Planeamento do Treino Desportivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planeamento do Treino Desportivo"

Transcrição

1 Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Planeamento do Treino Desportivo Periodização de um Macrociclo para o Desenvolvimento da Força - Basquetebol (A nível Sénior) Ricardo Robalo

2 Índice 1. Introdução 3 a. Caracterização Fisiológica da Modalidade Basquetebol 3 b. Conceitos Básicos de Periodização 4 i. Modelo Linear de Periodização 5 ii. Modelo Não-Linear de Periodização 5 2. Periodização do Treino da Força 6 a. Periodização Aplicada ao Desenvolvimento da Força 6 i. Periodização da Força pelo Modelo Linear 8 ii. Periodização da Força pelo Modelo Não-Linear 9 3. Periodização do Treino da Força no Basquetebol 9 a. Tendências do Treino nos Jogos Desportivos Colectivos 9 i. Incorporação da Periodização nos Jogos Desportivos Colectivos 10 ii. Treino na Fase Competitiva 10 iii. Efeitos da Periodização Linear no Rendimento na Fase Competitiva 11 iv. Interacção do Treino da Força com a Carga Aeróbia Periodização Mista 12 a. Aplicação ao Basquetebol 13 b. Modelo Linear em Fases Não Competitivas 13 c. Modelo Não-Linear em Fases Competitivas Caso Prático Universidade do Texas 2000/ Conclusão 15 a. Modelo Proposto Referências Bibliográficas 17

3 Introdução Neste artigo irá ser feita, inicialmente, uma caracterização das especificidades fisiológicas inerentes ao basquetebol. De seguida irão ser dados conceitos de básicos de periodização assim como uma explicação do que são modelos lineares e não-lineares. Depois ira-se explicar a aplicação da periodização ao desenvolvimento da força fazendo referência aos modelos lineares e não-lineares no caso específico da força. Mais à frente vai-se desenvolver o tema da periodização nos jogos desportivos colectivos e suas vicissitudes, mais especificamente o impacto e principais preocupações a ter na periodização da força no basquetebol. Seguirá então uma apresentação de suporte teórico que sustente a hipótese de periodização mista no desenvolvimento da força no basquetebol, sendo também apresentado um caso prático onde irão ser divulgadas as principais conclusões. Finalmente como conclusão irá ser proposto um modelo de periodização misto para o desenvolvimento da força no basquetebol. Caracterização Fisiológica da Modalidade - Basquetebol O basquetebol segundo Bompa (2003) tem como sistema energético dominante o sistema aeróbioláctico. O autor caracteriza os sistemas energéticos na modalidade em termos percentuais da seguinte maneira: Sistema Aláctico: 20 % Sistema Lático: 40 % Sistema Aeróbio: 20 % É claro que a distribuição percentual dos sistemas energéticos feita por Bompa (2003) é algo subjectiva e arrisca-se a ter variações interindividuais muito grandes. Como principais características ergogénicas do basquetebol o autor salienta as seguintes: alto dispêndio energético com uma média de 40 saltos, com curtos períodos de recuperação; altas acelerações e desaceleração e outras variações de corrida (de 5 a 7km por jogo), seguidas por uma média de 280 mudanças rápidas de direcção. Quanto à intensidade Bompa (2003) afirma que os batimentos cardíacos durante um jogo situam-se numa média de 167 batimentos por minuto (bpm) e situam-se acima dos 180 bpm 25 % do tempo. Os factores limitantes da performance segundo Bompa (2003) são a potência de aceleração e desaceleração, potência de salto, agilidade, coordenação e domínio de bola, velocidade de reacção e tempo do movimento.

4 Como objectivos do treino o autor afirma que o desenvolvimento dos três sistemas de energia deve ser feito através de tarefas específicas do jogo. Bompa (2003) afirma que a componente aeróbia confere a capacidade aos atletas que lhes permite treinar e jogar eficientemente durante toda a partida, permitindo também uma boa recuperação pós actividade. O desenvolvimento da velocidade máxima segundo Bompa (2003), realizada com boa técnica é um factor de rendimento. Este último conceito carece, provavelmente, de uma boa explicação, já que a velocidade máxima no jogo de basquetebol é impossível de atingir já que o campo só tem aproximadamente 25 metros e a fase de aceleração até à velocidade máxima necessita de uma maior distância. O autor neste caso deve estar a fazer referência à capacidade de aceleração aliada à velocidade de execução das técnicas específicas da modalidade. No caso específico da força o desenvolvimento da força máxima é importante, como base de aperfeiçoamento da potência, da aceleração, da desaceleração, das mudanças rápidas de direcção e do trabalho rápido e altamente coordenado de pés. O desenvolvimento da força de resistência assume um papel preponderante, especificamente na capacidade de realizar repetidamente acções de potência durante todo o jogo. Conceitos Básicos de Periodização A periodização tem como objectivo organizar a carga de treino tendo em conta a sua intensidade, volume, densidade e complexidade de forma a optimizar o rendimento do atleta para a competição específica da sua modalidade. Pode-se dizer que o rendimento depende da forma desportiva sendo esta o desempenho competitivo que um atleta consegue realizar num determinado momento da sua carreira ou do seu processo de preparação. Esta é constituída pelo estado de treino e pelo estado de preparação. O primeiro reflecte a adaptação biológica geral do organismo, enquanto o segundo diz respeito à capacidade que esse mesmo organismo tem de manifestar as suas possibilidades máximas no decorrer de uma competição (Platonov, 1991). A periodização típica envolve três níveis fundamentais: a macro-estrutura, a meso-estrutura e a micro-estrutura. Nesta última considera-se o microciclo, de duração semanal típica, podendo ter de maneira geral de 3 a 10 sessões. Na meso-estrutura surge o mesociclo, estrutura intermédia que agrupa vários microciclos, orientando o processo de treino de acordo com os objectivos definidos, sistematizando a alteração das componentes da carga e dos conteúdos dos exercícios de treino, podendo durar de duas a seis semanas.

5 Por último, o macrociclo, que constitui um todo integrando as competições em que o atleta deverá participar e o período de preparação necessário para que essa intervenção seja bem sucedida, pode corresponder a uma época inteira no caso de uma periodização simples, mas pode também ser apenas uma de duas metades da época (periodização dupla) ou apenas uma parcela da época (periodização múltipla). Modelo Linear de Periodização As estruturas de periodização no modelo linear são organizadas por estádios sucessivos de um processo que se pretende unitário e integrado. Cada um deles se caracteriza por uma aplicação selectiva de conteúdos determinados, assente em meios e métodos de treino que garantam um efeito controlado e orientado para a evolução gradual do desempenho competitivo, ou seja da forma desportiva. Daqui se poderá concluir que as leis da periodização do treino são sobretudo, leis de regulação da evolução da forma desportiva perante objectivos e marcas temporais bem precisos. Modelo Não-Linear de Periodização Segundo Wathen (sd) os modelos não-lineares são caracterizados por uma distribuição não constante das cargas ao longo tempo. Estes modelos, segundo Buford (2007) podem ter variações de dia para dia ou de semana para semana das cargas de treino aplicadas, não procurando fazer uma evolução constante dos estímulos, mas sim fazer com que haja alguma variabilidade ao longo do tempo. Este modelo facilita o treino de mais que uma manifestação de uma qualidade física ao mesmo tempo pois, com a variação das cargas ao longo do microciclo ou mesociclo, o objectivo de cada sessão poderá variar. Esta possibilidade contraria as propostas de modelos lineares já que, ao invés de apoiar a sua teoria na continuidade e progressão das cargas de forma constante, apoia a sua teoria no efeito cumulativo das cargas ao longo tempo, preconizando que a médio longo prazo os efeitos são semelhantes aos observados nos modelos lineares, tendo a vantagem de ser mais adaptável a formatos competitivos mais prolongados. Esta maior adaptabilidade advém de uma maior facilidade em controlar a carga de treino evitando assim a fadiga tanto física como mental.

6 Periodização do Treino da Força Periodização Aplicada ao Desenvolvimento da Força Muitos especialistas adaptaram os vários modelos de periodização existentes ao desenvolvimento da força a longo prazo, tendo como objectivo aumentar a performance de ano para ano focando-se na manifestação mais característica da força presente na modalidade que o atleta pratica. Existem duas razões pelas quais se usa a periodização no desenvolvimento da força específica do desporto do atleta: 1) coordenar estrategicamente a regeneração usando períodos de descompressão dissipando a fadiga acumulada reduzindo assim o risco de Overtraining e potenciando a supercompensação. (Banister & Calvert, 1981; Fry, Morton, & Keast, 1992 citado por Cole, 1998); 2) Variar o estímulo de treino ao longo do tempo, pois através da periodização os ganhos, em termos de força, serão maiores e ocorrerão mais rápido do que se o treino da força for feito à intensidade constante concomitante ao treino convencional (Kukushkin, 1983; Poliquin, 1997; Sleamaker, 1989 citado por Cole, 1998). As etapas contempladas na periodização da força, são algo consensuais no universo científico do treino, embora por vezes as denominações das etapas sejam distintas, aquilo que as compõe tende a não variar muito. Bompa (2003) propõe quatro etapas na periodização do desenvolvimento da força: 1. Etapa de Adaptação Anatómica 2. Etapa de Força Máxima 3. Etapa de Potência 4. Etapa de Manutenção Segue então a explicitação das diferentes etapas: 1. Etapa de Adaptação Anatómica Consiste num aumento do condicionamento geral e de resistência através do treino de força. Promove uma adaptação dos ligamentos, tendões e tecidos musculares para as fases seguintes do treino (Bompa, 2003). Segundo Stewart (2005) esta fase serve para melhorar a flexibilidade funcional na amplitude característica da modalidade; estabilizar e reforçar os músculos do core para prevenção de lesões e para criar uma boa base para uma eficiência biomecânica; reforçar tendões, ligamentos e estabilização da musculatura responsável pela integridade das articulações; fortalecer os músculos que por sobre uso estão enfraquecidos e provocam desequilíbrios musculares; aumentar a massa muscular nos principais músculos que sofreram mecanismos catabólicos ao longo da época transacta.

7 2. Etapa de Força Máxima A força máxima é, talvez, de entre as diferentes formas de manifestação da força, a expressão que com maior unanimidade entre os diferentes autores, podemos encontrar na literatura. Por força máxima devemos entender o valor mais elevado de força que o sistema neuromuscular é capaz de produzir, independentemente do factor tempo, e contra uma resistência inamovível. Se aceitarmos esta definição de força máxima estaremos a dizer que ela se deve avaliar em termos isométricos, ainda que se possa exprimir também em termos concêntricos ou excêntricos. Esta forma de manifestação da força afirma-se como a base de desenvolvimento para todas as outras manifestações da força. Os métodos da hipertrofia muscular também designados por métodos sub-maximais, têm como objectivo incrementar a força máxima, através do aumento da massa muscular, i.e., hipertrofiando o músculo. Sob esta classificação podemos encontrar diferentes sub-métodos com diversas variantes ao nível do arranjo da dinâmica da carga, mas com uma filosofia base comum: induzir a fadiga, através de um estímulo sub-máximo e de longa duração para que ocorra uma determinada depleção energética e consequentemente se estimulem os fenómenos de resíntese para a prazo se poder observar aumento da área da secção transversal do músculo. 3. Etapa de Potência A potência (F x V) é basicamente a capacidade de produzir o maior valor de força possível em tempos reduzidos. Pode-se dizer que a potência pode se manifestar de duas formas, pela (1) taxa de produção de força que é a capacidade que o indivíduo tem para acelerar o movimento o mais rapidamente possível desde o zero, é geralmente mais preponderante em movimentos onde a resistência a vencer é elevada; (2) e pela força reactiva, que se manifesta em ciclo alongamento-encurtamento sendo a forma de força mais característica dos desportos colectivos, e representa a capacidade de produzir força contra resistências de baixa intensidade num determinado período de tempo. Esta etapa antecede ou coincide geralmente, com as fases competitivas, pois representa a forma de manifestação da força mais aproximada da realidade observada no desporto. 4. Etapa de Manutenção Não é mais que uma etapa em que o objectivo é manter os níveis de força nas suas manifestações variadas, principalmente nas que estão mais directamente relacionadas com o rendimento.

8 Periodização da Força pelo Modelo Linear A periodização da força usando o modelo linear é geralmente usada para modalidades onde o pico de forma é o principal objectivo, sendo que o calendário competitivo nestas modalidades não é muito denso. Assim sendo esta periodização pressupõe períodos preparatórios alargados, constituídos por variados mesociclos. Nestes modelos o foco está claramente no desenvolvimento da capacidade, para que nos picos de forma pretendidos (dificilmente mais de 3 durante a época) o atleta apresente índices elevados de rendimento. Estes modelos surgiram primeiramente com Matveyev, seguidos por Verchoshansky e outros, que apresentaram pontos de vista sobre o desenvolvimento das capacidades seguindo os mesmos princípios mas apoiando-se em metodologias diferentes. Os princípios da continuidade, progressão da carga e ciclicidade são os mais característicos destes modelos, que pressupõe que as cargas devem ser aplicadas de forma contínua e progressiva ao longo do tempo, por ciclos. Só se trabalhando com um objectivo de cada vez, dentro de cada capacidade física específica. Relativamente à força propriamente dita, independente da sequência e forma de organização das cargas de cada autor, nos modelos lineares Cole (1998) generaliza e faz referência a 4 fases que se prolongam ao longo da época e que geralmente se encadeiam da seguinte maneira: hipertrofia, força, potência, e peaking. O período preparatório geral corresponde ao desenvolvimento hipertrófico, o período preparatório específico corresponde ao período que Cole (1998) denomina de força (corresponde ao que parece ser uma aproximação do trabalho entre hipertrofia e taxa de produção de força), no período competitivo temos a potência e o peaking mais no final deste período com o intuito de contribuir para o pico de forma. Sendo estes modelos direccionados para a criação de picos de forma, a manutenção da forma não é a prioridade da periodização linear, embora ao longo dos anos se tenha tentado adaptar este tipo de modelos aos desportos cuja manutenção da forma desportiva assume especial importância (desportos com densidades competitivas elevadas e prolongadas ao longo do tempo). Periodização da Força pelo Modelo Não Linear Este tipo de periodização força aplicado à foi inicialmente proposta por Charles Poliquin (citado por Buford, 2007), e é muitas vezes referido como modelo ondulatório, pois se baseia na ideia de que o volume e a intensidade devem ser alterados frequentemente (diariamente, semanalmente ou bi-semanalmente) à semelhança do modelo geral (não específico da força) proposto por Tschiene. Esta alteração do volume e intensidade não só permite ao sistema neuromuscular ter períodos melhores para a recuperação, como permite através do efeito cumulativo das cargas conseguir trabalhar várias manifestações da força ao longo

