NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5"

Transcrição

1

2 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional Eixo de Desenvolvimento 3: Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais Eixo de Desenvolvimento 4: Relações de Parceria e Envolvimento Interinstitucional CRONOGRAMA DAS ACÇÕES...22 Situações de Risco Social...24 Empregabilidade e Formação Profissional Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais Relações de Parceria e Envolvimento Inter Institucional Plano de Acção

3 Nota Introdutória O Plano de Acção para 2006 foi elaborado tendo por base os objectivos e prioridades identificados e definidos no âmbito do Plano de Desenvolvimento Social do concelho de Vieira do Minho, aprovado pelo CLAS em Nesse sentido, este Plano de Acção pretende constituir-se como uma continuidade no trabalho desenvolvido até ao momento, embora se tenha redefinido algumas metodologias de trabalho, já que o momento de do primeiro Plano de Acção (2005) nos permitiu identificar condições de sucesso e aspectos críticos e, nesse sentido, nos permitiu redefinir a forma de intervenção. Pretendemos que o Plano de Acção 2006 seja realista e ajustado às necessidades do concelho, mas pretendemos também apostar na inovação e na criatividade em termos de acções de intervenção. Espera-se que este documento, como o anterior, seja um instrumento de organização de processos de mudança, devendo para isso vincular as respostas das instituições locais, no sentido de conseguirmos articular as iniciativas em curso e facilitar a racionalização e rentabilização dos recursos. Pretendemos que este novo trabalho da Rede Social de Vieira do Minho se constitua como mais uma forma de assegurar um progressivo envolvimento dos vários parceiros e que seja também uma oportunidade de promover espaços de interacção dos agentes locais com pessoas e projectos externos ao concelho, nomeadamente através da promoção de debates, de formação e intercâmbio de experiências. Em termos metodológicos temos que referir que os pilares da intervenção continuam a ser quatro: 1. Situações de risco social, 2. Empregabilidade e Formação Profissional, 3. Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais, 4. Relações de Parceria e Relações Interinstitucionais. Plano de Acção

4 Desenho e Montagem das Acções Plano de Acção

5 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social Neste Eixo de Desenvolvimento a intervenção irá incidir sobre os seguintes problemas, detectados no Diagnóstico Social e considerados como prioritários no Plano de Desenvolvimento Social: 1. Deficiência; 2. Crianças e Jovens em Risco; 3. Alcoolismo; 4. Abandono Escolar; 5. Habitação. Área: (1) Deficiência Projecto Constituição de uma equipa multidisciplinar para acompanhamento na área da deficiência Objectivo Geral Até 2008 são desenvolvidas acções específicas para responder às necessidades da população de Vieira do Minho, com deficiência. Objectivo Específico 35% das famílias identificadas, que possuem elementos com deficiência, são acompanhadas e apoiadas Todas as famílias acompanhadas têm informação sobre os apoios existentes na área da deficiência, São identificadas e trabalhadas as principais necessidades de cada família, Eliminar barreiras arquitectónicas, Promover a inserção formativa/profissional. a envolver Câmara Municipal de Vieira do Minho, Segurança Social, Equipa dos Apoios Educativos, projecto Inovar Vieira e outras a designar Cronograma Constituição da equipa de Março a Maio de Número de famílias acompanhadas - Número de barreiras arquitectónica eliminadas - Número de pessoas com deficiência integradas em formação ou outra actividade ocupacional Plano de Acção

6 Projecto Iniciar o processo de constituição de uma instituição específica para trabalhar com a população com deficiência Objectivo Geral Até 2008 são desenvolvidas acções específicas para responder às necessidades da população de Vieira do Minho, com deficiência. Objectivo Específico Até 2008 a população residente com deficiência dispõe de um equipamento próprio Criação de unidade residencial de internamento, Dinamização de um Centro de Actividades Ocupacionais. a envolver Câmara Municipal, Segurança Social e entidade a designar Cronograma Até final de Dezembro de Número de candidaturas apresentadas, Projecto Sessão de informação para entidades empregadoras sobre os apoios existentes à contratação da pessoa com deficiência Objectivo Geral Até 2008 são desenvolvidas acções específicas para responder às necessidades da população de Vieira do Minho, com deficiência. Objectivo Específico 30% das entidades empregadoras do concelho adquirem conhecimento relativamente aos apoios existentes na contratação de pessoas com deficiência Inserir no mercado de trabalho os jovens com deficiência que são formados pela CERCIFAF a envolver Grupo de trabalho multidisciplinar, Centro de Reabilitação Profissional de Gaia, CERCIFAF, Centro de Emprego Cronograma Julho de Número de entidades empregadoras envolvidas - Número de jovem inseridos no mercado de trabalho Plano de Acção

7 Área: (2) Crianças e Jovens em Risco Projecto Três sessões de divulgação do trabalho da CPCJ, através da articulação com as CSIF Objectivo Geral Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens e à violência doméstica. Objectivo Específico Até ao final de 2008 a comunidade em geral tem conhecimento sobre os recursos e é sensibilizada para a questão do risco associado às crianças e jovens Aumentar o nível de conhecimento da população face ao trabalho da CPCJ Aumentar a capacidade de prevenção das situações de risco Promover a aproximação dos serviços à comunidade NE da Rede Social e CPCJ restrita e alargada Cronograma Setembro de 2006 (inicio das aulas) - Número de sessões realizadas - Número de pessoas envolvidas, por sessão Projecto Workshops para técnicos na área actuação sobre a violência doméstica e negligência familiar Objectivo Geral Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens e à violência doméstica. Objectivo Específico Até 2008 todos os técnicos locais têm formação específica para lidar com as questões de violência doméstica e negligência familiar. Todos os técnicos locais que trabalham directamente com esta problemática aprofundam conhecimentos sobre metodologias de trabalho na área da violência doméstica Projectos de Vida, NE da Rede Social e CPCJ Cronograma Março de Número de sessões realizadas - Número de técnicos envolvidos Plano de Acção

8 Projecto Implementação de um programa de prevenção e acompanhamento para famílias identificadas pela CPCJ e RSI Objectivo Geral Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens. Objectivo Específico Até 2007 são trabalhadas 15 famílias com problemas de desestrutuação, aumentado as suas competências sociais e pessoais, assim como a sua sensibilização para as situações de risco das crianças e jovens. Aquisição de competências sociais e pessoais Aquisição de competências de gestão doméstica, cuidados de higiene, economia familiar Prevenção das situações de risco, no que respeita a crianças e jovens 15 famílias acompanhadas por técnicos especializados Projectos de Vida Cronograma Janeiro a Dezembro de Número de famílias acompanhadas - Número de famílias que adquirem novas competências - Número de processos encerrados na CPCJ e Tribunal Projecto Implementar o programa Mais Jovem Objectivo Geral Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens. Objectivo Específico Todos os jovens do ensino secundário são envolvidos num programa de prevenção de comportamentos de risco (educação sexual, prevenção de toxicodependências) Diminuir os casos de gravidez na adolescência Fomentar conhecimentos de planeamento familiar Prevenir os comportamentos de risco Prevenir os comportamentos aditivos (consumo excessivo de álcool) NE da Rede Social, CSIF de Vieira do Minho, Cantelães, Anissó, Soutelo, Mosteiro e Eira-Vedra. Cronograma Setembro de Número de jovens envolvidos nas sessões - Número de casos de gravidez na adolescência Plano de Acção

9 Projecto Criar um Gabinete Atendimento a Jovens Objectivo Geral Até 2008 aumenta a capacidade de prevenção e actuação face às situações de risco social, no que respeita a crianças e jovens. Objectivo Específico Em 2006 é criada uma resposta para jovens na área do planeamento familiar Diminuir os casos de gravidez na adolescência Fomentar conhecimentos de planeamento familiar Prevenir os comportamentos de risco NE da Rede Social (indispensável o envolvimento do Centro de Saúde) Cronograma Setembro de Número de jovens atendidos - Número de casos de gravidez na adolescência Projecto Animação de 1 campo de férias Objectivo Geral Até 2008 estão criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo. Objectivo Específico 75% das crianças afectadas pelo problema do alcoolismo, que estão a ser trabalhadas em projectos, participam no campo de férias As crianças envolvidas desenvolvem actividades desportivas e lúdicas, prevenindo o surgimento de comportamentos aditivos Projectos de Vida e projecto Incluir Cronograma Abril de Número de crianças envolvidas - Participação das crianças nas actividades propostas Plano de Acção

10 Área: (3) Alcoolismo Elaboração de um estudo sobre a problemática do concelho em Vieira do Projecto Minho Objectivo Geral Até 2008 estão criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo. Objectivo Específico Em 2006 o concelho dispõe de um conhecimento rigoroso da problemática do alcoolismo a nível local Deter um conhecimento profundo da problemática Conhecer o perfil do alcoólico Melhorar as intervenções nesta área Projectos de Vida, NE da Rede Social Cronograma Até final de 2006 Execução ou não do estudo dentro do prazo definido Projecto Programa de Prevenção Primária do Alcoolismo Objectivo Geral Até 2008 estão criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo. Objectivo Específico Todas as crianças das famílias abrangidas no projecto 2.3. são envolvidas em actividades de prevenção primária do alcoolismo Fomentar o conhecimento dos problemas associados ao consumo excessivo de álcool Criar hábitos de alimentação saudáveis Projectos de Vida Cronograma Fevereiro até Dezembro de Número de crianças abrangidas - Número de crianças que põem em prática os conhecimentos adquiridos Plano de Acção

11 Projecto Workshops para técnicos na área do alcoolismo Objectivo Geral Até 2008 estão criadas, no concelho de Vieira do Minho, respostas no âmbito da prevenção e acompanhamento na área do alcoolismo. Objectivo Específico Até 2008 todos os técnicos da área social, com actuação no concelho, têm formação específica na área do alcoolismo. Em % dos técnicos recebem formação específica na área do alcoolismo. respons. Projectos de Vida Cronograma Março de Número de sessões realizadas - Número de técnicos envolvidos Plano de Acção

12 Área: (4) Abandono escolar Projecto Projecto Incluir Programa Escolhas 2ª Geração Objectivo Geral Promover a Inclusão Social e Escolar de jovens e crianças em risco Diminuir as situações de abandono escolar em 75% Prevenir o surgimento de novas situações de abandono escolar Prevenir e diminuir as situações de trabalho infantil Envolver 20 professores em acções de formação que permitam trabalhar as questões do abandono escolar 75% dos jovens sinalizados ao projecto são integrados no sistema de ensino regular ou numa resposta educativa/formativa alternativa Professores aprofundam conhecimentos na área da prevenção e actuação sobre o abandono escolar Câmara Municipal, ADIR, Escola Secundária de Vieira do Minho, EB 2/3 Vieira de Araújo, Associação de Pais, Junta de Freguesia de Rossas e CPCJ (Consórcio do Projecto) Cronograma Até Outubro de Número de jovens que regressam ao sistema educativo - Número de jovens encaminhados para formação profissional Área: (5) Habitação Projecto Inicio da construção de novas casas de habitação social nas freguesias do concelho Objectivo Geral Até 2008 a população de Vieira do Minho dispõe de melhores respostas ao nível da habitação Em 2006 são construídos 59 fogos de habitação social nas freguesias do concelho Realojamento de 59 agregados familiares Câmara Municipal de Vieira do Minho Cronograma Até Dezembro Número de casas construídas - Número de pessoas realojadas Plano de Acção

13 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional Neste Eixo de Desenvolvimento a intervenção irá incidir sobre os seguintes problemas, detectados no Diagnóstico Social e considerados como prioritários no Plano de Desenvolvimento Social: 1. Desemprego e Baixo nível de qualificação dos desempregados 2. Desadequação da formação profissional face às reais necessidades de formação 3. Inexistência de um tecido empresarial forte e consolidado Área: (1) Desemprego Projecto Realizar 5 sessões para desempregados sobre técnicas activas de procura de emprego Objectivo Geral Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Em % dos desempregados inscritos na UNIVA de Vieira do Minho são envolvidos em acções de melhorias das suas competências sociais e pessoais 40% dos desempregados inscritos na UNIVA de Vieira do Minho participam nestas sessões e adquirem conhecimentos sobre técnicas de procura de emprego NE da Rede Social Cronograma Março de Número de desempregados envolvidos - Número de desempregados de que adquirem e põem em prática os conhecimentos Candidatura para formação profissional de desempregados com poucas Projecto qualificações escolares nas seguintes áreas: Limpeza e Vigilância da floresta e Guia Turístico Objectivo Geral Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Implementar dois cursos de formação com certificação escolar, nas áreas da Limpeza e Vigilância da floresta e Guia Turístico 30 desempregados com poucas qualificações escolares participam nas acções de formação, desenvolvendo competências em áreas estratégicas para o concelho Câmara Municipal, entidade acreditada pelo INOFOR Cronograma Setembro de 2006 Indicadores - Número de desempregados envolvidos Plano de Acção

14 Área: (3) Desadequação da formação profissional face às necessidades de formação Projecto 2.3 Objectivo Geral Desenvolver um programa que permita avaliar de forma consistente os resultados das acções de formação desenvolvidas Até 2008 está definida uma estratégia que permita avaliar os impactos da formação profissional, em termos de inserção profissional e aumento de qualificações Em 2006 está implementado um mecanismo eficaz de do impacto da formação e estão identificadas as principiais necessidades de formação do concelho Todas as entidades que desenvolvam acções de formação são contactadas e preenchem questionário de NE da Rede Social Cronograma Até Julho de Capacidade de identificação das necessidades de formação - Capacidade de mediação dos impactos da formação Área: (4) Inexistência de um tecido empresarial forte e consolidado Projecto 2.4 I Encontro Anual de Empresários de Vieira do Minho Objectivo Geral Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Dinamização do tecido produtivo local 70% das empresas locais participa neste encontro Projecto Inovar Vieira Cronograma Outubro de Número de entidades envolvidas - Grau de interesse da acção Plano de Acção

15 Projecto Criação de um espaço atractivo para exposição e venda de produtos autóctones Objectivo Geral Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Em 2006 é criado um espaço atractivo para exposição e venda dos produtos autóctones Envolver 80% dos artesãos e produtores locais, mostrando os seus serviços e produtos Projecto Inovar Vieira Cronograma Até Dezembro de Produtores e artesãos envolvidos - Visitas ao espaço - Nível de divulgação do espaço - Nível de compra dos produtos Projecto Apoio à criação de uma Empresa (com actuação em área estratégica para o desenvolvimento do concelho) Objectivo Geral Até 2008 o concelho aumenta a sua capacidade de criação de emprego e dinamiza o tecido produtivo Em 2006 é constituída uma empresa numa área estratégica para o concelho Criar emprego Projecto Inovar Vieira Cronograma Até Dezembro de Capacidade de apoio concedido a nível de marketing, logístico, jurídico - Criação da empresa - Número de empregos constituídos Plano de Acção

16 Eixo de Desenvolvimento 3: Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais Neste Eixo de Desenvolvimento a intervenção irá incidir sobre os seguintes problemas, detectados no Diagnóstico Social e considerados como prioritários no Plano de Desenvolvimento Social: 1. Envelhecimento da população: Falta de equipamentos de lazer e animação para idosos e Isolamento dos idosos durante a noite 2. Dificuldade de acesso aos serviços de saúde 3. Ausência de locais de lazer e convívio para a população 4. Ausência de iniciativa dos jovens e associações Área: (1) Envelhecimento da população Projecto Constituição em cada uma das CSIF de pelo menos um Espaço de Convívio, organizado e dinamizado localmente Objectivo Geral Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos Em 2006 são dinamizados cinco espaços de convivo, com uma frequência mínima mensal Diminuição do número de idosos isolados Desenvolvimento de actividades de animação com os idosos Projecto Inovar Vieira, NE da Rede Social e CSIF s Cronograma Até Dezembro de Número de espaços efectivamente dinamizados - Número de idosos envolvidos - Dinamização mínima mensal do espaço Projecto Objectivo Geral Semana Sénior Cronograma Outubro de 2006 Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos Envolver mais de 100 idosos em actividade lúdicas e recreativas São envolvidos mais de 100 idosos de todo o concelho, permitindo a socialização e combate ao isolamento dos mesmos NE da Rede Social, IPSS s concelhias - Idosos e IPSS envolvidas - Número de actividades realizadas e frequência nas actividades Plano de Acção

17 Projecto Projecto Vieira em movimento Objectivo Geral Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos Envolver os idosos dos lares do concelho em actividades desportivas (ginástica e hidroginástica) 40% dos idosos internados nos lares do concelho participam em actividades desportivas Câmara Municipal de Vieira do Minho Cronograma Maio de Número de idosos envolvidos - Frequência das actividades - Grau de satisfação perante as actividades - Diversidade das acções Projecto Objectivo Geral Cronograma Maio de 2006 Encontro Ibérico de Geriatria Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos Em 2006 as instituições locais aprofundam conhecimento na área da Geriatria Divulgar as respostas sociais existentes no concelho Aprofundar conhecimentos na área da intervenção com idosos Envolver no encontro mais de 300 participantes Santa Casa da Misericórdia de Vieira do Minho (CSIF de Vieira do Minho, Cantelães, Anissó, Soutelo, Mosteiro e Eira-Vedra) - Número de participantes - Grau de satisfação perante a acção Projecto Estudo da viabilidade de implementação do Telealarme Objectivo Geral Até ao final de 2008 aumenta e diversifica-se o número de respostas ao nível do combate ao isolamento dos idosos, ao nível da animação e lazer para os idosos Em 2006 o concelho dispõe de uma nova resposta capaz de responder às necessidades dos idosos, nomeadamente durante a noite Responder de forma mais eficaz e rápida às necessidades dos idosos respon. NE da Rede Social Cronograma Até Dezembro de Número de equipamentos implementados - Capacidade de resposta Plano de Acção

18 Área: (2) Dificuldade de acesso aos serviços de saúde Projecto Dinamização da Unidade Móvel de Atendimento Objectivo Geral Até 2008 está definida uma estratégia que promova a melhoria do acesso aos serviços e cuidados de saúde Em 2006 a população idosa, dependente e isolada tem acesso mais frequente aos cuidados básicos de saúde Melhorar o acesso aos serviços de saúde Descentralização de serviços de saúde e serviços sociais Projecto Inovar Vieira, Centro de Saúde, Câmara Municipal e Segurança Social Cronograma Março de Número de atendimentos - Número de casos resolvidos - Capacidade de resposta da UMA Projecto Formação das funcionárias das IPSS locais, nomeadamente que trabalham ao nível do apoio domiciliário, na área dos cuidados básicos de saúde Objectivo Geral Até 2008 está definida uma estratégia que promova a melhoria do acesso aos serviços e cuidados de saúde Em % das funcionárias das IPSS s, nomeadamente com funções na valência do apoio domiciliário, têm formação na área dos cuidados básicos de saúde Melhorar o acesso aos serviços de saúde Todas as funcionárias que trabalham no SAD detêm formação apropriada NE da Rede Social Cronograma Março e Abril de Número de participantes - Grau de satisfação relativamente à acção Plano de Acção

19 Área: (3) Ausência de locais de convívio e lazer para a população Trabalho de apoio junto de uma IPSS local para a realização de candidatura à Projecto valência de Centro Comunitário Objectivo Geral Em 2008 o concelho dispõe de equipamentos/espaços que se constituam como respostas polivalentes para a população residente Criação de um espaço polivalente, de encontro intergeracional e prática de diferentes actividades Criar uma resposta inovadora para a população local Permitir o encontro entre gerações Aumentar a diversidade de oferta de actividades para a população NE da Rede Social e IPSS a designar Cronograma Até Dezembro de 2006 Execução ou não da acção Plano de Acção

20 Área: (4) Ausência de iniciativa dos jovens e associações Projecto Criação de uma Bolsa de Voluntários Objectivo Geral Em 2008 é promovida no concelho uma estratégia concertada de captação de voluntários para a acção cívica e social Envolver 20 jovens e 20 ractivos/eformados em acções de voluntariado Criação de uma bolsa de voluntários que apoie as instituições e projectos locais no desenvolvimento das suas actividades, Envolver na Bolsa mais de 40 voluntários Projecto Inovar Vieira Cronograma Até Dezembro de Número de jovens inscritos na bolsa - Número de adultos (reformados) inscritos na bolsa - Número de voluntários activos Projecto II Mostra do Associativismo Objectivo Geral Até 2008 as associações locais desenvolvem acções inovadoras de envolvimento da população e consolidam a sua actividade Em 2006 todas as associações do concelhio participam na Mostra do Associativismo A comunidade conhece as actividades das associações locais As associações adquirem novos sócios Dinamização das associações menos activas Câmara Municipal de Vieira do Minho Cronograma Julho de Número de associações que participam - Número de visitantes - Número de espectadores nas actividades Plano de Acção

21 Eixo de Desenvolvimento 4: Relações de parceria e envolvimento interinstitucional Neste Eixo de Desenvolvimento a intervenção irá incidir sobre os seguintes problemas, detectados no Diagnóstico Social e considerados como prioritários no Plano de Desenvolvimento Social: 1. Reduzida sensibilização para as potencialidades do trabalho em parceria 2. Manutenção da lógica de que cada entidade deve trabalhar para o seu serviço ou freguesia Projecto Realização de 3 sessões sobre intervenção concertada e participada Objectivo Geral Em 2006 consolidar o trabalho junto dos dirigentes locais e lideranças sociais, para a promoção e reforço das acções integrantes da Rede Social de Vieira do Minho Em % dos dirigentes locais e lideranças sociais frequentam acções de sensibilização para as questões do desenvolvimento local Consolidar a metodologia da rede social 80% do elementos das CSIF assistem às sessões Projectos de Vida e NE da Rede Social Cronograma Marçode Número de dirigentes locais envolvidos - Número de sessões realizadas - Grau de satisfação dos participantes Projecto Realização de 1 Encontro na área do planeamento estratégico e Objectivo Geral A partir de 2006 estão criadas as condições para a mobilização e motivação do corpo técnico para a efectivação concreta da Rede Social no concelho. Em 2006 os técnicos sociais, com actuação no concelho, têm formação relativamente ao trabalho de parceria, desenvolvimento sustentado e planeamento estratégico Envolver mais de 80% dos técnicos locais Projectos de Vida e NE da Rede Social Cronograma Outubro de Número de participantes - Grau de interesse dos participantes - Pertinência dos assuntos abordados Plano de Acção

22 Projecto Constituição e dinamização de um Observatório Social Local Objectivo Geral Promover a consciência colectiva face aos problemas/necessidades e recursos/potencialidades do concelho. Em 2006 os dados obtidos no âmbito do Programa Rede Social são divulgados e colocados à disposição de todos os elementos do CLAS Divulgar a informação Actualizar o diagnóstico NE da Rede Social Cronograma Até Dezembro de 2006 Execução da tarefa Projecto Lançamento de um boletim anual de divulgação das iniciativas da Rede Social e das estratégias locais de cidadania activa Objectivo Geral Promover a consciência colectiva face aos problemas/necessidades e recursos/potencialidades do concelho. Em 2006 os dados obtidos no âmbito do Programa Rede Social são divulgados e colocados à disposição de todos os elementos do CLAS Divulgar a informação Actualizar o diagnóstico Fazer a anual NE da Rede Social Cronograma Dezembro de 2006 Execução da tarefa Projecto Criação de um LINK da Rede Social de Vieira do Minho Objectivo Geral Promover a consciência colectiva face aos problemas/necessidades e recursos/potencialidades do concelho. Em 2006 os documentos produzidos no âmbito do Programa Rede Social são divulgados e colocados à disposição de todos os elementos do CLAS Divulgar a informação Actualizar o diagnóstico NE da Rede Social Cronograma Até Dezembro de 2006 Execução da tarefa Plano de Acção

23 Cronograma das Acções Plano de Acção

24 Eixo de Desenvolvimento 1 Situações de Risco Social Código Acção Cronograma J F M A M J J A S O N D Constituição de uma equipa multidisciplinar para acompanhamento na área da deficiência X X X Iniciar o processo de criação de uma instituição específica para trabalhar com a população com deficiência X X X X X X X X X X X X Sessão de informação para entidades empregadoras sobre os apoios existentes à contratação da pessoa com deficiência X Três sessões de divulgação do trabalho da CPCJ, através da articulação com as CSIF X Workshops para técnicos na área actuação sobre a violência doméstica e negligência familiar X Implementação de um programa de prevenção e acompanhamento para famílias identificadas pela CPCJ e RSI X X X X X X X X X X X X Implementar o programa Mais Jovem X X X X Criar um Gabinete de Apoio na área do Planeamento Familiar X X X X Animação de 1 campo de férias X Elaboração de um estudo sobre a problemática do concelho em Vieira do Minho X X X X X X X X X X X X Programa de Prevenção Primária do Alcoolismo X X X X X X X X X X X Wokshops para técnicos na área do alcoolismo X 1.4. Projecto Incluir programa Escolhas 2ª Geração X X X X X X X X X X X X 1.5. Construção de novas habitações sociais X X X X X X X X X X X Plano de Acção

25 Eixo de Desenvolvimento 2 Empregabilidade e Formação Profissional Código Acção Cronograma J F M A M J J A S O N D sessões para desempregados sobre técnicas activas de procura de emprego X X Candidaturas para formação profissional: Limpeza e Vigilância das florestas, Guia turístico Programa de Avaliação das acções de formação X X X X X X X I Encontro Anual de Empresários de Vieira do Minho X Criação de um espaço atractivo para exposição dos produtos autóctones Apoio à constituição de uma empresa (com actuação em área estratégica para o desenvolvimento do concelho) X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Plano de Acção

26 Eixo de Intervenção 3 Equipamentos de Tempos Livres e Serviços Sociais Código Acção Cronograma J F M A M J J A S O N D Constituir e dinamizar 5 Espaços de convívio nas CSIF X X X X X X X X X X X X Dinamizar a Semana Sénior X Implementar o projecto Vieira em Movimento X X X X X X X X X X X Encontro Ibérico de Geriatria X Implementação do Telealarme X X X X X X X X X X X Dinamização da Unidade Móvel de Atendimento X X X X X X X X X X ª edição da formação para auxiliares do SAD X X Candidatura à valência de um Centro Comunitário X X X X X X X X X X X Criação de uma Bolsa de Voluntariado (Jovem e Sénior) X X X X X X X X X X X II Mostra do Associativismo X Plano de Acção

27 Eixo de Intervenção 4 Relações de Parceria e Envolvimento Inter Institucional Código Acção Cronograma J F M A M J J A S O N D sessões sobre Intervenção Planeada e Concertada X Encontro na área do Planeamento Estratégico e Avaliação X Constituição e dinamização de um Observatório Social Local X X X X X X X X X X X Lançamento de um Boletim Anual X Criação e dinamização de um Link da Rede Social X X X X X X X X X X X X Plano de Acção

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010 Conselho Local de Ação Social de Monção Conselho Local de Ação Social de Monção CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Atualmente a Rede Social de Monção conta

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Conselho de Parceiros

Conselho de Parceiros Conselho de Parceiros 26 de Novembro de 2010 Centro Cultural e de Congressos de Aveiro 15 de Outubro de 2010 - Centro Cultural e de Congressos de Aveiro Acção 1 - Intervenção Psicossocial Acompanhamento

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

QUAL É O NOSSO OBJETIVO?

QUAL É O NOSSO OBJETIVO? QUAL É O NOSSO OBJETIVO? Criar um Modelo Inovador Sustentável, de participação ativa e compromisso comunitário, de Solidariedade Social Local, de forma a poder transferi-lo a outros contextos de Portugal

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros

PROBLEMAS SOCIAIS. Recursos Humanos / Parceiros PROBLEMAS SOCIAIS Actividades 1. 1.1 Definição do Projecto Gabinete de Apoio à Família. 1.2 Procura de Fontes de Financiamento. 1.3 Funcionamento do Gabinete. Calendarização Abr-Mai Set-Dez Recursos Humanos

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo

Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira. Núcleo Executivo Conselho Local de Ação Social de Vila Nova de Cerveira Núcleo Executivo 2 CLAS de Vila Nova de Cerveira Plano de Ação de 2015 Índice Nota Prévia... 6 Sumário... 7 Metodologia... 7 Planificação... 8 EIXO

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação

Plano de Formação Sensibilização / Informação Plano de Formação 2008 Acção de Formação/ Dinamização Parcerias Partilha de Informação SETEMBRO Última Semana Dirigentes das Dirigentes e - Contactar Dr.ª Rosinha Madeira Saúde da U.A.) União das IPSS

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV Entidade Promotora Entidade Co-Promotora e Co-Financiadora Entidade Co-Promotora e Co-Avaliadora Entidade Financiadora Entidade Co- Financiadora Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico. Crescente

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais