ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda"

Transcrição

1 ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda Marcello Augustus Ramos Roberto SOFTEC Software Technology Ltda Trabalho apresentado na VI Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ, Salvador, Bahia, agosto, As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

2 SINÓPSE Descrição do procedimento de simulação computacional através do método dos elementos finitos para cálculo das tensões e deformações permanentes(mossa) ocorridas em uma região de duto devido a uma carga de impacto. Uma análise de tensões não-linear elasto-plástica é realizada para elaborar o histórico de carregamento e descarregamento do duto. Com a curva de Tensão x Deformação fornecida pelo programa é possível verificar a integridade estrutural e avaliar as tensões finais atuantes no duto após submetê-lo à carga de trabalho. Utiliza-se um modelo sólido com características específicas para receber os carregamentos e uma malha de elementos finitos de casca refinada na região a ser deformada. Condições de apoio são aplicadas em alguns pontos do duto. Deslocamentos prescritos são aplicados para a criação do amassamento e a seguir a estrutura é descarregada para a verificação das tensões residuais. Posteriormente uma carga de pressão interna é aplicada no duto para verificação das tensões e deformações atuantes no mesmo. Os plots e listagens das tensões e deformações distribuídas ao longo do duto, os gráficos de Cargas x Deslocamentos e Tensões x Deformações para os pontos nodais/elementos da região do amassamento fornecidos pelo programa permitem o profissional decidir se o duto continua em operação, deve ser recuperado ou substituído por outro.

3 1. INTRODUÇÃO Avarias em dutos tais como deformações permanentes e trincas podem comprometer a integridade estrutural dos mesmos causando o rompimento de paredes ou soldas e tendo como conseqüências sérios vazamentos com perigos de explosões e danos ecológicos. A substituição de dutos, localizados em terra ou no mar, pode se tornar bastante inviável pela dificuldade de acesso para operá-los (dutos submersos) ou devido aos prejuízos que muitas empresas virão a ter pela interrupção no abastecimento de óleo ou gás (duto enterrado). Desta forma torna-se imprescindível o estudo de dutos avariados para se avaliar a possibilidade de reaproveitá-los antes de substituí-los. A análise de simulação computacional através de um programa de elementos finitos, com a utilização da curva de Tensão x Deformação do material, reproduz o comportamento do duto durante e após a atuação da carga de impacto e fornece as tensões e deformações na estrutura avariada após a aplicação de uma nova carga. O objetivo deste trabalho é definir um procedimento para avaliar dutos com avarias através da execução de uma análise de tensões estática elasto-plástica de um trecho de duto. Reproduz-se o histórico de tensões na estrutura com a geração de uma mossa, retirada da carga que causou a avaria e aplicação da carga de pressão interna para o cálculo dos deslocamentos, deformações e tensões atuantes nas paredes do duto. Estes dados são utilizados pelo profissional para a avaliação da integridade estrutural do duto e tomada de decisão sobre a operacionalidade do mesmo. 2. ESCOPO DO TRABALHO O trabalho desenvolvido inclui os seguintes itens: - Elaboração de um modelo de elementos finitos de um trecho do duto na região que contém a mossa; - Análise de tensões estática elasto-plástica para cálculo dos deslocamentos, tensões e deformações na região do duto com a mossa; 3. DESCRIÇÃO DO MODELO DE ELEMENTOS FINITOS 3.1. Geometria do Modelo de Elementos Finitos O modelo de elementos finitos tridimensional (Fig. 1) é composto por uma região do duto que inclui a área da mossa com um comprimento de 0.6m e duas regiões sem defeito, nas vizinhanças da mossa, com comprimentos de 0.56m, aproximadamente 10 Rt (raio e espessura do duto), para evitar que os efeitos das condições de contorno utilizadas nas bordas do duto interfiram nos resultados calculados na região da mossa.

4 São utilizados elementos de casca, com 6 graus-de-liberdade e formulação elastoplástica. Os carregamentos são os deslocamentos prescritos e a pressão interna de MPa (20 kgf/cm 2 ). O duto é considerado apoiado em solo rígido Dimensões do Duto Modelado - diâmetro externo: m (26 ) - espessura de parede: 0, m (0.375 ) 3.3. Propriedades Dos Materiais - Escoamento mínimo: 241,31 MPa (35Ksi) - Resistência mínima: 448,16 MPa (60 Ksi) - Curva Tensão x Deformação do material definida com 7 pontos. Utiliza-se o modelo multilinear isotropic hardening (Fig. 2) para representar o comportamento da plastificação da estrutura e retorno elástico após a retirada da carga que causa a mossa na parede do duto 3.4. Condições de Contorno do Duto As condições de contorno, conforme apresentado na Figura 1, são as restrições de: - rotações radiais e circunferenciais nas bordas; - deslocamento radial UY em 3 linhas longitudinais inferiores; - deslocamento longitudinal UZ em 2 pontos nodais centrais inferiores Carregamentos aplicados Para criar o histórico de tensões no duto é necessário reproduzir o acidente que criou a avaria através do carregamento e descarregamento da estrutura. Os carregamentos atuantes nesta análise são os seguintes: Estágio 1 Deslocamentos prescritos em 20 pontos da casca, conforme medidas fornecidas para criação da mossa; Estágio 2 Substituição dos deslocamentos pelas forças de reação; Estágio 3 Retirada das forças de reação para verificação das tensões residuais e do retorno elástico da estrutura; Estágio 4 Aplicação da pressão interna para verificação da resistência do duto.

5 Figura 1 Modelo de Elementos Finitos com os Pontos de Carga e as Condições de Contorno e Apoio Figura 2 Curva de Tensão(Pa) x Deformação do Material - Modelo Multilinear Isotropic Hardening

6 3.6. Definição da Mossa A região correspondente à mossa é modelada com um comprimento de 0.600m. Através do mapeamento da mossa foram obtidas as profundidades de 20 pontos pertencentes à região deformada do duto. Os deslocamentos prescritos utilizados para gerar a mossa são aplicados nos keypoints do modelo sólido de elementos finitos nas mesmas posições das medições. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS OBTIDOS A análise não-linear com as não-linearidades geométricas e do material é realizada para a verificação da integridade estrutural do duto em quatro estágios. No 1 o. estágio de carregamento a mossa é gerada com a aplicação de deslocamentos prescritos. No 2 o. estágio mantêm-se as cargas de reação para equilibrar a estrutura; No 3 o. estágio retiram-se as forças para a obtenção das tensões residuais e das deformações permanentes como mostrado nas Figuras de 3 a 6. As maiores tensões se concentram na região da mossa, a qual é refinada para representar corretamente os altos gradientes de tensão que ocorrem no centro e bordas da mossa. Figura 3 Tensões Residuais de Von Mises (Pa) na Parede Interna do Duto após a Retirada da Carga que Gerou a Mossa 3 o. Estágio da Análise

7 Figura 4 Tensões Residuais de Von Mises(Pa) na Parede Interna do Duto após a Retirada da Carga que Gerou a Mossa 3 o. Estágio da Análise Figura 5 Deformações Permanentes Circunferenciais(Pa) na Parede Externa do Duto após a Retirada da Carga que Gerou a Mossa 3 o. Estágio da Análise

8 Figura 6 Deformações Radiais(Pa) na Parede Externa do Duto após a Retirada da Carga que Gerou a Mossa 3 o. Estágio da Análise No 4 o. estágio aplica-se a pressão interna para verificação das tensões e deformações finais, mostradas nas Figuras 7 a 10, e avaliação da integridade estrutural do duto. Figura 7 - Tensões de Von Mises (Pa) na Parede Interna do Duto após a Aplicação da Pressão Interna 4 o. Estágio da Análise

9 Figura 8 Tensões de Von Mises(Pa) na Parede Externa do Duto após a Aplicação da Pressão Interna 4 o. Estágio da Análise Figura 9 Deformações Permanentes Circunferenciais(Pa) na Parede Externa do Duto após a Aplicação da Pressão Interna 4 o. Estágio da Análise

10 Figura 10 Deformações Permanentes Radiais(Pa) na Parede Externa do Duto após a Aplicação da Pressão Interna 4 o. Estágio da Análise Figura 11 Curva do Deslocamento(m) Radial Máximo no Duto x Estágios de Carga: 1- Deslocamentos Prescritos, 2 - Equilíbrio Deslocamentos-Forças Internas, 3 - Retirada das Forças Internas, 4- Aplicação da Pressão Interna

11 5. CONCLUSÕES Apresenta-se neste trabalho o procedimento para realização de uma análise estática não-linear utilizando-se a simulação computacional através do método dos elementos finitos para a criação de uma avaria(mossa) em um duto e verificação da integridade estrutural do mesmo após submetido à carga de pressão interna. Foram desenvolvidos modelos com diferentes comprimentos das regiões vizinhas à mossa e malhas com diferentes graus de refinamento para análise da influência destes parâmetros nos resultados. O modelo final adotado é apresentado na Figura 1. A convergência da análise não-linear depende do Módulo Tangente, o qual não pode ser próximo de zero no trecho final da curva Tensão x Deformação do material. A análise realizada com aplicação de forças para gerar a mossa não convergiu com o solver ímplicito. Utilizando-se o solver Arc-Length, executou-se uma análise de pós-flambagem até se obter a flecha máxima da mossa. Verificou-se que o processo de snap through, flambagem local em alguns pontos do duto, acontece antes que se obtenha a deformada completa da mossa, devido à sua geometria bastante irregular. Desta forma, optou-se pela geração da mossa com a aplicação de deslocamentos prescritos, compostos dos valores medidos no campo e dos incrementos do retorno elástico obtidos na região da mossa em análise preliminar. A análise não-linear fornece o histórico de carregamento e descarregamento da estrutura. São calculadas as tensões residuais, as deformações permanentes e as tensões atuantes no duto após a aplicação da pressão interna. Os resultados obtidos são utilizados pelo profissional para avaliação da integridade estrutural do duto. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) Timoshenko S.P, Krieger S.W., Theory of Plates and Shells, 2nd Edition, Tokyo, McGraw-Hill Kogakusha, (2) Popov E.P., Introdução À Mecânica dos Sólidos, 1 a. Edição, São Paulo, Edgar Blucher Ltda, (3) Bathe K.J, Finite Element Procedures in Engineering Analysis, 1st Edition, New Jersey, Prentice-Hall, (4) ANSYS, Inc., ANSYS Manuals, Pittsburgh, PA, USA, AGRADECIMENTOS A empresa SOFTEC agradece especialmente o Eng. Guilherme Donato pelas sugestões apresentadas e pelo acompanhamento deste trabalho.

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R.

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais

SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS

SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS SISTEMA CUSTOMIZADO PARA ANÁLISE ESTRUTURAL DE LANÇA DE GUINDASTE COM DANOS NOS MEMBROS Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda. Alexandre Hansen UFRJ Universidade Federal do Rio

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO L.R.B. SARMENTO 1, G.H.S. PEREIRA FILHO 2, E.S. BARBOSA 3, S.R. de FARIAS NETO 4 e A.B. de LIMA 5 (Times New Roman

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DA RUPTURA DE DUTOS

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DA RUPTURA DE DUTOS ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DA RUPTURA DE DUTOS Jorge Luiz Coutinho Diniz Ronaldo Domingues Vieira José Luiz de França Freire Jaime Tupiassú Pinho de Castro DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PUC-RIO.

Leia mais

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a 19 2006 Influência dos carregamentos

Leia mais

Vasos de pressão. Figura 1 Exemplos de vasos de pressão (fotos retiradas da internet)

Vasos de pressão. Figura 1 Exemplos de vasos de pressão (fotos retiradas da internet) Vasos de pressão Vasos de pressão são reservatórios que contém fluídos (líquidos ou gases) que em geral estão armazenados no seu interior. Eles devem ser projetados para resistir com segurança a pressões

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1

Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1 Método dos Elementos Finitos Aplicado à Engenharia de Estruturas Página 1 VASOS DE PRESSÃO INTRODUÇÃO Vasos de pressão são reservatórios que contém fluídos (líquidos ou gases) que em geral estão armazenados

Leia mais

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2 V CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA V NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28, 2008 - Salvador Bahia Brazil AVALIAÇAO ESTRUTURAL

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO ANÁLISE LOCAL DE TENSÕES LIRA CRÍTICA NÓS 965/990/1015 LINHA 10 -VA-46009-D1A-H

MEMORIAL DE CÁLCULO ANÁLISE LOCAL DE TENSÕES LIRA CRÍTICA NÓS 965/990/1015 LINHA 10 -VA-46009-D1A-H MEMORIL DE CÁLCULO NÁLISE LOCL DE TENSÕES LIR CRÍTIC NÓS 965/990/1015 LINH 10 -V-46009-D1-H 1 de 6 1.0 OBJETIVO Em vista da análise de flexibilidade da linha 10 -V-46009-D1-H, ter ocorrido com a necessidade

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES EM INTERSEÇÕES ENTRE BOCAIS E VASOS DE PRESSÃO CILÍNDRICOS SEM E COM CHAPA DE REFORÇO SOB PRESSÃO INTERNA

ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES EM INTERSEÇÕES ENTRE BOCAIS E VASOS DE PRESSÃO CILÍNDRICOS SEM E COM CHAPA DE REFORÇO SOB PRESSÃO INTERNA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES EM INTERSEÇÕES ENTRE BOCAIS E VASOS DE PRESSÃO CILÍNDRICOS SEM E COM CHAPA DE REFORÇO

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA DE BASTIDOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA DE BASTIDOR DE TELECOMUNICAÇÕES 1 ANÁLISE ESTRUTURAL DINÂMICA DE BASTIDOR DE TELECOMUNICAÇÕES MARCO ANTÔNIO LUERSEN ADMILSON TEIXEIRA FRANCO LEONARDO LUNARDI FERREIRA MARCELO PINTO DA SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento

Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento Influência do nível de deformação na formação das bandas de Lüders para chapas de aço com mesmo nível de envelhecimento Guilherme Couto ANDRADE¹; Alexandre Moura GIAROLA²; Ramila Aparecida MOURA³ ¹ Aluno

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579.

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. Celso Mário Ferreira dos Santos PETROBRAS/UN-BA/ST/EMI. Antonio Alves Gama PETROBRAS/UN-BA/APMG/SMS. José

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos.

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos. ISO 9001 : 2008 Integridade Estrutural de Equipamentos De 28/11/2011 a 02/12/2011 Local: Hotel a definir RJ Carga Horária: 40 horas Horário: 8h30min às 17h30min Objetivo: Apresentar critérios de avaliação

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Paulo Tibúrcio Pereira, Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Engenharia de Telecomunicações 36420-000, Ouro Branco,

Leia mais

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Prof. Jorge A. R. Durán Enga. Mecânica UFF Volta Redonda duran@vm.uff.br June 15 1 Objetivos Desenvolvimento e aplicação das equações para

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS

MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS André Tenchini da Silva João de Jesus Santos andretsilva@gmail.com PGECIV Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE UM MODELO DE BOMBA EM SISTEMAS DE BOMBEIO CENTRÍFUGO SUBMERSO Ana Carla Costa Andrade 1, André Laurindo Maitelli 2, Carla Wilza Souza de Paula Maitelli 3 1 Universidade Federal

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Vila das Acácias CEP 12228-904 - São José dos Campos - SP - Brasil, e-mail: loures@iae.cta.br

Vila das Acácias CEP 12228-904 - São José dos Campos - SP - Brasil, e-mail: loures@iae.cta.br ANÁLISE ESTRUTURAL DA CONCEPÇÃO PRELIMINAR DO CILINDRO DOS EXPERIMENTOS DO MÓDULO DE EXPERIMENTAÇÃO UTILIZANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS E FEMAP/NASTRAN Artur C. Arantes Filho 1, Denis G. Vieira 2,

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 36 Dimensionamento Estrutural por Análise Numérica Tópicos Abordados Método dos Elementos Finitos. Softwares para Análise Numérica. Método do Elementos Finitos No

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais 1 Introdução 1.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar o desempenho de um reparo em dutos, que utiliza multicamadas metálicas coladas; estudando seu comportamento e propondo modelos numéricos e

Leia mais

ANÁLISE DE DUTOS CORROÍDOS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS GISELLE MANHÃES GOMES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF

ANÁLISE DE DUTOS CORROÍDOS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS GISELLE MANHÃES GOMES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF ANÁLISE DE DUTOS CORROÍDOS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS GISELLE MANHÃES GOMES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ JULHO 2007 ANÁLISE DE DUTOS CORROÍDOS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é:

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é: DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM PARA INTEGRAÇÃO EXPLÍCITA NO DOMÍNIO DO TEMPO DE PROBLEMAS ELASTODINÂMICOS L. A. Souza 1 e C. A. Moura 2 1 Instituto Politécnico / UERJ Caixa Postal 97282 28601-970 Nova

Leia mais

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra.

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra. Teoria das dobras Eng Josemairon Prado Pereira I. INTRODUÇÃO A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras. No caso do aço é a proteção da chapa lisa através

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX

COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX William M. Pereira a, Luciano R. de Lima a, Pedro C. G. da S. Vellasco a e José Guilherme S. da Silva a a Departamento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO

OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 OBTENÇÃO DE CONFIGURAÇÕES ECONÔMICAS PARA O PROJETO DE TESOURAS EM AÇO 1. Guilherme Fleith

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Análise em um projeto de produto em função da possibilidade da formação de tensões residuais do metal

Análise em um projeto de produto em função da possibilidade da formação de tensões residuais do metal Desenvolvimento de Tecnologias para Sistemas Produtivos Análise em um projeto de produto em função da possibilidade da formação de tensões residuais do metal SIRNEI CÉSAR KACH, Me. FAHOR Faculdade Horizontina

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS Rubem Manoel de Braga Antônio Fernando Burkert Bueno Afonso Regully Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luís Carlos Greggianin Companhia Petroquímica

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3

Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Tutorial de Viga: Ansys - Beam3 Primeiramente vamos iniciar o tutorial apresentando uma visão geral do software Ansys, ao abri-lo (click em Ansys11 e Ansys) a seguinte tela é mostrada: Nesse curso focaremos

Leia mais

Desenvolvimento de Metodologia para Modelagem e Avaliação Estrutural de Componentes de

Desenvolvimento de Metodologia para Modelagem e Avaliação Estrutural de Componentes de Desenvolvimento de Metodologia para Modelagem e Avaliação Estrutural de Componentes de Hidrogerador para Diagnóstico de Defeitos e Extensão de Vida Útil E.C.N. Silva, F.Buiochi, J.C.Adamowski, R.C.Carbonari,

Leia mais

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK Autor Luiz Cláudio de Marco Meniconi (PETROBRAS/CENPES/PDEP/TMEC) Participantes

Leia mais

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil.

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil. A análise aqui executada permite, com base nos exemplos aqui apresentados, recomendar que o dimensionamento das lajes lisas de concreto, com índice de esbeltez usuais, obedeça aos seguintes critérios:

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

Projeto Mecânico. Qual é a pressão atuante no duto? Primeiramente definir o Projeto Hidráulico do duto

Projeto Mecânico. Qual é a pressão atuante no duto? Primeiramente definir o Projeto Hidráulico do duto Projeto Mecânico Qual é a pressão atuante no duto? Depende: Gradiente hidráulico no regime permanente Condição estática Transiente hidráulico Primeiramente definir o Projeto Hidráulico do duto Pressão

Leia mais

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1 Prof. Eduardo C. S. Thomaz 1 / 13 CONSOLOS CURTOS 1-SUMÁRIO Um consolo curto geralmente é definido geometricamente como sendo uma viga em balanço na qual a relação entre o comprimento ( a ) e a altura

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS D. Benítez, Dr. Eng. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo - SP, Brasil. danielbb@usp.br

Leia mais

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

A B Emissão Inicial VTF ACF ACF UNN 16/01/14. B B Incluído item 5 VTF ACF ACF UNN 21/01/14. 0 C Aprovado Vale VTF ACF ACF UNN 30/01/14

A B Emissão Inicial VTF ACF ACF UNN 16/01/14. B B Incluído item 5 VTF ACF ACF UNN 21/01/14. 0 C Aprovado Vale VTF ACF ACF UNN 30/01/14 PROJETO L448/9 REFORÇO ESTRUTURAL - 1/12 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL E FABRICAÇÃO DE UM MODELO REDUZIDO DE UMA TORRE DE LINHAS DE TRANSMISSÃO VISANDO ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS

ANÁLISE DIMENSIONAL E FABRICAÇÃO DE UM MODELO REDUZIDO DE UMA TORRE DE LINHAS DE TRANSMISSÃO VISANDO ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT - 16 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT ANÁLISE DIMENSIONAL E

Leia mais

3D Analysis of high-rise reinforced concrete buildings with the consideration of shear walls

3D Analysis of high-rise reinforced concrete buildings with the consideration of shear walls Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.16, p.43-53, Outubro, 2010 Análise tridimensional de edifícios altos de concreto armado com a presença de paredes estruturais 3D Analysis of high-rise reinforced

Leia mais

CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS. Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3

CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS. Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3 CALCULO DE DESLOCAMENTOS E ESFORÇOS SOLICITANTES EM VIGAS SOBRE APOIOS ELÁSTICOS CONTÍNUOS Hugo Luiz Oliveira¹; Edson Tejerina Calderón 2,3 1 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, bolsista PIBC/CNPq,

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva

BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS. Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 BOAS RECOMENDAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFÍCIOS Eng. Luiz Aurélio Fortes da Silva 1 2 TÓPICOS DA PALESTRA 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS DE PROJETO CONCEPÇÃO ESTRUTURAL MATERIAIS E DURABILIDADE

Leia mais

22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008

22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008 22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008 COMPARAÇÃO ENTRE SEQUÊNCIAS DE SOLDAGEM PROGRESSIVA E PASSO REVERSO ATRAVÉS DE ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 10: Modelagem de Cascas

MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 10: Modelagem de Cascas Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 10: Modelagem de Cascas Profa. Dra. Maria Betânia de Oliveira

Leia mais

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos

Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Orgãos de Máquinas Fundamentos do Método dos Elementos Finitos Conceitos básicos para a utilização do M.E.F. no âmbito de um sistema de CAD/CAE Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ENIDH -

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS

UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS UMA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UERJ A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Pedro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE NUMÉRICA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO SUBMETIDOS À TRAÇÃO COM LIGAÇÕES PARAFUSADAS

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS"

ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS RACKS ANÁLISE DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM PERFURAÇÕES - SISTEMAS "RACKS" Vinícius O. Faria viniciusjacks@yahoo.com.br Universidade Federal de Ouro Preto Arlene M. Sarmanho Freitas

Leia mais

Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação

Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação Substituição de tubos de aço galvanizado por tubos de cobre em um Sistema Hidráulico Preventivo de uma edificação Resumo Luiz Henrique Back(1), Nestor Back(2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2)

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) SISTEMATIZAÇÃO DO DIMENSIONAMENTO A FLEXO-COMPRESSÃO DE PILARES MISTOS PREENCHIDOS DE SEÇÃO RETANGULAR Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) (1) Mestrando, PPGECiv Programa de Pós-graduação

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Coletores Solares de Condicionamento de Ar e Refrigeração

Desenvolvimento de Novos Coletores Solares de Condicionamento de Ar e Refrigeração Desenvolvimento de Novos Coletores Solares de Condicionamento de Ar e Refrigeração Projeto Desenvolvimento de Novos Coletores Solares de Condicionamento de Ar e Refrigeração Parceria com o Grupo de Estudos

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 2 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais II Estruturas III. Capítulo 2 Torção Capítulo 2 Torção 2.1 Revisão Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e o raio do eixo permanecerão inalterados.

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

GUILHERME ABREU TOMAZINI. Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME

GUILHERME ABREU TOMAZINI. Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME GUILHERME ABREU TOMAZINI Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME Guaratinguetá 2015 GUILHERME ABREU TOMAZINI DIRETRIZES BÁSICAS PARA PROJETOS DE VASOS DE PRESSÃO SEGUNDO A ASME

Leia mais

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse;

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse; CAPÍTULO 10 ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO O Estudo de Análise de Riscos (EAR) foi desenvolvido pela empresa RCA Rabaneda Consultoria Ambiental, subcontratada da CPEA e contempla as futuras instalações do

Leia mais

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III.

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III. 1 Introdução A busca contínua de sistemas estruturais eficientes como solução para grandes vãos tem sido um dos maiores desafios enfrentados por engenheiros estruturais. Por outro lado, sistemas estruturais

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO EFEITO DA EXPLOSÃO DE UM GÁS INFLAMÁVEL SOBRE A ESTRUTURA DE UM VASO DE PRESSÃO

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO EFEITO DA EXPLOSÃO DE UM GÁS INFLAMÁVEL SOBRE A ESTRUTURA DE UM VASO DE PRESSÃO SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO EFEITO DA EXPLOSÃO DE UM GÁS INFLAMÁVEL SOBRE A ESTRUTURA DE UM VASO DE PRESSÃO André Schaan Casagrande Gustavo Fuhr Santiago Ignacio Iturrioz ascasagrande@hotmail.com gfsant@terra.com.br

Leia mais

Critérios de Resistência

Critérios de Resistência Critérios de Resistência Coeficiente de segurança ensão uivalente Seja um ponto qualquer, pertencente a um corpo em uilíbrio, submetido a um estado de tensões cujas tensões principais estão representadas

Leia mais

Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008)

Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008) Ciência et Praxis v. 1, n. 1, (2008) 33 Considerações sobre Modelos Estruturais Clayton Reis de Oliveira 1 Resumo: Uma etapa fundamental em um projeto de um edifício em concreto armado é sua concepção

Leia mais

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5

MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) MATERIAIS METÁLICOS AULA 5 Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 Ensaio

Leia mais

ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA

ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO... 139 ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA Wanderson

Leia mais