PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes"

Transcrição

1 república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO

2 Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo - 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão, Impressão e Acabamento GestGráfica, S.A. Ano / Edição / Tiragem / N.º de Exemplares 2013 / 2.ª Edição / 1.ª Tiragem / Ex EDITORA MODERNA Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução desta obra por qualquer meio (fotocópia, offset, fotografia, etc.) sem o consentimento escrito da editora, abrangendo esta proibição o texto, as ilustrações e o arranjo gráfico. A violação destas regras será passível de procedimento judicial, de acordo com o estipulado no código dos direitos de autor.

3 ÍNDICE I. Introdução II. Objectivo Geral do Empreendedorismo no Sistema Educativo Angolano -- 6 III. Objectivos Gerais da Disciplina IV. Competências a Desenvolver V. Objectivos Gerais da Disciplina na Classe ª Classe ª Classe VI. Plano Temático na 10ª Classe VII. Plano Temático na 11ª Classe VIII. Desenvolvimento do Plano Temático na 10ª Classe Tema 1 - Cultura Empreendedora Tema 2 - Oportunidades de Negócio Tema 3 - Gestão de Negócio IX. Desenvolvimento do Plano Temático na 11ª Classe Tema 1 - Atitude Perante o Trabalho Tema 2 - Identificação de Oportunidades de Negócio Tema 3 - Gestão de Negócios X. Bibliografia

4 10ª e 11ª CLASSES 4 I. INTRODUÇÃO O constante avanço da ciência e da tecnologia no mundo de hoje, obriga a que todos os países apostados no seu desenvolvimento sócio-económico e tecnológico, dotem os seus cidadãos de vários saberes e competências, de forma a poderem concorrer com êxito no mercado de trabalho. O Ministério da Educação está desde 2004 a implementar a Reforma do Sistema de Educação, cuja generalização será completada em 2011, perspectivando uma maior qualidade de ensino nos diferentes níveis, de acordo com a Lei de Bases do Sistema de Educação, Lei 13/01 de 31 de Dezembro. O Novo Sistema Educativo pretende proporcionar aos estudantes novas aprendizagens que sejam relevantes e participativas, de forma a criar as bases para o seu desempenho activo e eficiente na sociedade. É visível a preocupação do Governo em aumentar a rede escolar, em resposta a eclosão escolar verificada ao longo dos anos, em consequência das profundas mudanças socioeconómicas do País. Mas, mesmo tendo aumentado o número de estudantes com acesso aos três níveis de ensino: Primário, Secundário e Superior, ainda é elevado o número de jovens que ao concluir o Ensino Secundário não consegue prosseguir os seus estudos. Assim, é imperioso que o currículo responda as necessidades dos jovens, no sentido de se munirem de competências de forma a poderem desenvolver o autoemprego, caso não consigam prosseguir os estudos e tenham dificuldade de se inserir no mercado de trabalho. Partindo desta realidade o Governo decidiu introduzir a disciplina de Empreendedorismo na Formação de Professores do 1º ciclo Ensino Secundário (10ª, 11ª e 12ª classes), atribuindo dois tempos lectivos semanais para cada uma das classes. Ela persegue desenvolver nos jovens a criatividade, orientação laboral, espírito de iniciativa, gosto pelo trabalho e capacidade empreendedora, com a finalidade de adquirirem competências em relação ao empreendimento e ao negócio, contribuindo assim para a erradicação da pobreza. Na décima classe o aluno adquire conhecimentos sobre tipo de empregos e carreira. É estimulado para identificar uma oportunidade de negócio e aprofundar

5 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO os conhecimentos, para elaborar um plano simples de negócios. Termina este subtema com a defesa de um plano simples de negócio, perante um júri. O futuro professor termina a classe conhecendo as tarefas e funções de gestão de uma empresa. Na décima primeira classe são abordados conteúdos como ética na vida e no negócio, perspectivando desenvolver competências pessoais. O futuro professor termina a classe conhecendo as etapas de constituição de uma empresa, acrescendo-lhe a sua gestão financeira. Na décima segunda classe abordam-se os conteúdos como plano de negócio, contabilidade, relatórios financeiros, projectos e feira de Empreendedorismo. Ao terminar esta classe o aluno sabe organizar actividades práticas para a aprendizagem e ensino de Empreendedorismo e elaborar um plano de negócio, assim como a sua apresentação a fim de conseguir financiamento. 5

6 10ª e 11ª CLASSES II. OBJECTIVO GERAL DO EMPREENDEDORISMO NO SISTEMA EDUCATIVO ANGOLANO Desenvolver nos jovens a criatividade, orientação laboral, espírito de iniciativa, gosto pelo trabalho e capacidade empreendedora, com a finalidade de adquirirem competências em relação ao empreendimento e ao negócio, capacitando-os a agir de forma inovadora, calculando os riscos na vida e no negócio e contribuindo para o surgimento de um sector empresarial privado sustentável, para a erradicação da pobreza, o fortalecimento do desenvolvimento individual e da sociedade angolana. 6

7 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO III. OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA Desenvolver uma atitude positiva nos jovens em relação ao Empreendedorismo e ao Promover a criatividade e a inovação, o espírito empreendedor e a autoconfiança nos jovens no desempenho das suas actividades. Capacitar os jovens a procurar, identificar e seleccionar, no seu ambiente, oportunidades de negócio (económica, social e cultural) de forma a elaborar, implementar e gerir planos de negócio com êxito. Desenvolver competências científicas para o ensino do Empreendedorismo. 7

8 10ª e 11ª CLASSES IV. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Procura e selecciona, no seu ambiente, oportunidades de Concebe planos para guiar a implementação das oportunidades de negócio escolhidas. Implementa plano de negócio das oportunidades de negócio, social ou cultural, escolhidas e o gere com sucesso. Domina os conteúdos de empreendedorismo para leccionar nas escolas do 1º Ciclo do Ensino Secundário. 8

9 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO V. OBJECTIVOS GERAIS DA DISCIPLINA NA CLASSE 10ª CLASSE Reconhecer a importância e dignidade do trabalho e Compreender a importância do Empreendedorismo permitindo-lhe o desenvolvimento de atitudes empreendedoras. Seleccionar oportunidades de negócio no seu ambiente. Conhecer as funções básicas de gestão de 11ª CLASSE Avaliar as suas qualidades empreendedoras e desenvolve-as de acordo com as suas necessidades. Aplicar princípios éticos na vida e no negócio, aproveitando os seus benefícios. Conhecer as etapas da constituição de uma empresa, de acordo com os tipos e tamanhos de empresa na base da legislação existente. Compreender as funções de gestão de 9

10 10ª e 11ª CLASSES VI. PLANO TEMÁTICO NA 10ª CLASSE Tema 1 - Cultura Empreendedora horas lectivas Subtemas: 1.1. Atitudes e valores sobre o trabalho e negócio... 7 aulas 1.2. Carreiras em Angola... 9 aulas 1.3. O Empreendedor... 8 aulas Tema 2 - Oportunidades de Negócio horas lectivas Subtemas: 2.1. Negócios em Angola... 5 aulas 2.2. Ambiente de negócio... 5 aulas 2.3. Ideias de negócio... 5 aulas 2.4. Oportunidades de negócio... 6 aulas Tema 3 - Gestão de Negócio horas lectivas Subtema: 3.1. Funções de gestão de negócio aulas 10

11 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO VII. PLANO TEMÁTICO NA 11ª CLASSE Tema 1 - Atitude Perante o Trabalho... 6 horas lectivas Subtema: 1.1. Ética na vida e no negócio... 6 aulas Tema 2 - Identificação de Oportunidades de Negócio horas lectivas Subtemas: 2.1. Legalização de negócios em Angola... 7 aulas 2.2. Processo de criação de uma empresa... 6 aulas 2.3. Associações empresariais... 3 aulas 2.4. Formas legais de constituição de empresas... 3 aulas 2.5. Tipos de Imposto Comercial em Angola... 6 aulas 2.6. Legislação comercial... 3 aulas 2.7. Conceitos básicos legais de um Contrato Comercial... Tema 3 - Gestão de Negócio horas lectivas Subtemas: 3.1. Gestão de marketing... 5 aulas 3.2. Gestão de produção... 4 aulas 3.3. Gestão de recursos humanos... 4 aulas 3.4. Gestão financeira... 4 aulas 3.5. Instituições Financeiras... 4 aulas 3.6. Seguros nos negócios... 5 aulas 3.7. Organizações de apoio ao negócio em Angola... 4 aulas 3.8. Comunicação nos negócios... 5 aulas 3.9. VIH e SIDA no negócio... 11

12 10ª e 11ª CLASSES VIII. DESENVOLVIMENTO DO PLANO TEMÁTICO NA 10ª CLASSE Tema 1 - Cultura Empreendedora Objectivo geral: Compreender a importância do trabalho de forma a motivá-lo a ser empreendedor. Duração: Aulas Teóricas horas Aulas Práticas horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Aulas Teóricas Práticas 1.1 Atitudes e valores sobre trabalho e 3 horas 4 horas Explicar a importância do trabalho; Explicar significado da dignidade do trabalho Dignidade do trabalho Demonstra atitudes e valores positivos perante o trabalho nas situações do quotidiano Descrever os benefícios de ter atitudes positivas perante o trabalho e o Benefícios de ter atitudes positivas perante o trabalho (Rendimento, Alimentação, Habitação, Educação, Saúde Bem-estar, Reconhecimento na comunidade). 12

13 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Desenvolver atitudes positivas perante o trabalho e o Identificar qualidades pessoais de liderança para sucesso na vida Descrever os factores que promovem o estatuto social Desenvolvimento de atitudes positivas perante o trabalho Qualidades pessoais de liderança para ter sucesso na vida Factores que promovem o estatuto social. 1.2 Carreiras em Angola Alcança sucesso pessoal 4 horas 5 horas Identificar oportunidades de carreira em Angola Reconhecer a importância de ter uma carreira Oportunidades de carreiras em Angola e seus requisitos Significado de ter carreira Distingue diferentes carreiras e seus requisitos Explicar o processo de selecção de uma carreira Selecção de carreira. Selecciona carreira (1.2.2 e 1.2.3) Descrever como definir os objectivos da carreira pessoal Identificar diferentes tipos de emprego Requisitos para escolha de uma carreira adequada Tipos de emprego em Angola Define as metas da carreira pessoal Distingue diferentes tipos de emprego. 13

14 10ª e 11ª CLASSES Descrever benefícios e desafios de diferentes tipos de emprego em Angola Benefícios e desafios de diferentes tipos de emprego em Angola Selecciona o tipo de emprego preferido Descrever causas de desemprego em Angola Desemprego em Angola e suas causas Ultrapassa os desafios de diferentes tipos de emprego Explicar estratégias para evitar o desemprego Estratégias para ter emprego O Empreendedor Evita o desemprego. 4 horas 4 horas Explicar os significados de Empreendedorismo e de empreendedor Significado do Empreendedorismo Diferencia o Empreendedorismo do empreendedor; avalia as suas qualidades empreendedoras Significado de empreendedor Enumerar os benefícios de ser empreendedor Descrever a importância do empreendedor em Angola Descrever os desafios enfrentados pelos empreendedores Benefícios de ser empreendedor Importância do empreendedor em Angola Estratégias para ultrapassar os desafios de ser um empreendedor. 14

15 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Tema 2 - Oportunidades de Negócio Objectivo geral: Capacitar os alunos para gerar ideias e seleccionar oportunidades de Duração: Aulas Teóricas... 9 horas Aulas Práticas horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Aulas Teóricas Práticas 2.1 Negócios em Angola 2 horas 3 horas Descrever os tipos de negócios em Angola Negócios em Angola (exemplo: agricultura, indústria, comércio, serviços, extracção, etc.) Distingue os diferentes tipos de negócio em Angola Explicar a importância do negócio em Angola Importância de negócio (proprietário, família, comunidade, país) Relaciona a importância do negócio com os diferentes intervenientes Descrever formas legais de titularidade de negócio em Angola Formas legais de negócios em Angola (propriedade individual, cooperativa, empresa privada, empresa pública, empresa mista) Distingue as formas legais de titularidade de negócio em Angola. 15

16 10ª e 11ª CLASSES Descrever os diferentes tamanhos de empreendimentos em Angola Tamanho de empreendimento em Angola (micro, pequena, média e grande) Determina os diferentes tamanhos de empreendimentos. 2.2 Ambiente de negócio 2 horas 3 horas Explicar o significado de ambiente de negócio e seus componentes Descrever a importância do ambiente de negócio para o Ambiente de negócio (significado e componentes) Importância de um ambiente de negócio para o empreendedor Distingue os componentes de ambiente de Relaciona a importância do ambiente de negócio com o negócio 2.3 Ideias de negócio 2 horas 3 horas Descrever as qualidades de uma boa ideia de Identificar as fontes de ideias de As qualidades de uma boa ideia de Fontes de ideias de Distingue ideias de negócio de outras coisas; distingue as boas das más ideias de Descobre fontes de ideias de Identificar as bases para geração de ideias de Bases para gerar ideias de Gera ideias de Explicar como gerar ideias de Avaliar e classificar ideias de Geração de ideias de Avaliação e classificação de ideias de Selecciona ideias de 16

17 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 2.4 Oportunidades de 3 horas 3 horas Explicar o significado de oportunidades de Identificar fontes de oportunidades de Significado e características de uma boa oportunidade de Fontes de oportunidades de Distingue oportunidades de Descobre fontes de oportunidades de Identificar qualidades de uma boa oportunidade de Identificação de oportunidades de Procura ambiente para oportunidades de Descrever como criar oportunidades de Seleccionar oportunidades de Criação de oportunidades de Selecção de oportunidades de Cria oportunidades de Selecciona oportunidades de 17

18 10ª e 11ª CLASSES Tema 3 - Gestão de Negócio Objectivo geral: Conhecer as funções básicas de gestão de negócio nas suas actividades empreendedoras. Duração: Aulas Teóricas... 7 horas Aulas Práticas... 8 horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Aulas Teóricas Práticas 3.1 Funções de gestão de negócio 7 horas 8 horas Explicar o significado de funções de gestão de Componentes de funções de gestão de Distingue as funções de gestão do negócio; elabora planos Descrever os processos de preparação e implementação de planos nas suas actividades Explicar a preparação e implementação do orçamento nas suas actividades de Planificação (significado, importância do plano, preparação do plano) Orçamento (significado, preparação do orçamento, importância do orçamento) Implementa planos Prepara e implementa o orçamento para o negócio Discutir o papel e as qualidades de um bom líder no Liderança (significado, qualidades de um bom líder, papel de um líder no negócio) Desempenha o papel de liderança no negócio; aplica as habilidades sociais no 18

19 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Descrever o papel da organização no Explicar como comunicar de forma efectiva no Descrever como controlar as operações de Explicar como motivar os grupos de trabalho para atingir as metas e objectivos Organização (significado, importância, organização de uma actividade) Comunicação (significado, formas de comunicação, comunicação efectiva, importância da comunicação) Controlo (significado, formas de controlo, importância do controlo) Motivação (significado, partes da motivação, razões para a motivação, formas de motivação) Aplica as habilidades de organização na vida, no trabalho, nos eventos e no negócio; organiza as suas operações de Comunica de forma efectiva Aplica o controlo na vida prática e no negócio; relaciona os padrões de controlo ao papel da organização Motiva os grupos de trabalho para atingir as metas e os objectivos; aplica novas ideiam para criar novos produtos ou serviços; ser autoconfiante e ganhar auto-confiança. 19

20 10ª e 11ª CLASSES IX. DESENVOLVIMENTO DO PLANO TEMÁTICO NA 11ª CLASSE Tema 1 - Atitude Perante o Trabalho Objectivo geral: Aplicar princípios éticos na vida e no negócio, aproveitando os seus benefícios. Duração: Aulas Teóricas... 6 horas Aulas Práticas... 6 horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Aulas Teóricas Práticas 1.1 Ética na vida e no negócio 6 aulas 6 aulas Explicar o significado de ética empresarial e as partes envolvidas Significado de ética e partes envolvidas na ética empresarial Exercita a ética na vida e no Explicar ética empresarial para com os clientes Ética perante os clientes Exercita a ética perante os clientes Explicar a ética empresarial para com os trabalhadores Ética empresarial para com os trabalhadores Exercita a ética para com os trabalhadores Explicar a ética da empresa para com a sociedade Ética empresarial para com a sociedade Exercita a ética para com a sociedade Explicar o que o governo considera boa ética empresarial Ética empresarial para com o governo Exercita a ética para com o governo. 20

21 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Reconhecer os benefícios da prática da ética empresarial Benefícios na prática de ética empresarial Obtém benefícios exercitando a ética no Tema 2 - Identificação de Oportunidades de Negócio Objectivo geral: Compreender as etapas da constituição de uma empresa, de acordo com os tipos e tamanhos da empresa na base da legislação existente em Angola. Duração: Aulas Teóricas horas Aulas Práticas horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Nº de aulas Teóricas Práticas 2.1 Legalização de Negócios em Angola. 3 aulas 4 aulas Explicar o processo de obtenção de uma licença ou autorização Registo de um Abre uma empresa Explicar a necessidade de obtenção de alvará Licença comercial (alvará) Explica o processo de obtenção de alvará Conhecer o processo de legalização de um Processo de legalização de uma empresa Conhece o processo de legalização de um 21

22 10ª e 11ª CLASSES Explicar os passos implicados de criação de uma empresa. 2.2 Processo de criação de uma empresa Cria um micro 3 aulas 3 aulas Identificar associações que oferecem serviços de desenvolvimento empresarial. 2.3 Associações empresariais Obtém serviços das associações para promover o Formas legais de constituição de uma empresa. 2.4 Formas legais da constituição de empresas Descreve as formas legais de constituição de uma empresa. 2.5 Tipos de Imposto Comercial em Angola 4 aulas Determinar o Imposto sobre o Rendimento Imposto sobre o Rendimento Conhece os impostos comerciais em Angola Calcular o Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado Calcula o Imposto sobre o Valor Acrescentado Identificar as diferentes leis que se deve ter em conta na constituição de uma empresa. 2.6 Legislação comercial Segue as leis da constituição de uma empresa Explicar os conceitos básicos legais de um contrato. 2.7 Conceitos básicos legais de um contrato comercial Aplica os conceitos para estabelecer contratos comerciais. 22

23 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Tema 3 - Gestão de Negócios Objectivo geral: Conhecer a gestão financeira de uma actividade, no sentido de calcular custos e preços dos produtos e serviços, preparação de orçamentos e obtenção de financiamentos, assim como a gestão da qualidade e dos recursos humanos, utilizando uma comunicação eficaz. Duração: Aulas Teóricas horas Aulas Práticas (actividades extra-escolares) horas Total horas Objectivos específicos: Subtemas: Competências: Aulas Teóricas Práticas 3.1 Gestão de Marketing 3 aulas Explicar o significado de marketing Significado de Marketing e Venda Aplica métodos apropriados para a venda dos seus produtos Explicar a importância de cuidar do cliente em marketing Importância dos cuidados a ter com o cliente Demonstra boas relações com o cliente Explicar formas de levar os bens e serviços aos clientes Canais de distribuição Escolhe os canais de distribuição no 3.2 Gestão de produção. 23

24 10ª e 11ª CLASSES Conhecer significado de gestão de produção, e elementos de um produto Significado de gestão de produção Selecciona métodos adequados de produção Identificar e fixar padrões gerais de qualidade Descrever o significado de local de negócio e seus elementos Gestão de qualidade Gestão de espaço de Identifica os padrões de qualidade para as suas operações de Implementa medidas para gerir o local de trabalho para melhorar a produção de 3.3 Gestão de recursos humanos Conhecer o significado de gestão de recursos humanos Identificar as despesas numa empresa na sua criação e funcionamento diário Significado de gestão de recursos humanos Gestão de Recursos Humanos no Avalia as necessidades de recursos humanos nos negócios Procura fontes de financiamento para funcionamento do seu 3.4 Gestão Financeira. 3.5 Instituições Financeiras 24

25 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Conhecer significado de instituições financeiras; identificar tipos de instituições financeiras Reconhecer a importância dos serviços prestados pelas instituições financeiras Reconhecer as vantagens de abertura de contas em instituições financeiras Enumerar as principais transacções a realizar através das instituições financeiras Bancos Serviços oferecidos pelas Instituições Financeiras ao sector empresarial Tipos de contas abertas em instituições financeiras Principais transacções com instituições financeiras. 3.6 Seguros nos negócios Identifica as diferentes instituições financeiras existentes no país Reconhece o papel que desempenham as Instituições Financeiras Conhece os processos e requerimentos de empréstimos bancários. - Utiliza os diversos tipos de contas Identifica as principais transacções a realizar através das instituições. 3 aulas Explicar o significado e os princípios de seguro Conhecer as diferentes modalidades de seguros de empresas Seguros e seu significado Tipos de seguros relevantes no Implementa seguro no Reconhece as diferentes modalidades de seguros nas empresas. 25

26 10ª e 11ª CLASSES Explicar os benefícios do seguro para as empresas Benefícios dos serviços de seguro Reconhece os benefícios do seguro para a empresa Explicar quais os riscos seguráveis e os não seguráveis existentes a nível das empresas Riscos seguráveis e não seguráveis Explica os riscos seguráveis e não seguráveis no Indicar as etapas básicas na aceitação de uma apólice de seguro da empresa Etapas básicas na aceitação de uma apólice de seguro Reconhece as etapas básicas na aceitação de uma apólice de seguro de Empresa. 3.7 Reconhecer a importância das organizações de apoio ao negócio em Angola Conhecer os trâmites das instituições relacionadas com a operacionalidade do 3.7 Organizações de apoio ao negócio em Angola Trâmites das instituições em relação à operacionalidade do 3.7 Obtém os serviços de organizações de apoio para promover o Cumpre os trâmites das instituições em relação a operacionalidade do 3.8 Comunicação nos negócios 3 aulas Explicar o significado de comunicação Capacidades Empresariais de Comunicação Reconhece a importância da comunicação no 26

27 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO Explica a necessidade duma comunicação eficaz nos negócios Descrever os vários meios de comunicação numa empresa Demonstra como comunicar eficazmente com clientes e fornecedores Escrever uma carta comercial e um memorando Explicar o que são as TIC s Aspectos essenciais da comunicação eficaz nos negócios Formas (tipos) e meios de comunicação Técnicas de comunicação com clientes e fornecedores Cartas comerciais e memorandos O uso de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC s) nas empresas Aplica comunicação eficaz no Descreve os diferentes meios de comunicação numa empresa Comunica de forma eficaz com os clientes e os fornecedores Escreve cartas comerciais e memorandos Usa TIC s para comunicação. 3.9 Identificar diferentes formas para minimizar o impacto negativo do VIH / SIDA. 3.9 VIH e SIDA no 3.9 Promove acções que visam minimizar o impacto negativo do VIH e SIDA no local de trabalho. 27

28 10ª e 11ª CLASSES X. BIBLIOGRAFIA ALÍPIO, Suzana, Guia do Empreendedorismo, Estrutura e Apoios ao Empreendedorismo em Portugal, Anje, INIDE, Propostas de Programas de Noções de Empreendedorismo, Moçambique. Ministério da Educação da República Democrática do Timor-Leste, Livro de Educação Empresarial para escolas Pré-Secundárias, Timor-Leste, Ministério da Educação da República da Namíbia, Syllabus Entrepreneurship, Draft, Programa de Assistência Técnica para Programas de Empreendedorismo Empresarial no Ensino Secundário em Angola, SEDES, Guia do Empreendedorismo, Lisboa,

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral Ensino Técnico-Profissional FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo - 7ª Classe 1º Ciclo

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 9ª Classe

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 9ª Classe república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 9ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo - 9ª Classe 1º Ciclo

Leia mais

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Futebol - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe PROGRAMA DE GINÁSTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Ginástica - 11ª Classe Formação de Professores do

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DA GEOGRAFIA 12ª Classe Formação de Professores para o Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino da Geografia - 12ª Classe Formação de Professores

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Como criar uma empresa em 9 passos

Como criar uma empresa em 9 passos Como criar uma empresa em 9 passos Passo 1: A Concepção da Ideia O primeiro grande desafio na altura de criar um negócio próprio é a concepção da ideia. Nesta fase o investimento do empreendedor não se

Leia mais

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe

PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe PROGRAMA DE HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de História de Educação Física -

Leia mais

Workshop sobre Empreendedorismo

Workshop sobre Empreendedorismo Workshop sobre Empreendedorismo Vasco Pinto 11 e 12/ Dez/ 2012 O que é o Empreendedorismo? O que é ser Empreendedor? Principais Características de um Empreendedor Diferenças entre Empreendedor e Empresário

Leia mais

CONCURSO "IDEIA BRILHANTE"

CONCURSO IDEIA BRILHANTE CONCURSO "IDEIA BRILHANTE" REGULAMENTO DO CONCURSO Concorrentes 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Vencedores Avaliação de ideias Avaliação de planos de negócio Apresentação do plano de negócios REGULAMENTO DE CONCURSO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO

PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO PROGRAMA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Área de Ciências Económico-Jurídicas Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Direito - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO:

Leia mais

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS

PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS PROGRAMAS DE METODOLOGIA DE ENSINO DO PORTUGUÊS 11ª, 12ª e 13ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Português Ficha Técnica Título Programas de Metodologia de

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS

SISTEMA DE INCENTIVOS Organismo Intermédio Formação Ação SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO-AÇÃO FSE O objetivo específico deste Aviso consiste em conceder apoios financeiros a projetos exclusivamente de formação

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas em Angola. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas em Angola. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas em Angola Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Em Angola, de acordo com a Lei n 30/11, de 13 de setembro de 2011, as PMEs distinguem-se

Leia mais

APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PARA JOVENS ENTER TOOLBOX SUMÁRIO EXECUTIVO

APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PARA JOVENS ENTER TOOLBOX SUMÁRIO EXECUTIVO ENTER APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PARA JOVENS TOOLBOX SUMÁRIO EXECUTIVO Esta publicação foi adaptada pelo parceiro BEST Institut für berufsbezogene Weiterbildung

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo

Leia mais

PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE QUÍMICA 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 12ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário EDITORA:

Leia mais

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1 P á g i n a 1 Inova Jovens Criativos, Empreendedores para o Século XXI DGIDC Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação e Ciência IPDJ Instituto Português do Desporto

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

LÁ NOS CONFINS. No Terreno

LÁ NOS CONFINS. No Terreno 30 31 Dossier Fazer, gerir e poupar No Terreno LÁ NOS CONFINS A actual crise financeira demonstrou a importância da literacia financeira e de consumo e as intrincadas ligações entre os mercados e o comportamento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Together We Create Value

Together We Create Value Together We Create Value APRESENTAÇÃO DA MUNDISERVIÇOS LISBOA 2015 A história da MundiServiços carateriza-se por um percurso de inovação e de investimento na excelência dos seus serviços, assim como por

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Personal Training. Guia de Curso. Nível III

Personal Training. Guia de Curso. Nível III Guia de Curso Personal Training Nível III Centro Estudos Fitness T.217 901 600 F.217 901 609 Índice Apresentação CEF...... 3 Cursos Nível III:... 3 Personal Training... 3 Publico Alvo... 3 Modalidade de

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade de Projecto de Pesquisa

Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade de Projecto de Pesquisa UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Letras e Ciências Sociais Departamento de Arqueologia e Antropologia Curso de Licenciatura em Antropologia Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS FICHA DO PROJECTO Desporto para todos Nome do Projecto: Sport For All - Desporto e Inovação Objectivos do projecto:. Envolvimento de jovens na criação de um programa inovador de prevenção e integração

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 ADRA PORTUGAL Plano de Atividades 2014 Rua Ilha Terceira, 3 3º 100-171 LISBOA Telefone: 213580535 Fax: 213580536 E-Mail: info@adra.org.pt Internet: www.adra.org.pt Introdução A ADRA (Associação Adventista

Leia mais

Tipo de perguntas mais frequentes

Tipo de perguntas mais frequentes Tipo de perguntas mais frequentes Para facilitar a preparação de uma entrevista apresentamos questões que frequentemente são colocadas nesta situação. Com base nestas, os candidatos poderão praticar as

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

Empreendedorismo. Curso de Formação Pós-Graduada. para a criação de empresas de sucesso. 3 ª Edição ( 51 Horas)

Empreendedorismo. Curso de Formação Pós-Graduada. para a criação de empresas de sucesso. 3 ª Edição ( 51 Horas) Curso de Formação Pós-Graduada factor-chave para a criação de empresas de sucesso Empreendedorismo Organização Apoios 3 ª Edição ( 51 Horas) 2 out > 26 nov > 2014 Sede da Ordem dos Farmacêuticos SEG. e

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES OS NOSSOS

MISSÃO VISÃO VALORES OS NOSSOS VISÃO MISSÃO Criar Recursos Humanos de Excelência e alta qualidade que tenham a capacidade de inovação, competitividade e criação de riqueza, num ambiente exigente ao nível nacional e internacional. Contribuir

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Projeto de Música Pop e Rock

Projeto de Música Pop e Rock Projeto de Música Pop e Rock Docentes: Ângelo Cunha Paulo Bispo Teresa Laranjeira Externato Marista de Lisboa Introdução A Música é única para os seres humanos e como as outras artes, é tão básico como

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 4470 Diário da República, 1.ª série N.º 178 15 de Setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 267/2011 de 15 de Setembro Tendo em conta o reajustamento da organização curricular dos

Leia mais

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora»

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora» Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora» 1. Disposições Gerais A Câmara Municipal de Almada promove o «Concurso Jovens Talentos 2012 - Almada, Cidade Educadora» com

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE SANTO ONOFRE LÍNGUA FRANCESA - 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS VALOR AVALIAÇÃO 1. Durante o período de aprendizagem o aluno deverá

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO (PSD-G) 2012.2 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional, que sejam capazes de transformar

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - EMPREENDEDORISMO E EMPRESAS FAMILIARES Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE QUÍMICA 10ª CLASSE Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário EDITORA:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

Política nacional. Empreendedorismo Fator fundamental e prioritário para o desenvolvimento e aumento da competitividade da economia nacional.

Política nacional. Empreendedorismo Fator fundamental e prioritário para o desenvolvimento e aumento da competitividade da economia nacional. Criar a Empresa O desafio do empreendedorismo! Política nacional Empreendedorismo Fator fundamental e prioritário para o desenvolvimento e aumento da competitividade da economia nacional. Empreendedorismo

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto Artigo 1º (Denominação, natureza e âmbito) 1. O Instituto Superior de Ciências Educativas e o Instituto

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS REGULAMENTO ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVO EIXOS DE INTERVENÇÃO 4 PARTICIPANTES 5 CALENDARIZAÇÃO 4 PROCEDIMENTOS CONCURSAIS 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5 8 AVALIAÇÃO 9

Leia mais

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011

Simulação Empresarial ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 ISCA-UA Ano lectivo 2010/2011 é uma unidade curricular da licenciatura em Contabilidade ministrada no Instituto Superior de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro. A arrancou em 1998 e

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO

UMA PARCERIA DE SUCESSO Relatório Final de Atividades Gerdau Barão de Cocais e : UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Relatório de Atividades... 3 Resultados Gerais... 3 Resultados do Programa Miniempresa... 6 Aprendizagem dos Conceitos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Emprega o Futuro Programa Escolhas 4ª Geração Promotor(es): ISU - Instituto de Solidariedade

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

O Poder das Exposições no século XXI

O Poder das Exposições no século XXI O Poder das Exposições no século XXI Identificar, descobrir e agarrar a mudança do ponto de vista dos jovens profissionais Identificar, Descobrir e agarrar a Mudança do Ponto de Vista dos Jovens Profissionais

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR

PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR DESCRIÇÃO DOS MÓDULOS E UNIDADES DE PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR UNIDADES FUNDAMENTAIS QEQ NÍVEL QNQ parceiros HORAS DE PONTOS ECVET UNIDADES GENÉRICAS NÍVEL QEQ QNQ HORAS DE APRENDIZAG EM PONTOS ECVET

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais