Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil EXERCÍCIOS D 2 a. ÁRE Mecânica Vetorial ENG035 LIST DE PROLEMS DE PROV CENTRO DE GRVIDDE 1) peça representada na figura (1) é fabricada empregando-se dois materiais e. Sabendo-se que o peso específico do material vale 7850 kgf/m 3 e o do material vale 5000 kgf/m 3 determine o baricêntro desta peça (mm) 0 Figura (1) 2) Determine as coordenadas do centro de gravidade de um corpo que tem forma de uma cadeira, figura (2), composta de varas de igual comprimento e peso. O comprimento de uma das varas vale 44 cm. z Figura (2)

2 3) Uma chapa com formato de uma semi-parábola é composta por dois materiais, que estão representados na figura (3) pelos números 1 e 2. Os materiais 1 e 2 tem os pesos específicos iguais a 40 kn/m 3 e 50 kn/m 3 respectivamente. Considerando que a chapa é sustentada por dois cabos fiados nos pontos e, determine a força que atua em cada um dos cabos Ø 60 = 0, ) fuselagem de um avião de carga, ilustrada na figura (4), é aproimada por uma circunferência de 2 m de raio. porta do compartimento de carga é representada pelo arco de circunferência e pesa 500 N. Sabendo que esta porta permite um ângulo de abertura de 50 º e que uma mola de torção aplica um momento de 0 Nm na porta do compartimento de carga, determine as reações na rótula e a força que a barra bi-rotulada C eerce na porta do compartimento. 0 Nm 2 m 50 C

3 5) Calcular as reações nos vínculos e da barra curva ilustrada na figura (1). Considere que a barra pesa 232 N = 2 (m) 6) Para o arame fino e homogêneo ilustrado na figura (2), determine o valor do ângulo a para que o centro geométrico do arame esteja localizado na origem do sistema de coordenadas dado. α α r

4 CRGS DISTRIUÍDS 1) Determine as reações nos apoios e para as estruturas representadas nas figuras (1), (2), (3) e (4). 2 kn/m 2 kn/m 1 kn/m (m) 3 m Figura (2) Figura (1) 2 kn/m 1 kn/m 1 kn (m) Figura (3) 2 kn/m 1 m 3 m 0,8 m Figura (4) 2) viga isostática representada na figura (5) está sob a ação de uma carga parabólica que é nula nos etremos da viga e tem valor máimo de 1 KN no centro da viga. Com estes dados determine as reações nos pontos e. 3 m Figura (5) 3) Calcule as reações em para a viga isostática representada na figura (6). 1 kn/m 1,5 m 3,5 m Figura (6) 0,5 kn/m 4) Uma casca elíptica está submetida a uma carga distribuída p (θ ) que é simétrica em relação ao eio, conforme ilustrado na figura ao lado. Eplique como se pode determinar o valor da carga concentrada equivalente. 6 m 4 m 6 m p(θ )

5 5) Calcule as reações para a viga bi-apoiada ilustrada na figura abaio. 4 kn/m 2 m 3 m 6) carga aplicada sobre a placa varia linearmente ao longo dos lados da placa conforme ilustrado na figura abaio. Determine o módulo da força resultante e as coordenadas do ponto onde a linha de ação da resultante intercepta a placa. p 2 kn/m 0,7 m 3 m 7) Calcular as reações nos vínculos e da viga ilustrada na figura abaio. 2 3 kn (m) 3 kn 1,25 2,75

6 8) Transforme as cargas distribuídas em cargas concentradas equivalentes e escreva as equações de equilíbrio necessárias para determinar as reações nos vínculos da estrutura ilustrada na figura (1). 4 kn/m 2 kn/m 2 kn/m 2 m 4 m C 3,5 m 1,5 m 9) Determine as reações no engaste da viga de seção variável ilustrada na figura (2). Considere que a viga é feita de concreto armado com 25 kn/m 3 de peso específico. 1 0,2 2 = 0,2 16 z (m) 0,5 4 ) Transforme as cargas distribuídas em cargas concentradas equivalentes e escreva as equações de equilíbrio necessárias para determinar as reações nos vínculos da estrutura ilustrada na figura (1). 16 kn/m 4 kn/m 2 kn/m 4 m 2 m C Parábola 2 o grau 3,5 m 1,5 m

7 11) Um arco de circunferência é submetido a dois esquemas ( e ) de carga uniforme conforme figura (2). s forças resultantes equivalentes a essas cargas distribuídas são iguais? Justifique. 2kN/m 2kN/m R m 2kN/m R m 2kN/m 12) Determine as reações nos vínculos e C da ponte em arco parabólico ilustrada na figura (2). Considere que as vigas são feita de concreto armado com 25 kn/m 3 de peso específico e adote a profundidade da viga como 2m. 7 0,9 0,9 C 0,45 (m) 18 13) Calcule o valor da taa de carga q para que a reação vertical no vínculo do pórtico ilustrado na figura (1) seja igual a zero. q 8 kn/m 5 kn/m 2,5 4 3 (m) 3 14) Calcule os valores das taas de carga q 1 e q 2 para que ambas as cargas gerem forças resultantes iguais, mas com sentidos opostos. 1,5 1,8 1 3 kn/m q 1 q 2 (m)

8 15) Determine as reações nos vínculos C e E, bem como as reações na rótula D para a estrutura ilustrada na figura (2). 4 kn/m 3 kn/m 2 kn/m D C 35 Tubo liso 2 m engaste E 1,7 m 2 m 1,6 m 16) Calcule as reações nos vínculos e C do pórtico ilustrado na figura (1), bem como as forças na rótula interna. 4 kn/m 2 kn/m 2 kn/m 4 m 2 m C 3,5 m 1,5 m

9 CÁLCULO DE VOLUMES 1) Uma roda representada na figura (1) é construída com um material de peso específico de 7850 Kgf/m 3. Sabendo que esta peça tem um custo de fabricação de 2 R$/Kgf calcule o custo total de fabricação de 1 roda ) Determine o peso do carvão contido na carvoeira, ilustrada na figura ao lado, quando esta está totalmente cheia. Considere o peso específico do carvão igual a 7,85 kn/m 3 e admita que há % de volume perdido por vazios de ar. proime a curva que define o formato da carvoeira pela parábola indicada na figura. Resolva o problema aplicando o Teorema de Pappus-Guldin. Y 3 m 2 = m X 3) Determine quantos litros de tinta são necessários para cobrir a superfície do tanque de água, ilustrado na figura ao lado, do ponto até o C. Considere que um litro de tinta pode cobrir 12 m 2 9 m m C

10 4) Uma correia circular em V tem um raio interno de 600 mm e a área de seção transversal ilustrada na figura abaio. Determine o volume de material necessário para fabricar a correia (mm) 5) Determine o volume do objeto gerado pela rotação da área ilustrada na figura (3) em torno do eio de rotação. Empregue o teorema de Pappus-Guldinus correspondente R

11 MOMENTOS DE INÉRCI 1) Para o perfil Z representado na figura (1) determine: a) a posição dos eios baricêntricos Xg e Yg paralelos aos eios X e Y indicados na figura (2); b) os momentos de inércia em relação aos eios Xg e Yg; c) localize os eios principais centrais de inércia; d) obtenha os momentos principais centrais de inércia. 2) peça representada na figura (2) é formada por 2 perfis C (250806) mm, dispostos simetricamente em relação ao eio Y, e por uma chapa. lém disso, sabe-se que a área de um dos perfis C vale cm e os momentos de inércia com relação aos eios X1 e Y1 valem 23.2 cm 4 e cm 4 respectivamente. Com estes dados deve-se determinar os momentos de inércia em relação aos eios X e Y ; para toda a peça representada na figura (2). Y X s medidas não são de centro. Espessura = 4 mm (mm) Figura (1) 175 Y Y1 250 X1 X (mm) Figura (2) 3) peça representada na figura (3) é formada por 2 perfis C (250806) mm, dispostos simetricamente em relação ao eio Y, e por uma chapa. Com estes dados deve-se determinar: a) s propriedades geométricas; área, momentos de inércia e respectivos raios de giração; em relação a um par de eios X1 175 Y 175 Y1, que são baricêntricos e paralelos aos eios X e Y, para um perfis C que formam a seção. b) Prove que os eios baricêntricos X1 e Y1 do perfil C são os eios principais centrais de 250 inércia. Y1 X1 (mm) X c) s propriedades geométricas; área, momentos de inércia em relação aos eios X e Y, momento de inércia polar e respectivos raios de giração; para toda a peça representada na figura (2) d) Prove que os eios X e Y são eios Figura (3) principais centrais de inércia. 4) peça representada na figura (4) é formada por 2 perfis cantoneira ( ) mm, dispostos simetricamente em relação ao eio Y. Com estes dados deve-se determinar: a) s propriedades geométricas; área, momentos de inércia em relação aos eios baricêntricos X1 e Y1, momento de inércia polar em relação a intersecção dos eios X1 e Y1, e os respectivos raios de giração; para um dos perfis cantoneira, figura (5), que formam a seção; b) orientação dos eios principais centrais de inércia e os valores dos momentos de inércia máimo e mínimo para a seção da figura (5);

12 c) s propriedades geométricas; área, momentos de inércia em relação aos X e Y e o momento de inércia polar em relação a O; para toda a peça representada na figura (4). d) Demonstre que os eios X e Y, figura (5), são eios principais centrais de inércia. Y1 Y 150 X O 7 X 150 Figura (5) (mm) 150 Figura (4) 150 (mm) 5) Para o perfil cartola representado na figura (6) determine: 160 a) a posição dos eios baricêntricos Xg e Yg paralelos aos eios X e Y indicados em (2); b) os momentos de inércia em relação aos eios Xg e Yg; c) localize os eios principais centrais de inércia; d) obtenha os momentos principais centrais de inércia. Y X s medidas não são de centro. (mm) Espessura = 2 mm Figura (6) ) Calcule a distância a entre dois perfis T, figura (8), para que o valor do momento de inércia do conjunto em torno do eio X seja igual a cm a 8) Para o perfil cantoneira de abas desiguais, figura (9) determine: os momentos de inércia retangular e polar em relação aos eios centrais, a localização dos eios principais centrais de inércia e os valores dos momentos principais centrais de inércia. 15 Figura (9) 0,5 0,6 Figura (8)

13 9) O conjunto representado na figura (11) é formado por 2 perfis cantoneira de dimensões mm. Sabendose que os momentos centrais de inércia de um dos perfis valem I = cm 4 e I = cm 4, e que a área do perfil vale cm 2. Calcule o momento de inércia do conjunto em relação aos eios X c e Y c. Determine também os momentos de inércia máimo e mínimo para o conjunto X Y C Y 4 4 X C 400 Y (mm) Figura (11) X

14 ) Para o conjunto formado por um perfil C e um perfil cantoneira, representado na figura (14), localize os eios centrais de inércia, representando eles no desenho. Calcule os momentos de inércia I e I em relação aos seus eios centrais de inércia. Localizar os eios principais centrais de inércia representando eles no desenho. Calcular os momentos principais centrais de inércia indicando os eios de valor máimo e mínimo Figura (14) ) Escreva as epressões que permitem determinar os momentos principais centrais de inércia para o perfil U ilustrado na figura (15). t h Figura (15) h t b b

15 Elipse 12) Para a peça representada na figura (16) determinar: a) posição do centroíde, indicando no desenho os eios centrais X c e Y c. b) Os momentos centrais de inércia em relação aos eios traçados em a). 30 πab semi elipse =, c = 2 4b 3π c Momentos de inércia em relação aos eios centrais de uma elipse: 50 I π ab = 4 3, I π ba = Momentos de inércia em relação aos eios centrais de um triângulo 3 bh I =, I = 36 3 hb 36 13) O carro ilustrado na figura repousa sobre 4 medidores de força, e nesta posição a leitura para as rodas dianteiras e traseiras é dada por F D e F T. Demonstre como determinar a posição do centro de gravidade do carro sabendo a distância entre eios, o diâmetro da roda e que os elevadores podem posicionar os eios traseiros e dianteiros em alturas distintas. X G Y 40 (mm) Figura (16) 50 16) Para a peça representada na Figura (4) determine: a) posição dos eios centrais; b) Determine os momentos centrais de inércia I e I ; c) Determine o produto de inércia em relação aos eios centrais I ; d) Localize os eios principais centrais de inércia. Represente a orientação destes eios no desenho da figura;

16 e) Determine os momentos principais centrais de inércia. Identifique os eios de momento de inércia máimo e mínimo. 30 Ø R 40 c c 35 (mm) 0 1 c I = I c c π R = 4 4 = = 4R 3π c 1 I 1 = I 1 π R = 16 4 I 1 = 1 4 R 8 c c 3 bh I c =, I c = 36 3 hb 36 I cc 2 h 2 b = 72 17) Calcular os momentos centrais de inércia e o produto de inércia em relação aos eios centrais de um quarto de círculo com a orientação definida na figura (3). Y c C 4R 3π X c 4R 3π

17 18) Para a seção transversal formado por um perfil C (30150,81,27) cm e um perfil cantoneira (1,59) cm determinar: - O centróide do conjunto. Indicar no desenho as posições dos eios de referência e do centróide; - Os momentos centrais de inércia em relação aos eios Xc e Yc; - O produto de inércia em relação aos eios centrais Xc e Yc; - Localizar os eios principais centrais de inércia. Indicar a orientação no desenho; - Os momentos principais centrais de inércia. Indicar no desenho o eio correspondente ao momento de inércia máimo e o eio correspondente ao momento de inércia mínimo c C 4,5 c 1,59 C c 4,79 4,79 c Propriedades do perfil C: = 60 cm 2 I Xc = 9247 cm 4 I Yc = 973 cm 4 Propriedades do perfil cantoneira: = 61 cm 2 I Xc = I Yc = 2357,6 cm 4 I XcYc = cm 4 0,8 1,27 19) Calcular o momento central de inércia I Yc da seção representada na figura (3). Y 8 cm 1 2 = cm X ) Calcular o momento central de inércia I Xc para a peça ilustrada na figura (2). Y 2 = 0, X

18 21) Para a seção transversal formada por dois perfis cantoneira (1,59) cm determinar: - O centróide do conjunto. Indicar no desenho as posições dos eios de referência e do centróide; - Os momentos centrais de inércia em relação aos eios Xc e Yc; - O produto de inércia em relação aos eios centrais Xc e Yc; - Localizar os eios principais centrais de inércia. Indicar a orientação no desenho; - Os momentos principais centrais de inércia. Indicar no desenho o eio correspondente ao momento de inércia máimo e o eio correspondente ao momento de inércia mínimo. 70 Propriedades do perfil cantoneira: = 61 cm 2 I Xc = I Yc = 9247 cm 4 I XcYc = cm ,59 c 4,79 C c 4,79 22) Para a peça representada na Figura (4) determine: a) posição dos eios centrais (usar os eios de referência indicados no desenho); b) Determine os momentos centrais de inércia I e I ; c) Determine o produto de inércia em relação aos eios centrais I ; d) Localize os eios principais centrais de inércia. Represente a orientação destes eios no desenho da figura; e) Determine os momentos principais centrais de inércia. Identifique os eios de momento de inércia máimo e mínimo. ref 30 ref

19 23) Para a peça representada na figura abaio determine: a) posição dos eios centrais (usar os eios de referência indicados no desenho); b) Determine os momentos centrais de inércia I e I ; c) Determine o produto de inércia em relação aos eios centrais I ; d) Localize os eios principais centrais de inércia. Represente a orientação destes eios no desenho da figura; e) Determine os momentos principais centrais de inércia. Identifique os eios de momento de inércia máimo e mínimo. ref 55 ref 24) Para a peça representada na figura abaio determine: a) posição dos eios centrais ; b) Determine os momentos centrais de inércia I e I ; c) Determine o produto de inércia em relação aos eios centrais I ; d) Localize os eios principais centrais de inércia. Represente a orientação destes eios no desenho da figura ; e) Determine os momentos principais centrais de inércia. Identifique os eios de momento de inércia máimo e mínimo.. 1,9 3, ,25 18,3 6,4 30 1,9 1,9 1,9 22,5

20 25) Para a peça representada na figura abaio determine: a) posição dos eios centrais ; b) Determine os momentos centrais de inércia I e I ; c) Determine o produto de inércia em relação aos eios centrais I ; d) Localize os eios principais centrais de inércia. Represente a orientação destes eios no desenho da figura; e) Determine os momentos principais centrais de inércia. Identifique os eios de momento de inércia máimo e mínimo. 3,9 11,25 18,3 6,4 26) Para o conjunto ilustrado na figura abaio, formado por dois perfis L determine a localização dos eios principais centrais de inércia, bem como os momentos principais centrais de inércia. 3 c 6 = 11,72 cm 2 I Xc = 87,5 cm 4 I Yc = 122,64 cm 4 I XcYc = - 61,7 cm 4 c ) Para o conjunto ilustrado na figura abaio, formado por dois perfis L determine a localização dos eios principais centrais de inércia, bem como os momentos principais centrais de inércia. 3 c = 11,72 cm 2 I Xc = 87,5 cm 4 I Yc = 122,64 cm 4 I XcYc = - 61,7 cm 4 6 c 2.3 Figura 5

21 28) Para o conjunto ilustrado na figura abaio, formado por um perfil L (2896,35) mm e um perfil I (160806,35) mm determine a localização dos eios principais centrais de inércia, bem como os momentos principais centrais de inércia. Considere as seguintes propriedades para o perfil L: = 11,72 cm 2, I Xc = 87,5 cm 4, I Yc = 122,64 cm 4 e I XcYc = - 61,7 cm 4 correspondentes ao esquema ilustrado abaio. Considere as seguintes propriedades para o perfil I: = 19,51 cm 2, I Xc = 768,8 cm 4 e I Yc = 54,5 cm 4 correspondentes ao esquema ilustrado abaio. 3 c c c 2.3 c ,5 29) Para o conjunto ilustrado na figura abaio, formado por um perfil L (2896,35) mm e um perfil I (160806,35) mm determine a localização dos eios principais centrais de inércia, bem como os momentos principais centrais de inércia. Considere as seguintes propriedades para o perfil L: = 11,72 cm 2, I Xc = 87,5 cm 4, I Yc = 122,64 cm 4 e I XcYc = - 61,7 cm 4 correspondentes ao esquema ilustrado abaio. Considere as seguintes propriedades para o perfil I: = 19,51 cm 2, I Xc = 768,8 cm 4 e I Yc = 54,5 cm 4 correspondentes ao esquema ilustrado abaio. 3 c c c 2.3 c ,8 30) Determinar os momentos principais centrais de inércia para a seção transversal ilustrada na figura ao lado. Indique claramente no desenho as posições dos eios de referência, dos eios centrais e dos eios principais centrais de inércia. Indique no desenho qual eio corresponde ao momento de inércia máimo e qual eio corresponde ao momento de inércia mínimo. 25 0,6 7,5 15

22 31) Determine o momento de inércia da seção transversal da viga ilustrada na figura abaio o 45 o C 45 o 45 c (mm) 25 32) Demonstre que o produto de inércia calculado em relação aos eios principais de inércia é sempre igual a zero. 33) Para a peça ilustrada na figura (4) determinar a localização dos eios centrais de inércia (representar estes eios no desenho), os momentos centrais de inércia, a localização dos eios principais centrais de inércia (representar estes eios no desenho) e os momentos principais centrais de inércia, identificando os eios correspondentes ao momento de inércia máimo e mínimo. ref 2 + = 0,125 3 Obs. Os valores usados na função = 0, devem estar em cm. Figura (4) Ø40 1 (mm) ref

23 34) Deduza a epressão que fornece o momento de inércia central I c de uma barra circular de pequena espessura ilustrada na figura (3). Considere que r>>t. r t 35) Para a área representada na figura (5) determine os momentos principais centrais de inércia. Localize os eios principais centrais de inércia, identificando o eio correspondente ao momento de inércia máimo e o eio correspondente ao momento de inércia mínimo. Calcule os raios de giração máimo e mínimo ) Determine os momentos de inércia e o produto de inércia da área ilustrada na figura (4) em relação aos eios e. R 45 45

24 37) Para a área representada na figura (5) determine os momentos principais centrais de inércia. Localize os eios principais centrais de inércia, identificando o eio correspondente ao momento de inércia máimo e o eio correspondente ao momento de inércia mínimo. Calcule os raios de giração máimo e mínimo ) Determinar os momentos principais centrais de inércia para a seção transversal ilustrada na figura (4). Indique claramente no desenho as posições dos eios de referência, dos eios centrais e dos eios principais centrais de inércia. Indique no desenho qual eio corresponde ao momento de inércia máimo e qual eio corresponde ao momento de inércia mínimo. ref 35 1,7 1,2 1,2 ref 39) Determinar o momento central de inércia em relação ao eio c da área ilustrada na figura (5)

25 40) Deduza a epressão para determinar o momento central de inércia I c da área ilustrada na figura (2). Localize os eios principais centrais de inércia (representar na figura) e identifique os eios correspondentes ao momento de inércia máimo e mínimo. R 41) Determinar os momentos principais centrais de inércia para a seção transversal ilustrada na figura (3). Indique claramente no desenho as posições dos eios de referência, dos eios centrais e dos eios principais centrais de inércia. Indique no desenho qual eio corresponde ao momento de inércia máimo e qual eio corresponde ao momento de inércia mínimo. 7,5 7,5 15 R 5 42) Determine os momentos principais de inércia correspondentes ao ponto O indicado na figura (4). 2 = O 50

26 43) Determine os momentos principais centrais de inércia da área representada na figura (5). Localize os eios centrais e os eios principais representando-os no desenho. 50 R

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra

140 Nm 140 Nm 25. Linha Neutra Engenharia ecânica LISTA 2 1)Uma barra de aço tem seção retangular de x60 mm e fica submetida à ação de dois conjugados iguais e de sentido contrário que agem em um plano vertical de simetria da barra,

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos:

CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: CORPOS RÍGIDOS: As forças que actuam num corpo rígido podem ser divididas em dois grupos: 1. Forças externas (que representam as acções externas sobre o corpo rígido) 2. Forças internas (que representam

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

Exercícios Segunda Prova FTR

Exercícios Segunda Prova FTR Eercícios Segunda Prova FTR Dados gerais: g=9,81 m/s 2 =32,2 ft/s 2 ρ H2O =999 kg/m 3 =1,94 slug/ft 3 1) Considere um escoamento permanente e incompressível, através do dispositivo mostrado. Determine

Leia mais

Esforços axiais e tensões normais

Esforços axiais e tensões normais Esforços axiais e tensões normais (Ref.: Beer & Johnston, Resistência dos Materiais, ª ed., Makron) Considere a estrutura abaixo, construída em barras de aço AB e BC, unidas por ligações articuladas nas

Leia mais

Perfis Extrudados de Alumínio PERFIS STANDARD

Perfis Extrudados de Alumínio PERFIS STANDARD Perfis Extrudados de Alumínio PERFIS STANDARD A Alcoa Alumínio está na liderança mundial, na fabricação e na transformação do Alumínio, atuando nos mercados aeroespacial, automotivo, embalagens, construção,

Leia mais

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas.

UniposRio - FÍSICA. Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de respostas fornecidas. UniposRio - FÍSICA Exame Unificado de Acesso às Pós-Graduações em Física do Rio de Janeiro 9 de novembro de 00 Nome (legível): Assinatura: Leia atentamente as oito (8) questões e responda nas folhas de

Leia mais

3a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

3a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: FÍSICA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração da

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL RESISTÊNCIA À FLEXÃO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Claudemir Claudino 2014 1 Semestre 4) Dimensionar a estrutura representada a seguir com relação à flexão, considerando que a

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Fichas de sistemas de partículas

Fichas de sistemas de partículas Capítulo 3 Fichas de sistemas de partículas 1. (Alonso, pg 247) Um tubo de secção transversal a lança um fluxo de gás contra uma parede com uma velocidade v muito maior que a agitação térmica das moléculas.

Leia mais

1 a QUESTÃO Valor 1,0

1 a QUESTÃO Valor 1,0 1 a QUESTÃO Valor 1,0 Um esquimó aguarda a passagem de um peixe sob um platô de gelo, como mostra a figura abaixo. Ao avistá-lo, ele dispara sua lança, que viaja com uma velocidade constante de 50 m/s,

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Introdução: momento fletor.

Introdução: momento fletor. Flexão em Vigas e Projeto de Vigas APOSTILA Mecânica dos Sólidos II Introdução: As vigas certamente podem ser consideradas entre os mais importantes de todos os elementos estruturais. Citamos como exemplo

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035 Universidade ederal do Rio Grande do Sul scola de ngenharia epartamento de ngenharia ivil Mecânica Vetorial NG0035 Prof. Inácio. Morsch LIST PROLMS PROV tualiada em 03/03 XRÍIOS a. ÁR QUILÍRIO PRTÍUL (PROLMS

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações

Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Exercícios 3 Movimentos em 2 Dimensões, Movimento Circular e Aplicações Movimentos em 2D 1) Você está operando um modelo de carro com controle remoto em um campo de tênis vazio. Sua posição é a origem

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos Questão 1 Prova P2-2013.1 A estrutura ilustrada na figura é sustentada por três cabos (BD, CD e EF) e uma rótula

Leia mais

Discussão sobre as leis de Newton no contexto da análise de estruturas

Discussão sobre as leis de Newton no contexto da análise de estruturas Princípios físicos básicos para as condições de equilíbrio As condições de equilíbrio garantem o equilíbrio estático de qualquer porção isolada da estrutura ou da estrutura como um todo. Elas estão baseadas

Leia mais

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R.

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R. FÍSICA Um satélite com massa m gira em torno da Terra com velocidade constante, em uma órbita circular de raio R, em relação ao centro da Terra. Represente a massa da Terra por M e a constante gravitacional

Leia mais

106-Mecânica Aplicada

106-Mecânica Aplicada 06-Mecânica plicada curso de ilotagem ENIDH Elementos de Estática Teto de apoio 6 Momento de uma força ou sea momento = força braço e tratar o momento como uma grandea escalar. Em Estática consideram-se

Leia mais

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO

Física. Pré Vestibular / / Aluno: Nº: Turma: ENSINO MÉDIO Pré Vestibular ísica / / luno: Nº: Turma: LEIS DE NEWTON 01. (TEC daptada) Dois blocos e de massas 10 kg e 20 kg, respectivamente, unidos por um fio de massa desprezível, estão em repouso sobre um plano

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas

Problemas de Mecânica e Ondas Problemas de Mecânica e Ondas (LEMat, LQ, MEiol, MEmbi, MEQ) Tópicos: olisões: onservação do momento linear total, conservação de energia cinética nas colisões elásticas. onservação do momento angular

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios I CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios I CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios I CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carga Elétrica e Lei de Coulomb 1. Consideremos o ponto P no centro de um quadrado

Leia mais

Vibrações Mecânicas. Vibração Livre Sistemas com 1 GL. Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net

Vibrações Mecânicas. Vibração Livre Sistemas com 1 GL. Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Vibrações Mecânicas Vibração Livre Sistemas com 1 GL Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Pernambuco 2015.1 Introdução Modelo 1

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 05/04/14 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 05/04/14 PROFESSOR: MALTEZ RESOLUÇÃO VLIÇÃO E MTEMÁTI o NO O ENSINO MÉIO T: 05/0/1 PROFESSOR: MLTEZ QUESTÃO 01 São dados os triângulos retângulos E e TE conforme a figura ao lado; T se = E = E = 60 cm, então: E Os triângulos e TE

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE Nome: Nº Série: 2º EM Data: / /2015 Professores Gladstone e Gromov Assuntos a serem estudados - Movimento Uniforme. Movimento Uniformemente Variado. Leis

Leia mais

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2006 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um corredor de 100 metros rasos percorre os 20 primeiros metros da corrida em 4,0 s com aceleração constante. A velocidade

Leia mais

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III

ɸ E = ΣE.A (5) 14/04/2015. Bacharelado em Engenharia Civil. Física III Bacharelado em Engenharia Civil Física III Prof a.: M.Sc. Mariana de Faria Gardingo Diniz FLUXO DE CAMPO ELÉTRICO Imagine que as linhas de campo da figura abaixo representem um campo elétrico de cargas

Leia mais

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO EQUILÍBIO DO COPO EXTENSO Questão - A barra a seguir é homogênea da seção constante e está apoiada nos pontos A e B. Sabendo-se que a reação no apoio A é A = 00KN, e que F = 0KN e F = 500KN, qual é o peso

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado. Teste Intermédio de Matemática B 2010 Teste Intermédio Matemática B Duração do Teste: 90 minutos 13.04.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m.

Intensivo 2015.2. Trabalho, potência e Energia mecânica. Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m. Intensivo 2015.2 Trabalho, potência e Energia mecânica 01 - (PUC PR) Uma motocicleta de massa 100kg se desloca a uma velocidade constante de 10m/s. A energia cinética desse veículo é equivalente ao trabalho

Leia mais

10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS

10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS 76 10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS Seção Nome/aspecto Área da seção Coordenadas do CG Módulo de flexão (Wfl) Módulo de Torção (Wt) Circular cheia p ز / 4 x = y = Ø / 2 p س / 32 p س / 16 Tubo p (Øe² - Øi²)

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Trabalho Mecânico. A força F 2 varia de acordo com o gráfico a seguir: Dados sem 30º = cos = 60º = 1/2

Trabalho Mecânico. A força F 2 varia de acordo com o gráfico a seguir: Dados sem 30º = cos = 60º = 1/2 Trabalho Mecânico 1. (G1 - ifce 2012) Uma pessoa sobe um lance de escada, com velocidade constante, em 1,0 min. Se a mesma pessoa subisse o mesmo lance, também com velocidade constante em 2,0 min, ela

Leia mais

TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL

TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL Rui Lança, Eq. Professor Adjunto David Pereira, Eq. Professor Adjunto MAIO DE

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

Mecânica dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Vladimir R. M. Cobas Mecânica dos fluidos Estuda o comportamento dos fluidos em repouso (estática) ou em movimento (dinâmica). O campo de estudo vai desde o escoamento do sangue dentro

Leia mais

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção.

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção. Assunto: Função MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 67-000 - VIÇOSA - MG BRASIL a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 0 0/0/0. a) O que é uma unção? Dê um eemplo. b) O que é domínio

Leia mais

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera

Questão 2 Uma esfera de cobre de raio R0 é abandonada em repouso sobre um plano inclinado de forma a rolar ladeira abaixo. No entanto, a esfera Questão 1 Na figura abaixo, vê-se um trecho de uma linha de produção de esferas. Para testar a resistência das esferas a impacto, são impulsionadas a partir de uma esteira rolante, com velocidade horizontal

Leia mais

E Flexão Pura. Σ F y = 0 Q = q (x) dx + (Q + dq)

E Flexão Pura. Σ F y = 0 Q = q (x) dx + (Q + dq) Cap. 5.0 FLEXAO PURA E Flexão Pura 5.1 INTRODUÇÃO As peças longas, quando sumetidas à flexão, apresentam tensões normais elevadas (por exemplo, para se querar um lápis, com as mãos, jamais se cogitaria

Leia mais

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas *

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas * DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÁO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Elementos de Engenharia Civil 2007/2008 2 SEMESTRE Enunciados dos problemas * (módulo de Hidráulica)

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

CORTESIA Prof. Renato Brito www.vestseller.com.br Espaço

CORTESIA Prof. Renato Brito www.vestseller.com.br Espaço INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA ESTIBULAR 983/984 PROA DE FÍSICA 0. (ITA-84) Colocou-se uma certa quantidade de bolinhas de chumbo numa seringa plástica e o volume lido na própria escala da seringa

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado. Escadas Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de Estruturas de Concreto Armado Escadas Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@gmail.com 1 Terminologia e dimensões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada VALORES DE CONSTANTES E GRANDEZAS FÍSICAS - aceleração da gravidade g = 10 m/s 2 - calor específico da água c = 1,0 cal/(g o C) = 4,2 x

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS

MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS Áreas e Perímetros de Figuras Planas Quadrado A = L x L A = L² Onde: A = Área (m², cm², mm²,...) L = Lado (m, cm, mm,...) P = Perímetro P = L + L + L + L P =. L Retângulo

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase

Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Olimpíada Brasileira de Física 2001 2ª Fase Gabarito dos Exames para o 1º e 2º Anos 1ª QUESTÃO Movimento Retilíneo Uniforme Em um MRU a posição s(t) do móvel é dada por s(t) = s 0 + vt, onde s 0 é a posição

Leia mais

Questão 46. alternativa A

Questão 46. alternativa A Questão 46 Um garoto, brincando com seu autorama, resolve analisar o movimento do carrinho durante um ciclo, ao longo da trajetória pontilhada ABDEFA. Os trechos AB, D, DE e FA medem 40,00 cm cada um e

Leia mais

Nome do(a) aluno(a): Matrícula: ENGENHARIA CIVIL

Nome do(a) aluno(a): Matrícula: ENGENHARIA CIVIL Nome do(a) aluno(a): Matrícula: NGNHRI IVIL onhecimentos specíficos Questões de múltipla escolha: 1 a 27. Questões discursivas: 28 a 30. 1. Questão Os critérios para localização de um aterro de resíduos

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

Força Magnética. www.soexatas.com Página 1

Força Magnética. www.soexatas.com Página 1 Força Magnética 1. (Fuvest 2014) Partículas com carga elétrica positiva penetram em uma câmara em vácuo, onde há, em todo seu interior, um campo elétrico de módulo E e um campo magnético de módulo B, ambos

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 2 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 2 Torção Capítulo 2 Torção 2.1 Revisão Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e o raio do eixo permanecerão inalterados.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 13 CINEMÁTICA VETORIAL E COMPOSIÇÃO DE MOVIMENTOS Como pode cair no enem (UERJ) Pardal é a denominação popular do dispositivo óptico-eletrônico utilizado para fotografar veículos

Leia mais

Lista de Exercícios para Recuperação Final. Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I

Lista de Exercícios para Recuperação Final. Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I Lista de Exercícios para Recuperação Final Nome: Nº 1 º ano / Ensino Médio Turma: A e B Disciplina(s): Física Data: 04/12/2014 Professor(a): SANDRA HELENA LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO - I 1. Dois móveis

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Capítulo 3 A Mecânica Clássica

Capítulo 3 A Mecânica Clássica Capítulo 3 A Mecânica Clássica AMecânica Clássica é formalmente descrita pelo físico, matemático e filósofo Isaac Newton no século XVII. Segundo ele, todos os eventos no universo são resultados de forças.

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

i _y 1. PARTE ENGENHARIA AERONÁUTICA NÃO DESTACAR A PARTE INFERIOR INSTRUÇÕES GERAIS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA 000 A 100

i _y 1. PARTE ENGENHARIA AERONÁUTICA NÃO DESTACAR A PARTE INFERIOR INSTRUÇÕES GERAIS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA 000 A 100 - PROCESSO - MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA (PS-EngNav/2008) ENGENHARIA AERONÁUTICA 1. PARTE INSTRUÇÕES GERAIS 1- A

Leia mais

a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre

a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre Tensão superficial a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre si, então a água se junta. A tensão

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

LISTA DE FÍSICA A. Corumbá, 12 de março de 20 15 Aluno (a): Série: 2º Turma: Professor (a): KLEBER G. CAVALCANTE. Nota/Visto:

LISTA DE FÍSICA A. Corumbá, 12 de março de 20 15 Aluno (a): Série: 2º Turma: Professor (a): KLEBER G. CAVALCANTE. Nota/Visto: Corumbá, 2 de março de 20 5 Aluno (a): Série: 2º Turma: Professor (a): KLEBER G. CAVALCANTE LISTA DE FÍSICA A Nota/Visto: 0 - (UFG GO/204) Uma longa ponte foi construída e instalada com blocos de concreto

Leia mais

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física PROF.: MIRANDA 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA Física Aplicada Física 01. Uma mola possui constante elástica de 500 N/m. Ao aplicarmos sobre esta uma força de 125 Newtons, qual será a deformação da mola?

Leia mais

Sexta Lista - Fontes de Campo Magnético

Sexta Lista - Fontes de Campo Magnético Sexta Lista - Fontes de Campo Magnético FGE211 - Física III Sumário A Lei de Biot-Savart afirma que o campo magnético d B em um certo ponto devido a um elemento de comprimento d l que carrega consigo uma

Leia mais

D - Torção Pura. ω ω. Utilizador

D - Torção Pura. ω ω. Utilizador 4.0 ORÇÃO PURA D - orção Pura 4.1 MOMENO DE ORÇÃO ORQUE Quando uma barra reta é submetida, exclusivamente, a um momento em torno do eixo da barra, diz-se que estará submetida a um momento torçor (ou torque).

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12 01 de 12 ESTANTES METÁLICAS - Componentes Cantoneiras Perfuradas: Tipo N3, produzidas em aço estrutural de média resistência. As cantoneiras podem ser fornecidas em comprimentos múltiplos de 40 mm. 35

Leia mais

PROBLEMAS SELECIONADOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos. Sergio Lima Netto sergioln@lps.ufrj.br

PROBLEMAS SELECIONADOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos. Sergio Lima Netto sergioln@lps.ufrj.br PROLEMS SELECIONDOS DE DESENHO GEOMÉTRICO Parte II: Polígonos e Círculos Sergio Lima Netto sergioln@lps.ufrj.br versão julho de 008 Prólogo Foi feito um grande esforço para reproduzir os desenhos que acompanham

Leia mais