OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos"

Transcrição

1 I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição CGPAN Secretaria de Atenção à Saúde / Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde

2 I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR Cenário atual da alimentação e Perfil do Estado Nutricional

3

4

5

6

7

8 Transição Nutricional no Brasil % / / /2000 Desn. Inf. rural Desn. inf. - urb Bócio Anemia Sobrep. e Obes. Fonte: Filho, Malaquias Batista e Rissin, Anete. Cad Saúde Pública, 2003.

9 Década de 70 desnutrição energéticoproteica e hipovitaminoses Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software A partir dos anos 90 baixa estatura Obesidade

10 Por quê a preocupação ainda na infância???????

11 PNDS 2006

12

13

14

15 NHANES 1999/2000 Meninos 30,5 % Meninas 30,2 % Síndrome Metabólica 32% dos adolescentes obesos 7% dos adolescentes com excesso de peso < 1% dos adolescentes eutróficos

16

17 BRASIL x EUA Lobstein et al, 2004

18 Criança com excesso de peso: 50% = adulto obeso Adolescente com excesso de peso: % = adulto obeso

19 Padrão Alimentar nº de refeições por dia tempo para as refeições nº de refeições fora de casa nº de crianças que não fazem desjejum EUA Nicklas et al, 2004 Carboidratos simples Produtos industrializados Refrigerante Nº refeições fora de casa Fast food Alta densidade energética Produtos in natura BRASIL Monteiro et al, 2000

20

21 Anemia ferropriva está entre os 10 fatores baixa expectativa de vida nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento (WHO 2002) Fonte: WHO 2001

22 Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN) I. Intersetorialidade II. Segurança Alimentar e III. Nutricional IV. Segurança sanitária e qualidade dos alimentos Monitoramento alimentar e nutricional Promoção de práticas alimentares saudáveis Alimentação adequada Direito Humano á Alimentação V. Prevenção e Controle de Deficiências e Distúrbios Nutricionais Estar livre da a fome Estabelecimento e disseminação das Diretrizes alimentares sobre alimentação nas diferentes fases do curso de vida

23 Fatores determinantes da anemia em menores de 2 anos ANEMIA FERROPRIVA # Necessidades de ferro Absorçã ção inadequada Crescimento elevado Inibidores da absorçã ção e ausência de facilitadores Hábito alimentar inadequado ŒConsumo de ferro 23

24 Mediana do consumo de Ferro Heme e Não Heme em crianças PE, ,4 5,4 5,8 6,9 6,2 FERRO HEME FERRO NÃO HEME ,5 0, m m m 36-47m m GRUPO DE IDADE 0,9 (OSORIO Mônica, 1997)

25 Estratégias a nível populacional BRASIL 1999 Compromisso Social para a reduçã ção o da Anemia Ferropriva no Brasil; qrdc 344 de 13/12/2002 Adiçã ção o de 4,2mg ferro / 100g farinha a partir de 18/06/2004 qportaria 730 de 13/05/2005 PNSF; (crianças de 6 a 18 meses) 25mg de ferro elementar / 1 x semana

26

27 Materiais disponíveis

28 DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PASSO 1 - Dar somente leite materno até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento. PASSO 2 - A partir dos seis meses, oferecer de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

29 DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PASSO 3- partir dos 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, frutas e legumes) 3X ao dia se a criança receber leite materno e 5X ao dia se estiver desmamada PASSO 4- A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança.

30 DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PASSO 5- A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher, começar com consistência pastosa (papas/purês), e gradativamente aumentar a sua consistência até chegar à alimentação da família. PASSO 6 -Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

31 DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PASSO 7- Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições. PASSO 8 - Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação

32 DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PASSO 9- Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu armazenamento e conservação adequados. PASSO 10 - Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

33

34 SÃO LEOPOLDO Vale do Rio dos Sinos 30 km de Porto Alegre/RS habitantes indivíduos (10 e 19 anos) Índice de alfabetização de 95,6%

35 Delineamento e Amostra Entrevistadores - Id. gest. > 37 sem - Peso g Nascimentos no Hospital Municipal Inclusão Exclusão - Gest. múltipla - Mães HIV + (Consentimento) 500 crianças Grupo intervenção (200 crianças) Grupo controle (300 crianças)

36 Grupo intervenção Grupo controle 10 d 1 m 2 m 3 m 4 m 5 m 6 m Questionário 6 meses 6 m 8m 10 m 12 m Questionário 12 meses 12 m

37 A amostra final foi de 397 crianças: 163 crianças do grupo intervenção; 234 crianças do grupo controle. Perdas 21,2 %, constituídas de: Mudança de endereço; Endereço não localizado; Desistência das mães; Morte da mãe ou bebê; Doenças genéticas.

38

39

40

41 Consumo de guloseimas O consumo de concomitante de bala, refrigerante, salgadinho e chocolate no primeiro ano de vida foi significativamente menor (p= 0,001) no grupo intervenção (29,66%) em relação ao grupo controle (50%). Vitolo, 2005

42 Reduçã ção o do risco em 44% no grupo que recebeu as orientaçõ ções dietéticas! ticas!

43 Ações desenvolvidas atualmente pela CGPAN ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

44 Principais desafios Intensificação de ações locais que promovam a prática de alimentação saudável na rede de saúde. Elaboração de um Programa Nacional de Alimentação Complementar

45 Projeto: Programa Nacional para Promoção da Alimentação Complementar Pactuação com gestores estaduais e municipais definição de indicadores Ex. % UBS realizando atividades educativas Repasse financeiro fundo a fundo

46

47 MATERIAIS Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software

48 Caderno de Atenção Básica: Alimentação Complementar 1. Importância 2. Problemas nutricionais mais prevalentes na infância 3.Formação dos hábitos alimentares 4.Como orientar a alimentação saudável 4.1 Os atributos da alimentação saudável 4.2 Como orientar para que a criança receba alimentação complementar saudável Idade de introdução e freqüência Composição e consistência Alimentação variada: Garantir os grupos de alimentos Cuidados de higiene 5. Alimentos processados 6. Ações do serviço de saúde que podem fortalecer a alimentação complementar 6.1 Ferro 6.2 Vitamina A 7. Situações especiais: Alimentação na criança não amamentada 8. Orientações importantes a de acordo com a idade da criança 9. Indicadores para avaliação da alimentação complementar 9. Dez passos para crianças menores de 2 anos

49 IMPLANTAÇÃO Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software Capacitações

50 Monitoramento e Avaliação

51 Coordenaçã ção o Geral da Política de Alimentaçã ção o e Nutriçã ção CGPAN/DAB/SAS/MS Telefone: (61) Site:

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO

Leia mais

PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA?

PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA? PORQUE É TÃO IMPORTANTE A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA? Nos 2(dois) anos da vida que se inicia, a criança está crescendo rápido e por isso necessita de uma alimentação saudável para

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

Leia mais

Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno I Encontro Nacional de Alimentação Complementar Saudável Gisele Ane Bortolini Jeanine Salve Política

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos MINISTÉRIO DA SAÚDE Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos Brasília DF 2010 Apresentação A alimentação saudável é fundamental para garantir a saúde e o

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS Quando o desmame não pôde ser revertido após orientações e acompanhamento dos profissionais ou em situações em que a

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007 AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Reunião Nacional 18/05/2007 Proposta do trabalho em grupo Construindo um Manual de Promoção da Alimentação Saudável em nível local Objetivos: Atualizar as ações

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos

Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos Orientações para alimentação saudável de crianças menores de dois anos 1-Por que crianças menores de 2 anos precisam de uma alimentação saudável? A criança menor de 2 anos está crescendo rápido e por isso

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA

Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA !"" Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA ESTRATÉGIA FOME ZERO Políticas Públicas 1) Estruturais: Geração de emprego e renda; Promoção da agricultura familiar; Intensificação da Reforma Agrária; Qualidade

Leia mais

Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF. Brasília - DF

Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF. Brasília - DF Seminário Regional do Programa Bolsa Família (PBF) - 2011 Acompanhamento das Condicionalidades da Saúde no PBF, Paulo Henrique M. Teixeira Coord. Atenção Primária Brasília - DF Apresentação do município

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL - CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA DO CONHECIMENTO JOSILENE RUBIA MURARA - CRN2 6832 LUIZE AMANDA SALVADOR CRN2 6112 INTRODUÇÃO Modificações na população brasileira vêm sendo objetivamente

Leia mais

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná Apresentação da Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição do Estado do Paraná Apresentação da Equipe Estadual Estado: PARANÁ Coordenadora: ADRIANE LEANDRO Equipe técnica: ADRIANE LEANDRO CÉLIA RATIGUIERI

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

Anamnese Alimentar Infantil

Anamnese Alimentar Infantil Anamnese Alimentar Infantil Identificação da Criança Nome do Aluno: Data de Nascimento: Tipo Sanguíneo: Refeições realizadas na escola: ( ) Colação ( ) Almoço ( ) Lanche Gravidez e Pós-Parto Com quantas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC TRAJETÓRIA HISTÓRICA e FINANCEIRA Déc. de 40 Instituto de Nutrição já defendia proposta para oferecer alimentação ao escolar.

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/ DAB/ SAS Ministério da Saúde Afinal, o que é Segurança Alimentar e Nutricional? Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Dez Passos para uma Alimentação Saudável Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos Álbum Seriado Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Guia Alimentar para

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica A anemia ferropriva representa, provavelmente, o problema nutricional mais importante da

Leia mais

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Seminário Frutas e Hortaliças Florianópolis/SC 07 de agosto de 2014 Câmara Intersetorial

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE. - 3 a Edição -

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE. - 3 a Edição - MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE - 3 a Edição - BRASILIA DF 2009 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

Ações Municipais de Nutrição e Educação Nutricional em Piracicaba. Denise Giacomo da Motta

Ações Municipais de Nutrição e Educação Nutricional em Piracicaba. Denise Giacomo da Motta Ações Municipais de Nutrição e Educação Nutricional em Piracicaba Denise Giacomo da Motta PIRACICABA População urbana: > 320.000 habitantes População rural: < 15.000 habitantes Renda per capita média R$

Leia mais

Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil

Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil Seminário de Obesidade Infantil Magnitude da obesidade na infância CENÁRIO NUTRICIONAL DO BRASIL EXCESSO DE PESO DESNUTRIÇÃO ENDEF

Leia mais

I ENCONTRO DE EXPERIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS EM PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

I ENCONTRO DE EXPERIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS EM PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL I ENCONTRO DE EXPERIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS EM PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Marcia Juliana Cardoso Bruna Negrelli 13 DE SETEMBRO DE 2012 SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA Secretaria Municipal

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Alimentação complementar. Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas

Alimentação complementar. Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas Alimentação complementar Prof. Orlando Antônio Pereira Faculdade de Ciências Médicas Unifenas Alimentação saudável O conhecimento correto e atualizado sobre a alimentação da criança é essencial para a

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista) [ ]

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Segurança alimentar e nutricional:

Segurança alimentar e nutricional: Segurança alimentar e nutricional: Políticas para a garantia da alimentação segura e saudável Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde/ Ministério

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO ESTADO DE PERNAMBUCO

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO ESTADO DE PERNAMBUCO Área Técnica de Alimentação e Nutrição Secretaria Estadual de Saúde - PE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO ESTADO DE PERNAMBUCO Brasília 2006 Objetivos Estimular prática de alimentação saudável nos ciclos

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Michelle Thiemi Miwa. Nutricionista Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Michelle Thiemi Miwa. Nutricionista Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Michelle Thiemi Miwa Nutricionista Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Entre os fatores que influenciam o crescimento e a saúde da criança, a alimentação

Leia mais

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/ DAPES /SAS

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL Artigo apresentado no IV Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2012-2 ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR DE CRIANÇAS DE 6 A 24 MESES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NO ESTADO NUTRICIONAL Ellen Rúbia de Oliveira e

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Ocupamos hoje esta tribuna para abordar um tema de grande importância para a infância brasileira. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) divulgou, recentemente,

Leia mais

SAÚDE DO ESCOLAR. Profa.Andrea Polo Galante

SAÚDE DO ESCOLAR. Profa.Andrea Polo Galante SAÚDE DO ESCOLAR Profa.Andrea Polo Galante CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO Missão Promover o desenvolvimento do ser humano por meio da educação e da saúde, segundo os valores camilianos. Ser uma organização

Leia mais

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br

Alimentação Escolar Saudável. Apresentação: Lidiane Farias lidianefarias@quas.com.br Alimentação Escolar Saudável 1. 2. 3. Agenda 4. 5. 6. A infância é o período no qual os hábitos alimentares são desenvolvidos. É uma fase onde as necessidades nutricionais estão aumentadas e devem ser

Leia mais

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN/ DAB/ SAS/ MS)

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A experiência das oficinas de reeducação alimentar na APS da SMS de Curitiba Angela C. Lucas de Oliveira

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional para a Alimentação Complementar Saudável Monitoramento da implementação da ENPACS: Passo a passo para facilitar a utilização do sistema de gerenciamento de implementação da ENPACS -

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

* 10 Passos para uma Alimentação Saudável. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* 10 Passos para uma Alimentação Saudável. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * 10 Passos para uma Alimentação Saudável * O ato da alimentação deve estar inserido no cotidiano das pessoas, como um evento agradável e de socialização 1 Fonte: GUIA ALIMENTAR DA POPULAÇÃO BRASILEIRA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Alimentação e Nutrição

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Alimentação e Nutrição MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília - DF 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE Política Nacional de Alimentação e Nutrição Brasília DF 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica

Leia mais

A partir do 2º mês oferecer 100 ml de. A partir do 4 o mês, ofereça novos. O leite deve ser oferecido a criança

A partir do 2º mês oferecer 100 ml de. A partir do 4 o mês, ofereça novos. O leite deve ser oferecido a criança CAPÍTULO 2 Introduzindo Outros Alimentos A partir do 2º mês de idade, outros alimentos deverão serem introduzidos na alimentação da criança. Dê preferência aos alimentos que são mais comuns em sua região

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional: o direito humano a alimentação adequada e o fortalecimento de vínculos familiares nos serviços socioassistenciais

Educação Alimentar e Nutricional: o direito humano a alimentação adequada e o fortalecimento de vínculos familiares nos serviços socioassistenciais Caderno de Atividades Educação Alimentar e Nutricional: o direito humano a alimentação adequada e o fortalecimento de vínculos familiares nos serviços socioassistenciais Caderno DE ATIVIDADES Educação

Leia mais

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas Educação e Saúde no Brasil Sem Miséria Eixos de

Leia mais

Política Nacional de Alimentação e Nutrição

Política Nacional de Alimentação e Nutrição ISBN 978-85-334-1911-7 MINISTÉRIO DA SAÚDE 1ª edição 1ª reimpressão Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Política Nacional de Alimentação

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo;

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Período Pós-Guerra 1914-1918 Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Brasil criticavam a falta de políticas de alimentação. 1923 Cartilha de higiene para uso

Leia mais

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Por que Investir na Primeira Infância Os retornos dos investimentos no desenvolvimento da primeira infância são altos, na medida em que

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito

SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito versão: Fevereiro/2013 Este documento tem o objetivo de orientar a navegação pelo ambiente restrito do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional

Leia mais