Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso"

Transcrição

1 Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64

2 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para cada um dos Eixos de Desenvolvimento integrantes desta Área de Intervenção, consideramos pertinente efectuar uma breve referência aos problemas prioritários definidos no Diagnóstico Social, ou seja, de que forma foi estruturado o processo até esta fase. Esta Área de Intervenção, denominada Qualidade de Vida do Idoso, aborda as questões que se prendem com alguns problemas verificados ao nível da qualidade de vida dos idosos do concelho, quer estes estejam institucionalizados ou não. Efectivamente, os fenómenos de emigração e êxodo rural têm afectado o Concelho do Sabugal, sendo que a população sobrevivente nas aldeias do interior é maioritariamente envelhecida. De facto, temos assistido a um duplo envelhecimento da população, ou seja, tem-se verificado uma diminuição da população jovem e um crescimento da população idosa. Em 2001, o grupo etário com 65 ou mais anos (os idosos) representa uma parte bastante significativa do total da população (aproximadamente 36%), enquanto que a faixa etária até aos 14 anos representa apenas 10%. Outro indicador, que pode estar relacionado com a qualidade de vida da população idosa, característico do nosso concelho é a baixa densidade populacional. Com a redução do número de habitantes e a dispersão das aldeias em relação aos aglomerados mais urbanos, os idosos podem ter algumas dificuldades no acesso a bens e serviços, só aí disponíveis. 65

3 Para tentar melhorar as condições de vida deste grupo de pessoas (promoção de condições de autonomia e bem estar) existem várias respostas sociais, que ao fazê-lo tentam favorecer a sua permanência no domicílio e no seu meio familiar e social, privilegiando a sua inserção social e comunitária. No Concelho do Sabugal existem 25 Instituições com acordos com a Segurança Social para prestar apoio aos idosos, essencialmente em 3 valências: Centro de Dia, Lar de Idosos e Serviço de Apoio Domiciliário (SAD). Ao nível do Concelho do Sabugal e do Diagnóstico Social, foram identificados como principais problemas associados à problemática Desertificação/Envelhecimento: - Isolamento social (idosos/crianças). - Falta de incentivos à fixação de população. - Difícil acesso a cuidados de saúde especializados e falta de formação por parte dos profissionais que trabalham diariamente com idosos. - Falta de sensibilização/participação activa, por parte da população, no apoio aos idosos. - Falta de actividades direccionadas para os idosos. Após todo um processo de recolha de informação, no qual foram envolvidas as IPSS s, assim como a população do concelho do Sabugal, e tendo em conta a sua gravidade e a nossa capacidade de resolução, foram definidos os Problemas Prioritários que passarão a ser objecto da nossa intervenção: Prioridade I Falta de formação/actualização por parte dos profissionais que trabalham na área de apoio a idosos. Prioridade II Falta de sensibilização/participação activa, por parte da população Prioridade III Falta de actividades direccionadas para os idosos (associado ao isolamento social) 66

4 Como já foi referido, existem no nosso concelho 25 instituições que prestam apoio na área dos idosos. Em termos de recursos humanos estas instituições têm em média 9 funcionários, sendo o máximo 18 e o mínimo 2. Ainda no que se refere aos funcionários das IPSS s podemos acrescentar o facto de a grande maioria (cerca de 70%) residir na freguesia onde está sedeada a instituição, são essencialmente do sexo feminino (95%) e uma grande parte (44%) tem idade superior a 46 anos. Em termos das habilitações literárias, verificámos que os funcionários das IPSS s possuem níveis de escolaridade bastante baixos. De facto, cerca de metade possuem, no máximo, o 1º Ciclo (os que possuem o 1º Ciclo, os que não sabem ler nem escrever e os que não concluíram o 1º Ciclo). O mesmo se verifica em relação a formação na área de apoio ao idoso, ou seja, apenas metade já teve algum tipo de formação nesta área. Tendo em conta que os recursos humanos, são um dos principias condicionantes do bem-estar dos idosos, consideramos que a falta de formação/actualização por parte dos mesmos, constitui efectivamente um problema. Por outro lado, também a população deveria ser mais responsabilizada e envolvida nestas questões. Efectivamente, nos dias que decorrem, o acelerado ritmo de vida da população em geral, conduz a que as famílias não tenham disponibilidade para prestar os devidos cuidados aos idosos, recorrendo muitas vezes às Instituições de Apoio à 3ª Idade. No entanto, consideramos que seria essencial a organização de uma Rede de Voluntariado. O processo de recolha de informação, desenvolvido no âmbito do Diagnóstico possibilitou-nos obter alguns indicadores acerca desta questão. Sabemos que cerca que 50% das pessoas que estiveram envolvidas na realização do questionário demonstram vontade de estar envolvidas em acções de voluntariado, não o fazendo devido ao facto de não disporem de muito tempo livre, ou pelo facto de considerarem que deveriam obter alguma 67

5 formação nesta área. De facto, a constituição de um voluntariado organizado efectuado por pessoas com formação diminui o isolamento dos idosos no concelho. Por último, estando associado ao combate ao isolamento social, consideramos que seria importante trabalhar a falta de actividades direccionadas para idosos. Para além de actividades como cuidados de higiene/conforto pessoal e profissional, fornecimento de refeições, prestação de cuidados de saúde, acompanhamento ao exterior, entre outras, 76,5% das IPSS s do Concelho desenvolvem também algumas actividades lúdicas para os idosos. Essas actividades são, em alguns casos, organizadas com a colaboração da autarquia que partilha também esta preocupação. No entanto, os idosos que não estão integrados em instituições de apoio à 3ª Idade não têm acesso a esse tipo de actividades. De facto, quase metade dos idosos (44%) tem como principal ocupação, nos seus tempos livres, ver televisão. Com o objectivo de proporcionar aos idosos um conjunto mais vasto de actividades, consideramos importante dinamizar e incentivar as parcerias entre IPSS s. 2 Eixos de Desenvolvimento Esta Área de Intervenção, denominada Qualidade de Vida do Idoso prevê, como o próprio nome indica, a criação/melhoramento de todo um conjunto de condições que permitam assegurar uma boa qualidade de vida ao idoso. Uma vez que se trata de uma problemática bastante ampla, foram definidos quatro Eixos de Desenvolvimento, para cada um dos quais foram definidas as estratégias, objectivos e parcerias a desenvolver: 68

6 Eixo I Alargamento do Apoio Domiciliário Eixo II Certificação dos equipamentos de apoio ao idoso Eixo III Rede de Voluntariado Eixo IV Dinamização de Parcerias (Actividades direccionadas para idosos) EIXO I ALARGAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO Objectivo Estratégico * Aumentar/melhorar as respostas ao nível do Apoio Domiciliário Estratégias * Sensibilização da população, IPSS s e técnicos para a importância do apoio domiciliário * Melhorar a diversidade de serviços prestados ao nível do Apoio Domiciliário Objectivos Específicos * Desenvolver acções de sensibilização/informação anuais, dirigidas a todos os dirigentes e técnicos de IPSS s no sentido de sensibilizar para a importância do Apoio Domiciliário * Desenvolver acções de sensibilização/informação anuais, dirigidas à população no sentido de sensibilizar para a importância do Apoio Domiciliário 69

7 * Efectuar um levantamento das necessidades ao nível dos serviços prestados pelo Apoio Domiciliário, até final de 2007 * Aumentar o tipo de serviços prestados pelo Apoio Domiciliário, tendo em conta as necessidades identificadas * Alargar o Apoio Domiciliário a todas as freguesias do concelho (Rede de Apoio Domiciliário), até final de 2008 Parcerias * IPSS s * Autarquias * Segurança Social * Centro de Saúde O que se pretende com o Eixo de Desenvolvimento Alargamento do Apoio Domiciliário é, precisamente, aumentar e melhorar as respostas a este nível. Como já foi referido, as famílias dispõem de cada vez menos tempo para prestar os devidos cuidados aos idosos, daí recorrerem com frequência a Instituições de Apoio à 3ª Idade. A preocupação da Rede Social do Sabugal a este nível, prende-se essencialmente com o facto de considerarmos essencial a permanência do idoso no domicílio, no seu seio familiar e social, privilegiando a sua integração social e comunitária. A Serviço de Apoio Domiciliário assegura a prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio a idosos quando, por motivo de doença, deficiência ou outros impedimentos, não possam assegurar, temporária ou permanentemente, a satisfação das suas necessidades básicas e/ou as actividades da vida diária. Visa também a manutenção destas pessoas no seu meio junto dos seus familiares, vizinhos e amigos. A este nível, consideramos que será necessário iniciar por uma sensibilização da população, das IPSS s e dos próprios técnicos, para a importância do apoio domiciliário. No Concelho do Sabugal assistimos, muitas 70

8 vezes, à institucionalização de idosos em Lares de 3ª Idade que detêm todas as condições para continuar no seu domicílio. Esta atitude parece-nos ser um escape à solidão. Efectivamente, existem muitos idosos cujos familiares mais próximos são emigrantes, e encontram num Lar de 3ª Idade uma nova casa, uma nova família. Por outro lado, consideramos que estas situações de solidão poderão perfeitamente ser atenuadas com um eficiente Apoio Domiciliário. De facto, melhorar a diversidade de serviços prestados a este nível, poderia proporcionar ao idoso todas as condições necessárias para permanecer no seu meio social e familiar. Posto isto, pensamos que é importante a este nível, o envolvimento: - de todos as IPSS s já existentes, uma vez que são responsáveis pelo serviços prestados no âmbito do Apoio Domiciliário - das autarquias, colaborando na sensibilização da sua população relativamente à importância do Apoio Domiciliário - da Segurança Social, exigindo um serviço de qualidade a este nível e - do Centro de Saúde, responsável pelo apoio domiciliário médico e de enfermagem. EIXO II CERTIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE APOIO AO IDOSO Objectivo Estratégico * Melhorar os serviços prestados pelas IPSS s existentes Estratégias * Adequar a estrutura física dos equipamentos à legislação em vigor 71

9 * Melhorar o nível de formação dos funcionários * Humanização dos serviços * Adequar o quadro de pessoal Objectivos Específicos * Elaborar uma Matriz de qualidade, relativa aos serviços prestados pelas IPSS s, até final de 2006 * Sensibilizar/responsabilizar os dirigentes das IPSS s relativamente ao seu papel na comunidade e à importância da melhoria da qualidade dos serviços prestados * Promover acções de formação anuais dirigida aos funcionários Parcerias * IPSS s * Segurança Social * Autarquia * Entidades Formadoras O que se pretende com o Eixo de Desenvolvimento Certificação dos Equipamentos de apoio ao Idoso é a melhoria dos serviços prestados por estes. De facto, alguns dos equipamentos existentes não possuem as condições desejadas para a prestação de um serviço eficaz ao idoso. Como é do nosso conhecimento que, a médio prazo, todos os equipamentos sociais terão de passar por um processo de certificação, levado a cabo pela Segurança Social, este Eixo pretende ser uma antecipação disso mesmo. Ou seja, a preocupação da Rede Social do Sabugal a este nível, prendese essencialmente com o objectivo de dotar os equipamentos de melhores condições, sejam elas físicas ou humanas, de forma a poderem prestar um melhor conjunto de serviços ao idoso. 72

10 Esta melhoria das condições deverá passar, por um lado, pela adequação da estrutura física dos equipamentos à legislação em vigor. Efectivamente, tal como nos foi possível apurar no processo de recolha de informação levado a cabo no âmbito do Diagnóstico, existem no concelho lares que não reúnem todas as condições de segurança e acessibilidade. De facto, apenas 31% das instituições possui um sistema de segurança contra incêndios, 36% costuma fazer desinfestações com alguma regularidade e na grande maioria a última vistoria de inspecção sanitária foi efectuada há mais de 1 ano. Por outro lado, existem algumas instituições que não dispõem de rampas e nas quais se verifica dificuldade em manusear macas e cadeiras de rodas. Outra das preocupações a este nível, está relacionada com a humanização dos serviços e, por outro lado, com a melhoria ao nível da formação dos funcionários das IPSS s. De facto, os funcionários destas instituições possuem habilitações literárias muito baixas e cerca de metade não possuem qualquer formação na área. Posto isto, pensamos que é importante a este nível, o envolvimento: - de todas as IPSS s, uma vez que são as principais intervenientes neste processo - das autarquias, com possíveis apoio a conceder às IPSS s - da Segurança Social, exigindo um serviço de qualidade a todos os níveis e - das Entidades Formadoras. EIXO III REDE DE VOLUNTARIADO Objectivo Estratégico * Criar uma bolsa de voluntariado Estratégias 73

11 * Promover o voluntariado intergeracional * Sensibilização da população para o voluntariado com os idosos Objectivos Específicos * Promover acções de sensibilização/divulgação junto da população, até final de 2007 * Criar uma Bolsa de Voluntariado, até final de 2008 * Promover anualmente, formação para voluntários Parcerias * Estabelecimentos de Ensino * Autarquias * Associações * IPSS s *Centro de Saúde * Entidades Formadoras O que se pretende com o Eixo de Desenvolvimento Rede de Voluntariado é, precisamente a criação de uma bolsa de voluntariado no Concelho do Sabugal. Efectivamente, revela-se importante o envolvimento e responsabilização da população com as questões do idoso. A preocupação da Rede Social do Sabugal a este nível, prende-se essencialmente com o combate ao isolamento social dos idosos do concelho, principalmente nas freguesias mais envelhecidas e desertificadas. Esta bolsa de 74

12 voluntariado poderá ter como público-alvo os idosos inseridos em instituições, mas também os idosos que residem sozinhos no seu domicílio. Para conseguirmos obter uma bolsa de voluntariado eficaz, é importante começar pela sensibilização da população para a necessidade de apoiar os idosos mais isolados, assim como proporcionar formação nesta área. Outro dos objectivos para este Eixo, prende-se com o facto de considerarmos importante estabelecer relações entre pessoas de várias gerações. O envolvimento dos jovens a este nível, poderá constituir uma mais valia, já que a troca de experiências que se pode obter através destas relações é benéfica para ambas as partes. Posto isto, pensamos que é importante a este nível, o envolvimento: - de todos os estabelecimentos de ensino, já que pensamos ser importante o envolvimento dos jovens nas questões do voluntariado - das autarquias, uma vez que estão mais próximas das populações locais e poderão mais facilmente ter conhecimento de pessoas disponíveis para fazer parte desta bolsa de voluntariado, assim como dos idosos que apresentem uma maior carência - das Associações de Jovens, uma vez que, como já foi referido, consideramos importante o envolvimento dos mesmos - das IPSS s, uma vez que devem ter abertura para as acções de voluntariado junto os seus utentes e - o Centro de Saúde. EIXO IV DINAMIZAÇÃO DE PARCERIAS (Actividades direccionadas para idosos) Objectivo Estratégico * Dinamizar o trabalho em rede com vista à promoção do bem-estar e à diminuição do isolamento do idoso 75

13 Estratégias * Estabelecimento de parcerias entre IPSS s * Criação das Jornadas Interinstitucionais para fazer o balanço e avaliação do trabalho desenvolvido Objectivos Específicos * Até final de 2006, criar um grupo de trabalho com o objectivo de dinamizar as parcerias entre IPSS s * Elaborar um Manual de Procedimentos para as IPSS s, até final de 2008 * Elaborar programas sócio-culturais conjuntos Parcerias * Autarquias * Associações * IPSS s *Segurança Social * Estabelecimentos de ensino * REAPN O que se pretende com o Eixo de Desenvolvimento Dinamização de Parcerias é a dinamização do trabalho em rede tendo em vista a promoção do bem-estar e a diminuição do isolamento do idoso. Como temos vindo a perceber, ao longo de todo este capítulo, o concelho do Sabugal tem sido afectado pelos fenómenos da desertificação e do envelhecimento. De facto, a desertificação das aldeias conduz ao aumento do isolamento dos idosos, 76

14 estando esta situação agravada pela dificuldade de mobilidade característica deste grupo etário. A preocupação da Rede Social do Sabugal a este nível, prende-se essencialmente com a possibilidade de proporcionar aos idosos do concelho um conjunto de actividades lúdicas e recreativas que possam, de alguma forma, colmatar o isolamento social existente. Deste modo, consideramos essencial o estabelecimento de parcerias entre as IPSS s existentes. Efectivamente, as IPSS s dispõem de um conjunto de recursos que devem ser melhor aproveitados e rentabilizados. Seria importante, de facto, elaborar programas sócio-culturais conjuntos, prevenindo assim a sobreposição de actividades e podendo abranger um maior número de idosos. Posto isto, pensamos que é importante a este nível, o envolvimento: - de todas as IPSS s, uma vez que são estas as principais intervenientes - de todos os estabelecimentos de ensino, podendo estar envolvidos em determinadas actividades direccionadas para o idoso - da autarquia, apoiando e incentivando o estabelecimento de parcerias - de algumas Associações - da REAPN Rede Europeia Anti - Pobreza, uma vez que trabalha também acções relacionadas com o idoso. 77

15 Qualidade de Vida do Idoso Eixos de Desenvolvimento Alargamento do Apoio Certificação dos Equipamentos de Apoio do Idoso Rede de Voluntariado Dinamização de Parcerias (Actividades direccionadas para idosos) Objectivos Estratégicos * Aumentar/melhorar as respostas ao nível do Apoio Domiciliário * Melhorar os serviços prestados pelas IPSS s existentes * Criar uma Rede de Voluntariado * Dinamizar o trabalho em rede com vista à promoção do bem-estar e à diminuição do Estratégias * Sensibilização da população, IPSS s e técnicos para a importância do Apoio Domiciliário * Melhorar a diversidade de serviços prestados ao nível do Apoio Domiciliário * Adequar a estrutura física dos equipamentos à legislação em vigor * Melhorar o nível de formação dos funcionários * Humanização dos serviços * Adequar o quadro de pessoal * Promover o voluntariado intergeracional * Sensibilização da população para o voluntariado com os idosos * Estabelecimento de parcerias entre IPSS s * Criação das Jornadas Interinstitucionais para fazer o balanço e avaliação do trabalho desenvolvido Objectivos Específicos * Desenvolver acções de sensibilização/informação anuais, dirigidas a todos os dirigentes e * Elaborar uma Matriz de qualidade, relativa aos * Até final de 2006, criar um grupo de técnicos de IPSS s no sentido de sensibilizar para a importância do Apoio Domiciliário * Desenvolver acções de sensibilização/informação anuais, dirigidas à população no sentido de sensibilizar para a importância do Apoio Domiciliário * Efectuar um levantamento das necessidades ao nível dos serviços prestados pelo Apoio Domiciliário, até final de 2007 * Aumentar o tipo de serviços prestadas pelo Apoio Domiciliário, tendo em conta as necessidades identificadas * Alargar o Apoio Domiciliário a serviços prestados pelas IPSS s, até final de 2006 * Sensibilizar/ responsabilizar os dirigentes das IPSS s relativamente ao seu papel na comunidade e à importância da melhoria da qualidade dos serviços prestados * Promover acções de sensibilização/divulgaçã o junto da população, até final de 2007 * Criar uma Bolsa de Voluntariado, até final de 2008 * Promover anualmente, formação para voluntários trabalho com o objectivo de dinamizar as parcerias entre IPSS s * Elaborar um Manual de Procedimentos para as IPSS s, até final de 2008 todas as freguesias do concelho (Rede de Apoio Domiciliário), até final de 2008 * Promover acções de formação anuais dirigida * Elaborar Parcerias * IPSS s * Autarquias * Segurança Social * Centro de * IPSS s * Segurança Social * Autarquia * Entidades Formadoras * Estabelecimentos de Ensino * Autarquias * Associações * IPSS s * Centro de Saúde * Entidades formadoras * Autarquias * IPSS s * Segurança Social * Associações * Estabelecimentos de Ensino * REAPN 78

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia. (Santarém)

Santa Casa da Misericórdia. (Santarém) Santa Casa da Misericórdia (Santarém) Índice Santa Casa da Misericórdia Missão, Visão e Valores pág.3 Apoio Domiciliário Serviços de Apoio Domiciliáriopág.5 Cidadãos / Clientes...pág.6 Serviços Prestados..pág.7

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção previstos na Rede Social (Subsidiariedade, Integração, Articulação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR Reduzir as desigualdades em saúde Garantir um ambiente físico de qualidade Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias Melhorar a saúde

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Iolanda Évora Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Apresentado no II Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Viana do Castelo25-26 de Outubro

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

PONTO DE SITUAÇÃO DA EXECUÇÃO DOS PLANOS DE ACÇÃO DOS CLAS 2º Semestre 2009

PONTO DE SITUAÇÃO DA EXECUÇÃO DOS PLANOS DE ACÇÃO DOS CLAS 2º Semestre 2009 UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PONTO DE SITUAÇÃO DA EXECUÇÃO DOS PLANOS DE ACÇÃO DOS CLAS 2º Semestre 2009 CLAS de Torres Novas EIXO DE INTERVENÇÃO ACÇÕES CONCLUIDAS ACÇÕES EM CURSO ACÇÕES SUPRIMIDAS

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Eixo III Um Fórum para o Empreendedorismo

Eixo III Um Fórum para o Empreendedorismo Eixo III Um Fórum para o Empreendedorismo "Empreendedorismo não é uma ciência, nem arte. É uma prática." Drucker III.1. MICROCRÉDITO Procure grandes recompensas em pequenas ideias. Muhammad Yunus Contextualização

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 ADRA PORTUGAL Plano de Atividades 2014 Rua Ilha Terceira, 3 3º 100-171 LISBOA Telefone: 213580535 Fax: 213580536 E-Mail: info@adra.org.pt Internet: www.adra.org.pt Introdução A ADRA (Associação Adventista

Leia mais

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência

Leia mais

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores 2015-2016 Entidades Promotoras: Direção Regional da Solidariedade Social Instituto de Segurança Social dos

Leia mais

O CNPV. e as Estruturas Locais de Voluntariado. 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás

O CNPV. e as Estruturas Locais de Voluntariado. 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás O CNPV e as Estruturas Locais de Voluntariado 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás As Origens do Voluntariado O Voluntariado sempre existiu. Nuns casos, de maneira difusa, noutros de forma organizada.

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO. FORMAÇÃO PROFISSIONAL AS OBRIGAÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DO TRABALHO E NA SUA REGULAMENTAÇÃO. PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS O Código do Trabalho e posteriormente a Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho que o veio regulamentar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública

SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Agrupamento de Escolas de Serpa Avaliação de Pessoal Não Docente SIADAP 3 Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores da Administração Pública Legislação aplicável Lei n.º 66-B/2007 de 28 de

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

6. Participação da comunidade

6. Participação da comunidade O ambiente é actualmente um elemento estruturante do desenvolvimento da sociedade e do território, não sendo possível conceber políticas ou planos sem uma forte componente de ambiente e qualidade ambiental.

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

Projecto Praia Sem Barreiras

Projecto Praia Sem Barreiras Projecto Praia Sem Barreiras 1. ENQUADRAMENTO TEÓRICO A acessibilidade tem de ser considerada como uma característica do nosso meio ambiente, e ser para todos os cidadãos, permitindo o exercício efectivo

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra Regulamento Interno PREÂMBULO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei n.º147/99 de 1 de Setembro) regula a criação, competência

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

CONCLUSÕES GT CIDADÃOS COM DEFICIÊNCIA

CONCLUSÕES GT CIDADÃOS COM DEFICIÊNCIA CONCLUSÕES GT CIDADÃOS COM DEFICIÊNCIA Fiscalizar os prazos para adaptações previstas no Decreto lei 163 e aplicação de coimas. Campanha de sensibilização para comerciantes, etc. Publicação quais os seus

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO.

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. O projeto Há Festa no Campo, é uma iniciativa de intervenção comunitária, financiada a três anos (2014 a 2016) pelo Programa PARTIS Práticas Artísticas

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais Capítulo 88 Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo Preâmbulo... 3 Disposições Gerais... 4 Artigo 1.º Âmbito... 4 Artigo 2.º Objetivos... 4 Artigo 3.º

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Inauguração a 21 de Junho de 2011

Inauguração a 21 de Junho de 2011 Inauguração a 21 de Junho de 2011 VISA A PRESTAÇÃO DE APOIO PSICOLÓGICO E SOCIAL A QUEM SE DESTINA. A PESSOAS, FAMÍLIAS E GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS, EM SITUAÇÃO DE MAIOR RISCO OU DEPENDÊNCIA FÍSICA E FUNCIONAL.

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO [ Pág 2 Capa 1 Objectivos 3 Introdução... 4 Como fazer uma negociação eficaz... 5 Preparar a Negociação. 6 Cuidar da Apresentação.. 7 Escolher o Método de Negociação. 8 Regra da

Leia mais

GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA

GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA GABINETE DE SAÚDE E CONDIÇÃO FÍSICA 1 O problema do sedentarismo não reside nos jovens, mas sim nos diferentes sistemas e subsistemas que enquadram a sua formação e desenvolvimento e influenciam a família.

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 I INTRODUÇÃO Nos termos da alínea b) do Artigo 35.º dos Estatutos da ANEA, a Direcção desta associação apresenta

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE AJUDAS TÉCNICAS DO MUNICÍPIO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando a importância que o sector da saúde e da acção social deve assumir nas políticas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA. Urgência/Emergência pág. 1 de 6

NOTA INTRODUTÓRIA. Urgência/Emergência pág. 1 de 6 NOTA INTRODUTÓRIA A Ordem dos Enfermeiros (OE) foi convidada a pronunciar-se, durante o período de discussão pública, sobre a Proposta de Rede de Serviços de Urgência elaborada pela Comissão Técnica de

Leia mais

Lar de Apoio. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Ana Maria Chichorro

Lar de Apoio. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Ana Maria Chichorro Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Ana Maria Chichorro Lar de Apoio (Condições de implantação, localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de 1996

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

CATL-Oficina da Criança

CATL-Oficina da Criança Santa Casa da Misericórdia Mértola Centro Infantil Toda A CRIANÇA É UM ARTISTA AO SEU MODO. Precisamos oferecer um monte de possibilidades muitos materiais, muitas linguagens, pois possuir muitas linguagens

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ACÇÕES CONJUNTAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DO SEIXAL NA ÁREA DA INFÂNCIA 2009 Elaborado por: Isabel Rosinha Seixal, 28 de Setembro de 2009 Página 1 de 19

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS Página 1 PREÂMBULO Num contexto marcado por uma profunda crise económica e social, que origina o crescente aumento de situações de pobreza e exclusão

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa O papel do Entre Douro e Vouga Digital no combate à info-exclusão e no estímulo à participação cívica electrónica luis.ferreira@edvdigital.pt

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

Porto Escondido. Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo

Porto Escondido. Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo 47 Porto Escondido Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo 51 Na cidade do Porto, voluntários de Médicos do Mundo - Portugal percorrem a pé, duas noites por semana, as ruas da cidade. Fazem-no durante

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO, INCLUINDO OS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

Levantamento Concelhio das pessoas em situação de semabrigo

Levantamento Concelhio das pessoas em situação de semabrigo Levantamento Concelhio das pessoas em situação de semabrigo em Santo Tirso Introdução No ano de 2004 foi realizado, pela Câmara Municipal de Santo Tirso, o diagnóstico social do concelho, não tendo no

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda.

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda. Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS 1 Reconhecer a importância de planear atempadamente a alta do doente, num contexto de integração de

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Prefeitura Municipal de Chácara Rua: Heitor Candido, 60 Centro 36.110-000 Chácara Minas Gerais Telefax: (32) 3277-1014 E-mail; pchacara@acessa.com.

Prefeitura Municipal de Chácara Rua: Heitor Candido, 60 Centro 36.110-000 Chácara Minas Gerais Telefax: (32) 3277-1014 E-mail; pchacara@acessa.com. LEI 646 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso. O Prefeito Municipal de Chácara, MG, faço saber que a Câmara Municipal de Chácara decreta e eu sanciono a seguinte Lei: INSTITUI

Leia mais

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O OLHAR DA SAÚDE. UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE TONDELA SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE No SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais