Estratégias de Globalização do Agronegócio Brasileiro: O caso Grupo Agrenco.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de Globalização do Agronegócio Brasileiro: O caso Grupo Agrenco."

Transcrição

1 Estratégias de Globalização do Agronegócio Brasileiro: O caso Grupo Agrenco. Autores: James T. C Wright, Daniel Estima de Carvalho e Renata Schirrmeister Contato: Introdução O desenvolvimento futuro do agronegócio de exportação brasileiro depende de sua capacidade em oferecer competitivamente seus produtos ao redor do mundo. O volume de exportações do agronegócio tem crescido fortemente nos últimos anos, mas muitos autores apontam que há uma forte redução da competitividade nacional, quando se passa da porteira para fora, quando se incorre nos elementos do chamando Custo Brasil. Em adição, o agronégocio brasileiro está fortemente concentrado em commodities e geralmente agrega pouco valor a seus produtos, que são adquiridos a preços baixos. Este trabalho mostra o processo de nascimento e estruturação de um grupo empresarial que passou a oferecer soluções integradas para levar commodities, de dentro de uma fazenda, até um cliente final na Europa ou na Ásia. A empresa estabeleceu uma cadeia de agregação de valor aos produtos, envolvendo assistência técnica, insumos, certificação de qualidade, rastrealibilidade, logística, armazenagem, financiamento, distribuição e vendas internacionais. O Grupo Agrenco, objeto do caso, foi formado pela transformação de um conjunto de empresas independentes em um grupo integrado capaz de oferecer soluções completas de serviços tanto para produtores agrícolas como para o comprador externo, no seu país de atuação. Com esta preposição de valor, o grupo vem crescendo sua operação a taxas superiores a 30% ao ano, vendendo produtos derivados de commodities com características especiais, e agregando serviços que estabelecem uma efetiva diferenciação para os clientes finais no Brasil e no Exterior. A implantação deste modelo exigiu a superação de um amplo leque de desafios estratégicos, incluindo a integração de culturas empresariais e nacionais distintas, a implantação de novas políticas de gestão de pessoas, a criação de processos e sistemas integrados, a segmentação de clientes e a operacionalização de um nova política comercial. A fase de formação: de negócios individuais a uma Aliança Estratégica No início da década dos 90, a visão de Antônio Iafelice, idealizador do futuro grupo era que haveria uma grande concentração de empresas em seu segmento, com a conseqüente desintermediação do setor. Foi identificada uma tendência de que tradings puras, que trabalham somente com a intermediação de mercadorias sem tomada de risco, iriam desaparecer, por não terem justificativa econômica para sua existência. Visualizou ainda que haveria uma desnacionalização do agronegócio (como já ocorrera nos EUA) e que corretores e intermediários que pouco agregavam à cadeia de valor dos produtos iriam também perder a sua função. Sua primeira resposta foi a criação de uma empresa com sede física na Europa, voltada à comercialização de grãos com características especiais, adotando uma estratégia de foco no 1.

2 atendimento a clientes de médio porte no continente europeu, que não eram adequadamente atendidos pelas grandes empresas do setor. O atendimento aos clientes europeus exigiu a articulação de uma rede de relacionamentos ao longo da cadeia de valor do agronegócio, envolvendo uma série de empresas oferecendo serviços diversos. De início, a estratégia destas empresas era trabalhar como intermediários, porém buscando agregar valor através de serviços e soluções aos clientes, além de buscar o resultado econômico no fluxo dos produtos em que estivessem envolvidos. Durante o ano 2000, um exercício de análise do ambiente competitivo realizado pelos sócios dessas empresas sugeriu que, seria mais vantajoso para cada empresa participar de uma Aliança prestando um serviço integrado, do que fazer seus negócios de forma independente. Atuando de forma isolada, cada empresa estaria concorrendo a cada momento por uma única parte da cadeia de valor, em um ambiente em que a tendência de desintermediação reduzia as margens progressivamente. Visando portanto realizar sinergias e prover soluções integradas em toda a cadeia de valor do agronegócio, foi formada uma Aliança Estratégica entre cinco empresas, abrangendo a prestação articulada de serviços comerciais, financeiros, logísticos e de comercialização de insumos. Todas as empresas possuíam especialidades diferentes, cada qual agregando valor em uma parte da cadeia, mas com características semelhantes: todas foram criadas na década de 90, a partir de iniciativas de seus empreendedores, e geridas como empresas familiares, com administração centralizada, diversos parentes e amigos contratados, sendo fortemente calcadas nas habilidades e relacionamentos pessoais de seus sócios, pessoas experientes do setor. A Aliança foi composta inicialmente pelo seguinte conjunto de empresas: Empresa internacional de corretagem (intermediação de operações) e distribuição de soja e farelo, com base na Europa, desde Prestadora de serviços na compra e venda de commodities (corretagem / intermediação), focada no contato com produtores na região Centro-Oeste, com um amplo cadastro de produtores de soja. Especialista em logística, fundada em 1996 por ex-integrantes da área de logística, de uma grande empresa agroindustrial, operava com a logística multimodal (rodoviária, ferroviária e fluvial), armazenagem e terminais marítimos. Empresa de supervisões e análises, parceira responsável pelas inspeções, análises e controle de qualidade de lavouras. Assessoria em transporte marítimo internacional e transbordo. Posteriormente outra corretora (focada no mercado nacional e Mercosul) e uma financeira (empresa que provê o suporte financeiro para originação de soja, buscando aproximar os produtores ao mercado externo) foram adicionadas à Aliança. As integrantes da Aliança buscaram focar em certos produtos dos quais tivessem maiores conhecimentos como oleaginosas e derivados, algodão em pluma e açúcar, e se basear em certos 2.

3 mercados aonde tivessem maior acesso, controle e conhecimento como é o caso do Brasil. Olhando para o fluxo abaixo (figura 1) numa das pontas está o produtor e na outra o consumidor, e assim, foram sendo incluídas na Aliança, empresas que suprissem eficiente e eficazmente os serviços necessários à realização das operações (logística, silos, fertilizantes como meio de troca, trade finance, originação e distribuição). Essas empresas e estes negócios tiveram por pilares: profissionais de alta competência que naquele determinado serviço, remuneração variável baseada nos resultados de cada empresa, ainda não correndo riscos comerciais e financeiros com produtos físicos, os quais pertenciam aos clientes que encomendassem a gestão dos serviços de diversas naturezas. Figura 1 Estrutura da Aliança Estratégica Ajuste a Mudanças do Ambiente Competitivo Dois anos mais tarde, a partir de um novo diagnóstico do ambiente competitivo, os planos das empresas integrantes da Aliança foram repensados. O diagnóstico do setor, feita com base na projeção futura das forças do ambiente de negócios, confirmou a tendência de que os membros da Aliança precisariam de um modelo mais integrado para atender aos desafios do mercado, conforme mostramos abaixo: Utilizando a abordagem de Porter (1986), pode-se estudar as perspectivas do setor através da análise das forças competitivas mais atuantes (Concorrentes, Clientes, Novos Entrantes e Novos Serviços e Tecnologias), interpretando-se as ações dos agentes envolvidos. 1. Ambiente Econômico A análise do ambiente macro-econômico, com o início do Governo Lula, permitiu um otimismo cauteloso em relação às perspectivas de curto e médio prazos. A expectativa de um início de governo responsável, logrando avanços modestos nas áreas previdenciária e tributária foi confirmada, e a política econômica não apresentou grandes transformações. A necessidade de equilibrar o balanço de pagamentos do país, com a redução dos investimentos estrangeiros diretos do patamar recente de mais de 20 bilhões de dólares/ano para valores de 3.

4 cerca de 10 bilhões de dólares/ano, demandava a necessidade de obtenção de superávits comerciais crescentes. A obrigação de melhorar a distribuição de renda e retomar o crescimento impôs um grande esforço de exportação, com o apoio na agricultura para contribuir gerando divisas, emprego e desenvolvimento das pequenas e médias propriedades. Tal tendência favorecia o negócio exportador e as oportunidades de originação da produção agrícola no país. A análise do ambiente competitivo mostrou que o modelo de negócio, de intermediação entre comprador e vendedor sem tomada de risco, adotado pelas empresas da Aliança ao longo dos últimos 10 anos era um modelo que seria crescentemente desafiado. A concorrência já definia claramente que se deveria buscar produtos agroindustriais com diferenciação como o GMO-free, orgânicos, produtos com certificação de origem, garantia de qualidade e certificação com respeito ao meio ambiente, aos trabalhadores e à vida animal. 2. Concorrentes Os trabalhos de diagnóstico apontaram que os concorrentes da Aliança já estavam efetivamente buscando oferecer um leque mais completo e articulado de soluções, e procurando identificar nichos mais rentáveis de mercados, o que competia diretamente com os propósitos das empresas da Aliança. Algumas ações dos concorrentes que evidenciavam a busca cada vez maior por soluções completas e integradas na prestação de serviços em agronegócio foram as seguintes: Interiorização dos armazéns, aprimoramento de terminais logísticos próprios e renovação de frotas (rodoviária, hidroviária e ferroviária) buscando maior eficiência na tecnologia logística e benefícios fiscais e tributários nas associações de empresas. Esforços na associação de empresas transportadoras, terceirizações crescentes de armazéns e de frotas, serviços financeiros, com pré-financiamento da produção e hedge (financeiro, cambial e de produto). As inovações da concorrência envolviam ainda o estímulo à tecnologia de produção na agricultura, o investimento em novas vias de escoamento, como Santarém, oferta integrada de insumos (sementes, financiamento, defensivos e fertilizantes) e ampliação e modernização de rede de distribuição e plantas industriais de processamento. 3. Novos entrantes Uma vez reconhecidas as necessidades e oportunidades do mercado global, e estimulado crescentemente o esforço nacional de exportação, esperava-se um incremento da quantidade de concorrentes que passarão a atuar no setor, além das grandes traders tradicionais de grãos. Foram identificados como possíveis novos concorrentes no setor: Antigos corretores de grãos, de fretes ou mesmo financeiros, que buscariam ampliar o leque de produtos oferecidos, face à ameaça da desintermediação crescente. Empresas de transporte e logística que já detinham grande parte da infra-estrutura física e operacional necessária. Tradings nacionais e internacionais passariam a concorrer, assim como produtoras de insumos como defensivos, sementes e fertilizantes. 4.

5 4. Fornecedores e tecnologia Os produtores de soja caracterizavam-se por um bom nível tecnológico e uma grande eficiência na produção agrícola (já na produção de algodão, foi visto que a tecnologia de tratos pós-colheita carecia de aprimoramentos significativos). Contavam com capacidade de armazenagem própria, para parte de suas necessidades, e procuravam manter uma relação de autonomia, buscando relações apenas comerciais com os demais agentes da cadeia produtiva. Nas análises foi identificado que estavam surgindo iniciativas de exploração em condomínios de alguns ativos (por exemplo, armazenagem) mas, ainda com pouca integração. Os avanços significativos nas áreas de tecnologia agrícola, uso da informação de mercado e integração via internet apontaram para uma sofisticação crescente com relação ao planejamento e ao timing das ações comerciais, uma percepção do potencial de acesso direto aos mercados (desintermediação) e da maior possibilidade de ação integrada, por exemplo em condomínios de armazenagem, compra de insumos, venda, financiamento etc.. Concluiu-se que havia um espaço importante de articulação com os produtores, que deveria ser ocupado, e que envolveria um compartilhamento dos benefícios decorrentes da maior integração da cadeia de valor. 5. Clientes compradores O cliente final do grupo é formado por indústrias processadoras de cereais e fibras, assim como consumidores de rações e derivados de produtos agropecuários. Estes clientes apresentam um nível de exigência crescente com relação à qualidade, confiabilidade e rastreabilidade dos produtos comprados. A demanda por serviços agregados aos produtos vem aumentando significativamente, mas os prêmios pagos por características e serviços especiais não têm apresentado evolução tão significativa, tornando o mercado cada vez mais competitivo. Com relação ao ambiente interno, verificou-se que todas as pequenas empresas componentes da Aliança superavam as expectativas de crescimento dos próprios sócios, e começou a ficar evidente a necessidade de se criar uma cultura, procedimentos e comportamentos comuns, já que existiam notadamente diferenças de cultura e de ação fundamentais entre elementos chaves do círculo interno da Aliança. Com o crescimento das empresas acabou-se por ter estruturas duplicadas, o que acarretavam em custos altos para o mercado, e serviços que deixavam a desejar, por falta dessa integração de processos que não havia sido trabalhada até então. 5.

6 Formulação da Estratégia A partir do diagnóstico do ambiente competitivo concluiu-se que a dinâmica competitiva do setor exportador de grãos exigia um desempenho cada vez melhor das empresas que nele atuam. As empresas de destaque precisavam atuar de forma dinâmica e transparente usando tecnologias modernas para atender as exigências cada vez maiores dos consumidores e clientes nos países desenvolvidos. Além disso, a necessidade crescente de exportação do país, a tendência à redução das margens da intermediação tradicional e o crescimento dos investimentos necessários para oferecer soluções que atendam aos clientes tornavam o ambiente competitivo do setor cada vez mais agressivo, tecnificado e disputado, e qualificação técnica e competência empresarial são requisitos mínimos para disputar o mercado. A análise do contexto mostrou aos os dirigentes das empresas da Aliança que o número de agentes econômicos intermediários diminuiu e as pontas de produção e consumo, menos preparadas para esse comércio, somente participariam da operação se os riscos inerentes ao Brasil fossem assumidos por um dos agentes articuladores da cadeia de valor. E isto, embora representasse uma evolução natural do negócio, era totalmente diferente da cultura dos parceiros da Aliança, habituados a trabalhar sem correr riscos comerciais ou financeiros. Verificou-se portanto a necessidade de uma estratégia de fornecimento de soluções integradas, unindo as pontas da cadeia de valor, criando uma zona de geração de valor com base na aproximação entre produtores e clientes finais por meio de um modelo de lucro baseado em múltiplos componentes de serviços integrados (Slywotzky, 1998). Desta forma, para direcionar sua gestão estratégica e disputar este mercado, as empresas integrantes da Aliança decidiram estruturar-se formalmente em grupo, oferecendo soluções integradas para o agronegócio global e tornando-se um agente de desenvolvimento do setor. Neste realinhamento, foi definido que a estratégia do grupo se basearia na diferenciação e foco nos clientes. Buscou-se utilizar as competências fundamentais e ativos estratégicos do grupo para oferecer soluções integradas no agronegócio global. Os serviços oferecidos integrariam os produtores latino-americanos ao mercado europeu e asiático e agregariam valor às duas partes, agora chamadas Cliente-Vendedor e Cliente-Comprador. Além de um atendimento diferenciado, com proximidade e acompanhamento do produto por vezes desde a compra de sementes, até a entrega ao cliente final, sempre com produtos de características especiais, de acordo as necessidades dos clientes, com confiabilidade e agilidade. A Implementação da Mudança Como parte da estratégia de implantação da mudança, foi criado um conjunto de Projetos de Mudança Estratégica para o desenvolvimento dos novos processos e produtos. Conforme a visão de Prastacos et alli (2002) a mudança no novo ambiente competitivo envolve transformações na estratégia, na tecnologia, na estrutura, nos processos, na gestão de pessoas e nas relações com os clientes. 6.

7 Os principais projetos criados foram os seguintes: Logística. Foi elaborado um plano para ampliar e melhor capacitar a estrutura logística de armazéns, transbordo e terminais portuários possibilitando atender novos clientes, atuando com maiores volumes e aumentando a participação no mercado do grupo. Sistema de Informações Gerenciais. Foi desenvolvida uma série de relatórios gerenciais para agilizar e melhorar a qualidade de decisão, especialmente na área de controladoria, que iria efetuar a consolidação financeira de todo o grupo. Qualidade. Diante do crescimento do grupo, era fundamental aprimorar os processos e implantar padrões crescentes de qualidade e produtividade, integrando todos os participantes da cadeia de valor do grupo, em sintonia ao projeto de sistema de informações gerenciais. Os participantes desenvolveram estudos na área de qualidade, e difundiram o conhecimento para as diversas áreas da empresa. Desenvolvimento de novos negócios. Para desenvolver uma expansão comercial consistente, foi desenvolvida uma nova estrutura de marketing, baseado em gerenciamento por contas-chave (Key-accounts), concentrando informações e atendimento, através da divisão de clientes e tarefas, para desta forma atender mais adequadamente às necessidades dos mesmos, de acordo com a estratégia do grupo. Dentro de sua nova estratégia de vender soluções, o grupo desenvolveu e integrou todos os produtos que eram vendidos pelas empresas, inclusive fertilizantes utilizado no financiamento ao produtor, e adicionalmente passou a desenvolver a venda de grãos com posição própria - tomando o risco da operação e não mais se limitando à intermediação, com entrega no cliente final. Recursos Humanos. O quadro de pessoal das empresas independentes não possuía o menor grau de organização, e com a criação do grupo naturalmente tornar-se-ia cada vez mais caótico. Equalização de cargos e salários, planejamento para contratação, desenvolvimento e demissão e demais políticas de Recursos Humanos eram itens inexistentes. Iniciou-se o desenvolvimento de políticas de RH alinhadas às propostas do grupo. Comunicação. Foram criados sistemas de comunicação interna e externa, transmitindo transparência e envolvimento da corporação com seus funcionários, fornecedores e acionistas, além de permitir que todos compreendessem a ética, a estratégia e a política interna e externa do grupo, para uma marca forte junto ao mercado. Paralelamente aos Projetos de Mudança Estratégica, foi desenvolvido e implantado, durante o ano de 2003, um sistema ERP para viabilizar o planejamento e controle das operações, com atendimento às necessidades de serviços e informações ao grupo e aos clientes e, ainda, uma nova estrutura organizacional para o grupo. A implantação do ERP trouxe maior controle e agilidade com o apoio ao planejamento de novos negócios evitando o desgaste operacional, diminuindo o 7.

8 custo, acabando com a lentidão em toda cadeia e tornando-a mais segura. Adicionalmente, oferece à gerência uma visão mais rápida e completa dos negócios, promovendo qualidade nas decisões e facilitando o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e o processo decisório. Para viabilizar a implantação do ERP e ainda a nova estrutura organizacional, baseada em processos, que estava sendo concebida, foi realizado um mapeamento detalhado dos processos do grupo. Os processos passaram por uma profunda modificação. A fusão foi efetivada através da concepção de uma nova estrutura organizacional, baseada em seus macroprocessos: 1. Compras (Originação) 2. Tecnologia e Qualidade 3. Logística Nacional e Internacional 4. Marketing, Vendas e Suporte ao Cliente 5. Vendas de Produtos Financeiros (financiamento aos produtores) 6. Apoio (áreas de Tesouraria, Recursos Humanos, Contabilidade, TI, Jurídico etc.) A implementação de uma gestão por processos foi considerada essencial para permitir atingir o nível de padronização, qualidade e controle exigido pelo padrão de competitividade almejado. Esta implementação requereu duas etapas de detalhamento dos processos com atividades, tempos, prazos, relatórios, informações e responsabilidades, definindo-se inicialmente a situação presente de cada processo, para a seguir fazer nova análise co ma proposta de um processo otimizado, conforme preconizado por Hammer (2002). Como Davenport (1994) coloca, (...) são necessários altos níveis de coordenação interfuncional para que o processo funcione. Os altos níveis de cooperação interfuncional são essenciais também em todas as etapas da reengenharia de processos. O êxito do projeto e da implementação de processos pode depender de conhecimentos associados aos sistemas de informação, recursos humanos, finanças e gerenciamento geral, bem como do próprio processo. (Reengenharia de Processos, 1994, p. 356). Com a finalidade de viabilizar a operação por processos, foi criada uma primeira estrutura organizacional para o grupo, articulando Unidades de Negócio e Processos. A nova estrutura organizacional elaborada pode ser visualizada como segue: 8.

9 Figura 2 Estrutura Organizacional do Grupo Agrenco Os diretores de unidades de negócio receberam como papéis elaborar o planejamento estratégico das unidades, estabelecer as metas estratégicas para sua unidade, implementar as ações planejadas e buscar as metas de resultados do negócio. Os gerentes de processos receberam como atribuições, definir e gerenciar atividades e pessoal, fornecer as informações necessárias para o processo com fontes, prazos e conteúdo, definir informações a serem produzidas; para clientes internos e externos, definir e acompanhar indicadores de desempenho, propor e atingir metas dos processos, liderar e supervisionar as equipes e aprimorar o desempenho dos processos. Comentários Finais O principal choque cultural ocorrido com a formação da corporação foi o processo de profissionalização organizacional. Antes da formação do grupo, as empresas da Aliança possuíam uma forma de gestão familiar, com inexistência de planejamento formal: instabilidade nas decisões, administração voltada para o dia-a-dia e solução de problemas, no lugar da previsão dos mesmos; a hierarquia e os papéis de cada pessoa não eram claros, trazendo problemas de comunicação. As empresas estavam 9.

10 fortemente calcadas nas habilidades pessoais de seus dirigentes e colaboradores individuais, que eram figuras indispensáveis dentro dos processos das empresas. Com a criação da corporação, a fusão dos processos e a formação das unidades de negócio, os antigos hábitos foram rompidos e substituídos, durante o ano de 2003, por formas mais estruturadas de condução da vida empresarial e menos dependentes de capacidades individuais. Com a criação dos projetos de mudanças, iniciou-se uma aculturação de hábitos de planejamento, reforçada com a introdução do ERP, que requereu em si toda uma análise, reformulação e formalização dos processos, e fornece suporte para aprimorar a qualidade de decisão. Planejamento, criação de metas para todos os níveis da organização, revisão de processos, qualidade, criação de políticas e procedimentos em todos os setores, contratação de gerentes com melhor formação, reforma do espaço físico, reorganização de funções e linhas de hierarquia e, ainda, a implantação do ERP. Tudo isso realizado durante o ano de 2003 implicou em um desafio bastante difícil tanto para os dirigentes como para todos os colaboradores, pois, como Davenport (1994) escreve, para qualquer processo dado, o ciclo de projeto e implementação do processo pode levar, facilmente, dois anos (Reengenharia de Processos, 1994, p. 356). Com o final desta fase de transição, o grupo entrou, em 2004, no segundo ano da implantação da mudança, uma fase mais estável de consolidação, onde as políticas gerais da empresa estão melhor estruturadas, os projetos de mudança seriam plenamente implementados e finalmente ocorreria a consolidação de toda a estrutura, agora organizada de forma mais profissional, alavancando a competitividade do grupo em agregar valor às commodities agrícolas do Brasil. Referências: DAVENPORT, Thomas H. Reengenharia de Processos. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Campus, HAMMER, Michael Agenda: o que as empresas devem fazer para dominar esta década. Trad. Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Campus, PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de Indústrias e da Concorrência. Trad. Elizabeth Maria de Pinho Braga. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Campus, PRASTACOS, Gregory et alli. An Integrated Framework for Managing Change in the New Competitive Landscape. European Management Journal Vol. 20 N.1, Fevereiro SLYWOTZKY, Adrian J.; Morrison, David J. A Estratégia Focada no Lucro: Profit Zone: Desvendando os Segredos da Lucratividade. Trad. Ana Beatriz Rodrigues. Rio de Janeiro: Campus,

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil Tendências e Estratégias do AgroDistribuidor Matheus Alberto Cônsoli, PhD 29 de Julho de 2013 www.agrodistribuidor.com.br

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Rosemary Gomes FASE/FBES/FACES/RIPESS rgomes@fase.org.br Economia solidária : elementos para uma definição Atividades econômicas

Leia mais

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Geral Executiva Nome da Miracema-Nuodex

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

OBJETIVO: Dar a reflexão aos participantes sobre as políticas de otimização de custos na agência em tempos de recessão.

OBJETIVO: Dar a reflexão aos participantes sobre as políticas de otimização de custos na agência em tempos de recessão. 5. Gestão Econômica e Finanças 5.1 Otimização de custos em agências de viagens INSTRUTOR(A): Carlos Silvério CARGA HORÁRIA: 4 Horas Agentes de viagens em geral. Dar a reflexão aos participantes sobre as

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais