Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola"

Transcrição

1 Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto

2 Suporte Nutricional - Objetivo Identificar os indivíduos em risco de desenvolver um quadro de malnutrição energético - proteica ou carência nutricional específica Quantificar o risco. ( The American Society Parenteral and Enteral Nutrition; The American Society Clinical Nutrition)

3 Sumário 1º SEMINÁRIO ONCOLOGIA PEDIÁTRICA Importância da Avaliação do Estado de Nutrição no Rastreio do Risco Nutricional Avaliação Antropométrica Quantificação da Ingestão Alimentar Planificação das refeições Texturas, sabores e aversões alimentares Tipos de alimentos Nutrição Artificial: quando e como? Nutrição Entérica: total/mista, continua /fracionada, diurna/noturna Vias de administração: SNG ou PEG Nutrição Parentérica Aspetos psicossociais da nutrição Envolvimento familiar Perspetivas Futuras: Outras Dimensões

4 Avaliação do Risco Nutricional 1º Peso Estatura Avaliação antropométrica 2º Cálculo do IMC Caracterização do estado nutricional 3º Percentil IMC/ idade 2007 WHO Reference

5 Avaliação do Risco Nutricional 1º Consumo Alimentar. História alimentar; Quantificação da Ingestão (dieta das 24 horas / Frequência Alimentar) 2º Ingestão Alimentar Insuficiente Principais Causas Motivada pela patologia e terapêutica instituída. Efeitos secundários mucosite, náuseas, vómitos. Alteração das preferências e aversões alimentares. Anorexia associada a depressão e ansiedade.

6 Decisão Como alimentar? Funcionamento do Sistema Gastrointestinal? Sim Aconselhamento + Suplementos Avaliação da Ingestão Prescrita Não Insuficiente < 50% das necessidades Duração + Estado Nutricional Suficiente >95% das necessidades Monitorização Alimentação Parentérica European Society for Medical Oncology. Nutrition and Cancer, 2014 Nutrição Artificial Alimentação Entérica

7 Informação Recomendações Alimentares Gerais Alimentos a evitar Conselhos Práticos

8 Planificação das Refeições Deve ser prescrita individualmente, adaptada e adequado a cada criança de acordo com as suas necessidades nutricionais.

9 Planificação das Refeições Modificar texturas e sabores; Substituir as refeições tradicionais por snacks apelativos e nutricionalmente equilibrados; Dar preferência a alimentos cremosos e gelatinosos; Utilizar molhos de forma a tornar a refeição mais densamente energética e com melhor deglutição; Respeitar modos de conservação e prazos de validade; Evitar alimentos processados e não embalados.

10 Intervenção Alimentar/Nutricional : Situações Particulares Diarreia Evitar: leite e produtos lácteos; hortícolas e fruta cruas; cereais integrais, especiarias e alimentos fritos. Ingestão abundante de água ou tisanas. Mucosite Modificar a textura dos alimentos (triturar ou passar o creme); Servir os alimentos à temperatura ambiente ou mesmo frios; Evitar alimentos ácidos ou avinagrados; Utilizar uma palhinha para beber os líquidos; Intercalar os alimentos com líquidos para facilitar a deglutição.

11 Intervenção Alimentar/Nutricional : Situações Particulares Diminuição do apetite Refeições pequenas e frequentes Utilizar alimentos favoritos /preferidos Utilizar alimentos densamente energéticos Experimentar novas texturas / paladares Alterações do paladar Aromatizar as refeições ou bebidas Manipular e confecionar a gosto Aumentar a ingestão de líquidos

12 Ciclos de Tratamento: Quimioterapia e Radioterapia Segurança Alimentar Evitar o risco de contaminação alimentar; Respeitar critérios de higiene e segurança na manipulação/confeção dos alimentos; Armazenamento, conservação, rotação de stocks e prazos de validade; Boas Práticas no transporte de alimentos e bebidas.

13 Suplementação Nutricional Deve ser um complemento; Perfaz as necessidades nutricionais no plano alimentar estipulado; Características Específicas: composição em macro e micronutrientes; tipo de proteínas; densidade energética; osmolaridade; com/sem lactose; com/sem glúten; variáveis teores de fibras; Apresentação comercial: líquidos, em pó, de consistência cremosa, outros e diversidade de sabores. Oral Sonda Nasogástrica (mais comum) Gastrostomia (dependendo da patologia e do tempo de duração previsto) ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Non-surgical oncology, 2006

14 Nutrição Parentérica Utilizada sempre que o tubo digestivo não se encontre funcionante, ou então quando a Alimentação/Nutrição Oral e/ou Nutrição Entérica não sejam toleradas pelo doente. Administrada por via central ou periférica nutricionais do doente. de acordo com as necessidades Requer alto controlo e vigilância ESPEN Guidelines on Parenteral Nutrition: Non-surgical oncology, 2009

15 Algoritmo Nutricional Avaliação do Estado Nutricional Alimentação Oral Nutrição Entérica Nutrição Parentérica Sim Não Sim Não Doente Terminal? SNG, PEG, Gastrostomia Escolha a fórmula Alimentos Naturais Alimentação Mista Bolos, NEDC, NEN

16 Intervenção Nutricional Manter quanto possível o padrão da dieta habitual Dietas terapêuticas modificadas com o objetivo de satisfazer necessidades específicas: Capacidade de digestão/absorção Progressão na doença Aspetos Psicossociais da Nutrição

17 Aspetos Psicossociais da Nutrição O impacto emocional e social da mudança dos hábitos alimentares tem implicações importantes nos cuidados nutricionais. Privilegia a interacção com o cuidador Melhor ingestão nutricional Sentimento de controlo durante o tratamento Privilegiar as refeições em família Otimizar a disponibilidade alimentar Enfatizar momentos lúdicos e recreativos Manter, sempre que possível, atividade escolar e o exercício físico European Society for Medical Oncology. Nutrition and Cancer, 2014

18 Importância de uma Correta Planificação Manter estado nutricional adequado; Permitir um crescimento adequado; Diminuir a co-morbilidade; Melhorar a qualidade de vida.

19 Privilegiar a Família Formação / Informação sobre Princípios Básicos de Nutrição Terapia de Grupo vs Troca de Experiências Educação Alimentar Adesão a Estilos de Vida Saudável

20 Privilegiar a Família Promoção de Estilos de Vida Saudáveis Parceria

21 Privilegiar a Família Parceria Casa Ronald Mc Donald Apoia o Projeto Objectivo : Formação às Mães e Crianças Sobre Cuidados Alimentares optimizar dos conteúdos nutricionais das refeições ultrapassar aversões alimentares dicas culinárias

22 Privilegiar a Família Parceria Casa Ronald Mc Donald Apoia o Projeto

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO:

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: das 8h30min às 11h30min INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES 1-

Leia mais

Módulo 9. Cuidados na Saúde Mental

Módulo 9. Cuidados na Saúde Mental 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2014-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam. Dieta durante o tratamento O que comer e o que evitar de comer Após a cirurgia A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

Leia mais

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336

Nutrição & cuidados no tratamento do câncer. Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 04/10/2014 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer Valéria Bordin Nutricionista CRN3-4336 Nutrição & cuidados no tratamento do câncer O Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008

Vida. A importância da alimentação ao longo do ciclo da vida. Factores Fisiológicos, Religiosos, Culturais, Socio-economicos 22-10-2008 Nutrição e Hidratação em Fim de Vida Nutricionista Sónia Velho Unidade de Nutrição e Dietética Instituto Português de Oncologia de Lisboa-Francisco Gentil Congresso Nacional de Cuidados Paliativos 2008

Leia mais

Assistência Nutricional à. Pacientes em. Radioterapia

Assistência Nutricional à. Pacientes em. Radioterapia Assistência Nutricional à Pacientes em Radioterapia Cristiane Almeida Hanasihiro Nutricionista do Departamento de Oncologia do Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo. Estimativas Estimativas no Brasil

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação da equipe de enfermagem em Terapia Nutricional, a fim de assegurar uma assistência

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO. Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014.

EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO. Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014. EPIDERMÓLISE BOLHOSA NUTRIÇÃO Andréa Gislene do Nascimento Nutricionista Chefe Serviço de Nutrição e Dietética 16 de agosto de 2014. Bolhas orofaringeanas Constipação Fibrose submucosa Cáries dentárias

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG

COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG As crianças com CDG têm frequentemente queixas digestivas e problemas nutricionais. As causas não estão bem esclarecidas, são múltiplas e em última análise,

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas,

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, 38 enfermarias, 22 unidades de procedimentos especializados,

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

ANEXO A.1 Formulário Dietético

ANEXO A.1 Formulário Dietético ANEXO A.1 Formulário Dietético I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo A.2 (Capitações dos alimentos de refeições confecionadas e preparações culinárias) e do anexo

Leia mais

Pontos nos ii DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR. http://www.passe.com.pt

Pontos nos ii DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR. http://www.passe.com.pt Pontos nos ii DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR A alimentação do bebé e da criança constitui um dos factores mais importantes para o seu normal crescimento e desenvolvimento. Ao longo do 1º ano de vida, o bebé

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico.

Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico. Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente oncológico. Dr. Flávius Marinho Vieira flaviusmv@ig.com.br Orientação Nutricional: O que pode influenciar no tratamento do paciente

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista

Nutrição Infantil. Paula Veloso / Nutricionista Nutrição Infantil Paula Veloso / Nutricionista Relação alimentação/saúde é para toda a vida! A mulher grávida preocupa-se com a alimentação. Relação alimentação/saúde é para toda a vida! Os pais preocupam-se

Leia mais

Exemplos de pratos rápidos e simples para levar num piquenique:

Exemplos de pratos rápidos e simples para levar num piquenique: Vamos piquenicar? Com o Verão, chega a fervorosa vontade de sair de casa e aproveitar o sol. Os dias outrora passados entre quatro paredes para o abrigo a chuva, frio e vento, são agora passados ao ar

Leia mais

Atualidades em Alimentação e Nutrição Pediátrica

Atualidades em Alimentação e Nutrição Pediátrica Atualidades em Alimentação e Nutrição Pediátrica Ordem dos Médicos Porto, 4 a 6 de Junho de 2015 Dia 4 (5ªfeira) 08.00 Abertura do secretariado 09.00-10.40h Alimentação e a promoção da saúde Moderação:

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxliar de Saúde 2014/2015

Curso Profissional de Técnico Auxliar de Saúde 2014/2015 1 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Formação Técnica Ano Lectivo 2014/2015 Planificação Anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Ano 3 - - Apresentação 15/09/14 Conhecer conteúdos, material

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

Gastronomia. Lethiais)

Gastronomia. Lethiais) Nutrição Ciência que trata da alimentação e dos alimentos sob todos os seus aspectos: utilização e transformação dos alimentos, a assimilação dos alimentos no organismo através do qual são garantidas a

Leia mais

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia)

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) O nosso objetivo com este ebook é prover o leitor que padece de boca seca com informações úteis a fim de contribuir para a melhoria de sua qualidade

Leia mais

CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada

CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada 1 Água ALIMENTE-SE DE FORMA EQUILIBRADA E SAUDÁVEL. A alimentação influi na sua segurança ao volante. Uma alimentação incorreta pode gerar fadiga,

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

Objetivo. Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do Algarve. Metodologia. 1. Mobilização de parceiros

Objetivo. Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do Algarve. Metodologia. 1. Mobilização de parceiros Objetivo Horizonte Temporal PROGRAMA DE COMBATE À OBESIDADE INFANTIL NA REGIÃO DO ALGARVE Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do 2006 2007 2012 2015 Teresa Sofia

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO

UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO UNIVERSI DADE CATÓLI CA DE PERNAMBUCO UNICAP PRÓ REI TORI A DE ENSI NO, PESQUI SA E EXTENSÃO PROESPE DEP ARTAMENTO DE BI OLOGI A / ESPAÇO EXECUTI VO I I I CURSO DE ATUALI ZAÇÃO EM NUTRI ÇÃO PARENTERAL

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS

CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS 1 ANEXOS Anexo I Preço base para as principais refeições Anexo II Listagem de principais suplementos alimentares a fornecer Anexo III Matriz de Reuniões Anexo IV Nível de Serviço

Leia mais

Fóruns Científicos e Simpósio Multidisciplinar

Fóruns Científicos e Simpósio Multidisciplinar Fóruns Científicos e Simpósio Multidisciplinar Comissão dos Fóruns Científicos e do Simpósio Multidisciplinar Coordenação Geral Abdol Hakim Assef Fórum de Educação Física & Fisioterapia em Cardiologia

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

OBSERVATÓRIO JOSUÉ DE CASTRO. Lutar pela Alimentação Saudável dos Brasileiros. PARA QUÊ E COMO???? Sandra Chemin

OBSERVATÓRIO JOSUÉ DE CASTRO. Lutar pela Alimentação Saudável dos Brasileiros. PARA QUÊ E COMO???? Sandra Chemin OBSERVATÓRIO JOSUÉ DE CASTRO Lutar pela Alimentação Saudável dos Brasileiros. PARA QUÊ E COMO???? Sandra Chemin A alimentação saudável é essencial para o crescimento, desenvolvimento e manutenção da saúde.

Leia mais

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Unidade de Nutrição. Serviço de Pediatria UAG MC H S João Faculdade Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade

Leia mais

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio.

Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Manual de orientação nutricional enteral em domicílio. Índice 01. Introdução 02. Alimentação enteral: o que é? 03. Tipos de nutrição enteral 04. Vias de administração da alimentação enteral 05. Tipos de

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL ABRALE

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL ABRALE ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL ABRALE A boa nutrição é importante para todos, mas é essencial para indivíduos como você, pois neste momento um dos componentes-chave para o tratamento de sua patologia é uma dieta

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

sanguínea, o medicamento estimula o centro do vómito no cérebro provocando o reflexo das náuseas e vómitos. 4

sanguínea, o medicamento estimula o centro do vómito no cérebro provocando o reflexo das náuseas e vómitos. 4 NÁUSEAS E VÓMITOS INDUZIDOS PELA QUIMIOTERAPIA CONSELHOS ÚTEIS As náuseas e os vómitos são os efeitos secundários mais temidos da quimioterapia. A frequência destes efeitos e a sua gravidade dependem dos

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é um Banco de Leite Humano? 2. Em que situações é utilizado o Leite Humano Pasteurizado, as suas vantagens e desvantagens? 3. Que critérios

Leia mais

Licenciatura em Ciências da Nutrição. Memória final de curso. Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim. Aluno nº 200691317

Licenciatura em Ciências da Nutrição. Memória final de curso. Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim. Aluno nº 200691317 Licenciatura em Ciências da Nutrição Memória final de curso Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim Aluno nº 200691317 Orientador: Professora Doutora Ana Rito Barcarena Outubro 2010 Universidade Atlântica

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações 147 Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações Visita domiciliar de APS Monitorização do crescimento Imunizações Terapia de reidratação oral Planejamento familiar Módulo 6: Qualidade do

Leia mais

O papel do Suporte Nutricional no domicílio

O papel do Suporte Nutricional no domicílio Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto O papel do Suporte Nutricional no domicílio Trabalho final de Estágio de Manuel Tiago Loureiro Almeida Matosinhos Janeiro - Junho

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde 14 de Outubro 2008 OBJECTIVOS 1. Definição 2. Exemplos de grupos de géneros alimentícios

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó 1 A obesidade é considerada a epidemia do séc. XXI (OMS) Em Portugal tem vindo a aumentar vertiginosamente

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

RESULTADOS DO NUTRIDIA AO LONGO DO TEMPO

RESULTADOS DO NUTRIDIA AO LONGO DO TEMPO RESULTADOS DO NUTRIDIA AO LONGO DO TEMPO Desnutrição Hospitalar Prof a Dr a M. Cristina Gonzalez Nutrition Day Europeu -greater unity between its members states -facilitating economic and social progress

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de.

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de. Farmácia Comunitária Farmácia Hospitalar Validação Farmacêutica Cirurgia de Monitorizações A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da, garantindo a sustentabilidade

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas Anexo A Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo B (Capitações máximas dos alimentos de refeições

Leia mais

GUIA DE BOLSO. Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ

GUIA DE BOLSO. Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ GUIA DE BOLSO Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ Sumário Introdução Benefícios do consumo de hortofrutícolas A importância dos hortofrutícolas segundo a Roda dos

Leia mais

Estudo teórico da composição nutricional e custos de dieta enteral artesanal no Brasil. Força Tarefa de Nutrição Clinica ILSI Brasil - 2013

Estudo teórico da composição nutricional e custos de dieta enteral artesanal no Brasil. Força Tarefa de Nutrição Clinica ILSI Brasil - 2013 Estudo teórico da composição nutricional e custos de dieta enteral artesanal no Brasil Força Tarefa de Nutrição Clinica ILSI Brasil - 2013 Força Tarefa Nutrição Clinica ILSI Terapia Nutricional Enteral

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br Esta é uma publicação da Nutrício Reeducação Alimentar e Emagrecimento que tem por objetivo fornecer informações a respeito dos cuidados nutricionais pré e pós cirúrgicos. As informações contidas neste

Leia mais

Alimentação e Desporto. Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011

Alimentação e Desporto. Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011 Alimentação e Desporto Samuel Amorim Centro Hospitalar Tondela-Viseu Viseu, 30 Novembro 2011 Panorama nacional Apesar dos números relativos à obesidade infantil estarem continuamente acrescer O número

Leia mais

Queijo cremoso e maionese Adicione a sanduíches, bagels, biscoitos e fruta

Queijo cremoso e maionese Adicione a sanduíches, bagels, biscoitos e fruta Adição de calorias e de proteínas à sua dieta Princess Margaret Increasing Calories and Protein in Your Diet - Portuguese Para pacientes com dificuldades em comer durante os tratamentos oncológicos Este

Leia mais

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO Definir os responsáveis e suas competências; Aquisição de equipamento e material clínico; Dotação de Recursos

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos.

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. Programa 5 ao Dia Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. O que é o Programa 5 ao Dia? Enquadramento Conceito Objectivos e Destinatários Associação 5 ao Dia Desenvolvimento Enquadramento Mudança

Leia mais

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios.

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios. DIETA DE BA IXO ÍNDICE DE GL IC E M IA (LOW CARB DIET ) A dieta de baixo índice de glicemia ou baixa em hidratos de carbono é indicada para tal por ser mais equilibrada e até é indicada para diabéticos

Leia mais

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável Orientações Programáticas 1 - Enquadramento Portugal era um dos poucos países Europeus que não dispunha de um programa nacional de alimentação,

Leia mais

Dicas para emagrecer sem elas...

Dicas para emagrecer sem elas... DIETAS E MAIS DIETAS Ates de seguir qualquer dieta imposta pelas novas regras do culto ao corpo e à beleza, procure ajuda profissional e evite que o simples desejo de perder peso possa se transformar em

Leia mais

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ...

Índice: Expediente. Elaboração e organização: Renata Zaccara - Farmacêutica Clínica. Diagramação: Impressão: Ano 2010. Pág. 2 ... ... Pág. 1 Índice: O QUE PRECISO SABER SOBRE OS MEDICAMENTOS QUE ESTOU TOMANDO? 01 ONDE E COMO DEVO GUARDAR E/OU DESPREZAR OS MEDICAMENTOS? QUAIS CUIDADOS DEVO TER COM AS INSULINAS? INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Índice. Métodos de Confecção. Cozer em água a ferver

Índice. Métodos de Confecção. Cozer em água a ferver GCM2013 Índice 2 3 4-5 6 7 8 9-10 11-12 13 14-15 16 17 18 19-20 21 22 Início Métodos de Confecção Cozer em água a ferver Cozer a vapor Cozer sob pressão Cozer: Estufar Assar no forno Assar: Grelhar Guisar

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

Guia Nutricional de Alta Hospitalar

Guia Nutricional de Alta Hospitalar Guia Nutricional de Alta Hospitalar para Pacientes em Tratamento Oncológico Apoio: Esta cartilha tem como objetivo fornecer informações sobre uma alimentação adequada para pacientes e familiares durante

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

ô.,i^n,,, clc 06) suptemento arimentar padrão para desnutrição protéico carórica

ô.,i^n,,, clc 06) suptemento arimentar padrão para desnutrição protéico carórica Cl ns O47- SND/2014. Caçapava, 31 de julho de20!4. Alc Júlio César Licitações clc Vanessa Camargo Gerente Operacional Ref: Resposta dos esclarecimentosolicitados pela empresa Humana Alimentar Segue, conforme

Leia mais

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O NOSSO CORPO É CONSTITUÍDO NA MAIOR PARTE POR ÁGUA A ÁGUA É O PRINCIPAL CONSTITUINTE DO ORGANISMO, É ESSENCIAL PARA A VIDA E TEM

Leia mais

Nutrição em Oncologia Formação Avançada

Nutrição em Oncologia Formação Avançada UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Ciências da Saúde Nutrição em Oncologia Formação Avançada Enquadramento A Organização Mundial de Saúde prevê, em 2015, o aumento de 75% dos casos de cancro.

Leia mais

Ensino aos Cuidadores de Doentes com Sonda Nasogástrica

Ensino aos Cuidadores de Doentes com Sonda Nasogástrica Ensino aos Cuidadores de Doentes com Sonda Nasogástrica Índice 2 Alimentação por Sonda Nasogástrica.. pág.5 O que uma Sonda Nasogástrica?...pág.6 Como Preparar a Alimentação por Sonda?...pág.7 Para alimentar

Leia mais