ISSN c omércio. volume 16 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN - 0104-1614. c omércio. volume 16 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística"

Transcrição

1 p squisa a nual d ISSN c omércio volum 16 IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística

2 Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor Excutivo Sérgio da Costa Côrts ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Dirtoria d Psquisas Wamália Socorro Barata Bivar Dirtoria d Gociências Guido Glli Dirtoria d Informática Luiz Frnando Pinto Mariano Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs David Wu Tai Escola Nacional d Ciências Estatísticas Pdro Luis do Nascimnto Silva UNIDADE RESPONSÁVEL Dirtoria d Psquisas Coordnação das Estatísticas Econômicas Classificaçõs Magdalna Sophia Cronmbrgr Gós Coordnação d Srviços Comércio Vânia Maria Carlli Prata

3 Ministério do Planjamnto, Orçamnto Gstão Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE Psquisa Anual d Comércio volum ISSN Psq. Anual Com., Rio d Janiro, v. 16, p.1-139, 2004

4 Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE Av. Franklin Roosvlt, Cntro Rio d Janiro, RJ - Brasil ISSN (CD-ROM) ISSN (mio imprsso IBGE Elaboração do arquivo PDF Robrto Cavararo Produção da multimídia Marisa Sigolo Mndonça Márcia do Rosário Brauns Capa Hlga Szpiz Marcos Balstr Fior Corria - Coordnação d Markting/Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs - CDDI

5 Sumário Aprsntação Notas técnicas Âmbito da psquisa Unidad d invstigação Instrumntos d colta Classificação d atividads Aspctos da amostragm Dissminação dos rsultados Concituação das variávis invstigadas Comntários grais Tablas d rsultados Part 1 - Total das mprsas comrciais 1 - Dados comparativos das mprsas comrciais, sgundo divisão, grupos classs d atividads Dados comparativos das mprsas comrciais, sgundo divisão faixas d pssoal ocupado Dmonstrativo d rcita das mprsas comrciais, sgundo divisão, grupos classs d atividads Rcita líquida d rvnda, compras, stoqus, margm taxa d margm d comrcialização das mprsas comrciais, sgundo divisão, grupos classs d atividads

6 5 - Dspsas no ano das mprsas comrciais, sgundo divisão, grupos classs d atividads Gastos com pssoal das mprsas comrciais, sgundo divisão, grupos classs d atividads Pssoal ocupado nas mprsas comrciais, m 31.12, sgundo divisão, grupos classs d atividads Pssoal ocupado nas mprsas comrciais, por trimstr, sgundo divisão, grupos classs d atividads Formas d comrcialização das mprsas comrciais varjistas, sgundo grupos classs d atividads Formas d comrcialização das mprsas comrciais varjistas com 100 % da rcita m uma única forma d comrcialização, sgundo grupos classs d atividads Dados grais das mprsas comrciais, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração d atuação das mprsas, divisão grupos d atividads Part 2 - Emprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas 12 - Dmonstrativo d rcita das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Rcita líquida d rvnda, compras, stoqus, margm taxa d margm d comrcialização das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Compras stoqus das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Dspsas opracionais no ano das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Dspsas financiras d participaçõs no ano das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Dprciação, amortização, dspsas não-opracionais constituição d provisõs no ano das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Gastos com pssoal das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

7 19 - Aquisiçõs d ativos tangívis no ano, das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Baixas d ativos tangívis no ano, das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo divisão, grupos classs d atividads Pssoal ocupado m 31.12, das mprsas comrciais com 20 ou mais pssoas ocupadas, sgundo a divisão, grupos classs d atividads Rfrências Anxos 1 - Classificação Nacional d Atividads Econômicas - CNAE Qustionários da Psquisa Anual d Comércio Convnçõs - Dado numérico igual a zro não rsultant d arrdondamnto;.. Não s aplica dado numérico;... Dado numérico não disponívl; x Dado numérico omitido a fim d vitar a individualização da informação; 0; 0,0; 0 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt positivo; -0; -0,0; -0 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt ngativo. Sumário

8 Aprsntação OInstituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE divulga, na prsnt publicação, os rsultados da Psquisa Anual d Comércio PAC, rfrnts ao ano A PAC rprsnta a principal font d dados sobr a strutura o funcionamnto do stor comrcial, forncndo informaçõs rlvants para o planjamnto público privado, bm como para a comunidad acadêmica o público m gral. Ess volum ncontra-s dividido m duas parts: a primira aprsnta as tablas rfrnts ao total das mprsas comrciais (Tablas d 1 a 11) a sgunda, as tablas das mprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas (Tablas d 12 a 21). No primiro conjunto, dstacamos as Tablas 1 2, qu possum dados comparativos m rlação aos rsultados d 2003, a Tabla 11, com dados d rgionalização, qu prmit uma anális mais dtalhada da distribuição configuração rgional da atividad comrcial; as Tablas 9 10, com informaçõs sobr o sistma d comrcialização do comércio varjista. A publicação aprsnta comntários sobr caractrísticas da strutura dos sgmntos Comércio d vículos pças; Comércio atacadista Comércio varjista no ano d 2004; anális do comportamnto das principais atividads por Grands Rgiõs por Unidads da Fdração m , dstacando as transformaçõs struturais nss príodo. A Coordnação d Srviços Comércio, vinculada a sta Dirtoria, coloca-s à disposição dos usuários para sclarcimntos sugstõs qu vnham a contribuir para o aprfiçoamnto da psquisa.

9 Agradcmos a todos qu nos forncram informaçõs nos auxiliaram na comprnsão dos dados, contribuindo para o aprimoramnto da qualidad dos rsultados da Psquisa Anual d Comércio. Wasmália Bivar Dirtora d Psquisas Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

10 Notas técnicas APsquisa Anual d Comércio - PAC tm por objtivo dscrvr as caractrísticas struturais básicas do sgmnto mprsarial do comércio atacadista varjista no País suas transformaçõs no tmpo. A séri da PAC tv início m 1988, com o objtivo d forncr informaçõs anuais sobr o stor d comércio nos príodos intrcnsitários 1. A partir do ano d 1996, a PAC foi adquada aos parâmtros do novo modlo d produção das statísticas industrial, comrcial d srviços, m qu os cnsos conômicos qüinqünais foram substituídos por psquisas anuais d bas amostral. O Cadastro Cntral d Emprsas CEMPRE, atualizado sistmaticamnt, é a rfrência comum para o univrso das mprsas. O dsnho das psquisas struturais anuais lva m conta a concntração da atividad produtiva nos sgmntos d maior port, dando tratamnto cnsitário para mprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas, para as atividads d comércio srviços ou 30 ou mais pssoas ocupadas para a indústria no cadastro básico d slção. As dmais mprsas são objto d slção probabilística. A PAC, m su novo formato, é a psquisa strutural cntral do subsistma d statísticas do Comércio. 1 Em um primiro momnto a a PAC foi dsnhada para rprsntar o univrso do stor formal da atividad, abrangndo todos os sgmntos tamanhos d mprsa. Em 1991, o programa d trabalho do IBGE sofru corts a PAC foi suspnsa. A séri foi rtomada m 1992, xcluindo-s do âmbito da Psquisa as micro pqunas mprsas, prmancndo nst modlo até 1995.

11 Âmbito da psquisa O âmbito da PAC inclui as mprsas qu atndm aos sguints rquisitos: 1 - star m situação ativa no Cadastro Cntral d Emprsas do IBGE, classificada como mprsa comrcial, isto é, tr atividad principal contmplada na sção G - Comércio, Rparação d Vículos, Objtos Pssoais Domésticos, da Classificação Nacional d Atividads Econômicas CNAE 1.0; 2 - star sdiada no Trritório Nacional -, m particular, para as Unidads da Fdração da Rgião Nort (Rondônia, Acr, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá Tocantins), são considradas apnas aqulas qu stão sdiadas nos municípios das capitais, com xcção do Pará ond são considradas aqulas qu stão sdiadas nos municípios da Rgião Mtropolitana d Blém. Dfin-s como mprsa comrcial aqula cuja rcita bruta provnha prdominantmnt da atividad comrcial, ntndida como compra para rvnda, sm transformação significant, d bns novos usados. Em consonância com a abrangência das psquisas antriors, optou-s por xcluir do âmbito da PAC, mbora façam part da sção G da CNAE 1.0, os sguints sgmntos: srviços d manutnção rparação d vículos motocicltas; rparação d objtos pssoais domésticos; rprsntants comrciais agnts do comércio. Unidad d invstigação A unidad d invstigação da PAC é a mprsa, dfinida como a unidad jurídica caractrizada por uma firma ou razão social, qu ngloba o conjunto d atividads conômicas xrcidas m uma ou mais unidads locais. As mprsas são as unidads d dcisão, d xistência jurídica, qu assumm obrigaçõs financiras stão à frnt das transaçõs d mrcado. Por outro lado, é sobr as mprsas qu rcai a obrigatoridad dos rgistros contábis, balanços, tc. Portanto, a mprsa constitui a unidad adquada tanto para as análiss dos comportamntos dos agnts conômicos como para a invstigação statística. Por unidad local ntnd-s o spaço físico, gralmnt uma ára contínua, no qual uma ou mais atividads conômicas são dsnvolvidas, corrspondndo, na maioria das vzs, a cada ndrço d atuação da mprsa. Instrumntos d colta A PAC 2004 utilizou dois modlos d qustionário para a colta d informaçõs, a Folha d Atualização Cadastral-FAC, para os casos d não-colta: Qustionário Simplificado - aplicado nas mprsas com até 19 pssoas ocupadas no cadastro d informants da Psquisa; Qustionário Complto - aplicado nas mprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas no cadastro d informants da Psquisa; Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

12 Folha d Atualização Cadastral - FAC - aplicada às mprsas slcionadas qu não prnchram qustionário por motivo d paralisação, xtinção, mudança para ndrço ignorado ou por não xrcrm atividad no âmbito da psquisa. Os qustionários foram aplicados através d formulário m papl ou formulário magnético (disqut ou CD), com nvio pla Intrnt, d acordo com a opção do informant. Classificação d atividads A classificação d atividads d rfrência da PAC é a Classificação Nacional d Atividads Econômicas CNAE 1.0, spcificamnt a sção G - Comércio, Rparação d Vículos, Objtos Pssoais Domésticos - qu dfin o âmbito da psquisa. A organização da sção G da CNAE 1.0 é aprsntada no Anxo 1. Aspctos da amostragm Cadastro básico d slção da amostra O cadastro básico d slção da PAC 2004 foi o Cadastro Cntral d Emprsas - CEMPRE, atualizado, na ocasião, plos rsultados da Psquisa Anual d Comércio d 2002, pla Rlação Anual d Informaçõs Sociais - RAIS 2002 plo Cadastro Gral d Emprgados Dsmprgados - CAGED do Ministério do Trabalho, totalizando mprsas d comércio. Plano amostral O objtivo contmplado no dsnho da amostra foi a obtnção d stimativas dos totais populacionais rfrnts às variávis invstigadas, por Unidad da Fdração sgundo nívis d classificação d atividads dfinidos prviamnt. A PAC visa a obtr rsultados para crtas subdivisõs importants da população. Nst caso, o dsnho da amostra usualmnt rcomndado é o d amostra alatória stratificada. A amostra da PAC é composta por dois tipos d stratos: natural final. Os stratos naturais foram construídos a partir da runião d mprsas com a msma combinação d Unidad da Fdração classificação d atividad. Os stratos finais são subdivididos m outros três stratos: crto, grncial amostrado, m cada cruzamnto Unidad da Fdração x Atividad, ou sja, m cada strato natural. A alocação das mprsas a cada um dsss stratos é dfinida plo pssoal ocupado o númro d Unidads da Fdração m qu atuam, d acordo com o Cadastro Básico d Slção da Amostra da Psquisa, sgundo os sguints critérios: Estrato crto: mprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas; Estrato grncial: mprsas com mnos d 20 pssoas ocupadas qu atuam m mais d uma Unidad da Fdração; Notas técnicas

13 Estrato amostrado: mprsas com mnos d 20 pssoas ocupadas qu atuam m apnas uma Unidad da Fdração. Cab rssaltar qu xistm algumas xcçõs: mprsas qu, no Cadastro Básico d Slção da Amostra da Psquisa, possum mnos d 20 pssoas ocupadas são incluídas no strato crto quando aprsntam rcita no msmo patamar das mprsas do strato crto da Psquisa do ano antrior. Na composição dos stratos naturais da PAC, as mprsas comrciais dos Estados d Minas Grais, Rio d Janiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina Rio Grand do Sul foram classificadas a quatro dígitos da CNAE 1.0, com xcção das mprsas prtncnts às atividads listadas no Quadro 1 a sguir, qu foram classificadas a três dígitos da CNAE 1.0. Para as dmais Unidads da Fdração, as mprsas da amostra foram classificadas a três dígitos da CNAE 1.0. Quadro 1 - Atividads dfinidas a 3 dígitos da CNAE 1.0 nos Estados d Minas Grais, Rio d Janiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina Rio Grand do Sul CNAE 1.0 Dscrição Comércio atacadista d matérias-primas agrícolas, animais vivos; Produtos alimntícios para animais Comércio atacadista d máquinas, aparlhos quipamntos para uso agropcuário, comrcial, d scritório, industrial, técnico profissional 51.9 Comércio atacadista d mrcadorias m gral ou não comprndidas nos grupos 51.2 até Comércio varjista não-spcializado 52.2 Comércio varjista d produtos alimntícios, bbidas fumo 52.3 Comércio varjista d tcidos, artigos d armarinho, vstuário calçados Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. Cálculo do tamanho da amostra Os tamanhos amostrais foram calculados m cada strato final amostrado d forma a assgurar qu o stimador do total d pssoal ocupado m cada strato natural tivss um coficint d variação d 12%. Foi arbitrado pla PAC um númro mínimo d 5 mprsas para o tamanho amostral d cada strato amostrado, arrdondando-os para cima m caso d valors fracionários. Com isso, as mprsas dos stratos amostrados com mnos d 5 unidads na população também foram incluídas na amostra com crtza. Das mprsas comrciais qu compusram o cadastro d slção da PAC, (2,57%) foram slcionadas, das quais (66,33%) são do strato crto, 2 368(4,31%) são do strato grncial (29,36%) do strato amostrado. Control da amostra O sistma d control da amostra dsnvolvido para a PAC comprnd os sguints pontos: acompanhamnto tratamnto das situaçõs opracionais das mprsas (m funcionamnto, paralisada, tc.) no ano d rfrência casos d não-rsposta total; Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

14 acompanhamnto tratamnto das mudanças d atividad das mprsas; acompanhamnto tratamnto das mudanças struturais (fusão, cisão, tc.) ocorridas nas mprsas ao longo do ano d rfrência; acompanhamnto tratamnto dos casos d stratos rarfitos. Para a idntificação dos pontos dscritos acima, criou-s um conjunto d códigos dnominado Situaçõs d Colta da PAC 2. Tal conjunto é aprsntado no Quadro 2. Quadro 2 - Situaçõs d Colta utilizadas na Psquisa Anual d Comércio - PAC 2004 Código Dscrição Aplicadas aos qustionários 01 Em opração 03 Paralisada com informação d rcita 04 Extinta com informação d rcita 02 Em implantação 05 Paralisada sm informação 06 Extinta sm informação 07 Extinta até dzmbro d 2003 dvido à fusão, cisão total ou incorporação 08 Atividad fora do âmbito da psquisa (não rvnd mrcadorias) 09 Mudança para ndrço ignorado 10 Endrço inxistnt ou incomplto 11 Impossibilitada d prstar informaçõs 15 Emprsa slcionada fora do âmbito gográfico da Rgião Nort 17 Emprsa constituída juridicamnt, porém nunca funcionou 00 Emprsa nova (1) Aplicadas às Folhas d Atualização Cadastral - FACs Aplicada intrnamnt aos rgistros no cadastro d informants da psquisa Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. (1) Considra-s como nova uma mprsa qu não prtnc à amostra, mas tnha surgido através d mudança strutural d uma mprsa slcionada. Essas situaçõs d colta dram origm a cinco tratamntos aplicados aos dados na tapa d xpansão dos dados, dscritos a sguir: 1 - Expansão normal Consist m mantr a mprsa no strato final a qu prtnc. Est tratamnto é aplicado às mprsas qu aprsntam situação d colta 01, 03 ou Expansão normal com atribuição d zros Consist m atribuir zro a todas as variávis qu não possum informaçõs mantr a mprsa no strato final a qu prtnc. 2 Para maiors sclarcimntos sobr as situaçõs d colta da PAC vr Ribiro outros (1997). Notas técnicas

15 Est tratamnto é aplicado às mprsas qu aprsntam situação d colta 02, 05, 06 ou Rtirar da amostra Consist m rtirar a mprsa da contagm do tamanho da amostra do strato final a qu prtnc, mantndo-a na contagm do tamanho da população. Est tratamnto é aplicado às mprsas qu aprsntam situação d colta 09, 10 ou Rtirar do univrso da amostra Consist m rtirar a mprsa da contagm do tamanho da amostra do univrso do strato final a qu prtnc. Est tratamnto é aplicado às mprsas qu aprsntam situação d colta 08, 15 ou Emprsa Nova Consist m alocar a mprsa com pso amostral 1 ao strato natural (Unidad da Fdração x atividad) ao qual a mprsa prtnc. Est tratamnto é aplicado às mprsas qu aprsntam situação d colta 00. Cálculo das stimativas Para a PAC, prtnd-s obtr stimativas das variávis d intrss para subconjuntos da população-alvo qu podm sr distintos daquls dfinidos como stratos natural final no dsnho amostral. No caso, por xmplo, das stimativas por faixa d pssoal ocupado das mprsas, dsja-s divulgar rsultados para o nívl Brasil das mprsas classificadas a quatro dígitos da CNAE 1.0. Entrtanto, os subconjuntos da população (stratos) para os quais s controlou a prcisão das stimativas foram os cruzamntos d Unidad da Fdração por classificação d atividad a 3 ou 4 dígitos, d acordo com o spcificado no planjamnto da amostra. Em situaçõs como ssa podm sr obtidas stimativas para totais dos domínios d intrss, bm como stimativas por agrgação d stratos, a fim d atingir o nívl d agrgação dsjado na psquisa. Todas as mprsas da amostra, na tapa d slção, rcbm um pso amostral básico, dado pla razão ntr o tamanho da população o tamanho da amostra no strato final corrspondnt. Na fas d control da amostra, sss psos podm sofrr altraçõs, d forma a incorporar todas as corrçõs dcorrnts dos tratamntos das situaçõs d colta, passando a sr o pso associado à mprsa i do strato final h, após a fas d control d amostra. A mprsa qu rtorna com uma classificação difrnt daqula na qual foi slcionada, é xpandida na classificação d rtorno com o pso rlativo à classificação d slção. O acompanhamnto d stratos rarfitos é ncssário para garantir a possibilidad d stimar variâncias coficints d variação das stimativas d total, o qu rqur plo mnos duas unidads informants por strato. Quando sta condição não é atndida, stratos smlhants são agrgados para a xpansão. Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

16 Na xpansão da amostra da PAC, são utilizados dois tipos d stimadors: o stimador d rgrssão o stimador simpls, para obtr totais para as variávis d intrss. O stimador d rgrssão considra as variávis pssoal ocupado salário, disponívis no cadastro básico d slção, como variávis auxiliars. A opção por adotar st stimador na xpansão da PAC tm por objtivo garantir qu o total stimado d cada variávl auxiliar, com bas na amostra, sja igual ao total dsta msma variávl no cadastro d slção (propridad d calibração). Além disso, st stimador rsulta m stimativas mais prcisas para os totais das variávis d intrss. O stimador simpls é utilizado apnas m duas situaçõs: quando o númro d mprsas rspondnts no strato final ra mnor qu cinco unidads ou quando o stimador d rgrssão aprsntou pso ngativo para alguma mprsa no strato final. Todos os cálculos ncssários para a stimação dos totais das variávis d intrss são smpr xcutados d forma indpndnt dntro d cada strato final da xpansão. Os valors ncontrados nsts stratos são somados para obtr as stimativas d intrss. O stimador do total da variávl d psquisa y para um dtrminado domínio D num strato final h é dado por Silva outros (1999): Notas técnicas

17 Um stimador da variância do stimador d total da variávl y no domínio D do strato final h é dado por: Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

18 As stimativas d total da variávl y rfrnts a um dtrminado domínio D, da variância do coficint d variação (m prcntual), são obtidas, rspctivamnt, através dos sguints stimadors: Quadro 3 - Faixas d coficint d variação Intrvalo d valors d CV Indicador Concito Zro Z Exata Até 5% A Ótima Mais d 5 a 15% B Boa Mais d 15 a 30% C Razoávl Mais d 30 a 50% D Pouco prcisa Mais d 50% E Imprcisa Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. Para o volum com os rsultados da PAC, publicado anualmnt, são calculados os coficints d variação (CV) das stimativas para variávis das Tablas d Rsultados 1, 2, 3, 4 5. Os coficints d variação das dmais stimativas podrão sr solicitados ao IBGE, no ndrço ltrônico Cada faixa d variação corrspond a uma ltra, conform intrvalos dfinidos no Quadro 3. Dissminação dos rsultados Existm três mios d dissminação dos rsultados da PAC, a sabr: publicação m papl, CD-ROM ncartado na publicação a Intrnt. O CD-ROM traz os rsultados dos dois últimos anos atualizados. Na Intrnt (www.ibg.gov.br), são disponibilizados o contúdo do CD-ROM, além do SIDRA Sistma IBGE d rcupração automática. Esta publicação stá struturada da sguint forma: Part 1 - Total das mprsas comrciais; Part 2 - Emprsas com 20 ou mais pssoas ocupadas Conform listado no Anxo 1, a sção G da CNAE 1.0 stá organizada m 3 Divisõs (2 dígitos), 16 Grupos (3 dígitos) 59 Classs (4 dígitos). Para fito d tabulação divulgação dos rsultados da PAC 2004 nst volum, adotou-s o dtalhamnto spcificado nos Quadros 4, 5 6, a sguir: Quadro 4 - Comércio d vículos motocicltas comércio a varjo d combustívis Dnominação Código CNAE 1.0 Vículos automotors Pças para vículos Motocicltas, pças acssórios Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. Notas técnicas

19 Quadro 5 - Comércio por atacado Dnominação Código CNAE 1.0 Produtos agropcuários in natura, produtos alimntícios para animais 51.2 Produtos alimntícios, bbidas fumo 51.3 Artigos d uso pssoal doméstico Fios têxtis, tcidos, artfatos d tcido d armarinho Artigos do vstuário complmntos Calçados Eltrodomésticos outros artigos d uso pssoal doméstico Produtos farmacêutico, médico, ortopédico, odontológico, cosmético vtrinário Artigos d scritório d paplaria, papl, paplão sus artfatos; livros, jornais outras publicaçõs Outros artigos d uso pssoal doméstico Comércio d produtos intrmdiários, rsíduos sucatas Combustívis lubrificants Produtos xtrativos d origm minral Madira, matrial d construção, frragns, tc Produtos químicos, adubos frtilizants Rsíduos sucatas Outros produtos Comércio d máquinas, aparlhos quipamntos para uso agropcuário, comrcial, industrial para fins profissionais 51.6 Comércio d mrcadorias m gral 51.9 Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. Quadro 6 - Comércio varjista Dnominação Código CNAE 1.0 Comércio não-spcializado Hiprmrcados suprmrcados Outros tipos d comércio não-spcializado com prdominância d produtos alimntícios Comércio não-spcializado sm prdominância d produtos alimntícios Produtos alimntícios, bbidas fumo 52.2 Tcidos, artigos d armarinho, vstuário calçados Tcidos artigos d armarinho Artigos do vstuário complmntos Calçados, artigos d couro viagns Combustívis lubrificants Comércio d outros produtos m lojas spcializadas Produtos farmacêutico, médico, ortopédico, d prfumaria, cosmético vtrinário Máquinas aparlhos d uso doméstico pssoal, discos, instrumntos musicais, tc Móvis, artigos d iluminação outros artigos d rsidência Matrial d construção, frragns, frramntas manuais produtos mtalúrgicos; vidros, splhos vitrais; tintas madiras Equipamntos matrial d scritório, informática comunicação Livros, jornais, rvistas paplaria Gás liqüfito d ptrólo (GLP) Outros produtos Comércio d artigos usados Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d Srviços Comércio. Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

20 As mprsas do grupo comércio varjista não ralizado m lojas da CNAE foram ralocadas nas classs spcíficas do comércio varjista ralizado m lojas (grupos 52.1 a 52.5) até a PAC ano d rfrência Optou-s, portanto, por não distinguir, no Comércio Varjista, a atividad sgundo a forma d comrcialização m loja ou fora d loja (catálogo, domicílio, Intrnt, dntr outras), mas por tipo d produto/mrcado atingido. Tal opção rsultou da constatação d: (1) subnumração d mprsas comrciais varjistas d grand port qu xrcm atividads fora d loja, classificadas m função dos produtos comrcializados no varjo spcializado, não priorizando, portanto, a forma d comrcialização; (2) não prdr a idntificação do tipo d produto/mrcado d atuação da mprsa. Para tratar sta qustão, a PAC, a partir da psquisa ano-bas 2001, invstiga, m capítulo próprio, o sistma d comrcialização das mprsas qu atuam prdominantmnt no comércio varjista, no qual as mprsas rgistram, m trmos prcntuais, a parcla da rcita líquida d rvnda obtida m lojas (inclusiv postos d combustívis boxs m mrcados), fora d lojas (quiosqus traillrs), corrio, porta a porta, Intrnt, tlvndas máquinas automáticas (Tablas d Rsultados 9 10). Com a rformulação da CNAE, as psquisas a partir do ano-bas 2003 prscindm dst procdimnto, pois a classificação das mprsas por tipo d produto/mrcado atingido foi incorporada à strutura da classificação, o contúdo do grupo 52.6 foi altrado. Os códigos qu compõm o grupo 52.6 na CNAE 1.0 ( Comércio m vias públicas Outras atividads d comércio varjista) stão fora do âmbito d atividads da PAC. Podm ocorrr pqunas difrnças ntr os totais aprsntados a soma das parclas intgrants m uma msma tabla, dvido aos critérios d arrdondamnto, uma vz qu os dados d rcita, custos dspsas são informados m mil rais. É também possívl obtr tabulaçõs spciais das informaçõs da psquisa. O dsnho amostral da PAC prmit stimativas das variávis psquisadas no nívl mais dsagrgado da Classificação (4 dígitos da CNAE 1.0) para as Unidads da Fdração. Para tanto, os intrssados dvrão ncaminhar suas solicitaçõs ao Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs - CDDI, Rua Gnral Canabarro, CEP: Maracanã - Rio d Janiro - RJ. Atndimnto tlfônico: , Fax (0XX21) Rgras d dsidntificação Com o objtivo d assgurar o sigilo das informaçõs individualizadas dos informants da psquisa, d acordo com a lgislação vignt, são adotadas rgras d dsidntificação na divulgação d rsultados da PAC. Quando para um dtrminado dtalhamnto da atividad, dfinido para rcort rgional spcífico /ou classs d tamanho d mprsas, xistir apnas uma ou duas mprsas, todas as informaçõs da linha corrspondnt são assinaladas com (x), o msmo procdimnto é adotado para todas as informaçõs d outra linha idntificada como a d mnor rcita líquida d rvnda. Concituação das variávis invstigadas A PAC raliza lvantamnto d informaçõs conômico-financiras qu subsidiam o sistma d contas nacionais nas stimativas d valor da produção, consumo intrmdiário, volum composição do valor adicionado, xcdnt opracional, formação d capital pssoal ocupado. A sguir, são aprsntados os concitos das principais variávis invstigadas na psquisa. Notas técnicas

21 Variávis invstigadas nas mprsas aquisiçõs d ativos tangívis Corrspondm aos rcursos aplicados no ano m bns d prmanência duradoura dstinados ao funcionamnto normal da mprsa, bm como ao valor d mlhoramntos bnfitorias qu tnham aumntado a vida útil dos bns. As aquisiçõs d ativos tangívis foram discriminadas nos sguints itns: trrnos dificaçõs, máquinas, quipamntos instalaçõs (inclusiv procssamnto d dados); mios d transport; outros (móvis utnsílios tc). baixas do ativo imobilizado/tangívl Corrspondm aos valors rsiduais dos bns alinados, ou sja, aos custos d aquisição dduzidos das dprciaçõs acumuladas atualizadas montariamnt. As baixas foram discriminadas nos sguints itns: trrnos dificaçõs, máquinas, quipamntos instalaçõs (inclusiv procssamnto d dados); mios d transport; outros (móvis utnsílios tc). bnfícios concdidos aos mprgados São dspsas com val-transport, auxílioalimntação, auxílio-ducação, planos d saúd, auxílio-donça, sguro d vida m grupo tc. comissõs pagas a rprsntants comrciais Corrspondm aos valors pagos a mprsas d rprsntação comrcial ou a vnddors autônomos, sm vínculo mprgatício, pla vnda d mrcadorias d propridad da mprsa. compras Corrspondm ao valor d aquisição d mrcadorias para rvnda no mrcado intrno xtrno, pagas à vista ou a prazo, bm como matérias-primas para fabricação própria, matrial d mbalagm outros matriais (d rposição, pças tc). No valor das compras stão incluídas as dspsas d sguro, d armaznagm d transport até o stablcimnto, os impostos não-rcuprávis as taxas aduaniras, além d comissõs comrciais pagas a trciros pla aquisição das mrcadorias. Estão xcluídos as dvoluçõs, abatimntos dscontos obtidos, o ICMS o IPI quando rcuprávis. As compras foram discriminadas da sguint forma: mrcadorias para rvnda (inclusiv mrcadorias para cooprados); matérias-primas para fabricação própria, matrial d mbalagm outros matriais (d rposição, pças tc). contribuiçõs para a prvidência privada São dspsas do mprgador rlativas a contribuiçõs para fundos d pnsão para complmntação da aposntadoria do mprgado. contribuiçõs para a prvidência social São dspsas rfrnts à part do mprgador, d comptência do ano d rfrência da psquisa, indpndntmnt d trm sido pagas ou não. custo das mrcadorias vndidas Corrspond ao valor contábil apurado pla quação compras + stoqu inicial - stoqu final rgistrado na Dmonstração d Rsultados. dduçõs São valors dduzidos dirtamnt da Rcita opracional bruta da mprsa, tais como: vndas cancladas, abatimntos dscontos incondicionais, SIMPLES, ICMS sobr vndas outros impostos contribuiçõs sobr vndas srviços (IPI, ISS, PIS, COFINS tc). dspsas com arrndamnto mrcantil (lasing) d máquinas, quipamntos vículos São dspsas dcorrnts do pagamnto do contrato d cssão, para o uso d máquinas, quipamntos vículos d trciros, com opção do arrndatário adquirir o bm, no fim do contrato, plo valor rsidual fixo. Psquisa Anual d Comércio, v.16, 2004

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ISSN 1519-8006 A P ESQUISA NUAL DE S rviços 2 0 0 1 volum 3 IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Sérgio Bssrman Vianna Dirtor Excutivo Nuno

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística i conomia nformal u 2003 rbana IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone Tabla d Prços C PRODUTO Dscritivo Insumos Consultas d Balcão Consulta com imprssão d xtrato simplificado d rgistros, com composição idêntica à Dclaração Consumidor SóChqu Confirm PJ Confirmação dos dados

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Relação de Anexos do Simples Nacional

Relação de Anexos do Simples Nacional Rlação d Anxos do Simpls Nacional ANEXO I Partilha do Simpls Nacional Comércio (Rdação dada pla Li Complmntar nº 139, d 2011 - produção d fitos a partir d 1º d janiro d 2012). Rcita Bruta m 12 mss (m R$)

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE RJ-BIE-2011/00060 Publicação Diária - Data: 31/03/2011 SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE PORTARIA Nº RJ-PGD-2011/00012 d 28 d março d 2011 PORTARIAS PGD O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnta da Rpública Dilma Roussff Ministra do Planjamnto, Orçamnto Gstão Miriam Blchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnta Wasmália Bivar Dirtor-Excutivo Nuno Duart da Costa

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas

Custos e despesas total. Número de. de pessoal. empresas ativas Tabla 1.7 - Estrutura dos custos dspsas s mprsas industriais com 5 ou mais pssoas ocupas, sgundo as divisõs os grupos d ativids - Brasil - 2012 Unid d invstigação: Emprsa (continua) Divisõs grupos d ativids

Leia mais

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial

Regime de Previdência dos Servidores Públicos: Equilíbrio Financeiro e Justiça Atuarial Rgim d Prvidência dos Srvidors Públicos: Equilíbrio Financiro Justiça Atuarial Rynaldo Frnands * rfrnan@usp.br rynaldo.frnands@faznda.gov.br Rodovia BR 251, Km 4, Bloco A, Brasília DF Tl (61) 412616 Amaury

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Frnando Hnriqu Cardoso Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Martus Antônio Rodrigus Tavars INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009 Cartão o d Crédito: Custos das Opraçõ çõs no Brasil Audiência Pública Câmara dos Dputados CFT dzmbro d 2009 Instrumntos d Pagamnto Quantidad d transaçõ çõs Evoluçã ção Milhõs d transaçõ çõs 2 Intrbancários

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Nº 193, quinta-fira, 8 d outubro d 2015 1 ISSN 1677-7042 31 I - fatos rlacionados às atividads das socidads sguradoras d capitalização; ntidads abrtas d prvidência complmntar; socidads cooprativas, nas

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. DOE 29.11.2013, p.51, Municipalidads DOEL-TCEES 29.11.2013 Edição nº 62, p. 1 Dispõ sobr a composição a forma d nvio das tomadas prstaçõs d contas

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p s squisa n anamnto acional d b 0 0 8 ásico IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva Prsidnt

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA.

ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA. ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA. REF.: VIABILIZAÇÃO A AÇÃO FISCAL - Qubra da bas sindical, Rdução d salário, Aumnto d jornada d trabalho,

Leia mais

Protocolo n.º 11/001894

Protocolo n.º 11/001894 O SESI/PR Srviço Social da Indústria, adiant dsignado simplsmnt SESI/PR, com sd na Rua Cândido d Abru, nº. 200, nsta Capital, torna público o prsnt rgulamnto d crdnciamnto para laboração do documnto bas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores - Grência Rgional do Trabalho Emprgo d Santos - Rconhcido pla Portaria Nº 556-MTE-DRTSP d 11 d Dzmbro d 2003 1 A Estranha Arquittura Política para aprovar o PL 4302/98 qu trai os intrsss dos Trabalhadors

Leia mais