PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012"

Transcrição

1

2 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção de efeitos correctivos ao nível da redução da pobreza, do desemprego e da exclusão social, mas também efeitos preventivos gerados através de acções de animação das comunidades e da indução de processos de mudança, com vista à melhoria das condições de vida das populações (in Plano de Desenvolvimento Social, IDS, 2002).

3 Metodologia: PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO O Núcleo Executivo pensou e elaborou objectivos realistas e concretizáveis num horizonte temporal de 3 anos, tendo em linha de conta a realidade conhecida em que nos inserimos. Depois de apurados os eixos de intervenção prioritários e de desenhados os quadros com os objectivos, as acções e as parcerias referentes a cada um deles, o CLAS do Crato, tomou conhecimento, perguntou, sugeriu e aprovou o Plano.

4 Eixos de Desenvolvimento: Idosos porque a população do Município é maioritariamente idosa e de fracos recursos económicos. É necessário criar condições para uma vida saudável e digna. Educação para a saúde porque é preciso sensibilizar a comunidade em geral para a adopção de hábitos de vida saudáveis, desmitificando velhas questões e aprofundando conhecimentos sobre várias temáticas. Dado os elevados índices de envelhecimento urge também desenvolver acções preventivas de despistagem de problemáticas específicas. Deficiência porque a população do Município com estas características está de certa forma isolada e desapoiada, dependendo essencialmente dos prestadores de cuidados directos, que muitas vezes já estão no limite dos seus recursos financeiros, físicos e psíquicos, sem beneficiarem de apoios estruturados.

5 Acção social porque num concelho com poucos habitantes como é o nosso (> 5.000), o registo de famílias desestruturadas é considerado elevado. Possibilitar às famílias de menores recursos uma habitação condigna e intervir ao nível do desenvolvimento das suas competências parentais e/ou de gestão do orçamento familiar torna-se prioritário.

6 Articulação com outros instrumentos de planeamento É fundamental que o planeamento social de carácter local se articule com as medidas e acções definidas superiormente, a nível nacional. Nesse sentido, existem documentos que importa conhecer antes de se elaborar um PDS: Plano Nacional de Acção para a Inclusão; Plano Nacional de Emprego; Plano Nacional de Saúde; Plano para a Acção e Integração para Pessoas com Deficiência e Incapacidades; Plano Nacional para a Igualdade; Plano Nacional de Combate à Violência Doméstica; Contrato Local de Desenvolvimento Social CLDS Crato-Gavião

7 Entidades que constituem o Núcleo Executivo da Rede Social: Câmara do Crato Misericórdia do Crato Centro de Saúde EBI/JI Segurança Social Entidades que constituem o Conselho Local de Acção Social do Crato: Associação de Amizade à Infância e 3ª Idade APPACDM Equipa de Intervenção Precoce do Crato BVC EBI/JI Filarmónica do Crato

8 Centro de Saúde GNR Crato GNR Gáfete Lar Nossa Sra. da Luz Misericórdia do Crato Misericórdia de Gáfete ARPIC UNIVA ADI-TC Centro Distrital de Segurança Social Clube de Caça e Pesca Matense União Recreativa Matense Junta de Freguesia de Crato e Mártires Junta de Freguesia de Aldeia da Mata

9 Junta de Freguesia de Vale do Peso Junta de Freguesia de Flor da Rosa Junta de Freguesia de Monte da Pedra Junta de Freguesia de Gáfete Câmara Municipal do Crato

10 Eixo de Intervenção: IDOSOS Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores Sai-se do mercado de trabalho sem se preparar a reforma, sem planeamento de actividades alternativas Promover o Envelhecimento Activo, adoptando estilos de vida saudáveis. 1) Instalar um circuito sénior num jardim da freguesia de Gáfete acessível a toda a população; 2) Promover encontros intergeracionais; 3) Promover um programa semanal de Hidroginástica, na piscina coberta do Crato, para a população do concelho. Aquisição do Equipamento; Disponibilização de um monitor para as primeiras acções; Promoção da utilização do circuito sénior instalado na Misericórdia do Crato Contos Tradicionais Ditados populares Receitas Tradições Facilitação no manuseamento das TIC Lançamento de folhetos de divulgação Contacto com as juntas de freguesia (transporte) Aceitação de inscrições IPSS s; Juntas de Freguesia. Biblioteca Municipal; Biblioteca Escolar; ARPIC; EBI/JI; IPSS s. Juntas de Freguesia; Centro de Saúde; Técnicos da CMC (monitores desportivos e animadores) idosa em geral em geral idosa em geral Idosos com boa mobilidade; frequentadores Acções realizadas pessoas inscritas; frequências.

11 Eixo de Intervenção: IDOSOS Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores Fracos recursos económicos da população idosa (a grande maioria eram trabalhadores rurais e as suas pensões são muito baixas) para adaptar as habitações às suas necessidades físicas Eliminação de barreiras arquitectónicas em meio habitacional Intervir em duas habitações por ano, desde que se justifique Elaboração de regulamento; Realizar pequenas adaptações (corrimãos, banheiras, degraus, pegas ) em habitações de pessoas com poucos recursos económicos; Intervir em habitações dos utentes da UAI, quando desse facto depender a ida do paciente para casa. Centro de Saúde; IPSS s; Seg. Social; com necessidades específicas intervenções realizadas.

12 Eixo de Intervenção: IDOSOS Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores muito envelhecida, isolada geográfica e socialmente, com a rede familiar distante Combater o isolamento social, prevenindo situações de perigo Carece de estudo de viabilidade Instalação de aparelhos de telealarme Levantamento da população alvo; Realização de estudo de mercado para apuramento dos custos, Divisão dos custos e atribuição de responsabilidades IPSS s com valência de Apoio Domiciliário; Empresas particulares; Helpfhone idosa ou com necessidades especiais casos sinalizados com necessidade; aparelhos instalados;

13 Eixo de Intervenção: EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores Em Portugal a proporção de pessoas com 65 ou mais anos duplicou nos últimos 40 anos passando de 8% em 1960 para 16 % em 2001 e de acordo com as projecções do INE volta a duplicar nos próximos 50 anos, representando em 2050, 32% da população total. É importante consciencializar para a importância de adquirir hábitos de vida saudáveis para que se continue a viver bem e com qualidade na velhice. Consciencializa r e educar para a importância de ter hábitos de vida saudáveis Fazer o despiste de algumas patologias mais frequentes (glicemia, colesterol, tensão arterial, coração, higiene oral ) num local público acessível a toda a população. Incentivar a realização de Caminhadas Temáticas pelo menos duas vezes em cada ano Organizar dois workshops por ano Realizar acções de rastreio pelo menos uma vez em cada ano Divulgar e organizar a realização das caminhadas (ex: do coração, da alimentação ) Obesidade Diabetes Alzheimer Insónias e Problemas do sono Hiperactividade Problemas Cardiovasculares Comportamentos de risco Violência Doméstica Doença Oncológica Divórcio Hábitos Alimentares IPSS s; ARPIC; Juntas de Freguesia; Centro de Saúde; EBI/JI. Centro de Saúde; EBI/JI Centro de Saúde; EBI/JI; IPSS s. em geral em geral em geral rastreios realizados caminhadas realizadas Workshops realizados

14 Eixo de Intervenção: EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (cont.) Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores Em média, por ano nascem no nosso concelho cerca de 21 crianças. A contagem foi calculada tendo em conta os últimos dez anos. Incentivar a Natalidade (objectivo condicionado ao n.º de grávidas existentes) Aumentar o número de nascimentos no concelho Promover um programa Neo-Natal de preparação para o parto e também dos 1.ºs cuidados a ter com o bebé, percebendo os estádios de sono da criança, a alimentação, as interacções, Atribuir um cheque farmácia por cada nascimento registado no concelho no valor de 200, desde que um dos pais tenha registo de remunerações na Seg. Social à pelo menos 12 meses. UNIVA (ent. Formadora); Centro de Saúde; em geral (pais, avós, prestadores de cuidados, educadores de infância ) nascimentos antes e depois da acção realizada

15 Eixo de Intervenção: DEFICIÊNCIA Diagnóstico Casos de deficiência sem apoios estruturados, dependendo totalmente da família nuclear que se encontra desgastada física, económica e sobretudo emocionalmente. Geral Apoiar os portadores de deficiência e as suas famílias Especifico Eliminação de barreiras arquitectónicas Apoio e Encaminhamento de casos Promover a instalação no Município do Crato de uma valência local que apoie os casos de deficiência existentes Acções Intervir e melhorar as habitações das pessoas carenciadas portadoras de deficiência, realizando pequenas intervenções adaptadas às suas necessidades especificas. Criar uma parceria com a APPACDM de modo a integrar nas suas valências (sobretudo em CAO) pessoas deficientes sem respostas sociais estruturadas Criar uma parceria com a APPACDM com vista à elaboração de uma candidatura conjunta (CAO + Apoio Domiciliário) Entidades Parceiras Centro de Saúde; Seg. Social; Juntas de Freguesia; EBI/JI. APPACDM; Equipa de Intervenção Precoce; Centro de Saúde APPACDM. Público Alvo com deficiência sem qualquer tipo de resposta Indicadores habitações com necessidade de intervenção identificada; habitações alvo de intervenção. casos existentes; casos apoiados Contactos/Reun iões realizadas; Candidaturas apresentadas

16 Eixo de Intervenção: ACÇÃO SOCIAL Diagnóstico Várias famílias solicitam à Câmara Municipal a atribuição de uma habitação. Actualmente existem 10 habitações desocupadas do conjunto das 20 habitações sociais do Crato. Geral Melhorar e Rentabilizar o Parque Habitacional Social do Crato Especifico Recuperar todas as habitações sociais camarárias no Crato Realojar as famílias dos pré-fabricados que possuam contrato de arrendamento Acções Diagnosticar as necessidades de intervenção; Orçamentar; Executar as intervenções. Realojar directamente estas famílias atribuindo-lhes uma habitação camarária; Fazer um acompanhamento contínuo das famílias a residir em habitações camarárias. Entidades Parceiras CMC (Técnicos da Autarquia Gab. Social; Eng. Civil; Jurista; Gab. de Comunicação) Público Alvo em geral Indicadores habitações com necessidade de intervenção identificada; habitações alvo de intervenção. casas prontas a habitar; casas atribuídas. Os pré-fabricados que abrigam 10 famílias do Crato não reúnem mais as condições para uma vivencia habitacional condigna Abrir concurso para atribuição das habitações às famílias necessitadas, mediante vacatura Desenvolver os procedimentos concursais legais para atribuição dos fogos; Criar matriz de critérios para atribuição dos fogos; Fazer a divulgação. Seg. Social. famílias dos préfabricados com contrato; famílias dos préfabricados realojados

17 Eixo de Intervenção: ACÇÃO SOCIAL Diagnóstico Geral Especifico Acções Entidades Parceiras Público Alvo Indicadores Existência de diversos problemas, sobretudo de aprendizagem, que se prendem com a proveniência de famílias disfuncionais Promoção de Competências Parentais Numa linha de prevenção primária, promover a aquisição de competências no que toca à comunicação, dinâmica relacional, disciplina e autoridade, auto-estima, higiene, conforto, alimentação, Incentivar e encaminhar famílias para a frequência do curso a realizar no âmbito de acção do Projecto CLDS Intervenção Precoce; EBI/JI; Centro de Saúde; Seg. Social (NLI); Famílias consideradas disfuncionais famílias propostas para a acção; famílias propostas a frequentar a acção. Como podemos tratar os frutos se não tratarmos a árvore

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É?

PLANO DE ACÇÃO 2010 O QUE É? O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social. Enquanto produto traduz-se num documento temporalmente finalizado

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha

PLANO DE ACÇÃO 2012. Rede Social do Crato. Joana Curinha PLANO DE ACÇÃO 2012 Rede Social do Crato Joana Curinha 2 3 O QUE É? O Plano de Acção é um documento anual que se desenha a partir das linhas de intervenção definidas no Plano de Desenvolvimento Social.

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2014

PLANO DE AÇÃO 2013/2014 Plano de Ação 2013/ PLANO DE AÇÃO 2013/ 1 Plano de Ação 2013/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba 2015 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2015 s parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de ): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 126 Comunidade c/saúde e PotencialIdade Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012 Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social Sónia Paixão 8 de Maio 2012 Loures Mais Social: Diferentes Desafios, Novas Abordagens Responsabilidade Social É a integração voluntária de preocupações

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009

PLANO DE ACÇÃO 2009. Março 2009 PLANO DE ACÇÃO Março Plano Acção Plano Acção Acções Actividas Elaborar e aprovar o Plano Acção Actualização do Diagnóstico Social do Concelho Reuniões trabalho para elaborar o Plano Acção Apresentação,

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 I INTRODUÇÃO Nos termos da alínea b) do Artigo 35.º dos Estatutos da ANEA, a Direcção desta associação apresenta

Leia mais

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Programa de Formação Código - Designação Ajudante de Acção Directa A atitude perante o idoso Local Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Projecto n.º: N/a

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior

1.3. Envelhecimento Activo. 1.4. Plano de Actividades dirigido à população Idosa. 1.5. Semana Sénior Rede Social de Pombal de Pombal Largo do Cardal 3100-440 Pombal Plano de Acção Ano 2011 Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85. Número de Pessoa Colectiva: 501 417 303 TELEFONE: 21 492 41 77

IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85. Número de Pessoa Colectiva: 501 417 303 TELEFONE: 21 492 41 77 1 IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85 SEDE RUA MÁRIO VIEGAS, Nº 1 CASAL DE SÃO BRÁS 2700-899 AMADORA TELEFONE: 21 492 70 71 FAX: 21 492 70 71 E-MAIL: unidoscaboverde@gmail.com

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011

O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO. Odivelas, 31 de Março de 2011 O Programa CLDS: Abrir Caminhos para a Inovação Maria José Maia 3º SECTOR: CONTRIBUTOS PARA A INOVAÇÃO Odivelas, 31 de Março de 2011 1 3º SECTOR REFERENCIAL TEORICO- CONCEPTUAL Conceito utilizado pela

Leia mais

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação

Projecto MAIOR. Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação Projecto MAIOR Movimento Autonomia Independência Oportunidade - Recuperação 1. Como nasceu o projecto 2. Projecto 3. O Arranque 4.Junte-se a nós! 1. Como nasceu o projecto Envelhecimento da População Envelhecimento

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2008 ÍNDICE Considerações Gerais 3 PROJECTOS DO EIXO 1: Melhorar as Condições de Vida dos Idosos e sua Integração na Comunidade 1.1 PCHI Programa

Leia mais

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias

ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR. Reduzir as desigualdades em saúde. Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias ACTUAR NOS CONDICIONANTES VIVER A VIDA: MAIS E MELHOR Reduzir as desigualdades em saúde Garantir um ambiente físico de qualidade Promover a saúde das crianças, adolescentes e famílias Melhorar a saúde

Leia mais

Plano de Actividades 2011

Plano de Actividades 2011 Plano de Actividades 2011 Associação de Reabilitação e Integração Ajuda PLANO DE ACTIVIDADES 2011 No ano de 2011, a Direcção da ARIA, continuará a desenvolver a missão estatutária da Instituição, promovendo

Leia mais

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis.

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis. CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012 SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO Maria Helena Patrício Paes mhpaes@prosalis.pt Unidos por uma causa, por causa de quem precisa! Introdução

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais PLANO DE ACÇÃO 2010 EIXOI PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSOS OBJECTIVO GERAL: Requalificação de Equipamentos e Serviços sociais de Apoio a Idosos Objectivos específicos Acções Calendarização

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2014

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2014 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2014 I INTRODUÇÃO Nos termos da alínea b) do Artigo 35.º dos Estatutos da ANEA, a Direcção desta associação apresenta

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Junta de Freguesia de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 2011. Introdução

Junta de Freguesia de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 2011. Introdução Junta de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 21 Introdução O ano de 21, para além de ser um ano de continuidade de Projectos idealizados e iniciados no ano transacto é sem sombra de dúvidas um ano complicado

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Saúde Móvel Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Saúde Móvel Morada Avenida de Ceuta (Sul), Lote

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2012

PLANO DE ATIVIDADES 2012 PROMOÇÃO DA CIDADANIA SÉNIOR Grupo de trabalho pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade PLANO DE ATIVIDADES 2012 Peniche Certos de que estamos perante um dos desafios mais relevantes do século

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

PROJECTO ESCOLA ACTIVA

PROJECTO ESCOLA ACTIVA PROJECTO ESCOLA ACTIVA INTRODUÇÃO A obesidade infantil tornou-se, desde os princípios dos anos 80 a doença nutricional pediátrica mais prevalente a nível mundial, não atingindo apenas os países desenvolvidos

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº6/2015 MEDIDA III - INCENTIVOÀ CRIAÇÃO DE MICRO E PEQUENOS PROJECTOS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas Informação Escrita Nos termos da alínea o) do artº.17º da Lei nº.5-a/2002 de 11 de Janeiro, e no âmbito das suas competências, a Junta de Freguesia de Portimão apresenta à Assembleia de Freguesia, a informação

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores

Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores Programa Regional de Reestruturação dos Serviços de Apoio Domiciliário e de Apoio aos Cuidadores 2015-2016 Entidades Promotoras: Direção Regional da Solidariedade Social Instituto de Segurança Social dos

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto Regulamento do Projeto de Emergência Social - P.E.S.- Aprovado na reunião do Órgão Executivo de 11 de Dezembro de 2014. Proposta a apresentar à Exmª. Assembleia

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Porto Escondido. Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo

Porto Escondido. Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo 47 Porto Escondido Cuidados de saúde a pessoas sem-abrigo 51 Na cidade do Porto, voluntários de Médicos do Mundo - Portugal percorrem a pé, duas noites por semana, as ruas da cidade. Fazem-no durante

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades 2016 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Actividades Resposta Social: Centro Comunitário Porto, 2016 1. INTRODUÇÃO O presente plano tem como objectivo definir e delinear estratégias

Leia mais

Data: 10 de dezembro de 2015 Local: Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal Horário: 9.30 horas

Data: 10 de dezembro de 2015 Local: Auditório dos Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal Horário: 9.30 horas 55.ª Reunião plenária ordinária do Conselho Local de Ação Social do Seixal - Comemorações do Dia dos Direitos Humanos e inauguração da Exposição da Manta da Igualdade Data: 10 de dezembro de 2015 Local:

Leia mais

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS

FICHA DO PROJECTO. Desporto para todos. Fundação Aragão Pinto - IPSS FICHA DO PROJECTO Desporto para todos Nome do Projecto: Sport For All - Desporto e Inovação Objectivos do projecto:. Envolvimento de jovens na criação de um programa inovador de prevenção e integração

Leia mais

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Programa REDE SOCIAL Arruda dos Vinhos, 13 de março de 2013 EIXO 1 - Qualificar o Nível de Vida das Pessoas Problema Objetivo Especifico Ações Dificuldade

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora _FICHA TÉCNICA Título Plano de Ação 2015 Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora Ana Moreno Coordenadora Ana Costa & Rute Gonçalves & Sónia Pires Técnicas de Apoio António Venâncio & Helena

Leia mais