Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04"

Transcrição

1 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro n.º 1: A cidade de Bragança face ao concelho de Bragança. 13 Quadro n.º 2: Resumo de Indicadores Estatísticos para o Concelho de Bragança. 17 Parte III.1: População, Demografia e Território 27 Imagem n.º 1: O território do concelho de Bragança dos concelhos da região Norte. 29 Quadro 1: O território do concelho de Bragança. 30 Imagem n.º 2 : A densidade populacional na região Norte de Portugal. 30 Quadro 2: A densidade populacional no concelho de Bragança. 31 Imagem n.º 3: O território do concelho de Bragança no contexto distrital. 32 Quadro 3: A evolução populacional no distrito de Bragança. 33 Gráfico n.º 1: A evolução populacional no distrito de Bragança Quadro 4 : A evolução populacional no concelho de Bragança ( ). 34 Quadro 5: A variação demográfica (%) da população residente em Bragança ( ). 36 Quadro 6: A variação demográfica (%) da população residente por tipo de freguesia. 37 Quadro 7: A variação demográfica (%) da população residente Quadro 8 : A variação demográfica (%) da população residente Quadro 9 : Indicadores demográficos sobre a composição etária da população. 40 Quadro 10: Indicadores demográficos sobre saldo natural, natalidade e mortalidade. 41 Quadro 11: Composição da população de Bragança por grupos etários em Quadro 12: Variação da população residente de Bragança por grupos etários em Gráfico n.º 2: A variação etária da população no concelho de Bragança Gráfico n.º 3: A composição etária da população segundo o género Bragança Quadro 13: População residente do concelho de Bragança por grupos etários Gráfico n.º 4: A população do concelho de Bragança segundo o estado civil (2001). 46 Quadro 14: População do concelho de Bragança segundo o estado civil (2001). 46 Gráfico n.º 5: Famílias clássicas segundo a dimensão concelho de Bragança (2001). 47 Gráfico n.º 6: Famílias clássicas segundo o tipo de família concelho de Bragança (2001). 48 v

2 Gráfico n.º 7: Famílias institucionais segundo a dimensão concelho de Bragança (2001). 48 Gráfico n.º 9: População residente segundo a nacionalidade concelho de Bragança (2001). 49 Quadro 15: População residente com deficiência no concelho de Bragança (2001). 50 Gráfico n.º 10: População residente segundo o principal meio de vida (2001). 50 Gráfico n.º 11: População residente segundo o tipo de deficiência (2001). 51 Quadro 16: Síntese de indicadores demográficos (Censos 2001). 52 Parte III.2: Habitação 53 Gráfico n.º 1: Licenças de construção concedidas pelas Câmaras Municipais (INE 2002). 55 Gráfico n.º 2: Edifícios segundo a época de construção ou reconstrução (Censos 2001). 56 Gráfico n.º 3: Edifícios segundo o número de alojamentos (Censos 2001). 56 Gráfico n.º 4: Edifícios segundo o tipo de alojamento não clássico (Censos 2001). 57 Quadro n.º 1: Intervenções para recuperação de alojamentos (CMB 2003/2004). 58 Quadro n.º 2: Indicadores Bairro Social da Coxa (CMB 2005). 59 Quadro n.º 3: Indicadores Bairro Social da Mãe d Água (CMB 2005). 59 Quadro n.º 4: Património de habitação social da CMB (CMB 2005). 60 Gráfico n.º 5: Distribuição do património de habitação social (CMB 2005). 60 Parte III.3: Economia e Emprego 65 Quadro n.º 1: Evolução das taxas de actividade Quadro n.º 2: População residente economicamente activa (sentido lato) e empregada segundo o sexo e o ramo de actividade. 67 Gráfico n.º 1: Número de empresas segundo o sector de actividade (2002). 68 Quadro n.º3: Proporções das sociedades por sectores de actividades (2002). 69 Quadro 4 Evolução da população empregada por sector de actividade económica. 70 Gráfico 2 População activa por sectores de actividade económica Quadro 5 - População residente com 15 ou mais anos, segundo o grupo etário, por condição perante a actividade económica (sentido lato). 71 Gráfico 3 - População entre os 15 aos 64 anos por grupos etários, perante a actividade económica (2001). 72 Gráfico n.º 4: Capacidade das unidades hoteleiras do Concelho de Bragança, segundo a natureza do estabelecimento (n.º de camas). 73 Gráfico n.º 5: Capacidade das unidades hoteleiras do Concelho de Bragança de 1992 a Quadro n.º 6: Taxas de desemprego (sentido lato) por sexo em 1991 e Quadro n.º 7: População residente e desempregada (sentido lato), segundo a condição de procura de emprego e sexo. 78 vi

3 Quadro n.º 8: Desemprego registado segundo o género, o tempo de inscrição, e a situação face à procura de emprego (IEFP). 79 Quadro 9: Desemprego registado por concelho segundo o grupo etário (2005). 80 Quadro n.º 10: Desemprego registado por concelho segundo os níveis de escolaridade. 80 Quadro n.º 11: Desempregados inscritos, ofertas recebidas e colocações efectuadas. 81 Quadro n.º 12: Desempregados inscritos por motivos de inscrição. 81 Parte III.4: Educação 86 Gráfico n.º 1: População residente segundo o alfabetismo e população residente segundo o nível de instrução obtido. 88 Quadro n.º 1: Proporção da população residente com o 3º ciclo do ensino básico e com o ensino superior. 88 Quadro n.º 2: Evolução da população da Educação Pré-Escolar estatal, no concelho de Bragança, entre 1997 e Quadro n.º 3: Evolução da Educação Pré-Escolar não estatal, entre Quadro n.º 4: Evolução do número de alunos no 1º Ciclo do Ensino Básico público, no concelho de Bragança, na última década 92 Quadro n.º 5: Evolução da população do 1º Ciclo, subsistema não-estatal 93 Quadro n.º 6: Distribuição da frequência escolar no 2º CEB, no lectivo de 2003/ Quadro n.º 7: Distribuição da frequência escolar no 3º ciclo pelas sete escolas do concelho, no ano lectivo de 2003/04 94 Quadro n.º 8: Distribuição da frequência escolar nas modalidades regulares do ensino secundário (vias científica e tecnológica), ano lectivo de 2003/04 96 Quadro n.º 9: Formação ministrada, frequência escolar e equipamentos do Centro de Formação Profissional de Bragança. 97 Quadro n.º 10: Ensino Especial no concelho de Bragança Quadro n.º 11: Projecção do número de alunos em cada nível de ensino (ensino não-superior e diurno), até Quadro n.º 12: Evolução da população escolar no 1º CEB Público. 102 Quadro n.º 13: População escolar de todos os níveis de ensino em 2003/ Quadro n.º 14: Evolução da população escolar entre 1997 e 2004 Sector Público. 104 Quadro n.º 15: Projecção do número de alunos em cada nível de ensino (ensino não-superior e diurno), até Quadro n.º 16: Evolução das retenções no 1º Ciclo, Subsistema Estatal, entre 1997 e Gráfico n.º 5: Evolução da população escolar no 1º CEB Público. 108 Quadro n.º17: Evolução do insucesso escolar no 1º CEB não-estatal, entre 1997 e Quadro n.º 18: Retenções e abandonos escolares no 2º CEB, em 2003/ Quadro n.º 19: Retenções e abandonos no 3º Ciclo do Ensino Básico. 110 Quadro n.º 20: Retenções e abandonos no Ensino Secundário. 110 vii

4 Gráfico n.º 6: Retenções e abandonos no ensino público em 2002/ Quadro n.º 20: Formação da População Portuguesa, segundo as NUTS I e II, expressa em graus de instrução e percentagem de população para cada grau relativamente à população total. 112 Quadro n.º 21: Formação da População de algumas regiões, expressa em graus de instrução e percentagem de população. 113 Quadro n.º 22: População do pré-escolar e 1 CEB no distrito de Bragança (DREN). 114 Quadro n.º 23: Reajustamento da Rede Escolar para 2006/2007 (DREN). 115 Quadro n.º 24: Distribuição de turmas no 2º e 3º CEB/EFA/CEF/ Recorrente para 2006/ Quadro n.º 25: Distribuição de turmas no 3º CEB/Secundário/EFA/CEF/ Recorrente para 2006/ Quadro n.º 26: Dados distritais sobre a população escolar. 118 Quadro n.º 27: Dados sobre os apoios da CMB para as refeições no ensino pré-escolar. 119 Quadro n.º 28: Dados sobre os apoios da CMB para auxiliares de acção educativa. 120 Parte III.5: Associativismo 122 Gráfico n.º 1: Denominação das Associações (Inquérito ás Associações). 124 Gráfico n.º 2: Associações Rurais/Urbanas (Inquérito ás Associações). 124 Gráfico n.º 3: Associações por Tipo de Freguesia. 125 Gráfico n.º 4: Associações Activas/Inactivas. 125 Gráfico n.º 5: Associações por número de associados. 126 Gráfico n.º 6: Associações por posse de equipamentos próprios. 126 Gráfico n.º 7: Associações por tipo de actividades. 127 Gráfico n.º 8: Associações por tipo de actividades mais frequentes. 128 Gráfico n.º 9: Associações por número de sócios. 128 Gráfico n.º 10: Equipamentos existentes no concelho de Bragança para actividades associativas. 129 Gráfico n.º 11: Equipamentos existentes por tipo de Freguesia. 130 Parte III.6: Saúde 131 Quadro n.º 1: Extensões do Centro de Saúde de Bragança. 133 Quadro n.º 2: População inscrita no centro de Saúde de Bragança, por sexo e faixa etária. 134 Quadro n.º 3: Distribuição percentual dos utentes do Centro de Saúde por sexo. 134 Quadro n.º 4: Movimento de consultas do Centro de Saúde de Bragança. 134 Quadro n.º 5: Média de utentes inscritos por médico de família do C. de Saúde. 135 viii

5 Quadro n.º 6: Quadro de Pessoal do Centro de Saúde de Bragança. 135 Quadro n.º 7: Utentes admitidos no CAT Bragança, por sexo e grupo etário. 138 Quadro n.º 8: Utentes activos no CAT Bragança, por sexo e grupo etário. 138 Quadro n.º 9: Utentes activos no CAT Bragança, por situação profissional e grupo etário. 138 Quadro n.º 10: Utentes activos no CAT Bragança, por escolaridade e grupo etário. 139 Quadro n.º 11: Estrutura organizacional do Centro Hospitalar do Nordeste Unidade de Bragança. 140 Quadro n.º 12: Serviços de Prestação de Cuidados. 141 Quadro n.º 13: Especialidades da unidade Hospital Dia. 141 Quadro n.º 14: Serviços de Prestação de Cuidados (meios complementares de diagnóstico e terapêutica). 142 Quadro n.º 15: Serviços de Suporte à Prestação de Cuidados. 142 Quadro n.º 16: Serviços de Gestão e Logística. 142 Quadro n.º 17: Dados sobre o internamento, por número de camas e taxa de ocupação. 143 Quadro n.º 18: Consultas externas por especialidade, segundo o total de consultas, número de dias e média/dia de ocupação. 143 Quadro n.º 19: Número de doentes admitidos em Quadro n.º 20: Meios complementares de diagnóstico e terapêutica Actos de Diagnóstico. 144 Quadro n.º 21: Dados estatísticos gerais da Saúde. 145 Parte III.7: Protecção Social e Acção Social 147 Gráfico n.º 1: Evolução do número de pensionistas em Bragança Quadro n.º 1 Pensionista activos residentes no concelho de Bragança em 2005, por regime de segurança social e por sexo. 149 Gráfico n.º 2: Pensionistas activos no concelho de Bragança, por regime de segurança social (2005). 150 Quadro n.º 2: N.º de Pensionistas Activos por Invalidez, Velhice e Sobrevivência no concelho de Bragança e respectiva percentagem relativamente à totalidade dos pensionistas, em Gráfico n.º 3: Pensionistas activos residentes no concelho de Bragança (2005). 151 Gráfico n.º 4: Montante processado aos pensionistas activos residentes no concelho de Bragança (2005). 152 Gráfico n.º 5: Prestações inicias de desemprego deferidas, por tipo de beneficiário (2005). 153 Gráfico n.º 6: Beneficiários com subsídio de desemprego, por sexo e escalão etário (2005). 153 ix

6 Gráfico n.º 7: Beneficiários com subsídio social de desemprego, por sexo e escalão etário (2005). 154 Gráfico n.º 8: Beneficiários com subsídios social de desemprego subsequente, por sexo e escalão etário (2005). 154 Gráfico n.º 9: Montante ( ) processado com prestações de desemprego, por tipo de subsídio (2005). 155 Gráfico n.º 10: Requerentes e titulares de prestações familiares, por tipo de subsídio (2005). 156 Gráfico n.º 11: Montante ( ) líquido processado com prestações familiares (2005). 157 Gráfico n.º 12: Titulares com abono de família, por escalão etário (2005). 157 Gráfico n.º 13: Titulares com abono de família, por escalão de rendimento (2005). 158 Quadro n.º 3 Titulares com Bonificação por Deficiência em 2005, por sexo e escalão etário. 159 Gráfico n.º 14: Baixas processadas, por tipo de subsídio (2005). 159 Gráfico n.º 15: Beneficiários, por tipo de subsídio (Doença/Maternidade) Gráfico n.º 16: Valor processado, por tipo de subsídio (Doença/Maternidade) Gráfico n.º 17: Beneficiários de subsídio de doença, por sexo e escalão etário (2005). 161 Gráfico n.º 18: Requerimentos entrados, deferidos e indeferidos no concelho de Bragança (2005). 161 Gráfico n.º 19: Requerimentos indeferidos, por tipo indeferimento (2005). 162 Gráfico n.º 20: Famílias RSI, por tipo de agregado (2005). 162 Gráfico n.º 21: Beneficiários com rendimentos/apoios, por tipo de rendimento/apoio (2005). 163 Gráfico n.º 22: Beneficiários com prestações RSI, por sexo e escalão etário (2005). 163 Gráfico n.º 23: Beneficiários com prestações RSI cessadas, por motivo de cessação (2005). 164 Gráfico n.º 24: População residente no concelho de Bragança, por tipo de deficiência. 165 Quadro n.º 4 População residente com deficiência, segundo o tipo de deficiência e o sexo, por grau de incapacidade atribuído. 166 Gráfico n.º 25: Pessoas singulares com remuneração declarada em 2005, por sexo e tipo de qualificação. 167 Gráfico n.º 26: Valor ( ) total das remunerações declaradas em 2005, por sexo e tipo de qualificação. 167 Gráfico n.º 27: Valor ( ) total das contribuições declaradas em 2005, por tipo de qualificação. 168 Gráfico n.º 28: Entidades empregadoras com entrega de declaração de remunerações em 2005, por escalão do número de trabalhadores. 169 x

7 Parte III.8: Justiça e Segurança 170 Gráfico n.º 1: Crimes no concelho de Bragança (2005). 171 Gráfico n.º 2: Crimes no concelho de Bragança (2005). 172 Quadro n.º 1: Estatísticas dos processos jurídicos no concelho de Bragança (2005). 173 Quadro n.º 2: Estatísticas dos processos jurídicos no concelho de Bragança por jurisdição (2005). 174 Quadro n.º 3: Estatísticas dos processos jurídicos no concelho de Bragança (2005). 175 Quadro n.º 4: Estatísticas da justiça para o Distrito de Bragança (2005). 176 Quadro n.º 5: Estatísticas dos Bombeiros Voluntários de Bragança (2005). 177 Parte III.9: Mobilidade e Transportes 178 Quadro 1: Tráfego médio diário anual nos principais acessos viários ao concelho de Bragança ( ) 181 Quadro 2: Evolução percentual do tráfego médio diário anual nos principais acessos viários ao concelho de Bragança ( ) 181 Diagrama n.º 1: Variáveis sobre o aumento de utilização dos veículos ligeiros (motorização). 182 Imagem n.º 2:Trajectos da Linha azul e Linha amarela (STUB). 184 Imagem n.º 3: Transportes eléctricos da Linha Azul (STUB). 186 Parte IV : A Exclusão Social segundo os Agentes Sociais 190 Quadro 1: Distribuição do número de indivíduos e agregados familiares inquiridos, pelos respectivos bairros de residência. 193 Quadro 2: Doenças que afectam os membros dos agregados familiares 194 Quadro 3: Distribuição do número e percentagem de agregados familiares com casos de toxicodependência, pelos respectivos bairros. 194 Quadro 4: Distribuição do número e percentagem de agregados familiares com casos de alcoolismo, pelos respectivos bairros de residência. 195 Gráfico 1: Percentagem de famílias com casos de detenção. 195 Quadro 5: Frequência e percentagem de famílias com casos de detenção. 196 Quadro 6: Motivos apresentados para justificar os casos de detenção. 196 Gráfico2: Problemas detectados pelos agregados familiares. 197 Quadro 7: Problemas detectados pelos agregados familiares. 197 Quadro 8: Número e percentagem de agregados familiares que identificaram o problema da droga, distribuídos pelos respectivos bairros de residência. 198 Quadro 9: Problema considerado mais importante pelas famílias inquiridas. 198 xi

8 Quadro 10: Nível de satisfação geral com Bragança como lugar para viver. 203 Parte V : A Exclusão Social segundo os Parceiros Sociais 207 Quadro n.º 1: Resultados do Grupo 1 Juntas de Freguesia (1 as Sessões Temáticas). 209 Quadro n.º 2: Resultados do Grupo 2 Educação (1 as Sessões Temáticas). 209 Quadro n.º 3: Resultados do Grupo 3 Saúde (1 as Sessões Temáticas). 210 Quadro n.º 4: Resultados do Grupo 4 Emprego e Formação (1 as S. Temáticas). 210 Quadro n.º 5: Resultados do Grupo 6 Justiça e Segurança (1 as Sessões Temáticas) 211 Quadro n.º 6: Resultados do Grupo 7 Instituições Sociais/IPSS (1 as S. Temáticas) 211 Quadro n.º 7: Resultados do Grupo 8/5 Economia e Turismo (1 as S. Temáticas). 212 Quadro n.º 8: As 6 problemáticas centrais para as 2 as S. Temáticas da Rede Social. 212 Quadro n.º 9: Problemas agregados para o G1 das 2 as S. Temáticas da Rede Social. 213 Quadro n.º 10: Problemas agregados para o G2 das 2 as S. Temáticas da Rede Social. 216 Quadro n.º 11: Problemas agregados para o G3 das 2 as S. Temáticas da Rede Social. 218 Quadro n.º 12: Problemas agregados para o G5 das 2 as S. Temáticas da Rede Social. 223 Quadro n.º 13: Problemas agregados para o G6 das 2 as S. Temáticas da Rede Social. 225 Parte VI.1 : Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia 228 Quadro n.ª1 Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Freguesias Urbanas. 233 Quadro n.º 2 Equipamentos e Serviços de Apoio à Infância e Juventude Freguesias Urbanas. 234 Quadro n.º 3 Equipamentos de Apoio à População Idosa nas Freguesias Urbanas Rede Solidária. 235 Quadro n.º 4 Equipamentos de Apoio à População Idosa nas Freguesias Rurais Rede Solidária 236 Quadro n.º 5 Equipamentos e Serviços de Apoio à População Idosa - Rede Lucrativa 236 Quadro n.º 6 Equipamentos e Serviços de Apoio à População com Deficiência Rede Solidária 237 Quadro n.º 7 Equipamentos e Serviços de Apoio à População com Deficiência Rede Pública 237 Quadro n.º 8 Equipamentos e Serviços de Apoio à Família e Comunidade /Apoio a Vítimas de Violência 238 Quadro n.º 9 Equipamentos e Serviços de Apoio à População Toxicodependente 238 Gráfico n.º 1: Número de valências no Concelho e Distrito de Bragança em 2006, por área de intervenção. 239 Gráfico n.º 2 : Taxas de cobertura no Concelho de Bragança e no Distrito de Bragança, xii

9 por área de intervenção. 240 Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital 241 Quadro 1: Serviços e Equipamentos para Crianças e Jovens. 242 Quadro 2: Serviços e Equipamentos de Reabilitação e Integração de Pessoas com Deficiência. 243 Quadro 3: Serviços e Equipamentos para Idosos. 243 Quadro 4: Serviços e Equipamentos para Família e Comunidade. 243 Quadro 5: Serviços e Equipamentos para Toxicodependentes. 244 Quadro 6: Serviços e Equipamentos para Pessoas Infectadas por VIH/ Sida e suas Famílias 244 Quadro 7: Serviços e Equipamentos para a Área da Saúde Mental. 244 Quadro 8: Respostas Sociais Integradas. 244 Parte VI.1.2: Caracterização das Instituições Sociais (REAPN) 257 Quadro n.º 1: Instituições inquiridas por localidade e natureza jurídica. 259 Quadro n.º 2: Instituições inquiridas por localidade e n.º de funcionários. 260 Quadro n.º 3: Instituições inquiridas por localidade e tipo de população alvo. 261 Quadro n.º 4: Instituições inquiridas por n.º de técnicos de serviço social. 262 Quadro n.º 5: Instituições inquiridas por n.º de técnicos de sociologia. 263 Quadro n.º 6: Instituições inquiridas por n.º de técnicos de psicologia. 264 Quadro n.º 7: Instituições inquiridas por práticas de voluntariado. 265 Quadro n.º 8: Instituições inquiridas por cargo directivo (género masculino). 266 Quadro n.º 9: Instituições inquiridas por cargo directivo (género feminino). 266 Quadro n.º 10: Instituições inquiridas por habilitações do presidente da direcção. 267 Quadro n.º 11: Instituições inquiridas por profissão do presidente da direcção 268 Quadro n.º 12: Instituições inquiridas por prioridade para melhorar o funcionamento da instituição. 269 Quadro n.º 13: Instituições inquiridas por avaliação de mais formação profissional. 270 Quadro n.º 14: Instituições inquiridas por avaliação de mais troca de experiências com outros técnicos. 271 Quadro n.º 15: Instituições inquiridas por avaliação de mais troca de experiências com outros técnicos. 272 Quadro n.º 16: Instituições inquiridas por avaliação de melhor ambiente de trabalho. 273 Quadro n.º 17: Instituições inquiridas por avaliação de maior participação nas decisões. 274 xiii

10 Quadro n.º 18: Instituições inquiridas por avaliação de alargamento dos quadros técnicos. 275 Quadro n.º 19: Instituições inquiridas por avaliação de melhor capacidade de gestão. 276 Parte VI.2: Plano Municipal de Prevenção Primária das Toxicodependências 277 Quadro n.º 1: Objectivos do PMPP-Bragança. 279 Parte VI.4: Equipamentos Escolares 289 Mapa n.º 1 Rede Viária e Estrutura Administrativa do Parque Escolar da Educação Pré-Escolar e do 1º CEB. 291 Quadro n.º 1: Tipologia dos edifícios, descrição das salas e outros recursos em cada núcleo escolar do 1º CEB reordenamento 2006/ Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente 3006 Gráfico 1: Tipologias dos agregados familiares residentes no Bairro da Coxa. 303 Gráfico 2: Condições perante o trabalho dos residentes no Bairro da Coxa. 303 Gráfico 3: Indivíduos admitidos no CAT de Bragança residentes no Concelho de Bragança segundo o sexo. 306 Gráfico 4 - Consumidores por Bairros de Residência de Bragança 307 Parte VI.6.2: Caracterização dos Bairros Sociais do Concelho de Bragança 308 Quadro 1: Composição do conjunto habitacional do Bairro da Coxa. 310 Quadro 2: Tipologias presentes nos blocos habitacionais do Bairro da Coxa. 311 Quadro 3: Proprietários anteriores no momento de entrega oficial das fracções. 312 Quadro 4: Situações de possível ilegalidade. 312 Quadro 5: Situações de mudança do nome de beneficiário. 312 Quadro 6: Justificações face à mudança do nome de beneficiário. 312 Quadro 7: Situações de dívida (IGAPHE/CMB) por montantes de rendimento dos agregados familiares residentes no Bairro da Coxa. 313 Quadro 8: Intervalos dos montantes de dívida ao IGAPHE herdados no momento da entrega das fracções. 313 xiv

11 Quadro 9: Distribuição do número total de pessoas na composição do agregado familiar. 314 Quadro 10: Tipologia das fracções pelo número de pessoas do agregado familiar. 314 Quadro 11: Tipologia das fracções pelo número de filhos do agregado familiar. 315 Quadro 12: Tipologias dos agregados familiares residentes no Bairro da Coxa. 315 Quadro 13: Graus de parentesco na composição do agregado familiar. 315 Quadro 14: Escalões etários dos beneficiários do Bairro da Coxa. 316 Quadro 15: Condição perante o trabalho dos residentes no Bairro da Coxa. 316 Quadro 16: Condição perante o trabalho dos beneficiários do Bairro da Coxa. 316 Quadro 17: Grupos profissionais dos residentes no Bairro da Coxa. 317 Quadro 18: Grupos Profissionais dos beneficiários do Bairro da Coxa. 317 Quadro 19: Situação na profissão dos residentes a exercerem actividade económica. 317 Quadro 20: Grau de escolaridade dos residentes no Bairro da Coxa. 317 Quadro 21: Intervalos de rendimento mensal global do agregado familiar estimado pelos beneficiários do Bairro da Coxa. 318 Quadro 22: Tipologias da origem dos rendimentos dos agregados familiares residentes no Bairro da Coxa. 319 Quadro 23: Estado de conservação das fracções segundo auto-avaliação dos beneficiários e observação directa do técnico do Bairro da Coxa. 320 Quadro 24: Avaliação de situações de humidade nas fracções do Bairro da Coxa. 321 Quadro 25: Intenção e/ou possibilidade de compra do imóvel em que habitam actualmente os beneficiários do Bairro da Coxa. 321 Quadro 26: Intenção de compra por rendimento mensal global dos agregados familiares residentes no Bairro da Coxa. 321 Quadro 27: Situação global das fracções pertencentes ao Bairro da Coxa. 322 Quadro 28: Composição do conjunto habitacional do Bairro da Mãe d Água. 323 Quadro 29: Tipologias presentes nos blocos habitacionais do Bairro da Mãe d Água. 324 Quadro 30: Proprietários anteriores no momento de entrega oficial das fracções. 325 Quadro 31: Situações de possível ilegalidade. 325 Quadro 32: Situações de mudança do nome de beneficiário. 325 Quadro 33: Justificações face à mudança do nome de beneficiário. 325 Quadro 34: Situações de dívida (IGAPHE/CMB) por montantes de rendimento dos xv

12 agregados familiares residentes no Bairro da Mãe d Água. 325 Quadro 35: Intervalos dos montantes de dívida ao IGAPHE herdados no momento da entrega das fracções. 326 Quadro 36: Distribuição do número total de pessoas na composição do agregado familiar. 326 Quadro 37: Tipologia das fracções pelo número de pessoas do agregado familiar. 327 Quadro 38: Tipologia das fracções pelo número de filhos do agregado familiar. 327 Quadro 39: Tipologias dos agregados familiares residentes no Bairro da Mãe d Água. 327 Quadro 40: Graus de parentesco na composição do agregado familiar. 328 Quadro 41: Escalões etários dos beneficiários do Bairro da Mãe d Água. 328 Quadro 42: Condição perante o trabalho dos residentes no Bairro da Mãe d Água. 328 Quadro 43: Condição perante o trabalho dos beneficiários do Bairro da Mãe d Água. 329 Quadro 44: Grupos profissionais dos residentes no Bairro da Mãe d Água. 329 Quadro 45: Grupos Profissionais dos beneficiários do Bairro da Mãe d Água. 329 Quadro 46: Situação na profissão dos residentes a exercerem actividade económica. 330 Quadro 47: Grau de escolaridade dos residentes no Bairro da Mãe d Água. 330 Quadro 48: Intervalos de rendimento mensal global do agregado familiar estimado pelos beneficiários do Bairro da Mãe d Água. 330 Quadro 49: Tipologias da origem dos rendimentos dos agregados familiares residentes no Bairro da Mãe d Água. 330 Quadro 50: Estado de conservação das fracções segundo auto-avaliação dos beneficiários e observação directa do técnico do Bairro da Mãe d Água. 331 Quadro 51: Avaliação de situações de humidade nas fracções do Bairro da Mãe d Água. 331 Quadro 52: Intenção e/ou possibilidade de compra do imóvel em que habitam actualmente os beneficiários do Bairro da Mãe d Água. 331 Quadro 53: Intenção de compra por rendimento mensal global dos agregados familiares residentes no Bairro da Mãe d Água. 332 Quadro 54: Situação global das fracções pertencentes ao Bairro da Mãe d Água. 332 xvi

13 Parte VI.6.3: Caracterização da População Sem Abrigo 333 Quadro n.º 1: População Sem-Abrigo sinalizada pelo CDSS-Bragança. 336 Quadro n.º 2: População Sem-Abrigo (Estudo Segurança Social). 336 Quadro n.º 3: Processos de Sem-Abrigo por Distrito. 337 Parte VI.6.4: Caracterização dos Utentes da CPCJ - Bragança 338 Quadro 1: Caracterização dos utentes da CPCJ segundo vários indicadores. 344 Parte VI.6.5: Caracterização das Juntas de Freguesia 349 Quadro n.º 1: Questões colocadas aos Presidentes de Junta de Freguesia. 350 Gráfico n.º 1: Juntas de Freguesia por sede própria. 351 Gráfico n.º 2: Juntas de Freguesia por Instalação da Junta. 352 Gráfico n.º 3: Juntas de Freguesia por condições físicas. 352 Gráfico n.º 4: Juntas de Freguesia por horário de funcionamento. 353 Gráfico n.º 5: Juntas de Freguesia por número de funcionários. 353 Gráfico n.º 6: Juntas de Freguesia por número de técnicos de acção social. 354 Gráfico n.º 7: Juntas de Freguesia por equipamentos. 354 Gráfico n.º 8: Juntas de Freguesia por candidatura a projectos. 355 Gráfico n.º 9: Juntas de Freguesia por meios de transporte. 355 Gráfico n.º 10: Juntas de Freguesia por serviços. 356 Gráfico n.º 11: Juntas de Freguesia por equipamentos sociais. 356 Gráfico n.º 12: Juntas de Freguesia por colaboração com outras entidades. 357 Gráfico n.º 13: Juntas de Freguesia por classificação da colaboração. 357 Gráfico n.º 14: Juntas de Freguesia por cedência das instalações. 358 Gráfico n.º 15: Juntas de Freguesia por disponibilização dos espaços. 358 Gráfico n.º 16: Juntas de Freguesia por necessidades de formação. 359 Gráfico n.º 17: Juntas de Freguesia por área necessidades de formação. 359 Gráfico n.º 18: Juntas de Freguesia por instituições a funcionar na localidade. 360 xvii

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida Carta Educativa de Almeida Câmara Municipal de Almeida Junho de 2007 FICHA TÉCNICA ENTIDADE PROMOTORA Associação de Municípios da Cova da Beira Gestor de Projecto: Carlos Santos ENTIDADE FORMADORA E CONSULTORA

Leia mais

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO O relatório foi elaborado pela equipa da UA Celeste Coelho (coordenação) Fátima Alves Filomena Martins Teresa Fidélis Sandra Valente Cristina Ribeiro

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1 LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo 2015 VOLUME1 O Padrão dos Descobrimentos Elevar as nossas Crianças a horizontes mais rasgados

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1078/CSE/DS 14 a DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS RELATIVA AO RELATÓRIO APRESENTADO PELO GRUPO DE TRABALHO SOBRE ESTATÍSTICAS DA PROTECÇÃO SOCIAL Considerando que constitui uma

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS 1/5 PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM) Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Masculino Feminino

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes - Infância e Juventude - Instituições de apoio à Infância e Juventude - Taxas de Cobertura, por valência - Instituições com valência de internato - Crianças do Concelho institucionalizadas - CPCJ - Número

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1. Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1. Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS... LISTA DE FIGURAS... LISTA DE QUADROS... x xiii Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 1 Capítulo 2 FLEXIBILIDADE E SEGURANÇA: ALGUMAS QUESTÕES CONCEPTUAIS... 3 2.1. Os conceitos de flexibilidade e segurança no emprego

Leia mais

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso.

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso. Programa do Concurso Relativo à Atribuição do Direito ao Arrendamento de 3 Fogos nas Freguesias de S. Salvador, Gafanha da Encarnação (Costa Nova) e Gafanha da Nazaré I. Disposições Gerais 1. O presente

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora A Rede Social no Contexto da RAA 2013 A Reconfiguração do Território da Amadora 1. Reorganização Administrativa 2. Reconfiguração Gestão Territorial 3. Retrato Social Municipal 4. Rede Social Novas Freguesias

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Diagnóstico Social. Conselho Local de Ação Social 03/09/2015

Diagnóstico Social. Conselho Local de Ação Social 03/09/2015 Diagnóstico Social 2015 Conselho Local de Ação Social 03/09/2015 Diagnóstico Social da Rede Social de S. João da Madeira 2015 1 Índice 1. Introdução... 5 2. O território, a história e o enquadramento geográfico...

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Rede Social de Grândola. Indicadores do Concelho

Rede Social de Grândola. Indicadores do Concelho Rede Social de Grândola Indicadores do Concelho Índice Território População Habitação Ambiente 3 6 35 50 Educação 54 Saúde 64 Actividade Económica 69 Desemprego 85 Acção Social 97 Equipamentos 130 Associações

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2012 7321 pacidade de iniciativa e um espírito empreendedor e concretiza -se em: a) Promoção de concursos de ideias e projetos, para a melhoria

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Montante Único

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 Outubro 2015 Apresentação Síntese ENQUADRAMENTO O Município de Viseu apresentou ao PORTUGAL 2020 a sua candidatura de Plano Estratégico de Desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL)

ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL) ÍNDICE DE PRECARIEDADE SOCIAL DA CIDADE DE LISBOA (IPSCL) IPSCL - Dados IPSCL - Índices dimensões IPSCL - Gráfico Índices dimensões IPSCL - Índice geral IPSCL - Gráfico Índice geral Conceitos Cálculos

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social A Informação Estatística sobre Deficiência e Incapacidade Lisboa, 01 de Junho de 2009 Estrutura da Apresentação A informação estatística no contexto do planeamento,

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras

CIRCULAR NORMATIVA. ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento de taxas moderadoras CIRCULAR NORMATIVA Nº: 36/2011/UOFC Data: 28/12/2011 Republicada pela Circular Normativa n.º 24/2014/DPS de 28/08/2014 Para: ARS, Hospitais, ULS ASSUNTO: Meios de comprovação para isenção do pagamento

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção 6º CURSO DE MESTRADO EM REABILITAÇÃO DA ARQUITECTURA E DOS NÚCLEOS URBANOS 1º SEMESTRE Disciplina Economia, Sociedade e Território Aula de 12/1/2007 Manuela Mendes Técnicas de recolha e análise de informação

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20. Data de Emissão. Contribuinte Fiscal Nº de Eleitor Residente no Concelho desde

1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20. Data de Emissão. Contribuinte Fiscal Nº de Eleitor Residente no Concelho desde CÂMARA MUNICIPAL CENTRO DE INTERVENÇÃO SOCIAL gabinete de educação BOLSA DE ESTUDO AO ENSINO SUPERIOR: CANDIDATURA 1ª vez Renovação Ano Lectivo 20 /20 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Morada Código Postal Natural

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 « Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008 CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS Processo de actualização anual da Carta Social 2008 Entidades Proprietárias, Entidade Gestora e Equipamentos e Respostas Sociais já existentes na Base

Leia mais

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Processo de Atualização por referência a 31 Dezembro de 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES: Modelo de atualização via Internet O processo de atualização da Carta Social

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa Nota Justificativa Considerando a necessidade de estabelecer novos apoios e ir de encontro às necessidades dos idosos e assim contribuir para a dignificação e melhoria das condições de vida deste sector

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE (Rev.3) 87 e 88 ACTIVIDADES DE APOIO SOCIAL

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO Mais importante do que a sua forma jurídica, o que distingue as empresas da economia social é o primado do objecto social sobre a maximização do lucro. E a satisfação de necessidades que outros sectores

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO Capitulo I - Generalidades Artigo 1º Definição O Regulamento de Apoio ao Associativismo Desportivo, define os Programas, Tipos de apoio e critérios,

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS 2007 Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO E ALTERAÇÃO DE DADOS PESSOA COLECTIVA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição e Alteração de Dados Pessoa Colectiva (2001 v5.1) PROPRIEDADE

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 REESTRUTURA OS FUNDOS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO E EXTINGUE O FUNDO REGIONAL DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Criado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento Parametrização Formulário para a apresentação de candidaturas à gestão do Eixo 3 do PRODERAM Estratégias Locais de Desenvolvimento Informação Relativa ao Território Declaro que autorizo a utilização dos

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL 2004 Conselho Local de Acção Social Rede Social de Beja Coordenação Técnica do GIIT Responsáveis Técnicos: - António Batista - Ilda

Leia mais