B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias."

Transcrição

1 PLANO DE ACÇÃO DA CSF DA PORTELA PARA O Plano de Acção da Comissão Social de Freguesia da Portela para foi idealizado tendo por base, por um lado, as directrizes provenientes do Diagnóstico Social da Freguesia e as prioridades definidas pelos parceiros sociais, e por outro, o enquadramento legal do Programa Rede Social e o Plano de Acção 2005 / 2006 do Concelho Local de Acção Social (CLAS). O Plano de Acção da CSF da Portela para foi iniciado pela anterior Técnica da Comissão, Dr.ª Teresa Raposo, e concluído pela actual Técnica, Dr.ª Sónia Parola, e por um elemento do Grupo Dinamizador Dr.ª Margarida Santos (Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela). Os objectivos propostos neste documento, delineados em função do tema Integração da população da Freguesia da Portela, são os seguintes: OBJECTIVO GERAL: A) Promover o fortalecimento das estruturas familiares. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: 1 Em 2006 está a funcionar na Escola EB1/JI da Portela uma Escola de Pais e Avós para as famílias da Freguesia. 2 Em Dezembro de 2007 funciona na Junta de Freguesia da Portela um Gabinete de Apoio Psico-Social às famílias da Portela. 3 Em 2006 e 2007 realizam-se sessões de discussão sobre temáticas variadas relacionadas com as questões familiares e inter-geracionais. OBJECTIVO GERAL: B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias. OBJECTIVO ESPECÍFICO: 1 No início de 2007 está criado um Protocolo entre a Junta de Freguesia, as Escolas e as IPSSs da Freguesia para acompanhamento psicológico às famílias. 1

2 OBJECTIVO GERAL: C) Promover a participação e a pró-actividade dos habitantes do Bairro da Quinta da Vitória na preparação do realojamento. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: 1 Em Janeiro de 2007 está criado um Grupo de Interlocutores no Bairro da Quinta da Vitória. 2 Em 2007 realizam-se sessões de discussão pública de assuntos escolhidos pelos habitantes do Bairro da Quinta da Vitória. 2

3 PLANO DE ACÇÃO DA COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DA PORTELA PARA OBJECTIVOS GERAIS 1 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 2 PRINCIPAIS RESULTADOS A ATINGIR 3 A) Promover o fortalecimento das estruturas familiares 1 Em 2006 está a funcionar na Escola EB1/JI da Portela uma Escola de Pais e Avós para as famílias da Freguesia. 1.1 Até ao final de 2006 funciona com regularidade a Escola de Pais e Avós, promovendo a discussão de temáticas subjacentes ao relacionamento da família com a criança / aluno. S Constituição de pequeno Grupo de Trabalho Sessão inicial com os pais e encarregados de educação, questionandoos acerca das temáticas a abordar na Escola de Pais e Avós Assegurar o acompanhamento das crianças enquanto os pais e avós assistem às sessões temáticas (com monitores / auxiliares / ou outros) Definição da periodicidade e horários das sessões (em função da adesão de pais e avós) Escolha e contacto dos convidados para cada uma das sessões Identificação dos meios mais eficazes de divulgação das sessões / divulgação das mesmas Construção de pequeno questionário a aplicar aos participantes nas sessões Realização das sessões: Encontros Temáticos e Sessões de Conversa (com a psicóloga da Junta de Freguesia) Aplicação do questionário aos participantes em cada sessão, aferindo o 1 Finalidade para a qual o Plano de Acção deverá contribuir 2 Aquilo que se pretende atingir efectivamente com o Plano de Acção. 3 Conjunto de condições prévias para que se possam atingir os objectivos específicos 3

4 OBJECTIVOS GERAIS 1 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 2 PRINCIPAIS RESULTADOS A ATINGIR 3 2 Em Dezembro de 2007 funciona na Junta de Freguesia da Portela um Gabinete de Apoio Psico-Social às famílias da Portela. 3 Em 2006 e 2007 realizam-se sessões de discussão sobre temáticas variadas 2.1 A partir de Dezembro de 2007, as famílias da Freguesia da Portela podem recorrer aos serviços do Gabinete de Apoio Psico-Social da Junta de Freguesia. 3.1 A partir de Novembro de 2006 são discutidas com regularidade temáticas S seu grau de satisfação relativamente às questões abordadas e ao funcionamento da sessão Elaboração de resumo / conclusões de cada sessão Compilação das conclusões das diversas sessões para edição de uma pequena brochura (ou outro material) para distribuição à comunidade escolar Avaliação periódica e anual do Projecto Reunião com responsáveis do actual Gabinete de Psicoterapia da Junta de Freguesia da Portela Efectuar as diligências necessárias à transformação do Gabinete de Psicoterapia em Gabinete de Apoio Psico-Social Identificação das principais áreas problemáticas nas quais será necessário intervir para apoio aos projectos de vida das famílias da Freguesia Elaboração de pequeno questionário a distribuir às Escolas da Freguesia, com o objectivo de diagnosticar os problemas identificados pelos professores nos alunos e respectivas famílias Divulgação do serviço / gabinete à comunidade Reuniões para sistematização e análise de casos (Gabinete / CSFP) Avaliação anual Sondagem aos parceiros para identificação das problemáticas mais 4

5 OBJECTIVOS GERAIS 1 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 2 PRINCIPAIS RESULTADOS A ATINGIR 3 B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias C) Promover a participação e a pró-actividade dos habitantes do Bairro da Quinta da Vitória na preparação do realojamento relacionadas com as questões familiares e inter-geracionais. 1 No início de 2007 está criado um Protocolo entre a Junta de Freguesia, as Escolas e as IPSSs da Freguesia para acompanhamento psicológico às famílias. 1 Em Janeiro de 2007 está criado um Grupo de Interlocutores no Bairro da Quinta da Vitória. associadas a questões familiares e intergeracionais. 1.1 No início de 2007, as instituições de apoio às famílias da Portela definem objectivamente entre si os serviços a prestar às famílias. 1.1 Até Janeiro de 2007 é feita uma aproximação ao Bairro da Quinta da Vitória. S prementes a abordar Preparação das sessões (teóricas, de sensibilização, culturais, etc.) Definição dos locais, horários e periodicidade das sessões Divulgação das sessões em locais estratégicos da Freguesia Realização das sessões temáticas Avaliação das sessões Reuniões individuais com as várias instituições locais de apoio às famílias para averiguar a receptividade ao projecto Definição dos serviços a prestar por cada uma das instituições da Freguesia (reunião conjunta) Celebração formal do Protocolo entre as Escolas, as IPSSs e a Junta de Freguesia da Portela Reuniões periódicas entre todas as instituições parceiras para discussão de casos (alargar as reuniões à Associação de Pais) Avaliação anual do projecto (balanço) Constituição de Grupo de Trabalho Definição da forma de aproximação ao Bairro e aos seus residentes / procurar intermediários para esta aproximação Conhecimento geral dos modos de 5

6 OBJECTIVOS GERAIS 1 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 2 PRINCIPAIS RESULTADOS A ATINGIR 3 2 Em 2007 realizam-se sessões de discussão pública de assuntos escolhidos pelos habitantes do Bairro da Quinta da Vitória. 1.2 Até Janeiro de 2007 está identificado um Grupo de residentes que colaborem com a Comissão Social de Freguesia da Portela. 2.1 A partir de Fevereiro de 2007 discutem-se regularmente temáticas de particular interesse para os habitantes do Bairro da Quinta da Vitória. S vida dos residentes do Bairro Procura de interlocutores no Bairro da Quinta da Vitória Sensibilização dos moradores / grupo de interlocutores para a participação na CSFP Perceber de que forma se pode retribuir a colaboração prestada (por exemplo, através da promoção de actividades culturais) Reuniões periódicas com o Grupo de Interlocutores do Bairro da Quinta da Vitória para identificação de problemas, necessidades e expectativas de vida Identificação das áreas temáticas mais pretendidas por esta população para discussão pública Preparação das sessões / contacto com técnicos das áreas a discussão para participação nas sessões Divulgação das iniciativas em locais estratégicos da Freguesia Realização de sessões públicas (abertas a toda a população do Bairro) sobre as temáticas suscitadas pelos residentes Avaliação das sessões. 6

7 PLANO DE ACÇÃO DA COMISSÃO SOCIAL DE FREGUESIA DA PORTELA PARA OBJECTIVO GERAL: A) Promover o fortalecimento das estruturas familiares Constituição de pequeno Grupo de Trabalho Sessão inicial com os pais e encarregados de educação, questionando-os acerca das temáticas a abordar na Escola de Pais e Avós Assegurar o acompanhamento das crianças enquanto os pais e avós assistem às sessões temáticas (com monitores / auxiliares / ou outros) Definição da periodicidade e horários das sessões (em função da adesão de pais e avós) Escolha e contacto dos convidados para cada uma das sessões Identificação dos meios mais eficazes de divulgação das sessões / divulgação das mesmas. Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho: Técnica de Apoio e Acompanhamento / Escola EB1/JI da Portela / Ass.Pais da EB1/JI da Portela / Outros Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho Técnica de Apoio e Acompanhamento (Técnica de A. A.) Grupo de Trabalho / Convidados das sessões temáticas Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho Construção de pequeno Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho 7

8 questionário a aplicar aos participantes nas sessões Realização das sessões: Encontros Temáticos e Sessões de Conversa (com a psicóloga da Junta de Freguesia) Aplicação do questionário aos participantes em cada sessão, aferindo o seu grau de satisfação relativamente às questões abordadas e ao funcionamento da sessão Elaboração de resumo / conclusões de cada sessão Compilação das conclusões das diversas sessões para edição de uma pequena brochura (ou outro material) para distribuição à comunidade escolar Avaliação periódica e anual do Projecto. Escola EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho / Convidados das sessões temáticas / Psicóloga da Junta de Freguesia da Portela EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho / Pais e avós presentes nas sessões EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho EB1/JI da Portela Grupo de Trabalho Reunião com responsáveis do actual Gabinete de Psicoterapia da Junta de Freguesia da Portela Efectuar as diligências necessárias à transformação do Gabinete de Psicoterapia em Gabinete de Apoio Psico-Social Identificação das principais áreas problemáticas nas quais será necessário intervir para apoio aos projectos de vida das famílias da Responsáveis pelo Gabinete de Psicoterapia da Junta de Freguesia da Portela Parceiros da CSFP / Outras entidades Responsáveis pelo Gabinete de Psicoterapia da Junta de Freguesia da Portela / Parceiros da CSFP 8

9 Freguesia Elaboração de pequeno questionário a distribuir às Escolas da Freguesia, com o objectivo de diagnosticar os problemas identificados pelos professores nos alunos e respectivas famílias Divulgação do serviço / gabinete à comunidade Reuniões para sistematização e análise de casos (Gabinete / CSFP) Avaliação anual Sondagem aos parceiros para identificação das problemáticas mais prementes a abordar Preparação das sessões (teóricas, de sensibilização, culturais, etc.) Definição dos locais, horários e periodicidade das sessões Divulgação das sessões em locais estratégicos da Freguesia Realização das sessões temáticas Avaliação das sessões. Parceiros da CSFP Parceiros da CSFP Responsáveis do Gabinete de Apoio Psico-Social da Junta de Freguesia da Portela / Parceiros da CSFP Responsáveis do Gabinete de Apoio Psico-Social da Junta de Freguesia da Portela Parceiros da CSFP Solicitar a colaboração da Dr.ª Margarida (Gabinete de Psicoterapia) para identificação de temáticas. Parceiros da CSFP / Outras entidades Parceiros da CSFP Ponderar a hipótese de realizar as sessões nas instalações das instituições parceiras, consoante o tema em análise. Parceiros da CSFP Parceiros da CSFP / Convidados das sessões Parceiros da CSFP 9

10 OBJECTIVO GERAL: B) Promover a articulação entre as instituições locais de apoio à família e as escolas, no trabalho que desenvolvem com as famílias Reuniões individuais com as várias instituições locais de apoio às famílias para averiguar a receptividade ao projecto Definição dos serviços a prestar por cada uma das instituições da Freguesia (reunião conjunta) Celebração formal do Protocolo entre as Escolas, as IPSSs e a Junta de Freguesia da Portela Reuniões periódicas entre todas as instituições parceiras para discussão de casos. Escola EB1/JI da Portela / Escola Secundária n.º2 da Portela / Escola Básica 2+3 Gaspar Correia / Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela / Fundação da Obra de N.ª Senhora da Purificação / Junta de Freguesia da Portela (Gabinete de Psicoterapia)) Escola EB1/JI da Portela / Escola Secundária n.º2 da Portela / Escola Básica 2+3 Gaspar Correia / Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela / Fundação da Obra de N.ª Senhora da Purificação / Junta de Freguesia da Portela (Gabinete de Psicoterapia) Escola EB1/JI da Portela / Escola Secundária n.º2 da Portela / Escola Básica 2+3 Gaspar Correia / Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela / Fundação da Obra de N.ª Senhora da Purificação / (Gabinete de Psicoterapia) Escola EB1/JI da Portela / Alargar as reuniões à Escola Secundária n.º2 da Associação de Pais da Escola Portela / Escola Básica 2+3 EB1/JI da Portela. Gaspar Correia / Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela / Fundação da Obra de N.ª 10

11 1.1.5 Avaliação anual do projecto (balanço). Senhora da Purificação / Junta de Freguesia da Portela (Gabinete de Psicoterapia) Escola EB1/JI da Portela / Escola Secundária n.º2 da Portela / Escola Básica 2+3 Gaspar Correia / Centro Social e Cultural da Paróquia da Portela / Fundação da Obra de N.ª Senhora da Purificação / Junta de Freguesia da Portela (Gabinete de Psicoterapia) 11

12 OBJECTIVO GERAL: C) Promover a participação e a pró-actividade dos habitantes do Bairro da Quinta da Vitória na preparação do realojamento Constituição de Grupo de Trabalho Definição da forma de aproximação ao Bairro e aos seus residentes / procurar intermediários para esta aproximação Conhecimento geral dos modos de vida dos residentes do Bairro Procura de interlocutores no Bairro da Quinta da Vitória Sensibilização dos moradores / grupo de interlocutores para a participação na CSFP Perceber de que forma se pode retribuir a colaboração prestada (por exemplo, através da promoção de actividades culturais) Reuniões periódicas com o Grupo de Interlocutores do Bairro da Quinta da Vitória para identificação de problemas, necessidades e expectativas de vida. Grupo de Trabalho: Fundação Reunir previamente com da Obra de N.ª Sr.ª da Gabinete de Intervenção Local Purificação / EB1/JI da Portela / (GIL) que acompanha a Junta de Freguesia / Associação Freguesia da Portela. Passo a Passo / PSP Moscavide Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho / Grupo de Interlocutores 12

13 2.1.2 Identificação das áreas temáticas mais pretendidas por esta população para discussão pública Preparação das sessões / contacto com técnicos das áreas a discussão para participação nas sessões Divulgação das iniciativas em locais estratégicos da Freguesia Realização de sessões públicas (abertas a toda a população do Bairro) sobre as temáticas suscitadas pelos residentes Avaliação das sessões. Grupo de Trabalho / Grupo de Interlocutores Grupo de Trabalho / Grupo de Interlocutores / Convidados a participar nas sessões Parceiros CSFP Grupo de Trabalho / Grupo de Interlocutores / Participantes nas sessões Grupo de Parceiros da CSFP / Grupo de Interlocutores 13

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais

PLANO DE ACÇÃO 2010. Acções Calendarização Recursos Humanos Recursos Materiais. Dirigentes das IPSS`s. Outras Entidades Locais PLANO DE ACÇÃO 2010 EIXOI PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO IDOSOS OBJECTIVO GERAL: Requalificação de Equipamentos e Serviços sociais de Apoio a Idosos Objectivos específicos Acções Calendarização

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Apresentação do Projecto

Apresentação do Projecto Apresentação do Projecto Projecto de intervenção sócio pedagógica de promoção social das crianças, jovens e familiares dos bairros sociais de Ramalde e Campinas Freguesia de Ramalde, Concelho do Porto.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

6. Participação da comunidade

6. Participação da comunidade O ambiente é actualmente um elemento estruturante do desenvolvimento da sociedade e do território, não sendo possível conceber políticas ou planos sem uma forte componente de ambiente e qualidade ambiental.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE GESTÃO DESPORTIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

A CPCJ exerce a sua competência na área do município de Beja.

A CPCJ exerce a sua competência na área do município de Beja. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE BEJA 2010 O NOVO MODELO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO, EM VIGOR DESDE JANEIRO DE 2001, APELA À PARTICIPAÇÃO ACTIVA DA COMUNIDADE,

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Emprega o Futuro 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Emprega o Futuro Programa Escolhas 4ª Geração Promotor(es): ISU - Instituto de Solidariedade

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Workshop EQUAL. Criatividade e Inovação na integração de requerentes de asilo e refugiados 2 de Outubro de 2006

Workshop EQUAL. Criatividade e Inovação na integração de requerentes de asilo e refugiados 2 de Outubro de 2006 Workshop EQUAL Criatividade e Inovação na integração de requerentes de asilo e refugiados 2 de Outubro de 2006 PROBLEMAS IDENTIFICADOS Informalidade do sistema de acolhimento e integração Articulação entre

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

Acta. Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia trinta de Setembro de dois mil e oito

Acta. Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia trinta de Setembro de dois mil e oito Acta Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia trinta de Setembro de dois mil e oito - - - - Aos trinta dias do mês de Setembro do ano dois mil

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

MUNICÍPIO DE VAGOS Câmara Municipal Rua da Saudade 3840-420 VAGOS

MUNICÍPIO DE VAGOS Câmara Municipal Rua da Saudade 3840-420 VAGOS -------------------- ACTA DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO -------------------- -----------------------------------------------ACTA Nº 5---------------------------------------------------- ------Aos trinta

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE OLIVAIS Página 1 PREÂMBULO Num contexto marcado por uma profunda crise económica e social, que origina o crescente aumento de situações de pobreza e exclusão

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Regulamento Interno Regulamento Interno CPCJ 1 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Acta Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia dezoito de Setembro de 2007

Acta Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia dezoito de Setembro de 2007 Acta Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia dezoito de Setembro de 2007 Ao dia dezoito de Setembro de dois mil e sete, nesta vila de Castelo

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A.,

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A., PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO entre a PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA, e OPTIMUS COMUNICAÇÕES, S.A., PT COMUNICAÇÕES, S.A., TMN - TELECOMUNICAÇÕES MÓVEIS NACIONAIS, S.A., VODAFONE PORTUGAL COMUNICAÇÕES PESSOAIS,

Leia mais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais

Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais Capítulo 88 Loja Social da Junta de Freguesia de Olivais MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 11 Conteúdo Preâmbulo... 3 Disposições Gerais... 4 Artigo 1.º Âmbito... 4 Artigo 2.º Objetivos... 4 Artigo 3.º

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

Promover o sucesso escolar e educativo

Promover o sucesso escolar e educativo Viver em família na escola Escola Comunidade Educativa Organização caracterizada pelos princípiosp de aprender a ser, aprender a aprender, de educação para a vida e de educação educação permanente. Promover

Leia mais

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente,

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, -------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, tem vastas atribuições e competências, entre outras,

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção previstos na Rede Social (Subsidiariedade, Integração, Articulação,

Leia mais

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ)

Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) Ficha de Caracterização das Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) (Ao abrigo da Lei Nº 147/99, de 1 de Setembro- Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo) 1. Identificação da Comissão

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Informação Escrita do Presidente á Assembleia de Freguesia. Exmº Sr. Presidente da Assembleia de Freguesia. Exmºs Srs. Membros da Assembleia

Informação Escrita do Presidente á Assembleia de Freguesia. Exmº Sr. Presidente da Assembleia de Freguesia. Exmºs Srs. Membros da Assembleia Pág. 1 Exmº Sr. Presidente da Assembleia de Freguesia Exmºs Srs. Membros da Assembleia Em cumprimento da alínea o), do nº1 do art. 17º da Lei 169/199, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra Regulamento Interno PREÂMBULO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei n.º147/99 de 1 de Setembro) regula a criação, competência

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Gabinete de Apoio ao Aluno, foi criado em Julho de 2007

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017»

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» A Rede Social foi criada através de uma Resolução do Conselho de Ministros, e 18 de Novembro de 1997, num contexto

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

Câmara Municipal da Amadora

Câmara Municipal da Amadora REUNIÃO DE CÂMARA DE 2 DE JUNHO DE 2010 RESUMO DE DELIBERAÇÕES A Câmara Municipal da Amadora aprovou proceder à aquisição de um fogo, sito no Casal da Boba, no âmbito do Direito de Preferência. Aquisição

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO 2006

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO 2006 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO 2006 SERVIÇO TÉCNICO DE EDUCAÇÃO DE DEFICIENTES INTELECTUAIS QUINTA DO LEME I -Nota Introdutória O Relatório de Actividades do ano 2006, do Serviço Técnico de Educação de Deficientes

Leia mais

Carta Europeia de Turismo Sustentável no Parque Nacional da Peneda Gerês. III Jornadas da Rede Ibérica Cazorla, 14-16 Fevereiro 2008

Carta Europeia de Turismo Sustentável no Parque Nacional da Peneda Gerês. III Jornadas da Rede Ibérica Cazorla, 14-16 Fevereiro 2008 III Jornadas da Rede Ibérica Cazorla, 14-16 Fevereiro 2008 Primeira AP criada em Portugal (1971) A única AP com estatuto de Parque Nacional Área 70 hectares População: 9000 habitantes Baixa Limia-Serra

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Junta de Freguesia de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 2011. Introdução

Junta de Freguesia de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 2011. Introdução Junta de Santiago PLANO DE ACTIVIDADES 21 Introdução O ano de 21, para além de ser um ano de continuidade de Projectos idealizados e iniciados no ano transacto é sem sombra de dúvidas um ano complicado

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2012

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2012 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2012 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação.3 Projectos para 2012..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2012.. 5 Actividades de Carácter Cultural (ACC)...

Leia mais

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Normas Orientadoras Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Julho 2007 1 Contexto Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacidade A criação de uma rede nacional de

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

Rede Social do Concelho de Sesimbra Regulamento Interno do CLAS de Sesimbra

Rede Social do Concelho de Sesimbra Regulamento Interno do CLAS de Sesimbra Regulamento Interno do CLAS de Sesimbra Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Sesimbra Página 1 de 10 CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010 ------------------------------------- ACTA N.º 13/2010 -------------------------------------- -------- Aos 19 dias do mês de Maio de 2010, pelas 10 horas, no Salão Nobre dos Paços do Município de Celorico

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais