SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA"

Transcrição

1 SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1

2 Sumário 1. INTRODUÇÃO PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS REAJUSTE DE PREÇOS DE INSUMOS REVISÃO OPERACIONAL DADOS DE PRODUÇÃO COEFICIENTES DE CONSUMO, ÍNDICES E PARÂMETROS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA CUSTOS VARIÁVEIS Despesas de Combustível Despesas de Lubrificantes Despesas com Material de Rodagem Despesas com Peças e Acessórios CUSTOS FIXOS Despesas com Pessoal Pessoal de Operação Despesas com Motoristas Despesas com Fiscal/Despachante Despesas com Agentes de Bordo Despesas com Pessoal de Manutenção Despesas com Pessoal Administrativo Despesas com Remuneração da Diretoria (Pró-Labore) Outras Despesas com Pessoal - Benefícios Despesas Administrativas Despesas Gerais Administrativas Despesas com Seguros Despesas com Seguro Obrigatório Despesas com Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa Outras Despesas Administrativas e Operacionais Despesas de Capital Depreciação de Veículos da Frota Fator de Depreciação Anual por Tipo de Veículo (Exemplo:) Remuneração de Veículos da Frota Fator de Remuneração Anual por Tipo de Veículo (Exemplo:) Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos Remuneração de Máquinas, Instalações e Equipamentos Remuneração de Material de Almoxarifado Totalização dos Custos Fixos Totalização das Despesas e Custos Sem Tributação (CTST) Totalização das Despesas e Custos Com Tributação (CTCT) Cálculo da Tarifa Técnica por Passageiro Transportado Remunerável REMUNERAÇÃO DAS OPERADORAS REMUNERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO Remuneração Diária das Operadoras Apuração da Remuneração Mensal das Operadoras

3 1. Introdução A Cidade de Sorocaba através da URBES Trânsito e Transporte em sua planilha de referência de cálculo da tarifa técnica, adotou como referência metodológica as definições de procedimentos e parâmetros recomendados no Cálculo de Tarifas de Ônibus Urbanos desenvolvido pelo Grupo de Trabalho instituído pela Portaria nº 644/MT do Ministério dos Transportes, coordenado pela Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes GEIPOT. 2. Planilha para Composição de Dados 2.1. Reajuste de Preços de Insumos Os procedimentos adotados em relação aos preços dos insumos, em geral, apresentados nas Planilhas de Referência do Cálculo da Tarifa Técnica da Cidade de Sorocaba, leva em conta a manutenção das condições contratuais do Sistema de Transporte Coletivo Urbano procedendo da seguinte forma: O reajuste de preços de insumos é anual e se dá através da fórmula contratual, como segue: A remuneração será reajustada anualmente, por solicitação fundamentada pela OPERADORA, de acordo com a seguinte fórmula: a) Transporte Coletivo Urbano: R = 0,53 x i 1 + 0,19 x i 2 + 0,02 x i 3 + 0,23 x i 4 + 0,03 x i 5 b) Transporte Especial: R = 0,59 x i 1 + 0,13 x i 2 + 0,02 x i 3 + 0,23 x i 4 + 0,03 x i 5 Sendo: (fontes) R i 1 - Índice de reajuste a aplicar entre os períodos considerados; - Variação do Reajuste do Pessoal no município de Sorocaba Fonte: Sindicato dos Condutores de Sorocaba e região; 3

4 i 2 - Variação do preço de óleo diesel para grandes consumidores. Fonte: ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis; i 3 - Variação dos Índices de preços ao produtor amplo - Origem (IPA-OG) - Indústria de transformação - Artigos de Borracha e de Material de Plásticos (coluna 28)/FGV; i 4 - Variação dos Índices Preços amplo - Origem (IPA- OG) - produtos industriais - Indústria de transformação - Veículos automotores, reboques, carrocerias e autopeças (coluna 36)/FGV; - Índice acumulado do IPC/FGV. i 5 A base de preços são as devidamente apresentadas da época da apresentação da proposta comercial nas condições do Edital de Concorrência Pública (Lote 1 base junho 2010; Lote 2 Base fevereiro 2003). Base de Reajuste Atualmente adotou-se como mês base o mês de junho de cada ano por representar o inicio do período tarifário Revisão Operacional Eventualmente, quando da ocorrência de ajustes operacionais realizados em razão da necessidade da ampliação ou redução da oferta de serviços, seja pela ampliação ou redução de itinerários, ampliação ou redução de linhas, ampliação ou redução de horários de viagens, de alteração de tecnologia veicular, definidas pela URBES ou mesmo por solicitação da Concessionária, em ambos os casos fundamentado com estudos e justificativas técnica/operacional. Quando as ocorrências de ajustes operacionais ocasionam impactos nos parâmetros, índices e coeficientes, como por exemplo, de consumo. Quando da ocorrência de alteração de legislação federal, estadual ou municipal, que altere percentuais de tributação, ou outros fatores, devidamente fundamentados e justificados que alterem o equilíbrio econômico/financeiro do contrato de concessão. Nesses casos promove-se a realização de estudos na planilha de custo dos serviços e seus impactos no contrato de concessão. 4

5 Para ambos os casos, Reajuste ou Revisão, há sempre a formalização de expediente com aprovação superior e o arquivo de todo o estudo técnico pertinente, junto ao processo do contrato Dados de Produção Os dados de operação que compõe a planilha de referência de cálculo da tarifa são dimensionados, fundamentados e calculados conforme as ordens de serviços (O.S.) emitidas para cada lote de operação, levando-se em conta a oferta e demanda do Sistema de Transporte Coletivo. - Quilometragem: dimensionada de acordo com as linhas para cada lote de serviço e respectivos itinerários e tabela horárias e atendimentos; - Frota: dimensionada de acordo com as linhas para cada lote de serviço e respectivos itinerários e tabelas horárias, atendimentos, cadastro da frota para o cálculo da idade média da frota; - Demanda: Controle estatístico para melhoramento do atendimento e dimensionamento da oferta; Coeficientes de Consumo, Índices e Parâmetros As informações de coeficiente de consumo, índices e parâmetros apresentados nas planilhas de referência do cálculo da tarifa técnica são aqueles ofertados da época da proposta comercial conforme edital de concorrência e que, ao longo do período de concessão sofreram alterações devido ao dimensionamento e modernização da frota e ou pela complexidade da operacionalização das linhas conforme cada lote de operação, baseados nas solicitações e justificativas das operadoras devidamente fundamentadas. 5

6 3. Metodologia de Cálculo da Tarifa Técnica Considera-se a tarifa técnica como o rateio das despesas totais do serviço entre os passageiros transportados remuneráveis (Pagantes + Integrados), sendo necessário, para o cálculo, o conhecimento dos seguintes elementos: CUSTOS VARIÁVEIS Os Custos Variáveis mudam em função da quilometragem percorrida pela frota e são subdivididos em: CV DC DL DMR DPA = Custos Variáveis = Despesas com Combustível; = Despesas com Lubrificantes; = Despesas com Material de Rodagem; = Despesas com Peças e Acessórios; Despesas de Combustível DC = Despesas com Combustível; Cc n = Coeficiente de consumo por Tipo de Tecnologia em l/km; km n = Quilometragem mensal por Tipo de Tecnologia; PLOD = Preço do Litro do Óleo Diesel; Despesas de Lubrificantes DL = Despesa com Lubrificantes; Ccec = Coeficiente de consumo equivalente em combustível; PLOD = Preço do Litro do Óleo Diesel; km n = Quilometragem mensal por Tipo de Tecnologia; 6

7 Despesas com Material de Rodagem DMR PP JO UJ km n VU n = Despesas com Material de Rodagem; = Preço ponderado de cada item (pneu novo, recapagem); = Número de Jogos por Ônibus de cada item; = Unidade por Jogo de cada item; = Quilometragem mensal por Tipo de Tecnologia; = Vida Útil do jogo de pneus por Tecnologia. Despesas com Peças e Acessórios DPA = Despesas com Peças e Acessórios; PMM n = Percurso Médio Mensal por Tecnologia; km n = Quilometragem mensal por Tipo de Tecnologia; CCPA = Coeficiente de Consumo de Peças e Acessórios; PPVSR n = Preço Ponderado do Veículo por Tipo Sem Rodagem; PPV n PP JO = Preço Ponderado de Veículo novo por Tipo de Tecnologia; = Preço Ponderado de cada item (pneu novo, câmara e protetor); = Número de Jogos de cada item; ( ) CCPA = Coeficiente de Consumo de Peças e Acessórios; CCPAm = Coeficiente de Consumo de Peças e Acessórios Mensal: 0,0083 (base GEIPOT); PMMF = Percurso Médio Mensal (base GEIPOT); PMM n = Percurso Médio Mensal por Tecnologia; 7

8 CUSTOS FIXOS Despesas com Pessoal Pessoal de Operação DPO DM DF = Despesas com Pessoal de Operação; = Despesas com Motoristas; = Despesas com Fiscal/Despachante; Despesas com Motoristas fo FU SBM ES = Frota Total Operacional; = Fator de Utilização de Motorista; = Salário base de Motorista; = Encargos Sociais; Despesas com Fiscal/Despachante fo SBF FU ES = Frota Total Operacional; = Salário base de Fiscal/ Despachante; = Fator de Utilização de Fiscal/ Despachante; = Encargos Sociais; Despesas com Agentes de Bordo DAB = Despesas com Agente de Bordo; NAB = Número de Agentes de Bordos Contratados 1 ; SBAB = Salário base do Agente de Bordo; ES = Encargos Sociais; Despesas com Pessoal de Manutenção 1 Definido em Acordo Coletivo; 8

9 DPM = Despesas com Pessoal de Manutenção; DPO = Despesas com Pessoal de Operação; Cmpm = Coeficiente Mensal de Pessoal de Manutenção sobre Pessoal de Operação; Despesas com Pessoal Administrativo DPA = Despesas com Pessoal Administrativo; DPO = Despesas com Pessoal de Operação; Cmpa = Coeficiente Mensal de Pessoal Administrativo sobre Pessoal de Operação; Despesas com Remuneração da Diretoria (Pró-Labore) DRD SBM Psc = Despesas com Remuneração da Diretoria (Pró-Labore); = Salário base de Motorista; = Quantitativo de pisos salariais da categoria; Outras Despesas com Pessoal - Benefícios ODPB = Outras Despesas com Pessoal - Benefícios; VVO = Valor por Veículo Operacional (Compreende total das despesas com BENEFÍCIOS concedidos conforme acordo coletivo: Cesta Básica, Convênio Médico, Vale Refeição, Café da Manhã, PLR); fo = Frota Total Operacional; Despesas Administrativas Despesas Gerais Administrativas DGA ft n PPV n ( ) = Despesas Gerais Administrativas; = Frota Total por tipo de tecnologia; = Preço Ponderado de Veículo novo por Tipo de Tecnologia; 9

10 PAGA = Percentual Anual de Despesas Gerais e Administrativas; dm = Número de Dias do Mês; da = Número de Dias do Ano; Despesas com Seguros DSO = Despesas com Seguro Obrigatório; DSRCF = Despesas com Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa; Despesas com Seguro Obrigatório ( ) ft = Frota Total; VASO = Valor Anual do Seguro Obrigatório; dm = Número de Dias do Mês; da = Número de Dias do Ano; Despesas com Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa. ( ) ft = Frota Total; VASR = Valor Anual do Seguro de Resp. Civil Facultativo; dm = Número de Dias do Mês; da = Número de Dias do Ano; Outras Despesas Administrativas e Operacionais ODAO = Outras Despesas Administrativas e Operacionais; fo = Frota Total Operacional; VO = Valor por Veículo Operacional (Compreende despesas de serviços de manutenção de monitoramento/rastreamento); 10

11 Despesas de Capital Depreciação de Veículos da Frota ( ( )) DVF = Depreciação de Veículos da Frota; V n = Número de Veículos por tipo de cada faixa etária; CMD n = Fator Anual de Depreciação por Faixa Etária n; PPVSR n = Preço Ponderado do Veículo por Tipo Sem Rodagem; dm = Número de Dias do Mês; da = Número de Dias do Ano; Método de Cálculo Método de Cole ou Método da Soma dos Dígitos Decrescentes (( ) ) Fator de Depreciação Anual por Tipo de Veículo (Exemplo:) Classificação Fator de Depreciação Anual por Tipo de Veículo por Faixa Etária ou CMD n Faixa Etária Microônibus Convencional Padron Articulado Especial 00 a 01 ano 0,80 * 8/36 = 0,1778 0,80 * 8/36 = 0,1778 0,90 * 10/55 = 0,1636 0,90 * 10/55 = 0,1636 0,90 * 10/55 = 0, a 02 anos 0,80 * 7/36 = 0,1556 0,80 * 7/36 = 0,1556 0,90 * 9/55 = 0,1473 0,90 * 9/55 = 0,1473 0,90 * 9/55 = 0, a 03 anos 0,80 * 6/36 = 0,1333 0,80 * 6/36 = 0,1333 0,90 * 8/55 = 0,1309 0,90 * 8/55 = 0,1309 0,90 * 8/55 = 0, a 04 anos 0,80 * 5/36 = 0,1111 0,80 * 5/36 = 0,1111 0,90 * 7/55 = 0,1145 0,90 * 7/55 = 0,1145 0,90 * 7/55 = 0, a 05 anos 0,80 * 4/36 = 0,0889 0,80 * 4/36 = 0,0889 0,90 * 6/55 = 0,0982 0,90 * 6/55 = 0,0982 0,90 * 6/55 = 0, a 06 anos 0,80 * 3/36 = 0,0667 0,80 * 3/36 = 0,0667 0,90 * 5/55 = 0,0818 0,90 * 5/55 = 0,0818 0,90 * 5/55 = 0, a 07 anos 0,80 * 2/36 = 0,0444 0,80 * 2/36 = 0,0444 0,90 * 4/55 = 0,0655 0,90 * 4/55 = 0,0655 0,90 * 4/55 = 0, a 08 anos 0,80 * 1/36 = 0,0222 0,80 * 1/36 = 0,0222 0,90 * 3/55 = 0,0491 0,90 * 3/55 = 0,0491 0,90 * 3/55 = 0, de 08 anos ZERO ZERO 0,90 * 2/55 = 0,0327 0,90 * 2/55 = 0,0327 0,90 * 2/55 = 0, a 10 anos 0,90 * 1/55 = 0,0164 0,90 * 1/55 = 0,0164 0,90 * 1/55 = 0, de 10 anos ZERO ZERO ZERO F j = Fator de Depreciação Anual para o Ano j; J = Limite Superior da faixa etária (anos); VU = Vida Útil adotada (anos); VR = Valor Residual adotado (%); 11

12 Remuneração de Veículos da Frota (( ( ) ) ) RVF TRA dm da VT = Remuneração de Veículos da Frota; = Taxa de Remuneração Anual; = Número de Dias do Mês; = Número de Dias do Ano; = Valor Total (resultado da multiplicação do preço ponderado do veículo por tipo, sem rodagem, pelo número de veículos por tipo de cada faixa etária n, multiplicado pelo fator anual), calculado como segue: V n = Número de Veículos por tipo de cada faixa etária n; CMR n = Fator Anual de Remuneração por Faixa Etária n; PPVSR n = Preço Ponderado do Veículo por Tipo Sem Rodagem; Método de Cálculo Fator de Remuneração Anual por Tipo de Veículo (Exemplo:) Classificação Fator de Remuneração Anual por Tipo de Veículo por Faixa Etária ou CMRn Faixa Etária Microônibus Convencional Padron Articulado Especial 00 a 01 ano a 02 anos (1-0,80 * 8/36) = (1-0,80 * 8/36) = (1-0,90 * 10/55) = (1-0,90 * 10/55) = (1-0,90 * 10/55) = 0,8222 0,8222 0,8364 0,8364 0, a 03 anos (1-0,80 * 15/36) = (1-0,80 * 15/36) = (1-0,90 *19/55) = (1-0,90 * 19/55) = (1-0,90 * 19/55) = 0,6667 0,6667 0,6891 0,6891 0, a 04 anos (1-0,80 * 21/36) = (1-0,80 * 21/36) = (1-0,90 *27/55) = (1-0,90 * 27/55) = (1-0,90 * 27/55) = 0,5333 0,5333 0,5582 0,5582 0, a 05 anos (1-0,80 * 26/36) = (1-0,80 * 26/36) = (1-0,90 * 34/55) = (1-0,90 * 34/55) = (1-0,90 * 34/55) = 0,4222 0,4222 0,4436 0,4436 0, a 06 anos (1-0,80 * 30/36) = (1-0,80 * 30/36) = (1-0,90 * 40/55) = (1-0,90 * 40/55) = (1-0,90 * 40/55) = 0,3333 0,3333 0,3455 0,3455 0, a 07 anos (1-0,80 * 33/36) = (1-0,80 * 33/36) = (1-0,90 * 45/55) = (1-0,90 * 45/55) = (1-0,90 * 45/55) = 0,2667 0,2667 0,2636 0,2636 0, a 08 anos (1-0,80 * 35/36) = (1-0,80 * 35/36) = (1-0,90 * 49/55) = (1-0,90 * 49/55) = (1-0,90 * 49/55) = 0,2222 0,2222 0,1982 0,1982 0, de 08 anos (1-0,80 * 36/36) = (1-0,80 * 36/36) = (1-0,90 * 52/55) = (1-0,90 * 52/55) = (1-0,90 * 52/55) = 0,2000 0,2000 0,1491 0,1491 0, a 10 anos - - (1-0,90 * 54/55) = (1-0,90 * 54/55) = (1-0,90 * 54/55) = 0,1164 0,1164 0, de 10 anos - - (1-0,90 * 55/55) = (1-0,90 * 55/55) = (1-0,90 * 55/55) = 0,1000 0,1000 0,

13 Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos DMIE = Depreciação de Máquinas, Instalação e Equipamentos; ft n = Frota Total por Tipo de Tecnologia; FD = Fator de Depreciação de Máquinas, Instalação e Equipamentos; PPV n = Preço Ponderado de Veículo novo por Tipo de Tecnologia; Remuneração de Máquinas, Instalações e Equipamentos ( ( ) ) RMIE ft n PPV n PARMIE Equipamentos; TRA dm da = Remuneração de Máquinas, Instalações e Equipamentos; = Frota Total por Tipo de Tecnologia; = Preço Ponderado de Veículo novo por Tipo de Tecnologia; = Percentual Anual de Remuneração de Máquinas, Instalações e = Taxa de Remuneração Anual; = Número de Dias do Mês; = Número de Dias do Ano; Remuneração de Material de Almoxarifado ( ( ) ) RMA ft n PPV n PARMA TRA dm da = Remuneração de Material de Almoxarifado; = Frota Total por Tipo de Tecnologia; = Preço Ponderado de Veículo novo por Tipo de Tecnologia; = Percentual Anual de Remuneração Material de Almoxarifado; = Taxa de Remuneração Anual; = Número de Dias do Mês; = Número de Dias do Ano; 13

14 Totalização dos Custos Fixos CF = Custos Fixos; DPO = Despesas com Pessoal de Operação; DAB = Despesas com Agente de Bordo; DPM = Despesas com Pessoal de Manutenção; DPA = Despesas com Pessoal Administrativo; ODPB = Outras Despesas com Pessoal - Benefícios; DRD = Despesas com Remuneração da Diretoria (Pró-Labore); DGA = Despesas Gerais Administrativas; ODAO = Outras Despesas Administrativas e Operacionais; DS = Despesas com Seguros; DVF = Depreciação de Veículos da Frota; RVF = Remuneração de Veículos da Frota; DMIE = Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos; RMIE = Remuneração de Máquinas, Instalações e Equipamentos; RMA = Remuneração de Material de Almoxarifado APURAÇÃO FINAL DA TARIFA TÉCNICA Totalização das Despesas e Custos Sem Tributação (CTST) O Custo Total é composto por duas parcelas, uma referente ao Custo Variável e outra ao Custo Fixo, que são apropriados de forma distinta. O Custo Variável reflete o gasto com o consumo dos itens referentes a combustível, lubrificantes, pneus e peças e acessórios e tem como parâmetro a quilometragem realizada que é influenciada pelos tipos de veículos que compõem a frota. O Custo Fixo é relacionado às despesas mensais com pessoal, despesas administrativas, depreciação e remuneração do capital, e essas despesas são influenciadas pelo tipo e pela idade dos veículos. CTST CV CF = Custo Total sem Tributação; = Custos Variáveis; = Custos Fixos; 14

15 Totalização das Despesas e Custos Com Tributação (CTCT) Método de Cálculo T PIS COFINS ISS PF = Percentual Total de Tributação = Programa de Integração Social; = Contribuição Social sobre Faturamento; = Imposto sobre Serviço; = Percentual sobre Faturamento; Totalização dos Custos Variáveis, Fixos e Tributação - (CTCT) CTCT CTST T = Custo Total com Tributação; = Custo Total sem Tributação; = Total de Tributos; Cálculo da Tarifa Técnica por Passageiro Transportado Remunerável TT CTCT PTra i = Tarifa Técnica; = Custo Total com Tributação; = Passageiros Transportados Remuneráveis. 15

16 4. Remuneração das Operadoras A Remuneração dos Serviços de Transporte Coletivo Urbano de Sorocaba é realizada mediante o produto de dois fatores: Valor da Tarifa Técnica por passageiro pagante transportado, ofertado em proposta comercial e a quantidade de passageiros transportados pagantes e integrados, devidamente registrados nos equipamentos de bilhetagem do sistema Remuneração do Transporte Coletivo Urbano A Remuneração das Concessionárias é realizada da seguinte forma: a) diariamente, 80% (oitenta por cento) remuneração apurada, paga no prazo de 10 (dez) dias, contados da realização da operação, remunerando o correspondente ao 1º (primeiro) dia, no 11º (décimo primeiro) dia subsequente e assim sucessivamente; b) mensalmente, o valor referente ao saldo ajustado, da remuneração mensal devida considerando a remuneração realizada diariamente, a ser efetivamente paga no 15 o (décimo quinto) dia do mês subsequente. Rd i ( VTpt i PTr i) Vp Remuneração Diária das Operadoras Das definições Rd i VTpt i Vp PTr i Remuneração diária devida à operadora i, expresso em (R$); Valor da tarifa técnica por passageiro transportado (pagante e integrado) da operadora i, conforme sua proposta, do lote contratado i, expresso em R$; Valor percentual de 80%, conforme Anexo III Minuta de Contrato de Concessão Onerosa, Capitulo VII Do Preço e Da Remuneração dos Serviços, cláusula 34ª, alínea a); Quantidade de passageiros transportados pagantes e integrados da operadora i, devidamente registrados nos ônibus e terminais, nas condições estabelecidas neste anexo. 16

17 Apuração da Remuneração Mensal das Operadoras A apuração da remuneração mensal devida á operadora i será calculada conforme formulação mostrada a seguir. R i ( VTpt i PTra i) Rdi Das definições R i VTpt i PTra i Remuneração mensal devida à operadora i, ajustada em conformidade com sua remuneração diária, expressa em (R$); Valor da Tarifa por passageiro transportado (pagantes e integrados) da operadora i, conforme sua proposta, do lote contratado i, expresso em (R$); Quantidade de passageiros pagantes e integrados da operadora i, devidamente registrados nos ônibus e terminais, referente ao período apurado, calculado conforme instruções item IV.1.3. ΣRd i Somatória da Remuneração diária devida à operadora i, expresso em (R$), referente ao período apurado, calculado conforme instruções item IV.1.1.a. 17

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL. CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA

ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL. CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA Concorrência 003/2015 PMSJDR Secretaria de Governo Página 1277 CRITÉRIO DE REAJUSTE Constitui princípio fundamental que informa

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS 1) Dados do Município/Região Metropolitana Município/RM: DADOS CADASTRAIS UF População Total: habitantes 2) Quem

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 ANEXO - II PROCESSO Nº 23216.000072/2014-31 APRESENTAÇÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 A presente Memória de Cálculo demonstram os passos seguidos para a fixação

Leia mais

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JANEIRO/ 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. MECANISMO DE PAGAMENTO... 1 3. REAJUSTES... 4 APÊNDICE 1... 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE CGH E PCH... 6 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência:

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Edital Concorrência Pública 05/2012 Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S/A BHTRANS 1 Conteúdo Introdução 03 Documentos Solicitados

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921 ANEXO VI Econômico Financeiro Secretaria de Transportes 921 6.1 Metodologia do Cálculo de Custos Operacionais do Transporte Coletivo Público Tem como objetivo descrever a metodologia do Cálculo de Custos

Leia mais

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 2014 TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 POTIGÁS DIRETORIA EXECUTIVA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO Este relatório apresenta a metodologia de cálculo da Tarifa Média da POTIGÁS para o ano de 2014, com base no Contrato

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 A Comissão Especial de Licitação para concessão da prestação e exploração do serviço de transporte coletivo por ônibus no Município

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

CNPJ: 00.698.097/0001-02

CNPJ: 00.698.097/0001-02 CNPJ: 00.698.097/0001-02 Porto Alegre, 18 de Janeiro de 2016 Ao Ilustríssimo Senhor Pregoeiro Autoridade Pública Olímpica APO RJ Processo Administrativo Nº 91214.001263/2015-71 Impugnação Edital 02/2016

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 1 MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Cidadania e Inclusão Social EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO

Leia mais

Lucro Operacional Bruto - 8.767.839 8.947.255 9.128.309 7.066.187 7.297.611 8.060.677 8.971.905 9.855.915 10.786.663 11.778.658 R$ 275.054.

Lucro Operacional Bruto - 8.767.839 8.947.255 9.128.309 7.066.187 7.297.611 8.060.677 8.971.905 9.855.915 10.786.663 11.778.658 R$ 275.054. 2.794.785,52 ao mês FLUXO DE CAIXA DESCONTADO (CENÁRIO BASE) 4 1,00 2,00 4,00 4 5 10 15 20 25 30 COMPONENTES / FLUXO DE CAIXA ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 10 ANO 15 ANO 20 ANO 25 ANO 30 TOTAL

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 Dezembro / 2013 METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO TIPO DE AUDITORIA : ESPECIAL UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO CÓDIGO : 250042 CIDADE : Rio de Janeiro/RJ RELATÓRIO Nº : 201204188

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Avaliação da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO

Leia mais

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final SETRABH Relatório de Atualização da Modelagem Econômico-financeira dos Contratos de Concessão após dois anos decorridos da Revisão Tarifária prevista em Contrato Versão Final Ernst & Young Assessoria Empresarial

Leia mais

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI DECRETO Nº 121/2015 Institui planilha de cálculo de tarifa para transporte coletivo municipal. LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI, Vice Prefeito Municipal de Gramado, em exercício, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 784/2007. (republicada no DOAL nº 9212, de 12 de março de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

SEGUNDO TERMO ADITIVO AO CONTRATO N 04/2010. FIRMADO PELO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COM O

SEGUNDO TERMO ADITIVO AO CONTRATO N 04/2010. FIRMADO PELO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COM O TRANSPORTAS TERMO ADITIVO N 14/2012 SEGUNDO TERMO ADITIVO AO CONTRATO N 04/2010. FIRMADO PELO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES COM O CONSÓRCIO SANTA CRUZ

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ]

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] 2009 [SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] Descrição das atividades, por etapas sistemáticas, que compõe a atividade de Pagamento aos Proprietários

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas SINTRAM Expositor: Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano Rubens Lessa Carvalho REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE HISTÓRICO DO

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: a. Carta de apresentação

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL O objetivo da PROPOSTA COMERCIAL é a definição, por parte da LICITANTE, do VALOR PRESENTE (VP) do percentual de 3% sobre o lucro líquido que

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

1. Considerações Iniciais

1. Considerações Iniciais AGÊNCIA ESTADUAL DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DELEGADOS DO RIO GRANDE DO SUL Av. Borges de Medeiros, 659-13º andar - Bairro Centro - CEP 90020-023 - Porto Alegre - RS - www.agergs.rs.gov.br CNPJ

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000581/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014079/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46334.001611/2015-99 DATA DO

Leia mais