Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida"

Transcrição

1 Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência, na óptica da actividade seguradora, é conveniente fixar primeiro alguns conceitos básicos, como o significado dos termos «activos», «responsabilidades», «solvência absoluta» e «solidez financeira»: «activos» - correspondem à acumulação líquida dos investimentos de uma empresa, provenientes das suas receitas e deduzidos das despesas incorridas; «activos livres» - são a parte dos activos totais detidos pela empresa que excede o valor das suas responsabilidades; «responsabilidades» - são as importâncias ou outras garantias que a empresa se comprometeu contratualmente a pagar ou conceder; «solvência absoluta» - considera-se que uma empresa está solvente, em sentido absoluto, quando o valor dos seus «activos» iguala ou excede o valor das suas «responsabilidades»; «solidez financeira» - uma empresa é «financeiramente sólida» quando está solvente e, para além disso, possui «activos livres» em volume suficiente para garantir que poderá continuar a celebrar novos negócios sem pôr em causa a sua solvência futura. 2. Particularidades da solvência nas Seguradoras do Ramo Vida As seguradora do ramo Vida distinguem-se das demais empresas por celebrarem normalmente contractos de longo prazo (nestas empresas, um contrato de médio prazo pode atingir os 10 anos de duração e um contrato de longo prazo pode estender-se por 50 anos ou mais). Francisco José Cruz Alves Não devemos, no entanto, pensar que estas características são exclusivas do ramo Vida, pois o Seguro de Saúde de Longo Prazo e os seguros do ramo Acidentes de Trabalho podem também ter prazos de maturidade muito elevados. Sempre que se lida com responsabilidades de longo prazo há que utilizar critérios de grande prudência, tanto na avaliação destas como na avaliação dos activos que lhes permitem fazer face e assegurar a solvência. Usualmente, os organismos de supervisão de seguros utilizam critérios prudenciais de avaliação para os «activos» e para as «responsabilidades», o mais corrente dos quais corresponde a avaliar os «activos» a valores correntes de mercado (ou a valores que sejam tão próximos quanto possível dos valores correntes de mercado) e avaliar as «responsabilidades» a «valor actual», ou seja, através de um mecanismo de descontos financeiros, a juro composto, que incidem sobre os valores esperados, em termos demográficos, das responsabilidades futuras. O valor actual da diferença entre as responsabilidades da seguradora, acrescidas dos respectivos custos de gestão, e as responsabilidades do tomador de seguro com o pagamento dos prémios designa-se por «Provisão Matemática». 3. Solvência e Volatilidade do valor dos Activos Quando os activos são avaliados a valor corrente de mercado, cada conjunto de activos (p.ex., uma carteira de títulos), está sujeito a mudanças de valor ao longo do tempo devido, entre outras causas, à alteração das expectativas dos investidores. Esse fenómeno designa-se por «volatilidade financeira». Este conceito pode ser ilustrado através do seguinte exemplo (ver ilustração abaixo): suponhamos que uma seguradora do ramo Vida tem uma carteira de obrigações estatais que garantem o pagamento de juros anuais, de Técnico do Gabinete de Estudos Técnicos do ISP

2 montante fixo, durante 10 anos, no final dos quais haverá lugar ao pagamento de um montante fixo - num dado momento do tempo, essa carteira de títulos tem um valor x a, correspondente ao valor das provisões matemáticas dos contratos da seguradora, ou seja, a empresa está solvente em termos absolutos; o «valor nominal»; - esse valor x a. é determinado pelas expectativas do mercado sobre o que se considera ser a taxa de remuneração justa para um investimento sem risco financeiro (já que o pagamento é garantido pelo Estado); - o mercado avalia cada activo atribuindo um «valor actual» aos futuros pagamentos que o mesmo deverá proporcionar, de acordo com uma taxa de remuneração que lhe parece justa. É assim que se formam os preços; - por sua vez, essa taxa de remuneração varia consoante o período de duração do investimento - o conjunto das taxas de remuneração exigidas pelo mercado para cada duração, num dado momento do tempo, é designado por «curva de taxas de juro» ou, mais frequentemente, por Yield Curve ; suponhamos que as expectativas do mercado se alteram, por alguma razão, e a yield curve A dá lugar à yield curve B, traduzindo uma expectativa de descida de taxas de juro; nesse caso, o valor da carteira aumenta para x b, já que o mercado aceitaria agora um menor rácio remuneração/preço ou, equivalentemente, um maior preço para a mesma remuneração; - neste caso, a carteira de títulos passa a ter um valor superior ao das provisões matemáticas atrás referidas e passa a haver um «excesso» de solvência;

3 Yield curve A Yield curve B Yield curve C 1 7% 12% 2% Suficiência Excesso Insuficiência Valor das Provisões Técnicas Valor de Mercado da Carteira de Títulos F (Taxa de Juro Fixa) Nestas circunstâncias, a seguradora poderia sentir-se tentada a considerar como lucro o excesso de solvência proporcionado pela variação positiva no valor da sua carteira de títulos. O facto é que, se a empresa continuar a operar e se a maturidade da sua carteira de apólices for ainda longa, podem ocorrer conjunturas de mercado desfavoráveis, que levem à desvalorização dos títulos e à insolvência; - há, portanto, que criar (ainda que de forma nocional) um mecanismo que permita incorporar reservas para futuras desvalorizações de activos e evitar o risco de insolvência; Vejamos o que é que pode ser feito a este respeito: - por um lado, as Directivas Comunitárias exigem que as autoridades de supervisão de seguros estabeleçam uma taxa de juro máxima para o cálculo das provisões matemáticas, tendo em conta a natureza dos activos representativos, para além da obrigatoriedade de constituição de uma «margem de solvência» (a margem de solvência corresponde ao conceito de «solidez financeira» que já atrás foi referido); - por outro lado, a existência de taxas de juro máximas para o cálculo das provisões matemáticas não impede as seguradoras de utilizarem taxas mais baixas, o que abre a possibilidade de utilizar esta via para incorporar uma margem adicional de segurança contra o risco de insolvência futura; - por razões de facilidade de cálculo, foi este o mecanismo que mereceu a nossa preferência, no âmbito do presente estudo; o efeito da provável desvalorização dos activos representativos das provisões matemáticas é dado na ilustração anexa através da conjuntura correspondente à «yield curve C»; neste caso o valor da carteira de títulos, x c, sofre uma variação negativa que leva a uma «insuficiência» de cobertura do valor das provisões matemáticas, o que corresponde a uma situação de «insolvência» ; - assim, a selecção dos activos que fazem face a determinadas responsabilidades carece de uma prudência acrescida. 4. Formas de evitar a Insolvência resultante da Volatilidade do valor dos Activos e dos rendimentos a eles associados Obs.: É de notar que, no exemplo acima, uma das razões que levam à insolvência reside no facto de se assumir que o valor das responsabilidades não se altera com a variação da yield curve, contrariamente ao que acontece com o valor dos activos.

4 Para além dos mecanismos prudenciais referidos anteriormente, existem vários modos e técnicas para evitar ou, pelo menos, reduzir substancialmente o risco de insolvência resultante da volatilidade financeira. De uma certa forma, algumas dessas técnicas, como o matching e o hedging, foram já referidas em publicações anteriores da Revista do ISP. Subjacente a qualquer destas técnicas está a noção de que a volatilidade dos activos é passível de ser adequadamente representada através de modelos matemáticos. Actualmente existem já diversos modelos matemáticos que permitem abordar convenientemente este problemas, os mais refinados dos quais se baseiam em processos estocásticos e recorrem a técnicas de simulação para determinar os «intervalos de confiança» das yield curves. Uma das técnicas mais correntemente utilizadas para reduzir o risco de insolvência por fluctuação adversa do valor e do rendimento dos activos corresponde à utilização de um mecanismo com duas opções frequentemente equivalentes: descontar o valor dos fluxos financeiros dos activos detidos em carteira, de acordo com uma yield curve correspondente a um intervalo de confiança baixo (p.ex. 5% ou 1) e avaliar as provisões matemáticas com base nas yield curves do mercado, ou calcular as provisões matemáticas de acordo com uma yield curve correspondente a um intervalo de confiança alto (p.ex. 9 ou 95%) e avaliar os activos representativos dessas provisões a valores correntes de mercado. Destas duas técnicas, a mais comum é a segunda, embora se tenha que proceder a algumas adaptações quando a Autoridade de Supervisão fixa taxas de juros máximas para a determinação das provisões. 5. Impacto da taxa de juro no valor das Provisões Matemáticas de algumas modalidades de Seguro de Vida As provisões matemáticas dos contratos de seguro de Vida devem ser calculadas periódicamente e, de cada vez que tal acontece, os cálculos devem reflectir as alterações de responsabilidades ocorridas desde o período anterior. A capitalização dos activos, as participações nos resultados, os resgates pagos, as reduções de contratos por não pagamento de prémios, a alteração da mortalidade e a própria inflação das despesas da seguradora vão, ao longo do tempo, alterando as hipóteses inicialmente utilizadas no cálculo das provisões. Como é lógico, cada seguradora tem a sua própria experiência de gestão de contratos e deve reflecti-la no cálculo das suas provisões. Quando o objectivo é calcular o impacto de algumas variáveis para a totalidade do mercado, têm que se utilizar hipóteses simplificadoras. Nos cálculos que realizámos, estavamos interessados nos contratos celebrados entre 1984 e 1994 e, muito concretamente, no impacto da mudança da taxa de juro a nível das provisões matemáticas. Esse impacto é particularmente sensível, devido à iminente introdução do «euro», no caso de contratos em que a duração dos activos seja bastante inferior à duração das responsabilidades e a sua importância varia com o prazo de maturidade das apólices. Como o impacto da alteração da taxa de juro é bastante mais forte que o da alteração da mortalidade e porque os encargos de gestão indicados no Plano de Exploração do Ramo Vida (frequentemente utilizados entre 1984 e 1994) eram prudentes, igorámos os efeitos de eventuais alterações nas bases técnicas iniciais, com excepção da taxa técnica de juro e do facto do mecanismo de prémios inicialmente estabelecido não poder ser mudado durante o contrato. O que veremos a seguir é o resultado desses cálculos para algumas das modalidades tradicionais de seguro de Vida, como as Rendas Vitalícias Imediatas, os Seguros Mistos e os Seguros de Capital Diferido com Contrasseguro dos Prémios à Taxa Técnica Rendas Vitalícias Imediatas Artigo intitulado «Impacto da criação do Euro nas Taxas de Juro de Longo Prazo», publicado no nº2 da Revista do ISP De entre as várias formas possíveis de apólices de rendas vitalícias, seleccionámos as Rendas

5 Vitalícias Imediatas Mensais Antecipadas, não apenas pela importância qua têm no ramo Vida, mas também porque é através destas rendas que se calculam as provisões matemáticas do ramo Acidentes de Trabalho. Testámos o que aconteceria se utilizassemos taxas técnicas de juro entre os 6% ao ano (taxas inicialmente previstas) e os ao ano (que podem ser consideradas prudentes em contratos a prémio único com 15 anos de prazo de maturidade). RENDA VITALICIA IMEDIATA MENSAL ANTECIPADA RENDA VITALICIA IMEDIATA MENSAL ANTECIPADA Provisão Matemática a Prémio de Inventário Aumento da Provisão Matemática a Prémio de Inventário Idades Tábua de Mortalidade: PF-60/ Idades com relação à Taxa Técnica de 6% (Tábua: PF-60/64) actuariais - - -Taxas Técnicas de Juro actuariais - - -Taxas Técnicas de Juro actuais 6% 4,5% 3,5% actuais 6% 4,5% 3,5% 50 13, , , , , ,0000 0,1726 0,2418 0,3181 0, , , , , , ,0000 0,1544 0,2152 0,2816 0, , , , , , ,0000 0,1356 0,1881 0,2448 0, , , , , , ,0000 0,1166 0,1609 0,2083 0, ,4170 9,2403 9,5474 9, , ,0000 0,0978 0,1343 0,1730 0,2140 Aumento das Provisões Matemáticas a Prémio de Inventário com relação à Taxa Técnica de Juro de 6% Incremento das Provisões 45% 4 35% 3 25% 2 15% 1 5% 3,5% Taxa Técnica de Juro 4,5% 6% Idades Actuariais Como seria de esperar, o maior impacto faz-se sentir nas idades actuais menos avançadas (maior prazo de maturidade) e para as taxas de juro mais baixas. Para a idade actuarial de 50 anos e taxa de juro de, o aumento das provisões atinge os 4. Os resultados globais são os abaixo indicados nas tabelas e gráfico anexos.

6 5.2. Seguros Mistos No caso dos Seguros Mistos, a taxa técnica inicialmente prevista para o cálculo dos prémios e das provisões matemáticas era de ao ano. Neste caso, considerámos taxas entre os e os 2,5% (taxa prudente para contratos a prémios nivelados com 10 anos até à maturidade). SEGURO MISTO SEGURO MISTO com Prazo Inicial de 20 anos e k anos decorridos Aumento da Provisão Matemática a Prémio de Provisão Matemática a Prémio de Inventário Inventário, com relação à Taxa Técnica de Idades Tábua de Mortalidade: PM-60/ Idades Tábua de Mortalidade: PM-60/ actuariais - - -Taxas Técnicas de Juro actuariais - - -Taxas Técnicas de Juro iniciais 3,5% 2,5% iniciais 3,5% 2,5% k = 5 k = ,1838 0,2086 0,2356 0, ,0000 0,1351 0,2820 0, ,1857 0,2082 0,2326 0, ,0000 0,1214 0,2531 0, ,1891 0,2087 0,2298 0, ,0000 0,1038 0,2157 0, ,1951 0,2113 0,2287 0, ,0000 0,0832 0,1723 0,2680 k = 10 k = 10 3,5% 2,5% 50 0,3972 0,4208 0,4458 0, ,0000 0,0596 0,1225 0, ,3954 0,4172 0,4402 0, ,0000 0,0551 0,1131 0, ,3941 0,4133 0,4336 0, ,0000 0,0489 0,1003 0, ,3945 0,4107 0,4277 0, ,0000 0,0410 0,0841 0,1292 k = 15 k = 15 3,5% 2,5% 50 0,6556 0,6725 0,6897 0, ,0000 0,0256 0,0520 0, ,6476 0,6635 0,6799 0, ,0000 0,0245 0,0498 0, ,6365 0,6511 0,6661 0, ,0000 0,0229 0,0465 0, ,6222 0,6351 0,6483 0, ,0000 0,0207 0,0420 0,0638 Aumento das Provisões Matemáticas a Prémio de Inventário com relação à Taxa Técnica de Juro de (Seguro Misto Clássico a 20 anos de prazo e 5 anos decorridos) Aumento das Provisões Matemáticas a Prémio de Inventário com relação à Taxa Técnica de Juro de (Seguro Misto Clássico a 20 anos de prazo e 10 anos decorridos) Incremento das Provisões 45% 4 35% 3 25% 2 15% 1 5% 2,5% 3,5% k = 5 Idades Actuariais no início do contrato Incremento das Provisões 2 18% 16% 1 12% 1 8% 6% 2% 2,5% 3,5% k = 10 Idades Actuariais no início do contrato Taxa Técnica de Juro Taxa Técnica de Juro Aumento das Provisões Matemáticas a Prémio de Inventário com relação à Taxa Técnica de Juro de (Seguro Misto Clássico a 20 anos de prazo e 15 anos decorridos) Incremento das Provisões 8% 7% 6% 5% 2% 1% 2,5% 3,5% k = 15 Idades Actuariais no início do contrato Taxa Técnica de Juro Mais uma vez se verifica que, para uma mesma taxa de juro, quanto mais baixa é a idade actual e mais longo é o prazo até à maturidade, maior é o valor da provisão matemática. Para além disso, o maior impacto é sentido quando a provisão é calculada à taxa mais baixa. Para a idade de 50 anos e o prazo de maturidade de 15 anos (k=5 e Prazo Inicial =20), a maior percentagem de incremento é a que ocorre com a taxa de juro de 2,5%, chegando o aumento a cerca de 4 (ver quadros e gráfico anexos).

7 5.3. Seguros de Capital Diferido com Contrasseguro à Taxa Técnica No caso destes seguros, o Plano de Exploração do Ramo Vida e suas alterações, estabelecia que a taxa de juro a utilizar em contratos até 10 anos de prazo não poderia exceder 6 da taxa de rendimento líquida obtida com os investimento afectos às provisões matemáticas. Não havia, portanto, uma taxa máxima uniforme fixada pela Entidade de Supervisão e, no passado, chegaram-se a praticar taxas superiores a 1 ao ano. Com o passar do tempo, as taxas dos novos contratos foram-se reduzindo, pelo que achámos útil explorar o intervalo de taxas entre os 1 e os 2,5% em apólices a prémio único. Os resultados confirmam as tendências atrás referidas, no tocante ao prazo de maturidade e à taxa de juro, só que, desta vez, o efeito manifesta-se com muito maior amplitude. Com efeito, para os 10 anos de prazo de maturidade e para a taxa de 2,5%, um contrato com taxa garantida de 1 comporta um aumento de provisão da ordem dos 10, como se comprova nos quadros e gráfico abaixo. CAPITAL DIFERIDO C/CONTRASSEG. À TAXA TÉCNICA CAPITAL DIFERIDO C/CONTRASSEG. À TAXA TÉCNICA Provisão Matemática a Prémio de Inventário Aumento da Provisão Matemática a Prémio de Inventário Prazo Prazo com relação à Taxa Técnica de 1 até ao - - -Taxas Técnicas de Juro até ao - - -Taxas Técnicas de Juro vencimento 1 8% 5% 2,5% vencimento 1 8% 5% 2,5% 10 0,3865 0,4642 0,5594 0,7451 0, ,0000 0,2009 0,4472 0,9276 1, ,4675 0,5413 0,6284 0,7904 0, ,0000 0,1578 0,3442 0,6907 0, ,5655 0,6312 0,7060 0,8385 0, ,0000 0,1162 0,2484 0,4828 0, ,6840 0,7360 0,7931 0,8895 0, ,0000 0,0760 0,1595 0,3004 0, ,8274 0,8583 0,8910 0,9436 0, ,0000 0,0373 0,0768 0,1404 0,1515 Aumento das Provisões Matemáticas a Prémio de Inventário, com relação à Taxa Técnica de Juro de 1 (Seguro de Capital Diferido c/contrasseg. à Taxa Técnica) 12 Incremento das Provisões ,5% 5% 8% Taxa Técnica de Juro Prazos até ao vencimento do contrato 6. Comentários finais A iniciativa da produção do presente artigo teve como propósito de analisar as possíveis consequências da iminente introdução da moeda única ao nível da alteração de taxas de juro. A perspectiva de uma inflação baixa e estável no espaço económico do «euro» arrasta consigo uma expectativa de taxas de juro substancialmente mais baixas do que as que foram observadas em Portugal ao longo dos últimos 20 anos. Nessa medida, torna-se conveniente fazer uso de grande prudência no cálculo das provisões matemáticas do ramo Vida e no nível de constituição das carteiras de activos representativos dessas mesmas provisões. O exercício da prudência a nível das taxas de juro utilizadas no cálculo das provisões matemáticas de seguros de longo prazo tem a ver, não apenas com a previsão da futura taxa de rendimento dos activos representativos dessas provisões mas, também, com a margem de segurança para fluctuações adversas do valor desses activos. O aumento da prudência no cálculo das provisões é um objectivo desejável mas o exercício da prudência para além dos limites mínimos impostos pelas autoridades de supervisão deve ser conseguido de forma faseada e evitando

8 comprometer o equilíbrio de exploração das seguradoras.

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são:

Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são: Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são: seguros de vida; seguros de nupcialidade/natalidade; seguros ligados a fundos de investimento (unit linked);

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA TESOURARIA

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA TESOURARIA Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA TESOURARIA

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização PSI 20 Entidade Emitente:

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 2ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 2ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch II Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (184 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 1. Definições Instrumentos Financeiros OTC - são os instrumentos financeiros descritos no Regulamento de prestação de serviços para

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL Índice Finalidade do crédito automóvel Modalidades de crédito automóvel Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidade de reembolso

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE. GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5

UNIVERSIDADE DO ALGARVE. GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5 UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5 Fernando Félix Cardoso Outubro 2004 1 Mercado Monetário 2 Mercado Monetário O Mercado Monetário é o segmento do mercado financeiro

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Fontes de Financiamento. Fontes de Financiamento

Fontes de Financiamento. Fontes de Financiamento Publicação Nº 4-29 Setembro 2010 Fontes de Financiamento PONTOS DE INTERESSE: Fontes de Financiamento Capital Alheio Capitais Próprios Copyright DecisionMaster 2001-2010 As Fontes de Financiamento designam

Leia mais

ANEXO I DESRECONHECIMENTO

ANEXO I DESRECONHECIMENTO ANEXO I DESRECONHECIMENTO Parte 1 - Enquadramento 1. As instituições devem considerar na avaliação de desreconhecimento dos títulos os requisitos abaixo indicados. 2. Para efeitos do número anterior, as

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social Resumo do de estudo do Regime da Segurança Social Introdução De acordo com o de estudo principal do dia 18 de Abril e os dois anexos respectivamente dos dias 29 de Maio e 27 de Junho (Análises 1 e 2 dos

Leia mais

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO FEVEREIRO DE 2006 Este prospecto

Leia mais

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES

PME & E PEQUENAS, MÉDIAS EMPRESAS E ENTIDADES O QUE É CRÉDITO? A palavra crédito vem do latim CREDERE, que significa "acreditar" ou "confiar"; ou seja, quando você concede crédito para o seu cliente é porque confia que ele vai quitar o compromisso

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2 Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Havendo necessidade de se rever a regulamentação relativa

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Destinatários

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES FUNDO DE PENSÕES GESTNAVE Entre os abaixo assinados: 1. Como Primeira Contratante: ENI Electricidade Naval e Industrial, S.A., com o número único de matrícula

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL PARVEST Europe Real Estate Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006

Leia mais

CARTILHA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GUIA FÁCIL DE TRIBUTAÇÃO

CARTILHA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GUIA FÁCIL DE TRIBUTAÇÃO CARTILHA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR GUIA FÁCIL DE TRIBUTAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO Guia Fácil de Tributação A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha

Leia mais

Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa

Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa COMO ESTIMULAR A MUDANÇA NA SUA EMPRESA Parte II «O novo líder é aquele que envolve as pessoas na acção, que transforma seguidores em líderes, e que

Leia mais

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Diploma consolidado Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Perante a actual conjuntura económica e o respectivo reflexo no mercado do emprego, revela-se ser de toda a conveniência a flexibilização das

Leia mais

3 Matemática financeira e atuarial

3 Matemática financeira e atuarial 3 Matemática financeira e atuarial A teoria dos juros compostos em conjunto com a teoria da probabilidade associada à questão da sobrevivência e morte de um indivíduo são os fundamentos do presente trabalho.

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL 1. Introdução 1.1. Nos termos e para efeitos do n.º 4 do artigo 115.º-C do Regime Geral

Leia mais

prospecto simplificado skandia perfil

prospecto simplificado skandia perfil INVESTIMENTOS Skandia Link S.A. - Sucursal em Portugal da sociedade Skandia Link, Sociedade Anónima de Seguros Y Reaseguros, com o capital social de EUR 41.42.2,90 NIPC 90 234 43 CRC Lisboa n.º 11 30 Sede

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2013. de Dezembro

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2013. de Dezembro REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Lei n.º /2013 de de Dezembro O Orçamento do Estado para 2013 materializa a política financeira do Governo, em conformidade com os objectivos do Plano Económico e Social (PES) 2013.

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

Julho 2009 IRECTIVA 2008/48/CE? QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA

Julho 2009 IRECTIVA 2008/48/CE? QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA Julho 2009 A LOCAÇÃO FINANCEIRA E O NOVO REGIME DOS CONTRATOS DE CRÉDITO A CONSUMIDORES: QUEM GANHA COM A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA IRECTIVA 2008/48/CE? Para impressionar um potencial cliente numa reunião

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Anuais Parciais de Actividade Elaboração de Orçamentos Os resultados de uma empresa, ou de qualquer uma das suas actividades, podem ser apurados (ou calculados de forma previsional)

Leia mais

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Agrupamento de Escolas de Serpa Avaliação de Pessoal Não Docente SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Legislação aplicável Lei n.º 66-B/2007 de 28 de

Leia mais

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente Estrutura Capital Salvo se indicação em contrário, as respostas reportam à situação a 31 de Dezembro do ano #### Contacto da sociedade para esclarecimento: Nome Telefone E mail Quesito Identificação da

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841 Directriz de Revisão/Auditoria 841 1 Dezembro de 2001 Verificação das Entradas em Espécie para Realização de Capital das Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-6 OBJECTIVO 7-8 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

Instrumentos Financeiros

Instrumentos Financeiros Contabilidade Avançada Instrumentos Financeiros Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 32/39 e IFRS7 (IFRS 9 em desenvolvimento) No CPC: CPC 38/39/40 e OCPC 03 Essência dos Instrumentos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2. Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO CPC Nº. 2 Pronunciamento Técnico PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas e Glossário de Termos 1. Fica alterada a alínea (b), do item 1.3, como segue:

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa

5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa 5 Um simulador estocástico para o fluxo de caixa O objetivo desse capítulo é o de apresentar um simulador estocástico para o fluxo de caixa de um plano de previdência do tipo PGBL de um único indivíduo.

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Prospecto Informativo. CapitAll Allianz Top 20. (Não Normalizado) www.allianz.pt

Prospecto Informativo. CapitAll Allianz Top 20. (Não Normalizado) www.allianz.pt Prospecto Informativo CapitAll Allianz Top 20 (Não Normalizado) www.allianz.pt Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. R. Andrade Corvo, 32 1069-014 Lisboa Telefone +351 213 165 300 Telefax +351 213

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

NCRF 19 Contratos de construção

NCRF 19 Contratos de construção NCRF 19 Contratos de construção Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 11 - Contratos de Construção, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP 6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP i. Fundo de Garantia Automóvel Actividade Desenvolvida Em 2007 foram participados ao Fundo de Garantia Automóvel 5 515 acidentes, menos 12,8% do que em 2006. É de assinalar

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida

Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida Seguro-Saúde. Guia para Consulta Rápida O que é seguro? 6 O que é Seguro-Saúde? 6 Como são os contratos de Seguro-Saúde? 7 Como ficaram as apólices antigas depois da Lei nº 9656/98? 8 Qual a diferença

Leia mais

Telecomunicações. Introdução

Telecomunicações. Introdução Telecomunicações Introdução O nosso trabalho irá versar sobre as taxas cobradas pela ICP-ANACOM autoridade independente para as comunicações electrónicas e seu enquadramento legal, tentando qualificá-las

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835 Directriz de Revisão/Auditoria 835 Abril de 2006 Certificação do Relatório Anual sobre os Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados (ICAE) no Âmbito da Actividade Seguradora Índice INTRODUÇÃO 1 4

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-16

Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-Jun-16 Preçário BANCO INVEST, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01Jun16 O Preçário completo do Banco Invest, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 Instrumentos Financeiros e Conceitos Correlatos... 2 3 Classificação e Avaliação de Instrumentos Financeiros... 4 4 Exemplos s Financeiros Disponíveis para Venda... 7 4.1 Exemplo

Leia mais

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE FINANÇAS Docente: Professor Coordenador - António Mourão Lourenço Discentes:

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais