O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL"

Transcrição

1 O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior da ANDE e da CP-ISRA A paralisia cerebral é um grupo de sintomas incapacitantes permanentes, resultantes de dano às áreas do cérebro responsáveis pelo controle motor. É um problema não-progressivo que pode ter origem antes, durante ou logo após o nascimento e se manifesta na perda ou no comprometimento do controle sobre a musculatura voluntária. Apesar de ser uma condição que gera uma limitação funcional, assim como em qualquer outro tipo de deficiência, sempre há a possibilidade de se explorar a sua eficiência, ou seja, dentro da condição limitante existe sempre o potencial armazenado. Como em qualquer outro tipo de atividade física, o desporto tem como objetivo a melhoria das condições físicas, orgânicas e das habilidades motoras voltadas para a realização da tarefa motora específica. Não é diferente o pensamento em relação ao desporto adaptado. Em ambos os casos a busca pela melhoria do desempenho desportivo passa por uma avaliação criteriosa, a fim de se estabelecer as condições atuais do desportista, e elaborar estratégias de treinamento. Porém, diferentemente do desporto regular, o desporto adaptado necessita de um processo de nivelamento, visto que as limitações dos atletas paradesportivos podem estar associadas à perda de funcionabilidade, devido às condições incapacitantes provenientes da deficiência, e não tão somente às variáveis fisiológicas, orgânicas e motoras decorrentes de uma falta de preparação adequada, porém com a sua funcionabilidade preservada, como no caso do desporto regular, ou seja, quando um atleta de futebol com paralisia cerebral não consegue girar o corpo e controlar a bola lateralmente, esta limitação pode estar associada à característica da lesão que possui e não especificamente a falta de treinamento motor, o que pode ocorrer no atleta regular. Então, neste caso, não basta evidenciar no atleta paralisado cerebral a limitação, pois ele não será capaz de 1

2 superá-la pelo treinamento, o foco deve ser voltado pelo o que ainda possui de eficiência dentro desta limitação. O atleta regular, muitas das vezes, passa por um período de reeducação motora específica, para que possa melhorar este rendimento, visto que não apresenta condições incapacitantes como o atleta paralisado cerebral, o que lhe falta é a vivência motora. Outra característica do desporto adaptado se refere ao nível de comprometimento da lesão. Assim como em qualquer outro tipo de deficiência, a paralisia cerebral pode se caracterizar de forma diferenciada nos indivíduos, o que significa dizer que nenhum portador de paralisia cerebral é igual ao outro. Isso acontecendo, ao se avaliar o atleta paralisado cerebral, há que se diferenciar pelo nível de comprometimento para que não haja vantagens dos menos comprometidos em relação aos mais comprometidos. Dentro da área do desporto adaptado, nós chamamos a isto de classificação funcional. Em se tratando do atleta portador de paralisia cerebral, a classificação funcional segue orientações específicas para este tipo de deficiência sendo regulada e executada por um órgão internacional, chamado de CP-ISRA (CEREBRAL PALSY INTERNATIONAL SPORT RECREATION ASSOCIATION), ou seja, Associação Internacional de Esporte e Recreação para Paralisado Cerebral. A CP-ISRA é a entidade internacional responsável pela organização, execução e elaboração das regras de eventos esportivos para atletas portadores de paralisia cerebral, inclusive do Sistema de Classificação Funcional, sendo filiada ao IPC (INTERNATIONAL PARALYMPIC COMMITTEE), ou seja, Comitê Paraolímpico Internacional. No Brasil, a responsabilidade dessas ações pertence a ANDE (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO PARA DEFICIENTE), entidade nacional afiliada ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) e a CP-ISRA. O propósito do sistema de classificação funcional da CP-ISRA é: prover para todos os atletas um PONTO INICIAL compatível para as competições e prevenir a eliminação de atletas a partir do potencial sucesso em função do seu nível de comprometimento neurológico. A meta da classificação é assegurar que o sucesso do atleta seja atingido pelo treinamento, nível de habilidade, talento e experiência competitiva ao invés de sua habilidade neurológica. O sistema categoriza a função neurológica de um atleta em relação ao seu esporte de forma, que permita competir com 2

3 outros que possuem níveis SIMILARES de comprometimento neurológico. Em outras palavras, o que se busca é o agrupamento de atletas em função da sua capacidade de realizar determinadas tarefas motoras, associadas aos gestos desportivos específicos, dentro de suas limitações funcionais similares, ou seja, são atletas que apresentam um perfil funcional semelhante, apesar de não existir a igualdade de condições, como dito anteriormente. Isso vai gerar diversas classes funcionais em função de um maior comprometimento ou não. Sendo assim, quando temos mais de um atleta em uma determinada classe funcional, pode haver a flutuação dos atletas, pois as condições funcionais e neurológicas nunca são exatamente iguais, colocando um atleta, por exemplo, próximo do limite superior ou do limite inferior desta classe. Percebe-se que o sistema de classificação funcional, de qualquer área paradesportiva e/ou deficiência, nunca consegue igualar verdadeiramente os atletas em relação ao aspecto de suas limitações funcionais decorrentes de sua deficiência. Porém até o momento, em relação ao atleta paralisado cerebral, é o que existe de mais eficaz. O sistema de classificação funcional não é estático, ele passa por constantes revisões, principalmente nas conferências mundiais de classificação, sempre realizadas num período de 4 em 4 anos, portanto o sistema de classificação funcional é um aspecto dinâmico que sofre alterações durante todo o seu processo de execução. O classificador funcional, responsável pela classificação funcional, é a pessoa capacitada a realizar todos os procedimentos técnicos e fazer cumprir as diretrizes estabelecidas no manual de classificação. Dependendo do desporto adaptado e/ou da deficiência a exigência para ser classificador funcional varia, por exemplo, na deficiência visual, o classificador funcional é obrigatoriamente um médico oftalmologista, pois as classes funcionais são estabelecidas pelo campo e acuidade visuais. No entanto, o médico deve passar por um curso de classificação funcional, a fim de que possa associar a deficiência com a modalidade desportiva. No caso da paralisia cerebral, a classificação funcional passa por três momentos distintos, e em cada momento por um classificador funcional específico. O painel de classificação, como é chamado esta equipe de três classificadores é formada por: a) um médico, de preferência neurologista ou fisiatra com experiência em desporto, que tem como tarefa diagnosticar a paralisia cerebral, através de testes neurológicos, 3

4 principalmente os testes de reflexo básico; b) um fisioterapeuta ou terapeuta ocupacional, especialista em paralisia cerebral e com conhecimento em desporto, com a responsabilidade de mapear a paralisia cerebral no corpo e verificar força muscular, equilíbrio, coordenação e amplitude articular e c) um técnico em desporto, de preferência um professor de Educação Física, responsável pela análise mecânica funcional do gesto esportivo. Estes três classificadores trabalham juntos, como equipe, e é importante que cada um saiba o que outro está fazendo, pois ao final deste processo os três se reúnem e definem o perfil funcional, ou seja, a classe funcional, baseado na análise dos dados obtidos pelo atleta nos momentos distintos. É importante que haja unanimidade na decisão, caso contrário, em havendo um ponto discordante, este atleta é colocado em observação (será observado durante o campeonato, para dirimir qualquer dúvida). Algumas vezes é necessário observar por um período maior, como em outra competição. A tarefa da equipe de classificação é árdua, pois começa antes mesmo do início da competição, onde todos os atletas devem possuir classificação funcional ao início da competição e se prolonga durante a realização da competição na fase de observação. No período da paraolimpíada, como no caso de Atenas em 2004, o classificador funcional chega a permanecer no local de competição por até 21 dias. Os primeiros 7 dias são reservados para a classificação funcional dos atletas, sendo os restantes dedicados as observações e reclassificações, quando for o caso. Para se tornar um classificador funcional pela CP-ISRA, e poder classificar atletas portadores de paralisia cerebral, é necessário realizar um processo de aprendizagem, que é adquirido pelos cursos de classificação funcional. Existem dois tipos de cursos de classificação funcional pela CP-ISRA. O primeiro é um curso introdutório, que tem como critério básico ser médico, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional ou professor de Educação Física com conhecimento em paralisia cerebral e desporto para atletas com paralisia cerebral. É um curso com duração de 2 a 3 dias e abrange os seguintes temas: a) organização da CP-ISRA; b) introdução ao processo administrativo da classificação; c) sistema de perfil funcional e d) características dos desportos adaptados. Ao final, o candidato realiza uma prova teórica e uma prova prática, devendo obter um resultado igual ou superior a 75% do valor total das provas. O curso e as provas podem ser realizados na língua nativa do país que está 4

5 realizando o curso, desde que haja um classificador funcional com credenciamento para ser instrutor e que fale a mesma língua. O segundo curso é um curso de aperfeiçoamento, onde os critérios básicos são ser médico, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional ou professor de Educação Física que tenha completado o curso introdutório, ter domínio da língua inglesa, pois o curso é ministrado em inglês, independente do país e de seus instrutores e ser indicado pelo seu país de origem através da associação responsável em desenvolver o desporto para atletas com paralisia cerebral, no caso do Brasil, a ANDE. Abrange os seguintes temas: a) introdução ao controle do processo administrativo, visando a preparação do indivíduo para assumir posições de chefia neste processo; b) introdução às novas questões relativas da classificação, ou seja, medicamentos que interferem na performance, novas técnicas de classificação e código de conduta do classificador e c) debates sobre os pontos mais conflitantes da classificação, ou seja, estudo de casos. O curso tem uma duração de 3 a 4 dias e ao final o candidato realizará uma prova teórica e uma prove prática, na língua inglesa, com a necessidade de obter nota igual ou superior a 75% do valor total das avaliações. Existem quatro níveis de classificadores funcionais pela CP-ISRA: a) classificador funcional regional, quando o candidato completa o curso introdutório e está capacitado a realizar classificações de atletas apenas em nível nacional; b) classificador funcional em treinamento, o chamado trainee, quando o classificador funcional regional completa o curso de aperfeiçoamento devendo participar de pelo menos duas competições internacionais como estagiário, realizando a classificação e sendo avaliado, diariamente, por um classificador mais experiente designado para este fim; c) classificador funcional internacional, quando o classificador funcional em treinamento termina o seu período de estágio, de forma satisfatória, podendo atuar em competições de nível internacional e d) classificador funcional sênior, quando o classificador funcional internacional, após um período de no mínimo três anos, demonstra um domínio do processo de classificação capaz de liderar equipes de classificação, como coordenador de classificação de evento, demonstrando conhecimento dos casos mais complexos, sendo capaz de explicá-los e em função disto tornando-se instrutor de curso de aperfeiçoamento e participando do Comitê Técnico Desportivo da CP-ISRA. 5

6 O classificador funcional, durante o processo classificatório, busca encontrar no atleta portador de paralisia cerebral, uma funcionabilidade, capaz de agrupá-lo em uma classe funcional. Na CP-ISRA, estas classes funcionais, ou seja, o perfil funcional são oito: A. Classe Funcional 1: É o atleta tetraplégico, apresentando envolvimento severo nos membros e tronco, com grau de espasticidade de 4 a 3+. Os membros superiores e inferiores são considerados não funcionais com limitação severa de força, amplitude articular e coordenação. O tronco quase não possui controle dinâmico e estático. O atleta depende de cadeira de rodas motorizada para a sua locomoção. Pouca mecânica de movimento em situações de arremesso. Possui grande dificuldade de preensão e soltura de mão. B. Classe Funcional 2: É o atleta tetraplégico, apresentando envolvimento de severo a moderado, nos membros e tronco, com grau de espasticidade 3+ a 3, com ou sem atetose. Pouca força nos membros e no tronco, porém é capaz de tocar (movimentar) a cadeira de rodas. O tronco possui controle estático razoável, porém o controle dinâmico é fraco. As mãos possuem envolvimento de severo a moderado, com preensão cilíndrica ou esférica, sendo capaz de manipular um objeto com dificuldade. Os membros inferiores podem demonstrar certo grau de funcionabilidade, permitindo a propulsão da cadeira de rodas pelas pernas. C. Classe Funcional 3: É o atleta tetraplégico, apresentando envolvimento moderado, ou hemiplégico severo, podendo apresentar um membro superior dominante quase funcional. Pode ser um triplégico, com dominância de um membro superior. Pode tocar (movimentar) a cadeira de rodas de forma independente. Controle de tronco dinâmico satisfatório, principalmente ao tocar a cadeira de rodas, porém apresenta dificuldades em retornar o tronco para uma posição mais ereta. D. Classe Funcional 4: É o atleta diplégico, com envolvimento de moderado a severo. Membros superiores e tronco com limitação mínima. Membros inferiores com envolvimento de severo a moderado em ambas as pernas, 6

7 com grau de espasticidade de 4 a 3, sendo normalmente não funcional para a marcha em longa distância sem o uso de mecanismo de assistência (muletas, andadores). O tronco apresenta grau de espasticidade de 2 a 1, com limitação mínima de movimento. Os membros superiores apresentam freqüentemente funcionabilidade normal. E. Classe Funcional 5: É o atleta diplégico com envolvimento moderado. Necessita de mecanismo de assistência (muletas, andadores) para andar, mas não necessariamente quando parado ou arremessando. A troca do centro de gravidade pode causar a perda do equilíbrio. O triplégico pode aparecer nesta classe. Os membros inferiores apresentam grau de espasticidade de 3 a 2. Pode ter função suficiente para correr em eventos de pista, no atletismo. Freqüentemente possui equilíbrio estático normal, porém apresenta complicações no equilíbrio dinâmico. Os membros superiores podem apresentar variações de comprometimento, sendo de moderado a mínimo. F. Classe Funcional 6: É o atleta que apresenta atetose ou ataxia, com envolvimento moderado. A atetose é o fator de maior predominante nesta classe. O atleta pode andar sem a ajuda de mecanismo de assistência (muletas, andadores). A ação dos membros inferiores pode variar de fraca até uma marcha claudicante. Movimentos cíclicos são executados de forma quase normal. O controle do equilíbrio corporal dinâmico é bom comparado com o equilíbrio corporal estático. A preensão e soltura da mão pode ser um fator negativo em esportes de arremesso. G. Classe Funcional 7: É o atleta hemiplégico, que apresenta grau de espasticidade de 3 a 2 em uma metade do corpo. O atleta anda sem a ajuda de mecanismo de assistência (muletas, andadores), porém com um andar claudicante, devido à espasticidade do membro inferior. Na corrida pode apresentar piora, pela dificuldade em se elevar o calcanhar. Braço e perna sofrem restrições apenas no lado comprometido. H. Classe Funcional 8: É o atleta com envolvimento mínimo, apresentando grau de espasticidade 1, podendo se caracterizar como hemiplégico ou 7

8 monoplégico. Neste tipo de atleta a percepção do déficit neurológico se torna difícil, necessitando uma análise mais detalhada do médico, a fim de se observar alterações funcionais em função deste déficit. Na perspectiva desportiva, o atleta portador de paralisia cerebral pode participar das seguintes competições: A. Bocha: participam atletas nas classes funcionais 1 e 2. B. Ciclismo: participam atletas de todas as classes funcionais, de 1 a 8. C. Atletismo: participam atletas de todas as classes funcionais, de 1 a 8. D. Natação: participam atletas de todas as classes funcionais, de 1 a 8. E. Race Runner: é uma variação do atletismo, onde os atletas correm se apoiando em uma bicicleta de três apoio; participam atletas das classes funcionais 1 a 3. F. Futebol: participam atletas das classes funcionais de 5 a 8. Todo atleta portador de paralisia cerebral passará por este processo classificatório pelo menos duas vezes, independente do esporte desenvolvido. Todo atleta deve iniciar o seu processo classificatório pela classificação funcional regional (nacional), através de sua associação nacional, devendo seguir os princípios e pressupostos do sistema de classificação funcional da CP-ISRA. É recomendado que os classificadores nacionais tenham passado por um curso introdutório da CP-ISRA. Em seguida, quando o atleta é convocado a representar o seu país pela primeira vez, este deverá passar um processo classificatório, chamado de classificação funcional internacional. Esta classificação é superior à classificação nacional e poderá, se for o caso, manter ou alterar o nível inicial de classe do atleta. Os classificadores devem ter feito o curso de classificação funcional avançado da CP-ISRA. Abre-se portanto, mais um campo de atuação profissional, visto que com os crescentes sucessos obtidos pelos atletas paraolímpicos, a demanda por este tipo de serviço crescerá, não só dentro do processo classificatório funcional, mas no treinamento e aperfeiçoamento da potencialidade motora e orgânica deste atleta especial. 8

Classificação no Ciclismo

Classificação no Ciclismo Classificação no Ciclismo A classificação é uma forma de estrutura criada para a organização das competições com atletas que possuem alguma deficiência. Antes de participar de qualquer competição, o atleta

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

Regulamento Específico. Futebol de 7 Paralímpico

Regulamento Específico. Futebol de 7 Paralímpico Regulamento Específico Futebol de 7 Paralímpico 2015 Art. 1º - A Competição de Futebol de 7 (PC) dos Jogos Escolares de Minas Gerais - JEMG/2015 obedecerá as regras do Manual de Regras do CPISRA (2009-2012),

Leia mais

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL 2009 MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL Extraído e adaptado de CPISRA SPORT MANUAL 10th Edition 2009 INTRODUÇÃO: Bem vindos, ANDE (Associação Nacional de Desporto para Deficientes) apresenta o seu Manual

Leia mais

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria T.C.A Trabalho Colaborativo de Autoria Jogos Paraolímpicos Logo do Comitê Paraolímpico Internacional Integrantes : Guilherme Souza Dantas Nº08 Gustavo Haruki Nº09 Marcelo Henrique Cordeiro Moraes Nº14

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2014 Assessoria de Desenvolvimento, conforme Parecer 2 SUMÁRIO 1ª FASE...

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Brasil Paraolímpico. VITAL SEVERINO* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular.

Brasil Paraolímpico. VITAL SEVERINO* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular. Brasil Paraolímpico VITAL SEVERINO* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular. Conta a história do movimento desportivo das Pessoas Portadoras de Deficiência em nosso país, que

Leia mais

Acessibilidade, responsabilidade de todos

Acessibilidade, responsabilidade de todos Acessibilidade, responsabilidade de todos APRESENTAÇÃO Programa A Receita É Saúde Gerente Responsável Raul Alves Buarque Ação Cadeira Certa Rui Alberto Fank Edição Jornalista Adroaldo Corrêa Texto Técnico

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura EMENTÁRIO ANATOMIA I Ementa:. Estudo da forma, estrutura, função e localização de órgãos que compõem os sistemas que formam o aparelho locomotor: sistema esquelético, sistema articular, sistema muscular

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Resumo Juliana Silva Cristina 1 - UFU Maria Clara Elias Polo 2 - UFU Grupo de Trabalho - Formação

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

Número de cadastro do proponente: 02SP020592008. Basquetebol sobre rodas desafiando limites

Número de cadastro do proponente: 02SP020592008. Basquetebol sobre rodas desafiando limites Número de cadastro do proponente: 02SP020592008 Basquetebol sobre rodas desafiando limites ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DA BAIXADA SANTISTA. A ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DA BAIXADA SANTISTA- APBS fundada em

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 1 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Resgatar alguns conceitos sobre o movimento e o desenvolvimento motor e suas fases. 2 Definir habilidade motora e identificar

Leia mais

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade É o domínio dos

Leia mais

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br 1 DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA COMPORTAMENTO MOTOR O comportamento motor estuda de que maneiras seu cérebro e sistema nervoso se desenvolveram e se ajustaram a fim de melhorar seu controle e sua

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte INCLUSÃO, GÊNERO E DEFICIÊNCIA Ministério do Esporte Objetivo Geral do PST... Democratizar o acesso ao esporte educacional de qualidade, como forma de inclusão social, ocupando o tempo ocioso de crianças

Leia mais

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Gustavo Nunes Pereira Fisioterapeuta Graduado PUCRS Coordenador Grupo de Interesse em Fisioterapia SBGG-RS Doutorando em Gerontologia Biomédica

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas Lucas Roberto dos Santos 1 ; Maria Natálha Gomes da Silva 2 ; Renato Vitor da Silva Tavares 3 ; Flávio Anderson Pedrosa

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11)

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) NEF nº nº 17B/ENE/ ENE/10 Lisboa, 02 de Maio de 2010 NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II Formação em Equitação Terapêutica CAPÍTULO III Curso

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 1. APRESENTAÇÃO O Programa Minas Olímpica Oficina de Esportes é uma ação do Governo de Minas por meio da SEEJ, cujo objetivo é o fomento e desenvolvimento do esporte

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RAQUEL DAFFRE DE ARROXELLAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RAQUEL DAFFRE DE ARROXELLAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RAQUEL DAFFRE DE ARROXELLAS ANÁLISE CINEMÁTICA DO ARREMESSO DA BOCHA ADAPTADA E SUA RELAÇÃO COM A REALIDADE VIRTUAL São Paulo 2015 RAQUEL DAFFRE DE ARROXELLAS ANÁLISE

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11 - 1 - ÍNDICE Introdução 2 Deficientes mentais 3 Deficientes mentais reabilitados 5 Doentes crónicos 7 Deficientes motores 9 Deficientes visuais 11 Deficientes auditivos 13 Apresentação do Grupo de Trabalho

Leia mais

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar Ficha Técnica Título Necessidades Especiais de Educação Editor DGE Direção-Geral da Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Autoria CRPG - Centro de Reabilitação Profissional

Leia mais

Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia

Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia Fisioterapia de coordenação para portadores de ataxia Tradução de Eduardo Lima, autorizado pela autora, a partir de texto publicado em inglês pela National Ataxia Foundation (http://www.ataxia.org/pdf/

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

BADMINTON: PRÁTICA ESPORTIVA ENTRE ESCOLARES, UNIVERSITÁRIOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

BADMINTON: PRÁTICA ESPORTIVA ENTRE ESCOLARES, UNIVERSITÁRIOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA BADMINTON: PRÁTICA ESPORTIVA ENTRE ESCOLARES, UNIVERSITÁRIOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SILVA, Everton Pereira da 1 OLIVEIRA, Humberto Carlos Barros 2 MELO, Carlos Vidal de 3 ARRUDA, Emerson Pereira de

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física EMENTÁRIO Disciplina: Introdução à Educação Física EMENTA: Disciplina que estuda as diferentes concepções de Educação Física, assim como suas perspectivas no campo da ciência em relação à intervenção profissional.

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico DEFINIÇÃO Comprometimento súbito da função cerebral causada por alterações histopatológicas em um ou mais vasos sanguíneos. É o rápido

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O PARABADMINTON

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O PARABADMINTON CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O PARABADMINTON *Aline Miranda Strapasson O Parabadminton (Badminton Adaptado) foi desenvolvido com o intuito de oportunizar as pessoas com deficiência a praticar o esporte com

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal. PL 403 de 2005 Autoria : Senador Efraim Morais

Audiência Pública no Senado Federal. PL 403 de 2005 Autoria : Senador Efraim Morais Audiência Pública no Senado Federal PL 403 de 2005 Autoria : Senador Efraim Morais Visão legal do Esporte Constituição Brasileira SEÇÃO III Do Desporto Artigo 217 E dever do Estado fomentar praticas desportivas

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

Considerando o funcionário como participante

Considerando o funcionário como participante Integração e bem-estar dos funcionários na empresa: Esporte como caminho RENATO FRANCISCO RODRIGUES MARQUES RESUMO Considerando o funcionário como participante fundamental na produtividade da empresa,

Leia mais

Guilherme Raymundo Costa

Guilherme Raymundo Costa Guilherme Raymundo Costa Concedei-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso e sabedoria para distinguir umas das outras.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução à disciplina Aprendizagem e Controle Motor

Introdução à disciplina Aprendizagem e Controle Motor Disciplina: Aprendizagem e Controle Motor Professora: Caroline de Oliveira Martins 1 Introdução à disciplina Aprendizagem e Controle Motor Caro(a) aluno(a), os temas devem ser lidos antes das aulas, bem

Leia mais

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais 1. Deficiência visual A deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual, com caráter definitivo. As limitações do campo visual

Leia mais

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos efetuadores: 1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) : Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos

Leia mais

Dia da família na escola. 13 de março de 2010

Dia da família na escola. 13 de março de 2010 1 Dia da família na escola 13 de março de 2010 Sugestões de atividades Desde 2009, o Amigos da Escola tem incentivado às escolas participantes do projeto a tornar os dias temáticos em dias da família e

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL DA UNESP CAMPUS DE MARÍLIA Objetivos do Curso Curso da área da saúde, centrado nos aspectos ergonômicos e sociais da atividade humana. Visa à formação

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

2. DATA DA REALIZAÇÃO

2. DATA DA REALIZAÇÃO REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO É uma ação esportiva desenvolvida na modalidade corrida de rua, entre os empregados dos Correios e comunidade. 2. DATA DA REALIZAÇÃO Prova Regional: 27/02/2011 3. HORÁRIO 08 horas

Leia mais

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física Prof.ª Sara Caixeta Objetivo: Conhecer as diferentes tendências e abordagens pedagógicas da Educação física Brasileira identificando seus fundamentos

Leia mais

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Anatomia O ligamento cruzado anterior (LCA) é um dos ligamentos mais importantes para a estabilidade do joelho. Considerado um ligamento intra-articular, sua função

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta.

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta. 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 2.402, DE 15 DE JUNHO DE 1999 (Autoria do Projeto: Deputado Agrício Braga) Institui o Programa Bolsa Atleta. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber

Leia mais

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS)

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) 1 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) Robert Palisano; Peter Rosenbaum; Stephen Walter; Dianne Russell; Ellen Wood; Barbara Galuppi Traduzido por Erika Hiratuka

Leia mais

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: EM

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO DISCIPLINA: Fisiologia neural: estrutura, funcionamento e adaptações ao treinamento EMENTA: Arranjo funcional das unidades motoras e

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Curso de Especialização em EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ÁREAS DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. AMPARO LEGAL E PORTARIA

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O DEFICIENTE FÍSICO.

ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O DEFICIENTE FÍSICO. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 172 ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE WUSHU TAOLU TRADICIONAL

REGULAMENTO DE WUSHU TAOLU TRADICIONAL REGULAMENTO DE WUSHU TAOLU TRADICIONAL DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Versão 2013 Londrina, 31 de janeiro de 2013 Art. 1º - O Regulamento que aqui se apresenta é a base do wushu tradicional dos Campeonatos Brasileiros

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

FEDERAÇÃO DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

FEDERAÇÃO DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FEDERAÇÃO DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Boletim Oficial 027/14 09 de outubro de 2014 Às agremiações Filiadas e Convidadas A Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro, realizará no dia 01 de novembro

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Aula 12 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III 2 Brincadeira Ação de brincar, de entreter, de distrair. Utilizam uma variedade de movimentos corporais e capacidades físicas Caráter

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias PROPOSTAS ESPORTIVAS GOVERNAMENTAIS: UMA DISCUÇÃO SOBRE PROGRAMA ATLETA NA ESCOLA Cesar Vieira Marques Filho; Universidade Federal

Leia mais

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. 167 Armando Lourenço Filho BREDA, Mauro; GALATTI, Larissa; SCAGLIA, Alcides José; PAES, Roberto Rodrigues. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010. Pedagogia do esporte aplicada

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais