PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO"

Transcrição

1 PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

2 PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias disciplinas das actividades aquáticas, tem na Natação Pura Desportiva de competição um dos seus objectivos principais, tentando, não só obter um número considerável de praticantes mas também um nível qualitativo de excelência. Uma vez que acreditamos que este crescimento qualitativo passa por um desenvolvimento progressivo e sustentado dos nadadores, achamos imprescindível a elaboração do plano de carreira, o qual estabelece as linhas orientadoras dos distintos escalões de formação até chegar ao escalão de alto rendimento. Este documento tem como base de trabalho o plano inicialmente proposto pela Federação Portuguesa de Natação, o qual foi divulgado no final da passada época desportiva. No entanto, estamos convictos que cada clube e região terão as suas dificuldades e constrangimentos próprios, não fugindo o Aminata a essa regra. Por este motivo achámos pertinente efectuar um plano de carreira próprio e adaptado à actual realidade do clube. Temos como principal meta com a criação deste documento que se cumpram os objectivos e conteúdos de treino em cada escalão, os quais permitirão que o nadador tenha uma formação desportiva sustentada, coerente e progressiva, respeitando etapas de desenvolvimento, permitindo a obtenção do máximo rendimento em idades adultas. Não pretendemos retirar qualquer protagonismo aos responsáveis técnicos dos respectivos escalões, sendo estes os principais responsáveis pela elaboração do planeamento anual, bem como da operacionalização do mesmo. O Plano de carreira deverá servir como base de trabalho, sendo visto como as linhas balizadoras do trabalho a desenvolver, tendo sempre em consideração que o mesmo deverá ser alterado sempre que existam motivos que o justifiquem. Para o efeito serão mantidas reuniões técnicas pontuais com os elementos intervenientes no processo, tendo como responsável o coordenador do sector de competição. Mas quisemos ir um pouco mais além, pelo que optámos por incluir normas, critérios e requisitos que regulamentem quer a admissão dos atletas no processo competitivo, quer as transições entre escalões.

3 Escalão etários a considerar Consideramos como escalões e parte integrante do processo competitivo os seguintes: Pré-competição Masc 2004 / Fem 2005 Cadetes Masc A 2002 B 2003 / Fem A 2003 B 2004 Infantis Masc A 2000 B 2001 / Fem A2001 B 2002 Juvenis Masc 1998, 1999 Fem 1999, 2000 Juniores Masc 1996, 1997 Fem 1997, 1998 Seniores Masc 1995 e + Velhos Fem 1996 e + Velhas Quadro 1 Plano de carreira do nadador do Aminata Évora Clube de Natação Plano de carreira Cadetes Infantis Juvenis Juniores Seniores B A B A B A 1º ano 2º ano Veloc ½ fund Fund. TRABALHO NA ÁGUA Média Km - época Sessões-época Semanas época Sessões-semana Média Km ,5 23,1 28, Semana Média Km-Sessão Competições época 5ª7 7ª10 10ª12 12ª14 14ª16 14ª16 16ª20 16ª20 16ª20 Prep. Geral ***** ***** **** *** ** ** * * * * * Prep. Especifica * ** *** *** **** **** **** **** **** AR Km semana AR - % anual TT Km semana TT - % anual A1 Km semana A1 - % anual A2 Km semana A2 - % anual PA Km semana PA - % anual TL Km semana TL - % anual PL Km semana PL - % anual V Km semana V - % anual T30 + Específ T30 + Específ T30 + Específ T30 + Específ T30 + Específ Testes controlo A.Técn T1000 T1500 T1500 T30 T30 TRABALHO EM SECO Sessões época Sessões - semana Flexibilidade Força Geral Força Resistência Força Máxima Força Rápida

4 Força Específica PRÉ-COMPETIÇÃO Tal como o nome indica, é um escalão composto por jovens atletas que iniciam um processo de treino/aprendizagem prévio ao competitivo. Deverão incluir-se neste grupo todos os jovens com idades compreendidas entre os 7 e os 10 anos de idade que mostrem algumas aptidões para a modalidade, as quais não terão apenas a ver com características físicas, mas sobre este aspecto teremos um capítulo mais à frente. Critérios de admissão Terão prioridade os nadadores provenientes das escolas de natação do Aminata Évora Clube de Natação Nadadores que apresentem bons níveis de adaptação ao meio aquática e critérios técnicos adequados e específicos de cada um dos estilos de nado. Nadador que cumpram os critérios de assiduidade e pontualidade, demonstrando gosto pela modalidade e disponibilidade para treinar regularmente. Jovens que demonstrem vontade e capacidade de assimilação de conhecimentos Objectivos Ensinar/melhorar as técnicas de nado, bem como técnicas de partida e viragens de todos os estilos Desenvolvimento de técnicas de base, que asseguram um desenvolvimento adequado à modalidade em causa, tais como aquisição da posição hidrodinâmica fundamental, técnica de entrada na água após salto, sensibilidade no agarre à água, etc. Desenvolvimento das capacidades motoras de base, as quais servirão de suporte a uma evolução qualitativa na natação, utilizando para tal exercícios gerais e alguns específicos (Força, resistência, velocidade, flexibilidade e coordenação). Formação integral do jovem praticante, evitando a especialização precoce, através da aplicação de meios e métodos de treino variados e pluridisciplinares.

5 Proporcionar, de forma gradual e quase inconsciente, a aquisição de bons hábitos de treino, através da implementação de: Disciplina no treino; pontualidade e assiduidade quer em treino quer em festivais/competições; participação dos pais em todo processo; responsabilização e criação de independência em todas as tarefas de treino; habituação ao trabalho com intervalos, consultando o relógio de treino; criação de hábitos de arrumação e correcto manuseamento de material didáctico. Estimular o gosto pela prática da natação e também pela competição, sem no entanto criar a ansiedade acrescida ao competir e tentar vencer. Criar regras de comportamento social a quando das deslocações e da postura a ter em prova. Criar um bom clima e ambiente no treino na tentativa que os jovens se divirtam e convivam no treino, respeitando simultaneamente todas as regras impostas. Caracterização geral do treino De forma geral o trabalho com os nadadores da pré-competição deverá incidir basicamente em treino técnico, nunca perdendo de vista os objectivos estabelecidos anteriormente. Testes de controlo Teste de análise técnica, efectuado em 3 períodos distintos do ano. CADETES Critérios de admissão Preferencialmente, nadadores provenientes da pré-competição Nadadores que apresentem bons níveis de adaptação ao meio aquática e critérios técnicos adequados e específicos de cada um dos estilos de nado.

6 Nadador que cumpriram os critérios de assiduidade e pontualidade durante a sua passagem pela pré-competição, demonstrando gosto pela modalidade e disponibilidade para treinar regularmente. Jovens que demonstrem vontade e capacidade de assimilação de conhecimentos. Objectivamente os nadadores deverão nadar 100m em cada técnica com salto e viragens e 50m mariposa. Objectivos Consolidação de todos os hábitos de treino introduzidos anteriormente. Consolidação das técnicas de base, que asseguram um desenvolvimento adequado à natação. Desenvolvimento técnico nas quatro técnicas de nado, bem como nas respectivas partidas e viragens. Criação do gosto pelo treino e pela competição, promovendo a competitividade sem o acréscimo de ansiedade inerente ao processo. Vencer sim, mas não a qualquer custo. Continuação do desenvolvimento das capacidades motoras de base, numa perspectiva de progressão, utilizando para tal exercícios gerais e alguns específicos (Força, resistência, velocidade, flexibilidade e coordenação). Consolidar o cumprimento de regras de comportamento social, manuseamento e manutenção de material e participação dos pais em todo o processo. Caracterização geral do treino O treino deste escalão etário deverá seguir os seguintes princípios gerais: a. Efectuar predominante trabalho técnico nas quatro técnicas de nado e também respectivas técnicas de partida e viragem. b. Desenvolver o treino aeróbio ligeiro, a nível geral e a nível do batimento de pernas. c. Desenvolver as capacidades coordenativas. d. Desenvolver as componentes de velocidade de reacção e de deslocamento.

7 e. Iniciar um processo de treino fora de água, prevalecendo a flexibilidade, destreza geral, capacidades coordenativas e força geral sem recorrer a cargas adicionais. Testes de controlo Para os cadetes A Teste de 1000m Para os Cadetes B - Teste de análise técnica INFANTIS Partimos do pressuposto que os nadadores que integrarão este escalão terão já o mínimo de 4 anos de prática de natação nos escalões inferiores do clube, estando integrados na estrutura e forma de trabalho do clube, bem como nas características específicas do processo de treino, as quais aumentarão o seu nível de exigência de forma gradual. Trata-se, no entanto, de mais uma etapa formativa, com vista à obtenção de resultados de excelência nos escalões mais avançados. Critérios de admissão Preferencialmente, nadadores provenientes do escalão de cadetes, que tenham realizado mínimos regionais a duas provas de diferentes técnicas e que efectuem 200m estilos. Nadador que cumpriram os critérios de assiduidade e pontualidade durante a sua passagem pelo escalão de cadetes, demonstrando gosto pela modalidade e disponibilidade para treinar regularmente (objectivamente tenham cumprido o mínimo de 90% de presenças). Manifestar uma integração no grupo de trabalho e na filosofia de trabalho do clube. Nadadores que apresentem níveis técnicos que lhes permitam integrarem o grupo de trabalho, enquadrando-se no nível médio do mesmo e cumprindo as exigências inerentes ao treino deste escalão.

8 Objectivos Consolidação de todos os hábitos de treino introduzidos anteriormente. Criação do gosto pelo treino e pela competição, promovendo a competitividade sem o acréscimo de ansiedade inerente ao processo. Valorizar a componente técnica em sobreposição ao resultado quantitativo. Promover o conhecimento dos pressupostos da formação desportiva a longo prazo. Continuação do desenvolvimento das capacidades motoras de base, numa perspectiva de progressão, utilizando para tal exercícios gerais e específicos. Criação de hábitos de treino em seco, através da promoção de circuitos de trabalho para desenvolvimento das capacidades motoras de base mencionadas anteriormente (importante. Criação de hábitos para início de um treino bidiário (cadetes A). Promover a percepção da dinâmica das cargas de treino e respectivos intervalos (começar a utilizar a linguagem própria de séries em A1, A2, Potencia, ). Assegurar uma percentagem elevada de participação nos campeonatos nacionais da categoria. Promover o espírito de equipa, quer em treino quer em competição. Consolidar o cumprimento de regras de comportamento social, manuseamento e manutenção de material. Caracterização geral do treino Atendendo à informação presente no quadro 1, que estabelece o plano de carreira dos nossos nadadores, o processo de treino dos infantis obedece à tendência natural de aumento progressivo do volume e intensidade do trabalho. Inicia-se o treino na zona láctica, embora com percentagens bastante reduzidas e apenas nos infantis A. O treino deverá incidir maioritariamente na zona aeróbia, com grande relevância no trabalho técnico, havendo um ligeiro aumento do treino na zona aeróbia mais intensa (A2 e Potência A.). Será indispensável que os nadadores destas idades nadem 800/1500m e 400 estilos em prova, pelo menos uma vez durante a época. Uma ressalva importante para o treino neste escalão será o realçar a importância do trabalho técnico, devendo os técnicos prescindir de algum trabalho com maior volume caso

9 verifiquem que os nadadores apresentam lacunas graves em determinados requisitos técnicos, com vista à superação dos mesmos. Testes de controlo Os nadadores deverão realizar um teste de 1500, em que o objetivo consiste em percorrer a distância no menor tempo possível, tentando manter um ritmo de nado próximo em cada parcial de 100m. Devem registar-se as frequências de ciclo e a frequência cardíaca. Deverá haver 3 momentos distintos de avaliação, sendo os mesmos previstos durante a elaboração do planeamento anual. JUVENIS + JUNIORES + SENIORES Parte-se também do princípio que os nadadores que atingem estes escalões terão passado por todas as etapas de formação do clube, tendo resolvido os principais aspectos técnicos, não só no que respeita às técnicas de nado, mas também nas respectivas partidas e viragens. Trata-se da entrada numa etapa que visa essencialmente o rendimento desportivo, desta forma pretende-se que exista um aumento progressivo e sustentado do treino, quer do volume quer da intensidade. No que respeita aos escalões juniores e sénior, existe já um processo de especialização acentuado, razão pela qual se pretende que exista uma distinção do trabalho com atletas que apresentam características diferentes (velocistas, meio-fundistas e fundistas). Critérios de admissão e manutenção Nadadores que transitem dos escalões de formação do clube e consigam, em cada época e em pelo menos duas provas, tempos não superiores em 8% aos mínimos nacionais dos respectivos escalões. Nadador que cumpriram os critérios de assiduidade e pontualidade durante a sua passagem pelos escalões anteriores, demonstrando gosto pela modalidade e disponibilidade para treinar

10 regularmente, inclusivamente nos que respeita às sessões bi-diárias (objetivamente tenham cumprido o mínimo de 90% de presenças). Manifestar uma integração no grupo de trabalho e na filosofia de trabalho do clube. Objectivos Consolidação de todos os hábitos de treino introduzidos. Desenvolvimento das capacidades motoras específicas à especialidade de cada nadador. Estimular a importância do treino em seco e na água, realçando a importância das presenças nos mesmos. Consolidação de hábitos de treino bidiário. Promover a percepção da dinâmica das cargas de treino e respectivos intervalos (continuar a utilizar a linguagem própria de séries em A1, A2, Potencia, ). Assegurar uma percentagem elevada de participação nos campeonatos nacionais das categorias. Promover o espírito de equipa, quer em treino quer em competição. Consolidar o cumprimento de regras de comportamento social, manuseamento e manutenção de material, nomeadamente no que diz respeito à individualização dos materiais de treino. Caracterização geral do treino Atendendo uma vez mais à informação presente no quadro 1, que estabelece o plano de carreira dos nossos nadadores, poderemos perceber que o processo de treino destes escalões é já mais específico do que acontecia nos anteriores. Desta forma, no que diz respeito aos juniores e seniores deverá já existir uma especialização marcada, sendo os nadadores divididos segundo as suas aptidões, nomeadamente em velocistas, meio-fundistas e fundistas, sendo o treino adequado a cada um deles. Não deveremos perder de vista o trabalho técnico, no entanto a relevância do trabalho centrar-se-á no desenvolvimento de todas as zonas fisiológicas de treino, atendendo à especialização de cada nadador.

11 Testes de controlo Os nadadores deverão realizar um teste de 1500, em que o objetivo consiste em nadar 1500m no menor tempo possível, tentando manter um ritmo de nado próximo em cada parcial de 100m. Devem registar-se as frequências de ciclo e a frequência cardíaca. Atendendo à especialidade de cada nadador deverão efectuar-se testes específicos distintos para velocistas e fundistas. Deverá haver 3 momentos distintos de avaliação, sendo os mesmos previstos durante a elaboração do planeamento anual. NOTAS FINAIS Tendo em consideração que o Aminata Évora Clube de Natação fornecerá no início de cada época desportiva um calendário de provas anual a todos os nadadores e respectivos pais e encarregados de educação, pretendemos que a participação dos atletas inscritos em todos os campeonatos regionais e nacionais tenha um caráter obrigatório. (Obviamente que teremos em consideração situações pontuais de impeditivas, tais como doenças ou lesões). No planeamento anual deverá ser considerado ainda o seguinte: A realização de dois estágios, os quais terão como principal objectivo a preparação para os campeonatos nacionais, logo terão como nadadores alvo todos os que tiverem realizado mínimos (Tac s) para as referidas competições, ou estejam muito próximo de os conseguirem. Para s referidos estágios será elaborado um regulamento específico. A calendarização atempada de momentos de paragem microciclos de transição -, que poderão incluir a realização de outras actividades, mesmo fora da piscina.

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais I - Introdução V - SurfSki Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos DIPLOMA DO REGIME DE PRÉMIOS AOS ATLETAS, NA ALTA COMPETIÇÃO I SÉRIE N.º47 8 DE NOVEMBRO DE 1996 CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 33/96 de 8 de Novembro O desporto

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direcção Técnica Nacional Sector juvenil Versão de 29 de Maio de 2008 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS RELACIONADAS COM OS ESCALÕES DO ATLETISMO JUVENIL A. Disposições

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 2 2. Classificação dos Praticantes em Regime de Alta Competição... 3 (Portaria nº947/95 de 1 de Agosto) 3. Níveis de Qualificação... 5 4. Critérios

Leia mais

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág. Regras e Normas Competitivas - Época 2015 Índice Capitulo I Disposições Gerais. pág.1 Capitulo II Disposições Técnicas..... pág.1 Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.1 Capitulo IV Filiação

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Regulamento. Escola de Ciclismo CCMC

Regulamento. Escola de Ciclismo CCMC Regulamento Escola de Ciclismo CCMC I Disposições Gerais 1.º Objetivo A de Macedo de Cavaleiros tem como objetivo principal contribuir para a criação de um espaço de lazer e ocupação dos tempos livres

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

Regulamento da Secção de Vela Ligeira

Regulamento da Secção de Vela Ligeira Regulamento da Secção de Vela Ligeira 1 Constituição A Escola de Vela é constituída pelos meios humanos e materiais que o CNH disponibiliza para divulgar, incentivar e apoiar a aprendizagem da prática

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio Financeiro às Modalidades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio Financeiro às Modalidades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio Financeiro às Modalidades Desportivas Câmara Municipal de Viana do Alentejo Divisão de Desenvolvimento Social e Humano www.cm-vianadoalentejo.pt Tel.: 266 930 010 mail: dasedu@cm-vianadoalentejo.pt

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Clube de adrez Professor Responsável Carlos Magalhães Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Preâmbulo. 3. Todos os restantes apoios e subsídios serão concedidos sob a forma de protocolo. 1/7

Preâmbulo. 3. Todos os restantes apoios e subsídios serão concedidos sob a forma de protocolo. 1/7 Preâmbulo Recentemente, um estudo efectuado pela União Europeia demonstra de uma forma clara que Portugal, é o país dos "Quinze" que tem uma menor percentagem de população a praticar desporto. Urge criar

Leia mais

Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015

Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015 Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015 1. ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO O curso de Treinadores de Grau I / Monitor de Natação integrará duas fases: Curricular

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016 Instituição de Utilidade Pública Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico de Portugal Membro da Confederação do Desporto de Portugal Membro da Confédération Européenne de Billard

Leia mais

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO 1 CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS E CONFIGURAÇÃO DOS JOGOS O número de praticantes desportivos por equipa que podem ser inscritos no boletim de jogo é os seguintes: 2º Ciclo: 4 jogadores (Jogos 2x2); 3º Ciclo

Leia mais

Capítulo 1 Prova de 10 km

Capítulo 1 Prova de 10 km 17ª CORRIDA EM ATLETISMO CIDADE DE VENDAS NOVAS 16 DE MAIO DE 2010 Regulamento Capítulo 1 Prova de 10 km 1. Participação Podem participar atletas populares e federados masculinos e femininos desde que

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica

Leia mais

Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos

Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos Horário: 2ª e 4ª feira das 10h15 às 11h Local: Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos Âmbito Este programa, oferecido

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Modelo Regional de Apoios ao Desporto

Modelo Regional de Apoios ao Desporto 1 Introdução Esta proposta é um draft para o trabalho que se segue. Daí o seu conteúdo não ser nem pretender ser exaustivo nem definitivo. Poderão ser produzidas várias versões, à medida que se introduzem

Leia mais

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo

Saltos Horizontais Comprimento e Triplo 1 Saltos Horizontais Comprimento e Triplo Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Na escola, pretende-se que a aptidão natural dos jovens para este tipos de saltos associe e integre a sua técnica específica

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NOTA JUSTIFICATIVA O associativismo seja de carácter desportivo, cultural ou juvenil, apresenta-se como uma importante dimensão da vida das comunidades

Leia mais

IV Aquatlo da Calheta 2015 IV Aquatlo Jovem da Calheta 2015 IV Aquabike do Paul do Mar 2015

IV Aquatlo da Calheta 2015 IV Aquatlo Jovem da Calheta 2015 IV Aquabike do Paul do Mar 2015 IV Aquatlo da Calheta 2015 IV Aquatlo Jovem da Calheta 2015 IV Aquabike do Paul do Mar 2015 07 e 08 de MARÇO de 2015 Distância Sprint: 700m Natação / 5 km corrida 1. ORGANIZAÇÃO / ENQUADRAMENTO REGULAMENTO

Leia mais

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio Condeixa Aqua Clube Proposta de patrocínio Indice 1. Apresentação do Clube 3 2. Modalidades.... 4 3. Corpos Sociais..... 5 4. Técnicos 6 5. Atletas... 7 6. Instalações. 8 7. Estatutos e Regulamentos......

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física Prova 311 2015 Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Educação Física 12º Ano de Escolaridade Despacho normativo n.º 6-A/2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM)

TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM) COMPETIÇÕES NACIONAIS TORNEIO NACIONAL DE SUB-14 (MASC. E FEM) Modelo Competitivo -Proposta de Alteração- Elaborado por: Directores Técnicos das Associações de Basquetebol de VIANA DO CASTELO, BRAGA, PORTO,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO Capitulo I - Generalidades Artigo 1º Definição O Regulamento de Apoio ao Associativismo Desportivo, define os Programas, Tipos de apoio e critérios,

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM

MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM Nasceu a 21.12.2000 em Lisboa numa família com fortes tradições desportivas e tem dois irmãos, a Vera com 7 e o Diogo com 4. Começou a ir às aulas de adaptação ao

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ESGRIMA REGULAMENTO DE PROVAS 1. RESPONSABILIDADE Os atiradores armam-se, equipam-se, vestem-se e combatem sob a sua própria responsabilidade e por sua conta e risco, nos termos

Leia mais

VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL

VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL SPORTING CLUBE DE PORTUGAL Academia de Atletismo VII ENCONTRO DE ACADEMIAS KIDS ATHLETICS DE NATAL Centro de Alto Rendimento de Atletismo Jamor 13 de Dezembro de 2015-09.30 Horas Regulamento do Encontro

Leia mais

Associação de Futebol do Porto Rua António Pinto Machado, n.º 96 4100 068 Porto

Associação de Futebol do Porto Rua António Pinto Machado, n.º 96 4100 068 Porto Rua António Pinto Machado, n.º 96 4100 068 Porto CIRCULAR N.º 109-2014/2015 - RECTIFICADA - COMUNICADO OFICIAL Para conhecimento e orientação dos clubes filiados, SAD s, SDUQ's, Árbitros, comunicação Social

Leia mais

O Departamento de Formação da FNK-P propõe-se a apoiar e acreditar este curso que após a verificação do mesmo valida-o.

O Departamento de Formação da FNK-P propõe-se a apoiar e acreditar este curso que após a verificação do mesmo valida-o. COMISSÃO ORGANIZADORA E O DEPARTAMENTO FORMAÇÃO Exmos./as. Senhores/as, A Comissão Organizadora do Campeonato de Europa de Cadetes, Juniores e Sub-21 a realizar em Lisboa em fevereiro de 2014, irá a realizar

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS *

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * Néstor Aldo García (Argentina) Associação de Instrutores, Professores e Treinadores de Natação A.I.P.E.N. - RESUMO O desenvolvimento do treinamento das

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO Destinatários: Clubes Associados da FPR Circular Nº37/14 Proc. nº 2.1 Lisboa 2014-03-06 Assunto: Plano de apoio ao apetrechamento de clubes (PAAC 2014) 1. Introdução O desenvolvimento de uma qualquer modalidade

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Pedagogia do Desporto. António Rosado

Pedagogia do Desporto. António Rosado Pedagogia do Desporto António Rosado Âmbito da Pedagogia do Desporto A Pedagogia reflecte sobre as questões: 1. O que é uma boa Educação? 2. Como consegui-la? A Pedagogia do Desporto reflecte: 1. O que

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20)

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) I DISPOSIÇÔES GERAIS ARTIGO 1º O Campeonato Nacional Gira-Praia é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Índice: 1) Identificação.Pág.2. 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2. 3) Objectivos..Pág.5. 4) Duração do programa...pág.

Índice: 1) Identificação.Pág.2. 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2. 3) Objectivos..Pág.5. 4) Duração do programa...pág. Índice: 1) Identificação.Pág.2 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2 3) Objectivos..Pág.5 4) Duração do programa...pág.8 5) Público-alvo..Pág.8 6) Recursos Pág.10 7) Construção, obras

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013-2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013-2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013-2014 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 3 3. Constituição das Equipas 4 4. Regulamento Técnico Pedagógico 5 5. Classificação, Pontuação e Desempate 6 6.

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

REGULAMENTO 10 KM EDP DISTRIBUIÇÃO (CORRIDA)

REGULAMENTO 10 KM EDP DISTRIBUIÇÃO (CORRIDA) REGULAMENTO 10 KM EDP DISTRIBUIÇÃO (CORRIDA) 1. PARTICIPAÇÃO Podem participar atletas populares e federados masculinos e femininos desde que se encontrem de boa saúde e em boa condição física. A condição

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

CAMPEONATO ESCOLAR DE BASQUETEBOL 3X3 COMPAL AIR REGULAMENTO DOS TORNEIOS

CAMPEONATO ESCOLAR DE BASQUETEBOL 3X3 COMPAL AIR REGULAMENTO DOS TORNEIOS CAMPEONATO ESCOLAR DE BASQUETEBOL 3X3 COMPAL AIR REGULAMENTO DOS TORNEIOS INTRODUÇÃO No Campeonato Escolar Compal Air estão incluídos um conjunto de Torneios 3x3, correspondentes às fases Local, Regional

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA

PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL E O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA CAPÍTULO I PRESSUPOSTOS DO PROTOCOLO CLÁUSULA 1ª Partes A Liga de Clubes de Basquetebol e o Clube Nacional de Imprensa

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015

Critérios de Avaliação Educação. Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 Critérios de Avaliação Educação Física Cursos Regulares Grupo Disciplinar de Educação Física 2014/2015 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Despacho n.º 19/GDN/2010

Despacho n.º 19/GDN/2010 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL GABINETE DO DIRECTOR NACIONAL Despacho n.º 19/GDN/2010 Por despacho do Director-Geral do Ensino Superior n.º 26876/2009,

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO. (Revisto em Setembro 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO BTT - XCO 2013 2017 (Revisto em Setembro 2014) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões Etários e variantes da Modalidade 3 2.1. Escalões Etários 3 2.2. Variantes da modalidade 3 3. Constituição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS

REGULAMENTO DE PROVAS REGULAMENTO DE PROVAS CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO DAS PROVAS ARTIGO 1º - LIMITES DA ÉPOCA OFICIAL 1 - É considerada Época Oficial, o período compreendido entre 1 de Agosto e 31 de Julho. ARTIGO 2º - PROVAS

Leia mais

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos

Leia mais

Universidade Portucalense Departamento de Direito

Universidade Portucalense Departamento de Direito Universidade Portucalense Departamento de Direito Normas Regulamentares do 1º Ciclo do Curso de Direito DD, Departamento de Direito Aprovado em Conselho Científico de 2006-07-26 Com as alterações aprovadas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS Critérios específicos de apoio para época desportiva 2011/2012 Introdução O Regulamento n.º 635/2010 Regulamento Municipal de Apoio às Entidades

Leia mais

II COASTAL CHALLENGE FUNCHAL TRIATHLON 2015 (TRIATLO OLÍMPICO) II COASTAL CHALLENGE FUNCHAL TRIATHLON 2015 (AQUATLO JOVEM)

II COASTAL CHALLENGE FUNCHAL TRIATHLON 2015 (TRIATLO OLÍMPICO) II COASTAL CHALLENGE FUNCHAL TRIATHLON 2015 (AQUATLO JOVEM) (TRIATLO OLÍMPICO) II COASTAL CHALLENGE FUNCHAL TRIATHLON 2015 (AQUATLO JOVEM) Sábado, 25 de Julho de 2015 Distância Olímpica: 1500m Natação / 40 km Ciclismo / 9 km Corrida Distância S.Sprint: 375m Natação

Leia mais

CONGRESSO DO DESPORTO DESPORTO SAUDE E SEGURANÇA MEDICINA DESPORTIVA PRESSUPOSTOS

CONGRESSO DO DESPORTO DESPORTO SAUDE E SEGURANÇA MEDICINA DESPORTIVA PRESSUPOSTOS CONGRESSO DO DESPORTO DESPORTO SAUDE E SEGURANÇA PRESSUPOSTOS Não temos médicos com formação/especialidade em medicina desportiva para assegurar uma cobertura médico desportiva do país com eficácia e qualidade.

Leia mais

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 PROJETO CONTINUAR SEMPRE A MEXER PROJETO NOVOS HORIZONTES 1 Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regimento Interno visam estabelecer

Leia mais