PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL"

Transcrição

1 PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Resumo O objetivo do estudo foi avaliar a produção de conhecimento acerca do voleibol nos periódicos nacionais disponibilizados pela CAPES, entre 1990 à 2010 e relacionar esses dados à condição do voleibol brasileiro no cenário mundial. Foram encontrados 53 artigos que estavam qualificados pelo Qualis e em seguida as publicações anuais foram correlacionadas com as posições das seleções masculina e feminina no mesmo ano. Os resultados constataram crescimento na produção científica e correlação negativa significativa (r = -0,57 n = 15) nas competições principais e (r = -0,43 n = 21) nas competições secundárias ambas no naipe masculino. O estudo aponta para um crescimento na produção científica voltada ao voleibol e ainda um deixam claro a importância da produção de artigos para o desenvolvimento da modalidade. Palavras Chave: Produção Científica Periódicos Voleibol. Introdução A produção de conhecimento em voleibol, principal foco do estudo, está embasada na relação de dois fatores importantes. Primeiramente na publicação de artigos relacionados ao voleibol e depois nos resultados obtidos pelas seleções nacionais da modalidade. Como não foram encontrados estudos semelhantes na modalidade, pouco se sabe sobre a relação entre produção científica no voleibol relacionada a melhora nos resultados. A maior concentração de estudos na modalidade está no âmbito da Avaliação Física e Treinamento. Quanto à publicação em voleibol a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV, 2010) afirma que em 1916, um artigo do Guia de Vôlei Spalding escrito por Robert C. Cubbon estimou que os praticantes de voleibol nos Estados Unidos já totalizavam duzentos mil. Naquele mesmo ano, a YMCA (Associação Cristã de Moços) conseguiu que a NCAA (a maior liga de esportes universitários dos Estados Unidos) divulgasse o vôlei em seus artigos, contribuindo para o rápido crescimento do esporte entre os jovens universitários. Desde então o voleibol brasileiro cresceu, segundo a Federação Internacional de Voleibol (FIVB, 2010) quase todos os rankings, independente de naipe

2 ou categoria, a única exceção é o Ranking Mundial Juvenil e Infanto-juvenil Masculino, apesar de ser o atual campeão mundial na categoria juvenil. Quanto ao voleibol de praia, atualmente no Circuito Mundial de 2010 de Voleibol de Praia o país tem a segunda melhor dupla no naipe masculino e as duas melhores duplas femininas (FIVB, 2010). Ainda sobre os resultados nacionais a Confederação Brasileira de Voleibol (2010) divulga que as seleções brasileiras estiveram presentes em 80% das finais de competições internacionais, chegando ao título em 75% das finais que disputou, considerando nesse caso as equipes do naipe masculino e feminino nas categorias adulto e jovens. Mas a realidade não foi sempre assim. Até 2000 as seleções adultas, embora competindo sempre em alto nível, registram poucos títulos entre Copas do Mundo, Campeonatos Mundiais, Jogos Olímpicos e ligas mundiais, sendo que as conquistas mais expressivas nesse aspecto ocorreram de forma isolada, geralmente apoiada no talento individual de atletas e equipes técnicas. Dentre os diversos fatores que podem explicar o sucesso de uma modalidade desportiva, está o quanto se conhece e estuda a seu respeito. Nesse sentido, Giustina (1999) afirma que muito do que sabemos sobre o comportamento e as normas dos cientistas provem da análise da ciência universitária, ou mais especificamente, da pesquisa praticada nas universidades. Com a evolução tecnológica, a forma de publicação dos conhecimentos produzidos vem se alterando. Antigamente eram comuns artigos publicados em periódicos, hoje as informações são trocadas através de bytes, satélites, fibra ótica, com uma velocidade muito maior do que se era feito (BUSTO, 2001). Com as mudanças na forma de publicação da produção de conhecimento científico, aumenta a velocidade da troca de informações possibilitando uma maior produção de conhecimento científico. Isso promove adaptações nas instituições de ensino para que todos possam ter acesso aos benefícios gerados por uma maior produção de conhecimento (FARACO, 2003). A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é um órgão do governo federal vinculado ao Ministério da Educação (MEC). O Portal de Periódicos CAPES é um local onde professores, pesquisadores, alunos e funcionários de 268 instituições de ensino superior e de pesquisa em todo o país têm acesso imediato à produção científica mundial atualizada através deste serviço oferecido pela CAPES. O Portal oferece acesso aos textos completos de artigos selecionados de mais de revistas internacionais, nacionais e estrangeiras, e 126 bases de dados com resumos de documentos em todas as áreas do conhecimento. Inclui também uma seleção de

3 importantes fontes de informação acadêmica com acesso gratuito na Internet. O Qualis é uma classificação feita pela CAPES dos veículos utilizados pelos programas de pósgraduação para a divulgação da produção intelectual de seus docentes e alunos, cujo objetivo é atender às necessidades específicas da avaliação da pós-graduação realizada por esta agência. A classificação é feita ou coordenada por uma comissão de consultores de cada área e passa por processo anual de atualização. Os veículos de divulgação citados pelos programas de pós-graduação são enquadrados em categorias indicativas da qualidade do veículo utilizado. Conforme deliberação do Conselho Técnico Científico - CTC em 16 e 17/04/2008, a classificação dos periódicos divulgados no Qualis das áreas passou a ser composta de oito estratos, a saber: A1, o mais elevado, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C, com peso zero (CAPES, 2010). Considerando a expressiva melhora nos resultados obtidos pelas seleções nacionais de voleibol após o ano 2000, surge a necessidade de se investigar possíveis motivos que contribuíram para tais conquistas. Sendo assim, o principal objetivo deste estudo é verificar se a produção de conhecimento acompanha e pode explicar o crescimento da modalidade. Tal observação se dará através de um levantamento sobre a quantidade e a qualidade das publicações científicas voltadas ao voleibol em revistas nacionais, buscando uma correlação entre esse nível de produção intelectual e as principais conquistas das equipes de voleibol que representam o Brasil em competições internacionais. Métodos Essa pesquisa é caracterizada, de acordo com Thomas e Nelson (2002), como uma pesquisa de levantamento bibliográfico, uma vez que busca investigar a qualidade e a quantidade de artigos publicados em periódicos nacionais usando a temática do voleibol. Serão realizados dois levantamentos, um primeiro visando determinar a quantidade de artigos relacionados ao voleibol tem sido produzidos e publicados em revistas nacionais com Web Qualis e um segundo, junto a CBV, com o objetivo de identificar a quantidade de títulos internacionais conquistados pelas seleções adultas de voleibol (feminino e masculino). Maiores detalhamentos quanto aos procedimentos de coleta de dados serão descritos a seguir.

4 Levantamento das publicações em voleibol A seleção das publicações foi feita durante o mês de Outubro de 2010, através de uma busca nos Periódicos Capes. Foram selecionadas apenas revistas nacionais inseridas na relação de Periódicos da Educação Física. A partir daí foi investigada na respectiva área de busca a tag voleibol, procedendo conforme a metodologia usada por Dario et al. (2010), onde a seleção das publicações foi realizada em três partes. Primeiramente, a análise do título, que deveria possuir o termo voleibol ou o respectivo termo no idioma inglês. Em seguida foram analisados os resumos e, por fim o texto completo, para verificação da adequação do conteúdo à temática. Somente serão consideradas os artigos publicados entre 1990 e outubro de Após levantamento de toda a produção, os artigos encontrados serão classificados quanto ao ano e quanto ao Qualis. Levantamento das conquistas internacionais. O levantamento realizado junto à CBV quanto ao desempenho das seleções adultas nacionais se resume aos Jogos Olímpicos, aos Campeonatos Mundiais, as Copas do Mundo, as Ligas mundiais e aos Grand Prix. Tal restrição foi imposta por se tratarem de campeonatos de grande expressão internacional e participação plena das principais equipes do mundo. Da mesma forma que as publicações, somente serão considerados os resultados obtidos a partir de As competições femininas serão divididas em dois grupos. O primeiro e principal é composto pelos Jogos Olímpicos, os Campeonatos Mundiais e as Copas do Mundo. Tais competições estão agrupadas não somente por equivalência de importância, mas também por ocorrerem a cada quatro anos de forma intercalada. O segundo grupo, secundário, são as competições do Grand Prix, que ocorrem anualmente. As competições masculinas também serão divididas em dois grupos sendo o primeiro da mesma forma que as competições femininas (Jogos Olimpicos, Campeonatos Mundiais e Copas do Mundo) e o segundo grupo as competições anuais da Liga Mundial. Análise estatística

5 Os dados estão expressos através da apresentação de tabelas de freqüência absoluta e relativa, bem como dispostos em gráficos para melhor visualização. A correlação entre as produções e as conquistas desportivas foi testada de forma não paramétrica através de teste de correlação de Spearman. O nível de significância adotado foi de 95%. Resultados A quantidade de revistas nacionais na área da Educação Física, de acordo com a CAPES, compreende 16 periódicos. Destes, nenhum classificado em nível A1, A2 e C. Dos 16 periódicos encontrados na área da Educação Física, em nove deles foi possível encontrar artigos relacionados ao Voleibol, totalizando 53 artigos publicados entre 1990 e 2010 (Tabela 1). Tabela 1 Publicações em Voleibol por ano nas revistas nacionais Ano B1 B2 B3 B4 Total * Em branco quando a quantidade for igual a zero Em relação às conquistas das seleções feminina e masculina, podemos observar um considerável aumento na expressividade dos resultados a partir do ano 2000, conforme explicitado na tabela 2.

6 Tabela 2 Conquistas internacionais das seleções brasileiras (quantidade de títulos) Ano Seleção Feminina Seleção Masculina principais Competição secundária principais Competição secundária As correlações encontradas no estudo estão descritas na Tabela 3. Pode-se perceber significância nas correlações entre a quantidade de publicações e a colocação da seleção brasileira masculina adulta nas competições principais (r = - 0,57 / n = 15) e nas competições secundárias (r = - 0,45 / n = 21), conforme classificados em nosso estudo. Informações adicionais sobre o relacionamento entre a produção de conhecimento cientifico e o desempenho das seleções nacionais pode ser observado nas Figuras1 e 2. Tabela 3 Correlações encontradas entre colocações das seleções e número de artigos anuais através do Spearman Correlation test. Artigos Principais Femininas - 0,39 (n = 15) Secundárias Femininas - 0,31 (n = 17) Principais Masculinas - 0,57* (n = 15) Secundárias Masculinas - 0,45* (n = 21) * p 0,05 Figura 1 Comparativo entre a produção de artigos e as conquistas principais

7 Figura 2 Comparativo entre a produção e as conquistas secundárias Discussão Dentre todos os periódicos existentes no portal CAPES, na área da Educação Física, um pouco mais da metade deles possui ao menos uma referência ao voleibol no seu título e que disponibilize o trabalho completo gratuitamente, sendo essa uma boa proporção. Um exemplo é o estudo de Zanata et al. (2010) intitulado Processo de seleção e treinamento de levantadores no voleibol catarinense infanto-juvenil masculino. Nesses artigos foi possível constatar que aproximadamente metade (50,94%) dos artigos são classificados como nível médio baixo (B3 e B4) e a outra metade (49,06%) como médio alto (B1 e B2), segundo o Qualis. Isso significa dizer que, comparado a média geral sobre produção de conhecimento na Educação Física, os artigos sobre voleibol estão ligeiramente melhor qualificados. Com relação ao ano de publicação encontramos basicamente quatro fases distintas. De 1990 à 1999 nenhuma publicação nesses periódicos, 2000 à 2003, em quatro anos, apenas 6 publicações (11,32%), de 2004 à 2007 uma média de 4,75 publicações por ano, sendo que nesses quatro anos tivemos 19 publicações (35.85%) e finalmente de 2008 à 2010, os últimos três anos, com 28 publicações (52,83%). Isso demonstra um crescimento real em termos de produção científica acerca do Voleibol. Acompanhando o ritmo das publicações, o voleibol nacional tem se demonstrado muito forte nos últimos anos, já que as seleções brasileiras têm-se mantido no topo dos World Rankings de uma forma geral. Outro fator impressionante é a qualidade dos resultados obtidos. A seleção masculina adulta, desde 2000 até hoje, venceu 66,67% das competições disputadas e chegou a final em 87,87% dos campeonatos disputados. Os resultados são ainda mais expressivos ao analisarmos as

8 seleções femininas nas categorias de base (infanto-juvenil e juvenil) com 80,95% de competições vencidas. Ao observarmos as Tabelas 1 e 2, veremos a concentração de dados e títulos a partir do ano Isso prova um crescimento tanto na pesquisa quanto na quantidade de títulos. Analisando mais profundamente esses dados através do teste de correlação de Spearman encontramos valores significativos de correlação negativa nas competições principais (r = -0,57) e secundárias (r = -0,45) no naipe masculino. A representação disso é que quanto mais artigos publicados melhor a colocação das seleções no mesmo ano. Um outro aspecto a ser discutido é se a produção de artigos na área favoreceu a melhora de rendimentos ou se o fato das seleções estarem em destaque no cenário mundial desencadearam um aumento na produção de conhecimento. Considerações Finais A produção de conhecimento certamente acompanhou o crescimento da modalidade, até porque se percebeu um grande aumento no número de publicações. O teste de correlação realizado ainda comprova esse fato, pois teve como resultado valores significativos. Portanto, parece que o aumento na produção de conhecimento em voleibol tem ajudado no desenvolvimento do país na modalidade. Porém é importante ressaltar que o voleibol nacional conquistando títulos internacionais é um grande estímulo para que se pesquise e produza mais na área. Assim, é provável e muito importante que a produção científica sobre o voleibol continue crescendo, tanto para manter o esporte no topo, quanto para melhorar a qualidade e quantidade de artigos sobre voleibol. Referências BUSTO, R. M. Sistematização e divulgação dos conhecimentos produzidos pela subárea de ginástica olímpica nos últimos 25 anos. In: Anais do I Seminário Internacional de Educação, Cianorte, p , Setembro, CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). O portal brasileiro da informação científica em <http://www.periodicos.capes.gov.br/portugues/index.jsp> acessado em 23/10/2010 às 22h12min.

9 CBV (Confederação Brasileira de Voleibol). História do Voleibol. <www.cbv.com.br> acessado em 22/10/2010 às 12h27min em DARIO, A.B.; KÜLKAMP, W.; FARACO, H. C.; GEVAERD, M. S. & DOMENECH, S. C. Alterações psicológicas e exercício físico em pacientes com artrite reumatoide. Revista Motricidade, vol. 6, n. 3, p FARACO, H. C. Produção de conhecimento no handebol. Florianópolis, FIVB (Fédération Internationale de Volleyball). FIVB Volleyball World Rankings em <http://www.fivb.org/en/volleyball/rankings/rankings.htm> acessado em 16/11/2010 às 00h21min. GIUSTINA, M. C. della. Produção científica dos alunos de graduação em educação física do CEFID/UDESC, do 2º semestre de 1995 ao 1º semestre de Florianópolis, THOMAS, J. R.; NELSON, J. R. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 3º ed. Artmed, ZANATA, W. A.; SOUZA, J. C.; NASCIMENTO, J. V. Processo de seleção e treinamento de levantadores no voleibol catarinense infanto-juvenil masculino. Revista Pensar a Prática. Goiânia, v. 13, n. 2, p. 1-18, 2010.

Circular FEPACAN 002/2015 Foz do Iguaçu, 04 de junho de 2015.

Circular FEPACAN 002/2015 Foz do Iguaçu, 04 de junho de 2015. Circular FEPACAN 002/2015 Foz do Iguaçu, 04 de junho de 2015. Às Associações Filiadas Referente: Programa TOP 2016 do Governo Estadual Prezados Filiados, A Federação Paranaense de Canoagem, neste ato representada

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 1. APRESENTAÇÃO O Programa Minas Olímpica Oficina de Esportes é uma ação do Governo de Minas por meio da SEEJ, cujo objetivo é o fomento e desenvolvimento do esporte

Leia mais

FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com.

FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com. 1 FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com.br O êxito do voleibol brasileiro pode ser analisado

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta.

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta. 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 2.402, DE 15 DE JUNHO DE 1999 (Autoria do Projeto: Deputado Agrício Braga) Institui o Programa Bolsa Atleta. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber

Leia mais

BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA

BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA As empresas cidadãs como são chamadas as empresas que se utilizam do marketing social, sabem da importância de sua imagem e

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20)

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) I DISPOSIÇÔES GERAIS ARTIGO 1º O Campeonato Nacional Gira-Praia é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 ARTIGO 1º O Campeonato Nacional de Gira- Praia de Subs é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO FUNDAÇÃO DE ESPORTES XI JOGOS UNIVERSITÁRIOS DE CAMPO MOURÃO PROGRAMAÇÃO FUTSAL MASCULINO

MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO FUNDAÇÃO DE ESPORTES XI JOGOS UNIVERSITÁRIOS DE CAMPO MOURÃO PROGRAMAÇÃO FUTSAL MASCULINO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO FUNDAÇÃO DE ESPORTES XI JOGOS UNIVERSITÁRIOS DE CAMPO MOURÃO PROGRAMAÇÃO FUTSAL MASCULINO DATA: 01/11/2012 Quinta Feira (MASCULINO) 19h45min Ed. Física (Bach)/Integrado X Gestão

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

Promoção Internacional através do Esporte

Promoção Internacional através do Esporte Promoção Internacional através do Esporte Promoção da relação internacional através do Esporte O poder do esporte destaca se pelo entrelaçamento político e esportivo mostrando que o esporte é capaz de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) Determina que empresas de direito público, no âmbito federal, ao patrocinarem clubes de futebol, destinem 5% do valor do patrocínio para ser utilizado em

Leia mais

Projeto Voleibol Valinhos

Projeto Voleibol Valinhos Projeto Voleibol Valinhos Atualmente o Country Club Valinhos em parceria com a Prefeitura Municipal de Valinhos e apoiado pela Lei Paulista de Incentivo ao Esporte possui 4 categorias de Voleibol Feminino,

Leia mais

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - EDITAL DO CONCURSO Nº 01/2014 SMEL ANEXO II A. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

Leia mais

Atributos do Tênis de Mesa

Atributos do Tênis de Mesa Atributos do Tênis de Mesa O tênis de mesa é considerado um xadrez na velocidade da luz São 107 marcas aprovadas pela ITTF de borracha para raquete, com quase 1400 modelos diferentes. O gasto calórico

Leia mais

SELEÇÃO BRASILEIRA DE VÔLEI. Atleta canavieirense é convocado para a Seleção Brasileira de Vôlei Masculina Sub-23

SELEÇÃO BRASILEIRA DE VÔLEI. Atleta canavieirense é convocado para a Seleção Brasileira de Vôlei Masculina Sub-23 Páginas: 4 SELEÇÃO BRASILEIRA DE VÔLEI Atleta canavieirense é convocado para a Seleção Brasileira de Vôlei Masculina Sub-23 O Atleta canavieirense Gregore Oliveira foi convocado para compor a Seleção Brasileira

Leia mais

Dúvidas frequentes Processo de Seleção ABT 2015 ÍNDICE

Dúvidas frequentes Processo de Seleção ABT 2015 ÍNDICE ÍNDICE Sobre as Inscrições... págs. 2 e 3 1. Quais são os critérios exigidos para participar do Processo de Seleção da ABT? 2. Gostaria de obter o Edital do Processo de Seleção para o Curso de treinadores

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS OLIMPIADAS UFS 2008. 25 de outubro à 30 de novembro de 2008

REGULAMENTO GERAL DAS OLIMPIADAS UFS 2008. 25 de outubro à 30 de novembro de 2008 1 DAS OLIMPIADAS UFS 2008 25 de outubro à 30 de novembro de 2008 São Cristóvão 2008 2 SUMÁRIO TÍTULO I CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO 3 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS 3 CAPÍTULO III DA JUSTIFICATIVA 3 TÍTULO II

Leia mais

Art. 3º - No Novo Desporto Universitário NDU serão reconhecidos os seguintes poderes:

Art. 3º - No Novo Desporto Universitário NDU serão reconhecidos os seguintes poderes: REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O Novo Desporto Universitário NDU tem por finalidade reunir as Associações Atléticas Acadêmicas fundadoras e associadas a participar de atividades

Leia mais

Com o objetivo de proporcionar a possibilidade de cada federação captar recursos para alguns Projetos, já definidos pela CBTM, como:

Com o objetivo de proporcionar a possibilidade de cada federação captar recursos para alguns Projetos, já definidos pela CBTM, como: 11-08-25-RELEX- COMO_UTILIZAR_EMENDAS_PARLAMENTARES_NA_CAPTAÇÃO_DE_RECURSOS(00) Com o objetivo de proporcionar a possibilidade de cada federação captar recursos para alguns Projetos, já definidos pela

Leia mais

EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ

EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ EDITAL Nº. 001/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROJETO BOLSA-ESPORTE DA SECRETARIA DO ESPORTE DO CEARÁ O Estado do Ceará, através da Secretaria do Esporte, torna público, para conhecimento dos interessados,

Leia mais

REGULAMENTO DOS JOGOS INTERNOS DO UNIPÊ JIPÊ 2015

REGULAMENTO DOS JOGOS INTERNOS DO UNIPÊ JIPÊ 2015 REGULAMENTO DOS JOGOS INTERNOS DO UNIPÊ JIPÊ 2015 Mantenedora Institutos Paraibanos de Educação - IPÊ Campus Universitário - BR 230 - Km 22 - Fone: (83) 2106-9200 - Cx Postal 318 - Cep: 58.053-000 João

Leia mais

REGULAMENTO GERAL E TÉCNICO 3ª OLIMPÍADA ESTUDANTIL DE FLORIANÓPOLIS (OLESF)

REGULAMENTO GERAL E TÉCNICO 3ª OLIMPÍADA ESTUDANTIL DE FLORIANÓPOLIS (OLESF) REGULAMENTO GERAL E TÉCNICO 3ª OLIMPÍADA ESTUDANTIL DE FLORIANÓPOLIS (OLESF) 03 A 14 DE OUTUBRO DE 2011 2011 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este Regulamento é o conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (válido para todos os cursos ofertados, exceto para CURSO DE MEDICINA)

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (válido para todos os cursos ofertados, exceto para CURSO DE MEDICINA) Centro Universitário das Faculdade Associadas de Ensino - FAE REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (válido para todos os cursos ofertados, exceto para CURSO DE MEDICINA) 2016 1 Dados Gerais da Instituição

Leia mais

Ranking Nacional. Departamento de Combates

Ranking Nacional. Departamento de Combates Departamento de Combates ÍNDICE ARTIGO 1 - ENQUADRAMENTO 3 ARTIGO 2 - DESÍGNIO 3 ARTIGO 4 - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 3 ARTIGO 5 - FÓRMULA DE CÁLCULO DA PONTUAÇÃO FINAL NO EVENTO 5 ARTIGO 6 - FÓRMULA DE

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO BANCO DO BRASIL VÔLEI DE PRAIA OPEN /NACIONAL

REGULAMENTO CIRCUITO BANCO DO BRASIL VÔLEI DE PRAIA OPEN /NACIONAL REGULAMENTO DO CIRCUITO BANCO DO BRASIL VÔLEI DE PRAIA OPEN /NACIONAL Etapas de Cuiabá/MT e Goiânia/GO ÍNDICE CAPÍTULO 1: 1.1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL...04 1.2 DIREITOS DA CBV SOBRE OS EVENTOS

Leia mais

Regulamento para Seletiva de Arco Composto Campeonato das Américas 2014 de Tiro com Arco, Rosário - Argentina

Regulamento para Seletiva de Arco Composto Campeonato das Américas 2014 de Tiro com Arco, Rosário - Argentina Regulamento para Seletiva de Arco Composto Campeonato das Américas 2014 de Tiro com Arco, Rosário - Argentina Local: Centro de Treinamento CBTARCO Maricá, RJ Data: 30 e 31 de agosto de 2014. A seletiva

Leia mais

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas VICE DIRETORA EDUCACIONAL Bruna Sousa dos Santos ASSESSOR ADMINISTRATIVO Manuel da Silva Lima SETE NOSSOS PROFESSORES Basquete Prof. Carlos Magno Futsal Prof. José Maria

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura EMENTÁRIO ANATOMIA I Ementa:. Estudo da forma, estrutura, função e localização de órgãos que compõem os sistemas que formam o aparelho locomotor: sistema esquelético, sistema articular, sistema muscular

Leia mais

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 1 1/11/201 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3. CALENDÁRIO DE EVENTOS

Leia mais

1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta?

1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta? 1. Na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos os atletas da delegação da Grécia são sempre os primeiros que desfilam. Está informação está correta? Sim, os atletas da Grécia são sempre os primeiros a

Leia mais

Um novo tempo na Base

Um novo tempo na Base Um novo tempo na Base Projeto SICONV Pela primeira vez, os CBS tiveram um patrocinador. O Ministério dos Esportes, através do Siconv. O convênio visou obter recursos para custear a realização dos CBS contemplando

Leia mais

PROJETO VOLEIBOL 2013

PROJETO VOLEIBOL 2013 PROJETO VOLEIBOL 2013 CATEGORIAS PRÉ MIRIM MIRIM INFANTIL IFANTO JUVENIL 10 / 11 anos 12 /13 anos 14 /15 anos 16 /17 anos PROJETO VOLEIBOL DA ESCOLA BARÃO EM 2013 INTRODUÇÃO A Escola Barão do Rio Branco,

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 09/2016 CHAMADA INTERNA PARA PARTICIPAÇÃO DE EQUIPES ESPORTIVAS PARA OS III JOGOS INTERCAMPI DO IFRJ

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 09/2016 CHAMADA INTERNA PARA PARTICIPAÇÃO DE EQUIPES ESPORTIVAS PARA OS III JOGOS INTERCAMPI DO IFRJ EDITAL DE EXTENSÃO Nº 09/2016 CHAMADA INTERNA PARA PARTICIPAÇÃO DE EQUIPES ESPORTIVAS PARA OS III JOGOS INTERCAMPI DO IFRJ O Pró-Reitor de Extensão, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016 Instituição de Utilidade Pública Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico de Portugal Membro da Confederação do Desporto de Portugal Membro da Confédération Européenne de Billard

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

FUTSAL 6º e 7º anos ÚNICA FEM 6ºA, 7ºA/B. ÚNICA MAS. 6ºA, 6ºB, 7ºA, 7ºB. HANDEBOL 6º e 7º anos ÚNICA FEM. 6ºA, 7ºA/B. ÚNICA MAS. 6ºA, 6ºB, 7ºB.

FUTSAL 6º e 7º anos ÚNICA FEM 6ºA, 7ºA/B. ÚNICA MAS. 6ºA, 6ºB, 7ºA, 7ºB. HANDEBOL 6º e 7º anos ÚNICA FEM. 6ºA, 7ºA/B. ÚNICA MAS. 6ºA, 6ºB, 7ºB. Cronograma de jogos modalidades coletivas (Basquetebol, Futsal, Handebol, Queimada e Voleibol) Modalidades Categoria Chave Naipe Turmas/Equipes BASQUETE 6º e 7º anos ÚNICA FEM. 6ºA, 7ºA/B. ÚNICA MAS. 6ºA,

Leia mais

Projeto Voleibol 2015

Projeto Voleibol 2015 Projeto Voleibol 2015 INTRODUÇÃO O Projeto Voleibol da Escola Barão do Rio Branco oportuniza aos seus estudantes e comunidade em geral a formação de equipes de iniciação desportiva na modalidade Voleibol,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 019/2015 Bolsista de Pós Doutorado PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS (PPGCEM)

EDITAL DE SELEÇÃO 019/2015 Bolsista de Pós Doutorado PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS (PPGCEM) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rodovia José Aurélio Vilela, 11999 Cidade Universitária Poços de Caldas MG 37715-400 EDITAL DE SELEÇÃO 019/2015 Bolsista de Pós Doutorado

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA O RANKING ESTADUAL DE ASSOCIAÇÕES, ACADEMIAS, CLUBES E ATLETAS TÍTULO I REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

NORMAS GERAIS PARA O RANKING ESTADUAL DE ASSOCIAÇÕES, ACADEMIAS, CLUBES E ATLETAS TÍTULO I REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE FEDERAÇÃO ESPORTIVA BAIANA DE TAEKWONDO UMA ENTIDADE ADMINISTRATIVA ESTADUAL DA PRÁTICA DO TAEKWONDO OLÍMPICO Rua Gabriel Soares,60 Ladeira dos Aflitos - Centro Cep. 40.060-040, Salvador, Bahia. E-mail:

Leia mais

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 Organização, compromisso e qualidade em prol do esporte universitário paulista www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 REGULAMENTO

Leia mais

Pernambuco na Surdolimpíada

Pernambuco na Surdolimpíada Federação Pernambucana Desportiva de Surdos Pernambuco na Surdolimpíada Recife, março de 2013. Apresentação A Federação Pernambucana Desportiva de Surdos (FPEDS) é uma entidade sem fins lucrativos, com

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX ART. 1º - DA FINALIDADE REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX Os JOGOS MULTIVIX modalidade Beach Soccer fazem parte do CIRCUITO VIDA SAUDÁVEL MULTIVIX, torneio universitário que tem por finalidade integrar

Leia mais

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - EDITAL DO CONCURSO Nº 01/2014 SMEL ANEXO II A. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

Leia mais

Fabio de Almeida A PRÁTICA DO MINI VOLEIBOL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CURITIBA

Fabio de Almeida A PRÁTICA DO MINI VOLEIBOL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CURITIBA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Fabio de Almeida A PRÁTICA DO MINI VOLEIBOL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE CURITIBA CURITIBA 2006 07 Fábio de Almeida A PRÁTICA DO MINI VOLEIBOL NAS ESCOLAS

Leia mais

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição Os jogos olímpicos mais diretamente possuem vinculação com o ensino superior por ter a participação de atletas oriundos de disputas universitárias. Conforme aponta estimativa da Koch Tavares, empresa especializada

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE RANKING

SISTEMA NACIONAL DE RANKING SISTEMA NACIONAL DE RANKING 1. Apresentação: O Departamento técnico da Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD), apresenta através deste documento o Sistema Nacional de Ranking (SNR), que tem como

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 DO RANKING, DOS OBJETIVOS E DENOMINAÇÕES Artigo 01. O Ranking Paraibano de Tênis será realizado pelo sistema portal do tênis paraibano, localizado no endereço eletrônico

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO. PROFESSOR: Thiago Rosario da Cruz COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150. PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º ANO PROFESSOR: Thiago

Leia mais

Portaria 002/2009. Institui e regula Projeto de Incentivo aos Atletas de Judô de alto rendimento

Portaria 002/2009. Institui e regula Projeto de Incentivo aos Atletas de Judô de alto rendimento Portaria 002/2009 Institui e regula Projeto de Incentivo aos Atletas de Judô de alto rendimento O Presidente da Confederação Brasileira de Judô, no uso de suas atribuições estatutárias, em especial o previsto

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE 1. As competições de basquete serão realizadas de acordo com as regras internacionais da FIBA e os regulamentos e normas do Novo Desporto Universitário 2012 NDU. 2. Cada

Leia mais

CARTA CONVITE. Campeonato Sergipano de Badminton 2015. I Etapa. De 21 e 22 de Março de 2015. Aracaju/SE

CARTA CONVITE. Campeonato Sergipano de Badminton 2015. I Etapa. De 21 e 22 de Março de 2015. Aracaju/SE CARTA CONVITE Campeonato Sergipano de Badminton 2015 I Etapa De 21 e 22 de Março de 2015 Aracaju/SE Enviar as inscrições para o e-mail eventos@badmintonsergipe.org.br até às 23:59 hrs (horário de Brasília)

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Thenille Braun Janzen Universidade Federal de Uberlândia Resumo: O presente relato de experiência pretende destacar os resultados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2015 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

Reflexões sobre o protagonismo discente na construção de um festival de jogos e brincadeiras nas aulas de Educação Física

Reflexões sobre o protagonismo discente na construção de um festival de jogos e brincadeiras nas aulas de Educação Física Reflexões sobre o protagonismo discente na construção de um festival de jogos e brincadeiras nas aulas de Educação Física Angela Cristina Rodrigues Russo (EE Professor Henrique Bertolucci, Bauru/SP) e-mail:

Leia mais

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho Profª. Esp. Maria Helena Carvalho HISTÓRIA DO VOLEIBOL Criação nos EUA; Dia 09 de fevereiro de 1895; Pelo diretor de Educação Física da ACM William George Morgan; Era conhecido como mintonette. Obs.: Nessa

Leia mais

Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos

Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos Com a participação de 72 atletas de 11 países, será disputado entre os dias 08 e 11 desse mês o Aberto do Brasil, etapa do Circuito Mundial

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

VANTAGENS DE INVESTIR NA LIGA BRASÍLIA DE VOLEIBOL

VANTAGENS DE INVESTIR NA LIGA BRASÍLIA DE VOLEIBOL CONVITE A Direção da Liga Brasília de Voleibol, tem a honra de convidar sua Empresa para ser parceira na 4ª edição do evento que acontecerá em 2016. A Liga Brasília de Voleibol já nas três primeiras edições,

Leia mais

Conselho Editorial. CDD:796.07 Índices para catálogo sistemático: Voleibol 796.325 Ensino universitário. 378 Formação do Educador

Conselho Editorial. CDD:796.07 Índices para catálogo sistemático: Voleibol 796.325 Ensino universitário. 378 Formação do Educador Conselho Editorial Av Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar, Sala 21 Anhangabaú - Jundiaí-SP - 13208-100 11 4521-6315 2449-0740 contato@editorialpaco.com.br Profa. Dra. Andrea Domingues

Leia mais

INTERSÉRIES COLÉGIO MARISTA APARECIDA 2015 REGULAMENTO GERAL

INTERSÉRIES COLÉGIO MARISTA APARECIDA 2015 REGULAMENTO GERAL INTERSÉRIES COLÉGIO MARISTA APARECIDA 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as competições da Interséries 2015. Art.

Leia mais

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Rebatida. Aula 1. Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Rebatida Aula 1 Voleibol, vôlei de praia e voleibol sentado Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar três esportes da categoria REBATIDA e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

3ª ETAPA NACIONAL 2015 CAXIAS DO SUL (RS)

3ª ETAPA NACIONAL 2015 CAXIAS DO SUL (RS) 3ª ETAPA NACIONAL 2015 CAXIAS DO SUL (RS) A Confederação Brasileira de Badminton, a Federação Gaúcha de Badminton - FGB, a Prefeitura Municipal de Caxias do Sul e Universidade de Caxias do Sul UCS tem

Leia mais

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata https://wwwscnpqbr/curriculoweb/pkg_impcvtrata Page 1 of 8 Paulo Cesar do Nascimento Formado em Educação Física na Universidade Federal de Santa Catarina Suas preferências dentro de sua área de atuação

Leia mais

Rua Canavieiras, 243 - Grajaú - Rio de Janeiro - RJ - Telefone: 3624-9589 / /Nextel: 97009-0503

Rua Canavieiras, 243 - Grajaú - Rio de Janeiro - RJ - Telefone: 3624-9589 / /Nextel: 97009-0503 Página: 1/04 R E QU I S I TO S G E R A I S PA R A AT L E TA S O Ranking da FJJD-RIO - 2016 - vai ser disputado em 05 (cinco) competições: Desafio Verão Rio 2016, Campeonato Estadual 2016, Taça Rio 2016,

Leia mais

1 / 17. Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação

1 / 17. Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2007 Área de Avaliação: ADMINISTRAÇÃO/TURIMSO PROGRAMAS/CURSOS ACADÊMICOS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO DESAFIO FSG DA ÁREA DA SAÚDE: Proposta de Atuação em Educação e Saúde. Capítulo I DO FUNDAMENTO LEGAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO DESAFIO FSG DA ÁREA DA SAÚDE: Proposta de Atuação em Educação e Saúde. Capítulo I DO FUNDAMENTO LEGAL 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO DESAFIO FSG DA ÁREA DA SAÚDE: Proposta de Atuação em Educação e Saúde Capítulo I DO FUNDAMENTO LEGAL Art. 1º. O presente Regulamento estabelece as atividades do DESAFIO

Leia mais

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 2015 Sumário Prefácio 5 FIFA Fédération Internationale de Football Association 6 CBF Confederação Brasileira de Futebol 9 Federações Estaduais

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG?

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG? SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Guia Rápido O que há de novo no SIG? 1. APRESENTAÇÃO Sob a perspectiva de que os processos de monitoramento e avaliação permitem tomar decisões políticas pertinentes para

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 2-08/12/2013 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3 4. CALENDÁRIO DE EVENTOS INTERNACIONAIS E PRIORIDADES

Leia mais

I COPA PERNAMBUCO DE DOMINÓ DE SURDOS REGULAMENTO GERAL

I COPA PERNAMBUCO DE DOMINÓ DE SURDOS REGULAMENTO GERAL I COPA PERNAMBUCO DE DOMINÓ DE SURDOS REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento é o conjunto das disposições que regem a I Copa Pernambuco de Dominó

Leia mais

PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba

PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba Carapicuíba 2015 PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ESTUDANTIS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ESTUDANTIS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS A PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS PROAES E O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NEFD DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO TORNAM PÚBLICO O EDITAL Nº 01/2015 PARA PARTICIPAÇÃO DO PROCESSO SELETIVO

Leia mais

TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I TORNEIO ESCOLAR DE ESPORTES DE LONDRINA REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Atualizado em 24/02/2005 DOS OBJETIVOS Art. 1 o.- Promover o desporto educacional através de várias modalidades esportivas, dando a

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE PADEL

CAMPEONATO BRASILEIRO DE PADEL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PADEL REGULAMENTO 2015 O Campeonato Brasileiro de Padel é promovido, implantado e administrado pela Confederação Brasileira de Padel COBRAPA. O presente regulamento é válido para

Leia mais

CARTA CONVITE CIRCUITO PARANAENSE DE BADMINTON 2016 2ª ETAPA LONDRINA PARANÁ BADMINTON E PARABADMINTON

CARTA CONVITE CIRCUITO PARANAENSE DE BADMINTON 2016 2ª ETAPA LONDRINA PARANÁ BADMINTON E PARABADMINTON CARTA CONVITE CIRCUITO PARANAENSE DE BADMINTON 2016 2ª ETAPA LONDRINA PARANÁ BADMINTON E PARABADMINTON Data: Local: 04 e 05 de Junho. GINASIO DE ESPORTES DA UNIFIL RUA: ALAGOAS N 2050 - LONDRINA/PR Inscrições

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 Isabella Caroline Belem 1 ; Raphael de Oliveira Delfino 2 ; Valquíria Félix Rocha

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO do PROGRAMA: Ética, Cidadania e Solidariedade: A UNIFEBE, Você e a Comunidade.

Leia mais

Centro de Treinamento

Centro de Treinamento PROSPECTO PARA ATIVIDADES NO CENTRO NACIONAL DE TÊNIS DE MESA Training Camping Treino Específico Centro de Treinamento Clinica Mundial Detecção de Talentos Curso Nível II Curso Nivel I TRAINING CAMPING

Leia mais

Centro de Formação Olímpica do Nordeste é legado dos Jogos Olímpicos de 2016 para 26 modalidades e deve ser entregue neste semestre

Centro de Formação Olímpica do Nordeste é legado dos Jogos Olímpicos de 2016 para 26 modalidades e deve ser entregue neste semestre Centro de Formação Olímpica do Nordeste é legado dos Jogos Olímpicos de 2016 para 26 modalidades e deve ser entregue neste semestre Algumas estruturas já foram entregues: a pista de skate foi a primeira,

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RANKING BRASILEIRO E REGISTRO DE RECORDES DO PARAQUEDISMO CLÁSSICO. 5ª Edição 08 de Fevereiro de 2015. 1.

REGULAMENTO PARA O RANKING BRASILEIRO E REGISTRO DE RECORDES DO PARAQUEDISMO CLÁSSICO. 5ª Edição 08 de Fevereiro de 2015. 1. REGULAMENTO PARA O RANKING BRASILEIRO E REGISTRO DE RECORDES DO PARAQUEDISMO CLÁSSICO 5ª Edição 08 de Fevereiro de 2015 1. Introdução: O Paraquedismo Clássico é constituído pelas modalidades de PRECISÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Série A 2015 CAMPEONATO CEARENSE 2015 SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL REC. Regulamento Específico Série A 2015 CAMPEONATO CEARENSE 2015 SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC CAMPEONATO CEARENSE SÉRIE A REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º - O Campeonato Cearense de da Série A, doravante denominado Campeonato Cearense Serie A,

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho LUCA de LAMEIRA Conclusão ANTUNES de Curso ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORIGINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Artigo

Leia mais

NEWSLETTER CETC ABRIL 2014

NEWSLETTER CETC ABRIL 2014 NEWSLETTER CETC ABRIL 2014 A B R I L 2 0 1 4 E M D E S T A Q U E : ABRIL 2014 Competição juvenil Os fundamentos do ténis V O L U M E I I, N º 4 N E W S L E T T E R C E T C @ G M A I L. C O M Adriano Carvalho

Leia mais

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 2 2. Classificação dos Praticantes em Regime de Alta Competição... 3 (Portaria nº947/95 de 1 de Agosto) 3. Níveis de Qualificação... 5 4. Critérios

Leia mais

3. DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA

3. DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS - UFSCar PPGCAm EDITAL Nº 02/2013 - PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTA PNPD/CAPES 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE

PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARREIRA DOCENTE 2013 1 ÍNDICE CAPÍTULO I Do Regulamento 03 CAPÍTULO II Das Atribuições do Magistério no Ensino Superior 03 CAPÍTULO III Do Corpo Docente 04 CAPÍTULO IV Da Organização do Quadro

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva

Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva Gestão de Comunicação Assessoria de Promoção e Inteligência Competitiva Monitoramento das Notícias da UNISUL Dia 13 de julho de 2015 Jornal: Diário do Sul Data: 11 e 12/07/15 Editoria: Esportes Página:

Leia mais