modelo de DF com 5 pontos nodais; c) Fórmula molecular de DF. Tabela Deflexão lateral da viga nos pontos da malha de DF (ver Fig. b). w w w 3 w w 5 0,0 0,056 0,09 0,056 0,0 Para efeito de comparação, são mostrados nas Tabelas e 3 a deflexão lateral máxima da viga e a rotação no apoio para diferentes discretizações ou malhas de DF. Como esperado, a medida que o número de pontos nodais da malha aumenta o valor numérico obtido com o MDF se aproxima da solução analítica. Tabela Deflexão lateral máxima (w máx ) no meio do vão da viga biapoiada. Malha DF w máx (num) w máx (ana) Erro (%) 3 0,050 0,008 0,0 5 0,09 0,008 5,0 7 0,05 0,008 3,09 Nota: num: numérico; ana: analítico; solução analítica: Timoshenko e Gere (99). Tabela 3 Rotação θ no apoio da viga biapoiada (ponto nodal ). Malha DF θ (num) θ (ana) Erro (%) 3 0,0050 0,0067 5,00 5 0,006 0,0067 6,5 7 0,0065 0,0067,0 Nota: num: numérico; ana: analítico. Seja agora a coluna engastada-apoiada mostrada na Figura a. A equação diferencial que governa esse problema clássico de estabilidade é definida através da expressão: EI d w d w P = 0 dx dx + (6) em que w é a deflexão lateral da viga, EI é a rigidez a flexão e P é a carga concentrada aplicada em x = L. Veja que para esse problema, as condições de contorno são dadas por: w =0 e θ =0 em x = 0 e w =0 e M = 0 em x = L (7) Na Figura b é apresentada a malha de DF para o caso de 6 pontos nodais e na Figura c está a fórmula molecular da Eq. (6).

6 0 Figura : a) Coluna engastada-apoiada; b) Modelo de DF com 6 pontos nodais; c) Fórmula molecular de DF. De acordo com Brush e Almroth (975), resolvendo-se analiticamente esse problema, chega-se na expressão da carga crítica mostrada a seguir:,05 EI cr P π L (8) em que EI é a rigidez à flexão da coluna e L é o comprimento da mesma. Seguindo então o procedimento descrito anteriormente para a obtenção da solução numérica desse problema de estabilidade, chega-se aos resultados apresentados na Tabela para diferentes modelos ou malhas de DF. Mais uma vez, note que a carga crítica da coluna obtida através da solução numérica usando o MDF se aproxima da resposta exata à medida que o número de pontos nodais aumenta. Veja que com 0 pontos nodais a solução já é bastante razoável. Aplicações do MDF à colunas com outras condições de borda podem ser encontradas em Lages e Silveira (998). Tabela Carga crítica (P cr ) da coluna engastada-apoiada obtida através do MDF. Malha DF P cr (num) Erro (%) 3.000,0 0, ,3, ,0 5, ,, ,, ,0 0, Nota: num: numérico; valores assumidos: L = ; EI = 000; P cr (ana) 0.87,05. O terceiro sistema estrutural a ser resolvido numericamente é ilustrado na Figura 3. Trata-se de uma placa quadrada simplesmente apoiada nas quatro bordas e sujeita a um carregamento uniformemente distribuído p z. A equação diferencial parcial que rege o equilíbrio da placa é fornecida abaixo: w w + x x y w + = y pz D (9)

7 em que w é a deflexão da placa e D é a sua rigidez à flexão. Observe agora a existência de duas variáveis independentes, x e y. A Figura 3b fornece a malha de DF adotada na solução numérica da placa; já na Figura 3c é encontrada a representação molecular (no caso de x = y = λ) da Eq. (9), que governa o problema estrutural em questão. a) Placa quadrada simplesmente apoiada. b) Malha de DF adotada. c) Fórmula molecular de DF (Szilard, 975). Figura 3 Solução numérica via MDF de uma placa quadrada biapoiada.

8 Com a aplicação da equação de equilíbrio em sua forma discreta (molecular) nos pontos localizados no interior da placa (5, 6, e 9), e considerando as condições de simetria (w = w 3 = w 7 = w 9; e w = w = w 6 = w 8 ) e contorno (w à w 37 são nulos; M 7, M 8, M 9 e M 30 e M 3 são nulos), chega-se no sistema de equações apresentado a seguir: w 6 w 0 w = pzλ D (0) cuja solução é dada por (para L =, λ =, p z = e D = ): w w w 5 6 9,03 = 0, 750 0,57 () Se a deflexão máxima obtida através do MDF no centro da placa (w 5 ) for comparada com a solução analítica w máx = 0,0006 ql /D =,039 (Timoshenko & Woinkowsky- Krieger, 959), obtem-se um erro de apenas 0,78%. Essa aplicação demonstra mais uma vez a eficiência e precisão da técnica numérica abordada neste trabalho. Como último exemplo, considere a casca cilíndrica biengastada de comprimento L mostrada na Figura a submetida a uma pressão interna p. Para esse problema, as equações que governam o comportamento da casca podem ser obtidas, por exemplo, estabelecendose o equilíbrio de forças e momentos nas três direções (x, θ e z) de um elemento infinitesimal (ver Figura b). Através desse procedimento chega-se a: N x N xθ R + = 0 x θ N xθ Nθ R + = 0 () x θ Nθ D w + = p R em que w é a deflexão lateral da casca, R é o seu raio e D é a sua rigidez à flexão; N x, N θ e N xθ são os esforços resultantes (ver Figura b); e p é a pressão interna atuante. Observe que agora as variáveis independentes do problema são x e θ. Na Figura c é apresentado o formato da malha de DF adotado caracterizando as bordas do lado esquerdo e do lado direito da casca. Os pontos localizados fora dessas bordas são chamados de pontos fictícios da malha. Deve-se enfatizar que devido a simetria do problema, apenas metade da casca foi discretizada. As equações anteriores foram discretizadas usando o MDF e diferentes malhas foram adotadas na solução numérica do problema. Os resultados dessas análises são mostrados na Figura d, onde se pode observar a variação do deslocamento lateral w da casca ao longo do seu comprimento. Foram adotados: L = 0 m; R = 6 m; h (espessura) = 0,03 m; p = N/m ; e D = 6550,8 N/m. Esse mesmo problema foi resolvido através do MEF, usando o software Ansys, bem como analiticamente (Timoshenko & Woinkowsky- Krieger, 959). A resposta obtida com esse segundo procedimento numérico e a analítica simplificada são também apresentadas na Figura d. Através dessa figura verifica-se que mesmo usando-se uma malha pouco refinada de DF consegue-se um resultado com boa precisão para pontos da casca localizados a uma certa distância das bordas. Os deslocamentos para esses pontos são coincidentes com aqueles obtidos com o Ansys. Entretanto, o efeito da influência das bordas só pode ser capturados a medida que se

9 aumenta a discretização do modelo numérico. Tanto as respostas obtidas através do MDF como aquelas do MEF apresentaram a mesma discrepância em relação à solução analítica. p R Engaste h Engaste (a) a) Casca cilíndrica submetida a uma pressão interna; b) Elemento infinitesimal. (b) Bordo Esquerdo Bordo Direito c) Formato da malha de DF adotada Solução analítica Engaste Deflexão Lateral (w) Solução analítica MEF: Ansys MDF: malha 6x6 MDF: malha 0x0 MDF: malha 0x0 Engaste Comprimento da Casca Cilíndrica d) Variação da deflexão lateral w ao longo do comprimento da casca. Figura Solução numérica via MDF de uma casca cilíndrica biengastada.

10 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo abordou basicamente algumas aplicações do Método das Diferenças Finitas no campo da engenharia estrutural. Através dos problemas de equilíbrio e de estabilidade analisados pôde-se verificar que as respostas numéricas obtidas por esse método estavam bastante próximas daquelas analíticas correspondentes ou mesmo das advindas do MEF. Em algumas situações, mesmo considerando um modelo pouco refinado de DF, chegou-se a um resultado numérico de razoável precisão. Como vantagens do MDF, pode-se citar: i. a facilidade de entendimento dos passos básicos envolvidos na sua aplicação; ii. a sua fácil implementação computacional; iii. a possibilidade de seu emprego em uma ampla variedade de problemas; iv. a sua precisão; e vi. a sua rápida convergência para a solução exata do problema. Como desvantagens do método: i. o atendimento de algumas condições de borda e carregamento; ii. a solução de problemas onde existe descontinuidade de material. Agradecimentos Os autores deste artigo agradecem ao PET Civil (MEC/SESu/Difes), CNPq, CAPES e FAPEMIG o apoio recebido para desenvolvimento desta pesquisa. 7 BIBLIOGRAFIA Brush, D.O., & Almroth, B.O. (975). Buckling of Bars, Plates, And Shells, Mcgraw-Hill, INC. Lages, A.G. & Silveira, R.A.M. (998). Análise da Estabilidade de Colunas Através do Método das Diferenças Finitas. Ouro Preto/MG: UFOP (Relatório Final de Pesquisa, PIBIC/CNPq/UFOP). Oliveira, V.G., & Pedroso, L.J. (008). Freqüências e modos acústicos de vibração de reservatórios pelo método das diferenças finitas. Revista de Pesquisa Aplicada à Engenharia, vol., no.. Southwell, R.V. (96). Relaxation Methods in Theoretical Physics. London, Oxford University Press. Szilard, R. (97). Theory and Analysis of Plates - Classical and Numerical Methods. Prentice-Hall INC. Timoshenko, S.P., & Gere, J.E. (99). Mecânica dos Sólidos. Vol., Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro. Timoshenko, S.P. & Woinkowsky-Krieger, S. (959). Theory of Plates and Shells. McGraw-Hill Book Company, NY. nd edition, reissued DIREITOS AUTORAIS Os autores são responsáveis pelo conteúdo do material impresso incluído neste trabalho.

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda

ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda Marcello Augustus Ramos Roberto SOFTEC Software Technology

Leia mais

Dinâmica não-linear de placas retangulares

Dinâmica não-linear de placas retangulares Dinâmica não-linear de placas retangulares Flávio Augusto Xavier Carneiro Pinho 1,a, Frederico Martins Alves da Silva 2,b Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil a flavio_augusto1@hotmail.com,

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é:

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é: DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM PARA INTEGRAÇÃO EXPLÍCITA NO DOMÍNIO DO TEMPO DE PROBLEMAS ELASTODINÂMICOS L. A. Souza 1 e C. A. Moura 2 1 Instituto Politécnico / UERJ Caixa Postal 97282 28601-970 Nova

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem de grãos

Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem de grãos ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 218-224 218 Uma formulação de Petrov-Galerkin aplicada à simulação de secagem

Leia mais

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS"

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS RACKS ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS" Vinícius O. Faria viniciusjacks@yahoo.com.br Universidade Federal de Ouro Preto Arlene M. Sarmanho Freitas

Leia mais

FLAMBAGEM DE BARRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA

FLAMBAGEM DE BARRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas FLAMBAGEM DE BARRAS PROF DR. NILSON TADEU MASCIA JUNHO DE 006 1 - Introdução...3 - Conceito

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008)

Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008) Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008) 33 Considerações sobre Modelos Estruturais Clayton Reis de Oliveira 1 Resumo: Uma etapa fundamental em um projeto de um edifício em concreto armado é sua concepção

Leia mais

, de de 2014 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

, de de 2014 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Curso (s) : Engenharia Mecânica Nome do projeto: Introdução ao Software OpenFoam

Leia mais

Fábio Jorge Dias Machado. Análise e Controle Passivo das Vibrações de Placas Retangulares. Dissertação de Mestrado

Fábio Jorge Dias Machado. Análise e Controle Passivo das Vibrações de Placas Retangulares. Dissertação de Mestrado Fábio Jorge Dias Machado Análise e Controle Passivo das Vibrações de Placas Retangulares Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG437 Sistemas de Controle Digitais Introdução Controladores PID Prof. Walter Fetter Lages 2 de maio

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Esforços axiais e tensões normais

Esforços axiais e tensões normais Esforços axiais e tensões normais (Ref.: Beer & Johnston, Resistência dos Materiais, ª ed., Makron) Considere a estrutura abaixo, construída em barras de aço AB e BC, unidas por ligações articuladas nas

Leia mais

ANÁLISE ELÁSTICA LINEAR DE ELEMENTOS PLANOS ENRIJECIDOS COM FIBRAS ATRAVÉS DE UM ACOPLAMENTO MEC-MEF

ANÁLISE ELÁSTICA LINEAR DE ELEMENTOS PLANOS ENRIJECIDOS COM FIBRAS ATRAVÉS DE UM ACOPLAMENTO MEC-MEF SIMMEC/EMMCOMP 14 XI Simpósio de Mecânica Computacional II Encontro Mineiro de Modelagem Computacional Juiz De Fora, MG, 8- de Maio De 14 ANÁLISE ELÁSTICA LINEAR DE ELEMENTOS PLANOS ENRIJECIDOS COM FIBRAS

Leia mais

Método dos Elementos Finitos Generalizados Validação de Estimadores de Erro a-posteriori

Método dos Elementos Finitos Generalizados Validação de Estimadores de Erro a-posteriori Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Método dos Elementos Finitos Generalizados Validação de Estimadores de

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

CEP: 13209-002 e-mail: rciuccio@hotmail.com. e-mail: athosjf@gmail.com, rqua10@gmail.com

CEP: 13209-002 e-mail: rciuccio@hotmail.com. e-mail: athosjf@gmail.com, rqua10@gmail.com Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Análise de Elementos Finitos Aplicado ao Desenvolvimento de Produtos em

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

EM 421 - RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I 3. Prova Data: 06/12/96 Profs. Marco Lúcio Bittencourt e Euclides de Mesquita Neto GABARITO

EM 421 - RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I 3. Prova Data: 06/12/96 Profs. Marco Lúcio Bittencourt e Euclides de Mesquita Neto GABARITO EM 421 - RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I 3. Prova Data: 06/12/96 Profs. Marco Lúcio Bittencourt e Euclides de Mesquita Neto GABARITO 1. QUESTÃO (VALOR 6.0) A viga bi-engastada abaio mostrada deverá ser construída

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil EXERCÍCIOS D 2 a. ÁRE Mecânica Vetorial ENG035 LIST DE PROLEMS DE PROV CENTRO DE GRVIDDE 1) peça representada

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO L.R.B. SARMENTO 1, G.H.S. PEREIRA FILHO 2, E.S. BARBOSA 3, S.R. de FARIAS NETO 4 e A.B. de LIMA 5 (Times New Roman

Leia mais

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos

Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Formulação de Petrov-Galerkin para solução de problema de secagem de grãos Tatiane Reis do Amaral, João Francisco A. Vitor Mestrado em Modelagem Matemática e Computacional,

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Rodrigues da Silva, Amilton; Drumond, Fabiana Paula Desenvolvimento de um software para análise estrutural de sistemas reticulados

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS Paulo Roberto Simon Chapecó

Leia mais

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL CFD = Computational Fluid Dynamics 1 Problemas de engenharia Métodos analíticos Métodos experimentais Métodos numéricos 2 Problemas de engenharia FENÔMENO REAL (Observado

Leia mais

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL

mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL mecânica e estruturas geodésicas II FLAMBAGEM PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADL FONTE:AutoFEM Buckling Analysis Buckling = FLAMBAGEM Flambagem em trilho ferroviário (tala de junção) Ensaio em laboratório de

Leia mais

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a 19 2006 Influência dos carregamentos

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Walter Francisco HurtaresOrrala 1 Sílvio de Souza Lima 2 Resumo A determinação automatizada de diagramas

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas 5/8/15 16:57 Centro de Ciências Tecnológicas Curso: 19 Engenharia Mecânica (Noturno) Currículo: 15/ 1 EDU.5.-5 Universidade, Ciência e Pesquisa Ementa: A função da Universidade como instituição de produção

Leia mais

O MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO À TEORIA DAS VIGAS

O MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO À TEORIA DAS VIGAS UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA ALEXANDRE ANDRADE BRANDÃO SOARES O MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO À TEORIA DAS VIGAS BELÉM/PA DEZEMBRO 2010 ALEXANDRE ANDRADE BRANDÃO SOARES O MÉTODO DAS DIFERENÇAS FINITAS

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

Introdução: momento fletor.

Introdução: momento fletor. Flexão em Vigas e Projeto de Vigas APOSTILA Mecânica dos Sólidos II Introdução: As vigas certamente podem ser consideradas entre os mais importantes de todos os elementos estruturais. Citamos como exemplo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA Daniel Benítez Barrios danielbb@mackenzie.com.br Universidade Presbiteriana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA

MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística, e Computação Científica RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MODELAMENTO SÍSMICO: A EQUAÇÃO DA ONDA ACÚSTICA Prof. Dr. Lúcio Tunes dos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS DE TRANSPORTE Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS

Leia mais

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Primeiramente vamos iniciar o tutorial apresentando uma visão geral do software Ansys, ao abri-lo (click em Ansys11 e Ansys) a seguinte tela é mostrada: Nesse curso focaremos

Leia mais

FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS

FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia 18 e 19 de Novembro de 2015, Uberlândia - MG FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS João Rodrigo Andrade, jandrade@mec.ufu.br Aristeu

Leia mais

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2).

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2). 8. PROCESSO DE CROSS O Processo de Cross, ou Método da Distribuição de Momentos (White et al. 976), é um método relativamente simples para o cálculo de momentos fletores em vigas contínuas, pórticos planos,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS.

CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS. 1 CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MAXIMA - PARTE 1

INTRODUÇÃO AO MAXIMA - PARTE 1 INTRODUÇÃO AO MAXIMA - PARTE 1 Caro colega, Como temos destacado, precisamos de um motivo que justifique o uso do computador no ensino e aprendizagem, principalmente de conteúdos matemáticos, pois a utilização

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 5 Flambagem Capítulo 5 Flambagem 5.1 Experiências para entender a flambagem 1) Pegue uma régua escolar de plástico e pressione-a entre dois pontos bem próximos, um a cinco centímetros do outro. Você está simulando

Leia mais

Professor: Juan Avila. juan.avila@ufabc.edu.br. http://professor.ufabc.edu.br/~juan.avila

Professor: Juan Avila. juan.avila@ufabc.edu.br. http://professor.ufabc.edu.br/~juan.avila Professor: Juan Avila E-mail: juan.avila@ufabc.edu.br Site: http://professor.ufabc.edu.br/~juan.avila Bibliografia HIBBELER, R. C., Structural Analysis, Prentice Hall, 7th Edition, 2008. TIMOSHENKO, S.,

Leia mais

Controle de Veículos Aéreos

Controle de Veículos Aéreos 12, 13 e 14/11/2014, Parnaíba-PI Controle de Veículos Aéreos Prof. Dr. Mário Sarcinelli Filho Universidade Federal do Espírito Santo UFES Bolsista de Produtividade em Pesquisa PQ-2 do CNPq Orientador de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Marcos Roberto de Souza (1), Alexandre

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO 2 o Semestre de 2001 Molas Helicoidais e Planas AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO A NTUNES DOS

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra Engenharia ecânica LISTA 2 1)Uma barra de aço tem seção retangular de x60 mm e fica submetida à ação de dois conjugados iguais e de sentido contrário que agem em um plano vertical de simetria da barra,

Leia mais

Ementas do Curso de Engenharia Civil ( até o quarto período )

Ementas do Curso de Engenharia Civil ( até o quarto período ) Ementas do Curso de Engenharia Civil ( até o quarto período ) 1 Período GEXT 7301- Cálculo a Uma Variável (5.0.0) Números Reais, Funções Reais, Limites de Funções Reais e Continuidade, Derivação, Taxas

Leia mais

STÉFANO CHARLES MARTINS DA SILVA MÉTODOS NUMÉRICOS PARA RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS ESTADO DA ARTE E APLICAÇÕES

STÉFANO CHARLES MARTINS DA SILVA MÉTODOS NUMÉRICOS PARA RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS ESTADO DA ARTE E APLICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA STÉFANO CHARLES MARTINS DA SILVA MÉTODOS NUMÉRICOS PARA RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2)

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) SISTEMATIZAÇÃO DO DIMENSIONAMENTO A FLEXO-COMPRESSÃO DE PILARES MISTOS PREENCHIDOS DE SEÇÃO RETANGULAR Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) (1) Mestrando, PPGECiv Programa de Pós-graduação

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais.

1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais. 1 INTRODUÇÃO. 1.1. Considerações Gerais. Uma das vantagens de utilizar as estruturas esbeltas tais como treliças, cascas ou arcos é a sua alta rigidez por unidade de peso. Assim, estes elementos estruturais

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Curvas de nível homotópicas a um ponto

Curvas de nível homotópicas a um ponto Curvas de nível homotópicas a um ponto Praciano-Pereira, T Sobral Matemática 6 de agosto de 2011 tarcisio@member.ams.org pré-prints da Sobral Matemática no. 2011.03 Editor Tarcisio Praciano-Pereira, tarcisio@member.ams.org

Leia mais

5. EXEMPLOS NUMÉRICOS: ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA

5. EXEMPLOS NUMÉRICOS: ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA 5. EXEMPLOS NUMÉRICOS: ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA 5.1 INTRODUÇÃO Este capítulo apresenta a aplicação dos procedimentos numéricos apresentados no Capítulo 4 na solução de problemas de vibração livre e

Leia mais

3 Métodos de Otimização

3 Métodos de Otimização 3 Métodos de Otimização 3.1. Introdução Os problemas de otimização são problemas de maximização ou minimização de função de uma ou mais variáveis num determinado domínio, sendo que, geralmente, existe

Leia mais

SIMULADOR PARA PROJETOS DE ESTRUTURAS TRELIÇADAS

SIMULADOR PARA PROJETOS DE ESTRUTURAS TRELIÇADAS SIMULADOR PARA PROJETOS DE ESTRUTURAS TRELIÇADAS Thiago Pontin Tancredi thiago.tancredi@poli.usp.br Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Estruturas.

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS. Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3

CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS. Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3 CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3 1 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, bolsista PIBC/CNPq,

Leia mais

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil.

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil. A análise aqui executada permite, com base nos exemplos aqui apresentados, recomendar que o dimensionamento das lajes lisas de concreto, com índice de esbeltez usuais, obedeça aos seguintes critérios:

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CADERNO DE ENGENHARIA DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro FREQUÊNCIA NATURAL DE VIBRAÇÃO DE DUTOS SUBMARINOS EM VÃOS LIVRES. Felipe Teixeira Silva Bezerra

Universidade Federal do Rio de Janeiro FREQUÊNCIA NATURAL DE VIBRAÇÃO DE DUTOS SUBMARINOS EM VÃOS LIVRES. Felipe Teixeira Silva Bezerra Universidade Federal do Rio de Janeiro FREQUÊNCIA NATURAL DE VIBRAÇÃO DE DUTOS SUBMARINOS EM VÃOS LIVRES Felipe Teixeira Silva Bezerra 2014 FREQUÊNCIA NATURAL DE VIBRAÇÃO DE DUTOS SUBMARINOS EM VÃOS LIVRES

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Paulo Tibúrcio Pereira, Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Engenharia de Telecomunicações 36420-000, Ouro Branco,

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

Root Locus (Método do Lugar das Raízes)

Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Root Locus (Método do Lugar das Raízes) Ambos a estabilidade e o comportamento da resposta transitória em um sistema de controle em malha fechada estão diretamente relacionadas com a localização das raízes

Leia mais

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2 V CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA V NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28, 2008 - Salvador Bahia Brazil AVALIAÇAO ESTRUTURAL

Leia mais

Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco

Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco Autores: Isadora Rossetti Toledo, Marcos Antônio da Cunha Santos isadorar@hotmail.com, msantos@est.ufmg.br Departamento

Leia mais

Flambagem de Colunas Introdução

Flambagem de Colunas Introdução - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Flambagem de Colunas Introdução Os sistemas

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO DE VEÍCULOS 1 (Vehicle Scheduling Problem) Cássio Roberto de Araújo cassio@em.ufop.br Elva

Leia mais

Elementos Finitos na Análise Estrutural

Elementos Finitos na Análise Estrutural Capítulo 2 Elementos Finitos na Análise Estrutural Trata-se neste capítulo, de apresentar de uma forma simples o método dos deslocamentos e sua aplicação na análise estrutural. Aborda-se inicialmente de

Leia mais

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado

Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado BE28 Encontro Nacional de Betão Estrutural 28 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 28 Comparação de programas comerciais para dimensionamento de lajes em betão armado Paulo B. Lourenço 1 João Pereira 2 Joaquim

Leia mais

Nome do(a) aluno(a): Matrícula: ENGENHARIA CIVIL

Nome do(a) aluno(a): Matrícula: ENGENHARIA CIVIL Nome do(a) aluno(a): Matrícula: NGNHRI IVIL onhecimentos specíficos Questões de múltipla escolha: 1 a 27. Questões discursivas: 28 a 30. 1. Questão Os critérios para localização de um aterro de resíduos

Leia mais