Relatório de Avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Avaliação"

Transcrição

1 PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho

2 Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no âmbito do Plano de Acção para 2005, da Rede Social de Vieira do Minho. O programa Rede Social teve a sua fase de implementação nos anos 2003 e Estes dois anos de implementação do programa exigiram do Conselho Local de Acção Social (CLAS) de Vieira do Minho a produção e aprovação de alguns documentos fundamentais que serviram, e continuarão a servir, de suporte à intervenção que se pretende fazer ao nível social no concelho de Vieira do Minho. Após um ano de implementação do 1º plano de acção, torna-se importante fazer a avaliação dos resultados alcançados e do impacto da intervenção que foi desenvolvida, pois apenas através deste momento de avaliação será possível reajustar as práticas. O modelo de avaliação que consideramos mais pertinente no caso do Plano de Desenvolvimento Social de Vieira do Minho é o modelo de avaliação interna feita no final de cada Plano de Acção. Ao situar-mo-nos no patamar da avaliação interna estamos a dar relevância à avaliação do desempenho do CLAS na prossecução dos objectivos do Plano de Desenvolvimento Social. A metodologia que vamos utilizar para procedermos à avaliação deste primeiro Plano de Acção é proceder à analise, por cada eixo de intervenção definido no PDS, dos seguintes aspectos: quais as acções que foram executadas, quais as acções que não foram executadas mas que foram incluídas em projectos aprovados e, por último, quais as acções que não foram implementadas. Esperamos que este momento de avaliação permita: Medir os resultados da acção, Ajudar na tomada de decisões em termos de intervenção, Identificar condições de sucesso e aspectos críticos, Melhorar as intervenções, Ajudar na divulgação dos resultados atingidos.

3 Eixo de intervenção 1: Situações de risco social

4 EIXO DE INTERVENÇÃO: SITUAÇÕES DE RISCO SOCIAL Neste eixo de intervenção estava planificada a execução de 20 actividades/acções. Destas 20 acções foram executadas 14, o que nos remete para uma taxa de execução de 70%. Das 6 acções não executadas, 1 (5%) não foi executada por estar inserida num projecto de intervenção que foi aprovado, o que implicou uma redefinição do tempo de execução, e as restantes 3 (25%) não foram implementadas por dificuldades em termos de tempo. 70% Executas 5% Não implementadas mas asseguradas por um projecto de intervenção aprovado 25% não executadas

5 Objectivo definido no PDS: Encontro com Entidades Empregadoras Locais Até 2008 são desenvolvidas acções específicas para responder às necessidades da população vieirense com deficiência. Actividade: Realização de um encontro com as entidades empregadoras locais para divulgar os benefícios da contratação da pessoa com deficiência: O Emprego como Mecanismo de Inserção Social. Esta actividade teve lugar no dia 21 de Abril, pelas 18:00h, no Salão Nobre da Câmara Municipal. Impactos esperados: 30% das entidades empregadoras do concelho adquirem conhecimento sobre os apoios existentes para a contratação da pessoa com deficiência. Avaliação: Em 2001 o número de empresas sediadas em Vieira do Minho era de 191, pelo que podemos considerar alcançado o objectivo de envolver 30% das empresas locais. Foram envolvidas 41,8% das empresas sediadas. Tendo como base o questionário de avaliação, ao qual responderam 43 empresas/entidades, verificamos que 18 (41,9%) consideraram a iniciativa Muito Importante enquanto que 22 (51,2%) a consideram Importante. Ninguém escolheu as hipóteses Pouco Importantes ou Nada Importantes, o que justifica a necessidade da iniciativa. Empresas concelhias presentes: 80 empresas. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social e projecto Incluir

6 Objectivo definido no PDS: Seminário na área da família Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens e à violência doméstica. Actividade: Seminário na área da família: Crescer em Família. Esta actividade decorreu no dia 3 de Fevereiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal. Impactos esperados: Sensibilizar a comunidade para a importância do papel da família no desenvolvimento saudável da criança. Público alvo: Técnicos da área social, dirigentes das IPSS, professores e outros Avaliação: Em termos de avaliação podemos referir que a iniciativa teve um impacto muito positivo. Dos67 participantes, 31 responderam ao questionário de avaliação, o qual permitiu verificar que 70,9% destes participantes consideraram que a iniciativa teve um grau de interesse muito elevado. Consideramos que se contribuiu significativamente para alcançar o objectivo proposto, tendo o impacto sido bastante positivo. Responsáveis pela organização: CPCJ de Vieira do Minho

7 Formação na área da mediação familiar Objectivo definido no PDS: Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens e à violência doméstica. Actividade: Sessão de trabalho Intervenção Centrada na Família. Esta actividade decorreu no dia 7 de Junho de 2005, no Salão Nobre da Câmara Municipal. Impactos esperados: 60% dos técnicos locais que intervêm directamente com as situações de risco aprofundam conhecimentos em mediação familiar. Pessoas presentes:. Técnicos das IPSS locais, técnicos da CPCJ, técnicos do projecto Incluir. Estiveram presentes na sessão 17 formandos. Avaliação: a avaliação foi muito positiva. O questionário de avaliação permitiu verificar que a maioria dos presentes considerou muito bom o grau de interesse e utilidade dos temas. Responsáveis pela organização: CPCJ de Vieira do Minho

8 Estudos sobre a problemática Objectivo definido no PDS: do alcoolismo Até 2008 são criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo Impactos esperados: O concelho detém um conhecimento profundo sobre a dimensão do problema do alcoolismo no concelho, melhorando a intervenção a este nível Actividade: Elaboração de um estudo sobre as práticas e representações face ao consumo excessivo de álcool na adolescência. Este estudo foi realizado pelo grupo de estagiários de educação física da Escola Secundária, em colaboração com da técnica da Rede Social. A opção pela realização de um estudo sobre esta temática esteve relacionada com o envolvimento da Escola numa Comissão Social Interfreguesias, onde se decidiu que a intervenção prioritária deveria recair no problema do alcoolismo. O estudo foi concluído e apresentado na escola no primeiro semestre de Elaboração de um estudo sobre a problemática do alcoolismo no concelho. Este estudo ainda não foi concluído, já que foi apresentada uma candidatura à medida 5.1. Desenvolvimento Social e Comunitário, do POEFDS, no sentido de se obter financiamento para a realização do mesmo.esta candidatura foi aprovada, sendo que para a realização do estudo foi obtido um total de , dos quais são financiados. Data prevista para a conclusão do estudo: Dezembro de 2006

9 Acções de Informação/Sensibilização na área do alcoolismo Objectivo definido no PDS: Até 2008 são criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo Impactos esperados: Todas as crianças dos 6 aos 10 anos abrangidas pelo Projecto Incluir adquirem conhecimento sobre os malefícios do consumo excessivo de álcool. Actividade: Dinamização de actividades lúdicas e desportivas junto de crianças e jovens, por forma a divulgar informação relativa à questão em análise. Para tal foram realizadas duas actividades desportivas. Avaliação: A actividade sofreu um desvio relativamente aos destinatários definidos em plano de acção. Tal deve-se ao facto de uma das CSIF da Rede Social ter definido como prioritário este trabalho, envolvendo para isso crianças e jovens sinalizados pelas várias entidades. Em termos de avaliação termos que dizer que os impactos previstos não foram alcançados devido à má definição do público-alvo, mas em termos de avaliações das acções desenvolvidas pela CSIF a avaliação é muito positiva. Estiveram envolvidos nas acções 25 crianças e jovens. Entidade responsável: CSIF de Vieira do Minho, Anissó, Soutelo, Cantelães, Eira- Vedra e Mosteiro.

10 Encontros com pessoas com deficiência Objectivo definido no PDS: Até 2008 são desenvolvidas acções específicas para responder às necessidades da população de Vieira do Minho, com deficiência. Actividade: Realização de encontro entre crianças e famílias que se confrontam com a problemática da deficiência. Esta actividade decorreu no dia 19 de Março, integrada na Quinzena da Infância e Juventude. Impactos esperados: Envolver 20% das famílias residentes com pessoas deficientes no agregado, nos encontros, permitindo uma troca de experiências. Avaliação: a avaliação desta actividade é muito positiva, embora não nos tenha sido possível medir ou quantificar o número de famílias envolvidas. Houve uma grande partilha da experiências entre as famílias dos jovens, assim como estes puderam conviver e desenvolver actividades lúdicas. Consideramos também que foi muito importante a presença das pessoas responsáveis pelas instituições que acolhem estas crianças, já que nos permitiu estreitar relações, aspecto positivo para que a articulação entre a Câmara e estas instituições se torne cada vez melhor. Entidade responsável: Gabinete de Acção Social da Câmara Municipal

11 Animação de dois Campos de Férias Objectivo definido no PDS: Até 2008 estão criadas no concelho de Vieira do Minho respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo. Actividade: Animação de dois campos de Férias para crianças e jovens do concelho. Campo de Férias do Projecto Sorrir (Ser Criança) 30 e 31 de Março Campo de Férias do Projecto Incluir (Escolhas) - 18 a 20 de Julho Impactos esperados: Envolver 50 crianças e jovens, desenvolvendo actividades saudáveis e prevenindo comportamentos aditivos. Avaliação: a avaliação é extremamente positiva. No campo de férias do projecto Sorrir participaram cerca de 35 crianças e jovens, enquanto que no do Incluir participaram cerca de 19 crianças. Estas iniciativas foram muito importantes para a promoção da socialização e desenvolvimento de actividades criativas junto de crianças e jovens de meios socialmente mais desfavorecidos. Ultrapassou-se o objectivo das 50 crianças. Entidade responsável: Projecto Sorrir e projecto Incluir

12 Aplicação de Programas de Educação Formação Objectivo definido no PDS: Até 2008 as taxas de abandono escolar diminuem 30%. Actividade: Sensibilização dos professores para a aplicação de Programas de Educação Formação. Impactos esperados: Todos os directores de turma da EB 2/3 Vieira de Araújo e Escola Secundária são sensibilizados para a aplicação dos programas de educação formação. Avaliação: Os objectivos pretendidos com esta actividade não foram totalmente alcançados já que não conseguimos abordar a questão dos PEF s junto das escolas. No entanto, foi possível colaborar com a EB 2/3 Vieira de Araújo na constituição de um curso de Educação Formação, que arrancou no inicio deste ano lectivo. Entidade responsável: Projecto Incluir do programa Escolhas 2ª Geração

13 Acções de Formação na área do abandono escolar Objectivo definido no PDS: Até 2008 as taxas de abandono escolar diminuem 30%. Actividade: Acções de formação: como lidar com comportamentos disruptivos. Esta actividade teve como objectivo promover uma melhor e mais rápida intervenção junto das situações de risco de abandono escolar. Impactos esperados: Envolver 20 professores em acções de formação em áreas que permitam trabalhar as questões de abandono escolar. Avaliação: Os questionários de avaliação permitiram perceber que: -Na acção 1, realizada a 16 de março de 2005: dos 17 directores de turma que estiveram presentes, 10 referiram que esta sessão tinha sido muito importante (58,8% ) enquanto que 7 disseram ter sido importante (41,2%). Nenhum professor referiu que esta sessão não tinha tido importância nenhuma para a sua formação. -Na acção 2, realizada a 4 de Maio de 2005: estiveram presentes 13 Directores de Turma. Dos presentes, 4 (30,8%) consideraram-na muito importante para a sua formação. A grande maioria, ou seja, 9 inquiridos (69,2%) considerou-a importante. Nenhum dos Docentes referiu que esta sessão não tinha tido qualquer importância para a sua formação (ver gráfico 1). Entidade responsável: Projecto Incluir do programa Escolhas 2ª Geração

14 Constituição do Programa de Apoio ao Arrendamento Objectivo definido no PDS: Até 2008 a população de Vieira do Minho dispões de melhores respostas ao nível da habitação. Actividade:Implementar o Programa de Apoio ao Arrendamento. Impactos esperados: Aumentar as possibilidades de resposta face às situações de carência habitacional. Avaliação: Uma vez que o programa entrou em vigor em Setembro de 2005 parece-nos ainda muito prematuro fazer a avaliação do programa em si. No entanto o objectivo de o implementar foi alcançado. Entidade responsável: Câmara Municipal de Vieira do Minho.

15 Acções enquadradas em Projectos Sociais Workshop para técnicos na área do alcoolismo Acção incluída no projecto Projectos de Vida, aprovado no âmbito do Programa Operacional de Emprego e Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), Eixo 5, medida 5.1. Promoção do Desenvolvimento Social e Comunitário.

16 Acções não desenvolvidas Acções de formação para docentes na área da deficiência, Encontros com entidades responsáveis para concretização do CAO, Sessões de divulgação do trabalho da CPCJ, Proposta criação de um gabinete de acompanhamento (alcoolismo), Divulgação do Programa SOLARH.

17 Eixo de intervenção 2: Empregabilidade e Formação Profissional

18 EIXO DE INTERVENÇÃO: EMPREGABILIDADE E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Neste eixo de intervenção estava planificada a execução de 11 actividades/acções. Destas actividades apenas foram executas 2 das acções propostas (10%), sendo que uma parte significativa das acções propostas para este eixo foi integrada num projecto aprovado no âmbito do PROGRIDE. Portanto, 5 (45%) das acções propostas foram integradas neste projecto, o que nos permitiu obter o financiamento necessário para a execução das mesmas. No total foram também 5 (45%) das acções que não foram executadas. Globalmente podemos dizer que foi assegurada a execução da maioria das acções, já que juntando as executadas com aquelas que estão previstas em projectos temos um total de 65% das acções asseguradas. 10% Acções executadas 45% De acções em projectos aprovados 45% Não executadas

19 Objectivo definido no PDS: Encontro com Entidades Empregadoras Locais Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Actividade: Realização de um encontro com as entidades empregadoras locais para divulgar os benefícios da contratação da pessoa com deficiência: O Emprego como Mecanismo de Inserção Social. Esta actividade teve lugar no dia 21 de Abril, pelas 18:00h, no Salão Nobre da Câmara Municipal. Impactos esperados: 30% das entidades empregadoras do concelho adquirem conhecimento sobre os apoios existentes para a contratação da pessoa com deficiência. Avaliação: Em 2001 o número de empresas sediadas em Vieira do Minho era de 191, pelo que podemos considerar alcançado o objectivo de envolver 30% das empresas locais. Foram envolvidas 41,8% das empresas sediadas. Tendo como base o questionário de avaliação, ao qual responderam 43 empresas/entidades, verificamos que 18 (41,9%) consideraram a iniciativa Muito Importante enquanto que 22 (51,2%) a consideram Importante. Ninguém escolheu as hipóteses Pouco Importantes ou Nada Importantes, o que justifica a necessidade da iniciativa. Empresas concelhias presentes: 80 empresas. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social e projecto Incluir

20 Sessões junto da população desempregada Objectivo definido no PDS: Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo. Actividade: Sessões de acompanhamento individual com desempregados do concelho, com o objectivo de proceder à sua integração em formação profissional ou emprego. Impactos esperados: Diminuição das situações de desemprego no concelho. Avaliação: Esta actividade não estava prevista, nestes moldes, no nosso PDS. Estavam sim planificadas acções concretas que permitissem aos desempregados locais adquirir conhecimentos sobre técnicas e procura de emprego e sobre os apoios existentes ao nível da criação do próprio emprego. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social

21 Objectivo definido no PDS: Implementação de Acções de Formação para desempregados com menos do 9º ano de escolaridade Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo. Actividade: Criação de acções de formação para desempregados, tendo como objectivo promover a aquisição da escolaridade mínima obrigatória. Impactos esperados: Envolver cerca de 30% dos desempregados inscritos na UNIVA com menos do 9º ano de escolaridade. Avaliação: O objectivo foi atingido, já que envolvemos 33,3% dos desempregados com as características pretendidas- dos 132 inscritos, foram inseridos em formação 44. Curso Ent. promotora Habilit. Inscritos na UNIVA Admitidos % Geriatria C. S. Cantelães 6º ano ,8% Apoio Familiar e à comunidade I.E.F.P- C. Fafe 4ª classe ,3% Serviço de andares em Hotelaria Sol do Ave 4ª classe ,6% Responsáveis pela organização: NE da Rede Social, Centro de Emprego de Fafe e Sol do Ave.

22 Acções inseridas em Projectos Sociais O Projecto Inovar Vieira, aprovado no âmbito do PROGRIDE, foi um instrumento fundamental para proceder ao financiamento e à implementação das seguintes acções: I Encontro Anual de Empresários de Vieira do Minho, Criação de espaço atractivo para a exposição, divulgação e venda de produtos locais, 2 Candidaturas para formação para desempregados e activos qualificados,

23 Acções não desenvolvidas Desenvolver contactos com os proprietários das casas de Turismo rural /habitação, Negociação com IPSS por forma a adequar os horários dos transportes, Divulgar o Gabinete de Apoio ao Sector Agrícola e Florestal, Desenvolver um programa de avaliação dos resultados/impactos das acções de formação

24 Eixo de intervenção 3: Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais

25 EIXO DE INTERVENÇÃO: EQUIPAMENTOS DE TEMPOS LIVRES E SERVIÇOS SOCIAIS No que concerne a este eixo de intervenção podemos constatar que das 14 acções planificadas foram implementadas no terreno 10 acções, o que corresponde a 73% do total de acções propostas. As restantes 4 (27%) acções não foram executadas nem estão incluídas em nenhum projecto específico. 73% Acções executadas 27% De acções não executadas

26 Semana do Idoso Objectivo definido no PDS: Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos. Actividade: Implementação da semana do idoso, com o desenvolvimento de actividades desportivas, de animação e actividades de convívio para os idosos do concelho. Impactos esperados: Envolver mais de 100 idosos de todo o concelho, permitindo a socialização e o combate ao isolamento. Avaliação: Esta actividade teve um impacto muito positivo, envolvendo o número de idosos pretendido. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social

27 Criação de Espaços de Convívio para idosos Objectivo definido no PDS: Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos. Actividade: Constituição em cada uma das CSIF de pelo menos um Espaço de Convívio organizado e dinamizado localmente. Impactos esperados: Envolver em actividades de animação e convívio idosos que não estejam a ser apoiados por outro tipo de serviço. Avaliação: Em 2005 foram constituídos e dinamizados espaços de convívio em três CSIF. No entanto, ficaram assegurados, através da candidatura ao PROGRIDE, recursos materiais e humanos para a implementação desta iniciativa nos restantes Comissões Sociais. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social

28 Acção de Formação para activos animação com idosos Objectivo definido no PDS: Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos. Actividade: Envolver profissionais que trabalhem na área da terceira idade numa acção de formação sobre técnicas de animação. Impactos esperados: 15 formandos adquirem/aprofundam conhecimentos na área de animação sóciocultural com idosos. Avaliação: Estiveram envolvidos nesta sessão os técnicos das IPSS locais e os técnicos da Câmara que actuam na área dos idosos. A sessão foi orientada por uma animadora sócio-cultural e permitiu a troca de experiências na área da animação com idosos. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social

29 Formação na área do Apoio Domiciliário Objectivo definido no PDS: Até 2008 está definida uma estratégia que promova a melhoria do acesso aos serviços e cuidados de saúde. Actividade: Formação das funcionárias das IPSS locais, nomeadamente que trabalham ao nível do apoio domiciliário, na área dos cuidados básicos de saúde. Impactos esperados: 70% das funcionárias das IPSS recebem formação e apoiam diariamente idosos ao nível de cuidados básicos de saúde. Avaliação: Nesta primeira fase estiveram envolvidas 50% das funcionárias das IPSS, estando previsto para o próximo ano uma nova sessão que envolva as restantes. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social (CMVM e Segurança Social) e Centro Social de Rossas

30 Candidatura à valência Centro de Noite Objectivo definido no PDS: Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos. Actividade: Negociar com uma IPSS local para proceder à candidatura para a valência de Centro de Noite. Impactos esperados: Aumentar as respostas para os idosos isolados. Avaliação: Foi elaborado um projecto, pelo Centro Social Nª Senhora da Esperança de Anissó, o qual teve o parecer positivo da Rede Social Responsáveis pela organização: NE da Rede Social e Centro Social Anissó.

31 Implementação do programa Jovem Voluntário Objectivo definido no PDS: Até 2008 é promovida no concelho uma estratégia concertada de captação de voluntários para a acção cívica e social. Actividade: Implementação do programa Jovem Voluntário Impactos esperados: Envolver 10 jovens com o 12º ano (ou a terminar o 12º ano com um máximo de 3 disciplinas atrasadas). Avaliação: Estiveram envolvidos treze jovens no primeiro ano de implementação. Responsáveis pela organização: Câmara Municipal Divisão de Acção Social

32 Encontro sobre Voluntariado Objectivo definido no PDS: Até 2008 é promovida no concelho uma estratégia concertada de captação de voluntários para a acção cívica e social. Actividade: Realização de um encontro vocacionado para a temática do voluntariado, nomeadamente voluntariado sénior. Impactos esperados: Integrar 20 idosos em acções de voluntariado nas instituições locais Avaliação: A actividade foi realizada mas o impacto desejado não se verificou, uma vez que não foi criada nenhum bolsa de voluntariado sénior. Responsáveis pela organização: Câmara Municipal Divisão de Acção Social

33 I Mostra do Associativismo Objectivo definido no PDS: Até 2008 as associações locais desenvolvem acções inovadoras de envolvimento da população e consolidam a sua actividade. Actividade: Implementar a I Mostra do Associativismo de Vieira do Minho, promovendo e dinamizando o tecido associativo local. Actividade realizada nos dias 1,2 e 3 de Julho. Impactos esperados: 70% das associações locais participam e divulgam a sua actividade. Avaliação: Muito positiva. Participaram nesta actividade 20 associações (67%) e houve uma adesão muito forte da população local às actividades desenvolvidas. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social

34 Implementação do Dia Radical (Semana da Juventude) Objectivo definido no PDS: Até 2008 o concelho dispõe de uma programação cultural e desportiva variada. Actividade: Implementação do Dia Radical, promovendo a prática de desportos diferentes e inovadores nos espaços do concelho. Impactos esperados: Envolver mais de 50 jovens na actividade. Avaliação: A actividade foi realizada mas o nível de adesão dos jovens não foi muito elevado, talvez pelo facto da iniciativa ter sido adiada várias vezes fruto do mau tempo. Responsáveis pela organização: NE da Rede Social e Ser Criança

35 Acções não desenvolvidas Estudo sobre a viabilidade de implementação do telealarme Candidatura à valência de Centro Comunitário Estudo para analisar viabilidade de uma Casa das Associações Realização de 2 semanas do Cinema

36 Eixo de intervenção 4: Relações de Parceria e envolvimento interinstitucional

37 EIXO DE INTERVENÇÃO: EQUIPAMENTOS DE TEMPOS LIVRES E SERVIÇOS SOCIAIS Este foi o eixo com menor índice de execução das acções. Tal prende-se com o facto da maior parte das acções propostas terem sido enquadradas num projecto aprovado no âmbito do trabalho da Rede Social. Assim, das 5 acções propostas, 3 estão enquadradas em projectos e 2 não foram executadas por falta de verba. 60% Acções incluídas em projectos 40% De acções não executadas

38 Acções inseridas em Projectos Sociais e não executadas Acções incluídas no Projectos de Vida : Encontro na área do planeamento estratégico, Sessão de informação na área da intervenção planeada, Elaboração de um Guia da Recursos Acções não executadas: Dinamização de um Observatório Social Local, Lançamento de um boletim semestral

39 Um ano de acção... Balanço Final Acções propostas: 50 Acções implementadas: 32 (64%) Acções incluídas em projectos: 8 (16%) Acções não executadas: 10 (20%) Juntando as acções implementadas com as acções previstas em projectos, temos uma execução de 80%.

40 Um ano de acção... Projectos aprovados Projecto Incluir Programa Escolhas 2ª Geração, Projecto Projectos de Vida Medida 5.1. do POEFDS Projecto Inovar Vieira Programa para a Inclusão e Desenvolvimento (PROGRIDE)

41 Um ano de acção... Pareceres Técnicos PARECER POSITIVO: Enter informática : pedido de parecer para processo de Acreditação (IQF) da empresa, Agrupamento Vertical de Escolas Vieira de Araújo: parecer para candidatura a curso de Educação Formação, Centro Social e Paroquial Nª. Sª. Esperança de Anissó: parecer para criação de um Centro de Noite Centro Social da Paróquia de Cantelães: parecer para Plano de Formação PARECER NEGATIVO: Centro Social da Paróquia do Divino Salvador de Rossas: parecer para ampliação do LAR de 12 para 30 utentes.

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção previstos na Rede Social (Subsidiariedade, Integração, Articulação,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014)

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE. IT.E5G Relatório Semestral (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE.IT.E5G Talentos e Artes com Kreatividade e Empreendedorismo pretende constituir-se como resposta inovadora para os jovens residentes

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2014

PLANO DE AÇÃO 2013/2014 Plano de Ação 2013/ PLANO DE AÇÃO 2013/ 1 Plano de Ação 2013/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009 Eixos de Desenvolviment o Criar Dinâmicas de Apoio ao Envelheciment o Demográfico Objectivos Gerais/Estratégicos Iniciar até ao final de 2005, as actividades necessárias à criação de: uma Unidade Móvel

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO Projeto Objetivos Metas Indicadores Ações - Preencher as fichas de inscrição no site http://empregar.ire.gov.p; População Alvo Recursos Humanos Materiais

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba 2015 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2015 s parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de ): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ACÇÕES CONJUNTAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DO SEIXAL NA ÁREA DA INFÂNCIA 2009 Elaborado por: Isabel Rosinha Seixal, 28 de Setembro de 2009 Página 1 de 19

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Plano de Acção dos Projectos Estruturantes

Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Eixo I Certificação e Cobertura de Serviços e Equipamentos Sociais PROJECTO: EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS SOCIAIS SUB-PROJECTO: Rede de Famílias de acolhimento para

Leia mais

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior:

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior: 1. Informação Biográfica Naturalidade: Coimbra (Sé Nova) Data de Nascimento: 10 de Fevereiro de 1970 Bilhete de Identidade: 8832094 de 12/10/2004 Coimbra Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: casada

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 2007/2010 Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 1 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Belmonte 2007-2008 2007/2010 Câmara Municipal de Belmonte Rua Pedro Alvares Cabral, 135 6250-088

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu A questão da Terceira Idade foi abordada no penúltimo workshop, que teve lugar no dia 26.06.2006, contando com a participação das seguintes instituições/entidades: - ASE Ass. de Solidariedade Estarrejense

Leia mais

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo.

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. 10. ACÇÃO SOCIAL Quadro de referência de serviços e equipamentos de proximidade Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. Incidência

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Local, Regional, Nacional. Faro Local Falta de interesse dos alunos paa estes temas. Falta de mo vação

Local, Regional, Nacional. Faro Local Falta de interesse dos alunos paa estes temas. Falta de mo vação Timestamp Tipo de Organização/ Entidade área de intervenção concelho abrangência 12-04-2012 16:46 Projeto Escolhas inclusão social 2. Interculturalidade/ Solidariedade Inter-Geracional OBSTÁCULOS/ DESAFIOS

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social.

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide Programa Rede Social Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide (período 2006-2009) Julho de 2006 Projecto co-financiado pelo Fundo

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares PREÂMBULO Considerando que, A descentralização de competências da Administração Central do Estado, através da atribuição de mais competências às autarquias locais,

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por:

Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por: Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por: Dúlio Gouveia Ferreira Pimenta, pela Câmara Municipal de Arganil; José Dias Coimbra, pela Santa Casa da Misericórdia de Arganil; Fernanda Maria Figueiredo

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO Mais importante do que a sua forma jurídica, o que distingue as empresas da economia social é o primado do objecto social sobre a maximização do lucro. E a satisfação de necessidades que outros sectores

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 21-03-2012 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 18h00 Hora do fecho: 20h30 Presenças:

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Montante Único

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2006-2007

PLANO DE ACÇÃO 2006-2007 PLANO DE ACÇÃO 2006-2007 PLANOS DE ACÇÃO POR EIXOS DE DESENVOLVIMENTO EIXO I PROMOÇÃO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS Acções Actividades Operacionalizar a Associação Empresarial do Concelho Criação de uma página

Leia mais

Cooperar para Desenvolver Introdução

Cooperar para Desenvolver Introdução Introdução Planear é conceber o futuro desejado e os meios para aí chegar Henry Mintzberg Com a conclusão do primeiro Plano de, e o início do segundo, terminamos e recomeçamos uma longa e rica caminhada.

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1 P á g i n a 1 Inova Jovens Criativos, Empreendedores para o Século XXI DGIDC Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação e Ciência IPDJ Instituto Português do Desporto

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EIO ESTRATÉGICO DA ACÇÃO SOCIAL DO PDS DE VNG VECTORES PROJECTOS ESTRATÉGICOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS RECURSOS INTERNOS RECURSOS ETERNOS Promover uma maior conciliação entre a actividade profissional e

Leia mais

O Plano Regional Integra:

O Plano Regional Integra: O Plano Regional Integra: 1. Acções estratégicas de combate à pobreza e exclusão social com efeitos a médio e longo prazo; 2. Acções/eventos com o objectivo de mobilizar e envolver a sociedade civil desenvolvidas

Leia mais

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal / Delegação do Porto Morada: Rua do Bonfim, 215 4300-069

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 Outubro 2015 Apresentação Síntese ENQUADRAMENTO O Município de Viseu apresentou ao PORTUGAL 2020 a sua candidatura de Plano Estratégico de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha PLANO DE ACÇÃO 2012 Rede Social do Crato Joana Curinha 2 3 O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social.

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva

Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), criado em 1979 (Decreto-Lei nº 519-A2/79, de 29 de Dezembro), é um organismo público, sob a tutela

Leia mais