Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002"

Transcrição

1 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em contrapartida no Baixo Alentejo e Alentejo esses valor era respectivamente de 37,8 e 36%, o que parece estar conforme às dinâmicas demográficas anteriormente descritas. A evolução dos pensionistas permite constatar uma variação negativa na ordem dos 4,5%. Nesse mesmo ano contavam-se cerca de um activo por cada pensionista. Esta relação merece ainda uma observação especial. Se, a estes números acrescentarmos os de outros tipos de pensionistas, nomeadamente os da Caixa Geral de Aposentações (funcionários públicos), e, se por outro lado, contarmos apenas a população activa empregada, chegaremos a um ratio ainda mais significativo. Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em Total Tipo de Pensionistas Invalidez Velhice Sobrevivência Vidigueira ,4 67,6 20, Baixo Alentejo 14,5 65,2 20,3 Alentejo 14,2 66,9 18,9 Vidigueira ,4 66,8 22, Baixo Alentejo 11,8 64,8 23,4 Alentejo 11,4 66,1 22,5 A análise dos três principiais tipos de pensão (sobrevivência, velhice e invalidez), evidencia que todos os tipos de pensão, à excepção da de sobrevivência, baixaram ligeiramente, registando-se semelhante tendência ao nível regional. A pensão por velhice é a que regista maior incidência de pensionistas, em 2001 em cada 100 residentes, 26 eram pensionistas por velhice, valor que desce para 9 e 4, respectivamente no caso da pensão por sobrevivência e de invalidez. 7.2 Subsídio de Desemprego O subsídio de desemprego constitui outra das medidas de protecção social consagradas no sistema de Segurança Social. A nível concelhio, em 2002, o número de beneficiários com prestação de desemprego foi de 293, valor inferior ao número de desempregados inscritos no Centro de Emprego (344 desempregados), em igual período. Este facto denota a existência de desempregados que não usufruem do subsídio de desemprego. Quadro 2 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 Sexo Idade H M < >=55 Vidigueira 33, , , , , , , ,6 75 Baixo Alentejo 34,8 65,2 10,5 13,0 23,5 20,7 9,8 22,6 Alentejo 31,7 68,3 10,6 13,0 22,4 20,5 10,0 23,6 Em termos de caracterização dos beneficiários, é de notar que são na sua grande maioria mulheres, atingindo quase os 67% que se justifica pelo facto do desemprego existente ser maioritariamente feminino. Contudo, considerando o total de desempregados por género, verifica-se que o maior número de pessoas sem direito a subsídio de desemprego são as mulheres.

2 45 Em relação à sua distribuição por escalões etários, os valores mais elevados situam-se nas faixas etárias dos mais 55 de anos, dos anos e dos anos que, na sua totalidade representam 65,9% do total de desempregados, o que indica tratar-se de uma população não muito jovem. Em termos comparativos com as envolventes regionais, a distribuição dos desempregados por género e grupos etários é muito próxima, não sendo de assinalar diferenças significativas. 7.3 Acção Social No concelho de Vidigueira, o Serviço Local de Acção Social do Instituto de Solidariedade e Segurança Social Centro Distrital de Beja, funciona nas antigas instalações da Casa do Povo e conta diariamente com o trabalho de um técnico de Serviço Social. Os atendimentos de acção social obedecem a um dia pré-estabelecido que corresponde às terças-feiras de cada semana. Com a prestação deste serviço pretende-se promover a prevenção de situações de carência, disfunção e marginalização e a integração comunitária. Destina-se, assim, a assegurar protecção aos grupos mais vulneráveis: crianças, jovens, pessoas com deficiências e idosos que se encontram em situação de carência económica ou social, sob o efeito de disfunção e/ou de marginalização. Quanto aos meios disponíveis, a Acção Social concretiza-se através de prestações pecuniárias (subsídios com carácter eventual) e em espécie (englobam a utilização de serviços e equipamentos sociais) adequadas às eventualidades a proteger e tendo em conta a situação dos beneficiários e suas famílias. Durante o ano de 2001 foram realizados 400 atendimentos, enquadrando-se aproximadamente metade no âmbito da Acção Social (202 atendimentos, valor inferior ao registado em 2002 que correspondeu a 533) e os restantes no Rendimento Mínimo Garantido. Uma distribuição dos atendimentos por freguesia revela que 46 % dos beneficiários residem em Vidigueira, 21% em Vila de Frades, 16% Pedrógão e 17% em Selmes. Estabelecendo a relação com a respectiva população residente, os valores percentuais são respectivamente 6,2%, 8,3%, 5,3% e 6,8%, distanciando-se, assim, ligeiramente da respectiva concentração populacional existente. É Vila de Frades que apresenta a maior proporção de pessoas que recorrem ao serviço local de acção social. Quadro 3 Atendimentos realizados em 2001, segundo o tipo de atendimento Acção Social RMG Tribunal Vidigueira (concelho) Pedrógão Selmes Vidigueira Vila de Frades Fonte: Instituto de Solidariedade e Segurança Social Centro Distrital de Beja No que se refere aos problemas 1 apresentados, observa-se que a insuficiência económica e o desemprego são os que registam, ainda que com valores diferentes, a importância relativa mais elevada, nos dois anos em análise. Em 2003, observa-se, no entanto, um aumento da importância do primeiro (insuficiência económica) e uma diminuição do segundo (desemprego). A análise da evolução registada entre 2002 e 2003, revela uma variação positiva ao nível do problema deficiência, encargos com saúde e idosos, contudo só este último assume uma expressão significativa atingindo um valor na ordem dos 135%. De entre os problemas que têm uma variação negativa, é de destacar, pela importância dos seus valores, os problemas relacionados com a habitação e os menores em risco. Especificamente em relação aos menores em risco, há uma explicitação que deve ser introduzida e que se relaciona com o facto destes atendimentos, em meados de terem deixado de ser contabilizados pela Assistente Social responsável pelo serviço local de acção, passando estes processos para outro técnico da Segurança Social. 1 De notar que vários problemas podem estar associados a um único atendimento, daí a não coincidência dos números totais. 2 Este procedimento resultou da substituição temporária da Assistente Social responsável pelo serviço de Acção Social.

3 46 Quadro 4 Atendimentos realizados, segundo o tipo de problema apresentado Insuficiência Económica 30, ,9 209 Doença/Invalidez 8, ,1 125 Deficiência 1,6 10 0,8 8 Desemprego 16, ,0 229 Habitação 0,2 1 5,1 49 Desajust. Psico-social 0,6 4 1,1 10 Idosos 11,3 73 3,3 31 Menores em risco 0,3 2 4,4 42 Encargos com saúde 13,3 86 8,8 84 Toxicodependência 6,2 40 8,8 84 Outros 11,2 72 8,6 82 Fonte: ISSS Centro Distrital de Beja Quando se analisa a distribuição dos problemas apresentados por freguesia, torna-se evidente a sua semelhança com a distribuição global, sobressaindo os problemas insuficiência económica e desemprego, a única excepção acontece em Vidigueira em que o segundo maior problema apresentado corresponde aos encargos com saúde. A diferenciação existe ao nível da intensidade dos problemas. Assim, verifica-se que a maior intensidade é assumida pelos beneficiários de Vila de Frades e Selmes (com valores percentuais acima dos 30% e 20%). No que concerne às respostas apresentadas, sobressaía em 2002 a informação/orientação e em 2003, para além desta também a ajuda económica. Todas as respostas, com excepção, da informação/orientação, registaram uma evolução positiva entre estes dois anos, sendo de destacar pela importância assumida a concessão de ajuda técnica e o RMG. Quadro 5 Atendimentos realizados, segundo o tipo de resposta apresentada Ajuda económica 27, ,0 67 Informação/orientação 33, ,4 431 Apoio psico-social 6,5 43 RMG 21,4 142 Colocação em instituição 1,7 11 Concessão de ajuda técnica 6,8 45 Outros 1,8 12 Fonte: ISSS Centro Dstrital de Beja 2,5 14 5,0 28 0,5 3 0,4 2 2,2 12 A análise dos dados relativos às respostas dadas pela Acção Social, por freguesia evidencia de imediato uma diferenciação em relação à distribuição global. A ajuda económica e a informação/orientação só sobressaem em Vidigueira e Selmes, pois em Vila de Frades e Pedrógão, a primeira resposta é substituída pelo encaminhamento para o RMG. Quanto à atribuição de subsídios eventuais verifica-se que no ano 2003 foram, no total, atribuídos 127 subsídios que beneficiaram 76 pessoas e envolveram uma verba total de ,53. Em termos médio, estes dados perfazem um total de 1,7 subsídios por pessoa e 254,30 por pessoa.

4 47 Ajudas Técnicas (1) Verba da Sida (2) Quadro 6 Atribuição de subsídios eventuais, por tipo de subsídio Verba da Toxicodependência (3) Outros eventuais (4) Nº Benef. 34,2 26 2,6 2 13, ,0 38 Nº Subs. 24, , , ,8 48 Verba 50, ,28 14, ,00 18, ,21 17, ,00 Total ,49 (1) Destinam-se a compensar a deficiência ou atenuar-lhe as consequências e a permitir o execrcício de actividades quotidianas e a participação na vida escolar, profissional e social. (2) Destinam-se a indivíduos ou famílias carenciadas a nível económico, atingidas pelo vírus da sida. (3) Destinam-se a indivíduos, em situação de carência económica, atingidos pelo flagelo da toxicodependência. Fonte: ISSS Centro Distrital de Beja Atendendo aos diferentes subsídios, são as ajudas técnicas que envolveram a maior parte da verba dispensada (50,9%) em 2003 e os outros eventuais o maior número de beneficiários (50% dos beneficiários) e de subsídios (37,8%) Em termos de relação beneficiário-subsídio, os valores mais elevados ocorrem nos subsídios verba da toxicodependência e verba da sida, ou seja, é nestes subsídios que temos um maior número de subsídios por pessoa, e no segundo também um maior verba por pessoa. Uma distribuição deste indicadores por freguesia evidencia que o maior número de beneficiários, de subsídios e de verba pertence à freguesia de Vidigueira, segue-se Pedrógão ao nível do número de beneficiários e Selmes ao nível de subsídios e verba dispensada. Vila de Frades apresenta sempre os quantitativos mais baixos. 7.4 Rendimento Mínimo Garantido (RMG) No concelho de Vidigueira a implementação do Rendimento Mínimo Garantido (RMG) data de 1997, uma vez que não integrou a fase experimental de aplicação desta medida. Trata-se de uma medida de política social activa que visa garantir às famílias mais pobres um rendimento que lhes permita aceder, por um lado, a um nível mínimo de subsistência e dignidade e, por outro lado, a condições e oportunidades básicas para o início de um percurso de inserção social. Em termos de filosofia de execução o RMG tem subjacente um modelo de gestão participada, com base territorial, fundamentado em parcerias. A constituição de Comissões Locais e Acompanhamento e de Núcleos Executivos corresponde à materialização deste modelo. No caso específico, de Vidigueira o primeiro órgão é constituído pelas seguintes entidades: Juntas de Freguesia, Câmara Municipal de Vidigueira, ISSS Centro Distrital de Beja, Coordenação Concelhia do Ensino Recorrente, Centro de Saúde, Centro de Emprego e Santa Casa da Misericórdia de Vidigueira. O segundo integra, com excepção das Juntas de Freguesia, representantes de todas as entidades anteriormente referidas. Em termos globais, a observação da evolução dos requerimentos de RMG despachados, remete para uma significativa variação negativa (na ordem dos 52%) entre o segundo e o sétimo ano de implementação, verificando-se semelhante tendência ao nível do distrito ainda que com intensidade menor (variação na ordem dos 34%). Quando se analisa os processos indeferidos, verifica-se que a taxa de indeferimento em 1998 assumia um valor bastante elevado, 51,8% (correspondente a 168 processos), significativamente superior à taxa média do distrito. Trata-se de uma situação que já se encontra mais regularizada em 2002 e 2003, apresentando respectivamente taxas de 24 e 26%, consequentemente mais próximas dos valores do distrito. Quadro 7

5 48 Requerimentos de RMG despachados e taxas de indeferimento em 1998, 2002 e 2003 Concelho Distrito Requerimentos despachados Taxa de indeferimento 51,8 23,9 26,8 Requerimentos despachados Taxa de indeferimento 31,2 31,0 27,8 Estes valores de indeferimento podem dever-se ao facto de muitos casos de pobreza existentes em Vidigueira se situarem nas franjas imediatamente superiores aos limiares fixados pela medida. Mesmo que à partida se tenha a certeza que o processo irá ser indeferido pelo facto dos rendimentos serem superiores aos definidos, os procedimentos legais obrigam a que seja constituído um processo por cada requerente, o que se reflecte posteriormente na taxa de indeferimento. Quadro 8 Evolução do nº de beneficiários e famílias, 1998, 2002 e 2003 Concelho Distrito 31 Dez Dez Variação % Nº de beneficiários ,5 Nº de famílias ,6 Nº de beneficiários ,3 Nº de famílias ,4 Ainda no âmbito dos dados globais de execução do RMG, importa considerar a evolução do número de beneficiários entre 2002 e 2003 que evidencia ao nível concelhio um aumento ligeiro, por oposição ao distrito que registou um decréscimo. Trata-se, no entanto, de um aumento de beneficiários acompanhado por um decréscimo do número de famílias, o que denota um aumento da extensão média do agregado familiar beneficiário. Importa ainda referir que em 2003, das 109 famílias somente 93 tinham a prestação activa e, no distrito, o valor de desce para Considerando a população residente verifica-se que o número de beneficiários ascende a 5,4%. Por sua vez, considerando a importância relativa dos beneficiários do concelho ao nível do distrito, verifica-se que essa representatividade é, em 2003, na ordem dos 4,5%, valor ligeiramente superior ao registado em 2002, 3,9%. Ainda no âmbito dos beneficiários de RMG, é de referir que se verifica uma presença significativa da comunidade cigana, pois todos os ciganos com residência no concelho, com excepção de uma mulher cigana reformada, são beneficiários do RMG. Contudo, a esmagadora maioria dos beneficiários não pertence a esta minoria étnica. Concelho Distrito Quadro 9 Beneficiários de RMG, por escalão etário e sexo em 31 Dez. de 2003 < e mais H M Total H M Total Total Procedendo a uma caracterização dos beneficiários por sexo, é interessante verificar que maioritariamente são homens, atingindo 52,5%, contrariando assim a tendência registada a nível do distrito. Em relação à distribuição dos beneficiários segundo os escalões etários, verifica-se que, em geral, os valores mais elevados quer a nível concelhio quer distrital se situam nas faixas etárias dos menos de 18 anos e dos anos, o que indica tratar-se de uma população relativamente jovem. De qualquer modo existem percentagens também consideráveis nos dois escalões seguintes dos anos e dos 35-44

6 49 anos. Apesar destas diferenças, pode-se dizer que na generalidade a distribuição é regular excepto na base, ou seja, nas pessoas com menos de 18 anos. No que se refere à cessação da prestação de RMG, esta constitui um procedimento que se pode accionar em qualquer momento do processo de prestação desde que se verifique uma das situações consagradas na regulamentação da medida. Os dados do quadro 4 evidenciam que grande maioria das cessações devem-se à não continuidade da situação de grave carência económica, motivo que a nível distrital assume uma importância relativa ainda mais elevada. A este motivo segue-se a não celebração do acordo de cooperação de inserção por motivos imputáveis ao interessado e o incumprimento do acordo de cooperação por parte do interessado. Os restantes motivos apresentam uma importância relativa muito mais baixa. De notar a especificidade concelhia relativa ao segundo motivo apresentado no quadro 4 - não celebração do acordo de cooperação por motivos imputáveis ao interessado que sobressai de forma intensa em relação ao valor médio do distrito. Quadro 10 Nº de beneficiários com prestações de RMG cessadas, por motivo de cessação valores acumulados até Outubro de 2003 Não continuidade da situação de grave carência económica Não celebração do Acordo de Cooperação por motivos imputáveis ao interessado Incumprimento do Acordo de Cooperação por parte do interessado A pedido do requerente Por morte do titular Alteração da composição do agregado familiar Outros motivos Concelho 55,4% ,8% 96 16,0% 91 0,7% 4 1,6% 9 2,1% 12 7,4% 42 Distrito 61,8% 7,7% 17,7% 1,8% 1,6% 1% 8,4% Fonte: ISSS Centro distrital de Beja STE- Sistema de Tratamento Estatístico Um dos aspectos interessantes do RMG corresponde aos Acordos de Cooperação (quadro 5). Em 31 de Dezembro de 2003, 245 beneficiários encontravam-se abrangidos por estes acordos, valor superior ao registado em 2002 (variação na ordem dos 70%), o que corresponde a 68,4% do total de beneficiários, ou seja, a percentagem de pessoas abrangidas pelos acordos é amplamente superior às dispensadas. Superior é também a proporção concelhia de acordos de inserção, face à registada a nível do distrito. Atendendo às razões para isentar os beneficiários de acordos de cooperação, estas relacionam-se normalmente com a já integração dos beneficiários numa actividade, com questões ligadas à idade ou à saúde. Quadro 11 Nº de beneficiários envolvidos nos acordos de cooperação Beneficiários com acordos de cooperação 31 Dez Dez. Concelho Distrito ,2 38,4 68, Tendo como referência as diversas áreas dos acordos de cooperação, verifica-se alguma diferença entre os anos em análise. Em 2001, a predominância da saúde seguida pela acção social são as áreas que chamam de imediato a atenção, em contrapartida em 2003 dá-se a substituição da saúde pela educação e a acção social aumenta ligeiramente a sua importância relativa. Portanto, o apoio psico-social, a melhoria das condições sociais e a frequência do sistema educativo, regular ou recorrente, constituem as áreas prioritárias de intervenção. Um outro facto evidente a nível concelhio é a baixa frequência dos acordos de cooperação na área da Formação Profissional e do Emprego, ainda que a primeira supere, em 2003, a segunda em termos de número de pessoas abrangidas.

7 50 Sabendo-se que a população a quem esta medida se dirige é, em princípio, das mais carentes ao nível da qualificação profissional é notável que a formação profissional não apresente uma importância relativa mais elevada. Tudo parece indicar que não se encontram respostas locais suficientes que possam suprir esta necessidade. Por sua vez, nas respostas ligadas ao emprego (integração no mercado de trabalho, criação do próprio emprego, ajuda na procura de emprego e encaminhamento para Programas Ocupacionais (POC s) é de destacar o elevado número de pessoas encaminhadas para os POC s, solução provisória que, a longo prazo, não resolve certamente os problemas de integração destas pessoas e que resulta mais uma vez da insuficiência de respostas locais passíveis de permitir outro tipo de integração profissional. Em termos comparativos com a situação média do distrito, reportada ao ano 2002, é de assinalar a elevada frequência (33%) dos acordos de cooperação na área do emprego que contrasta de forma evidente com o baixo valor concelhio (17%), acontecendo situação inversa ao nível da saúde. Relativamente às restantes áreas os valores não apresentam diferenças tão significativas, com excepção da habitação que só a nível distrital constitui uma área abrangida pelos acordos de inserção. Quadro 12 Nº de beneficiários envolvidos nos acordos de inserção, por áreas Educação 20% 34 Formação Profissional 8,2% 14 Emprego 17,1% 29 Saúde 31,8% 54 Acção Social 22,9% Dez Dez Concelho Distrito Concelho 18,6% 32,5% 88 6,2% 12,9% 35 33,1% 10,3% 28 18,1% 18,9% 51 18,7% 25,5% 69 Habitação 0 5,3% 0 A título complementar e, utilizando como fonte o Anuário Estatístico da Região Alentejo, constata-se que em 2002 o número de beneficiários de Rendimento Mínimo Garantido correspondeu, ao longo do ano de 2002, a 474 beneficiários. Tratam-se de beneficiários com pelo menos um processamento da prestação de RMG durante o ano. Em termos de representatividade na sub-região o valor concelhio corresponde a 4,6%. Considerando os 13 concelhos do Baixo Alentejo e o respectivo número de beneficiários de RMG, a Vidigueira encontra-se em sétimo lugar. A caracterização destes beneficiários por sexo e idade permite reforçar as tendências anteriormente enunciadas: superioridade de beneficiários masculinos e carácter relativamente jovem dos beneficiários. No que diz respeito ao tipo de famílias abrangidas pelo RMG, observa-se, com base no quadro 7, que estas são maioritariamente famílias nucleares com filhos, atingindo 56,5% do total. Bastante comum é também a situação das famílias monoparentais femininas, com 17,1%, percentagem ainda mais relevante quando comparada com as monoparentais masculinas (1,1%). Os isolados constituem 10,1% do total de famílias abrangidas, tendo uma distribuição por sexo inversa à das famílias monoparentais (6,3% do sexo masculino contra 3,8% do feminino). Nuclear s/ filhos Quadro 13 Beneficiários de RMG, segundo o tipo de família, em 2002 Nuclear c/ filhos Alargada Monoparental Masculina Monoparental Feminina Indivíduo Isolado- Homens 6,3 Indivíduo Isolado- Mulheres Vidigueira 8,7 56,5 6,5 1,1 17,1 3, Baixo Alentejo 9,3 59,8 7,3 1,0 15,6 3,8 3,1 0 Alentejo 10,7 54,3 8,3 0,9 18,6 3,7 3,5 0 Importa também referir que a distribuição concelhia se aproxima, em termos genéricos da envolvente regional. A maior diferença existente relaciona-se com o maior valor percentual de isolados homens. Outra

8 51 No que concerne ao valor da prestação e à sua duração as diferenças entre o concelho e os contextos regionais tornam-se mais evidentes. Apesar da duração da prestação estar, em todas as unidades territoriais, concentrada nos dois primeiros intervalos, verifica-se uma superioridade de concentração no caso do concelho (72% por oposição a 68% do Baixo Alentejo e 61% do Alentejo), sendo de destacar, em termos de diferenciação, a prestação entre os 0-12 meses. Portanto, tendencialmente a Vidigueira apresenta uma menor duração da prestação de RMG. Menor é também o valor da prestação, concentrando-se 47% em valores entre os 0 e 50 e somente 15,8% em valores superiores a 300. Quadro 14 Beneficiários de RMG, segundo a duração da prestação, em m 13-36m 37-60m + 60m Vidigueira 36, , , ,4 35 Baixo Alentejo 33,5 34,5 20,9 11,1 Alentejo 28,8 32,4 26,3 12,5 Quadro 15 Beneficiários de RMG, segundo o valor da prestação, em e + Vidigueira 47, , , ,5 78 4, ,8 56 Baixo Alentejo 41,5 7,8 16,2 11,3 7,2 16,1 Alentejo 41,2 10,2 18,0 13,0 6,9 10,8

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto Regulamento do Projeto de Emergência Social - P.E.S.- Aprovado na reunião do Órgão Executivo de 11 de Dezembro de 2014. Proposta a apresentar à Exmª. Assembleia

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL Uma nova frente: combater a pobreza dos idosos ( ) Criação de uma Prestação Extraordinária de Combate à Pobreza dos Idosos, para que finalmente nenhum pensionista

Leia mais

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Os indicadores de pobreza relativos a Portugal evidenciam a necessidade de correcção das intoleráveis assimetrias de rendimento existentes entre os Portugueses,

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

UM PRIMEIRO BALANÇO CONCLUSIVO E RECOMENDAÇÕES 1

UM PRIMEIRO BALANÇO CONCLUSIVO E RECOMENDAÇÕES 1 UM PRIMEIRO BALANÇO CONCLUSIVO E RECOMENDAÇÕES 1 1. Um primeiro balanço conclusivo Os dados estatísticos disponíveis ao nível nacional sobre a caracterização da população que se encontra abaixo do limiar

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

Sumário Executivo As principais características da estrutura accionista das sociedades de direito nacional cotadas na Euronext Lisbon mantiveram-se inalteradas em 2010 face ao ano anterior, ainda que denotando

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) 1 Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública do concelho de Vendas Novas PREÂMBULO O Programa de Expansão

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS 1/5 PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM) Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Masculino Feminino

Leia mais

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014)

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE. IT.E5G Relatório Semestral (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE.IT.E5G Talentos e Artes com Kreatividade e Empreendedorismo pretende constituir-se como resposta inovadora para os jovens residentes

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 (Dados 2009) José António Girão* 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 6. ESTRUTURA EMPRESARIAL 4 7. EMPREGO 5

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego

Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego 19 de Junho de 2007 Novo Regime da Reparação da Eventualidade de Desemprego João Santos Advogado DIPLOMA LEGAL Decreto-Lei n.º 220/2006, de 3 de Novembro, complementado pela Portaria n.º 8-B/2007, de 3

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

B. O mercado de seguros de doença

B. O mercado de seguros de doença B. O mercado de seguros de doença 1. Tipos de coberturas associadas ao risco de doença Os seguros de doença e algumas coberturas específicas de outros riscos com eles intimamente relacionados têm vindo

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1018/XII/4.ª PROTEGE OS DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO, FACILITA O ACESSO AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

PROJETO DE LEI N.º 1018/XII/4.ª PROTEGE OS DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO, FACILITA O ACESSO AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 1018/XII/4.ª PROTEGE OS DESEMPREGADOS DE LONGA DURAÇÃO, FACILITA O ACESSO AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Exposição de motivos Esta é uma proposta para responder ao flagelo

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

INQUÉRITO AOS NOVOS RESIDENTES

INQUÉRITO AOS NOVOS RESIDENTES INQUÉRITO AOS NOVOS RESIDENTES 1. INTRODUÇÃO A realização do inquérito de opinião junto dos novos residentes* pretendeu avaliar do conhecimento que estes munícipes têm do concelho onde residem, dos recursos

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Centro Ocidental www.observatorio-lisboa.eapn.pt

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro estabelece o regime jurídico das autarquias locais, aprova o estatuto das entidades intermunicipais,

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 1.º - Resumo da necessidade de emissão de faturas: A ASSOCIAÇÃO: Pratica exclusivamente operações isentas de

Leia mais

Casa do Direito, Abre essa porta!

Casa do Direito, Abre essa porta! Casa do Direito, Abre essa porta! Apresentação do Projecto Organização Actividades Decreto-lei nº62/2005 de 10 de Outubro Garantir a protecção e o exercício dos direitos do cidadão bem como a observância

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS

PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 178/XIII/1.ª SALVAGUARDA A PENSÃO DE ALIMENTOS ENQUANTO DIREITO DA CRIANÇA NO CÁLCULO DE RENDIMENTOS Exposição de motivos O direito à segurança social e solidariedade

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados Os dados apresentados resultam do estudo: "Caracterização Social dos Agregados Familiares Portugueses

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO NA COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS E APARELHOS DE SAÚDE

REGULAMENTO DE APOIO NA COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS E APARELHOS DE SAÚDE REGULAMENTO DE APOIO NA COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS E APARELHOS DE SAÚDE PREÂMBULO Tendo por base a análise da dinâmica do envelhecimento demográfico no Município de Vila do Porto, de que

Leia mais

Normas de Utilização. Preâmbulo

Normas de Utilização. Preâmbulo CARTÃO MUNICIPAL 65+ SOCIAL Normas de Utilização Preâmbulo Considerando que: a) No âmbito da missão e dos objectivos do Município de Ourém importa promover a satisfação das necessidades da comunidade local,

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Dia Mundial da Poupança - Do poupar vem o ter.

Dia Mundial da Poupança - Do poupar vem o ter. Dia Mundial da Poupança - Do poupar vem o ter. O sobre-endividamento, os rendimentos e as despesas dos consumidores 1. Pedidos de Famílias Sobre-endividadas 1.1. Processos de Sobre-endividamento entre

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 364/X ESTABELECE O REGIME LABORAL E SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO E DO AUDIOVISUAL

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 364/X ESTABELECE O REGIME LABORAL E SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO E DO AUDIOVISUAL Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 364/X ESTABELECE O REGIME LABORAL E SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DAS ARTES DO ESPECTÁCULO E DO AUDIOVISUAL Exposição de motivos Quando se assiste a um espectáculo, imagina-se

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza. Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa. Relatório Semestral

EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza. Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa. Relatório Semestral Plano de Desenvolvimento Social de 2013-2015 Referencial Estratégico Relatório Semestral 2014 EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Relatório Semestral

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O MUNICÍPIO DE AROUCA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR R E G U L A M E N T O NOTA JUSTIFICATIVA Cabe às autarquias locais tudo o que diz respeito aos interesses próprios, comuns

Leia mais

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos

Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Plano de Ação 2013 do Concelho de Arruda dos Vinhos Programa REDE SOCIAL Arruda dos Vinhos, 13 de março de 2013 EIXO 1 - Qualificar o Nível de Vida das Pessoas Problema Objetivo Especifico Ações Dificuldade

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais