POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO *"

Transcrição

1 POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * Moacyr da Rocha Freitas RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo sobre o Polimento, fundamentado na Teoria do Treinamento Desportivo. Através da revisão bibliográfica aborda-se: a) conceitos básicos da Teoria do Treinamento Desportivo, centrados na Periodização; b) estudo do Período Competitivo; c) estudo do Polimento: conceito, histórico, classificação, fatores fisiológicos e psicológicos e planejamento. Após o estudo concluiu-se que: a Teoria do Treinamento Desportivo aborda aspectos filosóficos e estruturais para a obtenção do melhor resultado no ápice da forma atlética; o Período Competitivo deve ser elaborado para simular todos os aspectos que envolvem a competição; o Polimento é o processo final de preparação do nadador para a competição principal da temporada que consiste na redução gradativa da relação volume/intensidade do treinamento com o objetivo de recuperar fisiologicamente o nadador para a competição principal; o polimento é classificado em: Macropolimento, Pré- Polimento, Polimento, Polimento Secundário e Repolimento; com relação aos fatores fisiológicos, o princípio básico é o da supercompensação; quanto aos fatores psicológicos, o nadador deve ser (e estar) preparado para enfrentar todas as situações e exigências da competição; e, g) os fatores fisiológicos e psicológicos estão interligados; portanto, este estudo do POLIMENTO é uma rara contribuição literária, e fonte de consulta obrigatória, para todos os profissionais que militam na Natação Competitiva. REVISÃO DE LITERATURA 1. TEORIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO O treinamento desportivo é um processo pedagógico de preparação física, técnica, tática, teórica e psicológica do atleta, tendo como objetivo o alto rendimento (ótimo resultado) na competição principal da temporada. O êxito nas competições é o principal objetivo da preparação de um atleta Princípios Científicos Forma Desportiva Ao estado de capacidade de máximo rendimento do atleta, que determina sua condição para a obtenção do resultado, chama-se FORMA DESPORTIVA. A forma desportiva retrata a correlação de todos os componentes da preparação do atleta, independente da modalidade. Os componentes são: a) físico; b) técnico; c) tático; * Artigo disponível on line via:

2 d) teórico; e, e) psicológico. A forma desportiva percorre 3 (três) fases: a) aquisição; b) manutenção (estabilização relativa); e, c) perda temporária Carga Para FERNANDES (1981), carga é o estímulo utilizado para desenvolver ou manter um nível de treinamento (p.34). É composta por: a) volume e b) intensidade. O volume pode ser expresso em número de exercícios, repetições, séries, metragem ou quilometragem percorrida, soma de quilos levantados ou deslocados, duração (tempo) de trabalho. A intensidade é a qualidade do trabalho. Visa a adaptação funcional e morfológica, além do aperfeiçoamento da técnica do desporto. A intensidade é expressa em velocidade, ritmo, peso utilizado, porcentagem, tempo e freqüência dos movimentos. A relação volume/intensidade determina os meios apropriados de intensificação do processo de treinamento para alcançar as cargas desejadas e a recuperação para a adaptação compensatória no período da competição principal Supercompensação De acordo com FERNANDES (1981), a supercompensação é o fenômeno que conduz o organismo a uma adaptação ao esforço realizado (p.38). A adaptação ocorre quando a relação volume/intensidade é adequada ao trabalho realizado. A carga (ou estímulo) produz consumo de energia, provocando cansaço; a energia gasta é reposta, em quantidades maiores, após um período de descanso. A supercompensação é exatamente este fenômeno de recomposição energética. A supercompensação é a responsável pela melhora da performance Periodização O conceito de periodização foi introduzido por MATVEEV (1981, 1986, 1995, 1996, 1997) e determina a proporção e a distribuição dos diferentes tipos de carga, baseado na relação volume/intensidade, nos ciclos que compõem a temporada.

3 A periodização está condicionada às competições, que determinam a divisão dos ciclos no ano em competições principais, seletivas e secundárias. As competições mais importantes devem estar concentradas no período competitivo Ciclos de Treinamento É a divisão do processo de treino em fases ou períodos, onde deverá haver interligação entre as capacidades físicas, técnicas e táticas. Por ciclo do treinamento entende-se a distribuição da carga por dia, semana, mês, em períodos de alguns meses, por ano ou vários anos. Os ciclos de treinamento são classificados em: a) Megaciclo; b) Macrociclo; c) Mesociclo; d) Microciclo; e e) Sessão de Treino. 2. PERÍODO COMPETITIVO O período competitivo visa o aperfeiçoamento constante das qualidades, hábitos e destrezas do atleta, com o objetivo de obter a ótima performance na competição principal. MATVEIEV (1981, 1986, 1995, 1996, 1997) aponta como características indispensáveis a preparação física, técnica, tática, moral e volitiva do atleta neste período. 3. POLIMENTO No NOVO MICHAELIS (1986) encontramos: "taper v. afilar (- se), fazer cônico. Adj. Cônico, afilado. tapering adj. Cônico, afilado." (p.961) A palavra taper descreve o processo apropriadamente. De acordo com COLWIN (1992), seu uso no treinamento foi inventado por Frank Cotton, Professor de Fisiologia da Universidade de Sydney, Austrália, e seu orientando na época, Forbes Carlile, decano dos técnicos de natação mundial. No Brasil o termo utilizado é POLIMENTO, que, de acordo com FERREIRA (1986), significa: "S.m Fig. Aprimoramento.". (p.1.356) Para MAGLISCHO (1982, 1993, 1999), o polimento é um termo largamente utilizado na natação. Consiste na redução gradativa da intensidade de treinamento, tendo como objetivo descansar o nadador para a competição principal. Para COUNSILMAN & COUNSILMAN (1994), o polimento produz um aumento da recuperação para alcançar a superadaptação, nos esportes com pico de performance, no momento da competição principal.

4 3.1. Classificação do Polimento O polimento classifica-se em: a) Macropolimento: Para os atletas de elite. Normalmente tem a forma de ciclo bianual. O Ciclo Olímpico, ou planejamento quadrienal, também é utilizado. b) Pré-Polimento: Somente para nadadores muito cansados: 1 a 3 semanas. c) Polimento Secundário: Quando há necessidade de uma boa performance antes da competição principal. Tem um período de 1 a 7 dias de duração. d) Polimento: Preparação específica para a competição principal: - COUNSILMAN & COUNSILMAN (1994): 4 semanas - MAGLISCHO (1982, 1993, 1999): 2 a 4 semanas - MONTPETIT & HOGG (1982): 3 a 6 semanas - TROUP & REESE (1983): 3 semanas e) Repolimento: Realizado após a competição principal, quando surge outra competição: 1 semana Fatores Fisiológicos do Polimento Para TROUP & REESE (1983), os fenômenos que realmente ocorrem são muito difíceis de entender uma vez que poucas pesquisas científicas estão disponíveis. Os estudos de fadiga muscular e treinamento, todavia, têm permitido algumas explicações. Primeiro, todas as adaptações fisiológicas devem ter sido feitas durante o treinamento antes do polimento começar e, segundo, é importante saber que o período de polimento não é um descanso mas sim, uma redução da carga que serve para "afinar" as adaptações feitas anteriormente Fatores Psicológicos do Polimento Segundo MAGLISCHO (1982, 1993, 1999) o sucesso do polimento é mais psicológico que fisiológico! Os nadadores devem acreditar que irão nadar mais rápido para que o polimento tenha efeito. A preparação psicológica deve começar na primeira competição da temporada. Os nadadores devem estar preparados para enfrentar qualquer situação que possa vir a abalar a sua confiança na competição principal. Alguns problemas como aquecimento com muitos nadadores, temperatura da água, pouca visibilidade, provocações dos adversários diretos, blocos de saída, etc. devem ser discutidos e exercícios devem ser feitos para estas condições. Antes de cair na água o nadador deve conversar com o técnico. Se a competição for em outra cidade, chegar com alguns dias de antecedência para a adaptação, além de outras providências.

5 CONCLUSÃO Após os estudos, concluiu-se que: A Teoria do Treinamento Desportivo estabelece, didaticamente, o processo pedagógico que levará o atleta ao melhor resultado na competição mais importante da temporada. A Forma Desportiva é o estado de capacidade de máximo rendimento e retrata a correlação de todos os componentes da preparação do atleta. Carga é todo estímulo utilizado para desenvolver ou manter um nível de treinamento. É composta por: a) volume, que representa a quantidade de estímulos e b) intensidade, que é a qualidade do trabalho. A relação volume/intensidade determina os meios apropriados de intensificação do processo de treinamento para alcançar as cargas desejadas e a recuperação para a adaptação compensatória no período da competição principal. A Supercompensação é um fenômeno que ocorre quando a relação volume/intensidade é adequada ao trabalho realizado. A supercompensação é a responsável pela melhora da performance. A Periodização determina a proporção e a distribuição dos diferentes tipos de carga em ciclos, que compõem a temporada. Ciclo de Treinamento é a distribuição da carga por dia, semana, mês, em períodos de alguns meses, por um ou vários anos. Classifica-se em: a) Megaciclo, b) Macrociclo, c) Mesociclo, d) Microciclo e, e) Sessão de Treino. O Período Competitivo visa a preparação específica para a competição através do aperfeiçoamento das qualidades, hábitos e destrezas do atleta, com o objetivo de obter a ótima performance na competição principal. Polimento, termo específico da natação competitiva, é o processo final de preparação do nadador para a competição principal da temporada. Consiste na redução gradativa da relação volume/intensidade do treinamento com o objetivo de recuperar fisiologicamente o nadador para a competição principal. Classifica-se em: Macropolimento, Pré-Polimento, Polimento Secundário, Polimento e Repolimento. Com relação aos fatores fisiológicos, o princípio básico é o da supercompensação. A preparação psicológica exige que o nadador seja (e esteja) preparado às condições e exigências que irá encontrar na competição.

6 O Polimento deve ser planejado de acordo os parâmetros fisiológicos científicos da Teoria do Treinamento Desportivo e dos aspectos psicológicos específicos da modalidade. Portanto, conclui-se que o Polimento é o Período Competitivo da Natação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BASTOS, L. R., PAIXÃO, L., FERNANDES, L. M. & DELUIZ, N. Manual para a elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, teses, dissertações e monografias. 4a.Edição, LTC Ed., Rio de Janeiro, COLWIN, C. M. Swimming into the 21st Century. Human Kinetics Publishers, Champaign, Illinois, USA, COSTILL, D.L., MAGLISCHO, E.W. e RICHARDSON, A.B. Natacion. Barcelona, Hispano Europea, COUNSILMAN, J. Competitive swimming manual for coaches and swimmers. Counsilman Co., Inc., La natacion: ciencia e técnica para la preparación de campeones. 6ª ed., Hispano Europea, COUNSILMAN, J. & COUNSILMAN B. The new science of swimming. Prentice-Hall, New Jersey, DANTAS, E. H. M. A prática da preparação física. 3a ed., Shape, Rio de Janeiro, FERNANDES, J. L. O treinamento desportivo: procedimentos organização - métodos. EPU, São Paulo, FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2a Edição, 19a Impressão, Ed. Nova Fronteira, São Paulo, HANNULA, D. Coaching swimming successfully. Human Kinetics, MAGLISCHO, E. W. Swimming faster. Mayfield Publishing Company, Swimming even faster. Mayfield Publishing Company, Nadar ainda mais rápido. Manole, São Paulo, MATVEEV, L. P. O processo de treino desportivo. Horizonte, Lisboa, Fundamentos do treino desportivo. Horizonte, Lisboa, Preparação desportiva. FMU, São Paulo, Treino desportivo - metodologia e planejamento.

7 FMU, São Paulo, 1997.

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

-2- Os governantes e a sociedade são confrontados pelo envelhecimento da capacidade física num contexto global. É necessário entender o

-2- Os governantes e a sociedade são confrontados pelo envelhecimento da capacidade física num contexto global. É necessário entender o Título: Natação Master... e a sua inter-relação com o desempenho físico e psicossocial, na busca do conceito do envelhecimento bem-sucedido. *Prof. Rony Siqueira Pires No decorrer da história, a duração

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

Estrutura e Planificação do Treinamento Esportivo

Estrutura e Planificação do Treinamento Esportivo Estrutura e Planificação do Treinamento Esportivo 1. Introdução Desde muito tempo se vêm repetindo que "A planificação do treinamento desportivo é antes de tudo o resultado do pensamento do treinador"

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 QUALIDADES FÍSICAS DO ESPORTE ORIENTAÇÃO POTÊNCIA Santa Maria 2004 1 JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ FÍSICA NA NATAÇÃO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Para ensinarmos à arte de nadar, temos que nos lembrar que alguns indivíduos têm mais facilidade para nadar do que outros. Isso tem algumas implicações,

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 2 Componente Prática: 5 horas Componente Teórica: 25 horas Total de

Leia mais

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA INTRODUÇÃO RAFAEL RODRIGUES CARDOSO Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil rafa_net@hotmail.com O homem exercitava seu corpo, mesmo que

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA *

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * Norberto Alarcón INTRODUÇÃO A periodização e planejamento do treinamento esportivo, como área especializada deste, e a sua

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

Sistemática do Desporto I - Natação

Sistemática do Desporto I - Natação INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM TREINO DESPORTIVO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Sistemática do Desporto I - Natação REGENTE: Equiparada a Profª.

Leia mais

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS *

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * Néstor Aldo García (Argentina) Associação de Instrutores, Professores e Treinadores de Natação A.I.P.E.N. - RESUMO O desenvolvimento do treinamento das

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

Resgatando a autoestima das mulheres em situação de violência através da corrida e caminhada

Resgatando a autoestima das mulheres em situação de violência através da corrida e caminhada PROJETO CORRA PELA VIDA Resgatando a autoestima das mulheres em situação de violência através da corrida e caminhada I. INTRODUÇÃO Os altos índices de violência doméstica e familiar contra a mulher em

Leia mais

BENEFÍCIOS DA MASSOTERAPIA NOS NÍVEIS DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM ATLETA DE ALTO RENDIMENTO

BENEFÍCIOS DA MASSOTERAPIA NOS NÍVEIS DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM ATLETA DE ALTO RENDIMENTO BENEFÍCIOS DA MASSOTERAPIA NOS NÍVEIS DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM ATLETA DE ALTO RENDIMENTO Juliana Barreiros de Albuquerque 1 ; Luciana Faravelli Camilo Gohara 2 ; Jelmary Cristina Guimarães Rezende 3

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

TÍTULO, PROBLEMA, OBJETIVOS E HIPÓTESES INTRODUÇÃO. Rodrigo Sudatti Delevatti

TÍTULO, PROBLEMA, OBJETIVOS E HIPÓTESES INTRODUÇÃO. Rodrigo Sudatti Delevatti TÍTULO, PROBLEMA, OBJETIVOS E HIPÓTESES INTRODUÇÃO Rodrigo Sudatti Delevatti Por que pesquisar??? O quê pesquisar??? Relembrando... LIVROS, ARTIGOS PESQUISA PROFESSORES COMUNICAÇÃO ALUNOS TEMA REVISÃO

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Planeamento do Treino Desportivo

Planeamento do Treino Desportivo Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Planeamento do Treino Desportivo Periodização de um Macrociclo para o Desenvolvimento da Força - Basquetebol (A nível Sénior) Ricardo Robalo

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PARA CORREDORES DE RUA ESPECIALISTAS EM PROVAS DE DEZ

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE 1 ESTRUTURA DA PLANILHA ESTRUTURA DA PLANILHA Dia da Semana: Procure seguir a ordem da planilha. Descrição detalhada do seu PRIMEIRO TREINO: Aqui

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de UNIVERSIDADE GAMA FILHO UGF PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU TREINAMENTO DESPORTIVO Jean Carlo Magno PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de treinamento aplicado ao voleibol FLORIANOPOLIS, JUNHO DE 6. Periodização

Leia mais

09/10/2013. Ser Humano. Transformação Pessoal. Sonhos. A Jornada é mais importante que o Destino. Decisão. Onde Vamos Viver?

09/10/2013. Ser Humano. Transformação Pessoal. Sonhos. A Jornada é mais importante que o Destino. Decisão. Onde Vamos Viver? Ser Humano Transformação Pessoal Sonhos A Jornada é mais importante que o Destino Decisão Onde Vamos Viver? 1 PAPO DE Superação Para escalar rumo a alta performance é necessário rever a bagagem: equipamentos,

Leia mais

Malhar em jejum é nova 'modinha' para perda de gordura Sex, 20 de Dezembro de 2013 09:38 - Última atualização Sex, 20 de Dezembro de 2013 13:11

Malhar em jejum é nova 'modinha' para perda de gordura Sex, 20 de Dezembro de 2013 09:38 - Última atualização Sex, 20 de Dezembro de 2013 13:11 Existem alguns conceitos sobre alimentação e boa forma que, por osmose, já estão dentro da cabeça das pessoas: comer de três em três horas faz bem; exercícios aeróbicos ajudam a queimar gordura; beber

Leia mais

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m)

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) NOTA: Nos treinos de ginásio faz-se sempre pliometria de caixas e no aquecimento estão incluídos exercícios de pliometria básicos. Preparação Específica

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. 167 Armando Lourenço Filho BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. Pedagogia do esporte aplicada

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor O Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor contempla 3 fases que orientam progressivamente seus alunos

Leia mais

GoToWebinar Nossa Sala de Aula Virtual

GoToWebinar Nossa Sala de Aula Virtual Sejam bem vindos! CURSO LEADER COACH (EAD) Objetivos; Duração. GoToWebinar Nossa Sala de Aula Virtual Interação; Perguntas; Enquetes; Chat; Material Didático; Sejam bem vindos! CURSO LEADER COACH (EAD)

Leia mais

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Mestrado em Ensino da Educação Física no Ensino Básico e Secundário Dissertação de Mestrado A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho

Leia mais

Os trabalhos devem ser submetidos aos seguintes eixos temáticos: GTT 4. ATIVIDADE AQUÁTICA, FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL

Os trabalhos devem ser submetidos aos seguintes eixos temáticos: GTT 4. ATIVIDADE AQUÁTICA, FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL Regras para Submissão de Trabalhos: Os trabalhos devem ser submetidos aos seguintes eixos temáticos: GTT 1. ATIVIDADE AQUÁTICA E SAÚDE GTT 2. ATIVIDADE AQUÁTICA E TREINAMENTO GTT 3. ATIVIDADE AQUÁTICA

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS COMO SUPERAR O SEU RECORD PESSOAL Depois de quebrada a barreira de muitos km a pedalar e terminadas com algum conforto as primeiras provas de Granfondo e Ultra Endurance, surge

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO DE SPRINT INTERMÉDIO

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO DE SPRINT INTERMÉDIO A Triathlon Performance Solutions apresenta: O plano de corrida de doze semanas Distância de corrida: Sprint Nível atlético: Atleta intermédio com pelo menos dois anos de experiência em sprint ou em triatlo

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais

A PREPARAÇÃO FÍSICA DO ÁRBITRO

A PREPARAÇÃO FÍSICA DO ÁRBITRO A PPAAÇÃ FÍSCA D ÁB 1 Índice: 1 - ntrodução 2 - treino do árbitro 3 - Fundamentação e conceito de treino desportivo 3.1 - Fundamentação biológica do treino desportivo 3.2 - Princípios biológicos do treino

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO 1. CURSO: Pós-graduação em Nutrição Esportiva aplicada à saúde, estética e desempenho físico. 1.1 Área de Conhecimento:

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS

A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS A VISUALIZAÇÃO MENTAL NA QUALIDADE DE NADO DA PARTIDA DE BRUÇOS (2006) Sebastião Santos Mestre em Psicologia do Desporto e do Exercício José Alves Professor Doutor com agregação - Escola Superior de Desporto

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA.

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA. ESPADA SISTEMA PARA FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE ESPADISTAS A ESGRIMA DE PONTA SEM PRATICAR O FLORETE Arthur CRAMER Há vários modos de esgrimir, dizemos quanto à esgrima de sala e à esgrima de competição.

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Corrente elétrica 6 Descargas elétricas 6 Unidade de medida da intensidade de corrente elétrica 8 Cargas que se movimentam 10 Corrente contínua 10 Resistência elétrica 11 Origem da

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Oficina de Matemática Fundamental I

Oficina de Matemática Fundamental I SISTEMA DE NUMERAÇÃO E OPERAÇÕES NUMÉRICAS Oficina de Matemática Fundamental I André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC Conteúdo Sistemas de numeração história da Matemática. Agrupamentos e

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO *

ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO * ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO * Emerson Ramirez Farto* José María Cancela Carral** RESUMO Entre as capacidades condicionais da natação, a força ocupa

Leia mais

http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1

http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1 http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1 Conteúdo Introdução... 4 Quais os três principais fatores para promover o crescimento muscular?... 5 Qual o Número de repetições ideal?... 6 Qual a melhor forma

Leia mais

mba gestão de projetos CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NIVEL : ESPECIALIZAÇÃO

mba gestão de projetos CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NIVEL : ESPECIALIZAÇÃO mba gestão de projetos CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NIVEL : ESPECIALIZAÇÃO quem somos Faculdade de Tecnologia Evolução FATEV Recredenciada pela Portaria MEC N 1249 Cursos de Graduação Processos Gerenciais Redes

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

Colaborador técnico desta edicão

Colaborador técnico desta edicão a 7 edição Colaborador técnico desta edicão Marcelo Jaime Vieira Líder Retenção Bio Ritmo Cerro Corá Marcelo Jaime Vieira é Educador Físico formado em 1995 pela Escola Superior de Educação Física de Jundiaí.

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO OLÍMPICO PRINCIPIANTE

PROGRAMA DE TREINO DE 12 SEMANAS PARA TRIATLO OLÍMPICO PRINCIPIANTE A Triathlon Performance Solutions apresenta: O plano de corrida de doze semanas Distância de corrida: Olímpica Nível atlético: Atleta principiante no primeiro ou segundo ano de competição de triatlo de

Leia mais