9 do microciclo ou mesociclo. Trabalhando com volumes e intensidades distintas as adaptações provocadas divergem entre sessões ou microciclos, fazendo que se treinem manifestações da força distintas em períodos de tempo relativamente curtos (microciclo ou mesociclo). Devido à maior facilidade de controlar a fadiga com este modelo, e devido às evidências científicas que a longo prazo (Buford, 2007) as adaptações provocadas com este método são semelhantes às do modelo linear, este tipo de periodização parece ser mais indicado para um processo de manutenção da forma em fases competitivas prolongadas. Periodização do Treino da Força no Basquetebol Tendências do Treino nos Jogos Desportivos Colectivos Neste momento segundo Seirul-lo (1998) o treino nos jogos desportivos colectivos (JDC) tem como principais objectivos: 1. Um elevado controlo sobre a carga treino 2. Rendimento com um pequeno número de treinos 3. Ser suficientemente variado e atractivo para o jogador 4. De assimilação rápida devido à proximidade das competições 5. Permita manter o estado de forma durante todo o período competitivo Incorporação da Periodização nos Jogos Desportivo Colectivos Segundo Gamble (2006) o maior obstáculo para os treinadores de desportos colectivos é trabalhar com jogos frequentes e uma fase competitiva muito prolongada. Como já dito anteriormente a periodização linear está mais direccionada para um formato em ciclos de treino criados para preparar progressivamente o atleta para um momento específico na época competitiva. No entanto nos desportos colectivos, principalmente na Europa, a fase competitiva pode exceder as 35 semanas. Segundo Gamble (2006) os treinadores que aplicaram modelos mais clássicos nestas condições concluíram que o treino se torna algo contraproducente. Urge então a necessidade de adaptar a periodização às especificidades dos JDC. A dificuldade na periodização dos JDC deve-se à necessidade de articular o treino físico (das várias qualidades físicas), com o treino técnico-táctico e com o treino psicológico, tendo como agravante o elevado número de eventos competitivos ao longo da época.

10 Treino na Fase Competitiva Seirul-lo (1998) propõe que durante a fase competitiva deve-se manter a intensidade sempre alta para que as variações da carga sejam apenas manipuladas através da alteração do volume e assim provocar o formato ondulatório proposto originalmente Tschiene. As alterações da carga devem ser feitas mediante o calendário competitivo. Segundo Seirul-lo (1998) a descida progressiva e intermitente do volume durante toda a época corresponde à necessidade de manter o estado de forma desejado em todas as competições da época. A redução do volume faz com que o organismo do atleta responda positivamente e se for adjacente a um acréscimo do volume pode contribuir para um novo estado de forma, que pode ser mantido ao longo do resto da época. Efeitos da Periodização Linear no Rendimento na Fase Competitiva A periodização linear usada para o desenvolvimento da força em atletas dos JDC mostrou, como dito anteriormente, pode ser contraproducente (Gamble, 2006), pois pode levar a perdas excessivas de massa muscular, o que se afirma como um factor desfavorável para todos os desportos onde a potência seja um factor de rendimento. Estudos indicam que com o uso de cargas concentradas (Moreira, 2004) as possibilidades funcionais dos atletas de basquetebol tendem a diminuir ao longo da fase competitiva, o que claramente vai na direcção contrária de qual deve ser o objectivo do treino. Dado isto, parece cada vez mais evidente a necessidade de um correcto planeamento nos JDC, que permita a manutenção da forma atingida nas fases pré-competitivas. Segundo Gamble (2006) e Moreira (2004) para que o treino não interfira negativamente no desempenho do atleta durante a fase competitiva, é necessário que não seja um agente provocador de sobressolicitação por excesso de fadiga. Ambos os autores apontam a variabilidade e controlo do treino como principais mecanismos de gestão dos índices de fadiga. Interacção do Treino da Força com a Carga Aeróbia Nos JDC, especialmente no basquetebol é essencial o desenvolvimento tanto da força como da resistência aeróbia, e sabendo que ambos necessitam de estar permanentemente contemplados pelo treino. Já sabemos que o desenvolvimento da resistência aeróbia deve ser feito maioritariamente por exercícios específicos, o mais próximos da realidade possível, mas a forma de articulação entre a carga aeróbia e a

11 carga de treino de força, pode ser uma determinante para o treino da força nos JDC, já que ambas as valências são importantes para o desempenho. Baseado nos estudos apresentados por Paulo (2005) pode-se concluir que o rendimento desportivo durante jogos e competições pode ser altamente afectado com a aplicação de treino concorrente (treino da força + treino da resistência aeróbia) ou seja, a correcta manipulação da força e da resistência aeróbia é essencial para obtenção da máxima performance sem ter queda no rendimento em nenhuma dessas capacidades durante uma periodização do treino. Diante disso, Paulo (2005) faz algumas considerações de aplicação prática na elaboração de protocolos de treino da força e treino da resistência aeróbia: 1- Nenhum dos estudos apresentados demonstrou haver efeito de concorrência no desenvolvimento da resistência aeróbia até a décima semana de treino. Os programas de treino concorrente mostraram-se mais efectivos para melhorar a força de resistência, o tempo até à exaustão numa actividade aeróbia e a velocidade de resistência, quando comparados ao treino exclusivo da força ou de resistência aeróbia. Portanto, se o objectivo do treino é o melhoramento destes factores, o treino concorrente é essencial. 2- Por outro lado, se o objectivo for o desenvolvimento da força máxima, ou da potência muscular deve-se tomar alguns cuidados na estruturação do treino como: a) treinar força e resistência aeróbia em dias alternados; b) se a sessão de treino tem de abranger as duas capacidades motoras, é recomendado treinar a sessão de força primeiro, e se possível deixar para treinar força dos membros superiores no dia da sessão aeróbia; Por último, independentemente do objectivo do treino é necessário identificar o estado de treino do sujeito, pois as pesquisas também demonstraram que sujeitos destreinados parecem ser mais susceptíveis ao efeito nocivo do treino concorrente. Periodização Mista Segundo Cole (1998) os modelos não lineares apresentam mais vantagens relativamente ao modelo linear devido principalmente, ao facto de estes últimos contribuírem para uma maior fadiga neural. Buford (2007) denota que no início do treino de força os valores dos ganhos de força entre os dois modelos são semelhantes, e o que os diferencia é que a longo prazo (9 semanas) os ganhos no modelo linear decrescem, provavelmente devido a alguns efeitos de sobressolicitação. Sendo assim todos os estudos caminham para um favorecimento do método não linear. No entanto para o desenvolvimento de uma manifestação de força a curto prazo (3, 4 semanas) os modelos lineares já demonstraram terem valores melhores nos ganhos de força (Cole, 1998). Pode-se concluir segundo Cole (1998) que os métodos lineares favorecem a obtenção de

12 picos de forma e que os métodos não lineares devido às suas características favorecem a manutenção da forma desportiva. Pode-se então tentar associar a obtenção do pico de forma ao período não-competitivo e a manutenção da forma desportiva ao período competitivo. Bompa (2003) propõe três fases de desenvolvimento da força nos JDC antes do período competitivo: adaptação anatómica, desenvolvimento da força máxima e potência. Bompa (2003) durante a época afirma que a manutenção dos índices de força sem prejudicar o desempenho deve ser o único objectivo. Assim que se dá finalizada a época após um período de paragem o ciclo recomeça com a etapa de adaptação anatómica. Gamble (2006) afirma que é pouco provável que exista um modelo de periodização óptimo para ser mantido ao longo de toda a época. O autor afirma haver evidências científicas dos benefícios de uma periodização mista, resultado dos valores observados no final do seu estudo, obtidos por atletas habituados a uma periodização linear e submetidos a uma periodização não linear. Aplicação ao Basquetebol Seguindo o modelo proposto por Bompa (2003) e tendo em conta o tempo de pré temporada de basquetebol na Europa, pode ter alguma lógica (até pela necessária sequenciação entre adaptação anatómica desenvolvimento da força máxima potência) associar de forma clara um modelo linear à fase pré competitiva, e um modelo não linear à fase competitiva (onde o principal objectivo é a manutenção). Modelo Linear em Fases Não Competitivas Como introduzido anteriormente, o modelo linear pode ser usado em fases não competitivas devido às características temporais destas e aos objectivos que se pretende atingir nestes momentos da época. Bompa (2003) e Stewart (2005) consideram fundamental uma etapa de adaptação anatómica antes de iniciar o trabalho de desenvolvimento da força máxima propriamente dita, assim sendo é necessário realizar um trabalho de adaptação anatómica que provoque adaptações no organismo de forma a que os prepare a começar a etapa seguinte. Como a pré temporada está muito limitada no tempo (12 semanas aproximadamente, num modelo semelhante ao proposto mais à frente) é importante que se provoquem adaptações o mais rápido possível e que se cumpra a sequenciação desejada. Como não existem grandes períodos de tempo (mais de 6 semanas) com o mesmo tipo de treino, Buford (2007) afirma que os atletas não correm o risco de sofrerem de fadiga neural, e assim sendo, de forma a cumprir a sequenciação e a limitação temporal das fases pré competitivas os modelos lineares parecem ser adequados. Segundo estudos

13 feitos por Cole (1998) em 6 semanas de treino a periodização linear optimiza melhor os valores de força máxima que a periodização não linear. O objectivo da fase pré competitiva é então, elevar ao máximo os índices de força para que durante a época se faça um esforço para manter os valores o mais próximo possível dos máximos atingidos antes da fase competitiva. Modelo Não Linear em Fases Competitivas Durante a fase competitiva a periodização não linear é sugerida por Gamble (2006) devido à associação destes modelos à capacidade de manutenção da forma do atleta perto do seu pico durante toda a época. Como extensivamente estudado atrás, os benefícios dos modelos não lineares são variados quando usados na fase competitiva, dos quais são de destacar: a facilidade de manipular a carga para uma melhor gestão da fadiga dos atletas; melhores condições para manter os níveis de força nas suas diferentes manifestações, pois permite o treino de mais que uma manifestação num microciclo ou mesociclo. Os melhores resultados a longo prazo obtidos por Gamble (2006), Cole (1998), Buford (2007) e Whathen (sd), favorecendo os modelos lineares, justificam o seu uso em grande parte da época. Tendo em conta a importância que a tomada de decisão tem nos JDC e no basquetebol especificamente, evitar a fadiga neural é determinante para não prejudicar o desempenho dos atletas. Caso Prático Universidade do Texas 2000/2001 Twellman (2002) fez uma análise sobre o comportamento dos índices de força de uma equipa universitária de basquetebol ao longo da época usando uma periodização não linear. O autor afirma que o trabalho dos treinadores é tentar que os seus jogadores consigam manter um condicionamento físico e psicológico óptimo nos jogos. Mas que mesmo conseguido esse facto nada garante o sucesso ou mesmo o rendimento. Tentando descobrir se o trabalho do treinador estava a ser conseguido Twellman (2002) analisou vários parâmetros de força ao longo de toda a época. Twellman (2002) depois de analisar os dados constatou que: por muito cuidado que se tenha para evitar a acumulação de fadiga (mesmo usando uma periodização não-linear) esta vai sempre provocar uma pequena queda nos índices de força. O autor preconiza que como factor crítico de gestão da fadiga está a capacidade de calcular o stress gerado por cada microciclo e por cada jogo. O autor afirma que se se tiver a capacidade de medir o impacto fisiológico que cada jogo e cada treino tem no atleta, a manipulação das variáveis do treino da força torna-se mais fácil e origina melhores resultados. Twellman (2002) afirma que o

14 impacto fisiológico de um jogo num atleta que jogue mais de 30 minutos é significativo e que este facto condiciona a sua capacidade de treinar força nas sessões seguintes. Sendo assim, quando se está na presença de uma semana com mais de 2 jogos dificilmente se poderá realizar treinos de força com os atletas sem induzir fadiga exagerada nos atletas. Conclusão Toda a investigação neste trabalho convergiu para o modelo no fim proposto. Gamble (2006) como já referido anteriormente, afirma que é pouco provável que exista um modelo de periodização óptimo para ser mantido ao longo de toda a época. O autor afirma haver evidências científicas dos benefícios de uma periodização mista, resultado dos valores observados no final do seu estudo, obtidos por atletas habituados a uma periodização linear e submetidos a uma periodização não linear. Seguindo essa linha de pensamento, introduziu-se no modelo proposto 2 tipos de periodização distintos. Pode-se observar no modelo a sequenciação das 3 etapas que compõem a fase preparatória, respeitando a sequência lógica proposta por Bompa (2003), onde adaptação anatómica precede o desenvolvimento da força máxima que por sua vez precede o trabalho de potência. Através de uma periodização linear cada etapa da fase preparatória tende a produzir resultados de forma mais rápida (Cole, 1998) permitindo o desenvolvimento da força em cada uma das três etapas ao longo das 12 semanas disponíveis. Os estudos disseram-nos então que a continuação do uso da periodização linear nos JDC poderia ser contraproducente (Gamble, 2006; Moreira, 2004) e seguindo as evidências que a longo prazo a periodização não-linear trazia benefícios semelhantes às da periodização linear mas com melhores factores de gestão de fadiga (Buford, 2007) optámos por este modelo para o período competitivo. A alteração das cargas (diariamente, semanalmente ou bi-semanalmente) não só permite ao sistema neuromuscular ter períodos melhores para a recuperação, como permite através do efeito cumulativo das cargas conseguir trabalhar várias manifestações da força ao longo do microciclo ou mesociclo. Assim sendo optou-se por realizar a manutenção dos índices de força no período competitivo usando uma periodização não-linear. Na fase final do período competitivo, correspondente aos Playoffs, a carga de jogos é muito elevada (4 por semana) fazendo com que o stress acumulado das situações competitivas impeça uma recuperação suficiente, não permitindo ao atleta efectuar treino de força sem entrar em fadiga acumulada (Twellman, 2002), o que na fase actual de competição correspondente ao ponto alto da época não pouco recomendável. Após o período competitivo foi atribuído no modelo um mês de férias, onde o controlo da actividade dos atletas é quase inexistente ou mesmo nulo. Este período é essencial para dissipar a fadiga acumulada e para provocar um abaixamento do estado de forma essencial para a renovação da forma na época seguinte.

15 Modelo Proposto * Este artigo foi realizado no âmbito da disciplina de Planeamento do Treino Desportivo do curso de Ciências do Desporto na especialização em Treino Desportivo leccionada pelo docente Francisco Alves Referências Bibliográficas Alves, Francisco (2006). Documentos de Apoio de Metodologia do Treino Estruturas de Periodização. Lisboa. FMH. Alves, Francisco (2006). Documentos de Apoio de Metodologia do Treino Fundamentos da Periodização. Lisboa. FMH. Bompa, O. Tudor (2003) Treinando Atletas de Desporto Colectivo. Phorte Editora Ltda., Brasil. Buford, Thomas W. et al. (2007). A Comparison of Periodization Models During Nine Weeks With Equated Volume and Intensity for Strength. Vol. 21 (4). Journal of Strength and Conditioning Research. National Strength & Conditioning Association. Cole, Matt (1998). The Theory and Methodology of Periodization of Strength Training. University of Victoria.

16 Gamble, Phil (2006). Periodization of Training for Team Sports Athletes. National Strength and Conditioning Association. Vol. 28, Nº 5, pp Heriot Watt University. Edinburgh. United Kingdom. Mil-Homens, Pedro (2006). Documentos de Apoio de Metodologia do Treino Textos de Apoio Força. Lisboa. FMH. Moreira, A. et al. (2004). A dinâmica de alteração das medidas de força e o efeito posterior duradouro de treinamento em basquetebolistas submetidos ao sistema de treinamento em bloco. Universidade Estadual de Campinas Unicamp Faculdade de Educação Física. São Paulo. Brasil. Paulo, A. et al. (2005). Efeito do Treinamento Concorrente no Desenvolvimento da Força Motora e da Resistência Aeróbia. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Ano 4. Nº4. pp São Paulo. Brasil. Platonov, U.V. (1991). La adaptación en el deporte. Barcelona: Ed. Paidotribo. Seirul-lo, Vargas, F. (1998). Planificación a Largo Plazo en los Deportes Colectivos. Curso sobre Entrenamiento Deportivo en la Infancia y la Adolescencia. Escuela Canaria del Deporte. Dirección General de Deportes del Gobierno de Canarias. Stewart, Jeb (2005). A Comprehensive Approach to Strength Training. Twellman, Andy (2002). Analysis of the University of Texas Men s Basketball Strength and Conditioning Program. Department of Kinesiology and Health Education. University of Texas. Austin. Wathen, Dan et al. (sd). Training Variation: Periodization. Vol. 22. pp Essentials of Strength Training and Conditioning.

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio CLINIC PLANETA BASKET SEBASTIÃO MOTA 10 DE SETEMBRO 2015 Decididamente, a musculação é uma parte muito séria do trabalho, tornando as atletas mais fortes, mais rápidas,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO Horácio Honório Curso de Treinadores de Hóquei em Patins Nível III CRITÉRIOS DE ORGANIZAÇÃO DA PLANIFICAÇÃO FUNDAÇÃO NORTECOOPE - SÉNIORES

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 2 Componente Prática: 5 horas Componente Teórica: 25 horas Total de

Leia mais

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA *

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * Norberto Alarcón INTRODUÇÃO A periodização e planejamento do treinamento esportivo, como área especializada deste, e a sua

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO *

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * Moacyr da Rocha Freitas RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo sobre o Polimento, fundamentado na Teoria do Treinamento Desportivo. Através

Leia mais

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior Ano Lectivo 2009/20010 SISTEMÁTICA DO DESPORTO II Licenciatura em Desporto: Variante de Condição Física Regente: Hugo Louro Docentes:

Leia mais

Pedagogia do Desporto. António Rosado

Pedagogia do Desporto. António Rosado Pedagogia do Desporto António Rosado Âmbito da Pedagogia do Desporto A Pedagogia reflecte sobre as questões: 1. O que é uma boa Educação? 2. Como consegui-la? A Pedagogia do Desporto reflecte: 1. O que

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

A planificação, programação, e periodização do treino em futebol. Um olhar sobre a especificidade do jogo de futebol

A planificação, programação, e periodização do treino em futebol. Um olhar sobre a especificidade do jogo de futebol educación física educacion fisica deportes deporte sport futbol fútbol entrenamiento deportivo discapacidad aventura poker jackpot bet apuesta dados dice casino naturaleza lesión lesion deportiva psicologia

Leia mais

Exercício cio de Treino em Futebol

Exercício cio de Treino em Futebol Exercício cio de Treino em Futebol Rúben Alexandre Ribeiro Fanzeres de Sá Pereira Porto, 2006 Exercício cio de Treino em Futebol Monografia de Licenciatura realizada no âmbito da disciplina de Seminário,

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INTRODUÇÃO PAULO CÉSAR MONTEIRO RAMON GUSTAVO DE MORAES OVANDO Dom Bosco Catholic University - UCDB, Campo Grande - MS - Brazil

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS *

O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS * O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS * *Graduada em Educação Física pela ULBRA **Docente da Faculdade de Educação Física

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS (2006) Sebastião Santos Mestre em Psicologia do Desporto e do Exercício José Alves Professor Doutor com agregação - Escola Superior de Desporto

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

Periodização do Treino

Periodização do Treino Periodização do Treino Seniores masculinos AAC OAF FUTSAL Número: 3 Unidade de Treino Objectivos: Organização do processo defensivo, transição ataque defesa, potência aeróbia especifica Data: 27/08/2005

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO ANO LECTIVO 2011 / 2012 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Plano de unidade didáctica Ginástica acrobática (complemento da

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Ginástica - 11ª Classe Formação de Professores do

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica Escola Secundária Frei Heitor Pinto da Covilhã PLANO DE AULA Turma 10º ano C/D Aula nº: 34 Unidade Didáctica Atletismo lançamento do peso Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

O Ensino do Futebol Baseado nos Jogos Condicionados

O Ensino do Futebol Baseado nos Jogos Condicionados O Ensino do Futebol Baseado nos Jogos Condicionados * Rui Pacheco, ** Miguel Lopes e Nuno Real Quando nas fases iniciais de aprendizagem se coloca os jovens perante o denominado jogo formal de 11x11, como

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR

SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR SER E DURAR: O CUIDADO COM O CORPO NO PARKOUR Alessandra Vieira Fernandes, UFCG, alessandrafernandes.ale@gmail.com Eltiene Soares Feitosa, UEPB, eltiene@gmail.com Introdução O Parkour trata-se de uma atividade

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

CANTANHEDE CLUBE ESCOLA DE TÉNIS NEWSLETTER SETEMBRO 2013

CANTANHEDE CLUBE ESCOLA DE TÉNIS NEWSLETTER SETEMBRO 2013 CLUBE ESCOLA DE TÉNIS CANTANHEDE www.clubeteniscantanhede.com NEWSLETTER SETEMBRO 2013 newslettercetc@gmail.com Nesta edição: PAIS DE UM JOVEM TENISTA: QUE COMPORTAMENTO ANTÓNIO GARRIDO: REGRAS DO TÉNIS

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Preâmbulo. 3. Todos os restantes apoios e subsídios serão concedidos sob a forma de protocolo. 1/7

Preâmbulo. 3. Todos os restantes apoios e subsídios serão concedidos sob a forma de protocolo. 1/7 Preâmbulo Recentemente, um estudo efectuado pela União Europeia demonstra de uma forma clara que Portugal, é o país dos "Quinze" que tem uma menor percentagem de população a praticar desporto. Urge criar

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

As formas actuais de formação no ensino superior: A experiência profissional dos estudantes da universidade de Salamanca em empresas

As formas actuais de formação no ensino superior: A experiência profissional dos estudantes da universidade de Salamanca em empresas As formas actuais de formação no ensino superior: A experiência profissional dos estudantes da universidade de Salamanca em empresas Vera Lúcia de Mendonça Silva 1. O desafio actual da universidade A (re)

Leia mais

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS:

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS: INTRODUÇÃO NÍVEL I O Gira-Volei é um jogo de iniciação à modalidade destinada aos jovens com idades compreendidas entre os 8 e 15 anos, onde através do jogo simplificado (2x2) e utilização do passe faz

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Colaborador técnico desta edicão

Colaborador técnico desta edicão a 7 edição Colaborador técnico desta edicão Marcelo Jaime Vieira Líder Retenção Bio Ritmo Cerro Corá Marcelo Jaime Vieira é Educador Físico formado em 1995 pela Escola Superior de Educação Física de Jundiaí.

Leia mais

FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS. Data: 9 de Maio de 2014

FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS. Data: 9 de Maio de 2014 Para: De: FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS PRESIDENTE DO CERH Data: 9 de Maio de 2014 Assunto: REGULAMENTO DO CERH PARA O MINI-HP Exmºs Senhores: Assumindo a importância do desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais