Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos"

Transcrição

1 Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Programa REDE SOCIAL Arruda dos Vinhos, 13 de março de 2013

2 EIXO 1 - Qualificar o Nível de Vida das Pessoas Problema Objetivo Especifico Ações Dificuldade em flexibilizar respostas para grupos juvenis específicos Até dezembro de 2013, sensibilizar as entidades privadas e publicas para o estabelecimento de parcerias na área da formação e ocupação de jovens Sensibilização das instituições locais para receberem alunos para trabalho cívico Sensibilização das empresas para a situação da formação e integração no mercado de trabalho dos alunos com projetos de vida indefinidos Criação de uma estrutura de apoio à formação e emprego

3 EIXO 1 - Qualificar o Nível de Vida das Pessoas Problema Objetivo Especifico Ações Levantamento das atividades de lazer desenvolvidas pelas entidades locais Dificuldade em flexibilizar respostas para grupos juvenis específicos Até dezembro de 2013, promover a coordenação e a sincronização de atividades de lazer Cruzamento das atividades de lazer com os tempos de realização mapa de cobertura Apresentação de proposta de coordenação e sincronização de atividades de lazer

4 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Escassez de recursos humanos ao nível do atendimento social por parte dos serviços da Segurança Social Número crescente de agregados familiares com dificuldades na gestão do orçamento familiar Até dezembro de 2013, desenvolver um trabalho de intervenção social em parceria no âmbito do atendimento em ação social Formalizar o estabelecimento de um acordo, ao nível do atendimento social, entre Segurança Social e Município Realização do atendimento social partilhado com acompanhamento de processos de ação social e Rendimento Social de Inserção

5 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Análise das candidaturas PCAAC e BACF em Núcleo Executivo Número crescente de agregados familiares com dificuldades na gestão do orçamento familiar Até dezembro de 2013, melhorar a articulação entre os diversas entidades de apoio social Participação nas ações de formação no âmbito do guião operativo Realização de reuniões de Banco Solidário de Arruda dos Vinhos Análise das situações e estudo dos AF apoiados em BSAV

6 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Número crescente de agregados familiares com dificuldades na gestão do orçamento familiar Até dezembro de 2013, melhorar a articulação entre os diversas entidades de apoio social Criação de um Pólo de Recepção de produtos alimentares de AV Gestão do Pólo de Recepção Apoio no desenvolvimento de campanhas de angariação de produtos alimentares

7 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Elaboração do Plano Municipal para a Igualdade Número crescente de agregados familiares com dificuldades na gestão da vida familiar Até dezembro de 2013, melhorar a articulação entre os diversas entidades de apoio social Nomeação de um conselheiro local para a igualdade Sensibilização dos funcionários das autarquias locais para as questões da igualdade Desenvolvimento de ações de promoção de práticas de igualdade junto da comunidade educativa

8 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Dinamização do grupo de trabalho de apoio à população idosa Elevado número de idosos com inactividade física, cognitiva e social Até dezembro de 2013, melhorar a articulação entre os diversas entidades de apoio social Apoio ao processo de georeferenciação Acompanhamento e intervenção junto de pessoas em situação de isolamento

9 Eixo 2 - Promover a Melhoria dos Recursos de Apoio Social e Humanitário Problema Objetivo Especifico Ações Aquisição de material de ajudas técnicas Insuficientes formas de garantir aos grandes dependentes cuidados necessários para a manutenção da qualidade de vida Até dezembro de 2013, apoiar na criação de um Centro de Ajudas Técnicas para dependentes e grandes necessitados Organização de uma campanha local para entrega de equipamento/ajudas técnicas Tratamento do equipamento/ajudas técnicas Apoio à ação do Centro de Ajudas Técnicas de AV

10 Eixo 3 Diagnóstico Social do Concelho de Arruda dos Vinhos Problema Objetivo Especifico Ações Pesquisa de dados e recolha documental Desactualização do Diagnóstico Social do Concelho de Arruda dos Vinhos de 2009 Até dezembro de 2013, elaborar o Diagnóstico Social do Concelho de Arruda dos Vinhos Tratamento de dados/informação Reuniões e entrevistas com entidades e parceiros da Rede Elaboração do relatório de Diagnóstico Social do concelho de Arruda dos Vinhos

11 Discussão e Votação do Plano de Ação 2013 Conselho Local de Ação Social de Arruda dos Vinhos REDE SOCIAL março de 2013

12 Diagnóstico Social do Concelho de Arruda dos Vinhos REDE SOCIAL março de 2013

13 Diagnóstico Social do Concelho de Arruda dos Vinhos Identificação dos principais problemas, reflexão e discussão em workshops temáticos, metodologias participativas de diagnóstico, utilizando a matriz SWOT; Recolha de informação qualitativa e quantitativa pertinente de acordo com problemas sociais existentes e identificados; Tratamento, análise e interpretação das informações recolhidas, numa visão de conjunto dos problemas identificados e relacionando-os de modo a superar uma análise sectorial visão integrada da realidade; Avaliação da adequação dos recursos locais aos problemas; Definição de prioridades de intervenção social através do Modelo de Eisenhower; Definição de Eixos de Desenvolvimento e respectivos impactes pretendidos.

14 Banco Solidário de Arruda dos Vinhos REDE SOCIAL dezembro de 2012

15 Apoio Alimentar Conferência Vicentina Nossa Senhora da Salvação Apoio Alimentar Numero Masculino Feminino Titulares benef Total de pessoas com apoio alimentar 266

16 Apoio Alimentar Conferência Vicentina Nossa Senhora da Salvação Distribuição por freguesias Nº Titulares benef. Nº global de apoio Arranhó Arruda dos Vinhos Cardosas 4 11 S. Tiago dos Velhos 6 10

17 Apoio Alimentar Conferência Vicentina Nossa Senhora da Salvação Tipo de família Numero Alargada 6 Isolado 38 Monoparental 13 Nuclear com filhos 39 Nuclear sem filhos 7

18 Apoio Alimentar Conferência Vicentina Nossa Senhora da Salvação Faixa Etária

19 Apoio Alimentar Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Apoio Alimentar Numero Masculino Feminino Titulares benef Total de pessoas com apoio alimentar 105

20 Apoio Alimentar Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Distribuição por freguesias Nº Titulares benef. Nº global de apoio Arranhó 8 26 Arruda dos Vinhos Cardosas 1 3 S. Tiago dos Velhos 5 8

21 Apoio Alimentar Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Tipo de família Numero Alargada 4 Isolado 13 Monoparental 10 Nuclear com filhos 11 Nuclear sem filhos 4

22 Apoio Alimentar Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Faixa Etária

23 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Apoio Alimentar Numero Masculino Feminino Titulares benef Total de pessoas com apoio alimentar 23

24 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Distribuição por freguesias Nº Titulares benef. Nº global de apoio Arranhó 1 2 Arruda dos Vinhos 9 21 Cardosas 0 0 S. Tiago dos Velhos 0 0

25 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Tipo de família Numero Alargada 0 Isolado 4 Monoparental 4 Nuclear com filhos 2 Nuclear sem filhos 0

26 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos Faixa Etária

27 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos HOJE Apoio Alimentar Numero Masculino Feminino Titulares benef Total de pessoas com apoio alimentar

28 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos HOJE Distribuição por freguesias Nº Titulares benef. Nº global de apoio Arranhó 1 1 Arruda dos Vinhos Cardosas 0 0 S. Tiago dos Velhos 0 0

29 Apoio Alimentar Programa Cantina Social Santa Casa da Misericórdia de Arruda dos Vinhos HOJE Tipo de família Numero Alargada 0 Isolado 4 Monoparental 7 Nuclear com filhos 3 Nuclear sem filhos 1

30 Agradecemos a todos os parceiros pela participação e colaboração Conselho Local de Ação Social de Arruda dos Vinhos REDE SOCIAL março de 2013

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012 Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social Sónia Paixão 8 de Maio 2012 Loures Mais Social: Diferentes Desafios, Novas Abordagens Responsabilidade Social É a integração voluntária de preocupações

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

Diagnóstico Social Cascais

Diagnóstico Social Cascais Diagnóstico Social Cascais Diagnóstico Social Cascais 1. Porque é que queremos o Diagnóstico Social? 2. O que se pretende com o Diagnóstico? 3. Como vai ser realizado? 4. Com quem vai ser desenvolvido

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a mobilidade, a coesão social e a igualdade de género,

Leia mais

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 Escola ou Centro de Formação que demonstre evidências do desenvolvimento de uma cultura empreendedora A.Identificação do estabelecimento de ensino ou

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 Considerando que na Região Autónoma dos Açores, à semelhança do País, regista-se um elevado número de jovens

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado

Nós! - criação de Equipas Divulgação do Projecto x A divulgação iniciou-se apenas em Dezembro devido Locais de Voluntariado I Eio de Intervenção Grupos Vulneráveis (População Idosa) Ações Atividades Eecutado Iniciado mas eecutado Justificação para a não conclusão/eecução Projeto Menos Sós Mais Elaboração do Projecto Nós! -

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Figueiró dos Vinhos 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro de 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DA SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede

Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede Associação Humanitária de Bombeiros de Parede Amadeu Duarte Candidatura DLBC Urbano Carcavelos-Parede 25 de Março de 2015 1 Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) OCIDENTAL urbano costeiro rural

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento Plano de Desenvolvimento Social Índice 1-Introdução... 6 2-Enquadramento Metodológico... 8 3-Articulação do Plano de Desenvolvimento com as Politicas e Medidas Nacionais... 9 4. Eixos de Intervenção...

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais PLANO DE ACÇÃO 2010 EIXOI PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSOS OBJECTIVO GERAL: Requalificação de Equipamentos e Serviços sociais de Apoio a Idosos Objectivos específicos Acções Calendarização

Leia mais

ANEXO I. PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI

ANEXO I. PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI ANEXO I PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA:

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento

Plano de Atividades e Orçamento VEM VENCER ASSOCIAÇÃO DE APOIO A CRIANÇAS, IDOSOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Plano de Atividades e Orçamento 2014 Plano de Atividades e Orçamento de 2014 da associação Vem Vencer Associação de Apoio a Crianças,

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

A Administração Local das Escolas

A Administração Local das Escolas A Administração Local das Escolas A ação de consultoria em projetos locais Cristina Palmeirão 20 maio 2015 cpalmeirao@porto.ucp.pt O princípio SAME Serviço de Apoio à Melhoria das Escolas é uma dinâmica

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EIO ESTRATÉGICO DA ACÇÃO SOCIAL DO PDS DE VNG VECTORES PROJECTOS ESTRATÉGICOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS RECURSOS INTERNOS RECURSOS ETERNOS Promover uma maior conciliação entre a actividade profissional e

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009 Eixos de Desenvolviment o Criar Dinâmicas de Apoio ao Envelheciment o Demográfico Objectivos Gerais/Estratégicos Iniciar até ao final de 2005, as actividades necessárias à criação de: uma Unidade Móvel

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E ÂMBITOS Artigo 1º O Atendimento/Acompanhamento Social é uma Valência da Associação de Melhoramentos de Eixo, Instituição

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 30 de Outubro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu A questão da Terceira Idade foi abordada no penúltimo workshop, que teve lugar no dia 26.06.2006, contando com a participação das seguintes instituições/entidades: - ASE Ass. de Solidariedade Estarrejense

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora _FICHA TÉCNICA Título Plano de Ação 2015 Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora Ana Moreno Coordenadora Ana Costa & Rute Gonçalves & Sónia Pires Técnicas de Apoio António Venâncio & Helena

Leia mais

Investir na Educação, Construir o Futuro. Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada

Investir na Educação, Construir o Futuro. Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada Investir na Educação, Construir o Futuro Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada Caracterização do Concelho de Mealhada - Área: 111 Km 2 - População: 22 099 habitantes - Território

Leia mais

REGIÃO CENTRO OESTE. Grupo 1 TRABALHO INFORMAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Educação. Esporte e Lazer

REGIÃO CENTRO OESTE. Grupo 1 TRABALHO INFORMAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Educação. Esporte e Lazer REGIÃO CENTRO OESTE Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Conscientizar os envolvidos sobre o que é trabalho infantil e quais suas consequências. Grupo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA FLORIANÓPOLIS/SC Junho 2010 Júlio César V Guimarães O Reordenamento Institucional da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Educandário Dom

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS

PROGRAMA REDE SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CONCELHO DE ARRUDA DOS VINHOS PROGRAMA REDE SOCIAL PROJECTO FINANCIADO PELO ESTADO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO Junho 2005 Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 02/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 21-03-2012 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 18h00 Hora do fecho: 20h30 Presenças:

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 25.122,75 53.500,00 53.500,00 55.105,00 51.456,00 53.001,00 238.184,75 1.1. Serviços gerais de 12.275,53 30.500,00 30.500,00 31.415,00 27.054,00 27.866,00 129.110,53 administração

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE BEJA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL 2004 Conselho Local de Acção Social Rede Social de Beja Coordenação Técnica do GIIT Responsáveis Técnicos: - António Batista - Ilda

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane

Universidade Eduardo Mondlane Universidade Eduardo Mondlane - Pobreza Urbana Intercâmbio entre a Ciência e a Prática - 16 Abril de 2008 Governação Municipal Participativa e a Redução da Pobreza Fernando Vieira 1 2 Estrutura e Objectivo

Leia mais

Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9

Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL ÍNDICE Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9 1 INTRODUÇÃO O plano de desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Plano de Formação Sensibilização / Informação

Plano de Formação Sensibilização / Informação Plano de Formação 2008 Acção de Formação/ Dinamização Parcerias Partilha de Informação SETEMBRO Última Semana Dirigentes das Dirigentes e - Contactar Dr.ª Rosinha Madeira Saúde da U.A.) União das IPSS

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

Plano de Ação 2012. Conselho Local de Ação Social

Plano de Ação 2012. Conselho Local de Ação Social Plano de Ação 2012 Conselho Local de Ação Social Julho de 2012 IDENTIFICAÇÃO E FICHA TÉCNICA Título do documento: Plano de Ação 2012 Órgãos responsáveis: Órgão deliberativo: Conselho Local de Ação Social

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Plano de Acção dos Projectos Estruturantes

Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Eixo I Certificação e Cobertura de Serviços e Equipamentos Sociais PROJECTO: EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS SOCIAIS SUB-PROJECTO: Rede de Famílias de acolhimento para

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

Entidade Promotora: Co-Financiamento:

Entidade Promotora: Co-Financiamento: AGENDA 21 LOCAL Quem somos..? EGA Autarquia FÓRUM Agenda XXI Local para quê!? Identificar os pontos fortes e fracos a nível social, económico e ambiental; Sensibilizar e mobilizar a população local para

Leia mais

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011

JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 JOVENS NO PÓS SECUNDÁRIO 2011 Ficha Técnica Título Jovens no Pós 2011 Autoria Centro de Investigação e Estudos em Sociologia Instituto Universitário de Lisboa Fernando Luís Machado (coord.); David Nóvoas;

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível. João Santos Câmara Municipal da Lousã

I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível. João Santos Câmara Municipal da Lousã I Fórum Regional Empreendedorismo em Turismo Acessível João Santos Câmara Municipal da Lousã Açores 24 de setembro de 2015 LOUSÃ território inclusivo Políticas públicas para a Inclusão Sensibilidade Social,

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que:

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que: PROTOCOLO ENTRE PRIMEIRO: MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO, pessoa colectiva de direito público, com o NIPC nº 512 044 040, com sede na Praça Velha, freguesia de Sé, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE IMPACTE SOCIAL. 2014. Florinhas do Vouga. Diagnóstico de Impacte Social 2014. 1

DIAGNÓSTICO DE IMPACTE SOCIAL. 2014. Florinhas do Vouga. Diagnóstico de Impacte Social 2014. 1 DIAGNÓSTICO DE IMPACTE SOCIAL. 2014 Florinhas do Vouga. Diagnóstico de Impacte Social 2014. 1 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA. 3 IMPACTE SOCIAL. 4 DIAGNÓSTICO DE IMPACTE SOCIAL FLORINHAS DO VOUGA. 6 Metodologia.

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO Mais importante do que a sua forma jurídica, o que distingue as empresas da economia social é o primado do objecto social sobre a maximização do lucro. E a satisfação de necessidades que outros sectores

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Índice. rede social pds e pa

Índice. rede social pds e pa Índice Introdução 2 Eios de intervenção 3 Metodologia 4 Articulação com outros planos 5 Linhas orientadoras 9 Eios intervenção 11 Conclusão PDS 22 Plano de acção 23 Planificação actividades 24 Conclusão

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental PROGRAMA DE AÇÃO 2016 Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II EIXOS/OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 III AÇÕES E ATIVIDADES... 4 IV AVALIAÇÃO... 4 V

Leia mais

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação Objectivos do Ano Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza Responsabilidade Partilhada e Participação Coesão Empenho e Acções Concretas Objectivos a Nível Concelhio Objectivo 1: Sensibilização

Leia mais