Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola"

Transcrição

1 Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola

2 Introdução São vários os estudos de investigação que atualmente avaliam as necessidades dos atletas e os diferentes pontos de vista a respeito da eficácia do aquecimento e alongamento na maximização exponencial das capacidades do atleta. Ao longo dos anos e com este tipo de estudos em constante crescimento, foi possível e percetível, que além dessa maximização das capacidades, o efeito positivo do aquecimento e do alongamento na redução do número e da gravidade de lesões musculares é cada vez mais, uma realidade próxima das equipas de alta competição. Neste folheto informativo podemos encontrar aquilo que é a idealização de um bom plano de alongamentos, introduzidos num plano adequado de aquecimento, realizado numa equipa desportiva de Basquetebol. O aquecimento é apresentado como uma forma de melhorar a dinâmica muscular e de preparar o atleta para as exigências do exercício. Este deve ser estruturado de forma, a que o indivíduo experiencie um aumento da temperatura, aumento do batimento cardíaco, momentos de força, momentos de alongamento e gestos técnicos, com uma intensidade adaptada às necessidades e habilidades de cada indivíduo e de cada fase da época desportiva, sendo que em geral, deve produzir transpiração suave, respeitando a fadiga. Muitos benefícios fisiológicos, como o aumento da velocidade e da força são apontados como resultantes do aquecimento, havendo uma aceleração dos processos metabólicos, aumento da concentração de oxigénio no sangue e da velocidade de contração. No seguimento do aquecimento, temos as técnicas de ganho e\ou manutenção da flexibilidade, através de exercícios de alongamento, sendo que este pode ser dinâmico, estático ou por facilitação neuromuscular propriocetivo (PNF), em que este último envolve um alongamento estático, seguido de uma contração isométrica e relaxamento da mesma estrutura, procedido de um novo alongamento estático. Encontramos assim, aqui, um guia para melhorar e enriquecer um plano ideal e de fácil aplicação numa modalidade exigente fisicamente para o atleta, que propicia uma redução significativa a nível de lesões musculares e consequentemente aumenta o tempo de disponibilidade anual do atleta maximizando a sua capacidade para a realização da atividade desportiva. Em suma, e sendo as lesões musculares um dos principais problemas enfrentados pelos atletas, tornou-se cada vez mais necessário a introdução destas medidas que auxiliam na diminuição das lesões. A sua implementação é necessária ao longo dos treinos diários, uma vez que é este o local de maior contacto do atleta com a atividade. Encontramos aqui o nosso ponto de partida para uma orientação adequada, que vai de encontro à finalidade da temática abordada.

3 Alongamentos A sequência deve ser realizada de cima para baixo ou de baixo para cima. No mínimo e para atingir os objetivos de recuperação muscular devem ser realizadas 2 séries de 10/15 segundos. 8 exercícios bilaterais e 2 unilaterais Flexores Laterais do Pescoço Deltoide Flexores do Tronco Tricipete

4 Grande Dorsal Psoas-iliaco Quadricipete Adutores Músculos Posteriores Médio Glúteo e Rotadores do Tronco

5 Técnicas de auto-tratamento Como alternativa ou complemento dos alongamentos, existem técnicas de auto massagem que proporcionam uma melhor vascularização, relaxamento e aumento de flexibilidade do músculo. Atualmente, a principal referência deste tipo de técnicas são as técnicas de libertação miofascial (Roller Foam). Como o próprio nome indica, esta auto massagem tem como principal objetivo a libertação das fáscias musculares e consequentemente dos conhecidos Pontos Gatilho. Apesar de ter sido apresentada no Clinic como uma estratégia de recuperação muscular, o Roller Foam também pode ser utilizado como uma técnica de aquecimento. Devem ser realizadas no mínimo 6/8 rolamentos por cada grupo muscular e é aconselhável que o atleta aprenda a sentir as vantagens da técnica e assim definir intrinsecamente a duração/repetições que deve realizar. Rolamentos para Cadeia Muscular Posterior Dividir o membro inferior em 4 partes iguais e massajar 1 de cada vez. Rolamentos para o piramidal (zona glútea) Rolar sobre a zona glútea

6 Rolamentos nos romboides: (entre as omoplatas) Rolamento na musculatura lombares: Evitar comprimir a saliência posterior Evitar comprimir a saliência posterior das vértebras. Se necessário realizar o das vértebras. Se necessário realizar o rolamento ligeiramente de lado. rolamento ligeiramente de lado. Rolamento no Tensor da Fáscia Lata: Dividir o rolamento em 2 partes, do joelho a meio da coxa meio da coxa à anca.

7 Rolamento nos Quadricipetes Rolamento na Fáscia Plantar

8 Relaxamento e Consciencialização Corporal Recordando o que foi abordado na primeira parte do Clinic da ABL/NBQ, o atleta tem de ter preocupações técnicas, táticas, físicas e mentais. No fim mas não menos importante, a condição mental do atletas é algo que não deve ser esquecido e deve ser ligeiramente introduzido na sua formação desportiva. Existem diversas técnicas e métodos de trabalho da mente que variam consoante o objetivo. A melhoria da performance individual/coletiva, o controlo emocional nas situações gatilho, o reconhecimento das potencialidades físicas e a recuperação física global são alguns dos objetivos principais. Adaptando à realidade do basquetebol português e de modo a introduzir estes pequenos conceitos nas equipas de formação, podemos de uma forma simples trabalhar a mente em todas as suas vertentes. O exemplo descrito em baixo, não é uma técnica específica padronizada como as técnicas de Laura Mitchell, relaxamento de Jacobson ou PNF chi, mas uma mistura de técnicas que utilizo a nível pessoal no trabalho das seleções nacionais. O exercício varia entre momento de consciencialização (perceber e diferenciar as estruturas que sentimos mais cansadas das outras), momentos de contração isométrica e relaxamento (principio fisiológico: após uma contração máxima, obtemos um momento de relaxamento máximo) e consciencialização no final do exercício (de modo a perceber os ganhos a nível de relaxamento). Tempo mínimo: 10/15min Ambiente: Calmo e escurecido Posições: Metade do tempo para cada posição Sequências: 1.Fechar os olhos e sentir o corpo. (30seg) Iniciar na 1ª posição 2.Sentir o quanto estamos cansados e pesados. (30seg) 3.Inspiração, apneia 3 seg e expiração. (10 ciclos) 4.Contrações isométricas e relaxamento (mantidas durante 3 segundos, 3 vezes cada): 1.Músculos das mãos, - Mudar para a 2ª posição 2.Músculos das antebraços 3.Músculos das braços 4.Músculos das ombros 5.Músculos das pescoço

9 6.Músculos das tronco 7.Músculos das coxas Regressar à 1ª posição 8.Músculos das gémeos 9.Músculos das dedos dos pés 5.Sentir os musculatura mais cansada. 6.Contrair os músculos mais cansados e relaxar 7.Inspiração, apneia 3 seg e expiração. (20 ciclos) Terminar na 1ª posição ou numa posição à escolha do atleta.

10 1ª Posição de relaxamento Corpo relaxado, braços abertos num amplitude confortável, pernas dobradas e coluna toda em contacto com o chão (pedimos aos atletas para realizar 1 vez joelhos ao peito nesta posição de modo que a lombar fique em contacto com o solo). 2ª Posição de relaxamento Posição idêntica à anterior, com as pernas afastadas.

11 Planeamento do Retorno à Calma O retorno à calma deve ser interpretado como o primeiro exercício do treino seguinte. O objetivo nesta fase é promover a recuperação muscular de modo a evitar a acumulação de fadiga e consequentemente as lesões. De modo a adaptar às possibilidades do dia-à-dia, proponho em baixo algumas combinações consoante o tempo disponível após o treino com bola. Plano de alongamentos 2x10 segundos cada alongamento = 6 min 2x15 segundos cada alongamento = 10/12 min Técnicas de libertação miofascial 2x15 rolamentos = 8/10 min Sessão de relaxamento Realizar de forma progressiva 10, 15 e 20 min Combinações: Técnicas Miofasciais + Plano de alongamentos (15seg) = 22 min Rolamento Fascia Plantar + Alongamentos pernas (5 exercícios, 10 seg) = 6 min Rolamento cadeia posterior e tensor da fáscia lata + Alongamentos pernas = 8 min Plano de alongamentos (10 seg) + Sessão de relaxamento (10min) = 16 min

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Metodologia do Indoor Cycle Em foco... Década de 80 Inspirado no ciclismo outdoor Simulação de ciclismo outdoor 2 Segurança Características Intensidade,

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013

Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 Lesões do Sistema Músculo- Esquelético em Futebolistas Jovens durante a época 2012/2013 QUESTIONÁRIO Autor: Alexandre Miguel Mil-Homens Lucas Orientador: Prof. Doutor Raul Oliveira Ano lectivo 2012-2013

Leia mais

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Alfredo Silva Fisioterapeuta Osteopata Lesão: é qualquer tipo de ocorrência, de origem traumática ou de sobre uso, da qual resulta incapacidade

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo.

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo. INTRODUÇÃO As Regras de Jogo regulamentam as funções dos juízes de linha, a sua localização (27.1) e as suas responsabilidades (27.2). Além disso, a Regra 28.2 indica os gestos oficiais com as bandeirolas

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função Dados Pessoais: Nome: V. Idade: 19 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Estudante e Jogador de Basquetebol (Estoril) Diagnóstico Médico: Ligamentoplastia do Ligamento Cruzado Anterior História

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática FICHA PARA CATÁLOGO Título: IMPORTÂNCIA DO AQUECIMENTO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador Instituição de Ensino Superior Disciplina/Área

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna

Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna Cartilha de Fisioterapia para Pacientes da Escola de Coluna 4ª\edição 2015 tt Prezado(a) Paciente, Essa cartilha foi elaborada especialmente para você, paciente da Escola de Coluna do Into. Aqui você

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3.

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. ÂMBITO: Aplica-se a todos os professores da Escola Municipal de Natação nos tanques

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO ANO LECTIVO 2011 / 2012 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Plano de unidade didáctica Ginástica acrobática (complemento da

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia

Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia Tradução de Eduardo Lima, autorizado pela autora, a partir de texto publicado em inglês pela National Ataxia Foundation (http://www.ataxia.org/pdf/

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação Prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 26 2013 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS COMO SUPERAR O SEU RECORD PESSOAL Depois de quebrada a barreira de muitos km a pedalar e terminadas com algum conforto as primeiras provas de Granfondo e Ultra Endurance, surge

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LECTIVO 2014/2015 TURMA 12º I CURSO PROFISSIONAL MULTIMÉDIA PROFESSOR: JOÃO MOTA 1º Período 3ºª Feira Módulo 3 JOGOS DESP. COLETIVOSIII (VOLEIBOL) 22 tempos Início16/09/14 Fim: 25/11/14 VOLEIBOL (Módulo 3) Nível Avançado - O aluno: 1. Em exercício 1x1; 3x3 e situação de jogo 4x4 e

Leia mais

Tipos de análises do movimento humano

Tipos de análises do movimento humano Tiago Barbosa Análise qualitativa do movimento humano Tipos de análises do movimento humano QUALIT. QUANT. Nível de desenvolvimento Escala de apreciação Amplitude de passada Velocidade Aceleração Força

Leia mais

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora.

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. Conta na sua equipa com um conjunto de profissionais habilitados

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

EXERCÍCIO NO LOCAL DE TRABALHO

EXERCÍCIO NO LOCAL DE TRABALHO A oportunidade para realizar exercício deve ser encontrada por si, mas mesmo para os mais ocupados, é possível realizar alguns exercícios no local de trabalho, que são fáceis de aprender, não são cansativos,

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR ANO LECTIVO 2010/2011 ÍNDICE 1 Programa... 2 2 Determinações referentes à participação... 2 2.1 Quadro

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO DE SPRINT INTERMÉDIO

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO DE SPRINT INTERMÉDIO A Triathlon Performance Solutions apresenta: O plano de corrida de doze semanas Distância de corrida: Sprint Nível atlético: Atleta intermédio com pelo menos dois anos de experiência em sprint ou em triatlo

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO OLÍMPICO PRINCIPIANTE

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO OLÍMPICO PRINCIPIANTE A Triathlon Performance Solutions apresenta: O plano de corrida de doze semanas Distância de corrida: Olímpica Nível atlético: Atleta principiante no primeiro ou segundo ano de competição de triatlo de

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS Plano de Aula Professora estagiária: Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 Data: 19/01/10 Horário: 11h50-13h20 Duração: 90 min. Local: Pavilhão Número de

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 2ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

EXERCÍCIO em Casa. Fig. 1. Deslizar na parede. Fonte: Círculo Médico

EXERCÍCIO em Casa. Fig. 1. Deslizar na parede. Fonte: Círculo Médico O fortalecimento muscular integra os programas de exercício físico (juntamente com a atividade aeróbica e alongamentos), com o objetivo de aumentar a força e resistência dos músculos envolvidos. (1) Existem

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

DISCIPLINA: MEIO-FUNDO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: MEIO-FUNDO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS MEIO-FUNDO 239 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Relacionar o regime aeróbico com a sensação de fadiga. - Aquisição da noção de corrida regular. I- Ensino/Aprendizagem - Correr

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Aulas de Inglês implementando técnicas de Yoga na Educação (T.Y.E.)

Aulas de Inglês implementando técnicas de Yoga na Educação (T.Y.E.) Aulas de Inglês implementando técnicas de Yoga na Educação (T.Y.E.) Maria Fernanda Teixeira Pinto Hoje em dia as crianças e jovens tem uma vida muito cheia de tarefas e compromissos, correndo de um lugar

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

Energym Turbo Charger

Energym Turbo Charger Energym Turbo Charger LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Antes de começar qualquer programa de exercícios,

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Plano de Intervenção- Idosos ativos + 65 anos Ano de execução: 2015

Plano de Intervenção- Idosos ativos + 65 anos Ano de execução: 2015 Plano de Intervenção- Idosos ativos + 65 anos Ano de execução: 2015 Técnica responsável: Marina Rita É possível ajudar o idoso a readquirir hábitos saudáveis prevenindo assim o declínio através de exercícios

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

LINH A GJU OFTT!QSFNJVN

LINH A GJU OFTT!QSFNJVN LINHAGJUOFTT!QSFNJVN FL06 - Corda com Contador de Giros A corda com Contador de Giros Hidrolight proporciona uma ótima atividade aeróbica, pois eleva a frequência cardiaca e também é uma boa opção para

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

ESTABILIDADE POSTURAL FORÇA E EQUILÍBRIO

ESTABILIDADE POSTURAL FORÇA E EQUILÍBRIO ESTABILIDADE POSTURAL FORÇA E EQUILÍBRIO PROGRAMA DOMICILIAR DE EXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care and Population Health University College London

Leia mais

Treinamento funcional

Treinamento funcional Treinamento funcional Treinamento Funcional O segredo está no equilíbrio. O treinamento funcional trabalha grande parte dos músculos do corpo num único exercício, queima muitas calorias e desenvolve a

Leia mais

Exercicios Semanais. Exercicios Semanais

Exercicios Semanais. Exercicios Semanais INDÍCE Indíce Introdução 2ª Feira - Andar 3ª Feira Flexões Em Triângulo 4ª Feira Flexões De Pernas 5ª Feira - Abdominais 6ª Feira -Boxe Domingo - Saltos Conclusão INTRODUÇÃO Este guia destina-se a mostrar-lhe

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas ÍNDICE PEÇAS E ACESSÓRIOS 6 INSTRUÇÕES 7 BODYCORD - CORDA DE RESISTÊNCIA CORPORAL 9 MONITOR DE TREINAMENTO 10 CONTAGEM DE PULSAÇÕES 10 DICAS DO TREINAMENTO BÁSICO 11 FREQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 11 ALONGAMENTO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Ginástica Rítmica da Special Olympics

Ginástica Rítmica da Special Olympics Ensinando Habilidades Esportivas da Special Olympics Tabela de Conteúdos Aquecimento... 3 Aquecimento Aeróbico... 5 Coreografia das Ondas do Corpo... 8 Ballet... 10 Aquecimento do Ballet... 13 Alongamento...

Leia mais

MASSAGEM PARA GRÁVIDAS (Massagem Estética Californiana)

MASSAGEM PARA GRÁVIDAS (Massagem Estética Californiana) 1 MASSAGEM PARA GRÁVIDAS (Massagem Estética Californiana) Um dos momentos mais especiais na vida de uma mulher é, sem dúvida, estar grávida. Esta é uma altura em que não é preciso motivos para celebrar

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento

JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento JOGOS LÚDICO-DESPORTIVOS DE KARATÉ Proposta de Conceito e Regulamento Não se pode dizer que a criança não se adaptou ao karate Mas até que ponto é que este se tem adaptado à criança? INTRODUÇÃO É entendimento

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais