ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0"

Transcrição

1 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e

2 U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o O B S E R V A T Ó R I O D A U S P A M E l a b o r a d o p o r : A n a L ó p e z G r a ç a L i m a L í g i a S á M a r t a L o s a d a

3 INDÍCE Situação Demográfica em Portugal em Situação Demográfica no distrito de Viana do Castelo em Estrutura etária da população residente. Índice de envelhecimento.. 3. Natalidade e Mortalidade 6. Factores determinantes no acréscimo populacional.. 8. Comentários. 9. Conceitos ÍNDICE DE QUADROS Quadro I: Estimativas da população residente a 31 de Dezembro, Quadro II: Situação demográfica no distrito de Viana do Castelo, Quadro III: Densidade populacional em Quadro IV: Nados-vivos e taxas de natalidade, Quadro V: Óbitos e taxas de mortalidade, Quadro VI: Situação demográfica, 2008, distrito de Viana do Castelo e seus concelhos Quadro VII: Estimativas de População Residente por Grandes Grupos Etários e Índices em 31/XII/ Í N D I C E ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1: Proporção de jovens e idosos na população total, distrito de Viana do castelo, 1991 e Gráfico 2: Estrutura etária da população do distrito, Gráfico 3: Pirâmides etárias do distrito e Rehgião Norte, Gráfico 4: Índice de envelhecimento, Gráfico 5: Índice de envelhecimento por concelho, Gráfico 6: Taxas brutas de natalidade e mortalidade, 1960 a 2008, Distrito de Viana do Castelo 6. Gráfico 7: Taxas de mortalidade infantil, Gráfico 7: Taxas de crescimento natural, migratório e efectivo,

4 INTRODUÇÃO Este trabalho dá continuidade ao estudo Evolução Demográfica no distrito de Viana do Castelo e seus concelhos, 1991 e 2001, divulgado em Outubro de 2002 por este serviço, e actualiza-o com as mudanças ocorridas em 2008, no campo da natalidade, mortalidade e das migrações, procurando evidenciar os aspectos mais relevantes. O Instituto Nacional de Estatística disponibilizou as estimativas da população residente relativas ao ano de 2008, que integram e actualizam a série de estimativas pós-censitárias Estas estimativas estão aferidas aos resultados definitivos dos Censos 2001 e são consideradas provisórias até à realização do novo Recenseamento da População em De referir o cuidado a ter na utilização dos dados ao nível de município, em especial quando desagregados por sexo e grupos etários, devido à inexistência de registo directo sobre os movimentos migratórios internos e externos. I N T R O D U Ç Ã O

5 Situação Demográfica em Portugal em 2008 Em Portugal (Continente e regiões autónomas) a evolução demográfica em 2008 caracteriza-se por um reduzido crescimento da população residente. Comparativamente ao final de 2007 a população residente aumentou indivíduos o que corresponde a uma taxa de crescimento efectivo de 0,09%, em resultado de um pequeno saldo natural (+314) e de um crescimento migratório positivo (+9.361). Em resultado destes movimentos, a população residente em Portugal, em 31 de Dezembro de 2008, foi estimada em indivíduos. Em 2008, a proporção de jovens (com menos de 15 anos de idade), dos indivíduos em idade activa (dos 15 aos 64 anos de idade) e da população idosa (com 65 ou mais anos de idade) não sofreram alterações relativamente aos valores de No mesmo período, o índice de envelhecimento aumentou ligeiramente, passando de 114 para 115 indivíduos com 65 ou mais anos de idade por cada 100 indivíduos com menos de 15 anos de idade. A dinâmica do crescimento da população residente em Portugal nos últimos anos caracteriza-se pelo agravamento progressivo do envelhecimento demográfico isto é, pelo aumento da proporção da população idosa (65 ou mais anos) no total da população. Situação Demográfica no distrito de Viana do Castelo No distrito de Viana do Castelo, a população residente estimada para 31 de Dezembro de 2008 é de habitantes, o que representa um decréscimo de 0,3% face ao ano anterior. Quadro I: Estimativas da população residente a 31 de Dezembro, V População residente a 31/XII (nº) Variação a /03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 0 PORTUGAL ,6% 0,5% 0,4% 0,3% 0,2% 0,1% NORTE ,5% 0,4% 0,3% 0,2% 0,0% 0,0% S I T U A Ç Ã O D E M O G R Á F I C A E M DISTRITO ,5% 0,4% 0,1% -0,1% -0,1% -0,3% Arcos de Valdevez ,2% 0,1% -0,2% -0,4% -0,2% -0,7% Caminha ,1% -0,1% -0,3% -0,2% -0,6% -0,7% Melgaço ,4% -0,7% -0,5% -1,2% -1,0% -0,9% Monção ,2% 0,0% 0,0% -0,5% -0,5% -0,6% Paredes de Coura ,3% -0,2% -0,1% -0,4% -0,6% -0,6% Ponte da Barca ,4% 0,4% 0,2% -0,1% 0,0% -0,3% Ponte de Lima ,5% 0,3% 0,2% 0,0% -0,1% -0,2% Valença ,5% 0,6% 0,2% 0,0% -0,1% 0,0% Viana do Castelo ,9% 0,8% 0,4% 0,2% 0,2% 0,0% Vila Nova Cerveira ,3% -0,1% -0,3% -0,4% -0,3% -0,4% A população do distrito não acompanhou a pequena variação positiva verificada no país, sendo que todos os concelhos do distrito perdem ou mantêm a sua população. Melgaço continua a ser o concelho que apresenta o maior decréscimo populacional (-0,9%). 1

6 Quadro II: Situação demográfica no distrito de Viana do Castelo, INDICADORES População média População em 31/XII Nados Vivos Óbitos totais Óbitos de menos 1 ano Saldo natural (n.º) Saldo Migratório (n.º) Acréscimo populacional (n.º) Taxa Crescimento Efectivo (%) 0,4 0,6 0,5 0,4 0,1-0,1-0,1-0,3 Taxa Crescimento Migratório (%) 0,7 0,8 0,8 0,6 0,4 0,3 0,2 0,1 Taxa Crescimento Natural (%) -0,2-0,3-0,3-0,2-0,3-0,4-0,3-0,4 Taxa bruta de Natalidade ( ) 9,2 9,1 8,8 8,7 8,6 7,8 8,2 7,8 Taxa bruta de Mortalidade ( ) 11,6 11,6 12,3 10,9 11,6 11,5 11,7 11,5 Taxa Mortalidade Infantil ( nadosvivos) 7,0 5,3 4,5 2,7 3,7 4,1 5,8 3,1 No distrito de Viana do Castelo, nos 6 anos em análise, as taxas de mortalidade geral foram superiores às taxas de natalidade, o que origina saldos naturais negativos. É de salientar que em 2008 a taxa bruta de mortalidade foi uma vez e meia maior que a taxa bruta de natalidade. Quadro III: Densidade populacional em 2008 Densidade populacional (hab/ km²) Comprimento máximo Este/ Oeste (km) Comprimento máximo Norte/ Sul (km) Superfície (km²) Portugal 115, ,1 Norte ,6 Minho-Lima 113, ,4 Arcos de Valdevez 54, ,6 Caminha 121, ,4 Melgaço 39, ,3 S I T U A Ç Ã O D E M O G R Á F I C A E M Monção 92, ,3 Paredes de Coura ,2 Ponte da Barca 71, ,1 Ponte de Lima ,3 Valença 122, ,1 Viana do Castelo 286, ,6 Vila Nova de Cerveira 80, ,5 A densidade populacional no distrito de Viana do Castelo não difere da Região Norte. No entanto quando desagregamos a análise por concelho, verificam-se grandes assimetrias na distribuição da população. Os concelhos do interior, nomeadamente Melgaço, Arcos de Valdevez e Paredes de Coura, são os que apresentam baixas densidades populacionais. 2

7 Estrutura etária da população residente Um dos aspectos mais importantes na análise de uma população é a sua composição etária. Alterações no equilíbrio entre os três principais grupos de população população jovem (0-14 anos), população em idade activa (15-64 anos) e população idosa (65 ou mais anos de idade) para além das implicações sociais e económicas, são também determinantes ao nível do planeamento em saúde. No distrito de Viana do Castelo, a proporção de jovens diminuiu ligeiramente relativamente ao ano anterior (13,4% em 2007 para 13,3% em 2008) seguindo a tendência dos anos anteriores e acompanhando a tendência verificada em Portugal. Em 1991 a população jovem representava 20% da população do distrito e em 2001 esse valor passou para 15,1%. Esta situação reflecte as consequências da fecundidade permanecer a níveis inferiores ao necessário para assegurar a substituição das gerações. Contrariamente, assistiu-se a um ligeiro aumento da população idosa (65 ou mais anos) na população total, que representa 20,9% em O aumento da população idosa segue assim uma tendência contrária à da população jovem: em 1991 a população idosa do distrito era de 16,9%. 65+ anos (16,9%) 65+ anos (20,9%) 0-14 anos (20%) 0-14 anos (13,3 %) Gráfico 1: Proporção de jovens e idosos na população total, distrito de Viana do castelo, 1991 e 2008 A população em idade activa (15-64 anos) continua a registar duas tendências distintas: o grupo de adultos jovens (15-24 anos) acompanha a evolução da população jovem e reduz a sua proporção na população total para 11,7% em 2008, enquanto a população com idades entre os 25 e os 64 anos segue a tendência da população idosa e eleva-se para 54,1%. E S T R U T U R A E T Á R I A D A P O P U L A Ç Ã O O concelho de Ponte de Lima continua a ser o de maior percentagem de jovens (15,6%), com valores mais elevados que os registados para Portugal (15,3%). O concelho de Viana do Castelo é o que apresenta a mais baixa percentagem de idosos (17,6%), um valor idêntico ao registado em Portugal (17,6%) mas superior ao valor registado para a Região Norte (15,5%). O concelho de Melgaço tem a menor proporção de jovens (8,7% da população total) e a maior percentagem de pessoas idosas (32,8%). 3

8 100% 90% 80% 17,6 15,5 20,9 27,7 20,7 32,8 26,1 25,6 21,3 17,7 21,9 17,6 22,4 70% 60% 50% 40% 55,7 56,7 54,1 50,0 54,7 48,8 53,3 51,7 52,3 53,8 53,9 56,6 52,8 30% 20% 10% 0% 11,4 12,2 11,7 11,4 11,9 15,3 15,6 13,3 11,0 12,7 Portugal Norte Distrito Arcos Valdevez 9,7 10,6 11,0 13,0 8,7 10,1 11,6 13,4 15,6 12,7 14,2 13,5 Caminha Melgaço Monção Paredes Coura 12,9 11,5 11,6 11,3 Ponte Barca Ponte Lima Valença Viana Castelo V.N.Cerveira Gráfico 2: Estrutura etária da população do distrito e seus concelhos, 2008 Na comparação das pirâmides etárias do distrito de Viana do Castelo relativamente à da Região Norte, observa-se um estreitamento da base da pirâmide, que reflecte o peso cada vez menor das camadas mais jovens e, por outro, observa-se um alargamento do topo da pirâmide (digamos, a partir dos 65 anos), que exprime o número crescente de idosos na população total do distrito. Região Norte Distrito de Viana do Castelo E S T R U T U R A E T Á R I A D A P O P U L A Ç Ã O 10% 8% 6% 4% 2% 0% 2% 4% 6% 8% 10% 10% 8% 6% 4% 2% 0 2% 4% 6% 8% 10% Gráfico 3: Pirâmides etárias da população, Viana do Castelo e Região Norte, 2008 O índice de envelhecimento é revelador da evolução demográfica recente, quer no distrito de Viana do Castelo, quer no país. Este indicador passou de 85 indivíduos idosos por cada 100 jovens, em 1991, para cerca de 136 idosos por 100 jovens em

9 Distrito Minho-Lima de Viana do Castelo Portugal Gráfico 4: Índices de envelhecimento, 2008 Em 2008 o índice de envelhecimento no distrito de Viana do Castelo é estimado em 158 idosos por cada 100 jovens. Esta alteração do índice de envelhecimento advém não só do aumento registado no grupo de população com 65 ou mais anos mas também da diminuição da população jovem (até 14 anos). Este fenómeno do envelhecimento é mais forte entre as mulheres reflectindo a sua maior longevidade , ,5 252,2 E S T R U T U R A E T Á R I A D A P O P U L A Ç Ã O , ,9 162,7 159,2 171,7 166, ,5 113,0 124, ,3 Portugal Norte Distrito Arcos Valdevez Caminha Melgaço Monção Paredes Coura Ponte Barca Ponte Lima Valença Viana Castelo V. N.Cerveira Gráfico 5: Índice de envelhecimento por concelho,

10 Natalidade e Mortalidade No período compreendido entre 1990 e 2001, o crescimento natural da população do distrito de Viana do Castelo é negativo. A taxa de mortalidade geral apresentou valores superiores aos da taxa de natalidade ao longo do período em análise Taxa bruta de Natalidade ( ) Taxa bruta de Mortalidade ( ) Gráfico 6: Taxas brutas de natalidade e mortalidade, 1988 a 2008, distrito de Viana do Castelo Em 2008, o número de nados vivos de mães residentes no distrito de Viana do Castelo foi de 1.964, que representa um decréscimo de 5% relativamente ao ano anterior, fixando a taxa de natalidade em 7,8 nados vivos por mil habitantes. Ao longo do período em análise as taxas de natalidade no distrito são inferiores às verificadas em Portugal e Região Norte. Quadro IV: Nados-vivos e taxas de natalidade, Nados-vivos (nº) Taxas Natalidade ( ) N A T A L I D A D E E M O R T A L I D A D E Portugal ,0 11,0 10,8 10,4 10,4 10,0 9,7 9,8 Norte ,3 11,3 10,8 10,2 10,0 9,6 9,1 9,2 Distrito ,2 9,1 8,8 8,7 8,6 7,8 8,2 7,8 Arcos de Valdevez ,7 7,0 7,6 7,3 5,9 6,5 7,1 6,8 Caminha ,5 8,4 7,1 8,6 7,7 8,4 7,9 6,5 Melgaço ,4 6,1 5,6 4,4 6,5 3,8 5,1 6,2 Monção ,4 6,4 7,0 6,1 6,6 5,2 7,2 7,1 Paredes de Coura ,0 7,8 7,9 8,3 8,4 7,8 8,7 8,6 Ponte da Barca ,8 8,2 7,0 7,9 9,4 6,1 7,4 6,7 Ponte de Lima ,0 11,6 10,7 10,1 10,2 9,5 8,8 8,5 Valença ,6 8,4 7,8 8,1 8,1 7,3 7,3 8,2 Viana do Castelo ,9 10,1 9,8 9,8 9,3 8,4 8,8 8,2 Vila Nova Cerveira ,0 8,2 10,6 7,4 8,9 8,7 10,1 9,1 6

11 Quadro V: Óbitos totais e taxas de mortalidade, distrito de Viana do Castelo e seus concelhos, Óbitos (nº) Taxas Mortalidade ( ) Portugal ,2 10,2 10,4 9,7 10,2 9,6 9,8 9,8 Norte ,7 8,7 8,9 8,3 8,7 8,3 8,4 8,4 Distrito ,6 11,6 12,3 10,9 11,6 11,5 11,7 11,5 Arcos de Valdevez ,3 16,2 17,8 14,8 15,2 15,4 13,8 15,5 Caminha ,8 12,3 12,9 12,6 12,6 11,4 13,5 12,5 Melgaço ,7 16,5 17,7 16,5 14,6 17,2 16,3 14,9 Monção ,7 15,2 16,3 14,6 13,6 14,8 16,3 15,3 Paredes de Coura ,9 16,7 17,7 15,1 12,9 13,9 16,1 15,6 Ponte da Barca ,6 11,7 13,4 11,7 13,7 11,7 11,7 11,8 Ponte de Lima ,5 10,1 10,0 9,1 10,0 9,8 9,1 9,0 Valença ,1 15,0 13,8 11,4 13,1 12,4 13,8 11,6 Viana do Castelo ,7 8,3 9,1 8,1 9,5 9,4 9,5 9,6 Vila Nova de Cerveira ,1 13,9 13,7 13,3 15,7 14,7 15,0 13,9 A taxa de mortalidade infantil no distrito de Viana do Castelo tem diminuído ao longo dos últimos anos, acompanhando a tendência verificada em Portugal continental. 70 Distrito Continente N A T A L I D A D E E M O R T A L I D A D E Gráfico 7: Taxas de mortalidade infantil, A taxa de mortalidade infantil, no distrito, apresenta algumas oscilações pelo facto de ser uma taxa calculada com base num número de óbitos muito pequeno. Pequenas flutuações circunstanciais no número de nascimentos ou óbitos podem influenciar os resultados obtidos e sua interpretação. 7

12 Factores determinantes no decréscimo populacional O confronto da evolução das estimativas da população residente com os registos de nados-vivos e óbitos permite decompor a variação populacional segundo os factores que a explicam, nomeadamente o saldo natural (diferença entre nados-vivos e óbitos) e o saldo migratório (diferença entre o número de indivíduos que entram num território para nele passarem a residir e os que, ao contrário, deixam de residir no mesmo território). Uma vez obtido o saldo natural para cada ano, o cálculo da diferença entre a variação populacional intercensitária e o saldo natural conduz a uma estimativa do saldo migratório para o mesmo período: Saldo Migratório = Acréscimo Populacional Saldo Natural. O distrito de Viana do Castelo apresenta um decréscimo na população residente (-725 habitantes), tendo-se verificado um saldo migratório positivo (+204 habitantes ) que não é suficiente para compensar o saldo natural negativo (-929 habitantes). 0,6 0,4 0,2 0,0-0,2-0,4-0,6-0,8-1,0-1,2 Portugal Norte Minho-Lima Arcos de Valdevez Caminha Melgaço Monção Paredes de Coura Gráfico 8: Taxas de crescimento natural, migratório e efectivo, 2008 Ponte da Barca Ponte de Lima Valença Viana do Castelo Vila Nova de Cerveira Crescimento natural Crescimento Migratório Crescimento efectivo Observa-se uma diminuição da população em 2007 em todos os concelhos do distrito, em resultado de saldos naturais negativos e reduzidos saldos migratórios, ou mesmo negativos em alguns concelhos. Toda a análise apresentada deve ter subjacente a dificuldade em conhecer com rigor os saldos migratórios, quer internos quer externos, factores essenciais na dinâmica do crescimento regional da população. Neste sentido, sublinha-se mais uma vez que é necessário algum cuidado na utilização dos dados a nível de município, em especial quando desagregados por sexo e idade. F A C T O R E S D E T E R M I N A N T E S N O A C R É S C I M O P O P U L A C I O N A L 8

13 Comentário A evolução registada na estrutura etária da população residente no distrito, entre 1991 e 2008, revela o acentuar do envelhecimento da população, com a relação entre população idosa e população jovem a atingir os 85 idosos por cada 100 jovens em 1991 e a aumentar para 158 idosos por cada 100 jovens em Esta alteração do índice de envelhecimento advém de uma diminuição da população jovem, com 14 ou menos anos, e um aumento registado no grupo de população com 65 ou mais anos. Outro aspecto da demografia a considerar é a baixa densidade populacional dos concelhos do interior, com maior expressividade no concelho de Melgaço, caracterizados por situações de desertificação, envelhecimento da população. Estas componentes demográficas introduzem assimetrias no estado de saúde das populações do distrito, devendo merecer a atenção dos decisores da saúde para a acessibilidade à saúde e aos serviços de saúde. F A C T O R E S D E T E R M I N A N T E S N O A C R É S C I M O P O P U L A C I O N A L 9

14 Quadro VI: Situação demográfica, 2008, distrito de Viana do Castelo e seus concelhos INDICADORES Portugal Norte Distrito População média nº População em 31/XII nº Arcos Valdevez Caminha Melgaço Monção Paredes Coura Ponte Barca Ponte Lima Valença Viana do Castelo Vila Nova Cerveira Índice envelhecimento % 115,5 99,3 157,9 252,2 162,7 379,0 259,5 220,9 159,2 113,0 171,7 124,3 166,5 Índice de dependência de idosos % 26,3 22,5 31,8 45,1 31,1 56,1 40,9 40,8 32,7 26,5 33,4 25,8 34,9 Índice de longevidade nº 46,4 45,7 49,9 53,0 50,5 53,4 48,9 53,2 49,2 49,8 49,9 47,6 50,9 Índice de potencialidade nº 92,8 91,7 99,8 116,1 95,6 90,9 102,4 108,6 108,7 103,3 98,4 94,5 96,1 Índice de renovação da população em idade activa nº 111,2 122,6 125,0 125,8 118,2 102,1 112,3 118,3 148,5 148,3 109,5 122,2 120,7 Nados Vivos nº Óbitos totais nº Óbitos de menos 1 ano nº Saldo natural nº Saldo Migratório nº Acréscimo populacional nº Taxa Crescimento Efectivo Taxa Crescimento Migratório % 0,1 0,0-0,3-0,7-0,7-0,9-0,6-0,6-0,3-0,2 0,0 0,0-0,4 % 0,1-0,1 0,1 0,2-0,1-0,1 0,2 0,1 0,3-0,2 0,4 0,1 0,1 Taxa Crescimento Natural % 0,0 0,1-0,4-0,9-0,6-0,9-0,8-0,7-0,5 0,0-0,3-0,1-0,5 Taxa bruta de Natalidade 9,8 9,2 7,8 6,8 6,5 6,2 7,1 8,6 6,7 8,5 8,2 8,2 9,1 Taxa bruta de Mortalidade 9,8 8,4 11,5 15,5 12,5 14,9 15,3 15,6 11,8 9,0 11,6 9,6 13,9 Taxa Mortalidade Infantil * por mil nados-vivos * 3,3 2,6 3,1 6,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 2,6 0,0 2,7 25,3 F A C T O R E S D E T E R M I N A N T E S N O A C R É S C I M O P O P U L A C I O N A L Toda a análise apresentada ao nível de concelho deve ter subjacente que os efectivos populacionais envolvidos são diminutos e que pequenas flutuações circunstanciais no nº de nascimentos podem reflectir-se em grandes oscilações anuais nas taxas de natalidade. 10

15 Quadro VII: Estimativas de População Residente por Ciclos de Vida e Índices em 31/XII/2008 Portugal Norte NUTS I, II e III e Municípios Minho-Lima Arcos de Valdevez Caminha Melgaço Monção Paredes de Coura Ponte da Barca Ponte de Lima Valença Viana do Castelo Vila Nova de Cerveira Grupos etários Índices de dependência TOTAL Total Jovens Idosos Índice de envelhe - cimento HM ,05 22,76 26,29 115,48 H ,78 23,6 22,18 94 M ,25 21,94 30,3 138,1 HM ,13 22,64 22,49 99,34 H ,49 23,58 18,91 80,17 M ,7 21,72 25,97 119,55 HM ,94 20,14 31,8 157,87 H ,14 21,34 25,81 120,95 M ,48 19,01 37,47 197,17 HM ,05 17,9 45,15 252,16 H ,11 19,15 36,96 192,97 M ,44 16,76 52,69 314,41 HM ,24 19,13 31,11 162,68 H ,08 20,51 24,57 119,8 M ,06 17,83 37,22 208,72 HM ,93 14,81 56,12 378,99 H ,07 16,08 46,99 292,27 M ,86 13,69 64,17 468,75 HM ,68 15,76 40,91 259,54 H ,47 16,58 32,89 198,39 M ,38 15,01 48,37 322,27 HM ,3 18,48 40,82 220,86 H ,92 19,71 31,21 158,3 M ,84 17,23 50,61 293,75 HM ,2 20,52 32,68 159,24 H ,09 22,27 26,82 120,41 M ,11 18,86 38,25 202,8 HM ,86 23,4 26,46 113,04 H ,97 24,61 21,36 86,78 M ,62 22,24 31,38 141,12 HM ,86 19,46 33,41 171,72 H ,13 19,8 26, M ,3 19,13 40,18 210,05 HM ,59 20,77 25,82 124,29 H ,41 21,91 21,5 98,12 M ,61 19,7 29,91 151,85 HM ,91 20,98 34,93 166,47 H ,02 23,06 26,95 116,87 M ,88 18, ,72 E S T I M A T I V A S D A P O P U L A Ç Ã O R E S I D E N T E 11

16 CONCEITOS ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA DE IDOSOS- Relação entre a população idosa e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos (expressa por 100 pessoas com anos). ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA DE JOVENS - Relação entre a população jovem e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos (expressa por 100 pessoas com anos). ÍNDICE DE DEPENDÊNCIA TOTAL - Relação entre a população jovem e idosa e a população em idade activa, definida como o quociente entre o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos conjuntamente com as pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos (expressa por 100 pessoas com anos). ÍNDICE DE ENVELHECIMENTO - Relação entre a população idosa e a população jovem, definida como o quociente entre o número de pessoas com 65 ou mais anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos (expressa por 100 pessoas dos 0 aos 14 anos). ÍNDICE DE LONGEVIDADE - Relação entre a população mais idosa e a população idosa, definida habitualmente como o quociente entre o número de pessoas com 75 ou mais anos e o número de pessoas com 65 ou mais anos (expressa habitualmente por 100 pessoas com 65 ou mais anos). ÍNDICE DE POTENCIALIDADE FEMININA: Relação entre as duas metades da população feminina teoricamente mais fecundas. (Mulheres com idades entre 20 e 34 anos/ Mulheres com idades entre 35 e 49 anos) ÍNDICE DE RENOVAÇÃO DA POPULAÇÃO EM IDADE ACTIVA: Relação entre a população que potencialmente está a entrar e a que está a sair do mercado de trabalho, definida habitualmente como o quociente entre o número de pessoas com idades compreendidas entre os 20 e os 29 anos e o número de pessoas com idades compreendidas entre os 55 e os 64 anos (expressa habitualmente por 100 pessoas com anos). POPULAÇÃO MÉDIA - População calculada pela média aritmética dos efectivos em dois momentos de observação, habitualmente em dois finais de anos consecutivos. POPULAÇÃO RESIDENTE- Pessoas que, independentemente de no momento de observação - zero horas do dia de referência - estarem presentes ou ausentes numa determinada unidade de alojamento, aí habitam a maior parte do ano com a família ou detêm a totalidade ou a maior parte dos seus haveres. SALDO MIGRATÓRIO - O saldo migratório foi calculado pela diferença entre a variação populacional e o saldo natural. C O N C E I T O S SALDO NATURAL- Diferença entre o número de nados vivos e o número de óbitos, num dado período de tempo. TAXA DE CRESCIMENTO EFECTIVO - Variação populacional observada durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido à população média desse período (expressa por 100 habitantes). TAXA DE CRESCIMENTO MIGRATÓRIO- Saldo migratório observado durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido à população média desse período (expressa por 100 habitantes). TAXA DE CRESCIMENTO NATURAL- Saldo natural observado durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido à população média desse período (expressa por 100 habitantes). TAXA BRUTA DE MORTALIDADE- Número de óbitos observado durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido à população média desse período (expressa em número de óbitos por 1000 habitantes). TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL- Número de óbitos de crianças com menos de 1 ano de idade observado durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido ao número de nados vivos do mesmo período (expressa em número de óbitos de crianças com menos de 1 ano por 1000 nados vivos). TAXA BRUTA DE NATALIDADE - Número de nados vivos ocorrido durante um determinado período de tempo, normalmente um ano civil, referido à população média desse período (expressa em número de nados vivos por 1000 habitantes). VARIAÇÃO POPULACIONAL- Diferença entre os efectivos populacionais em dois momentos do tempo (habitualmente dois fins de ano consecutivos). A variação populacional pode ser calculada pela soma algébrica do saldo natural e do saldo migratório. 12

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos 3 de Junho de 211 CENSOS 211 Resultados Preliminares Principais Resultados Preliminares: Somos 246 12 residentes e 82 73 famílias Temos 11 38 alojamentos e 98 85 edifícios Os resultados preliminares dos

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que reveja a legislação de modo a defender os idosos de penalizações e exclusões abusivas que são alvo em função da idade Exposição

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

O IEFP e o INE divulgam os dados do Inquérito ao Emprego 2006 Desemprego em Queda

O IEFP e o INE divulgam os dados do Inquérito ao Emprego 2006 Desemprego em Queda O IEFP e o INE divulgam os dados do Inquérito ao Emprego 2006 Desemprego em Queda O emprego em Cabo Verde entrou definitivamente na agenda do desenvolvimento. Os resultados que agora se divulgam visam

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1

LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Perfil de Saúde. e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo VOLUME1 LISBOA E VALE DO TEJO MINISTÉRIO DA SAÚDE Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo 2015 VOLUME1 O Padrão dos Descobrimentos Elevar as nossas Crianças a horizontes mais rasgados

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

Carta Escolar do Grupo Central

Carta Escolar do Grupo Central . Carta Escolar do Grupo Central 2 Carta Escolar Grupo Central Realização Faculdade de Letras Universidade de Coimbra Largo da Porta Férrea 349-53 Coimbra Direcção Regional da Educação e Formação Paços

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as actuais 134 cidades do país e as áreas metropolitanas

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa AULA ABERTA - ECONOMIA INTERNACIONAL 28/11/2012 28 de Novembro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa

Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde da População Idosa Portuguesa Tânia Costa, Ana Rego, António Festa, Ana Taborda e Cristina Campos Caracterização Demográfica, Socioeconómica e de Saúde

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Centro Ocidental www.observatorio-lisboa.eapn.pt

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade O Instituto Nacional de Estatística, de 5 em 5 anos, recolhe informação sobre os orçamentos

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

O bairro. A urbanização

O bairro. A urbanização Trabalho e desemprego entre jovens de um bairro social Alexandre Silva - Novembro de 2009 O bairro A urbanização Casal da Boba é uma urbanização criada por iniciativa da C.M. Amadora com o objectivo de

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA Admite se o caráter mais ou menos estacionário da população portuguesa até meados do século XVII, ultrapassando um tanto, embora com altos e baixos, o milhão de habitantes.

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1º EM Material de apoio para o exame final Questão 01) Em toda a história da humanidade os agrupamentos humanos ou os indivíduos, isoladamente, se movimentam pelo espaço,

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte 10 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 2008 Var. Trimestral Var. Homóloga 2º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 32 617 8 525 35,4% 1 646 5,3% Nº de minutos em roaming

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias 2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias O Diagnóstico Social Concelhio, enquanto ferramenta essencial para o conhecimento e caracterização da realidade local, assume particular importância na

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005

DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005 DIAGNÓSTICO SOCIAL Março de 2005 Departamento de Assuntos Sociais e Juventude Divisão de Assuntos So ciais Projecto financiado pelo Estado Português - Ministério da Segurança Social, da Fa mília e da Criança

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora

A Rede Social no Contexto da RAA 2013. A Reconfiguração do Território da Amadora A Rede Social no Contexto da RAA 2013 A Reconfiguração do Território da Amadora 1. Reorganização Administrativa 2. Reconfiguração Gestão Territorial 3. Retrato Social Municipal 4. Rede Social Novas Freguesias

Leia mais

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ULS Alto Minho. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência da

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Em 2000, 189 chefes de Estado e de Governo assinaram a Declaração do Milénio que levou à formulação de 8 objectivos de desenvolvimento, a alcançar entre 1990 e 2015. Os ODM - Objectivos de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e

Leia mais

Parque de habitação social em Portugal

Parque de habitação social em Portugal Caracterização da Habitação Social em Portugal 2012 31 de julho de 2013 Parque de habitação social em Portugal Em 2012 existiam cerca de 118 mil fogos de habitação social (-0,2% face a 2011) distribuídos

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

PERFIL DE SAÚDE CONCELHO DE VALONGO

PERFIL DE SAÚDE CONCELHO DE VALONGO PERFIL DE SAÚDE CONCELHO DE VALONGO 2016 FICHA TÉCNICA TÍTULO PERFIL DE SAÚDE DO CONCELHO DE VALONGO 2016 EDIÇÃO Município de Valongo RESPONSÁVEL José Manuel Ribeiro Presidente da Câmara Municipal de Valongo

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007.

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007. COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM CABO VERDE ANO 27. SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES: Enquadramento A ANAC enquanto autoridade reguladora do sector

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 Brasil População: 190 755 799 habitantes Brasil - População e taxa média geométrica de

Leia mais

GEOGRAFIA. População Brasileira

GEOGRAFIA. População Brasileira População Brasileira No Brasil a concentração populacional tem sua maior ocorrência em áreas litorâneas ou próximas ao litoral. Temos como fatores contribuintes as faixas de planície, clima tropical, sem

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia.

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. O aumento da esperança de vida, conseguido através do desenvolvimento,

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Portuguesa - 2001

Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Portuguesa - 2001 CEOS, Investigações Sociológicas, FCSH, UNL 1 Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População Portuguesa - 2001 Casimiro Balsa Tiago Farinha Cláudia Urbano André Francisco A- APRESENTAÇÃO

Leia mais

Anexo 2 Análise de clusters método K-means

Anexo 2 Análise de clusters método K-means Anexo 2 Análise de clusters método K-means 102/494 Análise de clusters método K-means A análise de cluster é uma técnica exploratória de análise multi-variada de dados que permite classificar um conjunto

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais