METODOLOGIA DO TREINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DO TREINO"

Transcrição

1 faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do treino, a relação de interacção que entre si mantêm e a sua implicação no rendimento dentro da generalidade das diversas disciplinas desportivas. 3. demonstrar conhecimento teórico sobre os conceitos e regras metodológicas mais relevantes sobre o treino das qualidades físicas. 4. interpretar e localizar as diferenças entre os dados do conhecimento teóricometodológico do treino e as diferentes disciplinas desportivas, assim como diferentes níveis de treino. 5. distinguir o nível de profundidade, domínio do conhecimento e intervenção que o Gestor Desportivo e o Treinador devem ter no processo de condução do treino desportivo. Page 1 1

2 Organização Distribuição horária (regime semanal): 2 x 1,5 h aulas teóricas/práticas?! Data Aula Bloco Tema 14-Set 1 Apresentação da disciplina 18-Set 2 Conceitos Fundamentais em Treino Desportivo Generalidades Conclusão da aula anterior -Conceitos Fundamentais do Treino 21-Set 3 Desportivo 25-Set 4 Estudo da qualidade de Resistência. 28-Set 5 Continuação do estudo da Resistência. 02-Out 6 Resistência Os métodos de treino da Resistência. 05-Out 09-Out 7 Continuação da abordagem aos métodos de treino da Resistência. 12-Out 8 O estudo da qualidade física Força 16-Out 9 Continuação do estudo da Força 19-Out 10 Construção de programas de treino de Força. Força 23-Out 11 Métodos de avaliação da carga de treino da Força. 26-Out 12 Aula prática de Ginásio 30-Out 13 Aula prática de Ginásio 02-Nov 14 Frequência 1 06-Nov 15 Estudo da qualidade física Velocidade. 09-Nov 16 Velocidade Continuação do estudo da Velocidade. 13-Nov 17 Metodologia do treino da Velocidade 16-Nov 18 O estudo da qualidade física Flexibilidade 20-Nov 19 Flexibilidade A metodologia do treino da flexibilidade 23-Nov 20 Aula prática de Ginásio 27-Nov 21 A metodologia do treino da Técnica Técnica 30-Nov 22 Continuação da metodologia do treino da Técnica 04-Dez 23 A metodologia do treino da Táctica Táctica 07-Dez 24 Continuação da metodologia do treino da Táctica 11-Dez Dez 26 Frequência 2 18-Dez 27 Organização Page 2 2

3 Avaliação Contínua: frequência de pelo menos 2/3 das aulas realizadas. realização de duas frequências e em cada uma delas com uma classificação superior a 9,5 valores. a realização de um trabalho de grupo sob a temática da Gestão de um Espaço de Treino Desportivo ou uma oral obrigatória cuja nota de partida consiste na média aritmética das classificações obtidas nas duas frequências. Final realização de exame teórico e um exame oral. O acesso à oral é conseguido com uma classificação superior a 9,5 valores. Avaliação Contínua: frequência de pelo menos 2/3 das aulas realizadas. realização de duas frequências e em cada uma delas com uma classificação superior a 9,5 valores. a realização de um trabalho de grupo sob a temática da Gestão de um Espaço de Treino Desportivo ou uma oral obrigatória cuja nota de partida consiste na média aritmética das classificações obtidas nas duas frequências. 2 semanas de aulas prazo para afirmar a opçao trabalho de grupo/oral 2 Outubro 2009 LINK: Page 3 3

4 faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Conceitos fundamentais Uma noção genérica de treino Um processo que consubstancia a utilização de exercícios com objectivo de desenvolver um nível mais elevado de uma ou das várias qualidades intelectuais ou motoras. Page 4 4

5 Desempenho, prestação desportiva, performance Um (Os) resultado(s) alcançado(s) numa determinada disciplina desportiva num dado determinado momento de desenvolvimento do atleta RENDIMENTO DESPORTIVO Treino Desportivo Processo pedagógico de natureza complexa que visa desenvolver a aptidão do atleta ou da equipa para o desempenho desportivo (no quadro específico das situações competitivas) através da prática sistemática e planeada do exercício, orientada por princípios e regras cientificamente fundamentadas. Page 5 5

6 Objectivos do Treino Desportivo Domínio das acções técnicas e dos comportamentos tácticos. Adaptação do organismo ao esforço específico da situação competitiva (capacidade de trabalho, eficiência, economia). Habituação progressiva às exigências psico-emocionais próprias da situação de competição (desenvolvimento dos traços psicológicos adequados). Objectivos de Treino Desportivo Eficácia máxima Rendimento Desportivo Mínimo dispêndio energético Recuperações rápidas Page 6 6

7 Treino e Treinabilidade Exprime o grau de adaptabilidade e de modificação positiva do estado informacional, funcional e afectivo dos praticantes, como resultado dos efeitos dos exercícios de treino. A necessidade de uma visão integrada e a longo prazo Factores condicionantes da Treinabilidade: fases sensíveis para o desenvolvimento das qualidades físicas em atletas em formação / especialização precoce ; pré-requisitos para uma determinada execução; predisposição mental em tarefas que envolvam risco ou exijam níveis elevados de concentração e/ou motivação intrínseca. Page 7 7

8 Estado de treino e de preparação?! Estado de treino: Reflecte a adaptação biológica geral do organismo Em termos gerais Adaptação multifacetada com implicações ao nível da saúde e da manifestação das possibilidades funcionais básicas. Em termos específicos Aperfeiçoamento da resposta do atleta no domínio especializado da actividade. Estado de treino e de preparação?! Estado de preparação: capacidade do organismo em manifestar as suas possibilidades máximas no decurso de uma competição. FORMA DESPORTIVA Depende do estado de treino, mas mais do que isso! Está dependente da aptidão para mobilizar a totalidade dos recursos em situação de competição. Page 8 8

9 Forma desportiva Um estado de óptima (a melhor possível) preparação do atleta para a obtenção de determinados resultados desportivos e ao qual se chega em condições bem definidas em cada grande ciclo de treino. Uma noção estrita de treino CARGA ADAPTAÇÃO abaixamento da capacidade funcional; 2 - assimilação regenerativa ou compensatória; 3 - período da supercompensação. Page 9 9

10 A carga e a cargabilidade CARGA Confronto atleta-estímulo Objectiva optimizar o rendimento desportivo. CARGABILIDADE Capacidade que o atleta apresenta desuportaracargadetreino; Nível óptimo da solicitação das componentes estruturais durante a aplicação de uma carga sem que se incorra no risco de provocar efeitos nocivos para o atleta (lesões, estados emocionais negativos, etc.). A carga e a cargabilidade CARGA MÁXIMA Situada no limiar da possibilidade funcional; Não pode servir de ponto de referência. Medida objectiva e possível de ser quantificada; Dependente do nível e estado de treino. CARGA LIMITE Page 10 10

11 As formas de classificação da carga de treino Treino Competição Preparação Competição Transição Interna Natureza Grandeza Específicas Não específicas Externa Selectivas Orientação Complexas A carga e a cargabilidade a c Resposta b c Resposta b Carga Recuperação Carga Recuperação Carga idêntica a. Atletas de nível inferior b. Atletas de nível nacional c. Atletas de nível internacional Carga máxima Page 11 11

12 A carga e o exercício de treino CARGA INTERNA CARGA EXTERNA NÍVEL DE CARGABILIDADE EXERCÍCIO DE TREINO A carga e o exercício de treino EXERCÍCIO Elemento determinante do processo de treino As adaptações de treino conseguem-se através da repetição sistemática e organizada dos exercícios Page 12 12

13 A classificação dos exercícios de treino 1 - Exercício geral 2 - Exercício especial 3 -Exercício específico ou competitivo (Matveiev, 1980) As componentes estruturais do exercício de treino A CARACTERIZAÇÃO DO EXERCÍCIO Plano Funcional Plano Técnico - Táctico Page 13 13

14 As componentes estruturais do exercício de treino PLANO FUNCIONAL Intensidade Volume Densidade V Meses I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII I Períodos P. Preparatório P. Competitivo P. Transição As componentes estruturais do exercício de treino PLANO TÉCNICO-TÁCTICOTÁCTICO Número de praticantes Espaço operativo Tempo operativo Complexidade Page 14 14

15 Factores do Treino Desportivo Treino Psicológico Treino Táctico Treino Técnico Treino Físico Factor do Treino Físico Qualidades Físicas Capacidades Condicionais Capacidades Coordenativas Resistência Força Velocidade Flexibilidade Força Resistente Força Rápida Mobilidade Articular Velocidade Resistente Agilidade Page 15 15

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Pedagogia do Desporto. António Rosado

Pedagogia do Desporto. António Rosado Pedagogia do Desporto António Rosado Âmbito da Pedagogia do Desporto A Pedagogia reflecte sobre as questões: 1. O que é uma boa Educação? 2. Como consegui-la? A Pedagogia do Desporto reflecte: 1. O que

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ACTIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS E IDENTIDADE ACADÉMICA E PROFISSIONAL

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS E IDENTIDADE ACADÉMICA E PROFISSIONAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS E IDENTIDADE ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1.1. A definição do nosso objecto de estudo e de intervenção profissional continua a prestar-se a confusões terminológicas, a especulações

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 12 horas Componente Teórica: 20 horas

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2008/2009 1. Identificação do Aluno 2.1. Nome: 2.2. Data de Nascimento: 2.3. Morada: 2.4. Concelho: 2.5. Código Postal: 2.6. Telefone: 2.7. Email: 2.8. Situação

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo - ECONOMIA Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 MÓDULO 1 A ECONOMIA NO CONTEXTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Disciplina Economia

Leia mais

Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê?

Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê? Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê? As Pessoas e os Computadores uma nova relação com o saber um novo tipo de interacção social O computador tende a provocar reacções fortes Os adultos,

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração

A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração A Política Regional Portuguesa e as Economias de Aglomeração por José Pedro Pontes (Instituto Superior de Economia e Gestão/Universidade Técnica de Lisboa) 1 Conceitos e medidas da aglomeração "Economia

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE 1. Apresentação JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE O INOV-JOVEM, é um programa destinado a estimular o processo de inovação e desenvolvimento nas PME portuguesas, permitindo assim, a promoção de um emprego

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior Ano Lectivo 2009/20010 SISTEMÁTICA DO DESPORTO II Licenciatura em Desporto: Variante de Condição Física Regente: Hugo Louro Docentes:

Leia mais

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS FICHA DO PROJECTO Desporto para todos Nome do Projecto: Sport For All - Desporto e Inovação Objectivos do projecto:. Envolvimento de jovens na criação de um programa inovador de prevenção e integração

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ATIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ATIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ATIVIDADE FÍSICA, SAÚDE E LAZER Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA

PROGRAMA DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PSICOLOGIA 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina Opcional Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Psicologia - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO Horácio Honório Curso de Treinadores de Hóquei em Patins Nível III CRITÉRIOS DE ORGANIZAÇÃO DA PLANIFICAÇÃO FUNDAÇÃO NORTECOOPE - SÉNIORES

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Mestrado em Psicologia do Desporto e Exercício; - Técnico de Coaching PNL; - Esteve no Futsal do SCP; - Esteve no CADE e trabalhou com um treinador e atleta no badminton. Paulo Teixeira - 34 anos Contacto

Leia mais

Curso de Formação Inicial de Maquinistas

Curso de Formação Inicial de Maquinistas Curso de Formação Inicial de Maquinistas - Informações - Lisboa, 11 de Setembro de 2012 Fernave, 2012 Pág. 1/6 Índice 1. Identificação do Curso... 3 2. Objectivos do Curso... 4 2.1 Objectivos Gerais...

Leia mais

Conteúdo Programático. Princípios e Ferramentas de Psicologia Esportiva e Tecnologia no Preparo de Atletas de Elite Presencial e Online

Conteúdo Programático. Princípios e Ferramentas de Psicologia Esportiva e Tecnologia no Preparo de Atletas de Elite Presencial e Online 1. A Psicologia Esportiva no Brasil História. Atualidade. 2. Tarefas do Psicólogo do Esporte Do ponto de vista do atleta. Do ponto de vista da equipe multidisciplinar e, sobretudo dos treinadores. 3. Capacidades

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira No guarda-redes encontramos tudo o que procuramos num desportista: reflexos e sincronização, força e velocidade, espectacularidade e movimentos perfeitos e competitividade e valentia. (John Hodgson) Uma

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular CONTABILIDADE FINANCEIRA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo Programa de Disciplina Formação Desportiva FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Mestrado em Treino Desportivo FORMAÇÃO DESPORTIVA Programa da Disciplina Prof. Dr. António Rosado Prof. Dr. Vítor Ferreira Ano

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO INSTALAÇÕES B-TRAINING, CONSULTING

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul 1 A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul Margarida Soares (*) O Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul tem três animadores socioculturais afectos ao Projecto

Leia mais

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 5.5.2. CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA (2.º CICLO MESTRADOS) E PÓS-GRADUAÇÃO 5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

A Educação Especial de Macau: retrospectiva e perspectiva

A Educação Especial de Macau: retrospectiva e perspectiva Administração n.º 79, vol. XXI, 2008-1.º, 219-246 219 A Educação Especial de Macau: retrospectiva e perspectiva Yuen Pong Kau* I. Introdução O acelerado desenvolvimento da economia mundial do conhecimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: Num mundo em constante aceleração económica, tecnológica e de produção de grandes quantidades de conhecimento,

Leia mais

Tipos de análises do movimento humano

Tipos de análises do movimento humano Tiago Barbosa Análise qualitativa do movimento humano Tipos de análises do movimento humano QUALIT. QUANT. Nível de desenvolvimento Escala de apreciação Amplitude de passada Velocidade Aceleração Força

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES ANSIÓGENOS, DE STRESS E ACTIVAÇÃO NA AFD Aspectos introdutórios Quadro conceptual Avaliação da ansiedade e estresse Modelos explicativos da ansiedade

Leia mais

FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS. Data: 9 de Maio de 2014

FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS. Data: 9 de Maio de 2014 Para: De: FEDERAÇÕES EUROPEIAS E CLUBES FILIADOS DE HÓQUEI EM PATINS PRESIDENTE DO CERH Data: 9 de Maio de 2014 Assunto: REGULAMENTO DO CERH PARA O MINI-HP Exmºs Senhores: Assumindo a importância do desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe

PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe PROGRAMA DE FUTEBOL 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Futebol - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética Lisboa, Maio de 2009 Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares www.luis-simoes.com Índice ➊ - A Luís Simões ➋

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico 5º e 6º anos

2º Ciclo do Ensino Básico 5º e 6º anos 2º Ciclo do Ensino Básico 5º e 6º anos Modalidades individuais Domínio Psicomotor Situação de prova. Ou Modalidades coletivas Situação de jogo + exercício critério. 50 60 Empenho motor. Conhecimento das

Leia mais

Planeamento do Treino Desportivo

Planeamento do Treino Desportivo Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Planeamento do Treino Desportivo Periodização de um Macrociclo para o Desenvolvimento da Força - Basquetebol (A nível Sénior) Ricardo Robalo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2008

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2008 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2008 ÍNDICE 1. ÂMBITO 03 Pág.s 2. MISSÃO 03 3. AMBIENTE EXTERNO E INTERNO 04 3.1 Factores Externos 04 3.2 Factores Internos 05 4. ESTRATÉGIA 06 5. PROGRAMAS 10 Instituto do Desporto

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 2 Componente Prática: 5 horas Componente Teórica: 25 horas Total de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Paulino Botelho Código: 091-6 Município: São Carlos - SP EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS Formação COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS - A Liderança do Desporto para as Organizações - Lisboa 15 e 16 Abril 2015 info@coachingdesportivo.pt 00351-21 828 09 57 www.coachingdesportivo.pt Apresentação

Leia mais

Liderança e Gestão de Equipas

Liderança e Gestão de Equipas Liderança e Gestão de Equipas Procura-se que esta acção seja: prática, que forneça aos participantes soluções facilmente aplicáveis no quotidiano e permitam pilotar com eficácia e optimizar o funcionamento

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INSPECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO FINAL DA ORGANIZAÇÃO DO ANO LECTIVO

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INSPECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO FINAL DA ORGANIZAÇÃO DO ANO LECTIVO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INSPECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO FINAL DA ORGANIZAÇÃO DO ANO LECTIVO 2006/2007 ÍNDICE ABREVIATURAS 3 INTRODUÇÃO.. 4 I METODOLOGIA.

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação Prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 26 2013 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

PROJECTO ESCOLA ACTIVA

PROJECTO ESCOLA ACTIVA PROJECTO ESCOLA ACTIVA INTRODUÇÃO A obesidade infantil tornou-se, desde os princípios dos anos 80 a doença nutricional pediátrica mais prevalente a nível mundial, não atingindo apenas os países desenvolvidos

Leia mais

OS MITOS À VOLTA DA HIPERTROFIA

OS MITOS À VOLTA DA HIPERTROFIA OS MITOS À VOLTA DA HIPERTROFIA A razão para publicar este artigo começou por ser a necessidade de desmitificar alguns dos receios manifestados principalmente pelas jogadoras em ficarem grandes quando

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

Exercício cio de Treino em Futebol

Exercício cio de Treino em Futebol Exercício cio de Treino em Futebol Rúben Alexandre Ribeiro Fanzeres de Sá Pereira Porto, 2006 Exercício cio de Treino em Futebol Monografia de Licenciatura realizada no âmbito da disciplina de Seminário,

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS

ACÇÃO DE FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÁ DA BANDEIRA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS Trabalho realizado por: Maria Adélia Esteves Paulo Amaro Esteves Rosa Carvalho Vanda Salvaterra INTRODUÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Porto 29 Outubro e 5 Novembro Organização: Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma actividade complementar

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof. Adjunta Mestre Marta Martins DOCENTE(s): Drª. Joana Macedo

Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof. Adjunta Mestre Marta Martins DOCENTE(s): Drª. Joana Macedo INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM TREINO DESPORTIVO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Sistemática do Desporto - Ginástica REGENTE: Equiparada a Prof.

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2009

PLANO DE FORMAÇÃO-2009 PLANO DE FORMAÇÃO-2009 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: ) UFCD 4278- Animador- Perfil e Estatuto Profissional (25H) UFCD 4279- Animação Sociocultural- Áreas de Intervenção

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA *

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * Norberto Alarcón INTRODUÇÃO A periodização e planejamento do treinamento esportivo, como área especializada deste, e a sua

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Neste capítulo visamos efectuar, em primeiro lugar, uma descrição clara e sucinta do conhecimento na área das atitudes dos alunos face à inclusão de alunos com deficiência e, em segundo lugar, definir

Leia mais

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Disposições gerais... 3 Objecto... 3 Âmbito de aplicação... 3 Excepções... 3 Conceitos... 3 Legislação aplicável... 4 Organização e gestão da formação desportiva...

Leia mais