Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza"

Transcrição

1 Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza

2 A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela obra de dois professores da Michigan University (Bowersox &Closs) intitulada Logística Empresarial- O processo de integração da cadeia de suprimento.

3 A logística integrada Definição de logística integrada: Administração dos fluxos e estoques como um processo, priorizando a eficiência da cadeia de suprimentos como um todo. Seu objetivo é integrar e coordenar as diversas atividades operacionais de modo que os fluxos entre as organizações ocorram continuamente e de forma sincronizada

4 A logística integrada Para atuar de forma integrada as empresas precisam: Avaliar o ambiente competitivo em que atuam Comparar pontos fortes e fracos em relação aos concorrentes Fazer uma avaliação dos custos de cada atividade que desenvolve e estão vinculados ao atendimento aos clientes.

5 A logística integrada Logística Integrada Fluxo de materiais Clientes Distribuição Física Apoio à Manufatura Distribuiçã o Física fornece dor Fluxo de informações Bowersox

6 A logística integrada A logística integrada envolve: Fluxo de materiais Fluxo de informações. Fluxo de materiais: Envolve a gestão das operações: Movimentação armazenagem e instalações em toda a cadeia Abrange as atividades de suprimentos como compras e recebimento, apoio a manufatura e distribuição física.

7 A logística integrada Fluxo de informação: Podem ser de dois tipos, informações de planejamento e coordenação e abrange todos os processos que fazem parte do sistema logístico. Entre as informações principais que a logística deve prestar estão: Disponibilidades de produto Gerenciamento de pedidos e entregas Andamento da produção Entrada de suprimentos

8 A logística integrada O fluxo de informação conta com tecnologias e filosofias de trabalho que facilitam as operações de gerenciamento destas informações em todos os elos da cadeia. Exemplo: ERP Entreprise Resource Planning WMS Warehouse Managment Systems RFID Radio Frequency Identification EDI Electronic Data Interchange ECR Efficient Custumer Response

9 Interatividade As empresas que desejam atuar de forma integrada precisam se atentar aos pontos abaixo, exceto: a) Avaliar o ambiente competitivo em que atuam b) Comparar pontos fortes e fracos em relação aos concorrentes c) Avaliar os custos de cada atividade que desenvolve vinculados ao atendimento aos clientes. d) Atuar no segmento industrial e) Todos os pontos são essenciais para atuar de forma integrada

10 Áreas integradas As principais interações entre as áreas são: Compras: Acompanhamento de pedidos de compras (follow-up) Desenvolvimento de novos fornecedores Armazenagem: Recebimento de materiais Controle de devoluções de produtos Gestão de estoques, armazenagem correta e embalagem de produtos

11 Áreas integradas Movimentação: Integração com a Armazenagem (controle de empilhadeiras, frotas, carrinhos, paleteiras, gestão de pessoal operacional. Financeiro: Atividades de controle físico (inventários, contagens de estoques) PCP: Planejamento e controle de produção com acompanhamentos Controles estatísticos, previsão de estoques, níveis gerais de inventários.

12 Áreas integradas A integração da logística deve unir e coordenar a melhor relação entre O maior nível de serviço O menor custo total Algumas ações devem ser tomadas para implantar esta nova visão voltada ás necessidades dos clientes, tais como: Definir claramente as responsabilidades de cada área e colaborador Melhorar o planejamento de produção, os níveis de estoques e os canais de distribuição de produtos ou serviços

13 Áreas integradas Investir em TI adquirindo sistemas de gestão modernos e padronizados que permitam a integração interna com a externa (fornecedores e clientes). Fazer uma criteriosa avaliação operacional e financeira estimando resultados e os custos totais estimados Difundir e conscientizar os conceitos para todos os escalões da empresa Treinar lideranças que estejam comprometidas e motivadas para a mudança de conceitos.

14 A logística e o marketing A logística deve atender as necessidades de distribuição para o marketing a fim de maximizar os lucros e minimizar custos Na gestão do Marketing, os esforços são para atender o mercado com os 4 P: Produto qualidade, grupo de produtos, gestão de marca e definição de embalagem Preço preços por mercado/público, localidade, condições de pagamento e promoções Propaganda - divulgação Praça - formas de distribuição e gestão de estoques

15 A logística e o marketing O sistema logístico integrado exige algumas ações, como: Infra- estrutura de informática e comunicação Sistemas de gestão integrados Informações sobre os fluxos de pedidos de vendas disponíveis online Elaborar Indicadores de desempenho em todas os processos e parceiros

16 Atacado e varejo Os setores de Atacado e Varejo A logística integrada une operações internas com operações externas e para que a união externa aconteça as empresas devem desenvolver parceiras e alianças com empresas que atuam na cadeia logística completa como varejistas, atacadistas, distribuidores e operadores logísticos.

17 Atacado e varejo fornecedor Centro distrib. CD fabricante Produção Expedição Atacado C o n s u m i d o r Centro distrib. CD Varejo f i n a l

18 Custos logísticos Definição de custos: Custos de planejar, implementar e controlar todo o inventário de entrada, em processo e de saída, desde o ponto de origem até o ponto de consumo IMA (Institute of Management Accountants)

19 Custos logísticos Principais Custos Logísticos (2006/2008) Transportes 64% Armazenagem 19% Estoques 17%

20 Interatividade A logística deve se esforçar para atender aos 4 elementos de marketing (4 Ps), são eles: a) Produto, preço, propaganda e praça b) Produto, preço, propaganda e política estratégica c) Política estratégica, preço, produto e perecibilidade d) Prazo, preço, política de estocagem e pesagem. e) Pesquisa, preço, produto e postagem.

21 Trade-offs Quando um setor perde e um outro ganha nos conflitos de interesses entre duas áreas diferentes, chama-se de trade-offs (troca). Wanke (2002) afirma que existem dois trade-offs principais conforme abaixo: Transportes e Estoques Compras fracionada, gera maiores custos com transportes.

22 Trade-offs Transportes e Serviço ao cliente Estes conflitos estão ligadas à: Pontualidade do serviço Capacidade de prover um serviço porta- a-porta; Flexibilidade, no manuseio de uma grande variedade de produtos; Gerenciamento dos riscos associados a roubos, danos e avarias Capacidade do transportador oferecer mais que um serviço básico de transporte, tornando-se capaz de executar outras funções logísticas.

23 Trade-offs Qual a posição da empresa nestes conflitos? O trade-off deve ser analisado pelas empresas visando a melhor opção dentro das metas estabelecidas no plano estratégico de gestão da empresa

24 Serviço ao cliente Serviço ao cliente é um processo cujo objetivo é fornecer benefícios de valor á cadeia de suprimentos de maneira eficiente em termos de custos Nesta composição destacam-se; Disponibilidade de produtos- capacidade de fornecer as necessidades dos clientes Prazos de entrega- representa o tempo entre receber o pedido do cliente e entrega. Confiabilidade- representa a capacidade de cumprir uma data acertada Acuracidade- (precisão das informações)

25 Serviço ao cliente Os objetivos da área de serviço ao cliente podem ser divididos em três grupos estratégicos: Estratégia de estoques neste grupo são determinados os níveis de estoques dos produtos de venda sua localização em relação aos pontos de venda e como serão os controles sobre os volumes e disponibilidades.

26 Serviço ao cliente Estratégica de localização neste grupos as empresas devem definir os locais de reabastecimento dos pontos de vendas como atacadistas, varejistas e centros de distribuição em locais avançados Estratégia de entregas- define-se neste grupo os modais de transportes, rodoviário, aéreo, ferroviário ou outro e quais serão as rotas para as entregas.

27 Serviço ao cliente Serviços ao Cliente Principais reclamações Atrasos na entrega 44% Produtos/Qualidade 31% Produtos Danificados 12% Itens esquecidos 13% Fonte:Ballou(2006)

28 Serviço ao cliente Para medir o desempenho da área de serviços aos clientes, podemos dividir suas principais atribuições em 4 grupos; Transportes Porcentagem de entrega no prazo, porcentagem de pedidos na data solicitada e numero de avarias ou entregas com danos. Produtos Número de devoluções de pedidos com relação ao total expedido e valor das devoluções em relação ao faturado

29 Serviço ao cliente Disponibilidade Nesta medida de desempenho devemos avaliar o numero de produtos em falta no estoque, o numero de pedidos entregues integralmente, o índice médio de pedidos em atraso e o índice de atendimento dos pedidos completos. Processamento Neste quesito medem-se tempos mínimo, máximo e médio de processamento dos pedidos e a porcentagem de pedidos processados e apura-se o número de erros na emissão dos documentos

30 Serviço ao cliente Penalidades impostas pelos clientes por falha no serviço ao cliente Redução de compras 30% Advertência 27% Encerraram as compras 18% Redução das compras 16% Recusaram novos produtos 9% Fonte:Ballou

31 Interatividade Os trade-offs entre transporte e estoque, qual a perda do transporte, quando se tem ganho na estocagem enxuta? a) Carga fracionada b) Custo operacional de compras c) Custo de emissão de pedidos d) Alto custo com estocagem e) Somente a alternativa d está incorreta

32 Nível de serviço O nível de serviço (NS) é um indicador da qualidade que serve para medir como o fluxo de produtos e de serviços aos clientes estão sendo atingidos e gerenciados e resume em um indicador apenas como os esforços das empresas como está. É um indicador médio de desempenho das várias etapas dos serviços logístico e as empresas podem atingir vários níveis de serviços conforme for a alocação de recursos de dedicados sendo alcançados

33 Nível de serviço Principais componentes do nível de serviço logístico Procedimentos adequados Compromissos de entrega Níveis de estoques Instalação/Garantia Acompanhamento do status de pedidos em andamento ou follow-up Atendimento rápido á queixas e reclamações

34 Nível de serviço Modelo de nível de serviços por classificação dos clientes (Correa, 2010). Pacote de Serviço Clientes classe A Clientes classe B Clientes classe C Nível de 98% mínimo 92% mínimo 88% mínimo serviço Prazo de entrega Tempo de retorno á solicitações Atendimento ao cliente 3 dias 7 dias 14 dias 1 hora Mesmo dia 3 dias Exclusivo Representante Website Prazo/Pagto 30/60/90 dias 30/60 dias 30 dias

35 Custos de manter o nível de serviço aos clientes Quanto maior nível de serviço desejado maiores serão os custos para atingi-los. Tipos de custos associados: Custo de vendas necessidades de estrutura de logística Custo com transportes Custo operacional Custo com pós vendas

36 Indicadores de desempenho Os indicadores de desempenhos são essenciais se avaliar os resultados da cadeia de suprimentos. Os indicadores de desempenho, podem ser divididos em dois grupos, podem ser: Avaliação Interna Avaliação externa

37 Indicadores de desempenho Interno: Os indicadores de desempenho interno podem ser dividido em 4 grupos: Atendimento aos clientes Gestão de Estoques Armazenagem Transportes

38 Indicadores de desempenho INDICADOR DESCRIÇÃO CÁLCULO Pedidos completos e no prazo Entregas realizadas dentro Entregas completas/ do prazo e das Total de entregas especificações Fill Rate % de pedidos entregues integral % pedidos integrais/ pedidos totais Acuracidade de Inventário Diferença entre o estoque físico e contábil % estoque físico/ estoque no sistema Stock Out Volume não vendido por falta de estoques Valor da Venda perdida em função da falta Slow Movers Produtos em estoque sem movimentação a 90dias % estoque slow movers/ estoque total

39 Indicadores de desempenho Continua Tempo médio de carga/descarga Tempo de parada de Cálculo de tempo entre a caminhões p/carregarem chegada e a saída ou expedir Pedidos atendidos por Volume de pedidos dia expedidos/ dia % volumes por dia/ volume total Custos de Transporte como % custo total Valor gasto por mês com transportes Custo de transportes / custo total % Utilização de capacidade de carga Avalia a utilização plena % carga expedida / da capacidade transporte capacidade de carga GELOG/UFSC-2005

40 Indicadores de desempenho Avaliação externa: É necessário monitorar o desempenho das atividades externas prestadas diretamente ou através de outras empresas terceirizadas.

41 Indicadores de desempenho INDICADOR DESCRIÇÃO CÁLCULO Entregas dentro do prazo Entregas devolvidas Entregas realizadas dentro Entregas completas/ do prazo e das especificações Total de entregas Número entregas devolvidas parcial ou total % entregas devolvidas/ entregas total Recebimento dentro do solicitado Tempo de entrega (lead-time) Quantidade de produtos entregues dentro do especificado Tempo que o fornecedor leva para fazer a entrega % produtos conforme / total de produtos entregues % de Pedidos na data / Data efetiva de entrega GELOG/UFSC(2005)

42 Indicadores de desempenho Mais sobre indicadores: Eles devem ser apurados com uma regularidade curta que permite aos gestores uma avaliação freqüente e rápida da evolução dos trabalhos internos e externos. Quais indicadores são apurados Qual a periodicidade Deve difundir á todos os envolvidos

43 Interatividade Quanto maior nível de serviço desejado maiores serão os custos para atingi-los. Estes custos associados são, exceto: a) Custo de vendas b) necessidades de estrutura de logística c) Custo com transportes d) Custo operacional e) Custo de produção

44 ATÉ A PRÓXIMA!

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque A Globaw analisa a situação atual do cliente e apresenta soluções sob medida de automação de estoque (Almoxarifados, armazéns e CDs) matéria prima, materiais

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho

Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho. Aula 03 Benchmarking e Indicadores de Desempenho O que é benchmarking Benchmarking é a prática ser humil o suficiente para admitir que alguém é melhor em algo, e ser sensato o suficiente para aprenr como alcançá-lo e superá-lo". (Björn Anrsen) 2 O que

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN 4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN A Cadeia de Valores é uma representação de uma cadeia industrial que auxilia as empresas a identificarem e a avaliarem suas fontes de vantagens competitivas

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

Profa. Evelise Czerepuszko

Profa. Evelise Czerepuszko Profa. Evelise Czerepuszko Indicadores de desempenho são métricas quantitativas que refletem a performance de uma organização na realização de seus objetivos e estratégias. Podem ser chamados de KPIs (Key

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem.

Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem. Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo (UNESP). Trabalha na área de logística e desenvolvimento de embalagens há 25 anos. Desenvolveu

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais

Aula I Introdução à Logística

Aula I Introdução à Logística Aula I Introdução à Logística Professor Argélio Lima Paniago COMO PODEMOS DEFINIR A LOGÍSTICA? 2 1 O inicio da Logística teve sua interpretação relacionada com as operações militares (movimentaçãode tropas,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA. Conceitos básicos

GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA. Conceitos básicos GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA Conceitos básicos Poucas áreas de estudo têm um impacto tão significante no padrão de vida da sociedade como a logística. Praticamente todas

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Armazenagem: Centros de Distribuição, Compras

Armazenagem: Centros de Distribuição, Compras Armazenagem: Centros de Distribuição, movimentação física e Compras Tipos de Armazenagem Depósitos Área destinada a guarda de pequenos produtos. Almoxarifados Na manufatura, é um depósito que armazena

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Logistica Empresarial 7/11/2013

Logistica Empresarial 7/11/2013 Logística mpresarial Apresentação Professor: Luiz Mottim Graduação: Ciências Contábeis 1.999 Pós Graduação: Gestão Logística 2.004 (3G) Pós Graduação: Gestão Industrial 2.007 Atividade profissional: 27

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Ampliando a Gestão do Estoque para Operações de Campo Cleverton do Vale Paulo Roberto

Leia mais

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03)

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) 1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) O Enfoque da administração pública: Para você entender o que é Administração de Materiais, precisa saber que material é todo bem que pode ser contado, registrado

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EPR420 Logística e Cadeia de Suprimentos

Programa Analítico de Disciplina EPR420 Logística e Cadeia de Suprimentos Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 1 - JUSTIFICATIVA A gestão do fluxo de valor agregado pelas organizações exige contemplar toda a cadeia de suprimentos de forma a identificar e

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS II. 1 PROCESSOS DE SUPRIMENTOS Função: Processos Operacionais de Suprimentos 1. Analisar os diversos tipos de fornecedores quanto às suas características produtivas, técnicas, tecnológicas e econômicas,

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Medição de desempenho no processo gerencial informações para decisão

Leia mais

Wyoming Liquor Division

Wyoming Liquor Division Wyoming Liquor Division O abastecimento por comando de voz permite que uma grande variedade de bebidas de primeira categoria chegue ao Estado dos Caubóis automação que traz resultados O abastecimento por

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento Capítulo 1 Gestão Materiais Apresentação do Tópico: A Importância da Administração A organização da área Análise de necessidades de clientes Reposição de materiais Recebimento de materiais Armazenamento

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

AUDITLOG AUDITLOG AUDITORIA E MONITORAMENTO DOS PROCESSOS E KPI

AUDITLOG AUDITLOG AUDITORIA E MONITORAMENTO DOS PROCESSOS E KPI AUDITLOG AUDITORIA E MONITORAMENTO DOS PROCESSOS E KPI s/sla EM LOGÍSTICA 1 AUDITLOG NÃO SE MELHORA O QUE NÃO SE MEDE OBJETIVO METODOLOGIA DIRECIONADA PARA A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Sistemas de Informação Aula 2

Sistemas de Informação Aula 2 Sistemas de Informação Aula 2 Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Leitura p/ aula 3 Sugestão: Para preparação anterior ler capítulo 3 do Laudon e Laudon Posterior a aula,

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

MAYKON BUENO DA SILVA

MAYKON BUENO DA SILVA MAYKON BUENO DA SILVA Buscando recolocação como Analista Sênior / Especialista em - Planejamento e Controle de Materiais (PCM); - Logística (Planejamento, Transportes ou Suprimentos); - Compras. Curitiba/PR/Brasil

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais