ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17"

Transcrição

1 CLAS de Boticas

2 ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização do Sector Turístico e Cultural página 15 Avaliação página 17 1

3 INTRODUÇÃO O decorre do Plano de Desenvolvimento Social , que se caracteriza como matriz de intervenção social, a nível local. Este define 3 Eixos estratégicos de intervenção, identificando objetivos, ações, entidades, cronograma e indicadores. O Plano de Ação pretende ser um documento de Planeamento Anual, com abrangência multissectorial, de âmbito alargado e exequível, implicando uma dimensão de contratualização entre os parceiros, exigindo um processo ativo e participado. Na elaboração deste Plano de Ação, esteve subjacente o novo Diagnóstico Social 2012 como instrumento de monitorização da realidade social do Concelho, bem como a intenção da exequibilidade, a rentabilização e a mobilização de recursos físicos e materiais. A metodologia seguida para a elaboração deste Plano de Ação assentou numa discussão ampla e ativa que se iniciou no Núcleo Executivo e que se alargou ao Conselho Local de Ação Social, culminando na conceção de um Plano de Ação exequível e realista. O Plano de Ação surge assim como um domínio operativo do Plano de Desenvolvimento Social, que seria continuamente monitorizado pela equipa técnica do Núcleo Operativo. Por fim importa referir que o documento apresentado se propõe contribuir para o Desenvolvimento Social Concelhio e sendo um documento aberto, ao longo da sua execução, respeitando a sua dinâmica, podem ser incluídos outros projetos/ações enquadráveis no âmbito da Rede Social. 2

4 Resumo do Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis Eixo II Qualificação e Empreendedorismo Eixo III Dinamização do Sector Turístico e Cultural 1. Fomentar as prestações de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos 2. Impulsionar o desenvolvimento e a proteção das Crianças e Jovens 1. Valorizar a via formativa 2. Estimular a inserção e manutenção no mercado de trabalho 1. Promover e divulgar a imagem do Concelho, valorizando os recursos naturais 3. Reforçar a proteção a Agregados familiares em situação de fragilidade social 4. Promover Ações para a saúde, junto de grupos com comportamentos aditivos 3

5 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis 1. Fomentar as prestações de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos 2. Impulsionar o desenvolvimento e a proteção das Crianças e Jovens 3. Reforçar a proteção a Agregados familiares em situação de fragilidade social 4. Promover Ações para a saúde, junto de grupos com comportamentos aditivos ENQUADRAMENTO Pontos Fracos/Ameaças identificadas no Diagnóstico Social 2012 População envelhecida Dificuldades de acesso aos cuidados de saúde Aumento de famílias em situação de pobreza e exclusão social Dispersão geográfica Isolamento Falta de retaguarda familiar Desrespeito pelos direitos das crianças e jovens Dependências (álcool, drogas, etc) Desresponsabilização dos pais na educação dos filhos Lista de espera em Respostas sociais com alojamento 4

6 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo 1. Valorizar a via formativa 2. Estimular a inserção e manutenção no mercado de trabalho ENQUADRAMENTO Pontos Fracos/Ameaças identificadas no Diagnóstico Social 2012 Nível de escolarização pouco elevado Fraca oferta de formação profissional/profissionalizante Diminuição das competências de empregabilidade Trabalho precário Aumento da taxa de desemprego/ falta de oferta de emprego 5

7 Eixo III Dinamização do Sector Turístico e Cultural 1. Promover e divulgar a imagem do Concelho, valorizando os recursos naturais ENQUADRAMENTO Pontos Fracos/Ameaças identificadas no Diagnóstico Social 2012 Parque Habitacional envelhecido Êxodo rural Interioridade Restrições orçamentais 6

8 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis Objetivo Ação Entidades Cronograma Indicadores 1. Fomentar a prestação de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos Gabinetes itinerantes de apoio ao Munícipe Programa Idosos em Segurança Comemoração do Dia do Idoso Encontro do Natal do Idoso Complemento Solidário para idosos Unidade de Cuidados Continuados Unidade Móvel de Saúde Alargamento das diferentes respostas sociais Comissão Municipal de Proteção de pessoas Idosas que beneficiaram do serviço e Guarda Nacional Número de idosos Republicana identificados e Santa Casa da Número de idosos junho Misericórdia que participaram e Santa Casa da Número de idosos Misericórdia que participaram Número de idosos Segurança Social que beneficiaram do Complemento Santa Casa da Misericórdia Abertura Centro de Saúde, Santa Casa da Misericórdia e que beneficiaram do serviço Santa Casa da Misericórdia Aprovação da candidatura, Guarda Nacional Número de Idosos Republicana, Juntas de acompanhados 7

9 2. Impulsionar o desenvolvimento e a proteção das Crianças e Jovens Freguesia, Centro de Saúde, Santa Casa da Misericórdia e Segurança Social Enxoval do Bebé Subsídio de Natalidade Prendas de Natal aos alunos do Ensino Pré-escolar e 1º ciclo Ação Social Escolar aos alunos do Pré-Escolar e 1º Ciclo Bolsa de Estudo a alunos do Ensino Superior, em Território Nacional Bolsa de Estudo a alunos do Ensino Superior, em regime de mobilidade Internacional Prémio aos melhores alunos do e Agrupamento de 2º e 3º ciclos, do Agrupamento Escolas Gomes Monteiro de Escolas Gomes Monteiro Atividades de enriquecimento e Agrupamento de curricular no 1º ciclo Escolas Gomes Monteiro Número de bebés que beneficiaram do enxoval que beneficiaram do subsídio que receberam prendas que beneficiaram da Ação social escolar Número de jovens a beneficiar da Bolsa Número de jovens a beneficiar da Bolsa Número de alunos que beneficiaram dos prémios Número de alunos que frequentaram as atividades 8

10 Atividades de componente de apoio à Família no ensino préescolar e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro Número de alunos que frequentaram as atividades Visita de Estudo dos alunos do 4º ano a Lisboa e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro maio e jovens que participaram, Agrupamento de Intercâmbio escolar com alunos do 3.º ciclo do Ensino Básico Escolas Gomes Monteiro e Collége René Cassin Gond- 1.º semestre Número de alunos que participaram Pontouvre, Agrupamento de Escolas Programa Heróis da Fruta Gomes Monteiro, Centro de 1.º semestre e jovens que Saúde e Santa Casa da participaram Misericórdia Número de ações de Promoção da alimentação saudável Centro de Saúde e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro sensibilização, número de crianças e jovens que participaram Número de ações de Promoção da saúde oral/ Tratamentos de cáries Centro de Saúde e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro sensibilização, número de crianças e jovens que participaram Programa PASSEZINHO Centro de Saúde e Agrupamento de Escolas que participaram 9

11 Gomes Monteiro Número de ações de Centro de Saúde e sensibilização, Programa PASSE 3 Agrupamento de Escolas número de crianças Gomes Monteiro que participaram Avaliação do Índice de massa Centro de Saúde e corporal/rastreio de obesidade Agrupamento de Escolas que participaram infantil Gomes Monteiro e Agrupamento de Desfile de Carnaval fevereiro e jovens que Escolas Gomes Monteiro participaram Festa de Natal do Agrupamento e Agrupamento de de Escolas Gomes Monteiro de e jovens que Escolas Gomes Monteiro Boticas participaram Atividades desportivas e jovens que participaram Programa Atividades de Verão julho a 2014 setembro que participaram Colónia de Férias de Verão, para e jovens que e Segurança Social setembro crianças e jovens do Concelho beneficiaram da Colónia Boticas Mexe 2014, Programa de julho e Ocupação de Tempos Livres e jovens que agosto Municipal participaram Programa Juventude em Ação e Comité de Número de 10

12 3. Reforçar a proteção de Agregados familiares em situação de fragilidade social Jumelage Gond Pontouvre CPCJ,, Segurança Social, Santa Casa da Divulgação da atividade da CPCJ de Boticas na Comunidade Misericórdia, Centro de Saúde e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro Alargamento das diferentes respostas sociais Santa Casa da Misericórdia Cartão Social do Munícipe Apoio a estratos sociais desfavorecidos abril a, Segurança Social, Santa Casa da Misericórdia, Cantina Social Centro de Saúde e Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro Candidatura ao Fundo Europeu Santa Casa da Misericórdia, de auxílio a carenciados e Segurança Social Serviços de Informação e Mediação para Pessoas com Deficiência ou Incapacidade (SIM-PD) Apoio à Conservação de Habitações Degradadas de Pessoas Carenciadas do de Boticas participantes Número de ações Aprovação da candidatura Número de beneficiários Número de beneficiários que beneficiaram das refeições que beneficiaram que beneficiaram dos serviços que beneficiaram do Apoio 11

13 4.Promover e desenvolver ações de educação para a saúde, junto de grupos com comportamentos aditivos Gabinete Psicossocial que beneficiaram Promover momentos de reflexão, Segurança Social, Santa Casa da Misericórdia, associados a problemáticas da Centro de Saúde, CPCJ e Infância e Juventude que participaram Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro Elaboração e acompanhamento Número de de contratos de Inserção com NLI indivíduos e famílias beneficiários Preparação para o Parto/ Número de Centro de Saúde puerpério parentalidade participantes Visita ao Centro Hospitalar de Vila Real Serviço de Obstetrícia Centro de Saúde e Número de grávidas Sensibilização e informação Número de ações, sobre o consumo de substâncias Centro de Saúde número de pessoas aditivas que participaram Encaminhamento e tratamento Centro de Saúde, Segurança reencaminhadas de consumidores aditos Social e para tratamento 12

14 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo Objetivo Ação Entidades Cronograma Indicadores 1. Valorizar a via formativa Projeto integrado de Agrupamento de Escolas educação e formação (PIEF) 2.º semestre Realização da ação Gomes Monteiro 2.º ciclo e Centro de Funcionamento de cursos EFA Emprego e Formação março a Profissional do Alto Trásos-Montes que frequentaram e Centro de Funcionamento de cursos de Emprego e Formação abril a Formação Modular Vida Profissional do Alto Trásos-Montes novembro que frequentaram ativa e Centro de Funcionamento de cursos de Formação para inclusão Emprego e Formação Profissional do Alto Trásos-Montes fevereiro a abril que frequentaram Criação de 2 turmas de março a formação modelar certificada Santa Casa da Misericórdia que frequentaram no âmbito do POPH Curso de hotelaria e e ACISAT abril a novembro 13

15 restauração que frequentaram, Santa Casa da Misericórdia, Segurança Projeto BoticasQualifica+ - CLDS+ Social, Centro de Saúde e Instituto de Emprego e Número de ações Formação Profissional do Alto Trás-os-Montes, Santa Casa da Candidatura a estágios profissionais, para jovens licenciados Misericórdia e Instituto de Emprego e Formação Profissional do Alto Trás- Número de candidaturas, número de estágios realizados os-montes 2. Promover a inserção e manutenção no mercado de trabalho Candidatura ao programa emprego inserção +, Segurança Social, Santa Casa da Misericórdia e Instituto de Emprego e Formação Profissional do Alto Trás- Número de candidaturas, número de beneficiários os-montes Programa de ocupação temporária de jovens Número de beneficiários 14

16 Eixo III Dinamização do Sector Turístico e Cultural Objetivo Ação Entidades Cronograma Indicadores 1. Promover e divulgar a imagem do Concelho, valorizando os recursos naturais Parque de Natureza e Biodiversidade Número de ações Hora do Planeta março Realização da ação Sinalização de datas comemorativas Realização das ações Semana da Leitura abril Realização da ação Centro de documentação e interpretação da arte castreja Número de ações Centro de Interpretação do Parque Arqueológico do Vale Número de ações do Terva Rede de casas do conhecimento Número de ações EcoMuseu Museu Rural de Boticas Número de ações Hotel Rural de Boticas Abertura ao público Centro de Artes Nadir Afonso Número de ações 15

17 Exposição e venda de artesanato na Loja interativa que visitaram o Posto de Turismo de Turismo Feira Gastronómica do Porco janeiro Realização da Feira Encontro de Cantadores de Reis/Janeiras janeiro Realização do Encontro Festival de Folclore do Concelho de Boticas agosto Realização do Festival Torneio Concelhio de Futsal julho e agosto Realização do Torneio Visitas de intercâmbio Número de visitas enquadradas nos protocolos efetuadas de geminação Elaboração da agenda cultural Elaboração da agenda Divulgação, das atividades do, através do sítio do e página no Número de visitas Facebook 16

18 AVALIAÇÃO A avaliação do Plano de Ação é um instrumento fundamental para um acompanhamento regular da execução dos objetivos, estratégias e ações definidas nos instrumentos de trabalho da Rede Social. A avaliação é um instrumento de reflexão e de aprendizagem para a parceria, um instrumento imprescindível para o planeamento das intervenções subsequentes, identificando pontos de reorientação ou reforço das ações. Só com um acompanhamento regular é possível ter conhecimento do trabalho que está a ser realizado, se os objetivos estão ou não a ser atingidos, e se há necessidades de fazer alterações ou reajustamento. Assim para se fazer a avaliação será utilizada a seguinte grelha de avaliação: Objetivo Ação Cronograma Indicadores Observações Previsto Realizado 17

19 Aprovado em Reunião do Conselho Local de Ação Social de Boticas, no dia 28 de março de 2014 Aprovado em Reunião de Câmara, no dia 2 de abril de

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

1. Fomentar a prestação de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos

1. Fomentar a prestação de cuidados básicos e de saúde, assim como a interação e inclusão social dos Idosos Conselho Local de Ação Social de Boticas ÍNDICE Introdução Resumo do Eixo I Melhoria da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis Eixo II Promoção da Educação e Formação Eixo III Empreendedorismo e Fixação

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL PLANO DE AÇÃO ANUAL 2012 dezembro de 2011 a junho 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL Público-alvo: Beneficiários Do Rendimento Social de Inserção Nº de Participantes: 16 Horário: 9h00-17h30 Contacto: 249

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento Plano de Desenvolvimento Social Índice 1-Introdução... 6 2-Enquadramento Metodológico... 8 3-Articulação do Plano de Desenvolvimento com as Politicas e Medidas Nacionais... 9 4. Eixos de Intervenção...

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba 2015 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2015 s parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de ): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Famalicão Cidade Educadora Vila Nova de Famalicão, cidade educadora, aderente ao movimento das Cidades Educadoras,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO Projeto Objetivos Metas Indicadores Ações - Preencher as fichas de inscrição no site http://empregar.ire.gov.p; População Alvo Recursos Humanos Materiais

Leia mais

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior Rede Social de Pombal de Pombal Largo do Cardal 3100-440 Pombal Plano de Acção Ano 2011 Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Graça, Tânia. Experiência profissional. Apelido / Nome(s)

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Graça, Tânia. Experiência profissional. Apelido / Nome(s) Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido / Nome(s) Morada Rua Ricardo Durão,79 2090-137 Alpiarça Telemóvel 926944712 Correio electrónico taniagraca@gmail.com Nacionalidade Portuguesa de nascimento 26.08.1982

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede

Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede Associação Humanitária de Bombeiros de Parede Amadeu Duarte Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede 25 de Março de 2015 1 Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) OCIDENTAL urbano costeiro rural

Leia mais

Crescimento inclusivo

Crescimento inclusivo Crescimento inclusivo - Exemplo Supramunicpal Pacto Empregabilidade CIM Tâmega e Sousa - Exemplo Municipal Plano Municipal Solidário de Penafiel Uma definição conjunto de ações e comportamentos estabelecidos

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Plano de Acção 2007/2008

Plano de Acção 2007/2008 Conselho Local de Acção Social de Trancoso Junho 2007 Nota de Apresentação O presente documento constitui-se como o primeiro Plano de Acção, elaborado para os anos de 2007/2008, para o Concelho de Trancoso,

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009 PLANO DE ACÇÃO Março Plano Acção Plano Acção Acções Actividas Elaborar e aprovar o Plano Acção Actualização do Diagnóstico Social do Concelho Reuniões trabalho para elaborar o Plano Acção Apresentação,

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014 Uma estratégia para O Projeto Educativo Local O que é um PMMEE? O Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola consiste num conjunto de objetivos

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2014

PLANO DE AÇÃO 2013/2014 Plano de Ação 2013/ PLANO DE AÇÃO 2013/ 1 Plano de Ação 2013/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009 Eixos de Desenvolviment o Criar Dinâmicas de Apoio ao Envelheciment o Demográfico Objectivos Gerais/Estratégicos Iniciar até ao final de 2005, as actividades necessárias à criação de: uma Unidade Móvel

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha PLANO DE ACÇÃO 2012 Rede Social do Crato Joana Curinha 2 3 O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social.

Leia mais

Suplemento do Boletim Municipal Nº 160 Maio 2010. Almada o teu futuro passa por aqui

Suplemento do Boletim Municipal Nº 160 Maio 2010. Almada o teu futuro passa por aqui Suplemento do Boletim Municipal Nº 160 Maio 2010 Almada o teu futuro passa por aqui Oferta Formativa Profissionalizante Ano Lectivo 2010/2011 Oferta Formativa Profissionalizante Almada o teu futuro passa

Leia mais

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011 O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO Odivelas, 31 de Março de 2011 1 3º SECTOR REFERENCIAL TEORICO- CONCEPTUAL Conceito utilizado pela

Leia mais

ATA DA REUNIÃO. Apresentação da Associação Terras Dentro KIT para a igualdade de género Azul no Rosa

ATA DA REUNIÃO. Apresentação da Associação Terras Dentro KIT para a igualdade de género Azul no Rosa ATA DA REUNIÃO Aos seis dias do mês de março de dois mil e treze, reuniram-se pelas nove e meia horas no edifício da Fundação Joaquim Honório Raposo na Salvada, 38 pessoas num total de 33 instituições,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: Núcleo Executivo da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel.

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 8ª Reunião Ordinária

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 8ª Reunião Ordinária CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 8ª Reunião Ordinária Aos onze dias de Maio de dois mil e doze, pelas catorze horas e quarenta e cinco minutos, reuniu, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o Conselho Municipal

Leia mais

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA ÍNDICE pág. PREÂMBULO 3 HABITAÇÃO E OBRAS, ESPAÇO PÚBLICO, TRÂNSITO, ESTACIONAMENTO E SEGURANÇA 3 Habitação e Obras 3 Espaço Público, Trânsito, Estacionamento

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2008 ÍNDICE Considerações Gerais 3 PROJECTOS DO EIXO 1: Melhorar as Condições de Vida dos Idosos e sua Integração na Comunidade 1.1 PCHI Programa

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social.

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide Programa Rede Social Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide (período 2006-2009) Julho de 2006 Projecto co-financiado pelo Fundo

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Índice. - Introdução. 3. - Cronograma 4-5. - Capítulo 1 Plano de Atividades 2015-2016. 6-38

Índice. - Introdução. 3. - Cronograma 4-5. - Capítulo 1 Plano de Atividades 2015-2016. 6-38 1 2015-2016 Índice - Introdução. 3 - Cronograma 4-5 - Capítulo 1 Plano de Atividades 2015-2016. 6-38 2 Introdução O Município de Paços de Ferreira, assumindo-se como uma Cidade Educadora, respeitando um

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora A Rede Social no Contexto da RAA 2013 A Reconfiguração do Território da Amadora 1. Reorganização Administrativa 2. Reconfiguração Gestão Territorial 3. Retrato Social Municipal 4. Rede Social Novas Freguesias

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2012

PLANO DE ATIVIDADES 2012 PROMOÇÃO DA CIDADANIA SÉNIOR Grupo de trabalho pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade PLANO DE ATIVIDADES 2012 Peniche Certos de que estamos perante um dos desafios mais relevantes do século

Leia mais

PPA 2010 / 2013 Resumo por Função/Subfunção. 031 - Ação Legislativa 151.440

PPA 2010 / 2013 Resumo por Função/Subfunção. 031 - Ação Legislativa 151.440 Página:1/19 FUNÇÃO : 01 - Legislativa 151.440 031 - Ação Legislativa 151.440 Página:2/19 FUNÇÃO : 04 - Administração 1.204.940 122 - Administração Geral 1.117.758 126 - Tecnologia da Informação 58.263

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 1 Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 2 Anexo F Normas de Funcionamento do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Índice... 1. I. Introdução... 2. II. Orientações Gerais... 2

Índice... 1. I. Introdução... 2. II. Orientações Gerais... 2 Índice Índice... 1 I. Introdução... 2 II. Orientações Gerais... 2 1. Solidariedade e Ação Social... 3 2. Desenvolvimento Económico... 4 3. Qualidade de Vida... 5 4. Modernização Administrativa e Gestão

Leia mais

Ramos Coelho, Cristina Maria

Ramos Coelho, Cristina Maria Curriculum EUROPASSE Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Ramos Coelho, Cristina Maria Avenida Pio XII, Lt A, 5º D, 7300-073 Portalegre Telefone 245362348 / 933410973 Endereço

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

O Plano Regional Integra:

O Plano Regional Integra: O Plano Regional Integra: 1. Acções estratégicas de combate à pobreza e exclusão social com efeitos a médio e longo prazo; 2. Acções/eventos com o objectivo de mobilizar e envolver a sociedade civil desenvolvidas

Leia mais

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1 P á g i n a 1 Inova Jovens Criativos, Empreendedores para o Século XXI DGIDC Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação e Ciência IPDJ Instituto Português do Desporto

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO Mais importante do que a sua forma jurídica, o que distingue as empresas da economia social é o primado do objecto social sobre a maximização do lucro. E a satisfação de necessidades que outros sectores

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS

CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS CONCURSO ANUAL DE IDEIAS PARA JOVENS REGULAMENTO ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVO EIXOS DE INTERVENÇÃO 4 PARTICIPANTES 5 CALENDARIZAÇÃO 4 PROCEDIMENTOS CONCURSAIS 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5 8 AVALIAÇÃO 9

Leia mais

Empreendedorismo Negócios

Empreendedorismo Negócios CONCURSO DE IDEIAS Empreendedorismo Negócios Enquadramento O Concurso de Ideias apresenta como objetivo desenvolver o espírito empreendedor da população em geral, contribuindo desta forma para a promoção

Leia mais

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora»

Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora» Normas de Participação no Concurso Jovens Talentos - «Almada, Cidade Educadora» 1. Disposições Gerais A Câmara Municipal de Almada promove o «Concurso Jovens Talentos 2012 - Almada, Cidade Educadora» com

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014

Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014 Plano de Atividades da Comissão Nacional para os Direitos Humanos (CNDH) para 2014 1. Coordenação dos vários membros da CNDH, com vista ao cumprimento pelo Estado Português das suas obrigações em matéria

Leia mais

Caminhar - Associação Cristã de Apoio Social Caracterização e histórico

Caminhar - Associação Cristã de Apoio Social Caracterização e histórico Caminhar - Associação Cristã de Apoio Social Caracterização e histórico ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL A CAMINHAR Associação Cristã de Apoio Social é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS),

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Programa REDE SOCIAL Arruda dos Vinhos, 13 de março de 2013 EIXO 1 - Qualificar o Nível de Vida das Pessoas Problema Objetivo Especifico Ações Dificuldade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

ANIMAR propõe forte investimento na pequena produção agrícola e programas de dinamização da economia local

ANIMAR propõe forte investimento na pequena produção agrícola e programas de dinamização da economia local BOLETIM DE INFORMAÇÃO E LIGAÇÃO DA REDE ANIMAR ANO IV JAN./MAIO 2010 Nº 13 ANIMAR propõe forte investimento na pequena produção agrícola e programas de dinamização da economia local Uma delegação da ANIMAR

Leia mais

INTRODUÇÃO. O Projeto Educativo representa a base e enquadramento de toda a atividade educativa da Creche.

INTRODUÇÃO. O Projeto Educativo representa a base e enquadramento de toda a atividade educativa da Creche. INTRODUÇÃO O Projeto Educativo representa a base e enquadramento de toda a atividade educativa da Creche. É, na sua especificidade, o instrumento base de referência permanente ao qual todo o sistema educativo

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Data: 10 de dezembro de 2015 Local: Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal Horário: 9.30 horas

Data: 10 de dezembro de 2015 Local: Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal Horário: 9.30 horas 55.ª Reunião plenária ordinária do Conselho Local de Ação Social do Seixal - Comemorações do Dia dos Direitos Humanos e inauguração da Exposição da Manta da Igualdade Data: 10 de dezembro de 2015 Local:

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia da Marinha Grande. Plano estratégico

Santa Casa da Misericórdia da Marinha Grande. Plano estratégico Santa Casa da Misericórdia da Marinha Grande Plano estratégico 2016-2018 Índice ÍNDICE... 3 1 - INTRODUÇÃO... 5 2 - CARATERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO... 5 3 - ANÁLISE SWOT... 6 4 - EIXOS ESTRATÉGICOS... 7

Leia mais

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 Proposta de Plano de Atividades do Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 1. Introdução A Lei de bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por:

Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por: Execução do Trabalho: Núcleo Executivo constituído por: Dúlio Gouveia Ferreira Pimenta, pela Câmara Municipal de Arganil; José Dias Coimbra, pela Santa Casa da Misericórdia de Arganil; Fernanda Maria Figueiredo

Leia mais

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010 ------------------------------------- ACTA N.º 13/2010 -------------------------------------- -------- Aos 19 dias do mês de Maio de 2010, pelas 10 horas, no Salão Nobre dos Paços do Município de Celorico

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES)

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) As Atividades Acadêmico Científico Culturais (denominadas Atividades Complementares) têm como objetivo estimular no acadêmico na obtenção

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Mãos na Massa Plano Anual de Atividades 2014/2015 Equipa pedagógica do Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Introdução O Plano Anual de Atividades é um documento orientador de uma dinâmica comum

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO PARECER FAVORÁVEL DO CONSELHO PEDAGÓGICO AVE/ESAIC, EM 3.SETEMBRO.2015 APROVADO EM CONSELHO GERAL, EM 29. SETEMBRO. 2015 I - Enquadramento O concelho

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais