Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas"

Transcrição

1 Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho de forma empenhada e dedicada, num quotidiano, muitas vezes difícil e quase sempre discreto. Para a Junta de Freguesia de Odivelas, é particularmente importante encontrar instrumentos que possibilitem a análise da realidade e bases de trabalho para projectar intervenções no futuro. É fundamental que esses instrumentos sejam construídos por todos os actores sociais e acessíveis a todos através de uma intervenção concertada, em parceria e em proximidade. Os profissionais de Serviço Social dedicam-se ao trabalho em prol do bem-estar e da realização pessoal dos seres humanos, ao desenvolvimento e utilização disciplinada do conhecimento cientifico relativo ao comportamento das pessoas e sociedades, ao desenvolvimento de recursos destinados a satisfazer necessidades e aspirações individuais, colectivas, nacionais e internacionais e à realização da justiça social. Para a Junta Freguesia de Odivelas, consciente das desigualdades subjacentes à problemática da pobreza e da exclusão social, torna-se imprescindível dar particular atenção às questões de âmbito social, educativo, cultural e recreativo, com o compromisso de uma continuada e progressiva inclusão pela melhoria das condições de vida das pessoas e dos seus agregados familiares. Tendo em conta o que foi referido anteriormente, e de acordo com as possibilidades de intervenção, a Junta Freguesia de Odivelas sentiu a necessidade de constituir a Comissão Social de Freguesia. A Comissão Social de Freguesia de Odivelas foi criada no passado dia 4 de Setembro de 2007 por esta Junta de Freguesia, prevista no Programa da Rede Social criado através da Resolução do Conselho de Ministros Nº. 197/97, de 18 de Novembro, e o apoio à sua implementação regulamentado através do Despacho Normativo N.º 8/2002, de 12 de Fevereiro. Em 14 de Junho de 2006 foi publicado o Decreto-Lei N.º 115/2006, que veio regulamentar a Rede Social definindo o seu funcionamento e as 1

2 competências dos seus órgãos. A prossecução dos objectivos da Rede Social pressupõe a constituição de dois órgãos: Concelho Local de Acção Social e a Comissão Social de Freguesia. Esta Comissão Social de Freguesia foi criada tendo como finalidade o planeamento de forma integrada e participada com o intuito de implementar iniciativas de desenvolvimento social local, consciencializando a população para os diferentes problemas existentes na Freguesia. A partir da constituição desta Comissão pretendeu-se definir prioridades através de uma planificação integrada, assim como avaliar e implementar políticas de coesão e inclusão social para o combate e erradicação da pobreza e da exclusão social de forma mais eficaz. A Comissão Social de Freguesia de Odivelas pretende promover as parcerias de terreno que, de uma forma articulada, possam contribuir para uma união de esforços, sendo esta certamente uma forma de se conseguir uma actuação efectiva que contribua para o diagnóstico das necessidades locais e para o planeamento de acções futuras, tendo em vista o desenvolvimento local. Para a possível concretização dos aspectos acima mencionados, a Junta de Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas tem de congregar esforços, coordenar recursos e estratégias de intervenção, de forma a, progressivamente, inverter a tradicional sobreposição e segmentação de respostas e serviços a nível da Freguesia. Assim, tornou-se crucial a realização de um documento fiável (Diagnóstico Social) que retrata a realidade do conjunto de áreas temáticas, nomeadamente a área demográfica/populacional, associativismo/equipamentos desportivos e recreativos, saúde, educação, acção social, emprego, segurança. Com este diagnóstico pretendeu-se aprofundar a compreensão da intervenção do Serviço Social, no contexto do modelo de desenvolvimento presente, da dinâmica dos problemas sociais e das políticas sociais, potenciar a integração e reflexão de conhecimentos teórico-técnicos no âmbito da intervenção do Serviço Social, assim como situar e analisar a prática profissional em áreas e problemáticas específicas propostos por esta Comissão Social de Freguesia. 2

3 Como tal, para ser possível a elaboração deste documento contou-se com o apoio de diversas entidades que se disponibilizaram a fornecer dados e informações. O presente Diagnóstico é composto por quatro partes: parte I, é desenvolvido todo o percurso metodológico aplicado no decorrer do Diagnóstico; parte II, é efectuada uma breve apresentação histórica da Freguesia de Odivelas; parte III, esclarecimento e definição de conceitos para melhor compreensão do conteúdo do Diagnóstico Social, pois estes são focados ao longo do mesmo; parte IV, procede-se à caracterização da freguesia de Odivelas, em que são apresentados os dados estatísticos referentes aos dados geográficos, demográficos e populacionais; associativismo e equipamentos desportivos, recreativos e culturais; educação; acção social; habitação; idosos/pessoas em situação de dependência; reabilitação e integração de pessoas com deficiência; segurança; saúde; toxicodependência; pessoas infectadas com o vírus VIH/Sida e suas famílias; doenças de foro mental. Também nesta parte e como forma de complementar os dados analisados procede-se a uma reflexão acerca de cada sector e analisase a realidade social da freguesia de Odivelas em que são expostas as potencialidades e os constrangimentos. São anunciadas algumas propostas de intervenção a realizar por esta autarquia na realidade social de Odivelas. Após análise e reflexão dos dados recolhidos procede-se à apreciação geral do conteúdo do diagnóstico social, assim como às dificuldades sentidas na realização do diagnóstico social. 3

4 Comissão Social de Freguesia de Odivelas No dia 4 de Setembro de 2007 realizou-se uma reunião com várias entidades da freguesia, no sentido de ser constituída a Comissão Social de Freguesia de Odivelas. Numa 1ª fase, decorreu a elaboração do diagnóstico social da Freguesia que consiste no levantamento das características sócio-económicas da população, bem como das suas necessidades sociais, culturais, educativas e recreativas. A 2ª fase consiste no planeamento de estratégias de intervenção e politicas sociais e numa 3ª fase desenvolve-se a intervenção social com a população. Esta Comissão aparece para que seja possível desenvolver em conjunto com várias entidades projectos/iniciativas de desenvolvimento social local que venham colmatar as necessidades acima mencionadas da população em geral. Objectivos a cumprir pela Comissão Social de Freguesia: Objectivos Gerais: Conhecer a realidade social da Freguesia de Odivelas; potenciar as políticas e metodologias de intervenção social locais no combate à pobreza e exclusão social; promover a inclusão e coesão social. Objectivos Específicos: Elaborar o Diagnóstico Social da Freguesia; promover a articulação com as diversas instituições existentes na freguesia; estabelecer reuniões de parceria com as instituições envolventes na Comissão; desenvolver acções colectivas de circulação de informação relativas aos problemas sociais existentes na freguesia de Odivelas; garantir e promover a participação da população; procurar soluções para os problemas das famílias e pessoas em situação de exclusão social. 4

5 Diligências/Serviços efectuados pela Comissão Social de Freguesia de Odivelas Trabalho realizado: Foram propostas e realizadas 8 reuniões por parte desta Comissão (Núcleo Executivo e Parceiros); 2007/2008; Actualmente: 15 parceiros da Comissão Social de Freguesia de Odivelas: Centro Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos de Odivelas (C.U.R.P.I.O); Associação de Solidariedade Social dos Moradores do Bairro das Patameiras (A.M.O.P.); Casinha Amarela; Centro de Saúde de Odivelas; Lar de Odivelas; Corpo Nacional de Escutas (Agrupamento 69); Associação de Proprietários e Moradores da Encosta da Luz ; Centro Infantil de Odivelas; Centro Distrital de Segurança Social de Lisboa - Instituto da Segurança Social, I.P.; Associação dos Residentes Angolanos no Concelho de Odivelas (ARACODI); Cooperativa Nacional de Apoio a Deficientes (CNAD); Associação das Antigas Alunas do Instituto de Odivelas; Associação de Artesãos D. Dinis; Associação Baboque em Portugal; (Unidade Comunitária de Cuidados Psiquiátricos de Odivelas-UCCPO aguardar); 5 entidades aderentes à comissão aguardam integração no CLASO; Intervenção Social 60 famílias residentes na Freguesia de Odivelas; Iniciativas/Actividades: Realização e Apresentação do Plano de Acção, Junho de 2008, no âmbito social/educativo/cultural/recreativo, Jogos Tradicionais com crianças entre os 8 e os 13 anos, no período de férias escolares; Acção de Sensibilização a pais e encarregados de educação dos alunos de jardim de Infância (Centro Infantil de Odivelas/Centro Infantil da Arroja/ATL-Casinha Amarela/EB 1º Ciclo e JI Maria Lamas) no mês de Dezembro); Rondas Nocturnas aos Sem-Abrigo - quinzenalmente; 5

6 Articulação com o Centro Comunitário e Paroquial de Famões na intervenção social a utentes residentes na Vertente Sul; Articulação com entidades fora da Freguesia de Odivelas: o Passo a Passo com a Criança e a Família Associação de Ajuda Psicossocial; o Câmara Municipal de Lisboa Acção Social o Instituto de Reinserção Social Banco Alimentar: Estudo e análise dos processos de famílias para Banco Alimentar existentes desde 2006 até à presente data; Banco Alimentar usufruem 30 famílias, encontrando-se 14 famílias em lista de espera (valor variável consoante o aparecimento de novas situações de carência social); Acção Social: Marcação e Realização de Atendimentos Sociais aos utentes que usufruem de Banco Alimentar (Terças e Quintas); Marcação e Realização de Visitas Domiciliárias aos mesmos; Análise e Avaliação aos processos de Banco Alimentar; Realização de atendimentos sociais para Inscrição de Cabaz de Natal; Disponibilização de Armação para Óculos gratuitas aos utentes após análise e avaliação social; Usufruto dos serviços da Lavandaria Comunitária pelos utentes após análise e avaliação social; Sinalização de casos para as entidades competentes; Encaminhamentos sociais realizados por parte de outras instituições a solicitarem a intervenção desta Comissão; 6

7 Articulação com diversas entidades existentes na Freguesia no desenvolvimento da intervenção social com os utentes, assim como a realização de encaminhamentos sociais; Gab. Psicologia: Triagem a utentes para Gabinete de Psicologia; Outras Iniciativas: Doação de Produtos de Higiene para criança por parte de Farmácias da Freguesia e da Mustela (Diversas entidades); Doação de Vestuário (Adulto-Criança), Sapatos, Livros, Brinquedos, pelo cidadão comum; Disponibilização aos utentes de produtos de higiene para bebé; Vestuário; Cobertores; Sapatos; Livros; Brinquedos; (sempre que necessário); 7

Composição do Plenário do CLASO

Composição do Plenário do CLASO Composição do Plenário do CLASO 26 de novembro de 2012 Composição do Plenário do CLASO 1. (As) simetrias Associação Portuguesa de Combate à Exclusão Social; 2. Academia Arte & Dança Fitness Club; 3. Agrupamento

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017»

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» A Rede Social foi criada através de uma Resolução do Conselho de Ministros, e 18 de Novembro de 1997, num contexto

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR Reduzir as desigualdades em saúde Garantir um ambiente físico de qualidade Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias Melhorar a saúde

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ACÇÕES CONJUNTAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DO SEIXAL NA ÁREA DA INFÂNCIA 2009 Elaborado por: Isabel Rosinha Seixal, 28 de Setembro de 2009 Página 1 de 19

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Saúde Móvel Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Saúde Móvel Morada Avenida de Ceuta (Sul), Lote

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Escola Nacional de. Saúde Pública

Escola Nacional de. Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública 6º CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA (2002/2004) MÓDULO DE INTRODUÇÃO À PROMOÇÃO E PROTECÇÃO DA SAÚDE CUIDADOS CONTINUADOS DE SAÚDE E APOIO SOCIAL - UMA REFLEXÃO - Elaborado

Leia mais

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007 Plano de Acção da CSIFCPS para Ao nível dos problemas da deestruturação Familiar nas Finalidade 1: Criar uma rede de trabalho articulada de Apoio às Famílias em risco Objectivo Geral 1: Dinamização das

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DO CONCELHO DE VALENÇA Com a emergência de novos processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011 O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO Odivelas, 31 de Março de 2011 1 3º SECTOR REFERENCIAL TEORICO- CONCEPTUAL Conceito utilizado pela

Leia mais

Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva

Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2013/14 A Coordenadora: Maria do Castelo Nunes da Costa INTRODUÇÃO A Saúde é um fator essencial da vida humana. Segundo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais PLANO DE ACÇÃO 2010 EIXOI PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSOS OBJECTIVO GERAL: Requalificação de Equipamentos e Serviços sociais de Apoio a Idosos Objectivos específicos Acções Calendarização

Leia mais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais Capítulo 88 Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo Preâmbulo... 3 Disposições Gerais... 4 Artigo 1.º Âmbito... 4 Artigo 2.º Objetivos... 4 Artigo 3.º

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior:

3. Actividade Pedagógica e Cientifica. 1) Experiência no Ensino Superior Ao Nível do 2º Ciclo do Ensino Superior: 1. Informação Biográfica Naturalidade: Coimbra (Sé Nova) Data de Nascimento: 10 de Fevereiro de 1970 Bilhete de Identidade: 8832094 de 12/10/2004 Coimbra Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: casada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto Ciclo de Seminários de Especialização Avaliação do risco no projecto Enquadramento O Ciclo de Seminários de especialização Avaliação do risco no projecto resulta de uma parceria entre a H.MENEZES Risk

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO ANO ECONÓMICO DE 2010 GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2009 2013 É tempo de um novo mandato autárquico, resultante das eleições do passado

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS Página 1 PREÂMBULO Num contexto marcado por uma profunda crise económica e social, que origina o crescente aumento de situações de pobreza e exclusão

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência Termos de Referência Consultor(a) para Sistematização de Experiências de ONGs para os Direitos das Mulheres, na Guiné-Bissau 1. ENQUADRAMENTO 1.1 A SNV Guiné-Bissau A SNV, Organização Holandesa para o

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL REGULAMENTO. Outubro 2008 Município de S. João da Madeira

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL REGULAMENTO. Outubro 2008 Município de S. João da Madeira CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL REGULAMENTO Outubro 2008 Município de S. João da Madeira PREAMBULO O dealbar de instâncias de intervenção social da tipologia da Rede Social recolhe fundamento teórico da

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 012 Quiosque da Saúde Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias.

B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias. PLANO DE ACÇÃO DA CSF DA PORTELA PARA O Plano de Acção da Comissão Social de Freguesia da Portela para foi idealizado tendo por base, por um lado, as directrizes provenientes do Diagnóstico Social da Freguesia

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2006-2007

PLANO DE ACÇÃO 2006-2007 PLANO DE ACÇÃO 2006-2007 PLANOS DE ACÇÃO POR EIXOS DE DESENVOLVIMENTO EIXO I PROMOÇÃO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS Acções Actividades Operacionalizar a Associação Empresarial do Concelho Criação de uma página

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

Índice. Guia de Recursos para o Desenvolvimento Social

Índice. Guia de Recursos para o Desenvolvimento Social Índice Índice Índice Introdução...2 I - Guião Orientador de Consulta do Guia...4 II - Medidas/Programas A - Áreas de Intervenção...5 1. Segurança Social (Prestações Sociais)...9 2. Educação...48 3. Emprego

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

Qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

Qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui Qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwer tyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui Manual de Procedimentos das Atividades de Animação e de opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

Programação de equipamentos colectivos

Programação de equipamentos colectivos Programação de equipamentos colectivos Definição e tipologia Conceitos associados à programação de equipamentos Critérios de programação, dimensionamento e localização; exemplos Instituto Superior Técnico/Departamento

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA GUIMARÃES CONCURSO SISTEMA DE IDENTIDADE CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO GUARDIZELA MARÇO 2012 Pag.1 1 QÊM SOMOS O Centro Social de Guardizela é uma

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

Apoios e comparticipações Janeiro 2016. Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015

Apoios e comparticipações Janeiro 2016. Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015 Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015 ESCOLAS E INSTITUIÇÕES LIGADAS À ÁREA DA EDUCAÇÃO Apoio à imprensa escolar comparticipação financeira no valor global de 400 euros,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais