Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO"

Transcrição

1 PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

2 PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de uma transcrição dos problemas, tal como foram recolhidos por Freguesia na medida em que se pretendeu um processo participado por todos aqueles que no terreno sentem esses mesmos problemas. Assim, foi sugerido aos participantes que ponderassem sobre os problemas de cada unidade territorial. Assim, este documento mais não é do que a expressão e representação das percepções sobre quais são os principais problemas e potencialidades que afectam as suas freguesias. Caracterização genérica do Concelho de Fafe O Concelho de Fafe localiza-se no distrito de Braga, Baixo Minho, e é delimitado a Norte pelos Concelhos de Póvoa de Lanhoso e Vieira do Minho, a Leste, pelos Concelhos de Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, a Sul pelo Concelho de Felgueiras e a Ocidente pelo de Guimarães e estende-se por uma área de 224 Km 2, numa altitude média de 354 metros, havendo, no entanto, locais onde a altitude atinge 890 metros. O Concelho é composto por 36 freguesias com uma área média por freguesia de 6,1 Km 2, num total de 218,9 Km 2. De acordo com o último Recenseamento Geral da População, realizado em 2001, residiam no Concelho de Fafe habitantes o que traduz um ganho populacional de 10,2% face ao Recenseamento de A densidade populacional é de 241 hab/km 2. Variável Nº Total de Homens Residentes Total de Mulheres Residentes Total de Homens Presentes Total de Mulheres Presentes Relativamente à distribuição da população residente por grandes grupos de idade, temos: Variável Nº Homens Residentes com idade 0-4 anos Mulheres Residentes com idade 0-4 anos

3 Homens Residentes com idade 5-9 anos Mulheres Residentes com idade 5-9 anos Homens Residentes com idade anos Mulheres Residentes com idade anos Homens Residentes com idade anos Mulheres Residentes com idade anos Homens Residentes com idade anos Mulheres Residentes com idade anos Homens Residentes com idade anos Mulheres Residentes com idade anos Homens Residentes com idade 65 ou + anos Mulheres Residentes com idade 65 ou + anos Da análise dos indicadores demográficos, em particular dos índices de dependência de idosos e de envelhecimento, Fafe surge como um Concelho um pouco mais jovem que a média regional, sendo ainda de destacar os valores acima da média da região Norte que se registam para os indicadores taxa de nupcialidade e taxa de divórcio. De acordo com os Recenseamentos de 1991 e 2001, a proporção de indivíduos sem qualquer nível de ensino diminuiu para cerca de metade enquanto a proporção de indivíduos residentes no Concelho com nível de instrução do 3º ciclo do E.B. e secundário quadruplicou no período em análise. Variável Nº Indivíduos Residentes sem saber ler nem escrever Indivíduos Residentes com o 1º Ciclo E.B. completo Indivíduos Residentes com o 2º Ciclo E.B. completo Indivíduos Residentes com o 3º Ciclo E.B. completo Indivíduos Residentes com Ensino Secundário completo Indivíduos Residentes com um Curso Médio completo 132 Indivíduos Residentes com um Curso Superior completo

4 Variável Nº Indivíduos Residentes a frequentar o 1º Ciclo E.B Indivíduos Residentes a frequentar o 2º Ciclo E.B Indivíduos Residentes a frequentar o 3º Ciclo E.B Indivíduos Residentes a frequentar o Ensino Secundário Indivíduos Residentes a frequentar um Curso Superior A maioria da população activa encontra-se na indústria, mas também dispersa pelo comércio, serviços e agricultura. A sul a industria prolfera e ocupa a maioria da população residente. Mas em termos de caracterização agrícola, Fafe é o segundo Concelho do Ave onde o indicador mão-de-obra permanente por 1000 habitantes é mais elevado, indicando que esta actividade assume um papel importante no Concelho. Variável Nº Indivíduos Residentes Presentes a estudar no Concelho de residência Indivíduos Residentes Presentes a trabalhar no Concelho de residência Indivíduos Residentes Presentes empregados no sector Primário 902 Indivíduos Residentes Presentes empregados no sector Secundário Indivíduos Residentes Presentes empregados no sector Terciário Indivíduos Residentes Pensionistas ou Reformados No que concerne aos dados do emprego e desemprego temos os seguintes valores: Variável Nº Indivíduos Residentes empregados Indivíduos Residentes desempregados à procura do 1º emprego 269 Indivíduos Residentes desempregados à procura de novo emprego Indivíduos Residentes sem Actividade Económica

5 Para a constituição das Comissões Sociais de Freguesia foi, mais ou menos, seguido o modelo já utilizado pelo Conselho Local de Educação. Assim, foram realizadas reuniões com todas as Juntas de Freguesia no sentido de ouvir todos os seus representantes e propor a divisão do Concelho em 6 Comissões Sociais Inter Freguesias e 1 Comissão Social de Freguesia. Após a realização destas reuniões, e com base num consenso geral, foram efectivamente criadas as Comissões. De seguida passamos a apresentar a composição das Comissões bem como os problemas sociais e potencialidades de cada freguesia tal qual nos foram apresentados. Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 1 5

6 CSF 1 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Agrela Freitas Toxicodependência; Grupo Martins de Freitas; Centro de Dia e Apoio Isolamento, solidão das Domiciliário; pessoas idosas; Desemprego (pouco relevante); Apoio a famílias carenciadas com habitações degradadas (Município de Fafe); Monte Habitação; Revelhe Serafão Toxicodependência; Habitações degradadas; Travassós Vila Cova Toxicodependência; Habitações degradadas; Boa rede de parcerias com todos os movimentos e instituições da freguesia: o Centro Social; o Comissão Fabriqueira; o Cruz Vermelha; o Escuteiros; o G.D.C.; o EB1 e Jardim-deinfância; o Confrarias e Comissões de Festas; Creches; Jardins de Infância (público e privado); ATL; Serviço de apoio domiciliário; Lar; Grupo desportivo; 6

7 Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 2 CSF 2 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Aboim Alcoolismo (em maior número jovens e idosos); Desemprego (evidenciado nas camadas mais jovens); Desertificação da aldeia; Estorãos Toxicodependência (com mais incidência no lugar da Estrada); Abandono escolar; Existência de terrenos para a criação de infra-estruturas de carácter social; Desemprego (com maior Transportes, mini-autocarro incidência nos jovens à procura do 1º emprego); Habitação arrendada; e carrinha para deslocação dos jovens; Centro de apoio de dia ao idoso; Felgueiras Desconhecem-se os problemas; Isolamento; Gontim Habitação; Desemprego (alguns casos 7

8 Moreira de Rei Pedraído Queimadela Ribeiros Várzea Cova pouco significativo); Desemprego (nomeadamente os jovens à procura do primeiro emprego); Deficientes físicos e visuais; Toxicodependência; Alcoolismo crónico; Abandono escolar; Famílias sem apoio económico e social; Toxicodependência; Habitações degradadas; Pobreza; Pré Diagnóstico do Concelho de Fafe Centro Social e Paroquial; Agrupamento de Escuteiros; Programa municipal para melhoria de habitação de agregados familiares carenciados; 8

9 Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 3 Pré Diagnóstico do Concelho de Fafe CSF 3 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Arões São Toxicodependência; Romão Habitações degradadas, entre outros; Fornelos Toxicodependência; Isolamento, solidão dos idosos; Pobreza extrema; Golães Toxicodependência; Abandono escolar; Habitação (alguns casos pontuais, em que esta é de fraca qualidade, com poucas condições de higiene e habitabilidade); Centro Social; 9

10 Medelo Passos Vinhós (mais evidente na faixa etária dos 45 aos 60 anos, embora atinja também outras faixas etárias); Toxicodependência; Trabalho precário; Isolamento; Habitações degradadas; Problemas de Saúde; Fracos recursos financeiros; Pobreza; Centro paroquial (no apoio domiciliário à terceira idade); ATL; Apoio domiciliário; ATL; 10

11 Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 4 Pré Diagnóstico do Concelho de Fafe CSF 4 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Antime Toxicodependência; Existência de: Instituições de Solidariedade Desemprego (com mais Social (com respostas incidência nos jovens); sociais positivas); Jardim-de-infância de Antime; Jardins-de-infância das escolas de Adonela; Bairro Centro Social (lar de idosos); Agrupamento de escutas; Operário Futebol Clube de Antime (com um leque alargado de acção: educação, tempos livres, apoio domiciliário, desporto, 11

12 Silvares S. Clemente Toxicodependência; Desemprego e/ou insatisfação com o emprego e vontade de mudar; S. Gens entre outros), que apoia crianças, adolescentes, jovens e idosos; Existência de espaços com características para poderem ser usados no âmbito do apoio social; Receptividade ao apoio social por parte da população; Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 5 12

13 CSF 5 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Arões Santa Cristina Toxicodependência (indícios de traficantes e consumidores); Desemprego (com maior incidência nas camadas jovens); Habitações degradadas; Armil Cepães Toxicodependência (numa fase inicial e a existência de situações individuais em famílias); Alcoolismo (em algumas famílias); Problemas sociais, económicos e familiares; Industria têxtil; Industria de calçado; Turismo (São Salvador); Sociedade de recreio Cepanense (com várias actividades sócio-culturais e futebol federado, com sede e parque de jogos, movimentando toda a juventude local); Casa do povo de Cepães, associação com um Rancho Folclórico em actividade; Grupo Coral do Centro Cultural e Recreativo da Juventude de Cepães; Conselho Económico Paroquial (onde funciona em actividade permanente um grupo de jovens); Creche em construção para iniciar a actividade em 2004, com cerca de 20 crianças; Pré-escolar em funcionamento com refeições e prolongamento de horário; Transporte das crianças para a pré-primária e distribuição pelas residências, devidamente acompanhadas (Junta de Freguesia); Junta de Freguesia (com sede aberta todo o dia para atendimento nos mais variados problemas dos cidadãos); Lar - Santa Casa da Misericórdia (com todas as condições de atendimento e frequência da 3ªidade, da Freguesia e do Concelho); 13

14 Fareja Toxicodependência (pouca incidência); Desemprego (pouca incidência); Não existem; Comissão Social Inter Freguesias - Grupo 6 CSF 6 PROBLEMAS POTENCIALIDADE Arnozela Toxicodependência (existência de 3 ou 4 casos); Desemprego (existência de vários casos); Ardegão 14

15 Regadas Silvares S. Martinho Seidões Toxicodependência; Desemprego (mais visível em pessoas idosas ou com idade avançada); Habitação degradada (alugadas); Toxicodependência (15 a 20 jovens, alguns já em tratamento); Desemprego (com destaque nos jovens à procura de 1º emprego); Habitação degradada (em número pouco significativo); Abandono escolar; Alcoolismo (2 casos graves); Pré Diagnóstico do Concelho de Fafe Parcerias, nomeadamente com: Centro Social; Individualidades e Junta de Freguesia (todas as colectividades aderiram ao projecto); Apoio domiciliário a idosos, prestado pelo centro social; Creche; Boa relação institucional com: O Centro Paroquial; Grupo Coral; Escolas; 15

16 Comissão Social de Freguesia - Grupo 7 Pré Diagnóstico do Concelho de Fafe 16

1.3 - População concelhia e escolaridade

1.3 - População concelhia e escolaridade 1.3 - População concelhia e escolaridade Ainda que a estrutura etária fizesse prever um nível de qualificação qualitativamente superior ao do país, tal não se verifica. Em 2001, cerca de 38% da população

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA. I Enquadramento histórico

Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA. I Enquadramento histórico Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA I Enquadramento histórico A Madalena, é uma povoação do concelho de Vila Nova de Gaia, com sinais de presença humana desde tempos imemoriais,

Leia mais

Metodologia. - Núcleo Executivo do CLAS:

Metodologia. - Núcleo Executivo do CLAS: Metodologia O planeamento estratégico participativo é uma ferramenta fundamental na construção colectiva dos objectivos para o desenvolvimento social concelhio. Tendo por referência este pressuposto e

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO ANO ECONÓMICO DE 2010 GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2009 2013 É tempo de um novo mandato autárquico, resultante das eleições do passado

Leia mais

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida

Carta Educativa de Almeida. Câmara Municipal de Almeida Carta Educativa de Almeida Câmara Municipal de Almeida Junho de 2007 FICHA TÉCNICA ENTIDADE PROMOTORA Associação de Municípios da Cova da Beira Gestor de Projecto: Carlos Santos ENTIDADE FORMADORA E CONSULTORA

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Vila Velha de Ródão. 14 km. 17 km. Vergílio Jorge Pires. Vítor Hugo Fontelas de Oliveira. José Gonçalves Ribeiro

Vila Velha de Ródão. 14 km. 17 km. Vergílio Jorge Pires. Vítor Hugo Fontelas de Oliveira. José Gonçalves Ribeiro 1. TERRITÓRIO Área 59,83 km 2 Densidade Populacional (2011) 10,7 Hab/km 2 Anexas Concelho Distância à sede de Concelho Distância a Castelo Branco Amarelos, Atalaia, Carapetosa, Cebolais de Baixo, Rodeios,

Leia mais

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora A Rede Social no Contexto da RAA 2013 A Reconfiguração do Território da Amadora 1. Reorganização Administrativa 2. Reconfiguração Gestão Territorial 3. Retrato Social Municipal 4. Rede Social Novas Freguesias

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA GUIMARÃES CONCURSO SISTEMA DE IDENTIDADE CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO GUARDIZELA MARÇO 2012 Pag.1 1 QÊM SOMOS O Centro Social de Guardizela é uma

Leia mais

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013 1/19 Relatório População Na freguesia de Santa Vitória, para além da sede de freguesia, existe outro aglomerado urbano com importância que possui PU definido no âmbito do PDM de Beja actualmente em vigor

Leia mais

Programação de equipamentos colectivos

Programação de equipamentos colectivos Programação de equipamentos colectivos Definição e tipologia Conceitos associados à programação de equipamentos Critérios de programação, dimensionamento e localização; exemplos Instituto Superior Técnico/Departamento

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de 6. Associativismo No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de movimento associativo e em termos de serviços/acções disponibilizados

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS 2007 Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO

Leia mais

Apoios e comparticipações Janeiro 2016. Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015

Apoios e comparticipações Janeiro 2016. Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015 Publicação obrigatória Comparticipações e apoios: 2.º semestre de 2015 ESCOLAS E INSTITUIÇÕES LIGADAS À ÁREA DA EDUCAÇÃO Apoio à imprensa escolar comparticipação financeira no valor global de 400 euros,

Leia mais

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes - Infância e Juventude - Instituições de apoio à Infância e Juventude - Taxas de Cobertura, por valência - Instituições com valência de internato - Crianças do Concelho institucionalizadas - CPCJ - Número

Leia mais

PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO PARTE I CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO 1 - Caracterização demográfica do concelho Para efeitos de análises e estudos estatísticos, na Nomenclatura de Unidades Territoriais (NUTs), o concelho de Fafe integra

Leia mais

CAPÍTULO X ASSOCIATIVISMO

CAPÍTULO X ASSOCIATIVISMO CAPÍTULO X ASSOCIATIVISMO REDE SOCIAL DE ALCÁCER DO SAL PRÉ-DIAGNÓSTICO 166 1 MOVIMENTO ASSOCIATIVO ASSOCIAÇÃO ALCACERENSE DE SOCORROS MÚTUOS localizada na cidade de Alcácer. Instituição Privada de Solidariedade

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Inicial ANO FINANCEIRO DE 2010 Câmara Municipa l DATAS DAS DELIBERAÇÕES Asse mbleia Municipal Revisã o Alteração Observações: E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U

Leia mais

Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção

Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção CADERNO N.º 8 RMG Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção 4 0.4 4 0.3 Incumprimento do programa

Leia mais

Rede Social de Grândola. Indicadores do Concelho

Rede Social de Grândola. Indicadores do Concelho Rede Social de Grândola Indicadores do Concelho Índice Território População Habitação Ambiente 3 6 35 50 Educação 54 Saúde 64 Actividade Económica 69 Desemprego 85 Acção Social 97 Equipamentos 130 Associações

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O OLHAR DA SAÚDE. UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE TONDELA SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE No SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO O relatório foi elaborado pela equipa da UA Celeste Coelho (coordenação) Fátima Alves Filomena Martins Teresa Fidélis Sandra Valente Cristina Ribeiro

Leia mais

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

REDE SOCIAL DE CELORICO DE BASTO

REDE SOCIAL DE CELORICO DE BASTO REDE SOCIAL REDE SOCIAL DE CELORICO DE BASTO 1 Índice Geral Introdução 7 CAPITULO I 1. Objectivos do diagnóstico social 11 1.1 Finalidades da rede social 14 2. Caracterização do concelho 15 2.1 Caracterização

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

Município de Moimenta da Beira

Município de Moimenta da Beira Município de Moimenta da Beira 2005, MOIMENTA DA BEIRA ÍNDICE GERAL CAPÍTULO I 1.1 Estrutura Espacial e Administrativa do 1.2 Breve Retrato SócioTerritoral e Familiar do Concelho 1.2.1 Evolução e variação

Leia mais

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010 ------------------------------------- ACTA N.º 13/2010 -------------------------------------- -------- Aos 19 dias do mês de Maio de 2010, pelas 10 horas, no Salão Nobre dos Paços do Município de Celorico

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P a l m e l a

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P a l m e l a Mapa 1. Freguesia de Palmela Área 77,5 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 17.481 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA SOCIAL DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO Mais importante do que a sua forma jurídica, o que distingue as empresas da economia social é o primado do objecto social sobre a maximização do lucro. E a satisfação de necessidades que outros sectores

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2008 ÍNDICE Considerações Gerais 3 PROJECTOS DO EIXO 1: Melhorar as Condições de Vida dos Idosos e sua Integração na Comunidade 1.1 PCHI Programa

Leia mais

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira.

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira. 5.6.4.3 Tratamento de água para consumo humano A água captada pela Câmara (captação da Lagoa) é sujeita a tratamento de filtragem e cloragem. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário

Leia mais

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017»

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» A Rede Social foi criada através de uma Resolução do Conselho de Ministros, e 18 de Novembro de 1997, num contexto

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

Fls. 1. Fich: EDITAL O - N.º 14 - de 20 de Julho de 2006.doc

Fls. 1. Fich: EDITAL O - N.º 14 - de 20 de Julho de 2006.doc Fls. 1 EDITAL ANTÓNIO MAGALHÃES, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUIMARÃES, FAZ SABER, em cumprimento do disposto no art.º 91º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei 5-A/2002,

Leia mais

Município de Ourique Resumo Orçamental das Grandes Opções do Plano para 2013

Município de Ourique Resumo Orçamental das Grandes Opções do Plano para 2013 0102 020214 Estudos, pareceres, projectos e consultadoria 1 1.1 2010/5007 Agenda 21-Local 1 1.2 2011/5005 Plano Municipal de Emergência-Protecção Civil 6.000,00 6.000,00 0102 020225 s serviços 1 1.1 2012/5001

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação Objectivos do Ano Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza Responsabilidade Partilhada e Participação Coesão Empenho e Acções Concretas Objectivos a Nível Concelhio Objectivo 1: Sensibilização

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

45.761,92 61.02 45.761,92 45.761,92 75.000,00 45.761,92 7.500,00 730.800,00 864.800,00 134.000,00 730.800,00 75.000,00 75.000,00

45.761,92 61.02 45.761,92 45.761,92 75.000,00 45.761,92 7.500,00 730.800,00 864.800,00 134.000,00 730.800,00 75.000,00 75.000,00 Pagina : 1 1. Funções gerais 2.391.613,00 2.641.653,00 5.033.266,00 711.967,19 711.967,19 29.77 14.15 1.1. Serviços gerais de administração pública 2.301.613,00 2.441.653,00 4.743.266,00 637.867,59 637.867,59

Leia mais

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B

2007/2010. Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 2007/2010 Conselho Local de Acção Social de Belmonte CLAS/B 1 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Belmonte 2007-2008 2007/2010 Câmara Municipal de Belmonte Rua Pedro Alvares Cabral, 135 6250-088

Leia mais

LOCALIDADE: JUVENTUDE ASSISTÊNCIA À 1ª INFÂNCIA ASSISTÊNCIA

LOCALIDADE: JUVENTUDE ASSISTÊNCIA À 1ª INFÂNCIA ASSISTÊNCIA LOCALIDADE: IDADE: SEXO: ESCOLARIDADE: PROFISSÃO: ENUMERE POR ORDEM DE IMPORTÂNCIA AS ÁREAS PROBLEMÁTICAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO. ENUNCIE SUCINTAMENTE O TIPO DE PROBLEMA ENCONTRADO E AS POTENCIALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 2011. 1 Introdução

REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 2011. 1 Introdução REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 1 Introdução Fazerem parte de uma equipa, aperceberem-se de que sozinhos e isolados muito pouco conseguirão, entenderem o valor da amizade e do apoio dos companheiros,

Leia mais

Estudos de Caracterização

Estudos de Caracterização Estudos de Caracterização Carta Social Junho de 2013 II.4.9.4 ÍNDICE 1. EQUIPAMENTOS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E SEGURANÇA SOCIAL...3 1.1. INTRODUÇÃO... 3 1.2. EQUIPAMENTOS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E SEGURANÇA

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Diagnóstico do Território Análise SWOT

Diagnóstico do Território Análise SWOT Recursos Endógenos e Património Natural Condições edafo-climáticas adequadas para o incremento de determinado tipo de produções, nomeadamente, a vinha e a produção extensiva de carne; Região inserida na

Leia mais

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO.

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. O projeto Há Festa no Campo, é uma iniciativa de intervenção comunitária, financiada a três anos (2014 a 2016) pelo Programa PARTIS Práticas Artísticas

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 289/IX ELEVAÇÃO DA VILA DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ, NO CONCELHO DE SANTIAGO DO CACÉM, À CATEGORIA DE CIDADE.

PROJECTO DE LEI N.º 289/IX ELEVAÇÃO DA VILA DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ, NO CONCELHO DE SANTIAGO DO CACÉM, À CATEGORIA DE CIDADE. PROJECTO DE LEI N.º 289/IX ELEVAÇÃO DA VILA DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ, NO CONCELHO DE SANTIAGO DO CACÉM, À CATEGORIA DE CIDADE Caracterização Vila Nova de Santo André, actualmente com cerca de 12 mil

Leia mais

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2

PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento. Acção: Banco de Ajudas Técnicas. Regulamento de Funcionamento Versão 2 PROGRIDE - Programa para a Inclusão e Desenvolvimento Acção: Banco de Ajudas Técnicas Regulamento de Funcionamento Versão 2 Preâmbulo O presente regulamento insere-se no projecto "ParticipAR - Inovação

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

C O N S E L H O L O C A L D E A C Ç Ã O S O C I A L D O C O N C E L H O D E P O R T O D E M Ó S P R É - D I A G N Ó S T I C O F E V E R E I R O

C O N S E L H O L O C A L D E A C Ç Ã O S O C I A L D O C O N C E L H O D E P O R T O D E M Ó S P R É - D I A G N Ó S T I C O F E V E R E I R O REDE SOCIAL C O N S E L H O L O C A L D E A C Ç Ã O S O C I A L D O C O N C E L H O D E P O R T O D E M Ó S P R É - D I A G N Ó S T I C O F E V E R E I R O 2 0 0 3 Í n d i c e Enquadramento Histórico 3

Leia mais

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas Informação Escrita Nos termos da alínea o) do artº.17º da Lei nº.5-a/2002 de 11 de Janeiro, e no âmbito das suas competências, a Junta de Freguesia de Portimão apresenta à Assembleia de Freguesia, a informação

Leia mais

ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS. No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais

ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS. No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais do Concelho de Vouzela, pretende ser um instrumento facilitador da articulação entre os recursos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 94.610,00 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 24.546,53

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009

Plano de Desenvolvimento Social/ Plano de Acção 2005 / 2009 Eixos de Desenvolviment o Criar Dinâmicas de Apoio ao Envelheciment o Demográfico Objectivos Gerais/Estratégicos Iniciar até ao final de 2005, as actividades necessárias à criação de: uma Unidade Móvel

Leia mais

CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA A QUINTA DOS SONHOS PROJECTO EDUCATIVO

CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA A QUINTA DOS SONHOS PROJECTO EDUCATIVO CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA A QUINTA DOS SONHOS PROJECTO EDUCATIVO Ano lectivo 2009/2010 Índice 1. Projecto Educativo o que é? 2. Caracterização da Instituição 2.1 Sala de creche 2.2 Salas de Jardim de Infância

Leia mais

Mina de Água em Notícia

Mina de Água em Notícia Newsletter Outubro/2013 Mina de Água em Notícia Tomada de posse dos órgão autárquicos da Freguesia de Mina de Água Decorreu no passado dia 22 de Outubro, pelas 19h30, no auditório da Câmara Municipal da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS 1 RESUMO INTRODUÇÃO METODOLOGIA

O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS 1 RESUMO INTRODUÇÃO METODOLOGIA O ESPAÇO RURAL DE ÉVORA: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Marcos Olímpio Gomes dos Santos RESUMO Na comunicação dá-se a conhecer os antecedentes de estudo um estudo em curso, explicita-se quais foram as

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o Mapa 1. Freguesia de Pinhal Novo Área 54,4 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 25.3 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

9- Projectos e Parcerias

9- Projectos e Parcerias Novembro 2003 9 Projectos e Parcerias Projectos e parcerias na área da Saúde Parceria entre o Centro de Saúde e o Centro de Solidariedade Social de Nossa Senhora da Luz no âmbito do projecto de cuidados

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

Largo do Município 4750 323 Barcelos Tel.: 253 809 600 Fax: 253 821 263 E-mail: redesocial@cm-barcelos.pt www.cm-barcelos.

Largo do Município 4750 323 Barcelos Tel.: 253 809 600 Fax: 253 821 263 E-mail: redesocial@cm-barcelos.pt www.cm-barcelos. -------------------------------------------------ACTA Nº 16 ----------------------------------------------------- --------------Pelas onze horas do dia seis de Julho do ano de dois mil e nove, no Auditório

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Investir na Educação, Construir o Futuro. Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada

Investir na Educação, Construir o Futuro. Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada Investir na Educação, Construir o Futuro Filomena Pinheiro Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mealhada Caracterização do Concelho de Mealhada - Área: 111 Km 2 - População: 22 099 habitantes - Território

Leia mais