IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística"

Transcrição

1 IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística

2 Prsidnt da Rpública Frnando Hnriqu Cardoso Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Martus Antônio Rodrigus Tavars INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Sérgio Bssrman Vianna Dirtor Excutivo Nuno Duart da Costa Bittncourt ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Dirtoria d Psquisas Maria Martha Malard Mayr Dirtoria d Gociências Guido Glli Dirtoria d Informática Paulo Robrto Ribiro da Cunha Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs David Wu Tai Escola Nacional d Ciências Estatísticas Kaizô Iwakami Bltrão UNIDADE RESPONSÁVEL Dirtoria d Psquisas Dpartamnto d População Indicadors Sociais Luiz Antônio Pinto d Olivira

3 Ministério do Planjamnto, Orçamnto Gstão Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE Dirtoria d Psquisas Dpartamnto d População Indicadors Sociais Psquisa nacional d sanamnto básico 2000 Rio d Janiro 2002

4 Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE Av. Franklin Roosvlt, Cntro Rio d Janiro, RJ - Brasil ISBN (CD-ROM) ISBN (mio imprsso) IBGE Elaboração do arquivo PDF Robrto Cavararo Capa Rnato J. Aguiar - Grência d Criação/Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs - CDDI

5 Sumário Aprsntação Introdução Notas técnicas Objtivo Abrangência dmográfica Data d rfrência Rfrências básicas Colta das informaçõs Mtodologia Establcimntos qu foram objto da psquisa Notas mtodológicas Ofrta dos srviços d sanamnto básico no Brasil Abastcimnto d água Esgotamnto sanitário Drnagm urbana Limpza urbana colta d lixo

6 Psquisa nacional d sanamnto básico 2000 Tablas d rsultados Abastcimnto d água 1 - Distritos, total com algum srviço d sanamnto básico, por tipo d srviço d sanamnto básico, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total sm rd gral d abastcimnto d água, por principal solução altrnativa, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com srviço d abastcimnto d água, por tipo d constituição jurídica das ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com srviço d abastcimnto d água, por sfra administrativa das ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos, por tipo d captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação suprficial, por xistência tipo d poluição ou contaminação na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço raso, por xistência tipo d poluição ou contaminação na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço profundo, por xistência tipo d poluição ou contaminação na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação suprficial, por xistência forma d protção na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço raso, por xistência forma d protção na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço profundo, por xistência forma d protção na captação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

7 Sumário 12 - Distritos, total abastcidos, com tratamnto da água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos com água provnint d captação suprficial com alguma forma d poluição ou contaminação, com tratamnto da água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos com água provnint d captação d poço raso com alguma forma d poluição ou contaminação, com tratamnto da água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos com água provnint d captação d poço profundo com alguma forma d poluição ou contaminação, com tratamnto da água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos com água provnint d adutora d água bruta, com tratamnto da água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos com água provnint d adutora d água tratada, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação suprficial, por xistência tipo d anális ralizada na água bruta, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço raso, por xistência tipo d anális ralizada na água bruta, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com captação d poço profundo, por xistência tipo d anális ralizada na água bruta, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos por adutora d água bruta, por xistência tipo d anális ralizada na água bruta, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

8 Psquisa nacional d sanamnto básico Volum d água distribuída por dia, com tratamnto d água, por tipo d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Ligaçõs d água, conomias abastcidas, xtnsão da rd distribuidora stação d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com control d qualidad, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam anális na água bruta, por tipo frqüência da anális, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com control d qualidad, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam anális na água tratada, por tipo frqüência da anális, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total cuja água tratada passa por procsso d coagulação química, por dstino do lodo grado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total abastcidos, por xistência motivo do racionamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total ond xist racionamnto d água, por frqüência do racionamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam colta d amostra para anális na rd d distribuição, por tipo frqüência da anális, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, por ralização da vigilância da qualidad da água pla Scrtaria Estadual d Saúd, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, por cobrança plo srviço d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

9 Sumário 32 - Distritos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água stablcm tarifa mínima para consumo d água, por faixa d volum d consumo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam programa d control d prdas d água, por tipo d control, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam programa d control d prdas d faturamnto, por prcntual d prdas faturadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, por xistência localização dos macromdidors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, por xistência d fluor na água distribuída no distrito, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água adicionam flúor na água distribuída no distrito, por tipo d composto utilizado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água adicionam flúor na água distribuída no distrito, por tmpo d xistência da fluortação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água adicionam flúor na água distribuída no distrito, por xistência tmpo d intrrupção da fluortação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos com água fluortada, por xistência d pontos d control ou monitoramnto da fluortação, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

10 Psquisa nacional d sanamnto básico Distritos abastcidos com água fluortada, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam control ou monitoramnto da fluortação, por frqüência da anális da concntração d flúor na água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos abastcidos com água fluortada, cujas ntidads prstadoras d srviço d abastcimnto d água ralizam control ou monitoramnto da fluortação, por concntração d flúor na água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com rd d distribuição d água, por ralização local ond stão sndo fitas ampliaçõs ou mlhorias no sistma d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Pssoal ocupado no srviço d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com srviço d abastcimnto d água, por xistência tipo d srviço d atndimnto ao público dispnsado pla ntidad prstadora d srviço d abastcimnto d água, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Esgotamnto sanitário 46 - Distritos, total sm rd coltora d sgoto, por principal solução altrnativa, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário, por tipo d constituição jurídica das ntidads prstadoras d srviço d sgotamnto sanitário, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário, por sfra administrativa das ntidads prstadoras d srviço d sgotamnto sanitário, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com colta d sgoto sanitário, por tipo d rd coltora, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

11 Sumário 50 - Distritos com colta d sgoto sanitário, com tratamnto d sgoto sanitário sm tratamnto d sgoto sanitário, por tipo d corpos rcptors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com tratamnto d sgoto sanitário, por tipo d sistma d tratamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com tratamnto d sgoto sanitário, por xistência tipo d tratamnto complmntar, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios das Capitais Distritos com tratamnto d sgoto sanitário, por xistência tipo d tratamnto do lodo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Ligaçõs d sgoto, conomias sgotadas, volum d sgoto coltado volum d sgoto tratado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total, com colta d sgoto sanitário qu utilizam missário para lançamnto d sgoto sanitário, por tipo d corpos rcptors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos, total com colta d sgoto sanitário, por númro d ligaçõs d sgoto sanitário númro d conomias sgotadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Ligaçõs d sgoto, conomias sgotadas, xtnsão da rd coltora volum d sgoto tratado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário com xistência d intrcptors, por númro d intrcptors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos qu possum colta d sgoto sanitário com uso a jusant dos principais corpos rcptors do sgoto sanitário, por tipo d uso dos corpos rcptors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

12 Psquisa nacional d sanamnto básico Distritos com tratamnto d sgoto sanitário, por dstino do lodo grado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário, por xistência forma d cobrança do srviço d sgotamnto sanitário, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com cobrança do srviço d sgotamnto sanitário proporcional ao valor da conta d água, por prcntuais da tarifa cobrada, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário, por ralização unidad do sistma d sgotamnto sanitário ond stão sndo fitas ampliaçõs ou mlhorias, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Pssoal ocupado no srviço d sgotamnto sanitário, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com colta d sgoto sanitário, por xistência tipo d srviço d atndimnto ao público dispnsado pla ntidad prstadora d srviço d sgotamnto sanitário, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Drnagm urbana 66 - Entidads prstadoras d srviços d drnagm urbana, por tipo d constituição jurídica, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Entidads prstadoras d srviços d drnagm urbana, por sfra administrativa, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por vínculo d scrtaria ou stor, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por xistência d lgislação municipal qu xig a aprovação implantação d sistma d drnagm pluvial para lotamntos novos /ou populars, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

13 Sumário 70 - Municípios, total qu possum instrumntos rguladors do srviço d drnagm urbana, por tipo d instrumnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por prcntual do orçamnto dstinado a drnagm urbana, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total qu concdm a grência do srviço d drnagm urbana a mpritiras, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com sistma d drnagm subtrrâno, por tipo d rd coltora, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com sistma d drnagm subtrrâno, por tipo d rd, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Extnsão da rd d drnagm urbana, por tipo d rd, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por pontos d lançamnto da rd, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total qu possum bacias d dtnção ou amortcimnto, por númro d bacias, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por xistência d assoramnto da rd d drnagm, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, cujas ntidads dispõm d informaçõs pluviométricas/ mtorológicas, por utilização das informaçõs, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

14 Psquisa nacional d sanamnto básico Municípios, total com srviço d drnagm urbana, cujas ntidads ralizam manutnção no sistma, por tipo d atividad dsnvolvida na manutnção, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviço d drnagm urbana, por xistência d pontos d strangulamnto qu rsultam m inundaçõs, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu sofrram inundaçõs ou nchnts nos últimos dois anos, por fators agravants áras ond ocorrram inundaçõs ou nchnts, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu aprsntam problmas d rosão qu aftam o sistma d drnagm urbana, por fators agravants da rosão, ára do município aftada pla rosão, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu tivram problmas d rosão no prímtro urbano nos últimos dois anos, por tipo d rosão, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum ncostas no prímtro urbano, por tipo d situação das ncostas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum áras d risco no prímtro urbano, por tipo d ára d risco, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum ruas pavimntadas no prímtro urbano, por tipo d sistma d drnagm urbana, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum ruas pavimntadas no prímtro urbano, por prcntual d ruas pavimntadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

15 Sumário 89 - Municípios, total os qu possum ruas pavimntadas no prímtro urbano, por prcntual d ruas pavimntadas sm drnagm, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum sistma d drnagm subtrrâna nas ruas pavimntadas, por prcntual d drnagm subtrrâna nas ruas pavimntadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total os qu possum sistma d drnagm suprficial nas ruas pavimntadas, por prcntual d drnagm suprficial nas ruas pavimntadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Pssoal ocupado no srviço d drnagm urbana, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Limpza urbana colta d lixo 93 - Entidads prstadoras d srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por tipo d constituição jurídica, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Entidads prstadoras d srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por sfra administrativa, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Entidads prstadoras d srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por forma d atuação da ntidad, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Entidads prstadoras d srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por função da ntidad prstadora dos srviços, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por situação das ntidads prstadoras dos srviços, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

16 Psquisa nacional d sanamnto básico Municípios, total com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por contratação númro d mprsas particulars contratadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por prcntual do orçamnto municipal dstinado aos srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por xistência forma d cobrança dos srviços, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por prcntual d domicílios com lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por prcntual do orçamnto municipal gasto com pssoal ocupado nos srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por control da disposição do lixo industrial, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por naturza dos srviços, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos-sd com srviço d colta d lixo rsidncial, por frqüência d atndimnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos-sd com srviço d colta d lixo comrcial, por frqüência d atndimnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

17 Sumário Distritos-sd com srviço d colta d lixo nas vias logradouros públicos, por frqüência d atndimnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos-sd com sistma d varrição capina das vias públicas, por tipo d sistma d varrição capina, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Distritos com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por unidads d dstinação final do lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Quantidad diária d lixo coltado, por unidad d dstino final do lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios, total qu utilizam stação d transfrência, por quantidad d lixo transfrido, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu coltam lixo séptico d unidads d saúd, por dstinação do lixo séptico, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu coltam lixo séptico d unidads d saúd, por xistência tipo d tratamnto do lixo séptico, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu coltam lixo séptico d unidads d saúd, por frqüência d atndimnto quantidad d lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu coltam lixo industrial, por dstinação do lixo industrial, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu coltam lixo industrial, por frqüência d atndimnto quantidad d lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

18 Psquisa nacional d sanamnto básico Municípios com srviço d colta d lixo, por xistência d ára no município para a disposição final dos rsíduos, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo, qu possum áras para disposição final dos rsíduos, por propridad das áras utilizadas, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo, qu possum áras para disposição final dos rsíduos, por localização d dstino do lixo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo, qu possum áras para disposição final dos rsíduos, por xistência d rcbimnto d lixo d outro município quantidad d lixo rcbido, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por xistência d catadors nas unidads d dstino final do lixo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Catadors d lixo nas unidads d dstino final do lixo, por grupos d idad, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios qu têm conhcimnto da xistência d catadors nas unidads d dstino final do lixo, por xistência tipo d trabalho dsnvolvido com os catadors, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por xistência d rsidências nas unidads d dstino final do lixo, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Pssoas qu rsidm nos lixõs, por grupos d idad, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

19 Sumário Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por situação da colta sltiva no município, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo sltiva intrrompida, por motivo da intrrupção da colta sltiva, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Entidads qu participaram d algum projto d colta d lixo sltiva no município, por tipo d participação no projto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo sltiva, por tipo d matrial rcuprado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo sltiva, por dstinação do matrial coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo sltiva, por principal rcptor da colta sltiva, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios das Capitais Municípios com srviço d colta d lixo sltiva, por ára d abrangência, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviço d colta d lixo sltiva, por númro stimado d rsidências quantidad d lixo coltado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Númro d vículos quipamntos utilizados nos srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por tipo d quipamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Pssoal ocupado nos srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, com indicação do srviço xcutado, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas

20 Psquisa nacional d sanamnto básico Entidads prstadoras d srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, total qu ofrcm quipamntos d protção individual, por tipo d quipamnto, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Municípios com srviços d limpza urbana /ou colta d lixo, por xistência d srviço d atndimnto ao público, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Rfrências bibliográficas Glossário Anxos Tabla 1 - Municípios distritos, sgundo as Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas Quadro 1 - Municípios qu compõm as Rgiõs Mtropolitanas Apêndics Qustionários da Psquisa Nacional d Sanamnto Básico 2000 Lvantamnto Municipal dos Srviços d Sanamnto Básico - LMSB Convnçõs - Dado numérico igual a zro não rsultant d arrdondamnto;.. Não s aplica dado numérico;... Dado numérico não disponívl; x Dado numérico omitido a fim d vitar a individualização da informação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt positivo; -0; -0,0; -0,00 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt ngativo.

21 Aprsntação O Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE -, com a prsnt publicação, divulga os rsultados da Psquisa Nacional d Sanamnto Básico - PNSB -, ralizada no ano d A PNSB invstigou as condiçõs d sanamnto básico d todos os municípios brasiliros, através da atuação dos órgãos públicos mprsas privadas, prmitindo uma avaliação sobr a ofrta a qualidad dos srviços prstados também análiss das condiçõs ambintais suas implicaçõs dirtas com a saúd a qualidad d vida da população. A psquisa foi ralizada m convênio com a Scrtaria Espcial d Dsnvolvimnto Urbano da Prsidência da Rpública - SEDU/PR, a Fundação Nacional d Saúd - FUNASA - a Caixa Econômica Fdral - CAIXA. As informaçõs aprsntadas nsta publicação, sob a forma d tablas gráficos, traçam um prfil da ofrta d srviços d sanamnto básico no Brasil, com rsultados até o nívl gográfico d distritos, prmitindo uma avaliação pormnorizada da cobrtura a qualidad dos srviços prstados. Tais rsultados prmitirão a idntificação d dmandas rgionais d invstimntos públicos, além d rvlarm uma fotografia atual dtalhada da ofrta d srviços mais importants na idntificação das condiçõs d vida da população, com impactos dirtos na saúd d cada cidadão. O Plano Tabular dsta publicação divulga as informaçõs invstigadas nas prfituras municipais, qu ralizam os srviços d abastcimnto d água, sgotamnto sanitário, drnagm urbana limpza urbana /ou colta d lixo das mprsas qu são contratadas para a ralização dst srviço. Tais informaçõs stão aprsntadas para o total do País, Grands Rgiõs, Unidads da Fdração, Rgiõs Mtropolitanas. Está sndo divulgado também um CD-ROM, ncartado a sta publicação, com informaçõs até o nívl distrital. As informaçõs da PNSB starão disponívis na hom pag do IBGE no ndrço Maria Martha Malard Mayr Dirtora d Psquisas

22 Introdução O primiro lvantamnto nacional sobr sanamnto básico no Brasil foi ralizado m 1974, através d convênio clbrado ntr o Ministério da Saúd o IBGE, cabndo ao IBGE somnt a rsponsabilidad pla opração d colta. Em 1977, com a rnovação do convênio, nova invstigação foi ralizada o IBGE passou a s rsponsabilizar por todas as tapas da psquisa (planjamnto, colta apuração dos dados) dfiniu-s uma priodicidad trinal para a invstigação. Em a psquisa não foi ralizada. Em 1988, acontcu uma profunda rformulação para a colta no ano sguint (1989), m qu foram considradas as xpriências antriors contmplaram-s sugstõs d ntidads públicas privadas prstadoras d srviços, psquisadors, instituiçõs d psquisas, ntidads rprsntativas do stor informants. Em 1999, o IBGE clbrou novo convênio, com o apoio da Scrtaria Espcial d Dsnvolvimnto Urbano da Prsidência da Rpública - SEDU/PR, a Fundação Nacional d Saúd - FUNASA - a Caixa Econômica Fdral - CAIXA-, ralizou, no primiro smstr d 2000, a Psquisa Nacional d Sanamnto Básico PNSB -, qu contou, também, com a colaboração da Organização Panamricana d Saúd - OPAS - para o planjamnto xcução da psquisa. A PNSB/2000 foi mais abrangnt, incorporando novas variávis um novo tma, Drnagm Urbana, aos tmas já psquisados m 1989: Abastcimnto d Água, Esgotamnto Sanitário Limpza Urbana Colta d Lixo. A rformulação foi fita a partir da xpriência adquirida com a PNSB 1989, objtivando atndr a maioria das dmandas fitas por órgãos técnicos nvolvidos com o tma da psquisa, m fac das transformaçõs ocorridas no stor ao longo dos anos, procurando prnchr lacunas vrificadas na psquisa antrior.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p s squisa n anamnto acional d b 0 0 8 ásico IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva Prsidnt

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p s squisa n anamnto acional d b 2008 ásico IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnta da Rpública Dilma Roussff Ministra do Planjamnto, Orçamnto Gstão Miriam Blchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnta Wasmália Bivar Dirtor-Excutivo Nuno Duart da Costa

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição. Definição de Saúde Pública

SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição. Definição de Saúde Pública SANEAMENTO Dfinição É o control d todos os fators do mio físico do homm, qu xrcm ou podm xrcr fitos nocivos sobr su bm star físico, mntal social (OMS) Srviços d Sanamnto abastcimnto d água (qualidad quantidad)

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Sérgio Bssrman Vianna Dirtor Excutivo Nuno

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística i conomia nformal u 2003 rbana IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES OBJETIVO GERAL Assgurar prmanntmnt a manutnção das populaçõs a distribuição gográfica das várias spécis d Cracida Odontophorida. Atnção spcial srá dada aos táxons amaçados

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA 1. Disposiçõs Grais A Protção Social Espcial

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

ISSN 1519-8006 P ESQUISA. erviços NUAL DE. volume 3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ISSN 1519-8006 A P ESQUISA NUAL DE S rviços 2 0 0 1 volum 3 IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

PesquisA NacionaL. de Saúde PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS

PesquisA NacionaL. de Saúde PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS PsquisA NacionaL d Saúd 2013 PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Prsidnta da Rpública Dilma Roussff Ministra do Planjamnto,

Leia mais

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ]

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ] GIBI R Glossário Imagns Básicas para Intificaçõs Riscos [ no caso, riscos contaminação um sistma municipal suprimnto água ] A - - Mapa Mapa rgional. rgional. Projção Projção horizontal horizontal corrta

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores - Grência Rgional do Trabalho Emprgo d Santos - Rconhcido pla Portaria Nº 556-MTE-DRTSP d 11 d Dzmbro d 2003 1 A Estranha Arquittura Política para aprovar o PL 4302/98 qu trai os intrsss dos Trabalhadors

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP

UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP Goiânia/GO 19 a /11/01 UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP Admilson Irio Ribiro, Univrsidad Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/ Uso Eficint da Água no stor doméstico Aprovitamnto d águas pluviais 1/ Aprovitamnto d águas pluviais Águas cinzntas águas rsiduais domésticas não fcais. Ex: águas d banhiras, duchs, lavatórios. 2/ Aprovitamnto

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2.

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2. Conslho Univrsitário - CONSUNI Câmara d Ensino Curso d Graduação m Pdagogia da UNIPLAC Quadro d Equivalência para Fins d Aprovitamnto d Estudos ntr duas Estruturas Curriculars Disciplinars ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Notas técnicas. Objetivo

Notas técnicas. Objetivo Notas técnicas A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB-foi realizada pelo Departamento de População e Indicadores Sociais - DEPIS-, da Diretoria de Pesquisas - DPE-, contando com o envolvimento

Leia mais

Implantação do Espanhol como Língua Estrangeira em Dourados MS. Angela Karina Manfio UEMS Ione Vier Dalinghaus UEMS. 1. Para início de conversa

Implantação do Espanhol como Língua Estrangeira em Dourados MS. Angela Karina Manfio UEMS Ione Vier Dalinghaus UEMS. 1. Para início de conversa Implantação do Espanhol como Língua Estrangira m Dourados MS Angla Karina Manfio UEMS Ion Vir Dalinghaus UEMS 1. Para início d convrsa Est trabalho prtnd suscitar uma rflxão sobr situaçõs obsrvadas na

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais