INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE"

Transcrição

1

2 Prsidnta da Rpública Dilma Roussff Ministra do Planjamnto, Orçamnto Gstão Miriam Blchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnta Wasmália Bivar Dirtor-Excutivo Nuno Duart da Costa Bittncourt ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Dirtoria d Psquisas Marcia Maria Mlo Quintslr Dirtoria d Gociências Wadih João Scandar Nto Dirtoria d Informática Paulo César Moras Simõs Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs David Wu Tai Escola Nacional d Ciências Estatísticas Dnis Britz do Nascimnto Silva UNIDADE RESPONSÁVEL Dirtoria d Psquisas Coordnação d População Indicadors Sociais Luiz Antônio Pinto d Olivira

3 Ministério do Planjamnto, Orçamnto Gstão Instituto Brasiliro d Gografia Estatística IBGE Dirtoria d Psquisas Coordnação d População Indicadors Sociais Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais Prfil dos Brasiliros 2011 Rio d Janiro 2012

4 Instituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE Av. Franklin Roosvlt, Cntro Rio d Janiro, RJ - Brasil ISBN (CD-ROM) ISBN (mio imprsso) IBGE Elaboração do arquivo PDF Robrto Cavararo Produção d multimídia Márcia do Rosário Brauns Marisa Sigolo Mndonça Mônica Pimntl Cinlli Ribiro Robrto Cavararo Capa Hlga Szpiz Marcos Balstr Fior Corria - Coordnação d Markting/Cntro d Documntação Dissminação d Informaçõs - CDDI

5 Sumário Aprsntação Introdução Notas técnicas Rcursos humanos das administraçõs municipais Articulaçõs intrinstitucionais Educação Saúd Habitação gstão municipal Diritos humanos Sanamnto básico Tablas d rsultados 1 - Pssoal ocupado na administração dirta, por vínculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios Pssoal ocupado na administração dirta, por vinculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Pssoal ocupado na administração dirta, por scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

6 Prfil dos Brasiliros Pssoal ocupado na administração dirta, por scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Pssoal ocupado na administração dirta, por vínculo mprgatício scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios Pssoal ocupado na administração dirta, por vínculo mprgatício scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por vínculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por vínculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por vínculo mprgatício scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com administração indirta, pssoal ocupado na administração indirta, por vínculo mprgatício scolaridad, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com ralização d concurso nos últimos 24 mss, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com ralização d concurso nos últimos 24 mss, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com articulaçao intrinstitucional, por tipo d articulação parciros, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com articulaçao intrinstitucional, por tipo d articulação parciros, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração 2011

7 Sumário 17 -, total com consórcio público intrmunicipal, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio público intrmunicipal, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com consórcio público com o Estado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio público com o Estado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com consórcio público com a União, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio público com a União, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com consórcio administrativo intrmunicipal, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio administrativo intrmunicipal, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com consórcio administrativo com o Estado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio administrativo com o Estado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com consórcio administrativo com a União, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com consórcio administrativo com a União, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com convênio d parcria com o stor privado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

8 Prfil dos Brasiliros , total com convênio d parcria com o stor privado, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com apoio do stor privado ou d comunidads, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com apoio do stor privado ou d comunidads, por ára da administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d ducação, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d ducação, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Escolaridad do titular do órgão gstor da ducação, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios Escolaridad do titular do órgão gstor da ducação, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Formação d nívl suprior do titular do órgão gstor da ducação, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios Formação d nívl suprior do titular do órgão gstor da ducação, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára da ducação, por sxo grupos d idad do gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára da ducação, por sxo grupos d idad do gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total por forma d organização do sistma municipal d nsino, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total por forma d organização do sistma municipal d nsino, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com programas /ou açõs qu visam a inclusão, por tipo d programa /ou ação, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

9 Sumário 44 -, total com programas /ou açõs qu visam a inclusão, por tipo d programa /ou ação, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Plano Municipal d Educação, por nívis modalidads d nsino abrangidos plo plano, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Plano Municipal d Educação, por nívis modalidads d nsino abrangidos plo plano, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com alguns conslhos rlacionados a política d ducação, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com alguns conslhos rlacionados a política d ducação, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Conslho Municipal d Educação, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Conslho Municipal d Educação, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Fundo Municipal d Educação, por rsponsávl pla gstão do fundo, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Fundo Municipal d Educação, por rsponsávl pla gstão do fundo, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com scola apta a rcbr pssoas com dficiência, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com scola apta a rcbr pssoas com dficiência, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d saúd, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d saúd, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Escolaridad do titular do órgão gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

10 Prfil dos Brasiliros Escolaridad do titular do órgão gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Formação d nívl suprior do titular do órgão gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios Formação d nívl suprior do titular do órgão gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com órgão gstor d saúd, por sxo grupos d idad do gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com órgão gstor d saúd, por sxo grupos d idad do gstor da saúd, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Conslho Municipal d Saúd, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Conslho Municipal d Saúd, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Fundo Municipal d Saúd, por gstor do fundo com Plano Municipal d Saúd, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Fundo Municipal d Saúd, por gstor do fundo com Plano Municipal d Saúd, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com alguns stablcimntos d saúd, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com alguns stablcimntos d saúd, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com programa d saúd da família, por númro d quips d profissionais do programa, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com programa d saúd da família, por númro d quips d profissionais do programa, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração 2011

11 Sumário 71 -, total com contratação d srviço privado d saúd, por rsponsávl plo monitoramnto do srviço, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com contratação d srviço privado d saúd, por rsponsávl plo monitoramnto do srviço, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com contratação d srviço privado d saúd fito xclusivamnt com rcursos do município, por tipo d srviço contratrado, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com contratação d srviço privado d saúd fito xclusivamnt com rcursos do município, por tipo d srviço contratrado, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d habitação, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d habitação, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Plano Municipal d Habitação ou qu stão laborando o plano, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Plano Municipal d Habitação ou qu stão laborando o plano, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Conslho Municipal d Habitação, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Conslho Municipal d Habitação, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Fundo Municipal d Habitação, por algumas caractrísticas do fundo, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Fundo Municipal d Habitação, por algumas caractrísticas do fundo, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com cadastro ou lvantamnto d famílias intrssadas m programas habitacionais, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

12 Prfil dos Brasiliros , total com cadastro ou lvantamnto d famílias intrssadas m programas habitacionais, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total, com favlas, mocambos, palafitas ou assmlhados, com cortiços, casas d cômodos ou cabças d porco, com lotamntos irrgulars /ou clandstinos, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total, com favlas, mocambos, palafitas ou assmlhados, com cortiços, casas d cômodos ou cabças d porco, com lotamntos irrgulars /ou clandstinos, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d construção d unidads nos anos d d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d construção d unidads habitacionais nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d aquisição d unidads habitacionais nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d aquisição d unidads habitacionais nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d mlhorias d unidads habitacionais nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d mlhorias d unidads habitacionais nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d ofrta d matrial d construção nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d ofrta d matrial d construção nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração 2011

13 Sumário 95 -, total qu ralizaram programas /ou açõs d ofrta d lots nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d ofrta d lots nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d rgularização fundiária nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d rgularização fundiária nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d urbanização d assntamntos nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d urbanização d assntamntos nos anos d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Plano Municipal d Rdução d Riscos ou qu stão laborando o plano, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Plano Municipal d Rdução d Riscos ou qu stão laborando o plano, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total qu ralizaram programas /ou açõs d grnciamnto d riscos d dslizamntos rcupração ambintal d carátr prvntivo no ano d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total qu ralizaram programas /ou açõs d grnciamnto d riscos d dslizamntos rcupração ambintal d carátr prvntivo no ano d 2010 /ou 2011, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura organizacional xistnt para tratar da política d sanamnto básico, por tipo d strutura, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

14 Prfil dos Brasiliros , total com strutura organizacional xistnt para tratar da política d sanamnto básico, por tipo d strutura, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d sanamnto básico, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d sanamnto básico, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com difrnts órgãos rsponsávis pla gstão da política municipal d sanamnto, por tipo d srviço, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com difrnts órgãos rsponsávis pla gstão da política municipal d sanamnto, por tipo d srviço, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Política Municipal d Sanamnto Básico, por abrangência política d alguns srviços, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Política Municipal d Sanamnto Básico, por abrangência política d alguns srviços, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Política Municipal d Sanamnto Básico, por instrumntos contmplados pla política, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Política Municipal d Sanamnto Básico, por instrumntos contmplados pla política, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Fundo Municipal d Sanamnto Básico, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Fundo Municipal d Sanamnto Básico, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Plano Municipal d Sanamnto Básico, por algumas caractrísticas do plano, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios 2011

15 Sumário 118 -, total com Plano Municipal d Sanamnto Básico, por algumas caractrísticas do plano, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d abastcimnto d água, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d abastcimnto d água, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d sgotamnto sanitário, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d sgotamnto sanitário, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d limpza urbana manjo d rsíduos sólidos, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d limpza urbana manjo d rsíduos sólidos, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d drnagm manjo d águas pluviais urbanas, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com dfinição do órgão rsponsávl pla rgulação fiscalização dos srviços d drnagm manjo d águas pluviais urbanas, por tipo do órgão, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com dfinição da norma d rgulação conform as dirtrizs nacionais para o sanamnto básico, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com dfinição da norma d rgulação conform as dirtrizs nacionais para o sanamnto básico, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração 2011

16 Prfil dos Brasiliros , total com procdimnto para acompanhar a vigência das licnças ambintais rlativas aos sistmas, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com procdimnto para acompanhar a vigência das licnças ambintais rlativas aos sistmas, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com srviços públicos d sanamnto básico com cobrança pla prstação do srviço, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com srviços públicos d sanamnto básico com cobrança pla prstação do srviço, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com mcanismos d control social dos srviços d sanamnto básico adotados, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com mcanismos d control social dos srviços d sanamnto básico adotados, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Conslho Municipal d Sanamnto, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Conslho Municipal d Sanamnto, por algumas caractrísticas do conslho, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com órgãos colgiados qu participam do control social dos srviços d sanamnto básico, por órgão colgiado, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com órgãos colgiados qu participam do control social dos srviços d sanamnto básico, por órgão colgiado, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com órgão rsponsávl pla fiscalização da água na administração pública municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com órgão rsponsávl pla fiscalização da água na administração pública municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração 2011

17 Sumário 141 -, total com lgislação municipal rlativa à srviços d sanamnto básico, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com lgislação municipal rlativa à srviços d sanamnto básico, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com programa, projto /ou ação d colta sltiva d lixo dsnvolvido pla administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com programa, projto /ou ação d colta sltiva d lixo dsnvolvido pla administração municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com prfitura cint da xistência d cooprativas /ou associaçõs d catadors d matriais rciclávis no município, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com prfitura cint da xistência d cooprativas /ou associaçõs d catadors d matriais rciclávis no município, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d diritos humanos, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d diritos humanos, por caractrização do órgão gstor, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com strutura na ára d diritos humanos associada a outra política, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com strutura na ára d diritos humanos associada a outra política, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com órgão rsponsávl pla política d diritos humanos com orçamnto próprio, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com órgão rsponsávl pla política d diritos humanos com orçamnto próprio, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração

18 Prfil dos Brasiliros , total com órgão gstor d diritos humanos, por grupos spcíficos a qu s dstinam os programas /ou açõs, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com órgão gstor d diritos humanos, por grupos spcíficos a qu s dstinam os programas /ou açõs, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com políticas, programas, planos /ou açõs rlacionadas à diritos humanos, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com políticas, programas, planos /ou açõs rlacionadas à diritos humanos, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com política, programa /ou açõs para crianças adolscnts, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com política, programa /ou açõs para crianças adolscnts, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total, com rsponsávl pla xcução das mdidas socioducativas m mio abrto para adolscnts com local d acautlamnto d adolscnt m conflito com a li, por tipo d local, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total, com rsponsávl pla xcução das mdidas socioducativas m mio abrto para adolscnts com local d acautlamnto d adolscnt m conflito com a li, por tipo d local, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Plano Municipal d Atndimnto Socioducativo, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Plano Municipal d Atndimnto Socioducativo, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com política, programa /ou açõs para pssoas com dficiência, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios

19 Sumário 164 -, total com política, programa /ou açõs para pssoas com dficiência, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com política, programa /ou açõs para pssoa idosa, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com política, programa /ou açõs para pssoa idosa, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com acampamnto cigano local dstinado para st fim, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com acampamnto cigano local dstinado para st fim, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com lgislação municipal qu dispõ sobr alguns tmas d diritos humanos, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com lgislação municipal qu dispõ sobr alguns tmas d diritos humanos, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com Conslho Tutlar, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com Conslho Tutlar, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com conslhos municipais comitê, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com conslhos municipais comitê, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração , total com plo mnos um itm d acssibilidad, por tipo d acssibilidad xistnt no prédio da sd da prfitura municipal, sgundo as Grands Rgiõs as classs d tamanho da população dos municípios , total com plo mnos um itm d acssibilidad, por tipo d acssibilidad xistnt no prédio da sd da prfitura municipal, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração

20 Prfil dos Brasiliros 2011 Rfrências Anxo Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais Qustionário Básico da Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais 2011 Glossário Convnçõs - Dado numérico igual a zro não rsultant d arrdondamnto;.. Não s aplica dado numérico;... Dado numérico não disponívl; x Dado numérico omitido a fim d vitar a individualização da informação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt positivo; -0; -0,0; -0,00 Dado numérico igual a zro rsultant d arrdondamnto d um dado numérico originalmnt ngativo.

21 Aprsntação OInstituto Brasiliro d Gografia Estatística - IBGE aprsnta, nsta publicação, os rsultados do Qustionário Básico da Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais - MUNIC Em sua nona dição, a MUNIC invstigou todas as municipalidads xistnts no País. Foram lvantados, no sgundo smstr d 2011, dados rlativos à gstão à strutura dos municípios, a partir da colta d informaçõs sobr st tmas, contmplando qustõs rlacionadas a rcursos humanos das administraçõs, articulaçõs intrinstitucionais, ducação, saúd, habitação, diritos humanos sanamnto básico. Mrc atnção o fato d qu difrnts agnts organizaçõs, nvolvidos com a qustão local o monitoramnto a avaliação d políticas locais, têm rnovado o intrss pla psquisa. Isto s dv, m part, ao prmannt sforço d atualização da MUNIC, bm como ao amplo scopo dos tmas por la tratados. Esta publicação ocupa-s dos aspctos d mtodologia nas notas técnicas possui st capítulos analíticos com xam do quadro municipal, acrscidos d um conjunto d tablas básicas discriminando os rsultados por classs d tamanho da população dos municípios, por Grands Rgiõs por Unidads da Fdração. Trata-s d um conjunto amplo d informaçõs, qu irá contribuir para o dbat público prmitir, mais uma vz, aos podrs públicos à socidad, mlhorar o planjamnto

22 Prfil dos Brasiliros 2011 a formulação das políticas, visando à adoção do padrão d dsnvolvimnto, qu s qur sustntávl. Dv sr mncionado, ainda, o convênio institucional firmado, m 2011, ntr o IBGE a Scrtaria d Diritos Humanos da Prsidência da Rpública. Esta parcria vm atstar o dsmpnho da MUNIC como frramnta apropriada para o monitoramnto a avaliação das políticas locais rforçar o objtivo d construção d uma bas d informaçõs municipais d qualidad. Marcia Maria Mlo Quintslr Dirtora d Psquisas

23 Introdução Est volum da Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais - MUNIC traz os rsultados do lvantamnto ralizado, m 2011, plo Qustionário Básico. Difrntmnt das diçõs d 2002, 2004, 2005, , qu lvaram a campo suplmntos abordando, rspctivamnt, os tmas Mio Ambint, Esports, Assistência Social, Cultura, novamnt, Assistência Social, o Qustionário Básico, st ano, foi a campo sm suplmnto spcífico. É d suma importância a obtnção d dados statísticos com bas municipal qu xprssm, d forma clara objtiva, a ofrta a qualidad dos srviços públicos m fac da capacidad dos gstors municipais m atndr suas populaçõs. O conhcimnto a aprndizagm sobr a scala local proporcionados por ssas informaçõs statísticas vêm rspondr às xigências imdiatas d comprnsão da htrognidad strutural no País da ralidad dos difrnts stors da socidad organizada, lvando m considração a complxidad brasilira no sntido dos avanços social, político conômico. As divrsidads produtivas, sociais, culturais spaciais (rgionais, urbanas rurais) por muito tmpo foram tratadas como dsquilíbrios, assimtrias obstáculos colocados ao dsafio qu é promovr o dsnvolvimnto num país continntal como o nosso. O Brasil é um país xtrmamnt dissmlhant m muitos aspctos, incluindo os pontos d vista tanto político quanto administrativo; daí, qu a qualidad dos rgistros administrativos é divrsa no nívl fdral, ntr os ministérios, por xmplo, assim como nos nívis stadual municipal. Atualmnt, contudo, as scalas nacional, rgional local mostram-s crscntmnt articuladas dmonstram

24 Prfil dos Brasiliros 2011 a urgência qu têm m ngndrar açõs mais ágis, potnts sistmáticas, o qu passa ncssariamnt pla ofrta d informaçõs municipais d qualidad, como instrumnto ftivo d planjamnto, diagnóstico monitoramnto das condiçõs locais. Por fim, dv-s dstacar qu a MUNIC é rsultado da participação do compromisso das rprsntaçõs do IBGE m cada Unidad da Fdração, distribuídas plas mais d 500 agências da Instituição, rsponsávis pla colta apuração das informaçõs m cada município do País.

25 Notas técnicas APsquisa d Informaçõs Básicas Municipais - MUNIC s stnd à totalidad dos municípios 1 do País dsd a primira dição, m 1999, da msma forma nos sguints anos: 2001, 2002, 2004, 2005, 2006, Esta, a nona dição da MUNIC, tm 2011 como o ano d rfrência obtv informaçõs rlativas a todos os municípios brasiliros. Nsta ocasião, o Qustionário Básico, qu foi aplicado sm suplmntos spcíficos, tv o convênio institucional firmado ntr o IBGE a Scrtaria d Diritos Humanos da Prsidência da Rpública, sndo su planjamnto, apuração anális ftuados sob a rsponsabilidad da Grência d Estudos Psquisas Sociais, da Coordnação d População Indicadors Sociais, da Dirtoria d Psquisas do IBGE. Objtivos A MUNIC s dfin como psquisa institucional d rgistros administrativos da gstão pública municipal s insr ntr as dmais psquisas sociais studos mpíricos ddicados à scala municipal. Trata-s, basicamnt, d um lvantamnto pormnorizado d informaçõs sobr a strutura, a dinâmica o funcionamnto das instituiçõs públicas municipais, m spcial a prfitura, comprndndo também difrnts políticas stors qu nvolvm o govrno municipal a municipalidad. 1 Dois distritos brasiliros são tratados na psquisa como municípios, por razõs mtodológicas: o Distrito Fdral, ond tm sd o govrno fdral, sndo Brasília a capital fdral; o Distrito Estadual d Frnando d Noronha, arquipélago localizado no Estado d Prnambuco. Em ambos os casos, informants da administração local rspondram o Qustionário Básico.

26 Prfil dos Brasiliros 2011 O objto do intrss da MUNIC é a gstão dos municípios, nomadamnt no qu s rfr à organização da prfitura, quadro funcional, aparato matrial, instrumntos fiscais, rcursos institucionais, políticas d planjamnto, iniciativas d dscntralização dsconcntração, programas açõs públicas locais, ofrta d srviços à população infrastrutura urbana. Mas não s dtém nss lnco básico d assuntos, já xtnso, invstiga aspctos múltiplos da ralidad local. Em 2011, o Qustionário Básico tratou d invstigar informaçõs sobr rcursos humanos das administraçõs, articulaçõs intrinstitucionais, ducação, saúd, habitação diritos humanos, todos sts invstigados m anos antriors. Troux, pla primira vz, o tma sanamnto básico m bloco spcífico, ond foram solicitadas informaçõs sobr sta política m todos os municípios do País através do prfil do órgão gstor, xaminando a capacidad institucional local d formular grir políticas públicas d sanamnto básico dsnvolvr açõs, programas projtos na ára, bm como a xistência d mcanismos d control social dos srviços d sanamnto básico. Um important aspcto a sr dstacado quanto à mtodologia intrna ao Qustionário Básico rfr-s à dtrminação do informant na prfitura. Com o firm propósito d qualificá-lo, pssoal profissionalmnt, bm como ampliar su compromtimnto com a qualidad das rspostas forncidas, procdu-s à sua idntificação no final d cada um dos blocos storiais spcíficos. É lícito acrscntar qu os tmas qustõs abordados no Qustionário Básico visam rspondr às ncssidads d informação da socidad do Estado brasiliros. Para tanto, a MUNIC tm por objtivo a consolidação d uma bas municipal d informaçõs, com dados statísticos cadastrais atualizados qu proporcionm um conjunto rlvant d indicadors d avaliação monitoramnto dos quadros institucional administrativo das cidads brasiliras. Unidad d invstigação informants da psquisa A unidad d invstigação da MUNIC é o município, sndo informant principal a prfitura através dos divrsos stors qu a compõm. As instituiçõs ligadas a outros podrs públicos locais ou instaladas localmnt constitum-s m unidads scundárias d informação. Assim, as informaçõs coltadas m cada município, m gral, são rsultado d uma consulta a pssoas posicionadas nos divrsos stors /ou instituiçõs invstigadas qu dtêm informaçõs sobr os órgãos públicos dmais quipamntos municipais. Príodo d rfrência da psquisa A colta das informaçõs do Qustionário Básico foi ralizada no príodo d julho a dzmbro d 2011, sndo ftuada prfrncialmnt através d ntrvista prsncial. Os dados coltados rfriram-s, d manira gral, à data da ntrvista. Em alguns qusitos, no ntanto, a data pod difrir sndo qu, nst caso, há rfrência xplícita no qustionário, quanto à data ou príodo da informação.

27 Notas técnicas Abrangência gográfica da psquisa Os municípios brasiliros instalados no Trritório Nacional até 31 d dzmbro d 2010 foram invstigados pla MUNIC Dois distritos brasiliros são tratados na psquisa como municípios, por razõs mtodológicas: o Distrito Fdral, ond tm sd o govrno fdral, sndo Brasília a capital fdral; o Distrito Estadual d Frnando d Noronha, arquipélago localizado no Estado d Prnambuco. Em ambos os casos, informants da administração local rspondram o Qustionário Básico. Instrumntos d colta Em sua dição d 2011, a MUNIC invstigou, no Qustionário Básico, os sguints tmas rlativos à administração pública municipal: rcursos humanos, articulaçõs intrinstitucionais, ducação, saúd, habitação, sanamnto básico diritos humanos. Para auxiliar a colta das informaçõs do qustionário, foi laborado o Manual d Colta, contndo as instruçõs básicas os concitos técnicos ncssários para a ralização dos trabalhos do técnico d psquisas do IBGE. Colta dos dados apuração Em março d 2011, foi ralizado um trinamnto cntralizado no Rio d Janiro, ond stivram prsnts os suprvisors rgionais técnicos d todas as Unidads Estaduais do IBGE, num total aproximado d 37 pssoas. Ests, postriormnt, foram rsponsávis plo rpass do trinamnto para os técnicos das mais d 500 Agências do IBGE no País. Após o procsso d trinamnto, procdu-s à fas d colta das informaçõs, ond o psquisador do IBGE fz um primiro contato com a prfitura d cada município a su ncargo, com o objtivo d obtr a indicação d uma pssoa, na administração municipal, qu coordnass a colta das informaçõs nos vários stors. Esta pssoa foi ntrvistada, smpr qu possívl, dvria mantr contato com o psquisador do IBGE quando houvss a ncssidad d sclarcr algum itm, procdimnto ou concito rlativo à psquisa. Para possibilitar o prnchimnto dos qustionários plos divrsos stors das prfituras, cada instrumnto d colta aprsntou as xplicaçõs dos trmos concitos considrados mais importants dispostos junto aos rspctivos qusitos. Apnas um município não prnchu o Qustionário Básico: Abaré, no Estado da Bahia. O técnico do IBGE, ao rcbr o Qustionário Básico prnchido, procdu a uma crítica visual d comparação ntr as informaçõs coltadas na dição d Para isso, o técnico dispunha d uma listagm, por município, com uma slção d variávis m qu ssa comparação foi possívl prtinnt. Isso prmitiu qu problmas dtctados no prnchimnto fossm rsolvidos imdiatamnt com o informant.

28 Prfil dos Brasiliros 2011 A ntrada d dados foi fita d forma dscntralizada pla suprvisão da psquisa, na sd d cada Unidad Estadual, ou plo técnico rsponsávl pla colta, nas próprias agências. A crítica d consistência dos dados coltados, por sua vz, foi fita m cada Unidad, mas também foi fito um trabalho d apuração das informaçõs pla quip da Coordnação d População Indicadors Sociais, rsponsávl pla MUNIC. Nsta dição da psquisa, a adoção da frramnta Oracl Discovrr, para criação d consultas dos dados rmtidos para o Sistma Grnciador d Banco d Dados Oracl, mais uma vz, foi utilizada. Est rcurso d informática prmitiu a ralização d consultas aos dados apurados à mdida qu sts ram transmitidos ao Sistma, além d prmitir comparaçõs com os anos antriors, o qu possibilitou maior agilidad no sclarcimnto d dúvidas, também, na corrção d vntuais rros ncontrados por ocasião da crítica. Uma vz ralizada a consulta, um rlatório foi transmitido à unidad d origm dos dados, conform o caso, rros foram corrigidos. Dissminação dos rsultados É ncssário rssaltar qu, difrntmnt das dmais psquisas ftuadas plo IBGE, as informaçõs prstadas plas prfituras são d naturza pública, configurando, assim, um conjunto d informaçõs a srm divulgadas individualmnt. Est contxto, mbora não xima o IBGE da rsponsabilidad final plos dados ora divulgados, confr um carátr d maior corrsponsabilidad ntr a Instituição os próprios informants. Um lvantamnto dssa naturza, d informaçõs d carátr público, após os procdimntos d crítica anális das msmas xig tr rspitada sua intgridad, da forma spcífica prtinnt. Os dados da MUNIC stão disponibilizados no portal do IBGE na Intrnt, no canal Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais - MUNIC, aprsntando as informaçõs d cada município, individualmnt. Est volum contém, além dssas notas técnicas, um conjunto d capítulos com txtos analíticos sobr os divrsos tmas abordados pla psquisa m qu são dstacados os aspctos considrados mais rlvants plos analistas qu trabalharam nas divrsas fass do lvantamnto. Também são aprsntados os rsultados através d um conjunto d tablas grais slcionadas. Acompanha a publicação um CD-ROM contndo a bas d dados complta com informaçõs d cada município. Todas as tablas aqui aprsntadas são produto d agrgaçõs dos dados d municípios por classs d tamanho da população, com bas nas stimativas d população rsidnt m 1 o d julho, por Grands Rgiõs do País por Unidads da Fdração m qu stão localizadas, variávis rlvants para comprnsão, dscrição anális d alguns aspctos abrangidos pla psquisa.

29 Rcursos humanos das administraçõs municipais imprssionant a vlocidad das mudanças trazidas pla É globalização no qu tang às novas tcnologias plas modrnas rds d informação qu aftam dirtamnt não só as rlaçõs da intrnacionalização da produção a circulação d bns srviços, como também as rlaçõs sociais das novas xigências do mrcado d trabalho oriundas dssas transformaçõs. Em dcorrência da rapidz dssas mudanças, o mrcado d trabalho s comporta d manira mais xignt quanto à qualificação profissional da mão d obra rqurida por novas xigências, fazndo com qu os indivíduos tnham qu adquirir novos conhcimntos para conquistar mlhors oportunidads salariais. Nss sntido, as organizaçõs têm, cada vz mais, priorizado a xclência da qualificação profissional d sus funcionários tanto na sfra pública, quanto na privada. D qualqur forma, além do prfil dsjado do funcionário, é imprscindívl a criação, a gstão o fortalcimnto d um quadro d pssoal qualificado na composição das organizaçõs m gral. É important mncionar qu, ao longo das três últimas décadas, o concito sobr rcursos humanos mudou, substancialmnt, m rlação ao su significado à sua contxtualização dntro das organizaçõs. No passado, as pssoas ram tratadas d manira uniform com o propósito d alcançar os objtivos as dmandas traçados plas organizaçõs. Hoj, fala-s sobr o concito d capital humano qu atribui um valor para cada indivíduo, fruto da sua xpriência, ducação, formação know how. O conhcimnto passa a sr associado a habilidads atituds das pssoas, qu não são mais considradas como agnts passivos da administração, mas

30 Prfil dos Brasiliros 2011 como parciros ativos proativos dos mprndimntos das tomadas d dcisõs m rlação à gstão dos rcursos disponívis das organizaçõs. Aspctos como novas tcnologias a divrsidad d rcursos matriais ajudam na ficiência dos srviços, no aumnto da lucratividad sustntabilidad das organizaçõs, assim como na ficiência administrativa. Entrtanto, constitum apnas aspctos inrnts dos objtivos a srm alcançados plas organizaçõs, mas qu prcisam sr administrados pla capacidad das pssoas tomarm dcisõs inovadoras para rsolvrm situaçõs novas /ou problmáticas nas mais divrsas circunstâncias dntro das organizaçõs. Há d s dstacar qu as pssoas qualificadas participativas têm ocupado, cada vz mais, spaços dntro das organizaçõs, d modo gral, dvido aos sus conhcimntos, habilidads comptências, com vistas a maximizar os objtivos dstas. Caractrísticas grais do pssoal ocupado na administração municipal A Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais - MUNIC, m sua trajtória invstigativa para suprir as dmandas da socidad dos gstors públicos com informaçõs da administração municipal, tm divulgado priodicamnt, ntr outros tmas, dados prtinnts ao quadro d rcursos humanos das administraçõs municipais dirta indirta. Rssalta-s qu a administração pública cntralizada ou dirta é aqula xrcida dirtamnt pla União, Estados através d ministérios, scrtarias, dpartamntos outros órgãos, nquanto a administração pública dscntralizada ou indirta é xrcida por pssoas jurídicas d autarquias, fundaçõs públicas, mprsas públicas, socidads d conomia mista associaçõs públicas. Para o ano d 2011, foram psquisados, para as administraçõs dirta indirta, os quantitativos d pssoal ocupado por vínculo mprgatício statutários, cltistas, somnt comissionados, stagiários sm vínculo prmannt grau d scolaridad, bm como informaçõs, ao nívl da administração dirta, sobr a xistência d concurso público para o provimnto d cargos ou funçõs. Os dados da MUNIC 2011 sobr o quantitativo d pssoas ocupadas nas administraçõs dirta indirta rvlam qu ss montant atingiu o contingnt absoluto d pssoas, dscrvndo um aumnto d 4,8% m rlação ao ano d 2009, qu totalizava pssoas mprgadas m sus quadros d pssoal. Considrando a população stimada do Brasil m 2011, d habitants, obsrva-s qu 3,1% dss total stava ocupada nas administraçõs públicas municipais dirta indirta. Para o msmo ano, a proporção d srvidors municipais qu atuavam na administração dirta no País rprsntava 94,6% do total do pssoal mprgado, sndo qu 5,4% dst montant stava na administração indirta das prfituras. Em rlação ao númro d municípios qu possuíam órgãos ou ntidads vinculados à administração indirta, obsrva-s um aumnto d 8,3% m rlação ao ano d 2009, totalizando municípios com st tipo d administração (Tablas d rsultados 1, 2, 7 8).

31 Rcursos humanos das administraçõs municipais Administração dirta Como obsrvado nos anos antriors, os rsultados da MUNIC 2011 continuam dmonstrando qu o quadro d rcursos humanos da administração dirta, no País, ra composto, m sua maioria, por srvidors statutários, rprsntando o prcntual d 63,7% do total m comparação com as outras modalidads d rgims trabalhistas. Em rlação às Grands Rgiõs, a Cntro-Ost s dstacava com 72,3%, sguida plas Rgiõs Sul, com 70,2%; Nordst, com 62,5%; Sudst, com 61,1%; Nort, com 60,9%. Entr as Unidads da Fdração, o Distrito Fdral dtinha 84,7% d pssoas mprgadas sob o rgim statuário, sndo a maior concntração m comparação com as dmais unidads. Os Estados d Rondônia, com 76,4%, do Paraná, com 74,0%, também s dstacaram m rlação àqul rgim trabalhista. Por outro lado, vrifica-s, também, qu as maiors proporçõs d mprgados rgidos plo rgim cltista s concntravam nos Estados do Acr, com 35,6%, d São Paulo, com 27,9%. Os maiors prcntuais d pssoal sm vínculo prmannt s ncontravam nos Estados do Pará, com 30,9%, do Amazonas, com 29,7% (Gráfico 1). Nordst Maranhão Piauí Cará Rio Grand do Nort Paraíba Prnambuco Alagoas Srgip Bahia Sul Paraná Santa Catarina Rio Grand do Sul Gráfico 1 - Distribuição do pssoal ocupado na administração dirta, por vínculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs as Unidads da Fdração Brasil Nort Rondônia Acr Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Sudst Minas Grais Espírito Santo Rio d Janiro São Paulo Cntro-Ost Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Fdral % 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Estatutários CLT Somnt comissionados Estagiários Sm vínculo prmannt Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d População Indicadors Sociais, Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais 2011.

32 Prfil dos Brasiliros 2011 Ao s vrificar a volução da contratação do pssoal ocupado na administração dirta no príodo d 2009 a 2011, sgundo as Grands Rgiõs, os dados rvlam qu, d modo gral, todos os rgims d contratação aprsntaram acréscimos modrados, ficando no máximo m 15,0% para os somnt comissionados da Rgião Nort. A xcção ocorr na Rgião Cntro-Ost, qu aprsntou um aumnto considrávl d 57,1% d contrataçõs d stagiários no intrvalo mncionado. Obsrva-s, também, um dclínio acntuado para o total d cltistas d 5,7%. Nss sntido, as Rgiõs Nordst, com 20,3%, Cntro-Ost, com 16,4%, aprsntaram os maiors prcntuais d quda. Para os sm vínculo prmannt, st prcntual aprsntou uma quda d 0,3%. A Rgião Sul, com 9,5%, aprsntou o maior aumnto, a Nordst, com 6,3%, ficou com a maior quda com rlação a st vínculo d contratação (Gráfico 2). % Gráfico 2 - Evolução do quadro do pssoal ocupado na administração dirta, por vínculo mprgatício, sgundo as Grands Rgiõs - príodo 2009/ ,1 15,0 13,4 7,0 9,5 8,7 2,2 3,6 7,6 4,8 8,1-0,3-5,7-5,8-6,3-20,3 9,2 9,5 6,4 6,0 4,9 5,7 6,5 3,5 0,5-0,1-2,0-7,9-16,4 1,7 Brasil Nort Nordst Sudst Sul Cntro-Ost Estatutários CLT Somnt comissionados Estagiários Sm vínculo prmannt Font: IBGE, Dirtoria d Psquisas, Coordnação d População Indicadors Sociais, Psquisa d Informaçõs Básicas Municipais 2009/2011. Os dados da MUNIC com rlação aos nívis d scolarização do pssoal ocupado na administração dirta rvlam qu, no País, 38,0% dss contingnt possuía o nívl médio, 32,0%, os nívis suprior ou d pós-graduação. Em rlação às Grands Rgiõs, a Nort a Nordst dtinham os maiors prcntuais d srvidors qu possuíam o nívl médio, 41,7% 41,2%, rspctivamnt. Os nívis mais lvados d scolarização (suprior ou d pós-graduação) s concntravam nas Rgiõs Sul, com 39,8%, Sudst, com 36,8%, Cntro-Ost, com 32,4%. Entr as Unidads da Fdração, Amapá, com 69,9%, Roraima, com 55,2%, aprsntavam os maiors índics do pssoal ocupado com nívl médio. O Distrito Fdral, com 55,4%, Santa Catarina, com 43,3%, dtinham os mais lvados prcntuais dos nívis suprior ou d pós-graduação.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p s squisa n anamnto acional d b 0 0 8 ásico IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva Prsidnt

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Frnando Hnriqu Cardoso Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Martus Antônio Rodrigus Tavars INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p s squisa n anamnto acional d b 2008 ásico IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

economia IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística i conomia nformal u 2003 rbana IBGE Instituto Brasiliro d Gografia Estatística Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Guido Mantga INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Sérgio Bssrman Vianna Dirtor Excutivo Nuno

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Univrsidad Fdral d Alfnas. UNIFAL-MG Rua Gabril Montiro da Silva, 700 Alfnas / MG - CEP 37130-000 Fon: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Sínts do Projto Político

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Gestão Ambiental - Gestores Ambientais

Gestão Ambiental - Gestores Ambientais Am bint 9º Fór um amnto n M i o d Sa - Intgração m Políticas Públicas GESTÃO SE FAZ COM CONHECIMENTO E PARTICIPAÇÃO Grir qur dizr administrar, dirigir, mantr dtrminada situação ou procsso sob control m

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA 1. Disposiçõs Grais A Protção Social Espcial

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2.

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2. Conslho Univrsitário - CONSUNI Câmara d Ensino Curso d Graduação m Pdagogia da UNIPLAC Quadro d Equivalência para Fins d Aprovitamnto d Estudos ntr duas Estruturas Curriculars Disciplinars ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES OBJETIVO GERAL Assgurar prmanntmnt a manutnção das populaçõs a distribuição gográfica das várias spécis d Cracida Odontophorida. Atnção spcial srá dada aos táxons amaçados

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 A Fundação Univrsidad do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição. Definição de Saúde Pública

SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição. Definição de Saúde Pública SANEAMENTO Dfinição É o control d todos os fators do mio físico do homm, qu xrcm ou podm xrcr fitos nocivos sobr su bm star físico, mntal social (OMS) Srviços d Sanamnto abastcimnto d água (qualidad quantidad)

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

A Implantação da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais do Brasil (INDE)

A Implantação da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais do Brasil (INDE) A Implantação da Infrastrutura Nacional d Dados Espaciais do Brasil (INDE) GEO SUMMIT LATIN AMERICA 2009 23 Julho 2009 São Paulo - SP 1 Tmário I - Infrastruturas d Dados Espaciais: Concitos II - Açõs da

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP

UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP Goiânia/GO 19 a /11/01 UTILIZAÇÃO DO MODELO PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER) NO PARQUE MUNICIPAL DA AGUA VERMELHA JOÃO CÂNCIO PEREIRA SOROCABA-SP Admilson Irio Ribiro, Univrsidad Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Revista Brasileira de Agroecologia Rev. Bras. de Agroecologia. 9(2): 3-14 (2014) ISSN: 1980-9735. Panorama dos cursos de agroecologia no Brasil

Revista Brasileira de Agroecologia Rev. Bras. de Agroecologia. 9(2): 3-14 (2014) ISSN: 1980-9735. Panorama dos cursos de agroecologia no Brasil Rvista Brasilira d Agrocologia ISSN: 1980-9735 Panorama dos cursos d agrocologia no Brasil Panorama of agrocology courss in Brazil BALLA, João Vitor Quintas1; MASSUKADO, Luciana Miyoko2; PIMENTEL, Vania

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 A Coordnação do MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA torna

Leia mais

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO RESULTADOS Avaliação Intrna da Escola PROJETO DE MELHORIA DA ESCOLA ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO Articulação ntr o Quadro d Rfrência da IGEC o Procsso d Autoavaliação da Escola Do mí nio s

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP E D I T A L A b r t u r a i n s c O Programa r d Pós-Graduação m Engnharia d Produção, m nívl d Mstrado Doutorado, i comunica a abrtura d inscriçõs para a slção d candidatos, para o prnchimnto ç d vagas

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Entidades de defesa de direitos 1 Contribuição da ABONG à discussão do Art.3 da LOAS Brasília 09/08/2005

Entidades de defesa de direitos 1 Contribuição da ABONG à discussão do Art.3 da LOAS Brasília 09/08/2005 Entidads d dfsa d diritos 1 Contribuição da ABONG à discussão do Art.3 da LOAS Brasília 09/08/2005 1. A constituição do campo associativo assistncial As ntidads d assistência social corrspondm às formas

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí 01 Prfito Tatu vradors vão a São Paulo m busca d Cursos Profissionalizants para Maracaí Ontm (06/03) o prfito Eduardo Corra Sotana (Tatu), o Dputado Estadual Mauro Bragato, os vradors Edivaldo Rodrigus

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo Stmbro 2015 Est documnto prtnd dar a conhcr a todos os intrvnints no procsso ducativo os critérios d avaliação, rsptivas prcntagns, a qu os alunos do Agrupamnto

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica Trminologia m agropcuária: laboração d glossários no par linguístico português-spanhol, voltados para o nsino da tradução técnica Introdução Francisca Prira da Silva - IFRR A psquisa intitulada Trminologia

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - .

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - . 4 ISSN 677-7042 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 608, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450,

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ Pdro Valdcir Ribiro UNICENTRO/Irati Ms. Marcla d Fritas Ribiro Lops UNICENTRO/Irati 1.Introdução A língua spanhola

Leia mais

PesquisA NacionaL. de Saúde PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS

PesquisA NacionaL. de Saúde PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS PsquisA NacionaL d Saúd 2013 PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE, ESTILOS DE VIDA E DOENÇAS CRÔNICAS BRASIL, GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO Prsidnta da Rpública Dilma Roussff Ministra do Planjamnto,

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais