Anderson Tiago Peixoto Gonçalves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anderson Tiago Peixoto Gonçalves"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO Anderson Tiago Peixoto Gonçalves Implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte: Estudo de caso em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. Trabalho de Conclusão de Curso. Área: Logística João Pessoa Agosto de 2008.

2 2 Anderson Tiago Peixoto Gonçalves Implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte: Estudo de caso em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado à Coordenação do Serviço de Estágio Supervisionado em Administração, do Curso de Graduação em Administração, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal da Paraíba, em cumprimento às Exigências para a Obtenção do Grau de Bacharel em Administração. Orientadora: Maria Valéria Pereira de Araújo. João Pessoa Agosto de 2008.

3 3 À Professora Maria Valéria Pereira de Araújo, solicitamos examinar e emitir parecer no Trabalho de Conclusão de Curso do aluno Anderson Tiago Peixoto Gonçalves. João Pessoa, 22 de Agosto de Prof. Carlos Eduardo Cavalcante Coordenador do SESA/CCSA/UFPB Parecer do Professor Orientador:

4 4 Anderson Tiago Peixoto Gonçalves Implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte: Estudo de caso em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. Trabalho de Conclusão de Curso Aprovado em: / / Banca examinadora: Prof a. Drª. Maria Valéria Pereira de Araújo Orientadora Prof. Ms. Jailson Ribeiro de Oliveira Examinador (a) Prof a. Ms. Nadja Valéria Pinheiro Examinador (a)

5 5 GONÇALVES, Anderson Tiago Peixoto. Implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte: Estudo de caso em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. f. Monografia (Curso de Graduação em Administração), Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, RESUMO Atualmente, com o crescimento da competitividade e das exigências do mercado, diversas empresas, seja no atacado ou no varejo, vêm fazendo uso de Centros de Distribuição, os quais passaram a ser vistos como possíveis diferenciais estratégicos para que sejam alcançadas vantagens competitivas, pois as empresas estão muito niveladas no aspecto tecnológico, e o investimento em logística tem se mostrado como um dos principais fatores para a sobrevivência das empresas no mercado. Logo, o presente trabalho objetivou estudar as implicações da utilização de Centros de Distribuição CDs na Logística de Armazenamento e Transporte em uma grande empresa varejista de João Pessoa PB. A revisão da literatura existente municiou a base teórica sobre a atividade logística, a gestão de estoques, a logística de transportes, as tecnologias da informação e comunicação utilizadas na logística, os indicadores de desempenho logístico, como também os principais conceitos sobre centros de distribuição. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e de análise documental. Os resultados da pesquisa provam que a utilização de Centros de Distribuição causa impacto diretamente na redução de custos de estoque e no aumento dos níveis de serviço logístico devido à dinamização e à otimização dos processos. Palavras-chaves: Competitividade. Centros de Distribuição. Diferenciais estratégicos. Logística.

6 6 GONÇALVES, Anderson Tiago Peixoto. Implications of the use of Centers of Distribution CDs in Logistic of Storage and the Transport: Study of case in a great retail company of João Pessoa - PB. f. Monograph (Graduation in Administration), Federal University of Paraíba, João Pessoa, ABSTRACT Currently, with the growth of the competitiveness and the requirements of the market, diverse companies, either in the attacked one or the retail, come making use of Centers of Distribution, which had passed to be seen as possible strategical differentials so that competitive advantages are reached, therefore the companies very are leveled in the technological aspect, and the investment in logistic if has shown as one of the main factors for the survival of the companies in the market. Soon, the present work objectified to study the implications of the use of Centers of Distribution - CDs in Logistic of Storage and the Transport in a great retail company of João Pessoa - PB. The revision of existing literature helped the theoretical base on the logistic activity, the management of supplies, the logistic one of transports, the technologies of the used information and communication in the logistic one, the pointers of logistic performance, as well as the main concepts on distribution centers. The data had been collected by means of interviews and of documentary analysis. The results of the research prove that the use Centers of Distribution cause impact directly in the reduction of supply costs and in the increase of the levels of logistic service due to agilities and the improvement of the processes. Key-words: Competitiveness. Centers of Distribution. Strategical differentials. Logistic.

7 7 LISTA DE SIGLAS ABRAS - Associação Brasileira de Supermercados ASLOG Associação Brasileira de Logística CD Centro de Distribuição EAN European Article Numbering ECR Efficient Consumer Response (Resposta Eficiente ao Consumidor) EDI Eletronic Data Interchange (Intercâmbio Eletrônico de Dados) ERP Enterprise Resource Planing (Sistema Integrado de Gestão Empresarial) IMAM - Inovação e Melhoramento na Administração Moderna MRP Material Requeriment Planing (Planejamento das Necessidades de Materiais) MRPII Manufacturing Consumer Response (Planejamento de Recursos de Manufatura) RFID - Radio Frequency Identification (Etiqueta Inteligente / Eletrônica) SCM Supply Chain Management (Logística Integrada) WCS Warehouse Control System (Sistema de Controle de Armazéns) WMS Warehouse Management System (Sistema de Gerenciamento de Armazéns) TI Tecnologia da Informação UCC Uniform Code Council

8 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Elementos básicos da Logística Figura 2 - A armazenagem e o conceito de Logística Integrada Figura 3 - Mudança de missão na atividade de armazenagem Figura 4 - Operações básicas do processo de armazenagem Figura 5 - A-Frame Figura 6 - Sistema Picking by-light Quadro 1 - Custos Diretamente Proporcionais Quadro 2 - Funcionalidades da Informação. 37 Figura 7 - Estrutura do código EAN Figura 8 - Modelos de coletores de dados Quadro 3 - Pesquisa de indicadores de desempenho logístico Brasileiro Quadro 4 - Pesquisa de indicadores de desempenho logístico Brasileiro Figura 9 - Centro de Distribuição Figura 10 - Porta-pallets Figura 11 - Funções básicas do CD Quadro 5 - Variáveis da Pesquisa Figura 12 - Processo de armazenagem do CD Figura 13 - Pallets Figura 14 - Paleteira Figura 15 - Empilhadeira Figura 16 - Porta-pallets convencional Figura 17 - Porta-pallets drive-in Figura 18 - Cargas verticalizadas Figura 19 - Processo de expedição Figura 20 - Doca de expedição Quadro 6 - Indicadores de desempenho... 81

9 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS DO ESTUDO Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONTEXTUALIZANDO A LOGÍSTICA GESTÃO DE ESTOQUE: UMA BREVE REVISÃO SOBRE SEUS CONCEITOS Organização de Armazéns Custos de Estoque Níveis de Serviço Logístico LOGÍSTICA DE TRANSPORTES TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA Utilização do Código de Barras Sistema de Gerenciamento de Armazéns Etiqueta Inteligente / Eletrônica Outros Sistemas de Informação utilizados na Logística INDICADORES DE DESEMPENHO LOGÍSTICO CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO CDs PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS TIPO DE PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE SUJEITOS DA PESQUISA COLETA DE DADOS VARIÁVEIS DA PESQUISA INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS AVALIAÇÃO DO PROCESSO LOGÍSTICO DE ARMAZENAMENTO DO CD Processos de armazenamento e movimentação interna de produtos Política de estoque Níveis de estoque Custos totais de estoque Gerenciamento de informações ESTUDO DOS IMPACTOS DA CRIAÇÃO DO CD NO DESEMPENHO DO 74 PROCESSO LOGÍSTICO DE TRANSPORTE Processos de expedição e transporte Custos de transporte Influência do transporte nos níveis de serviço logístico CONHECIMENTO DO NÍVEL DE IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO... 79

10 10 5. CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS LIMITAÇÕES DO ESTUDO RECOMENDAÇÕES SUGESTÕES DE PESQUISAS FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice I Roteiro de entrevista ANEXOS Anexo I Fotos do Centro de Distribuição... 95

11 11 1. INTRODUÇÃO O presente documento consiste no Trabalho de Conclusão de Curso TCC de Bacharelado em Administração da Universidade Federal da Paraíba UFPB/Campus I, em cumprimento à disciplina Estágio Supervisionado II e atendendo a resolução 307/66 MEC, como requisito obrigatório para obtenção do grau de Bacharel em Administração, ao Serviço de Estágio Supervisionado em Administração SESA do Centro de Ciências Sociais Aplicadas CCSA da UFPB. A pesquisa aqui apresentada decorre acerca da área de Logística com ênfase nas Implicações da Utilização de Centros de Distribuição em empresas varejistas. Atualmente, com o crescimento da competitividade e das exigências do mercado, diversas empresas, seja no atacado ou no varejo, vêm fazendo uso de Centros de Distribuição. Eles passaram a ser vistos como possíveis diferenciais estratégicos para que sejam alcançadas vantagens competitivas, pois causam impactos, diretamente, na logística de armazenamento e transporte das empresas. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é estudar as implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte, um estudo de caso realizado em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. Ainda neste capítulo introdutório, apresentam-se a delimitação do tema e formulação do problema de pesquisa, a justificativa e os objetivos geral e específicos para o presente estudo. O segundo capítulo é dedicado à fundamentação teórica com referência aos teóricos relacionados à pesquisa, ele é dividido em seis partes: Contextualizando a Logística; Gestão de estoque: uma breve revisão sobre seus conceitos; Logística de Transportes; Tecnologia da Informação e Comunicação aplicada à Logística; Indicadores de Desempenho Logístico; e Centros de Distribuição CDs. O terceiro capítulo trata dos procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, descrevendo o tipo de pesquisa, a caracterização do ambiente estudado, bem como os sujeitos de pesquisa, os procedimentos de coleta dos dados, as variáveis estudadas, os instrumentos de coleta de dados utilizados e a forma de tratamento dos dados. A análise e interpretação dos dados da pesquisa são apresentadas no capítulo quatro. O quinto capítulo compreende a conclusão da pesquisa, apresentando as considerações finais, limitações do estudo, recomendações e sugestões para pesquisas futuras.

12 DELIMITAÇÃO DO TEMA E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA A Logística tem se mostrado, ao longo dos anos, uma área de grande importância para as empresas, principalmente para as do ramo varejista, pois ela é responsável pelas principais operações deste setor empresarial. O contexto competitivo atual em que se insere o setor varejista tem proporcionado uma busca incessante por processos, operações e alternativas que melhorem o desempenho logístico, como também diminuam os custos e melhorem o nível de atendimento aos clientes. Com o advento do conceito de Logística Integrada, no qual o cliente passou a ser o foco central, há uma grande movimentação por parte das empresas para atender às exigências dos consumidores. Sendo assim, é notável o crescimento da utilização de Centros de Distribuição por empresas do setor varejista como uma alternativa que pode contribuir tanto para a redução de custos quanto para o aumento dos níveis de serviço, ou seja, um meio de melhorar o desempenho logístico. Os impactos mais notáveis na utilização de Centros de Distribuição dão-se na logística de armazenamento, causado pela centralização dos estoques em um único depósito, diferente do que ocorria antigamente, quando muitas empresas tinham depósitos anexados aos pontos de venda. Com essa mudança na Gestão de Estoques, as empresas têm mais bem controlados seus estoques, e, consequentemente, têm atendido seus clientes com maior agilidade e rapidez, contando, ainda, com o auxílio de sistemas de informação logísticos cada vez mais avançados. A utilização de Centros de Distribuição por proporcionar disponibilidade imediata dos produtos e maior flexibilidade nas operações, é visto, também, como uma forma de agregar valor ao produto vendido. Eles podem manter o estoque necessário para controlar e equilibrar as variações entre o planejamento de vendas e a demanda, como também, permitem acumular e consolidar produtos de vários pontos de fabricação de uma ou de várias empresas, combinando o carregamento para vários clientes ou destinos comuns. Segundo Guimarães (2006) investir em Centro de Distribuição deixou de ser uma questão operacional para se tornar uma questão estratégica. Guimarães (2006) diz, ainda, que os benefícios na utilização de Centros de distribuição são inúmeros: redução dos estoques e da estrutura de retaguarda nas lojas, redução na falta de produtos, eliminação de atividades que só agregam custos, otimização no

13 13 carregamento de cargas, maior eficiência operacional de toda a rede, entregas paletizadas e centralizadas. A utilização de um CD tende a racionalizar os níveis de estoques contribuindo para a redução do custo logístico total, pois o estoque centralizado permite acompanhar melhor seu nível e controlar as necessidades de reabastecimento. A respeito do papel dos Centros de Distribuição, Moura (2000) considera: a principal finalidade dos CDs consiste em oferecer melhores níveis de serviço ao cliente, através da redução do lead time (tempo de ressuprimento) pela disponibilidade dos produtos o mais próximo do ponto de venda, na localização geográfica junto ao principal mercado consumidor, oferecendo condições para agilizar o atendimento dos pedidos. Através desse nível de serviço a empresa pode aumentar sua participação no mercado (aumento de market share) e também consolidar sua imagem no mercado. Nesta ótica, pretende-se estudar o seguinte problema: quais as implicações da utilização de Centros de Distribuição na Logística de armazenamento e transporte em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB?

14 JUSTIFICATIVA A busca pela redução de custos, aumento do nível de serviço, melhor utilização de recursos, e eficiência nas operações, tem sido alvo das empresas como medidas estratégicas necessárias dentro de um mercado altamente competitivo, e, uma das alternativas adotadas para se atingir resultados tem sido a utilização de Centros de Distribuição para o armazenamento de produtos. Os Centros de Distribuição podem representar uma ótima saída para a Gestão de Estoques, são capazes de ajudar à empresa a conquistar uma posição num mercado cada vez mais competitivo e exigente, principalmente no que diz respeito aos níveis de serviço. Sendo assim, este estudo das implicações da utilização de Centros de Distribuição - CDs na Logística de Armazenamento e Transporte, poderá proporcionar às empresas o conhecimento das diversas vantagens para a atividade logística ao adotar esta alternativa, através da coleta de dados e exposição de informações relevantes sobre a gestão, a organização e resultados da sua adoção em uma grande empresa varejista de João Pessoa - PB. Todas as mudanças ocorridas com a implantação do CD serão analisadas e avaliadas como forma de melhor conhecer as diferenças nas atividades de estoque e distribuição de produtos. A pesquisa auxiliará as empresas a adotarem uma nova estratégia na sua Gestão de Logística de armazenamento e transporte, como também para tomarem medidas que venham trazer-lhes vantagens e benefícios aos seus negócios. Tendo em vista que tal tema não possui muitos estudos realizados faz-se necessário uma ampliação do conhecimento científico a respeito dele, por se tratar de uma temática de interesse ao campo da Administração e mais especificamente da Gestão Logística Empresarial, visto que a mesma precisa de um maior aprofundamento no saber a cerca de alternativas que melhoram o seu desempenho. Este estudo também leva em conta que a Logística se tornou um assunto complexo até mesmo para os profissionais e gestores mais qualificados e experientes do mercado, independente do segmento ou ramo de atuação. E o mercado tem se mostrado cada vez mais dinâmico, com mudanças ocorrendo a todo o momento, logo há fenômenos que devem ser estudados, e nada mais valioso do que conhecer uma empresa que modificou sua Gestão e obteve sucesso, isto é, a realização de uma pesquisa empírica.

15 15 Segundo Oliveira (1997, p.52) o empirismo contribui para o alcance da única fonte de novos conhecimentos que é a experiência recebida e experimentada pelos nossos sentidos. Assim, o estudo das implicações da utilização de Centros de Distribuição na Logística de Armazenamento e Transporte é justificado. A realização deste trabalho atende, ainda, como requisito básico de uma pesquisa científica para a conclusão do curso de Bacharel em Administração da Universidade Federal da Paraíba, e será de grande relevância para o pesquisador, pois irá contribuir para seu aperfeiçoamento nesta temática.

16 OBJETIVOS DO ESTUDO Objetivo Geral Estudar as implicações da utilização de Centros de Distribuição na Logística de armazenamento e transporte em uma grande empresa varejista de João Pessoa PB Objetivos Específicos - conhecer o nível de importância e os motivos da utilização do Centro de Distribuição; - avaliar o processo logístico de armazenamento do CD; e - estudar os impactos da criação do CD no desempenho do processo logístico de transporte.

17 17 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação teórica limita-se à apresentação dos principais conceitos teóricos necessários ao desenvolvimento deste trabalho. Para isto ela está dividida em seis partes: Contextualizando a Logística; Gestão de estoque: uma breve revisão sobre seus conceitos; Logística de Transportes; Tecnologia da Informação e Comunicação aplicada à Logística; Indicadores de Desempenho Logístico; e Centros de Distribuição CDs CONTEXTUALIZANDO A LOGÍSTICA A atividade logística existe desde a década de 40, sendo exercida, primeiramente, pelo exército dos EUA, estava relacionada ao abastecimento, ou melhor, garantir o abastecimento de toda a tropa norte-americana na 2ª Guerra Mundial, compreendia desde a aquisição dos materiais, até sua distribuição no local correto e na hora desejada. Há alguns anos atrás, o termo logística era associado meramente ao transporte de mercadorias e à distribuição física, mas o seu conceito evoluiu passando a existir a integração das diversas áreas envolvidas na produção, layout de armazéns, alocação de produtos em depósito, transporte, distribuição, seleção de fornecedores e clientes, nascendo, assim, o que é conhecido como supply chain ou logística integrada. Sobre o conceito de Logística, Ching (2006, p. 18) considera que: a logística moderna deve abranger toda a movimentação de materiais, interna e externa à empresa, incluindo chegada de matéria-prima, estoques, produção e distribuição até o momento em que o produto é colocado nas prateleiras à disposição do consumidor final. A logística deve ser a interface entre as áreas responsáveis por essas atividades. Atualmente, muitos crêem que a logística é um fator primordial para definir o sucesso ou insucesso nas organizações, porém, percebe-se que pouco se sabe sobre a atividade logística e como ela pode contribuir para que os objetivos das organizações sejam alcançados. Ballou (1993, p. 24), quanto à definição de Logística Empresarial, diz: ela trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo dos produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados.

18 18 Christopher (2002, p. 2) afirma que o conceito principal de Logística poderia ser: é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informação) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Ferraes Neto e Kuehne Junior (2002, p.40) falam que a Logística pode ser definida como sendo a junção de quatro atividades básicas: aquisição, movimentação, armazenagem e entrega de produtos. Logística: Segundo o Council of Logistic Management (apud NOVAES, 2004, p. 35): logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. Para Novaes (2004, p.36), a respeito do processo logístico: os fluxos associados à Logística, envolvendo também a armazenagem de matériaprima, dos materiais em processamento e dos produtos acabados, percorrem todo o processo, indo desde os fornecedores, passando pela fabricação, seguindo desta ao varejista, para atingir finalmente o consumidor final, o alvo principal de toda a cadeia de suprimento. Além do fluxo de materiais, há também o fluxo de dinheiro. Há também fluxo de informações em todo o processo. Esse fluxo de informações corre nos dois sentidos, começando com o consumidor final do produto e indo até os fornecedores de componentes, suprimentos e matéria-prima. Na Figura 1 é apresentado um esquema contendo os elementos conceituais básicos da Figura 1 Elementos básicos da Logística Fonte: adaptado de Novaes (2004, p. 36).

19 19 Através das definições dos autores pode-se constatar que a logística tem por objetivo principal tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados, de modo que os clientes recebam um produto de alto nível a um baixo custo, com isso fica claro que o cliente é o foco das atenções e dos objetivos desta área. A respeito da importância da Logística no cenário atual de competitividade no mercado, Alencar (2006) conclui: em um ambiente altamente competitivo, os fatores qualidade e preço já não fazem tanta diferença, pois existe certa semelhança entre os concorrentes, mas a entrega certa a um custo baixo determina quem continuará no comércio e quem sairá dele. Daí as empresas começarem a voltar a aplicar conceitos logísticos para transporte e distribuição, ou seja, para continuarem competindo e sobrevivendo. Com o passar dos anos, o conceito de Logística foi evoluindo, e, na empresa, passou a existir a integração de diversas áreas, surgindo um novo conceito que é o Supply Chain Management (SCM) ou Logística Integrada, como já foi dito anteriormente. Para o Council of Logistic Management (apud NOVAES, 2004, p.40) SCM é a integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais, gerando produtos, serviços e informações que agreguem valor para o cliente. Segundo Novaes (2004, p.40), em relação ao conceito de SCM: o novo conceito de SCM focaliza o consumidor com um destaque excepcional, pois todo o processo deve partir dele, buscando equacionar a cadeia de suprimento de forma a atendê-lo na forma por ele desejada. Outro ponto importante a destacar é a integração exigida entre todos os elementos da cadeia de suprimento. Conforme Ferraes Neto e Kuehne Junior (2002, p.42), o Supply Chain Management: consiste no estabelecimento de relações de parcerias, de longo prazo, entre os componentes de uma cadeia produtiva, que passarão a planejar estrategicamente suas atividades e partilhar informações de modo a desenvolverem as suas atividades logísticas de forma integrada, através e entre suas organizações. Novaes (2004, p. 50) afirma que o SCM levou o processo da Logística para mais longe, integrando efetivamente os elementos que participam da cadeia de forma estratégica e sistêmica. Ross (apud NOVAES, 2004, p.50) complementa que a Gestão Logística é o braço tático do SCM, sendo assim, a Logística seria uma de suas partes. Em contraposição a esta visão, Fleury (1999) afirma que: o conceito de Supply Chain Management é mais do que uma simples extensão da logística integrada, pois inclui um conjunto de processos de negócios que em muito ultrapassa as atividades diretamente relacionadas com a logística integrada. Além disso, existe uma clara e definitiva necessidade de integração de processos na cadeia de suprimentos. SCM representa o esforço de integração dos diversos participantes do canal de distribuição através da administração compartilhada de processos-chave de negócios que interligam as diversas unidades organizacionais e membros do canal, desde o consumidor final até o fornecedor inicial de matérias-primas.

20 20 É importante ressaltar que a utilização do conceito de SCM nas empresas exige mudanças significativas tanto nos procedimentos internos quanto nos externos, especialmente no que diz respeito ao relacionamento com os seus principais stakeholders, ou seja, clientes e fornecedores. Em relação às atividades logísticas, Ching (2006, p.25) diz que podem ser divididas em primárias e secundárias. As primárias compreendem transportes, gestão de estoques e processamento de pedidos; já as secundárias são: armazenagem, manuseio de materiais, embalagem de proteção, programação de produtos e manutenção de informação. A seguir serão comentadas as principais atividades logísticas que se relacionam diretamente ao objetivo do estudo em questão, são elas: gestão de estoques, armazenagem, e tecnologia da informação, além de uma breve revisão a respeito de indicadores de desempenho logístico GESTÃO DE ESTOQUE: UMA BREVE REVISÃO SOBRE SEUS CONCEITOS Numa época em que os consumidores estão cada vez mais exigentes e as empresas precisam atender as necessidades dos mesmos, ao mesmo tempo em que se faz imprescindível a redução de custos, é necessária uma eficiente Gestão de Estoques. Segundo Arbache et al. (2007, p.53): a gestão de estoques é uma das atividades mais importantes para qualquer negócio, pois o estoque tem uma característica ambígua, uma vez que sua existência se, por um lado tranqüiliza a empresa quanto às flutuações da demanda e à manutenção do nível de serviço, por outro, é fonte de constante atrito em função do capital investido. O estoque é um bem acabado ou um material de suprimento de propriedade da empresa, com características que o designam itens, mantidos em disponibilidade constante, renovados de forma sistemática, destinados à venda ou à fabricação de produtos e serviços inerentes à atividade da empresa e com o objetivo de produzir lucros. Rabelo (2001) afirma que estoques existem por ser impossível conhecer a demanda futura dos consumidores. Eles são eficientes para garantir a disponibilidade das mercadorias no momento em que elas são requisitadas. Segundo Ballou (1993, p. 205) existem inúmeras vantagens em manter estoque: melhoria do nível de serviço, ganho de economia de escala nas compras e no transporte,

21 21 proteção contra alterações nos preços, proteção contra alterações na demanda e proteção contra contingências. Gomes e Nigro (2006, p. 1) acreditam que a manutenção de estoques, seja em pequenas ou grandes quantidades, é uma garantia para que sejam atingidos as metas e objetivos de qualquer organização. Tal necessidade dá-se em função da estratégia da organização em relação aos clientes e fornecedores. Em relação ao propósito dos estoques, Disney (apud RABELO, 2001) considera: o objetivo dos estoques é de servir de pára-choques para os atrasos de tempo, oferecendo melhor nível de atendimento ao consumidor. É indesejável ter uma situação de falta de estoques, pois o consumidor irá comprar em outro lugar e parte do mercado poderá estar perdida. Então os estoques devem ser suficientes para cobrir as variações de mercado e tempos de atraso. Conforme Viana (2002, p.117), gestão de estoques é um conjunto de atividades que visa, por meio das respectivas políticas de estoque, ao pleno atendimento das necessidades da empresa, com a máxima eficiência e ao menor custo. Ballou (1993, p. 25) complementa a gestão de estoques envolve manter seus níveis tão baixos quanto possível, ao mesmo tempo em que provê a disponibilidade desejada pelos clientes. Sendo assim, pode-se definir como papel principal da Gestão de Estoques oferecer condições para que a empresa possa vender os produtos e entregá-los na data e hora marcada, satisfazendo, assim, as necessidades dos clientes quanto ao nível de serviço. Sucupira (2003), a respeito de gestão de estoques no varejo, afirma: a gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes indicadores de desempenho: giro de estoques, cobertura dos estoques e nível de serviço aos clientes. Strassburg (2006) diz que: uma boa gestão de estoques consiste em manter nos depósitos, mercadoria suficiente para o giro do negócio, sem problemas causados por sobras ou falta de produtos. Como conseqüência da falta de mercadorias as empresas podem sofrer com a queda nas vendas e a perda de clientes para o concorrente. Logo, uma eficiente Gestão de Estoques tem por objetivos diminuir o dilema da reposição, e, manter os níveis dos estoques e os custos logísticos os menores possíveis, com uma ocorrência mínima de faltas de produtos, pois isto significaria redução nas vendas. O estoque compreende uma parte vital na logística, pois este pode absorver boa parte dos custos totais da empresa, e, está diretamente ligado aos resultados e à lucratividade que a empresa obtém ou poderá obter. Sem estoque é impossível uma organização atender seus clientes devido a sua função de amenizar os vários estágios existentes entre a produção e a entrega do produto ao cliente. E

22 22 para que a Gestão de Estoques de uma empresa seja eficiente é crucial, também, que a mesma tenha cuidados especiais quanto à área em que os produtos se localizarão e como se organizarão, é aí que entra o papel dos armazéns ou depósitos. Segundo Guerra (2007), a organização de um depósito ou qualquer área destinada à armazenagem atualmente é um dos principais fatores para um melhor aproveitamento de espaço e suporte logístico. Sendo assim, serão detalhadas a seguir todas as peculiaridades existentes na organização de armazéns Organização de Armazéns "Armazenagem" e "estocagem" são dois termos freqüentemente usados para identificar coisas semelhantes, mas alguns preferem distinguir os dois, referindo-se à guarda e movimentação de produtos acabados como "armazenagem" e à guarda de matérias-primas como "estocagem". Para Franklin (2003), armazenagem é a guarda temporária de produtos estocados para posterior distribuição. A necessidade de armazenagem de produto acabado é, talvez, a mais complexa em termos logísticos, por exigir grande velocidade na operação e flexibilidade para atender às exigências dos consumidores e flutuações do mercado. Uma das principais razões para a existência de armazéns consiste na possibilidade de manter estoque que permita garantir um determinado nível de serviço, especialmente em termos de prazo de entrega. Cabe ressaltar que um dos aspectos mais importantes em relação à armazenagem é identificar o ponto de equilíbrio entre o custo de se manter estoque e o nível de serviço que se deseja oferecer. Ballou (1993) diz que a empresa tem quatro razões básicas para destinar parte de seu espaço físico à armazenagem: reduzir custos de transporte e produção; coordenar suprimento e demanda; auxiliar os processos de produção e de marketing. A moderna visão da Logística orientada para o cliente, que busca melhorar, também, os níveis de serviço, está contribuindo para o desenvolvimento de novas tecnologias no campo da armazenagem, afim de que possa ocorrer uma maximização nos processos e um aperfeiçoamento nas operações logísticas. Os investimentos necessários para a automação nos

23 23 armazéns passaram a ser vistos como vantajosos em virtude de seu impacto positivo tanto no nível de serviço prestado como no custo total. Outro ponto importante a ser destacado, em relação ao atual conceito de Supply Chain Management ou Logística Integrada, é que todos os processos logísticos passaram a se dar de forma associada, com isso cada operação logística passou a ser interdependente uma da outra. Na armazenagem a integração dos processos se dá desde o momento da aquisição das mercadorias junto aos fornecedores até a sua entrega aos clientes finais (Figura 2). Figura 2 A armazenagem e o conceito de Logística Integrada Fonte: Figueiredo (2007). Bowersox e Closs (2001) afirmam sobre a antiga visão de armazenagem: os depósitos eram considerados instalações de armazenagem necessárias para executar operações básicas de comercialização. Também eram considerados unidades estáticas, localizados ao longo do fluxo de materiais e produtos, imprescindíveis para colocar os produtos ao alcance do consumidor na hora e no momento certo. Esta visão fazia com que o estoque fosse visto pela cadeia de suprimentos como uma necessidade que agregava custos ao processo de distribuição, gerando despesas operacionais. Pouca atenção era dada à atividade de armazenagem voltada à disponibilidade de produto; por conseguinte tanto o controle interno do armazém quanto o giro do estoque não recebiam a devida atenção. É real a mudança que ocorreu nos últimos anos no conceito de armazenagem nas empresas, como pode ser visto na Figura 3, antigamente a missão compreendia tão somente a guarda de estoques, e isto representava um custo ao negócio. Hoje esta missão mudou e as empresas passaram a ver esta atividade como sendo responsável por gerenciar o fluxo físico tanto de produtos como de informações dentro do processo logístico, representando desta forma um instrumento de vantagem competitiva e de redução de custos nas operações.

24 24 Figura 3 Mudança de missão na atividade de armazenagem Fonte: Figueiredo (2007). Segundo Arbache et al. (2007, p. 57): as instalações de armazenagem desempenham papel importante no processo logístico de uma empresa. Seu planejamento e formatação causam impacto importante no desempenho da distribuição dos produtos. A armazenagem requer um gerenciamento moderno, com a adoção de processos e sistemas aplicados à movimentação e estocagem. Rosenbloom (apud ARBACHE et al., 2007, p. 66) considera que os principais atributos para a concepção de um armazém são a localização, o número de itens para o armazenamento, o tamanho das unidades, o layout e os sistemas internos. armazenagem: De acordo com Arbache et al. (2007, p.65): a localização de instalações de armazenagem é um dos grandes desafios da logística, pois um erro cometido na determinação do local pode acarretar custos muito grandes para a operação, bem como diminuir a capacidade de reação da empresa às necessidades do mercado consumidor de seus produtos. De forma geral, as principais variáveis para a decisão sobre localização de unidades de armazenagem são: forças competitivas, desagregação da demanda entre diversas instalações, efeitos na consolidação dos estoques, custos fixos de operação e custos de transporte. Arbache et al. (2007, p. 60) destacam ainda em relação às instalações de a necessidade de espaço e o arranjo físico são fatores determinantes para a adequada performance da instalação de armazenagem. O planejamento dessas instalações deve ter como objetivo: garantir que as operações ocorram de forma eficaz, minimizar os custos operacionais, manter o nível de serviço da operação e ter flexibilidade para absorver variações no processo operacional. As características físicas dos produtos influenciam de forma significativa a seleção dos sistemas de armazenagem e dos métodos de movimentação dentro do local de armazenamento. A escolha de um sistema de armazenagem adequado pode permitir uma diminuição da mão-de-obra direta e do número de produtos danificados e extraviados, como também, a redução dos custos indiretos devido à menor burocracia e à melhor organização.

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

3 Centro de Distribuição

3 Centro de Distribuição 3 Centro de Distribuição Uma questão básica do gerenciamento logístico é como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB Administração de Recursos Materiais ARM 2/2010 Professor: Guillermo Asper J06 - OS FLUXOS ASSOCIADOS AO TIPO DE GESTÃO DE ESTOQUE: Estudo de Caso Lojas Novo Mundo Grupo 14D

Leia mais

Centros de distribuição como vantagem competitiva

Centros de distribuição como vantagem competitiva Centros de distribuição como vantagem competitiva Anderson Santos Especialista em Logística Empresarial - UNIMEP Professor da Faculdade Comunitária de Limeira Professor da Faculdade Comunitária de Santa

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL

ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL ENTENDENDO A LOGÍSTICA E SEU ESTÁGIO ATUAL Fernando Luiz E. Viana Mestre em Engenharia de Produção Professor Adjunto do Instituto de Ensino Superior do Ceará IESC e-mail: flviana@terra.com.br Resumo: Esse

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

PLA O DE PESQUISA. Tema- Logística de distribuição e sua influencia no nível de serviço.

PLA O DE PESQUISA. Tema- Logística de distribuição e sua influencia no nível de serviço. 1 PLA O DE PESQUISA Tema- Logística de distribuição e sua influencia no nível de serviço. Título- Um estudo de caso na empresa PJ Elétrica Distribuição LTDA. Problema- Como a empresa pode proporcionar

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

2.1 Locais para Armazenamento

2.1 Locais para Armazenamento 2 Armazenagem Armazenagem é a guarda temporária de produtos estocados para posterior distribuição (Franklin, 2003). Estes produtos estocados tornam-se fundamentais para o equilíbrio entre a demanda e a

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço OBSERVAÇÃO IMPORTANTE CUSTOS LOGÍSTICOS Prof., Ph.D. CUSTO PREÇO : Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço Preço: Decisão de negócio - Quanto a empresa cobrará pelo serviço SÍNTESE

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais