UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOÃO MANOEL JERÔNIMO JÚNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOÃO MANOEL JERÔNIMO JÚNIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOÃO MANOEL JERÔNIMO JÚNIOR ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DE MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E GRANDE DORSAL DURANTE A EXECUÇÃO DO EXERCÍCIO PULLOVER Palhoça 2011

2 1 JOÃO MANOEL JERÔNIMO JÚNIOR ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DOS MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E GRANDE DORSAL DURANTE A EXECUÇÃO DO EXERCÍCIO PULLOVER Relatório de Estágio apresentado ao Curso de Educação Física e Esporte da Universidade do Sul de Santa Catarina como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Educação Física e Esporte. Orientador: Profº. Juliano Dal Pupo, Msc. Palhoça 2011

3 2 JOÃO MANOEL JERONIMO JUNIOR ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DE MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E GRANDE DORSAL DURANTE A EXECUÇÃO DO EXERCÍCIO PULLOVER Este relatório de Estágio foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Educação Física e Esporte e aprovado em sua forma final pelo curso de Educação Física e Esporte da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, 20 de junho de 2011 Prof. Orientador Juliano Dal Pupo, Ms. UNISUL Prof. Elinai dos Santos Freitas Schutz, Ms., UNISUL Prof. Rômulo de Brito, Ms., UNISUL

4 3 RESUMO Introdução. Para a correta prescrição dos ERP, faz-se necessário que o profissional ligado à área de Educação Física tenha um entendimento tanto dos aspectos fisiológicos envolvidos com o treinamento físico, quanto à melhor mecânica corporal para a otimização da ativação muscular específica. Objetivo. Analisar a atividade EMG dos músculos Grande Dorsal (GD) e Peitoral Maior (PM) durante o exercício Pullover. Método. Para a realização deste estudo foram selecionados 08 indivíduos do sexo masculino praticantes de musculação, com idade média de 29,6 ± 15,9 anos, massa corporal média de 83,4 ± 7,9kg, estatura média de 1,76 ± 0,35 m e com 15% de gordura corporal. Todos indivíduos realizaram uma série de 5 repetições do exercício, sendo registrada a atividade EMG dos músculos PT e GD referente a 3ª repetição. Realizou-se EMG de superfície, utilizando o eletromiógrafo Miotool (Porto Alegre, Brasil). Os procedimentos para a coleta de dados (preparação da pele, colocação dos eletrodos) seguiram as recomendações da SENIAN. Os dados brutos foram tratados no software MAT LAB, sendo ao final do processo de tratamento expressos em valores RMS (Root Means Square), relativizados pelo pico máximo encontrado na 3ª repetição (%RMS). Utilizou-se o teste t pareado para comparar a atividade EMG (%RMS) do músculo PM com o GD, além da análise de variância (ANOVA) para comparar o %RMS a cada 10% do ciclo total de movimento (fase concêntrica + fase excêntrica). Resultados. De acordo com análise estatística, não foram encontradas diferenças significativas entre a atividade EMG (%RMS) do peitoral (33,74± 4,90) em relação com a do grande dorsal (35,78 ± 1,20). Não foi encontrada diferença também quando comparado %RMS a cada 10% do ciclo. Conclusão. Com base nos resultados da pesquisa, os músculos Peitoral Maior e Grande Dorsal não apresentam diferença na ativação EMG durante a execução do Pullover com Halter. Apesar do grande dorsal ser o músculo agonista do movimento, a forte ativação do peitoral maior pode ser em função da função estabilizadora ou pela falta de consciência corporal dos praticantes. Palavras-chave: Biomecânica, Eletromiografia, Pullover, Treinamento Resistidos com Pesos

5 4 ABSTRACT The aim of this work is to analyze the EMG activity of latissimus dorsi muscle (LDM) and musculus pectoralis major (MPM) during the Pullover exercise. Method: for carrying out this study, 08 male bodybuilders were selected, average age between 29.6 ± 15,9 anos, average weight between 83,4 ± 7,9 kg, average height between 1,76 ± 0,35m and 15% body fat. All subjects performed a series of 5 repetitions of the exercise and the EMG activity of PT and LDM muscles was registered regarding the 3 rd repetition. The surface EMG was carried out, by using the electromyograph Miotool (Porto Alegre, Brasil). The procedures for data collection (skin preparation, electrodes placement) followed SENIAN recommendation. The raw data was processed using the MAT LAB software and at the end of the process the values were expressed in RMS (Root Mean Square), relativized by the maximum peak found in the 3 rd repetition. The paired test t was used to compare the EMG activity (%RMS) of the MPM muscle with the LDM one, besides the variance analysis (ANOVA) to compare the %RMS each 10% of the total movement cycle (concentric and eccentric phase). Results: According to the statistic analysis, there were no significant differences between the EMG (%RMS) of the pectoralis (33,74± 4,90) in comparison with the latissimus dorsi muscle ones. (35,78 ± 1,20). Moreover, there were no differences when it was compared at each 10% of the cycle. Conclusion: Based on the research results, musculus pectoralis major and latissimus dorsi muscles do not show differences when activating EMG during the practice of Pullover using Halter. In spite of the fact that latissimus dorsi muscle is the agonist of the movement, the strong activation of the musculus pectoralis major may exist due to the stabilizer function or the lack of body awareness of the subjects. Keywords: Biomechanics, Electromyography, Pullover, resistance training with weights

6 Agradecimentos 5

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Exercício Pullover com halter Figura 2. Musculo Peitoral Maior Figura 3. Músculo Grande Dorsal Figura 4. Visualização do sujeito com eletrodos durante a coleta EMG Figura 5. Da esquerda para direita, ilustração do eletromiógrafo, cabo com préamplificador e eletrodos utilizados na coletas de dados Figura 6. Comparação da atividade eletromiografica dos músculos Peitoral Maior e Grande Dorsal durante o exercício Pullover Figura 7. Atividade EMG durante todo o ciclo de movimento... 36

8 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA REVISÃO DE LITERATURA MUSCULAÇÃO TIPOS DE TREINAMENTO RESISTIDOS E SEUS DIFERENTES OBJETIVOS APARELHOS X PESOS LIVRES EXERCÍCIO PULLOVER ELETROMIOGRAFIA ESTUDOS REALIZADOS UTILIZANDO A EMG NO TRP MÉTODO CARACTERIZAÇÕES DA PESQUISA SUJEITOS DO ESTUDO INSTRUMENTOS DE MEDIDA COLETAS DE DADOS PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS TESTE PARA DETERMINAÇÃO DA CARGA MÁXIMA AQUISIÇÃO DO SINAL EMG ANÁLISE E TRATAMENTO DO SINAL EMG APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONCLUSÃO E SUGESTÕES...41 REFERÊNCIAS...42 ANEXOS...47

9 8 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMA Nos últimos anos o número de praticantes de exercícios resistidos com pesos (ERP), também conhecidos como musculação ou treinamento com cargas, tornou-se um dos meios mais utilizados de exercícios, tanto para condicionamento de atletas como para melhorar a forma de não-atletas (FLECK, KRAEMER, 2007). Para a correta prescrição dos ERP, faz-se necessário que o profissional ligado à área de Educação Física tenha um entendimento tanto dos aspectos fisiológicos envolvidos com o treinamento físico, quanto a melhor mecânica corporal para a otimização da ativação muscular específica. Assim, entra em cena a ciência do treinamento, que vem auxiliar no entendimento das variáveis do ERP, que por tanto tempo permaneceram dominadas pelo conhecimento empírico (CALHEIROS; CHARRO; MARCHETTI, 2007). Os princípios do treinamento científico formam junto com a periodização os dois grandes fundamentos para um treinamento eficiente. Um dos princípios do treinamento é o da especificidade, que considera que o treinamento deve ser montado com base nos requisitos específicos do desempenho esportivo, levando em consideração a atuação dos sistemas energéticos e o padrão de movimento, que envolve o recrutamento muscular para determinado movimento (DANTAS, 2003). Neste contexto está a biomecânica, um campo qualitativo e quantitativo de estudo do movimento humano (HAMILL,KNUTZEN 1999). A mesma pode analisar o movimento através de diversas perspectivas, como por exemplo, analisando as forças que agem sobre o sistema (cinética) a descrição cinemática do movimento ou ainda a atividade elétrica envolvida no gesto motor. A partir destas análises biomecânicas pode-se avaliar diferentes técnicas de execução de exercícios e sua eficiência em diferentes exercícios e equipamentos (NEUMANM, 2006). Dentre os métodos de análise da biomecânica está a Eletromiografia (EMG). A EMG é um método capaz de determinar parâmetros biomecânicos internos do corpo humano, possibilitando uma análise mais precisa da ativação muscular

10 9 durante o movimento, através da técnica experimental que envolve a gravação; desenvolvimento e analise do sinal mioelétrico emitidos por variações fisiológicas na membrana da fibra muscular (KONRAD, 2006) Diversos são os estudos que procuraram determinar a ativação muscular em diferentes exercícios da musculação utilizando como ferramenta a EMG (GONÇALVES; MATOS, 2005; RUNGE, 2004; ROCHA Jr, et al, 2007). Contudo, a literatura especializada ainda apresenta algumas lacunas quanto ao grau de ativação muscular de alguns exercícios de musculação. Um deles que ainda é bastante discutido e que não existe consenso quanto à especificidade de recrutamento muscular é o exercício pullover. Desta forma, elaborou-se o seguinte problema de pesquisa: Quais músculos (Grande Dorsal ou Peitoral Maior), são mais ativados durante o exercício Pullover? 1.2 OBJETIVO GERAL Analisar a atividade EMG dos músculos Grande Dorsal e Peitoral Maior durante o exercício Pullover. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Identificar o valor RMS normailizado dos Músculos Grande Dorsal e Peitoral Maior nas fases concêntrica e excêntrica. - Identificar e comparar o valor RMS dos Músculos Grande Dorsal e Peitoral Maior a cada 10% do ciclo do movimento. 1.4 JUSTIFICATIVA Atualmente existem inúmeros aparelhos e maneiras de se realizar um exercício para um mesmo grupo muscular ou musculatura específica em uma sala

11 10 de musculação; porém o conhecimento do por que escolher tal exercício, ou quais benefícios determinado exercício pode trazer a uma pessoa em relação aos seus objetivos, geralmente é determinada de forma empírica por muitos profissionais da área de musculação (SCHAEFER; RIES 2008). A seleção dos exercícios executados em equipamentos mecânicos ou com pesos livres é, em princípio, baseada na análise detalhada do movimento(s) articular (es) e da musculatura envolvida. No entanto, a parcela de contribuição de cada músculo para a realização dos diferentes exercícios, na maioria das vezes, não é clara e objetivamente conhecida, o que torna a análise de movimentos globais ainda mais subjetiva e capaz de comprometer a elaboração adequada de um programa de treino (MATHESON et al., 2001). Afirmação que pode ser mudada com a aplicação de conhecimentos biomecânicos e suas técnicas, como por exemplo, utilização da analise da eletromiográfia dos músculos em determinado movimento. A eletromiografia constitui-se hoje, em uma ferramenta indispensável àqueles que se dedicam ao estudo da análise do movimento, embora com diferentes objetivos, como: avaliação das ações musculares, treinamento físico-desportivo, reabilitação ou controle motor. Assim, no que se refere ao estudo da função muscular, muito do que no passado era teoricamente preconizado em termos da participação muscular em um determinado gesto ou exercício apenas por cinestesia ou analise cinesiológica pode também ser verificado por meio da eletromiografia (GUIMARÃES, 2006). A escolha do exercício Pullover como objetivo desta pesquisa é justificada pelo fato de que, dentre os exercícios executados na sala de musculação, é o que possui maior controvérsia quanto à participação dos músculos peitoral maior e latíssimo do dorso. Delavier (2010 e MONOCCHIA, 2009) são os autores que fazem uma descrição detalhada do exercício, da musculatura envolvida e técnica apropriada de execução. Temos que considerar, porém, que essa abordagem é simplesmente anatômica, o que limita tais informações, quando se tem por base o pressuposto de que existe uma forte dependência neural na ativação muscular (MARCHETTI, 2000). Portanto, justifica-se a importância desta pesquisa, tendo em vista que há escassez de estudos científicos que corroborem com a área afim, e que diariamente nas academias o conhecimento aplicado para tal, ainda é o resultado de tentativa e erro, sem fundamentação científica.

12 HIPÓTESE DO ESTUDO H0: Não existe diferença significativa ENTRE a atividade EMG do grande dorsal E a atividade EMG do peitoral durante o exercício Pullover. H1: a atividade EMG do grande dorsal é significativamente superior a do peitoral maior durante o exercício Pullover.

13 12 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 MUSCULAÇÃO A musculação foi definida como um meio de preparação física utilizada para o desenvolvimento das qualidades físicas relacionadas com as estruturas musculares (TUBINO, 1979). Já Barbanti (1990) afirma que musculação é um tipo de treinamento físico, onde se empregam progressivamente mais pesos para melhorar a forma física. No conceito de Bittencourt (1986), Musculação ou exercício resistido é o conjunto de meios que visa o desenvolvimento e a manutenção de qualidades físicas relacionadas às estruturas músculo-articulares, podendo também reabilitá-las, bem como desenvolver a capacidade orgânica. Para Godoy (1994), a musculação pode ser conceituada como atividade física desenvolvida, predominantemente, através de exercícios analíticos, utilizando resistências progressivas fornecidas por recursos materiais tais como: halteres, barras, anilhas, aglomerados, módulos, extensores, peças lastradas, o próprio corpo e/ou seus segmentos. Godoy (1994) aponta ainda para quatro finalidades da musculação: 1. Competição: sendo realizado o Fisiculturismo, Levantamento Olímpico ou Potência. 2. Meio de preparação física: desenvolvimento das qualidades físicas relacionadas às estruturas neuromusculares. 3. Profilática: atua na prevenção dos desvios posturais e distúrbios funcionais oriundos de hipocinesias e lesões atléticas. 4. Terapêutica: atua na correção e estabilização dos desvios e disfunções orgânicas, reabilitações, etc. 5. Estética: tem ênfase no desenvolvimento e manutenção da estética corporal. Não existe uma data precisa de quando surgiram as primeiras manifestações de levantamento de pesos. A história da musculação é muito antiga existindo relatos que datam do início da história escrita afirmando a prática de exercícios com pesos. Em escavações na cidade de Olímpia foram encontraram

14 13 pedras com entalhes para as mãos permitindo aos historiadores intuir a utilização destas em treinamentos com pesos. Há registros de jogos de arremessos de pedras através de gravuras em paredes de capelas funerárias do Egito antigo mostrando que há anos os homens já levantavam pesos como forma de exercício físico (SILVA, 2008). A história de Milon de Crotona, discípulo do matemático Pitágoras (500 à 580 a.c.), seis vezes vencedor dos Jogos Olímpicos, ilustra um dos métodos de treinamento mais antigos da humanidade, cujo princípio fundamental e utilizado até hoje, isto é, a evolução progressiva da carga. Milon treinava com um bezerro nas costas a fim de aumentar a força dos membros inferiores, e quanto mais pesado o bezerro ficava, mais sua força aumentava. Os relatos mostram que Milon foi um dos primeiros a se preocupar com a suplementação alimentar e que ele comia por dia 9 kg de carne, 9 kg de pão e 10 litros de vinho - gerando um total de 57 mil kcal. Ele também era capaz de matar um boi com as mãos e comê-lo sozinho. O nome da cidade de Milão é em sua homenagem. Diz a lenda que morreu devorado por lobos, pois ficou preso ao dar um golpe em uma árvore (SILVA, 2008). Segundo (Silva 2008 apud Rodrigues 2001) as modalidades de treinamento que podem ser desenvolvidas em musculação (TRP), são os treinamentos isométricos e os treinamentos dinâmicos, podendo se utilizar aparelhos mecânicos ou pesos livres Tipos de treinamento resistidos e seus diferentes objetivos O treinamento resistido com pesos (TRP) é uma das atividades físicas que mais se desenvolve em todo mundo. E utilizado para aprimorar vários aspectos da aptidão física. (COSSENZA,1992) TRP ou treinamento contra resistência é um termo geralmente usado para descrever uma grande variedade de métodos e modalidades que aprimoram a força muscular. Apesar de ser utilizado como sinônimo de "treinamento com pesos", o treinamento contra resistência inclui também as resistências impostas através de

15 14 hidráulica, elásticos, molas e isometria. Tecnicamente, o treinamento com pesos refere-se a levantamento de pesos (anilhas, lastros ou placas de pesos) existente em alguns aparelhos ou implementos. (COSSENZA,1992) Dentro dessa variedade de métodos existem os tipos treinamentos isométrico e dinâmico. O termo treinamento isométrico significa que o músculo vai tensionar sempre no "mesmo comprimento". Esse tipo de contração muscular produz aumento de tensão, porém não há alteração no comprimento do músculo. Os aumentos de força induzidos por esta modalidade de treinamento são específicos ao ângulo articular exigido (RODRIGUES, 1979). Por este motivo, quando se deseja aumentar força em toda a amplitude articular, o treinamento deverá ser feito em vários ângulos. O treinamento isométrico é considerado o que proporciona a contração máxima. A resistência oposicional é tão elevada que se equivale à capacidade máxima de recrutamento de fibras e conseqüentemente de um músculo, em condições normais, de gerar força (RODRIGUES, 1979). Já o treinamento de resistência dinâmica compreende a contração concêntrica, contrações excêntricas ou ambas. A contração concêntrica é aquela em que se observa o encurtamento da musculatura e o seu ganho de tensão. A contração excêntrica é quando se observa o ganho de tensão ao mesmo tempo em que o músculo se alonga. A maioria dos movimentos apresenta a combinação das contrações excêntricas e concêntricas.(flack; KRAEMER, 1999). Dentro do TRP, pode-se realizar diversos tipos de treinos com diferentes objetivos. Para isso, basta manipular as variáveis de volume e intensidade. O volume de treinamento com pesos é igual à carga de trabalho total. Este é diretamente proporcional ao custo calórico total do treinamento. O volume do treinamento pode ser manipulado modificando as seguintes variáveis: 1. - Número total de exercícios; 2. - Número de exercícios por grupo muscular; 3. - Número de séries; 4. - Número de repetições por exercício; 5. -.Tempo total de treino (FLACK; KRAEMER, 1999). Já a intensidade refere-se à qualidade do treino, ou ainda, à carga de treinamento. A intensidade pode ser manipulada modificando as seguintes variáveis:

16 15 - Quiilagem; - Velocidade do movimento; - Tempo de intervalo entre as séries; - Tempo de intervalo entre os exercícios; - Sequência dos exercícios; - Amplitude de movimento (FLACK; KRAEMER, 1999) Dentre os tipos de TRP mais utilizados em academias destacam-se a hipertrofia, força máxima, resistência muscular localizada (RML) e potência muscular. Cada um com ajustes diferentes entre o volume e a intensidade. (FLECK;KRAEMER 1999). No treinamento de hipertrofia, o objetivo é induzir o aumento da secção transversa do músculo através da exaustão muscular, proporcionando a auteração da proporção corporal. Os treinos para hipertrofia caracterizam-se por um volume alto; número de repetições moderado; número de séries alto e os intervalos entre 40 segundos e 1 minuto. A ordem dos exercícios na sessão de treino respeita o trabalho com grandes grupos seguidos de pequenos grupos musculares. (FLECK;KRAEMER, 1999) Força máxima é a maior força produzida para vencer uma resistência ou carga. Cargas que são relacionadas muito próximas a 1RM do praticante. O treino de força máxima tem como objetivo aumentar a densidade muscular pela síntese de proteína miofibrilar. O treino é caracterizado por volume baixo, cargas altas, poucas repetições e número de série moderado. O intervalo neste tipo de treinamento vai de 3 a 5 minutos. A ordem dos exercícios na secção de treino segue o mesmo padrão dos treinamentos de hipertrofia. (FLECK;KRAEMER, 1999) A RML é o número máximo de repetições por série que se pode executar com uma determinada carga, usando-se a técnica correta. (KRAEMER 1999). Neste tipo de treinamento pode-se fixar o tempo de execução do exercício e variar o número de repetições ou fixar o número de repetições do exercício e variar o tempo. Potência é a velocidade em que se desempenha o trabalho. A potencia durante uma repetição pode ser aumentada levantando-se o mesmo peso à mesma distancia vertical em período menor de tempo. O objetivo neste tipo de treinamento é aumentar a velocidade do movimento esportivo contra dada resistência. O volume é baixo, cargas intermediárias. O intervalo vão de 20 a 30 segundos entre as séries. (FLECK;KRAEMER 1999).

17 16 Chiesa (2002), descreve o treinamento resistido do ponto de vista da associação de meios, sistemas e formas de execução com os métodos de treinamento de força. Organizando os exercícios de forma ordenada, em séries ou sequências e classificados em método de treinamento método estático, dinâmico e mistos ou combinados. Dentro desta classificação os métodos de treinamento podem ser relacionados como: 1. Estático-isómetrico. 2. Misto ou combinado-auxotônico. 3. Dinâmico-isotônico ou alodinâmico-isocinético. 4. Dinâmico-concêntrico/positivo; 5. Dinâmico-exêntrico/negativo; 6. Dinâmico-combinado(excêntrico/concêntrico) reversível. Na mesma obra, o autor chama a atenção para o método de classificação com base no grau de esforço (sobrecarga) e a intrínseca relação com o nível de exaustão que pode atingir sobre o sistema muscular. Método que é baseado na proposta de Zatsiorsky(1999): 1. Método de esforço máximo. 2. Método de esforço submáximo. 3. Método de esfroço dinâmico. 4. método de esforço repetido Aparelhos x pesos livres Para o TRP existem duas formas comuns de realizar o treino: utilizando equipamentos/máquinas ou pesos livres. Podem ser encontradas diferentes formas de aparelhos em academias de musculação. Os aparelhos com sistemas de polias de raio invariável, devido ao seu mecanismo, produzem resistência dinâmica invariável, sendo o tipo de resistência encontrada na maioria dos aparelhos de musculação. (RODRIGUES, 2001). Aparelhos com polia excêntrica, que apresentam diferentes medidas do ponto de

18 17 giro à borda, promovem resistência dinâmica variável. "Esta resistência sofre modificação no peso durante todo o movimento, estando esta modificação diretamente relacionada ao ângulo em que se encontra a articulação. NELSON BITTENCOURT(1985). Assim sendo, proporciona esforço máximo de cada diferencial do arco do movimento articular completo (HEGEDUS, 1974). Encontra-se ainda os aparelhos com o uso de um braço de alavanca munido de pesos que pendem livremente. Estes aparelhos oferecem uma resistência progressiva, onde na fase concêntrica do movimento, se observa um acréscimo progressivo de resistência e uma redução na fase excêntrica. Esta forma de resistência é encontrada nas estações do supino, legpress e desenvolvimento, para ao final da fase concêntrica, próxima a posição de apoio articular, obter-se um aumento de resistência, diminuindo assim, a perda da tensão a nível muscular. Com a diminuição do braço de alavanca ao final da fase concêntrica, se obtém um aumento da capacidade relativa de peso sem aumento absoluto do mesmo (RODRIGUES 1979). Os aparelhos isocinéticos, comuns nas rotinas de TRP, são utilizado amplamente no campo da reabilitação músculo-articular. A resistência isocinética propicia na contração concêntrica, uma resistência proporcional à força do movimento em execução, com velocidade constante. O ângulo em que se encontra a articulação interfere diretamente na resultante de força (RODRIGUES, 2001). Por outro lado, tem-se os pesos livres, que consistem de halteres, anilhas e lastros, com o equipamento acessório representado por bancos e cavaletes. O que caracteriza os pesos livres é a versatilidade. Os exercícios podem ser criados com múltiplas variações. O período de aprendizado dos exercícios com pesos livres são normalmente superiores aos exigidos para os exercícios realizados em aparelhos, pois exige maior habilidade. Os exercícios envolvem uma maior massa muscular e maior controle de movimento. Tanto os aparelhos quanto os pesos livres apresentam vantagens e desvantagens. A escolha do recurso material a ser adquirido para o treinamento contra resistência é uma questão de prioridade e de considerações custo-benefício, (RODRIGUES, 2001). Na obra de Campos (2000) os tipos de aparelhos/dispositivos usados para Treinamento Resistidos com Pesos foram classificados em seis diferentes tipos:

19 18 a) Aparelhos com dispositivos de resistência constante; b) Aparelhos com dispositivos de gravidade dependentes; c) Aparelhos com dispositivos de resistência variável; d) Aparelhos com dispositivos isocinéticos; e) Aparelhos com dispositivos assistidos por computador; f) Aparelhos com dispositivos elástico-resistidos. Dentre estes seis tipos citados, os aparelhos assistidos por computador e os aparelhos elásticos resistidos, recentemente, estão ganhando espaço nas academias e ginásios de treinamento. Campos(2002) Mesmo não sendo o tipo de equipamento comum em todas as academias, os aparelhos assistidos por computador, são certamente, os que cumprem com o maior número de ajustes nas variáveis de uma sessão de treinamento resistido. Campos(2002). Campos (2002) descreveu que durante o curso de uma repetição, o computador adapta a resistência à curva de força do executante, alterando a resistência de acordo com a curva. Alem disso, os dispositivos computadorizados podem ser ajustados na velocidade, potência, aceleração, desaceleração e amplitude de movimento. Serve também, ao propósito de armazenamento do volume de treinamento, gravando os dados do trabalho semanal, mensal, número de repetições e séries realizados. Informações importantíssimas para a elaboração da periodização do treinamento. O uso de dispositivos Elásticos-resistidos representa um grupo de implementos que, junto com a bola suíça, o disco inflável e o bosu, são utilizados para aumentar o grau de dificuldade de alguns exercícios utilizando muitas vezes o próprio peso coporal. Campos(2002) O autor descreve que estes dispositivos apresentam limitações: 1. O aumento da resistência acontece no final da amplitude articular, quando a capacidade de produção de força do sistema muscular diminui. 2. Os aparelhos que utilizam estes didpositivos são limitados quanto ao número de elásticos, podem ser fixados no aparelho e/ou quanto à variação de espessura dos elásticos utilizados (elásticos mais espessos proporcionam maior resistência).

20 19 Em relação ao treinamento com pesos livres, o referido autor caracteriza como de resistência constante, e aponta para as limitações desse treinamento. Como o peso livre depende diretamente da ação da gravidade, que só atua no sentido vertical, o corpo é que deve ser posicionado de diferentes maneiras, para que haja força motiva do músculo no sentido vertical. Sendo assim, os músculos que realizam movimentos no plano horizontal não são favorecidos com esse tipo de treinamento (CAMPOS, 2002) Exercício Pullover Figura1: Ilustração do Exercício Pullover. Fonte:Delavier.Guia dos movimentos de musculação(2010) O exercício Pullover é um forma de TRP utilizado para os diferentes objetivos dos indivíduos. O mesmo é realizado deitado sobre um banco, pés apoiados contra o solo, um halter segurado pelas duas mãos, cotovelos semiflexionados, discos repousando sobre as palmas, polegar e indicador circundando a barra. Inspirar e descer o halter atrás da cabeça. Flexionando ligeiramente os cotovelos; expirar ao retornar à posição inicial. Este exercício desenvolve o volume da caixa torácica. Com cargas leves, ele aumenta a cavidade das costelas (DELAVIER,2010).

21 20 Os músculos que trabalham na execução movimento são: Peitoral Maior (Pectoralis Major), Grande Dorsal (Latíssimus Dorsi), Peitoral Menor (Pectoralis Minor), Serratiu Anterior (Serratus) e Romboides (Rhomboids). Tendo estes três últimos músculos como estabilizadores da escápula para que o úmero se mova em base estável. (DELAVIER, 2010). De acordo com a literatura, os dois principais músculos que estariam envolvidos com o movimento são: a) Peitoral maior (Pectoralis Major) Figura 2:Ilustração do Músculo Peitoral Maior. Fonte:Ebescos/smart image/ aula de anatomia.com.br (2011) É encontrado na metade superior da superfície da parede torácica. Ele é um grosso músculo triangular com partes clavicular e esternocostal, as quais podem ser separados por um sulgo, embora usualmente sejam contínuas umas com as outras. No seu caminho até o úmero, as fibras do peitoral maior em torção formam a dobra anterior da axila. (NIGEL et al ;2008) Ação muscular: trabalhar como adutor e rotador medial do úmero na articulação do ombro. (NIGEL et al ;2008) Atividade funcional: é um dos principais músculos da ascensão, de modo que, se os braços forem fixados acima da cabeça, o poderio desde maciço músculo pode ser usado para tracionar o tronco para cima. Ele é ajudado nesta atividade pelo grande dorsal. Em movimentos de dar socos e arremessar, o peitoral maior atual

22 21 para mover o úmero para frente com força, enquanto o serrátil anterior e o peitoral menor simultaneamente protraem a cintura peitoral. (NIGEL et al ;2008) b) Grande Dorsal (Latissimus Dorsi) Figura3:Ilustração do Músculo Grande Dorsal. Fonte:Ebesco/smart image/auladeanatomia.com.br(2011) O grande dorsal é uma grande lamina triangular achatada de músculo que corre entre o tronco, por fixação extensa, e fixa ao úmero por um tendão estreito. Conseqüentemente, ele atua sobre a articulação do ombro. (NIGEL et al; 2008) Ação muscular: o grande dorsal é um forte extensor do braço flexionado; contudo, se o úmero estiver fixado em relação à escápula, ele retrairá a cintura peitoral. Também é um forte adutor e rotador medial do úmero na articulação do ombro. Atividade funcional: o grande dorsal é um músculo de ascensão e com os braços fixados acima da cabeça é capaz de elevar o tronco em conjunto com o peitoral maior. Tem uma função importante no remo e durante o movimento para baixo na natação.(niguel et al, 2008).

23 ELETROMIOGRAFIA Muitos são os autores e obras que abordam e definem o que é Eletromiografia. Para Kleissen, et al (1998), é o método capaz de identificar a passagem do impulso nervoso para o sistema muscular; é a leitura da diferença de potencial que o potencial de ação criou na junção mioneural. E em sua contribuição, Kottle e Lehman (1994) descreveram eletromiografia como um estudo dos registros elétricos de uma parte ou de toda a unidade motora. Já Nigg e Herzog (1994), com uma abordagem mais fisiológica, conceituam EMG como a soma espacial e temporal dos potenciais de ação das unidades motoras durante a contração muscular, mensurada por eletrodos específicos. Galvani, cientista Italiano do século XVIII, fez duas descobertas interessantes à cerca do músculo esquelético: que desenvolve tensão quando estimulado eletricamente e produz corrente ou voltagem identificável quando desenvolve tensão, até mesmo quando o estímulo é o impulso nervoso (HALL, 2003). Eletromiografia (EMG) é uma técnica de monitoramento da atividade elétrica das células excitáveis, representando a medida dos potenciais de ação do sarcolema (no caso de músculos), como efeito de voltagem em função do tempo. O sinal EMG é a somação algébrica de todos os sinais (vários sarcolemas) detectados em certa área, podendo ser afetado por propriedades musculares, anatômicas e fisiológicas, assim como pelo controle do sistema nervoso periférico e a instrumentação utilizada para a aquisição dos sinais (ENOKA, 2006). Na Eletromiografia (EMG) para a análise do movimento humano, o registro da atividade elétrica do músculo acontece por meio da monitoração do sinal mioelétrico captado por eletrodos que podem ser intramusculares ou de superfície, este último considerado o mais adequado para os estudos cinesiológicos, principalmente durante a realização de um determinado movimento (DE LUCA, 1997). A Eletromiografia é usada para o estudo da função neuromuscular, incluindo a identificação dos músculos que desenvolvem tensão durante um

24 23 movimento e que movimentos exigem mais ou menos tensão de determinados músculos ou grupo muscular (HALL, 2003). Além de sua aplicabilidade básica em estudos fisiológicos e biomecânicos, a eletromiografia se estabeleceu como instrumento revolucionário nas pesquisas aplicadas nos campos fisioterapia, reabilitação, treinamento esportivo e a interação do corpo humano à ergonomia de equipamentos.(konrad, 2005). A exemplo de suas aplicações, na área médica, a EMG dos músculos auxilia nas tomadas de decisões pré e pós-cirúrgicas; na ciência do esporte, permite a analise da musculatura nas atividades esportivas, verificando a resposta muscular ao treinamento de força; na analise ergonômica, a EMG detecta a resposta muscular em determinadas angulações de equipamentos e sua funcionalidade. (KONRAD, 2005). 2.3 ESTUDOS REALIZADOS UTILIZANDO A EMG NO TRP Diversos estudos foram realizados utilizando a EMG como ferramenta para responder inquietações ou dúvidas sobre o recrutamento muscular nos diversos exercícios de musculação. Como exemplo pode-se citar Gonçalves e Matos (2005), os quais objetivaram verificar se existia diferença nos padrões de ativação muscular do tríceps braquial durante a realização do exercício tríceps rosca no pulley alto na posição pronada e supina. A pesquisa foi composta por quatro homens com idade entre 23 e 42 anos, saudáveis, todos experientes na prática de exercício tríceps braquial no pulley alto, há pelo um ano com freqüência semanal de no mínimo três vezes por semana. O estudo revelou não haver diferença na ativação das porções dos músculos tríceps braquial na execução do exercício tríceps rosca no pulley alto; entretanto parte da amostra apresentou diferença nos padrões de EMGs coletadas dos músculos flexores e extensores do punho. No estudo de Runge (2005), foram analisados os padrões de ativação da musculatura peitoral maior durante a execução dos exercícios peito supino barra, supino máquina e peito supino com halter. O autor verificou que havia diferença

25 24 significativa para uma maior ativação dessa musculatura nos exercícios com peso livre e com barra. Com utilização da mesma técnica (Rocha Jr, et al. 2007), avaliaram a atividade eletromiográfica da musculatura do peitoral maior, deltóide anterior e tríceps braquial durante o exercício supino reto e crucifixo. Como resultado, observaram que os músculos peitoral maior e deltóides anterior foram igualmente recrutados nos exercícios supinos reto e crucifixos, contrariando a idéia que exercícios uniarticulares promovam maior atividade dos motores primários devido ao isolamento. Gonçalves et al (1992), estudaram a quantificação EMG entre os músculos bíceps da coxa (cabeça longa), semitendíneo e gastrocnêmio (lateral) no ERP flexão de joelho em diferentes posturas: de pé e em decúbito ventral (o estudo não mostra as curvas ou amplitudes do eletromiograma). Foram utilizados oito homens jovens saudáveis que utilizaram uma carga relativa de 50% de 1RM nos seguintes exercícios: flexão de joelho em pé e em decúbito ventral. Para a quantificação dos dados EMG foram utilizados eletrodos de superfície e para o controle do movimento de flexão do joelho foi o exercício foi realizado com e sem administração de carga através de uma bota de ferro. Os resultados foram analisados referentes aos valores eficazes (RMS) obtidos durante a amplitude total de movimento. Os autores concluem que o músculo semitendíneo apresentou atividade predominante em todos os movimentos com e sem administração de carga durante a amplitude abaixo de 45º na flexão de joelho em pé. A porção longa do bíceps da coxa apresentou sua maior atividade durante o movimento de flexão em pé com carga e acima de 45º. A mesma situação, porém sem carga, ocorreu com o gastrocnêmio. No movimento de flexão do joelho em decúbito ventral acima de 45º todos os músculos tiveram suas atividades reduzidas e no movimento realizado em pé, com ou sem carga, todos os músculos apresentaram ação predominante acima de 45º. Guimarães e Crescente (1984) estudaram, através da EMG, a atividade do músculo reto femoral e das regiões supra e infra-umbilical do músculo reto abdominal, em 11 exercícios abdominais os quais foram executados por cinco jovens estudantes. Foi utilizada EMG de superfície e para análise dos sinais, parâmetros a partir da amplitude dos sinais. A cadência dos exercícios foi controlada por um metrônomo. Os sinais evidenciaram uma menor atividade do

26 25 músculo reto femoral para os exercícios em que as pernas repousavam sobre uma cadeira e uma maior ativação deste músculo quando o exercício era realizado em prancha inclinada. Finalizando, os autores chamam a atenção dos resultados, neste estudo, não se mostraram consistentes, sugerindo que diferentes indivíduos podem executar um mesmo exercício com diferente predominância dos músculos envolvidos. Recentemente Silva (2008), analisou a biomecânica do exercício Puxada Alta utilizando dois diferentes aparelhos de musculação: aparelho articulado versus aparelho de polia fixa. Foram utilizados dinamômetro e eletromiógrafo para a verificar a resistência e atividade muscular gerada pelos aparelhos durante o exercício. Os resultados deste estudo indicaram haver diferenças significativas para o padrão de movimento das articulações do ombro e cotovelo entre os aparelhos. Igualmente, existe diferença significativa de variação da carga entre os dois aparelhos e, a magnitude da carga também é diferente entre os dois aparelhos. Ainda, existe diferença funcional na tração da carga pelos sujeitos considerando o tipo de aparelho, sendo que no aparelho articulado os sujeitos tracionaram significativamente mais carga absoluta do que no aparelho de polia fixa. No entanto, as características de ativação muscular foram semelhantes em ambos os aparelhos e, não houve diferença de ativação muscular entre os aparelhos testados, para a musculatura do Grande Dorsal. Porém, esta diferença ocorreu para a musculatura do Bíceps Braquial. Finalmente, encontrou-se uma relação causal entre a ativação muscular e a carga oferecida ao praticante para o aparelho articulado. Schaefe e Ries (2010), com o objetivo de avaliar padrões de ativação muscular da cadeia posterior de coxa durante a execução de flexão do joelho nos aparelhos mesa e cadeira flexora, utilizaram a eletromiografia e concluíram que há uma maior ativação muscular dos ísquios tibiais durante os exercícios realizados na mesa flexora, sugerindo que este equipamento seja o mais eficiente para os treinamentos que visam ganho de força e hipertrofia muscular. Anteriormente na pesquisa sobre Supino plano com Halters, Silva et al (2001) analisou eletromiograficamente os músculos peitoral maior parte esternocostal (PME) e parte clavicular (PMC), deltóide fibras anteriores (DA) e tríceps do braço cabeça longa (TBL) em 11 voluntários do sexo Masculino para verificar o comportamento dos músculos nas fases concêntrica e excêntrica.

27 26 Baseando-se na análise dos parâmetros eletromiográficos, os pesquisadores concluíram que neste exercício em ambas fases do movimento o músculo mais ativo é o PMC, sendo que todos os músculos analisados são mais ativos na fase concêntrica. No estudo de Barbosa e Gonçalves (2002) a análise do coeficiente de variação do sinal eletromiográfico dos músculos peitoral maior, deltóide fibras anteriores e tríceps do braço cabeça longa no desenvolvimento em banco fechado analisa os coeficientes de variação (C.V.) intrasujeito e intersujeitos, da atividade eletromiográfica dos músculos peitoral maior parte esternocostal (PME), peitoral maior parte clavicular (PMC), deltóide fibras anteriores (DA) e tríceps do braço cabeça longa (TBL) durante o exercício denominado desenvolvimento em banco fechado. Onde participaram 8 voluntários do sexo masculino, treinados em musculação foram analisadas as fases de descida e subida do movimento. A partir dos resultados, concluiu-se que o músculo PME é aquele que apresenta menor variabilidade intrasujeito na fase de descida e o músculo TBL na fase de subida. Na análise intersujeitos, o músculo PME é aquele que apresenta o menor C.V. nas fases de descida e subida. Rocha Jr et al (2007), compararam a ativação eletromigráfica do peitoral maior, deltoide anterior e triceps braquial durante os exercícios supino reto e crucifixo na máquina. Com base nos dados da pesquisa, as atividades EMG dos músculos Peitoral Maior, Deltóide Anterior e Tríceps Braquial foram avaliadas durante a realização de 10 repetições máximas no CR e SP em 13 homens treinados. Os resultados não revelaram diferenças na atividade do PM e DA entreos exercícios. A atividade do TB foi maior na realização do SP em comparação com o CR. Durante o SP, a atividade do PM foi maior em relação ao TB, sem diferenças entre PM e DA ou DA e TB. No CR, a atividade do PM e a do DA foram maiores em relação ao TB, sem diferenças entre DA e PM. Portanto, concluíram, caso o objetivo seja promover estímulos para esses músculos, ambos os exercícios podem ser usados, dependendo da disponibilidade de materiais e/ou da especificidade da atividade motora na qual se procura melhorar a performance. Brennencke et al (2007), no estudo dos parâmetros cinemáticos e eletromiográficos do exercício crucifixo horizontal, analisaram os padrões temporais e de intensidade de ação dos músculos Peitoral Maior, Deltóide Anterior e Tríceps Braquial. Com base nos dados encontrados, os autores chegaram aos seguintes

28 27 resultados: que o TB obteve uma intensidade de ativação muito menor em relação ao PM e o DA, pelo fato de está associado apenas a flexão do cotovelo exigida no movimento do crucifixo; e que o PM e o DA apresentaram expressiva intensidade de ativação. Justificando assim, a inclusão do exercício crucifixo com haters para o desenvolvimento do PM e DA.

29 28 3 MÉTODO 3.1 CARACTERIZAÇÕES DA PESQUISA Segundo Gil (2007), pesquisa é o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Esta pesquisa é caracterizada, quanto à natureza, como aplicada, visto que o objetivo é gerar conhecimentos para aplicações práticas e dirigidos a soluções de problemas. Quanto a abordagem do problema, a presente pesquisa é caracterizada como quantitativa, pois os resultados são traduzidos em números. Quanto aos objetivos, pode-se considerar a pesquisa atual como descritiva, e em relação aos procedimentos técnicos, como empírica (MINATO, 2011). 3.2 SUJEITOS DO ESTUDO Para a realização deste estudo foram selecionados 08 indivíduos do sexo masculino praticantes de musculação, com idade média de 29,6 ± 15,9 anos, massa corporal média de 83,4 ± 7,9 kg, estatura média de 1,76 ± 0,35 m e com 13 ± 28% de gordura corporal. Os sujeitos foram convidados a participar da pesquisa e a adesão à mesma foi por voluntariado. Os critérios de inclusão dos sujeitos foram: ter experiência com treinamento de força a no mínimo dois anos e possuir em sua rotina de treino o exercício Pullover. Critérios de exclusão: ter realizado exercício físico nas últimas 24 horas; antecedentes de lesões músculo-esquelético, dor, trauma e/ou cirurgia nos membros superiores; apresentar tecido adiposo subcutâneo que interfira na coleta eletromiográfica (foi adotado %G > 15%).

30 INSTRUMENTOS DE MEDIDA Para a realização das coletas de dados foram utilizados os seguintes instrumentos/equipamentos: - Teste de 1-RM ( MOURA et al., 1997) - Banco de supino, Halter de musculação - Plicômetro (sensibilidade de 1mm/ SlimGuide ) - Aparelho para aquisição eletromiográfica Miotool 400 (Miotec,Porto Alegre, RS) - Balança analógica (Toledo, São Bernado do Campo, São Paulo) - Estadiômetro 3.4 COLETAS DE DADOS Inicialmente, o projeto foi submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa (CEP). Após aprovação, foi iniciada a seleção dos sujeitos que participaram do estudo. Antes da coleta, foram explicados os procedimentos e objetivos da pesquisa para então os sujeitos assinarem o TCLE. A coleta de dados propriamente foi realizada em dois períodos. No primeiro foi realizado um teste de 1-RM para determinação da carga máxima no exercício Pullover. No segundo foi realizada a coleta do sinal EMG durante a realização do referido exercício, com uma carga de 75% de 1-RM. 3.5 PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS

31 Teste para determinação da carga máxima Para realização da pesquisa, os participantes realizaram o teste de 1RM. O 1RM serve para determinar o valor referente a 100% de força para grupos musculares específicos a partir de um esforço máximo. O protocolo utilizado para realização do teste foi o proposto por Moura et al ( 1997). Após a explicação do protocolo do teste, os participantes fizeram um aquecimento prévio e foi demonstrada a execução correta do exercício. O teste foi constituído de três etapas: 1. Determinação da carga inicial do teste com base na carga utilizada nos treinos pelos participantes. 2. Tentativas de superação da carga, que foi avaliada pela execução correta de duas repetições completas do movimento. Os intervalos aconteceram de forma progressiva de 1 a 5 minutos respectivamente com a intensidade da carga, até que o participante não conseguisse efetuar o completo movimento dentro da mesma tentativa. 3. A carga máxima foi determinada quando o participante não conseguiu executar sua segunda repetição correta com a carga estipulada Aquisição do sinal EMG O procedimento experimental compreendeu a análise da atividade EMG do músculo peitoral maior (PM) e grande dorsal (GD) durante a execução do exercício Pullover com halteres na posição de decúbito dorsal utilizando uma carga de 75% de 1RM. O sinal EMG foi coletado durante a terceira repetição do Pull Over. Para a normalização do ritmo de execução do exercício foi determinado a um compasso de 105bpm. Antes de iniciar os testes, foi realizado um curto período de treino para aquecimento e orientar melhor o voluntário nas atividades propostas, e na aquisição do sentido cinestésico, para melhor controlar a velocidade de execução.

32 31 Foram realizados os procedimentos para preparação da pele e colocação dos eletrodos. A atividade elétrica dos músculos PM e GD foram detectadas usando eletrodos de superfície, com distância entre eletrodos de 3 cm, conectados a préamplificadores modelo PA 1010-VA (Figura 2) com ganho de 20 vezes. Para registrar o sinal eletromiográfico foi diminuída a impedância elétrica da pele, limpando o local com algodão hidrofílico embebido em solução alcoólica a 70% para remover gorduras e impurezas e raspando-se o local da colocação dos eletrodos. A localização dos eletrodos foi determinada respeitando as recomendações SENIAM (European Recommendations for Surface Electromyography). O eletrodo terra (referência) foi colocado em um acidente ósseo, sem ativação elétrica, conforme os padrões de recomendação. Após a colocação dos eletrodos, os voluntários foram posicionados em decúbito dorsal no banco de supino Tecnoflex. O apoio dos pés ocorreu em função do posicionamento da coluna lombar do executante (facilitando para que esta não perdesse o contato com banco durante a execução do exercício), em um suporte na altura do banco. Os sujeitos realizaram o exercício Pullover na posição inicial, os braços paralelos entre si e perpendiculares ao corpo, com os cotovelos flexionados. Realizaram a flexão excêntrica e a extensão concêntrica de ombros. Lembrados que Deviam evitar perder a ação eficiente das forças externas para os músculos em questão, ou seja, iniciar a repetição antes que os braços atingissem a posição perpendicular ao tronco (CALHEIROS; CHARRO; MARCHETTI, 2007).

33 32 Figura 4. Visualização do sujeito com eletrodos durante a coleta EMG. Fonte: Elaboração dos autores, Os sinais EMG foram coletados por meio do Eletromiógrafo Miotool USB da empresa Miotec, (FIGURA 2) e com placa conversora analógico/digital de 14 bits de resolução para uma taxa de aquisição de 2000 Hz. A mínima Relação de Rejeição de Modo Comum foi de 110 db. O tempo de coleta foi relativo a cinco repetições do exercício. Figura 5. Da esquerda para direita, ilustração do eletromiógrafo, cabo com pré-amplificador e eletrodos utilizados na coletas de dados. Fonte:

34 Análise e Tratamento do sinal EMG Inicialmente os dados brutos foram coletados no software Miografh 2.0. Um filtro digital com passa banda entre 20 e 500hz foi utilizado para eliminar interferências e ruídos de alta e baixa freqüência. Em seguida, foi recortado o sinal referente da 3ª terceira repetição realizada e este sinal foi convertido em valores de RMS (Root Median Square raiz quadrática média), que é um valor médio de todos os picos obtidos no sinal (KONRAD, 2005). Posteriormente, os valores foram normalizados com base na referência do maior valor do RMS através do software MAT LAB. Este processamento acima descrito foi realizado no software MATLAB. Para isso os dados foram exportados do software Miografh na extensão. txt. Foram utilizadas rotinas com a linguagem do MAT LAB, escrita na seguinte sequência: 1. Filtragem de todo sinal EMG com filtro do tipo butterworth com freqüência mínima de 10hz e máxima de 500hz. 2. Foi recortado e aproveitado o sinal de interesse, tendo em vista que foi gravada só a terceira repetição do movimento. 3. Foi calculado o envelope de RMS no trecho recortado com janelas de 40 mile segundos. Para isso cada valor de RMS foi elevado ao quadrado e posteriormente feito uma média de cada 40 mile segundos (mais ou menos 80 pontos). O valor RMS absoluto foi à raiz quadrada da média de todos os pontos da curva. 4. Para a normalização deste valor (%RMS), o mesmo foi multiplicado por 100 e dividido pela raiz quadrada do maior valor encontrado durante a contração. Alem disso, a fim de comparar a atividade EMG ao longo do ciclo do movimento (trechos de 10%-1500 pontos), realizou-se uma interpolação / extrapolação dos dados da terceira repetição de cada sujeito para pontos, utilizando o software Origin 6.0 Professional.

35 ANÁLISE ESTATÍSTICA Os dados foram apresentados por meio da estatística descritiva, como média e desvio-padrão e coeficiente de variação. Posteriormente, para comparar o sinal RMS do PT com o GD foi realizado o teste t para dados pareados. Alem disso, realizou-se uma análise de variância (ANOVA) para comparar a atividade EMG a cada 10% do movimento. Foi utilizado para análise o pacote estatístico SSPS e, para todos os procedimentos, será adotado o nível de significância de 5% (p<0.05).

36 35 4. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A figura 1 apresenta os valores da atividade eletromiográfica (EMG) dos músculos peitoral maior e grande dorsal durante a execução do exercício Pullover. De acordo com análise estatística, não foram encontradas diferenças significativas entre a atividade EMG (%RMS) do peitoral (33,74± 4,90) em relação com a do grande dorsal (35,78 ± 1,20). Desta forma, aceita-se a hipótese nula (H0) deste estudo. Figura 6. Comparação da atividade eletromiográfica (RMS normalizado) dos músculos Peitoral maior e Grande dorsal durante o exercício Pullover. Fonte: Elaboração dos autores, 2011 No gráfico 2 está apresentado a atividade EMG durante todo ciclo de movimento (fase concêntrica + fase excêntrica) da terceira repetição do exercício, para os músculos peitoral maior e grande dorsal. Realizou-se uma comparação da atividade EMG a cada 10% do ciclo total, não sendo encontrada diferenças significativas em nenhum trecho.

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Objetivo Desenvolver as modalidades de força especifica para cada tipo de nadador e prova.

Objetivo Desenvolver as modalidades de força especifica para cada tipo de nadador e prova. MUSCULAÇÃO APLICADA A NATAÇÃO Finalidades: Desenvolver as modalidades de força especifica para cada tipo de nadador e prova. Montagem da Sessão de Treinamento: Sessão de treino é a realização de todos

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM 1 ARTIGO ORIGINAL CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM Carlos Henrique Silva Leonardo Silva de Rezende Maria Amélia Paes Villas-Bôas da Fonseca Nádia Maria de Sales Pires Pós Graduação

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Orientador: Maria Claudia Ferrari de Castro Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Luiz Victor Esteves N FEI: 11209220-0 Início: Setembro/10 Provável conclusão:

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física Gabriela Bartholomay Kothe RELAÇÃO ENTRE O PERCENTUAL DE 1RM E O NÚMERO DE REPETIÇÕES MÁXIMAS EM EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EM INDIVÍDUOS

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Luciano Panosso da Silva

Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Luciano Panosso da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Educação Física Luciano Panosso da Silva ANÁLISE BIOMECÂNICA DO EXERCÍCIO PUXADA ALTA UTILIZANDO DOIS DIFERENTES APARELHOS DE MUSCULAÇÃO:

Leia mais

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição Treinamento Funcional Será que você fez a escolha certa? Prof. Cauê La Scala Teixeira Treinamento Funcional Definição Treinamento: Ato de treinar; conjunto de exercícios praticados por um atleta como preparo

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

Efeito de Duas Técnicas de Alongamento na Actividade Mioeléctrica dos Músculos Trapézio Superior e Trapézio Médio

Efeito de Duas Técnicas de Alongamento na Actividade Mioeléctrica dos Músculos Trapézio Superior e Trapézio Médio Efeito de Duas Técnicas de Alongamento na Actividade Mioeléctrica dos Músculos Trapézio Superior e Trapézio Médio Abel Rodrigues*; Sandra Figueiredo*; António Coutinho * *Escola Superior de Saúde Dr. Lopes

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÚSCULOS QUE ATUAM NOS MOVIMENTOS DA REMADA NO SURFE

OS PRINCIPAIS MÚSCULOS QUE ATUAM NOS MOVIMENTOS DA REMADA NO SURFE Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2007, 6 (3): 163-170 OS PRINCIPAIS MÚSCULOS QUE ATUAM NOS MOVIMENTOS DA REMADA NO SURFE Alexandre Alvarenga Roquette Sônia Cavalcanti Corrêa Universidade

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

ELETROMIÓGRAFO ME 6000

ELETROMIÓGRAFO ME 6000 Página 1 de 5 ELETROMIÓGRAFO ME 6000 1. INTRODUÇÃO 2. POSICIONAMENTO DOS ELETRODOS 3. USO DO ELETROMIOGRÁFICO COM O SOFTWARE MEGA WIN 4. ME6000 3.1 Cuidados 3.2 Como ligar e usar os menus: Measure, File

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC Corrêa 1, Renan Braz 2, André Luiz de Oliveira RESUMO A flexibilidade é uma das

Leia mais

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES TREINO A - Agachamento livre COMPLETO: 8 a 10 repetições (3x) - Leg 45: 8 a 10 repetições (3x) - Cadeira extensora: 8 a 10 repetições

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano Doutor em Ciências da Saúde Mestre em Educação Física Pós graduado em Musculação e Treinamento de Força Pós graduado em Fisiologia do Exercício Graduado em Educação Física Professor do curso de Pós Graduação

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS DA MUSCULAÇÃO: LEVANTAMENTO TERRA E LEG PRESS INCLINADO Aline Aparecida

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH

DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH DESCRIÇÃO CONSTRUTIVA DO VITA BENCH Aparelho residencial para condicionamento físico. Capacidade de cargas: Barra Supino: 70,0kg, Extensão e Flexão: 70kg Peitoral Fly: 50,0kg Remada: 50,0kg Supino: 50,0kg

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

AULA 4: Força e Equilíbrio

AULA 4: Força e Equilíbrio COLÉGIO PEDRO II CAMPUS HUMAITÁ II PROJETO UERJ-ENEM/2014 Prof. Carlos Frederico (Fred) AULA 4: Força e Equilíbrio 1. (UERJ - 2005) Uma caixa está sendo puxada por um trabalhador, conforme mostra a figura

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

2. Biomecânica do ombro

2. Biomecânica do ombro 2. Biomecânica do ombro Devido ao elevado número de elementos anatómicos intervenientes na biomecânica do ombro, a sua análise torna-se bastante complexa. Como se sabe, a função da cintura escapular requer

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais