Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31"

Transcrição

1 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio da ordem dos 500 milhões de euros nos próximos quatro anos, afirma João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE - Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes. Portugal debatese, no entanto, com a questão fiscal, pois concorre com um IVA a 23%, com 7% em Espanha e 5,5% em França. O que significa janelas não eficientes em termos de perdas térmicas? No caso de uma habitação ter janelas não eficientes (janelas de alumínio de correr com vidro simples, janelas de madeira com vidro simples), as perdas térmicas pelas janelas (caixilho mais vidro) são bastante elevadas, podendo corresponder a cerca de 22% de toda a energia consumida pela habitação/edifício em energia de aquecimento (no inverno) e energia de arrefecimento (no verão). Qual a receptividade dos promotores/construtores dos edifícios novos a terem em consideração estes parâmetros a nível da eficiência energética? No caso da construção nova, a maioria dos promotores/construtores começa a ser mais receptiva a apostar em soluções de janelas com maior qualidade ao nível do isolamento térmico e acústico, optando crescentemente pela aplicação de janelas eficientes. Esta aposta dá-se fundamentalmente por questões comerciais de valorização dos produtos imobiliários e pela crescente exigência dos clientes, os quais começam a ter consciência que não podem comprar habitações novas em 2011 com janelas que já se fabricavam nos anos No entanto, no nosso país, a aplicação de janelas eficientes ainda tem um longo caminho a percorrer. Isto porque, por um lado a actual regulamentação relativa ao Comportamento Térmico dos Edifícios - o actual RCCTE - que serve de base para o cálculo energético para a obtenção da Certificação Energética, não tem requisitos técnicos para os valores da transmissão térmica das janelas. Ao contrário dos regulamentos técnicos de todos os países da União Europeia, onde existe uma aposta crescente em aumentar os valores de isolamento térmico da envolvente exterior dos edifícios (paredes e janelas), o actual RCCTE quase que não entra em linha de conta com os requisitos técnicos de isolamento térmico de uma janela. Nesta área, a ANFAJE tem vindo a propor em sede própria e a sensibilizar os diversos organismos oficiais para que a próxima versão do RCCTE que entrará em vigor em 2012, incorpore exigências ao nível dos valores de transmissão térmica das janelas (caixilho mais vidro). Desse modo, ficaremos em consonância com os requisitos existentes nos outros países da União Europeia. Qual o potencial do mercado de renovação? No sector da construção, em geral, e no sector das janelas, em particular, o potencial do mercado de renovação é bastante elevado. Neste sentido, tendo em consideração que a maioria do parque edificado português tem imensos problemas e necessidades ao nível do isolamento térmico e acústico da envolvente exterior, nomeadamente janelas, o potencial de substituição de janelas antigas por janelas eficientes é bastante elevado. Se atendermos ao volume de substituição de janelas antigas proposto pelo Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE ), nomeadamente através da Medida Janela Eficiente, esta prevê a substituição de janelas antigas por janelas eficientes em 200 mil fogos até Nesse caso, estamos a falar de um potencial de volume de negócios superior a 500 milhões de euros. Quais as preocupações dos fabricantes no que respeita às necessidades estéticas das janelas em zonas históricas? No caso da substituição de janelas antigas por janelas eficientes em edifícios localizados em zonas históricas, é fundamental garantir que as novas janelas possam responder às exigências estéticas dos edifícios. Neste caso, existe uma preocupação e uma larga experiência das empresas que desenvolvem a sua actividade no fornecimento e montagem de janelas eficientes para o mercado de renovação, considerando que o desenho dos caixilhos novos se aproxime e tenha em consideração os existentes. Esta preocupação é ainda acrescida quando se aplicam janelas eficientes de alumínio com corte térmico e/ou de

2 2 de 9 PVC, sendo fundamental que os tipos de acabamento das novas janelas possam assemelhar-se aos das antigas caixilharias de madeira. Qual a diferença entre a carga fiscal em Portugal e em outros países da UR? A ANFAJE tem vindo a sensibilizar todas as forças políticas com assento na Assembleia da República e com o Governo para que a Medida Janela Eficiente - medida inscrita no Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE ) e que entrou em vigor com a Lei do Orçamento de Estado de 2010, através de incentivo de dedução à colecta em sede de IRS. No entanto, o Estado não fez a devida promoção da medida, tendo passado despercebida para a larga maioria da população portuguesa....enquanto, que em Portugal a substituição de janelas eficientes é taxada com um IVA normal de 23%, em Espanha o IVA é o IVA reduzido de 7% e em França de 5,5%. Além disso, as medidas de incentivo existentes nesses países são bastante mais favoráveis porque envolvem apoios directos e não apoios que são cumulativos com outras despesas no âmbito da dedução a colecta em sede de IRS... É clara a desvantagem que a população portuguesa tem para melhorar o conforto térmico das suas habitações através da substituição de janelas quando comparado com os nossos vizinhos em Espanha. Neste caso, a ANFAJE tem vindo a alertar o poder político que perde a economia portuguesa e, consequentemente perdemos todos: o Estado, as empresas e a população em geral. Existe desvio de negócio para fornecedores espanhóis por questão de preço final induzido pelos impostos? A existência de uma forte componente de importação de janelas eficientes de outros países da União Europeia, com especial volume da Espanha é um factor que tem vindo a preocupar a ANFAJE. As condições que têm vindo a ser desenvolvidas pelo estado espanhol no âmbito dos Planos Renove têm vindo a dar um enfoque bastante importante no apoio directo, com um IVA reduzido, à substituição de janelas antigas por janelas eficientes. Esta situação tem sido importante para o fortalecimento do sector da produção de janelas espanhol, num momento em que a construção nova nesse país está parada. Por essa via, as empresas espanholas que estão nos principais eixos de penetração em Portugal, aproveitam o ganho em economia de escala para exportar para o nosso país. Por outro lado, estes fluxos não controlados por parte das autoridades portuguesas, têm vindo a favorecer a entrada de produtos em Portugal que não cumprem a legislação vigente (Marcação CE de janelas por exemplo), podendo ainda existir situações que urge combater ao nível da evasão fiscal. O OE 2011 veio penalizar este tipo de produtos ligados à eficiência energética? Existe confusão quanto a apoio fiscal a produtos que parecem semelhantes mas com resultados muito diferentes? A Medida Janela Eficiente continua inscrita na Lei do OE de Lei 55 A de , Artigo 73.º, no qual estão previstas deduções à colecta, desde que não susceptíveis de serem considerados custos para efeitos da categoria B, 30% das importâncias despendidas com a aquisição dos seguintes bens, desde que afectos a utilização pessoal, com o limite de 803,00 euros: equipamentos e obras de melhoria das condições de comportamento térmico, dos quais resulte directamente o seu maior isolamento (substituição de vãos envidraçados simples por vidros duplos com caixilharia de corte térmico). No entanto, a dedução à colecta passará para o âmbito do estatuto dos benefícios fiscais, o que na prática, fruto dos limites aos benefícios fiscais, este apoio não terá significado perdendo-se o incentivo fiscal para esta medida. Acrescendo à falta de incentivo fiscal, uma taxa de IVA de 23% pensamos que não é necessário fazer muitos estudos para verificar que a medida terá um fraco impacto. No entanto, estando inscrita no OE 2011, falta ainda o Governo publicar a Portaria que regulamenta o Artigo 73.º, a qual a ANFAJE espera que esteja para breve. Aliás, neste âmbito fizemos já uma proposta para que o texto da Portaria inclua os seguintes pontos que em nossa opinião são indispensáveis para o sucesso da medida e para definir uma janela como eficiente: substituição de vãos envidraçados simples por vãos envidraçados (caixilho mais vidro) eficiente térmica e acusticamente, desde que cumpra os requisitos (os vãos envidraçados a instalar devem ter Marcação CE, conforme a norma portuguesa NP EN : A1: 2011; e ainda os vãos envidraçados a instalar devem apresentar requisitos técnicos mínimos relativos ao valor Uw (coeficiente de transmissão térmica dos vãos envidraçados) e da Classe de Permeabilidade ao Ar.) Qual o número de associados da ANFAGE e quais as suas grandes linhas orientadoras? A ANFAJE conta actualmente com 31 empresas associadas tendo como objectivo atingir os 50 associados em As principais linhas orientadoras da ANFAJE são os seguintes: promover o desenvolvimento do mercado das janelas eficientes, promover a Qualidade e a Inovação do sector e promover e divulgar a vantagem da aplicação de janelas e fachadas ligeiras eficientes (térmica e acusticamente). O que têm previsto fazer para divulgar perante o consumidor geral a existências destas soluções? Neste âmbito, a ANFAJE tem vindo a trabalhar intensamente com os seus associados e com as entidades oficiais que estão envolvidas na dinamização da Medida Janela Eficiente para que exista um reforço,

3 3 de 9 dinamização e promoção da medida junto da população em geral. Somente dessa forma será possível à população em geral entender quais os benefícios imediatos ao nível do isolamento térmico e acústico que pode obter pela substituição das suas janelas antigas por novas janelas eficientes. A necessidade da população em geral entender que, a substituição das janelas antigas por novas janelas eficientes pode contribuir para uma redução dos consumos energéticos em aproximadamente 40% é bastante importante. Porque essa diminuição ver-se-á na factura energética mensal que chega a casa de cada um, baixando o consumo energético em energia de aquecimento (no inverno) e energia de arrefecimento (no verão). No que respeita ao isolamento acústico, a redução da entrada dos ruídos indesejáveis não é quantificável monetariamente. Por outro lado, todos os nossos associados tem vindo a desenvolver campanhas activas para chegar junto dos clientes particulares. Têm previsto negociar linhas de crédito especiais como a banca para atrair mais consumidores? A necessidade da existência de linhas de financiamento, através da banca tradicional, para a Medida Janela Eficiente tem sido uma das principais preocupações da ANFAJE. Por um lado, temos vindo a sensibilizar as entidades encarregues de dinamização da Medida Janela Eficiente para a necessidade de envolvimento da banca, tal como aconteceu com o Programa Solar Térmico e tal como acontece nos outros países da União Europeia que têm medidas semelhantes. Por outro lado, a ANFAJE tem vindo a desenvolver contactos com alguns dos principais bancos portugueses para que estes se possam envolver activamente como financiadores dos clientes particulares na substituição de janelas. No entanto, fruto dos tempos que estamos a viver sentimos o adiamento de decisões por parte da banca tradicional para aderir a esta importante área de negócio... Pelo contrário, temos vindo a desenvolver uma actividade crescente conjuntamente com a banca de crédito ao consumo, a qual tem uma larga experiência de financiamento de clientes particulares na substituição de janelas antigas por janelas eficientes, nomeadamente em outros países da União Europeia. Deste modo, os nossos associados, em conjunto com estes bancos, têm vindo a desenvolver soluções de financiamento a 12 meses sem juros, sendo bastante atractiva para os clientes particulares. Qual o potencial anual que o negócio de substituição de janelas antigas por janelas eficientes poderia gerar na indústria? O potencial de negócio de substituição de janelas antigas por janelas eficientes é bastante elevado porque o potencial de renovação urbana do parque edificado português é bastante grande. O custo médio de uma janela eficiente com vidro duplo isolante será de 200 euros a 250,00 euros/m2. No caso de um T2/T3, o custo de desmontagem, montagem de novas janelas rondara valores médios entre 2500 euros e 3500 euros. Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio da ordem dos 500 milhões de euros nos próximos quatro anos, afirma João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes. Portugal debate-se, no entanto, com a questão fiscal, pois concorre com um IVA a 23%, com 7% em Espanha e 5,5% em França O que significa janelas não eficientes em termos de perdas térmicas? No caso de uma habitação ter janelas não eficientes (janelas de alumínio de correr com vidro simples, janelas de madeira com vidro simples), as perdas térmicas pelas janelas (caixilho mais vidro) são bastante elevadas, podendo corresponder a cerca de 22% de toda a energia consumida pela habitação/edifício em energia de aquecimento (no inverno) e energia de arrefecimento (no verão).

4 4 de 9 Qual a receptividade dos promotores/construtores dos edifícios novos a terem em consideração estes parâmetros a nível da eficiência energética? No caso da construção nova, a maioria dos promotores/construtores começa a ser mais receptiva a apostar em soluções de janelas com maior qualidade ao nível do isolamento térmico e acústico, optando crescentemente pela aplicação de janelas eficientes. Esta aposta dá-se fundamentalmente por questões comerciais de valorização dos produtos imobiliários e pela crescente exigência dos clientes, os quais começam a ter consciência que não podem comprar habitações novas em 2011 com janelas que já se fabricavam nos anos 70 No entanto, no nosso país, a aplicação de janelas eficientes ainda tem um longo caminho a percorrer. Isto porque, por um lado a actual regulamentação relativa ao Comportamento Térmico dos Edifícios o actual RCCTE que serve de base para o cálculo energético para a obtenção da Certificação Energética, não tem requisitos técnicos para os valores da transmissão térmica das janelas. Ao contrário dos regulamentos técnicos de todos os países da União Europeia, onde existe uma aposta crescente em aumentar os valores de isolamento térmico da envolvente exterior dos edifícios (paredes e janelas), o actual RCCTE quase que não entra em linha de conta com os requisitos técnicos de isolamento térmico de uma janela. Nesta área, a ANFAJE tem vindo a propor em sede própria e a sensibilizar os diversos organismos oficiais para que a próxima versão do RCCTE que entrará em vigor em 2012, incorpore exigências ao nível dos valores de transmissão térmica das janelas (caixilho mais vidro). Desse modo, ficaremos em consonância com os requisitos existentes nos outros países da União Europeia. Qual o potencial do mercado de renovação? No sector da construção, em geral, e no sector das janelas, em particular, o potencial do mercado de renovação é bastante elevado. Neste sentido, tendo em consideração que a maioria do parque edificado português tem imensos problemas e necessidades ao nível do isolamento térmico e acústico da envolvente exterior, nomeadamente janelas, o potencial de substituição de janelas antigas por janelas eficientes é bastante elevado.

5 5 de 9 Se atendermos ao volume de substituição de janelas antigas proposto pelo Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE ), nomeadamente através da Medida Janela Eficiente, esta prevê a substituição de janelas antigas por janelas eficientes em 200 mil fogos até Nesse caso, estamos a falar de um potencial de volume de negócios superior a 500 milhões de euros. Quais as preocupações dos fabricantes no que respeita às necessidades estéticas das janelas em zonas históricas? No caso da substituição de janelas antigas por janelas eficientes em edifícios localizados em zonas históricas, é fundamental garantir que as novas janelas possam responder às exigências estéticas dos edifícios. Neste caso, existe uma preocupação e uma larga experiência das empresas que desenvolvem a sua actividade no fornecimento e montagem de janelas eficientes para o mercado de renovação, considerando que o desenho dos caixilhos novos se aproxime e tenha em consideração os existentes. Esta preocupação é ainda acrescida quando se aplicam janelas eficientes de alumínio com corte térmico e/ou de PVC, sendo fundamental que os tipos de acabamento das novas janelas possam assemelhar-se aos das antigas caixilharias de madeira. Qual a diferença entre a carga fiscal em Portugal e em outros países da UR? A ANFAJE tem vindo a sensibilizar todas as forças políticas com assento na Assembleia da República e com o Governo para que a Medida Janela Eficiente medida inscrita no Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE ) e que entrou em vigor com a Lei do Orçamento de Estado de 2010, através de incentivo de dedução à colecta em sede de IRS. No entanto, o Estado não fez a devida promoção da medida, tendo passado despercebida para a larga maioria da população portuguesa.enquanto, que em Portugal a substituição de janelas eficientes é taxada com um IVA normal de 23%, em Espanha o IVA é o IVA reduzido de 7% e em França de 5,5%. Além disso, as medidas de incentivo existentes nesses países são bastante mais favoráveis porque

6 6 de 9 envolvem apoios directos e não apoios que são cumulativos com outras despesas no âmbito da dedução a colecta em sede de IRS É clara a desvantagem que a população portuguesa tem para melhorar o conforto térmico das suas habitações através da substituição de janelas quando comparado com os nossos vizinhos em Espanha. Neste caso, a ANFAJE tem vindo a alertar o poder político que perde a economia portuguesa e, consequentemente perdemos todos: o Estado, as empresas e a população em geral. Existe desvio de negócio para fornecedores espanhóis por questão de preço final induzido pelos impostos? A existência de uma forte componente de importação de janelas eficientes de outros países da União Europeia, com especial volume da Espanha é um factor que tem vindo a preocupar a ANFAJE. As condições que têm vindo a ser desenvolvidas pelo estado espanhol no âmbito dos Planos Renove têm vindo a dar um enfoque bastante importante no apoio directo, com um IVA reduzido, à substituição de janelas antigas por janelas eficientes. Esta situação tem sido importante para o fortalecimento do sector da produção de janelas espanhol, num momento em que a construção nova nesse país está parada. Por essa via, as empresas espanholas que estão nos principais eixos de penetração em Portugal, aproveitam o ganho em economia de escala para exportar para o nosso país. Por outro lado, estes fluxos não controlados por parte das autoridades portuguesas, têm vindo a favorecer a entrada de produtos em Portugal que não cumprem a legislação vigente (Marcação CE de janelas por exemplo), podendo ainda existir situações que urge combater ao nível da evasão fiscal. O OE 2011 veio penalizar este tipo de produtos ligados à eficiência energética? Existe confusão quanto a apoio fiscal a produtos que parecem semelhantes mas com resultados muito diferentes?

7 7 de 9 A Medida Janela Eficiente continua inscrita na Lei do OE de 2011 Lei 55 A de , Artigo 73.º, no qual estão previstas deduções à colecta, desde que não susceptíveis de serem considerados custos para efeitos da categoria B, 30% das importâncias despendidas com a aquisição dos seguintes bens, desde que afectos a utilização pessoal, com o limite de 803,00 euros: equipamentos e obras de melhoria das condições de comportamento térmico, dos quais resulte directamente o seu maior isolamento (substituição de vãos envidraçados simples por vidros duplos com caixilharia de corte térmico). No entanto, a dedução à colecta passará para o âmbito do estatuto dos benefícios fiscais, o que na prática, fruto dos limites aos benefícios fiscais, este apoio não terá significado perdendo-se o incentivo fiscal para esta medida. Acrescendo à falta de incentivo fiscal, uma taxa de IVA de 23% pensamos que não é necessário fazer muitos estudos para verificar que a medida terá um fraco impacto. No entanto, estando inscrita no OE 2011, falta ainda o Governo publicar a Portaria que regulamenta o Artigo 73.º, a qual a ANFAJE espera que esteja para breve. Aliás, neste âmbito fizemos já uma proposta para que o texto da Portaria inclua os seguintes pontos que em nossa opinião são indispensáveis para o sucesso da medida e para definir uma janela como eficiente: substituição de vãos envidraçados simples por vãos envidraçados (caixilho mais vidro) eficiente térmica e acusticamente, desde que cumpra os requisitos (os vãos envidraçados a instalar devem ter Marcação CE, conforme a norma portuguesa NP EN : A1: 2011; e ainda os vãos envidraçados a instalar devem apresentar requisitos técnicos mínimos relativos ao valor Uw (coeficiente de transmissão térmica dos vãos envidraçados) e da Classe de Permeabilidade ao Ar.) Qual o número de associados da ANFAGE e quais as suas grandes linhas orientadoras? A ANFAJE conta actualmente com 31 empresas associadas tendo como objectivo atingir os 50 associados em As principais linhas orientadoras da ANFAJE são os seguintes: promover o desenvolvimento do mercado das janelas eficientes,

8 8 de 9 promover a Qualidade e a Inovação do sector e promover e divulgar a vantagem da aplicação de janelas e fachadas ligeiras eficientes (térmica e acusticamente). O que têm previsto fazer para divulgar perante o consumidor geral a existências destas soluções? Neste âmbito, a ANFAJE tem vindo a trabalhar intensamente com os seus associados e com as entidades oficiais que estão envolvidas na dinamização da Medida Janela Eficiente para que exista um reforço, dinamização e promoção da medida junto da população em geral. Somente dessa forma será possível à população em geral entender quais os benefícios imediatos ao nível do isolamento térmico e acústico que pode obter pela substituição das suas janelas antigas por novas janelas eficientes. A necessidade da população em geral entender que, a substituição das janelas antigas por novas janelas eficientes pode contribuir para uma redução dos consumos energéticos em aproximadamente 40% é bastante importante. Porque essa diminuição ver-se-á na factura energética mensal que chega a casa de cada um, baixando o consumo energético em energia de aquecimento (no inverno) e energia de arrefecimento (no verão). No que respeita ao isolamento acústico, a redução da entrada dos ruídos indesejáveis não é quantificável monetariamente. Por outro lado, todos os nossos associados tem vindo a desenvolver campanhas activas para chegar junto dos clientes particulares. Têm previsto negociar linhas de crédito especiais como a banca para atrair mais consumidores? A necessidade da existência de linhas de financiamento, através da banca tradicional, para a Medida Janela Eficiente tem sido uma das principais preocupações da ANFAJE. Por um lado, temos vindo a sensibilizar as entidades encarregues de dinamização da Medida Janela Eficiente para a necessidade de envolvimento da banca, tal como aconteceu com o Programa Solar Térmico e tal como acontece nos outros países da União Europeia que têm medidas semelhantes.

9 9 de 9 Por outro lado, a ANFAJE tem vindo a desenvolver contactos com alguns dos principais bancos portugueses para que estes se possam envolver activamente como financiadores dos clientes particulares na substituição de janelas. No entanto, fruto dos tempos que estamos a viver sentimos o adiamento de decisões por parte da banca tradicional para aderir a esta importante área de negócio Pelo contrário, temos vindo a desenvolver uma actividade crescente conjuntamente com a banca de crédito ao consumo, a qual tem uma larga experiência de financiamento de clientes particulares na substituição de janelas antigas por janelas eficientes, nomeadamente em outros países da União Europeia. Deste modo, os nossos associados, em conjunto com estes bancos, têm vindo a desenvolver soluções de financiamento a 12 meses sem juros, sendo bastante atractiva para os clientes particulares. Qual o potencial anual que o negócio de substituição de janelas antigas por janelas eficientes poderia gerar na indústria? O potencial de negócio de substituição de janelas antigas por janelas eficientes é bastante elevado porque o potencial de renovação urbana do parque edificado português é bastante grande. O custo médio de uma janela eficiente com vidro duplo isolante será de 200 euros a 250,00 euros/m2. No caso de um T2/T3, o custo de desmontagem, montagem de novas janelas rondara valores médios entre 2500 euros e 3500 euros.

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS

ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DE JANELAS Mais inovação Maior valor-acrescentado para o sector APCMC 27 de Fevereiro 2013 Em parceria com 1 Indústria da caixilharia: um sector em mudança A indústria de caixilharia

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética O Sistema de Certificação Energética e o seu Impacto Energia 2020, FCUL, 8 Fevereiro 2010 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e de QAI Ponto de situação

Leia mais

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda DATA

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição)

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) MÓDULO RCCTE OBJECTIVOS Formação de peritos qualificados no âmbito da Certificação Energética de Edifícios no que respeita à aplicação do novo Regulamento das Características

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS Vasco Peixoto de Freitas LFC Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas OASRN_2008-1

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Relatório de Auditoria Energética

Relatório de Auditoria Energética Relatório de Auditoria Energética Relatório de Certificação Energética Local: 0 Today() www.classe-energetica.com Índice 1. Objectivos da Certificação Energética 2. escrição do Imóvel 3. Resultados da

Leia mais

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios

VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios VIII SIMPÓSIO LUSO ALEMÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS FOTOVOLTAICO Energia solar nos edifícios Sheraton Lisboa Hotel & Spa, na sala White Plains Lisboa, 25 de Outubro de 2011 ADENE Agência para a Energia Rui

Leia mais

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin

Thermowin, Lda. Thermowin portas e janelas) FeBa FeBa Thermowin Quem somos? Thermowin, Lda., fundada em Maio de 2010 por Vitor Soares e Paulo Salvador, com sede em Trancoso e escritório de representação em Lisboa, conta com uma equipa qualificada, com formação e experiência

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Orientações para a Tipologia de Intervenção Melhoria da Eficiência Energética em Habitações de Famílias de Baixos Rendimentos no âmbito de Intervenções

Leia mais

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A

PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO 2012 ESTATUTO FISCAL COOPERATIVO REVOGAÇÃO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS - ARTIGO 66º-A A CONFAGRI CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS AGRÍCOLAS E DO CRÉDITO

Leia mais

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa.

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. Recuperar os habitantes perdidos na última década, nos próximos 10 anos ATRAIR MAIS HABITANTES Como?

Leia mais

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu PROJECTO REQUEST Lisboa 10.10.2012 www.building-request.eu 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ANFAJE 2 A 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão A ANFAJE pretende representar e defender os seus associados bem

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Saber mais sobre Energia

Saber mais sobre Energia Saber mais sobre Energia Energia Está sempre presente nas nossas actividades. Mas usamos uma fonte que se está a esgotar. Situação Actual Cerca de 83% da energia consumida no nosso país é importada e de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Dominicana Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2010 Aicep Portugal Global Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade Certificação energética da minha habitação Descrição da minha habitação de Sonho 1 Introduça o Simulação da certificação energética da casa Situação Atual classe

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IVA São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 MERCADO DO CARBONO 2 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS - REGULARIZAÇÕES 3 ISENÇÕES NAS VENDAS A EXPORTADORES NACIONAIS 4 AUTORIZAÇÕES

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS

GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS Elaborada em Janeiro de 2013 1 BENEFÍCIOS FISCAIS Conforme artigo 14º e alínea f) do nº2 do artigo33º do Decreto-Lei 307/2009 de 23 de Outubro, alterado pela

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. 4 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Nacional Cabe ao Estado estabelecer as políticas necessárias para melhorar o desenvolvimento económico

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 www.pwc.com/ptpt Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 Foi divulgado o Memorando de Entendimento entre o Português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014

Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas. Versão 1.0 Janeiro de 2014 Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos Janelas Versão 1.0 Janeiro de 2014 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 2. SEEP Janelas 3. Janelas Eficientes 4. Apoio ao consumidor

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011 Observações preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição exacta da oferta que o mutuante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se pôr à disposição das microempresas do Concelho

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS Critérios específicos de apoio para época desportiva 2011/2012 Introdução O Regulamento n.º 635/2010 Regulamento Municipal de Apoio às Entidades

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE

Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE Água Quente Solar para PORTUGAL (AQSpP) E. Maldonado DGE Programa AQS Acção específica prevista no Plano Energético Nacional Implementação a cargo da DGE com apoio do POE (2002-2004, 1.035.000 ) Execução

Leia mais

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 Áreas de Actividade Fornecedor Equipamentos de Energias Renováveis a Escolas. Fornecedor Equipamento

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Prospecto Informativo Depósito Dual Energia Europa BBVA

Prospecto Informativo Depósito Dual Energia Europa BBVA Prospecto Informativo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Produto financeiro complexo Depósito Dual O é um depósito dual a 3

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Países Baixos-Haia: Agente de viagens para serviços de viagens de negócios 2015/S 187-337652. Anúncio de concurso. Serviços

Países Baixos-Haia: Agente de viagens para serviços de viagens de negócios 2015/S 187-337652. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:337652-2015:text:pt:html Países Baixos-Haia: Agente de viagens para serviços de viagens de negócios 2015/S 187-337652

Leia mais

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO NotíciasdoDireito Janeiro a Março de 2012 SECTOR BANCÁRIO E FINANCEIRO MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO A Lei n.º 4/2012, de 11 de Janeiro, altera a Lei n.º 63-A/2008,

Leia mais

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003

Page 1 of 6. Regulamentos da CMVM - 2003. Regulamento da CMVM n.º 11/2003 A CMVM Comunicados Sistema de Difusão de Informação Recomendações Estudos e Documentos Legislação e Publicações Apoio ao Investidor / Mediação de Conflitos Sistema de Indemnização aos Investidores Consultas

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:276973-2013:text:pt:html Itália-Turim: Gestão e manutenção de instalações tecnológicas e elétricas, de espaços verdes

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA REGULAMENTO DO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA INTRODUÇÃO O levantamento socioeconómico da população residente nas zonas antigas evidencia um significativo número

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO Despacho ne0 40/2009 O Regulamento Geral do FEDER e do Fundo de Coesiio, aprovado por delibera@o da Comissáo Ministerial de Coordenação do QREN

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Zoom EFICIÊNCIA E ENERGIA ESPECIAL JANELAS

Zoom EFICIÊNCIA E ENERGIA ESPECIAL JANELAS Zoom COMUNICAR COM INTERESSE. FAÇA ZOOM! ESPECIAL JANELAS Distribuição gratuita Este suplemento comercial faz parte integrante do Diário de Notícias de 31 de outubro de 2013 e não pode ser vendido separadamente

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:405266-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266 Anúncio de

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:169283-2012:text:pt:html LV-Riga: Prestação de serviços de ligação à Internet, correio electrónico, telefonia por IP

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves.

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 286-B/2014, de 31 de dezembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

18 ANOS. Janelas para a vida

18 ANOS. Janelas para a vida 18 ANOS Janelas para a vida 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2 CAIXIAVE GROUP NO PRESENTE 3 PRODUÇÃO 4 QUALIDADE 5 UNIDADES DE NEGÓCIO 6 PRODUTOS 7 REFERÊNCIAS 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1993 1994 1996 1997 2001 2003 2004

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho

DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho DECRETO-LEI N.º 165/86 de 26 de Junho A especial situação geográfica da Madeira e as características bem específicas da sua economia levaram o Governo a autorizar, nos termos do Decreto-Lei n.º 500/80,

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União Europeia e nos países vizinhos 2015/S 228-414313

Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União Europeia e nos países vizinhos 2015/S 228-414313 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:414313-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União

Leia mais