Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS PARA CONTROLE DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS Eng Jorge,Augusto Ceratti DSc. pela Universidade Federal do Rio de Janeiro Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eng Civil Matheus Lemos Nogueira Mestrando em Engenharia Civil Dezembro de 2009

2 Sumário: 1. Apresentação Entrada de Dados Teor de Ligante e Granulometria Dados de Identificação Dados do Teor de Ligante Dados da Granulometria Tabelas Secundárias e Saída Gráfica Espessura e Grau de Compactação Dados de Identificação Dados da Espessura Dados do Grau de Compactação Tabelas Secundárias e Saída Gráfica Relatório Mensal Relatório Anual 18 1

3 1. APRESENTAÇÃO: Diante das graves patologias dos revestimentos asfálticos, sendo que muitas delas estão surgindo precocemente, fica evidente a necessidade de implantação de procedimentos que possam assegurar a qualidade dos novos pavimentos. Para isso, é imprescindível que se conheça as características das misturas asfálticas produzidas atualmente, de forma que se tenha um retrato fiel da realidade. Dessa forma, tem-se uma base consistente para a elaboração de documentos para controle e garantia de qualidade que, ao mesmo tempo em que visam enquadrar as misturas nas especificações vigentes, vão ao encontro das possibilidades da indústria. Sendo assim, juntamente com estudos sobre o desempenho de pavimentos, utilização de novos materiais e desenvolvimento de novas técnicas construtivas, é importante que se elabore banco de dados contendo as principais características de qualidade (teor de ligante, grau de compactação, dentre outras). Partindo desse princípio, foi desenvolvido um documento chamado Controle Estatístico da Qualidade cujas finalidades principais são: Armazenar de forma racional e sistemática os dados referentes às características de qualidade das misturas asfálticas, originando um banco de dados prático e eficiente; Analisar estatisticamente o nível das características de qualidade armazenadas, permitindo que possam ser tomadas decisões baseadas nas análises dos dados assim que são inseridos nas planilhas. O formato escolhido para o documento foi o Microsoft Office Excel 2007 por ser de domínio da maioria dos profissionais e devido à sua grande flexibilidade. Dessa maneira, fica garantido o acesso e entendimento para boa parte dos usuários, além de estar aberta a possibilidade de qualquer implementação que se julgue necessária. Controle Estatístico da Qualidade possui cinco planilhas. A inserção dos dados acontece basicamente nas duas primeiras: TEOR DE LIGANTE E GRANULOMETRIA e ESPESSURA E GRAU DE COMPACTAÇÃO. Nas duas planilhas seguintes, os resultados das análises são apresentados de forma tabular e de forma gráfica: em RELATÓRIO MENSAL é apresentada a análise para o mês que o usuário selecionar e em RELATÓRIO ANUAL são apresentados os níveis da qualidade ao longo do ano. Uma quinta planilha, MENUS, é utilizada apenas para armazenar elementos que auxiliem no funcionamento das demais, sendo este o motivo pelo qual é mantida oculta. 2

4 Apesar de terem sidos mencionados os períodos mensal e anual, as análises podem ser feitas simultaneamente com a inserção dos dados, permitindo que se gere relatórios quinzenais, trimestrais, semestrais, dentre outros. Vale ressaltar que em determinadas situações deverão ser feitas adaptações nas células, reforçando a escolha de um formato conhecido e aceito por grande parte dos usuários. 3

5 2. ENTRADA DE DADOS: A entrada de dados acontece através das planilhas TEOR DE LIGANTE E GRANULOMETRIA e ESPESSURA E GRAU DE COMPACTAÇÃO. Em cada uma delas, há doze tabelas principais relacionadas aos meses do ano. Além disso, há tabelas secundárias acompanhadas de saídas gráficas, referentes às características de qualidade, que possibilitam uma análise prévia assim que os dados são inseridos. Segue algumas recomendações quanto à entrada de dados que são comuns às duas planilhas: A princípio, as células em branco são as que se destinam a receber os dados e as células preenchidas com alguma cor são as que contêm as funções de cálculo; Quando não houver espaço suficiente para todos os dados, recomendase que se insiram as linhas necessárias no final das tabelas, evitando que elementos da planilha que possam estar à direita sofram alguma distorção; A inserção de novas linhas deve ser feita clicando com o botão direito do mouse na barra numérica, que fica à esquerda da área de trabalho do Excel, e selecionando a opção Inserir. O arraste de células ou até mesmo de linhas ou colunas inteiras pode comprometer os intervalos de cálculo das funções contidas nas planilhas; Quando a quantidade de dados for menor que o espaço disponível, as células que sobrarem devem ser mantidas em branco, ou seja, não devem ser preenchidas com nenhum tipo de caractere (traço -, zero, dentre outros), pois a presença destes também pode comprometer o funcionamento das funções. A seguir, serão descritas as particularidades de cada uma das planilhas de entrada de dados, destacando que os dados presentes nos exemplos não são representativos de nenhuma agência ou órgão rodoviário e servem apenas para expor o funcionamento do documento apresentado TEOR DE LIGANTE E GRANULOMETRIA: As tabelas presentes na planilha TEOR DE LIGANTE E GRANULOMETRIA possuem o mesmo aspecto da tabela da figura 1. Elas serão discutidas através de 3 segmentos distintos para que se consiga perceber melhor os seus detalhes. 4

6 Fig. 1 Tabela da Planilha Teor de Ligante e Granulometria DADOS DE IDENTIFICAÇÃO - 1º SEGMENTO: O primeiro segmento, figura 2, é responsável por identificar a procedência dos dados: Data da coleta da amostra; Trecho da rodovia onde a amostra foi coletada; Tipo de serviço executado com a mistura asfáltica em questão (recapeamento, tapa-buracos, dentre outros). Fig. 2 Dados de Identificação DADOS DO TEOR DE LIGANTE - 2º SEGMENTO: No segundo segmento, figura 3, os dados referentes ao teor de ligante são inseridos em duas colunas: 5

7 Teor de Projeto: trata-se do teor de projeto da mistura asfáltica amostrada; Teor de Ligante: trata-se do teor de ligante extraído da amostra. Nas colunas Faixa de Diferença é mostrada a faixa de diferença aceitável entre o teor de ligante das amostras e o teor de ligante de projeto, que deve ser de ±0,30%. Na coluna Diferença dos Teores é calculada a diferença entre os teores das amostras e os de projeto. A penúltima célula dessa coluna mostra a média das diferenças dos teores e a última mostra o desvio padrão. Fig. 3 Dados do Teor de Ligante DADOS DA GRANULOMETRIA - 3º segmento No terceiro segmento, o usuário deve primeiro informar as peneiras utilizadas para o projeto da mistura dos agregados e depois informar o projeto. A inserção desses dados é feita nas células contornadas em vermelho na figura 4. A seguir, os dados referentes à granulometria das amostras são inseridos nas colunas correspondentes. As colunas preenchidas com azul claro calculam a diferença entre a granulometria das amostras e a granulometria do projeto das misturas para cada uma das peneiras. Assim como no segmento anterior, a penúltima célula das colunas mostra a média das diferenças e a última mostra o desvio padrão. 6

8 Fig. 4 Dados da Granulometria TABELAS SECUNDÁRIAS E SÁIDA GRÁFICA: Ao lado das tabelas principais estão as tabelas secundárias, que apresentam um resumo da análise dos dados inseridos. Na planilha TEOR DE LIGANTE E GRANULOMETRIA, as duas tabelas secundárias são: Análise Mensal do Teor de Ligante, figura 5 e Análise Mensal da Granulometria, figura 6. Deve-se ter cuidado para não esquecer de inserir os dados que devem ser informados na tabela secundária da granulometria. Diferença entre os Teores de Ligante Análise Mensal do Teor de Ligante - Janeiro / 2010 Quantidade das Amostras Valor Absoluto Porcentagem Média das Diferenças entre os Teores (%) Acima da Faixa 4 12,90% 0,390 Abaixo da Faixa 3 9,68% -0,500 Dentro da Faixa 24 77,42% 0,015 Total % 0,013 Fig. 5 Análise Mensal do Teor de Ligante A tabela da figura acima, por exemplo, mostra que foi feito extração de ligante em 31 amostras. Em 4 delas (12,90%) o teor ficou acima da faixa e a média da diferença entre os teores das amostras e os teores de projeto é de 0,390%. Outras 3 (9,68%) ficaram com teores abaixo da faixa e a média da diferença é de -0,500%. O restante das amostras, 24 (77,42%), está com os teores dentro da faixa, mas com média de diferença de 0,015%. 7

9 SÉRIE ASTM Abertura (mm) Análise Mensal da Granulometria - Janeiro / 2010 Projeto da Mistura Tolerâncias Faixa de Trabalho Média da Granulometria (%) 3/4" 19,1 100,0 0,0 0,0 100,0 100,0 99,968 1/2" 12,7 94,7-7,0 7,0 87,7 100,0 92,661 3/8" 9,5 83,7-7,0 7,0 76,7 90,7 83,800 nº 4 4,8 61,1-5,0 5,0 56,1 66,1 62,497 nº 8 2,38 46,6-5,0 5,0 41,6 51,6 44,871 nº 30 0,59 22,1-5,0 5,0 17,1 27,1 21,513 nº 50 0,297 15,6-5,0 5,0 10,6 20,6 14,632 nº 100 0,149 10,4-3,0 3,0 7,4 13,4 9,542 nº 200 0,075 7,8-2,0 2,0 5,8 9,8 6,371 Quantidade de Amostras 31 Fig. 6 Análise Mensal da Granulometria Na tabela da figura 6, o usuário deve informar a abertura das peneiras referentes às informadas na tabela principal da planilha; ele também deve informar a tolerância permitida, de modo que possa ser determinada a faixa de trabalho. Na última coluna, a tabela informa a granulometria média do período analisado. Quanto à saída gráfica, para o teor de ligante são apresentados dois gráficos: um que mostra a dispersão das diferenças entre os teores das amostras e os teores de projeto, figura 7, e outro, de colunas, que resume as informações da tabela secundária correspondente, figura 8. Para a granulometria, é apresentada a curva granulométrica do projeto, com a faixa de trabalho, juntamente com a curva granulométrica média do período, figura 9. 8

10 Fig. 7 Dispersão das Diferenças entre os Teores Fig. 8 Gráfico de Colunas do Teor de Ligante 9

11 Fig. 9 Curvas Granulométricas 2.2. ESPESSURA E GRAU DE COMPACTAÇÃO: As tabelas desta planilha serão explicadas através da mesma metodologia que a planilha anterior. As principais possuem o mesmo aspecto que a tabela da figura 10. Fig. 10 Tabela da Planilha Espessura e Grau de Compactação 10

12 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO - 1º SEGMENTO: O primeiro segmento desta planilha é idêntico ao da planilha anterior DADOS DA ESPESSURA - 2º SEGMENTO: No segundo segmento, figura 11, os dados devem ser inseridos em duas colunas: Espessura de Projeto : trata-se das espessuras dos projetos; Espessura da Amostra : trata-se da espessura das amostras. A coluna Diferença das Espessuras calcula a diferença entre a espessura das amostras e a espessura de projeto. A penúltima célula mostra a média dessas diferenças e a última mostra o desvio padrão. Fig. 11 Dados da Espessura DADOS DO GRAU DE COMPACTAÇÃO - 3º SEGMENTO: No terceiro segmento, figura 12, só é necessário inserir dados na coluna Grau de Compactação da Amostra. A penúltima célula dessa coluna mostra a média do grau de compactação alcançado em campo e a última mostra o desvio padrão. As colunas Grau de Compactação mostram os limites inferior, 97%, e superior, 101%, para o grau de compactação que deve ser alcançado em campo. 11

13 Fig. 12 Dados do Grau de Compactação TABELAS SECUNDÁRIAS E SAÍDA GRÁFICA: Da mesma maneira que na planilha anterior, pode-se avaliar o desempenho quanto à espessura e ao grau de compactação alcançado em campo assim que os dados forem inseridos. A figura 13 apresenta um exemplo da tabela de análise para a espessura e a figura 14 para o grau de compactação. Análise Mensal da Espessura - Janeiro / 2010 Quantidade das Amostras Média das Diferenças entre as Espessuras (cm) Espessuras Valor Absoluto Porcentagem Iguais ou Maiores que a de Projeto 26 83,87% 0,138 Menores que a de Projeto 5 16,13% -0,100 Total % 0,099 Fig. 13 Análise Mensal da Espessura 12

14 Diferença entre os Graus de Compactação Análise Mensal do Grau de Compactação - Janeiro / 2010 Quantidade das Amostras Valor Absoluto Porcentagem Média dos Graus de Compactação (%) Maior 101% 1 3,23% 101,500 Menor 97% 4 12,90% 96,050 Entre 97% e 101% 26 83,87% 98,600 Total % 98,365 Fig. 14 Análise Mensal do Grau de Compactação Tanto para a espessura quanto para o grau de compactação, a saída gráfica apresenta dois gráficos: um que mostra a dispersão de valores e outro, de colunas, que resume as informações das tabelas secundárias correspondentes. As figuras 15 e 16 apresentam a saída gráfica da espessura e as figuras 17 e 18 do grau de compactação. Fig. 15 Dispersão da Diferenças entre as Espessuras 13

15 Fig. 16 Gráfico de Colunas da Espessura Fig. 17 Dispersão dos Graus de Compactação 14

16 Fig. 18 Gráfico de Colunas do Grau de Compactação 15

17 3. RELATÓRIO MENSAL: A planilha RELATÓRIO MENSAL é a primeira planilha de saída de dados. A vantagem que ela apresenta frente à saída de dados das anteriores, é dispor os dados das 4 características numa mesma tabela. Outra vantagem é plotar alguns dos gráficos já apresentados de forma conjunta. Como pode ser visto na figura 19, esta planilha possui apenas duas entradas de dados. Na primeira linha o usuário deve responder qual o ano se refere o relatório e na segunda deve selecionar no menu qual o mês de interesse. Feito isso, a tabela abaixo apresenta a análise completa das características para o mês selecionado e plota alguns dos gráficos já mencionados nas planilhas anteriores. A saída gráfica para o exemplo que vem sendo utilizado está apresentada na figura 20. Fig. 19 Planilha RELATÓRIO MENSAL 16

18 Fig. 20 Saída Gráfica da Planilha RELATÓRIO MENSAL 17

19 4. RELATÓRIO ANUAL: Esta é a última planilha do documento e a única entrada de dados necessária é a confirmação das peneiras utilizadas no projeto da mistura do agregado. Trata-se de um resumo da análise de todas as características ao longo de todos os meses onde foram coletados dados. A tabela formada é semelhante à tabela da planilha RELATÓRIO MENSAL, a diferença é que se repete 12 vezes. A saída gráfica permite analisar o nível das 4 características ao longo de um ano inteiro. A figura 21 apresenta a configuração da saída gráfica. Logo após, as figuras 22, 23, 24 e 25 apresentam os gráficos do teor de ligante, granulometria, espessura e grau de compactação, respectivamente, de forma ampliada. Fig. 21 Saída Gráfica da Planilha RELATÓRIO ANUAL 18

20 Fig. 22 Teor de Ligante de RELATÓRIO ANUAL Fig. 23 Granulometria de RELATÓRIO ANUAL 19

21 Fig. 24 Espessura de RELATÓRIO ANUAL Fig. 25 Grau de Compactação de RELATÓRIO ANUAL 20

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS Instituição: UFRGS Autores: Ricardo Vieira, José Luis Machado e Álvaro Juscelino Lanner Área: Sistema de Informações Introdução. O trabalho aqui proposto

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1

SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1 SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 1 SIGA-CEIVAP MANUAL DO USUÁRIO 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 SIGA-CEIVAP... 3 2. FUNCIONALIDADES COMUNS AOS USUÁRIOS... 3 2.1 ACESSO AO SISTEMA... 3 2.1.1 ACESSANDO

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Sumário. 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7

Sumário. 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7 Ferragens Sumário 1. Propósito 1 2. Tabela de Ferragem 1 3. Criar Tabela de Ferragem 1 4. Conector de Ferragens 7 1. Propósito Para definirmos todos os materiais que devem compor uma estrutura de ferragem,

Leia mais

OFICINA DE POWER POINT

OFICINA DE POWER POINT OFICINA DE POWER POINT Barra de Ferramentas Padrão Barra de Ferramentas Formatação Barra de Menus Modos de Visualização Painéis de Tarefas Barra de Ferramentas Desenho Profª. Maria Adelina Raupp Sganzerla

Leia mais

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I

Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina Operação de Sistemas Aplicativos I CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Escola Técnica Estadual de Avaré ETE-AVARÉ CURSO DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NÚCLEO DE APOIO Gravando Dados e Cópias de CD s com o Nero 6.0 Disciplina

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o Excel; 2. Conhecendo a Tela do Excel. 3. Inserindo

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Manual do Usuário. Protocolo

Manual do Usuário. Protocolo Manual do Usuário Protocolo Índice de capítulos Parte I - Processos............................... 01 1 - Buscar................................ 01 2 - Listar................................ 02 3 - Abertura..............................

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1...3 Introdução... 3 Formatações de tabela... 4 Função HOJE... 6 Função SE... 6 Exercícios... 7 Exercício de Fixação...

Leia mais

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema:

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema: Manual MQS Para acessar o sistema MQS na versão em PHP, basta clicar no link: www.mqs.net.br/plus. Colocar login e senha que foram fornecidos por email. Logo após colocar essas informações abrirá a página

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

I. Personalizando a Área de Trabalho

I. Personalizando a Área de Trabalho 1 I. Personalizando a Área de Trabalho Área de Trabalho (desktop) do Novo Painel de Negociação do Home broker: Existem quatro desktops disponíveis para uso. Para alternar entre um e outro, clique sobre

Leia mais

RESPOSTAS DAS QUESTÕES ANULADAS OU COM MUDANÇA DE GABARITO

RESPOSTAS DAS QUESTÕES ANULADAS OU COM MUDANÇA DE GABARITO RESPOSTAS DAS QUESTÕES ANULADAS OU COM MUDANÇA DE GABARITO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO - PROVA DE MATEMÁTICA: Questão 23: Não ficou explícito, no comando da questão O número de possibilidades de

Leia mais

CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA

CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA SET 2014 2 INTRODUÇÃO Este manual objetiva orientar os servidores no processo do cadastro de projetos no Sistema Channel para viabilizar o acompanhamento físico-financeiro

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO PÚBLICA

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO PÚBLICA PAG:1 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO PÚBLICA MÓDULO : LICITAÇÕES E CONTRATOS Manual de Treinamento 2008 PAG:2 MÓDULO DE LICITAÇÃO E COMPRAS OBJETIVO: Controlar a documentação dos processos licitatórios dentro

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

1. A corrida de vetores numa folha de papel.

1. A corrida de vetores numa folha de papel. 1. A corrida de vetores numa folha de papel. desenhando a pista. o movimento dos carros. o início da corrida. as regras do jogo. 2. A corrida no computador. o número de jogadores. o teclado numérico. escolhendo

Leia mais

Questões de Informática Prova Comentada Ministério Público da União

Questões de Informática Prova Comentada Ministério Público da União NOÇÕES DE INFORMÁTICA QUESTÕES COMENTADAS Prof.: Erion Monteiro Questões de Informática Prova Comentada Ministério Público da União Nível Superior Cargo 1 Analista Administrativo 11/9/2010 Sequencial 015

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT

O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT O EDITOR DE APRESENTAÇÕES POWER POINT O Power Point é um poderoso editor de apresentações muito utilizado quando for preciso fazer a exibição de trabalhos, projetos, aulas e afins em slides coloridos e

Leia mais

MANUAL - CONTABILIDADE

MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. MÓDULO CONTABILIDADE...4 2.1. PLANO CONTÁBIL...4 2.2. BOLETIM CONTÁBIL...4 2.2.1. Lançamentos Contábeis...5

Leia mais

Estatística no EXCEL

Estatística no EXCEL Estatística no EXCEL Prof. Ms. Osorio Moreira Couto Junior 1. Ferramentas... 2 2. Planilha de dados... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Formatação de células... 4 2.3. Inserir ou Excluir Linhas e Colunas...

Leia mais

Notas de versão. Versão 3.16.1.0

Notas de versão. Versão 3.16.1.0 Notas de versão Sistema Gescor Versão 3.16.1.0 Lançamento Abril/2016 Interface - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 3 1. Nova interface e usabilidade do sistema.

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Atendente Comercial / Carteiro / Op. Triagem e Transbordo CORREIOS - Concurso Público 2015 2º CADERNO. Índice

Apostilas OBJETIVA Atendente Comercial / Carteiro / Op. Triagem e Transbordo CORREIOS - Concurso Público 2015 2º CADERNO. Índice 2º CADERNO Índice Pg. Microsoft Office: Excel 2010... Exercícios pertinentes... 02 63 Microsoft Office: Power Point 2010... Exercícios pertinentes... 104 146 Internet e Intranet. Conceitos básicos, navegadores

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM DO TRABALHO Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2012

Leia mais

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0

Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 Manual do Usuário CMS WordPress Versão atual: 3.0 1 - Introdução O Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional, CGCO, criou, em março de 2008, uma equipe para atender à demanda de criação de novos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online PSICOPEDAGOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

Certificado de Qualidade do Etanol

Certificado de Qualidade do Etanol Manual do Usuário Qualidade Combustível INTRODUÇÃO. A proposta deste documento é orientar e esclarecer os agentes da cadeia Combustível na emissão do Certificado da Qualidade e no envio mensal de dados

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Quando usar o Atingir Meta e quando usar o Solver Autor: Francisco

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS. Manual do Usuário

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS. Manual do Usuário SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Manual do Usuário Acesso Rápido Apresentação 2 Consulta ao Catálogo do SiBIFRS 3 Pesquisa geral 5 Opções de consulta 7 Detalhamento da obra 8 Detalhamento da obra Guia Exemplares

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CPD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CPD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - CIESA CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CPD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.8 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta Gráficos estatísticos: histograma Série Software ferramenta Funcionalidade Este software permite a construção de histogramas a partir de uma tabela de dados digitada pelo usuário. Gráficos estatísticos:

Leia mais

Com Pedido de Compra Sem Pedido de Compra ou Entrada Manual Importando XML enviado do Fornecedor

Com Pedido de Compra Sem Pedido de Compra ou Entrada Manual Importando XML enviado do Fornecedor Movimentos - Entrada de Nota Fiscal Para realizar a entrada de nota fiscal no sistema, verifica-se primeiro as opções, existem vários meios para dar entrada em uma Nota Fiscal: Com Pedido de Compra é quando

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

, Todos os programas, Microsoft Office PowerPoint. Através de um atalho que poderá estar no Ambiente de Trabalho

, Todos os programas, Microsoft Office PowerPoint. Através de um atalho que poderá estar no Ambiente de Trabalho SESSÃO DE TRABALHO Objectivos: Cuidados a ter na criação de Apresentações Formatar texto Inserir imagens Inserir sons Aplicar Movimentos: Transição entre diapositivos Animação personalizada Alterar o modelo

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Sumário OBJETIVO...2 INFORMAÇÕES...3 GRUPOS...4 OPERAÇÃO COM PROCESSOS E OFICIOS...5 USUÁRIOS...6 ACESSO...7 1º ACESSO...8 TELA INICIAL DO ACESSO...9 MENU:

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

MANUAL DO MÓDULO ANTI FRAUDE CLEARSALE QUERY COMMERCE (VERSÃO 0.2.0) QUERY COMMERCE

MANUAL DO MÓDULO ANTI FRAUDE CLEARSALE QUERY COMMERCE (VERSÃO 0.2.0) QUERY COMMERCE MANUAL DO MÓDULO ANTI FRAUDE CLEARSALE QUERY COMMERCE (VERSÃO 0.2.0) QUERY COMMERCE Introdução Uma loja virtual exige cuidar de muitas etapas no processo de vendas, e a prevenção à fraude, é sem dúvida,

Leia mais

Associação Educacional Dom Bosco Curso de Engenharia 1º ano

Associação Educacional Dom Bosco Curso de Engenharia 1º ano Formatação condicional utilizando o valor da célula O que é? Algumas vezes é preciso destacar os valores, ou seja, como colocar em vermelho ou entre parênteses, os negativos, e de outra cor os positivos,

Leia mais

Nota Legal Rondoniense

Nota Legal Rondoniense Nota Legal Rondoniense Manual do Consumidor Versão 1.0 01/12/2011 Nota Legal Rondoniense Manual do Consumidor Versão 1.0 1 Índice Analítico 1. Considerações Gerais... 3 1.1. Definição... 3 1.2. Documentos

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Parágrafo único. O presente regulamento passa a vigorar para os novos currículos vigentes a partir do 1º semestre de 2016.

R E S O L U Ç Ã O. Parágrafo único. O presente regulamento passa a vigorar para os novos currículos vigentes a partir do 1º semestre de 2016. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 18/2015 ALTERA O REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO DOS CURSOS DE ENGENHARIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais

Notas de aula: Tema, problema, variáveis e hipóteses: aspectos fundamentais da pesquisa científica Profa. Gláucia Russo 1

Notas de aula: Tema, problema, variáveis e hipóteses: aspectos fundamentais da pesquisa científica Profa. Gláucia Russo 1 1 Notas de aula: Tema, problema, variáveis e hipóteses: aspectos fundamentais da pesquisa científica Profa. Gláucia Russo 1 Tema Questão geral que indica um assunto a ser pesquisado. É o motivo, o ponto

Leia mais

Dica 05 Criação de menus

Dica 05 Criação de menus Dica 05 Criação de menus Proposta: Criar menus personalizados no AutoCAD, que podem por exemplo ser utilizados para reunir comandos mais utilizados. Autoria: Fredy Godinho Braga. Criado em: 2001 Revisado

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Apresentação do VisualA

Apresentação do VisualA Propriedade Intelectual: Distribuidor Exclusivo: M. B. Santos Soares, Lda. Cruzinfor Rua João Andersen, 90 1º Dtº Rua 5 de Outubro, 3 B - Paivas 4250-242 PORTO 2840 SEIXAL Tel.: 22.8329107 Tel.: 21.2249533

Leia mais

2 Pesquisa de valores em uma lista de dados

2 Pesquisa de valores em uma lista de dados 2 Pesquisa de valores em uma lista de dados Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Funções PROCV e PROCH...3 PROCV...3

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor 28/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 6 4. Conclusão...

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

1. Criar uma nova apresentação

1. Criar uma nova apresentação MANUAL DO Baixa da Banheira, 2006 1. Criar uma nova apresentação Para iniciar uma sessão de trabalho no PowerPoint é necessário criar uma nova apresentação para depois trabalhar a mesma. Ao iniciar uma

Leia mais

Como Emitir uma Nota Fiscal? - FS82

Como Emitir uma Nota Fiscal? - FS82 Como Emitir uma Nota Fiscal? - FS82 Sistema: Futura Server Caminho: Fiscal>Nfe Cadastro>Nfe Digitação Referência: FS82 Versão: 2016.05.09 Como funciona: A tela de Nfe Digitação é utilizada para registrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA XI CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO CONPEEX

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA XI CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO CONPEEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA XI CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO CONPEEX NORMAS DA XI MOSTRA DE EXTENSÃO E CULTURA A XI MOSTRA DE EXTENSÃO E CULTURA DA UFG acontecerá

Leia mais

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Versão: V0_0_3 Data: 11 de abril de 2014 Diretoria Geral de Recursos Humanos - DGRH Site: http://www.dgrh.unicamp.br

Leia mais

Contratos e Avenças no Gestix

Contratos e Avenças no Gestix Contratos e Avenças no Gestix Esta funcionalidade do Gestix 2014 foi desenvolvida de forma a permitir faturação diária, mensal, semestral e anual no fim ou no inicio do período como também gerir contratos

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos LEGENDA: EXC NR INC - Quadrículas sombreadas referem-se a textos revogados na Lei - Textos com

Leia mais

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2 Acessando o SVN Para acessar o SVN é necessário um código de usuário e senha, o código de usuário do SVN é o código de cadastro da sua representação na Ninfa, a senha no primeiro acesso é o mesmo código,

Leia mais

Manual do eponto Estagiários e Supervisores

Manual do eponto Estagiários e Supervisores Manual do eponto Estagiários e Supervisores PONTO Ponto é o registro de ingresso e saída do estagiário em sua sede de lotação, por meio do qual se verifica, diariamente, a sua frequência. MARCAÇÃO DO PONTO

Leia mais

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX.

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 24/08/2011 1 Sumário Frases Codificadas...

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. POWERPOINT 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos ou objetos

Leia mais

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 PLANO DE CURSO Como cadastrar um plano de curso?... 3 Como importar um plano de curso?... 4 Como cadastrar o conteúdo programático?... 7 Como cadastrar atividades

Leia mais

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 O QUE MUDOU... 3 5 COMO COMEÇAR... 4 6 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 5 7 CADASTRO DE

Leia mais

Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc

Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc DOSPrinter Manual do Utilizador Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc Data última versão: 20.03.2006 Versão : 1.1 Data criação: 01.03.2006 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Roteiro para Análise de Fluxo de Caixa para Outorga de Concessões

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Roteiro para Análise de Fluxo de Caixa para Outorga de Concessões ANEXO 8 ROTEIRO DE ANÁLISE DE FLUXO DE CAIXA PARA OUTOGA DE CONCESSÕES Índice Geral 1. OBJETIVO... 4 2. ANÁLISE PRELIMINAR DAS PLANILHAS... 5 2.1. Análise das fórmulas e vínculos das planilhas... 6 3.

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010)

FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) FAAP MÓDULO MÉDIA CÁLCULO DA MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS 80% MAIORES BASES DE CONTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO (uso somente em Excel 2010) 1) O que é? É uma ferramenta de cálculo simplificado e automatizado

Leia mais

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA AGHOS Versão 01.2011 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. O SISTEMA...4 1.1 Acesso ao Sistema AGHOS:...4 1.2 Teclas de funções do Sistema:...5 1.3

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP 06/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 17 de junho de 2016. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

www.grancursosonline.com.br

www.grancursosonline.com.br ARGUMENTAÇÃO PARA RECURSO PROFESSOR MARCELO ARAGÃO PROVA DE AUDITORIA AFT 2013 COMENTADA PROF. MARCELO ARAGÃO Prezados (as) alunos (s), Após examinar a prova de auditoria do concurso de Auditor Fiscal

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Manual de utilização

Manual de utilização Manual de utilização 1 Índice Calendário... 3 Usuários... 4 Contato... 5 Alterar... 5 Excluir... 5 Incluir... 5 Feriados... 9 Nacionais... 9 Regionais... 9 Manutenção... 9 Obrigações... 9 Obrigações Legais...

Leia mais

Aula 9 EXCEL. Patrícia Soares de Lima. META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas.

Aula 9 EXCEL. Patrícia Soares de Lima. META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas. Aula 9 EXCEL META Discutir a importância da utilização do Excel no preenchimento de planilhas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Discutir, de forma breve, a utilização deste software como

Leia mais

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Setembro

Leia mais

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo 1 Versão: 2.0 Manual do Usuário Integrador de Notícias de Governo Envolvidos: Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

TUTORIAL PARA PREPARAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE DADOS PARA. Os dados de suas coletas devem ser organizados em uma planilha eletrônica, de modo

TUTORIAL PARA PREPARAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE DADOS PARA. Os dados de suas coletas devem ser organizados em uma planilha eletrônica, de modo TUTORIAL PARA PREPARAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE DADOS PARA ESTIMATIVAS DE RIQUEZA DE ESPÉCIES Softwares utilizados: Excel, EstimateS e Statistica. Preparação dos dados Os dados de suas coletas devem ser organizados

Leia mais