ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO EDUARDO LACERDA HEBERT B. MAGNAVITA MICHEL SANTOS GASPARINI ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA SÃO MATEUS ES 2013

2 EDUARDO LACERDA HEBERT B. MAGNAVITA MICHEL SANTOS GASPARINI ANÁLISE DE FALHAS EM CADEIRAS COM AJUSTE DE ALTURA POR PISTÃO PNEUMÁTICA Trabalho desenvolvido pelos alunos do curso de graduação em Engenharia Mecânica IFES, apresentado ao componente curricular de Resistência dos Materiais. Prof. Msc. João Paulo. SÃO MATEUS-ES 2013

3 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DE LITERATURA METODOLOGIA DESENVOLVIMENTO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 12

4 3 1 INTRODUÇÃO A Análise do modo e efeito de falha ou simplesmente (FMEA). É um estudo sistemático e estruturado das falhas potenciais que podem ocorrer em qualquer parte de um sistema para determinar o efeito provável de cada uma sobre todas as outras peças do sistema e no provável sucesso operacional, tendo como objetivo melhoramentos no projeto, produto e desenvolvimento do processo. O FMEA foi uma das primeiras técnicas sistemáticas para a análise de falhas. Ele foi desenvolvido por engenheiros de qualidade na década de 1950 para estudar os problemas que possam surgir a partir de falhas de sistemas militares. O FMEA é muitas vezes o primeiro passo de um estudo de confiabilidade do sistema. Trata-se de rever todos os componentes, montagens e subsistemas, com o objetivo de identificar possíveis falhas, suas causas e efeitos. Para cada componente, os modos de falha e seus efeitos resultantes sobre o resto do sistema são registrados em uma planilha específica. A Análise do Modo de Falha é essencialmente uma análise qualitativa.

5 4 2 JUSTIFICATIVA Compreender os aspectos que envolvem o processo de análise de falhas já que este se faz necessário em todos os projetos mecânicos, uma vez que se os esforços e cargas mecânicas que se não forem levados em consideração no projeto podem levar a falhas. Este presente trabalho pretende fazer uma análise sucinta de falhas presentes em cadeiras escolares com ajuste de altura por pistão..

6 5 3 OBJETIVO 3.1 OBJETIVO GERAL Fazer uma análise de falhas na alavanca de ajuste de altura de uma cadeira com regulagem de altura. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Aplicar conceitos adquiridos nas disciplinas de Mecânica e Resistência dos Materiais.

7 6 4 REVISÃO DE LITERATURA A avaliação da Força de Preensão Manual (FPM) do tipo palmar é frequentemente utilizada, especialmente, no âmbito fisioterápico e desportivo. A busca por valores normativos tem sido foco de alguns estudos, mas os diferentes instrumentos e protocolos dificultam a generalização dos resultados. Além disso, existem diversos fatores que podem influenciar a FPM como o sexo, a idade, a dominância, o horário de avaliação, o posicionamento corporal, a sinceridade do esforço, as características antropométricas e o tamanho da empunhadura. De acordo com o universo bibliográfico revisado, em avaliações de FPM parece ser fundamental a utilização de um dinamômetro que permita a mensuração de curvas (força x tempo) e que possibilite o ajuste contínuo da empunhadura de acordo com as dimensões da mão. Recomenda-se ainda: padronizar o horário de avaliação, avaliar ambas as mãos, realizar no mínimo três avaliações em cada mão, adotar um posicionamento corporal padrão, utilizar incentivo verbal e/ou visual e corrigir a força pela massa corporal (MC). A padronização dos métodos de avaliação e interpretação dos resultados pode permitir a construção de valores de referência confiáveis e universalmente aceitos. A FPM tem sido investigada, principalmente, por meio da medição da força isométrica máxima que pode ser exercida sobre um dinamômetro, em inúmeros padrões de empunhadura ou pegada. Dinamômetros são equipamentos que permitem a mensuração da força aplicada em um sistema baseado em células de carga. Diferentes métodos têm sido utilizados para avaliar a FPM, sendo que as diferenças estão relacionadas à intensidade da contração, ao tempo de duração da contração e ao número de repetições realizadas. Ainda com relação à necessidade de padronização, a FPM pode ser avaliada de três maneiras: em tentativa única, adotando-se uma média das tentativas ou ainda assumindo o melhor desempenho dentre duas ou três tentativas.

8 7 Outro fator está relacionado à dominância lateral. Em relação ao pico de força máxima, em mulheres a mão dominante possui geralmente melhor desempenho. Os homens, embora não tenham apresentado diferenças de força entre as mãos, parecem ter valores mais altos de força que as mulheres.o efeito da dominância também foi investigado por Armstrong e Oldham. Os mesmos concluíram que as diferenças encontradas entre a FPM da mão dominante e não-dominante são pequenas (em tornode 10%) e que a utilização desses resultados deve seradotada com cautela. Variáveis antropométricas também podem configurar-se como fatores influenciadores das medidas. Valores normativos de FPM têm sido encontrados e relacionados com a massa corporal, estatura, perímetro do antebraço e tamanho da mão. As medidas ou proporções corporais têm sido utilizadas para predizer a FPM, ou seja, a partir de características antropométricas pode ser possível predizer o valor de FPM de uma pessoa. Sugere-se que alguns procedimentos básicos sejam adotados em qualquer investigação que envolva medidas de FPM, são eles: a padronização do horário de avaliação; a avaliação de ambas as mãos devido ao efeito da dominância; a realização de no mínimo três avaliações em cada mão; a adoção de um posicionamento corporal padrão, de preferência o sugerido pela American SocietyofFandTherapists, (ASHT); o ajuste do tamanho da empunhadura, levando em consideração o sexo e o tamanho da mão e finalmente, a utilização de incentivo verbal e/ou visual na tentativa de garantir esforço máximo durante a tarefa. Cabe ainda referir que o uso de métodos de correção da força pela MC, tais como equações alométricas, podem ser úteis na determinação de valores normativos generalizados e na comparação de diferentes indivíduos. BOWEN et al. determinaram a força de preensão de uma população de desportistas e acompanhantes de pacientes formada por 212 adultos, sendo 124 homens e 88 mulheres com idades compreendidas entre 18 e 55 anos. Predominaram os estudantes e indivíduos com a mão direita dominante. Os resultados revelaram maior força para o sexo masculino (43,06 Kg) em relação ao feminino (23,26 Kg);

9 8 5 METODOLOGIA Observamos que em cadeiras com regulagem de altura muitas vezes ocorrem falhas de forma que o sistema de elevação apresenta falha; Analisamos a cadeira e efetuamos as medias; Calculamos as forças externas atuando sobre a alavanca de regulagem de altura e observamos que a falha ocorre no botão de acionamento do pistão; Durante o desenvolvimento, encontramos alguma dificuldade para encontrar o valor da tensão de cisalhamento máxima a qual o material suporta sem entrar na região plástica; Procuramos na literatura, internet, ficha técnica do material do fabricante da cadeira. Mas não encontramos o valor desejado, portanto consideramos que o eixo da alavanca está no regme elástico; Pela análise, vimos que o defeito estava no fato de em algumas situações o botão sofrer um esforço excessivo, por mau uso do sistema de alavanca, sem que haja nenhum dispositivo que dificulte ou mesmo impeça esse esforço pelo usuário; A partir dessa análise dimensionamos um batente para que não houvesse um esforço excessivo sobre o botão.

10 9 6 DESENVOLVIMENTO Diagrama de Corpo Livre: Não há nenhuma força atuando sobre o corpo na direção ; A reação sobre o corpo ocorre somente na direção ; = Força média de aperto de uma pessoa (~43kg); (kg) (N). [ ] [ ] [ ] (Equação I)

11 10 Encontrando : ( ) ( ) (Força aplicada ao pino) Substituindo na Equação I: (Força no gancho de suporte)

12 11 7 CONCLUSÃO A partir da análise da estrutura do dispositivo de alavanca para a regulagem de altura, inicialmente foram propostas três soluções: primeira, dimensionar um batente para reduzir o esforço sobre o botão; segunda trocar o material do qual o botão é feito, de plástico para metal, a fim de aumentar a sua resistência mecânica; e terceira colocar uma mola para limitar o avanço da alavanca. Por fim observou-se que a solução mais viável seria o batente, e assim foram efetuados todos os cálculos de dimensionamento, os quais estão presentes neste memorial.

13 12 REFERÊNCIAS Avaliação da força da preenção palmar. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd89/palmar.htm>. Acessado em 8 de Agosto de Dias, J. A.; Artigo: Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Disponível em: < Acessado em 8 de Agosto de Hibbeler, R. C.; Resistência dos materiais, 7ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T -MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T NOTA: O operador deve LER o Manual de Instruções antes de utilizar a Paleteira Müller 3T. Obrigado por ter escolhido e utilizar a Paleteira Müller

Leia mais

Instruções de Uso BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO. Modelo EF912

Instruções de Uso BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO. Modelo EF912 BALANÇA PARA MONITORAMENTO DA HIDRATAÇÃO E GORDURA DO CORPO Importado por: Instruções de Uso Modelo EF912 CONTROLLER COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. Av. Santa Catarina, 1481 - CEP.: 88075-500 Estreito - Florianópolis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO PROJETO DESAFIO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Prof. CARLOS HENRIQUE LAGEMANN Prof. PAULO FERNANDO SALVADOR Prof. RONALDO CESAR TREMARIN Bolsista Diandra Tainá Rockenbach emc@univates.br

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com a sua Empilhadeira Manual BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Figura 1: VISTA DA TUPIAS (IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA) Advertência: Não execute nenhuma operação com o equipamento antes de ler atentamente este manual. Este

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras.

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. Modelo ABS 801 e ABS 802 BANQUETA EM ABS LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES E GUARDE ESTE MANUAL PARA

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS ALTOSUL INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA Fone /Fax (47) 3533-5330 Rua Presidente Nereu, 1300 Ituporanga-sc - Cep 88400-000 Sumario Sumario... 1 A Empresa... 2 Contatos... 2

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico

Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico 1 Inspeções termográficas de condutores em paralelo: proposta de método de diagnóstico M. A. Mendes, engenharia elétrica, IFES 1, e P.. Muniz, engenharia elétrica, IFES esumo-- A técnica de termografia

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

PROVA ENGENHARIA CLÍNICA

PROVA ENGENHARIA CLÍNICA LÍNGUA PORTUGUESA 01. Assinale a alternativa em que a palavra deve ser obrigatoriamente acentuada: (A) Publica. (B) Ironia. (C) Analise. (D) Malefico (E) Distante. 02. Considere o período e as afirmações

Leia mais

Antenas em fibra de carbono para DSNGs

Antenas em fibra de carbono para DSNGs Antenas em fibra de carbono para DSNGs Broadcast Day 2011 www.ibrasat.ind.br AP 02/11 046 WS Visão estratégica Pesquisa & Desenvolvimento de quipamentos e SNGs com foco na nacionalização e independência

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. METROLOGIA Escala e Paquímetro Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Regras de Arredondamento Quando o algarismo seguinte ao último algarismo a ser conservado for inferior a 5, o último algarismo a ser conservado

Leia mais

Manual de Instruções de Operação e Manutenção Monitor de Posição

Manual de Instruções de Operação e Manutenção Monitor de Posição Manual de Instruções de Operação e Manutenção Monitor de Posição 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 3. DESENHO DIMENSIONAL... 4 4. INSTALAÇÃO... 5 4.1 MONTAGEM EM ATUADOR ROTATIVO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - II UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - II MODELO MATEMÁTICO PARA CÁLCULO DA CARGA DE 1RM NO SUPINO RETO

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica Manual do Usuário Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO Introdução A norma para Instalações elétricas de baixa tensão, NBR 5410:2004,

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo

Instituto Federal do Espírito Santo Instituto Federal do Espírito Santo Dimensionamento de pinos e haste dos cilindros de uma Pá Carregadeira SÃO MATEUS - ES 08/2013 DONIZETTE GUSMÂO JÚNIOR RAFAEL OLIOSI RYCK BOROTO Dimensionamento de pinos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO 013/2013 Câmpus Juiz de Fora O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, conferidas pelo decreto presidencial de 24.04.2013,

Leia mais

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA CLÉG ATER DE AUAL DE TESTES DE AVALAÇÃ EDUCAÇÃ FÍSCA 2015 1 SUÁR 1-EDDAS DE CRESCET CRPRAL...03 assa corporal (Peso)...03 Estatura (Altura)...03 Índice de assa Corporal (C)...04 2-TESTES DE APTDÃ FÍSCA

Leia mais

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL 1.0 de 01/04/02013 8672 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 5 4. Características Gerais... 6 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015 Engenharia, Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO Condomínio Santa Tecla Bagé RS 21 de Maio de 2015 Sumário 1. OBJETIVO. 3 2. NORMAS APLICÁVEIS.

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Tecnologia em encadernações. www.lassane.com.br

Tecnologia em encadernações. www.lassane.com.br Tecnologia em encadernações www.lassane.com.br Encadernação com Wire-o Anel INÍCIO DA OPERAÇÃO A encadernação com Wire-o - ou duplo anel - proporciona um acabamento superior, além de facilitar o manuseio

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Pontes Rolantes - Aplicações

Pontes Rolantes - Aplicações Pontes Rolantes Pontes rolantes são máquinas transportadoras utilizadas, em meio industrial, no içamento e locomoção de cargas de um local para o outro. Conta com três movimentos independentes ou simultâneos

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA NOMINAL ORDINAL QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA CONTÍNUA - Variável qualitativa nominal = valores que expressam atributos, sem nenhum tipo de ordem. Ex: cor dos olhos, sexo, estado civil, presença

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS

ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS Alexandre Santos de Souza Júlio Cesar Roque Rutson Alves de Aquino AEDB FER RESUMO O presente artigo tem como

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO TVK - TVKH Rua Wenceslau Prodo, 181, Jardim Carvalho, Colombo Paraná. CEP: 83402-125 Fone: + 55 41 3201-8000 Fax: 55 41 3201-8080 seyconel@seyconel.com.br www.seyconel.com.br ÍNDICE

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

COEFICIENTES DE SEGURANÇA

COEFICIENTES DE SEGURANÇA Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br O engenheiro responsável pelo projeto de

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN

FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN 182 FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA, PICO DE FLUXO E INDICE DE MASSA CORPÓREA EM INDIVÍDUOS ADULTOS COM SINDROME DE DOWN Elaine Aparecida Lozano da Silva, Giulia Iracelis Passarini da Silva, Renilton José

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1 Relés de Nível Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) Manual de Instalação C205726 - REV 1 1) Apresentação Relés de Nível RNAI e RNAS Este manual descreve as características de funcionamento,

Leia mais

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Introdução à Engenharia Elétrica I 2007.1 Grupo 1 Professor Fernando Passold Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Desafio: Numa fábrica, existe uma máquina chamada máquina

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO 2 o Semestre de 2001 Molas Helicoidais e Planas AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO A NTUNES DOS

Leia mais

Instruções de Uso Cadeiras Odontológicas Página 1

Instruções de Uso Cadeiras Odontológicas Página 1 Instruções de Uso Cadeiras Odontológicas Página 1 INTRODUÇÃO Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a garantia Dabi Atlante, primeira indústria brasileira de equipamentos odontológicos a receber

Leia mais

N.25 Fevereiro 2006 BETÃO COM VARÕES DE FIBRA DE VIDRO PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO. Fernando Oliveira Marcelo Rodrigues Inês Santos João Dias

N.25 Fevereiro 2006 BETÃO COM VARÕES DE FIBRA DE VIDRO PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO. Fernando Oliveira Marcelo Rodrigues Inês Santos João Dias N.25 Fevereiro 2006 BETÃO COM VARÕES DE FIBRA DE VIDRO PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO Fernando Oliveira Marcelo Rodrigues Inês Santos João Dias EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS A monografia apresentada foi realizada

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Aula 03 Teoria Geral dos Sistemas: Dados x Informação x Conhecimento

Aula 03 Teoria Geral dos Sistemas: Dados x Informação x Conhecimento Curso de Sistemas de Informação Aula 03 Teoria Geral dos Sistemas: Dados x Informação x Conhecimento Professora: Germana Rolim Semestre 2010.2 Agenda 1. Sistemas de Informação 2. Conceitos de Dados, Informação

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Conceitos Fundamentais. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 1 Definição e Conceitos Fundamentais Tópicos Abordados Nesta Aula Definição de Ensaios Mecânicos. Noções Preliminares. Tipos e Ensaios. Conteúdo do Curso Aula 1 - Definição

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Atibaia SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Atibaia 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO -004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

Comparação entre parâmetros dimensionais e antropométricos na avaliação ergonômica de guarda-roupas fabricados no pólo moveleiro de Ubá, MG.

Comparação entre parâmetros dimensionais e antropométricos na avaliação ergonômica de guarda-roupas fabricados no pólo moveleiro de Ubá, MG. Comparação entre parâmetros dimensionais e antropométricos na avaliação ergonômica de guarda-roupas fabricados no pólo moveleiro de Ubá, MG. Comparison between dimensional and anthropometrics parameters

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais