[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local."

Transcrição

1 INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2, Preço de um pneu novo p/ veículo leve (R$ 922,99 + R$ 1.370,01 -:- 2) R$ 1.146,50 2 Preço de um pneu novo p/ veículo pesado (R$ 922,99 + R$ 1.370,01 -:- 2) R$ 1.146,50 3 Preço de um pneu novo p/ veículo especial R$ - 4 Preço de uma recapagem p/ veículo leve R$ 398,38 5 Preço de uma recapagem p/ veículo pesado R$ 398,38 6 Preço de uma recapagem p/ veículo especial R$ - 7 Preço de uma câmara de ar p/ veículo leve R$ - 8 Preço de uma câmara de ar p/ veículo pesado R$ - 9 Preço de uma câmara de ar p/ veículo especial R$ - 10 Preço de um protetor p/ veículo leve R$ - 11 Preço de um protetor p/ veículo pesado R$ - 12 Preço de um protetor p/ veículo especial R$ - 13 Preço ponderado de um chassi novo p/ veículo leve R$ ,22 14 Preço ponderado de um chassi novo p/ veículo pesado R$ ,00 15 Preço ponderado de um chassi novo p/ veículo especial R$ - 16 Preço ponderado de uma carroceria nova p/ veículo leve R$ ,16 17 Preço ponderado de uma carroceria nova p/ veículo pesado R$ ,00 18 Preço ponderado de uma carroceria nova p/ veículo especial R$ - 19 Salário-base mensal de motorista R$ 1.745,44 20 Salário-base mensal de cobrador R$ 796,18 21 Salário-base mensal de fiscal/despachante R$ 877,00 22 Benefício mensal total [¹] convênio médico R$ 9.909,78 cesta básica/vale aliment. R$ ,20 vale refeição R$ ,00 R$ ,98 23 Remuneração mensal total de diretoria [²] R$ 6.500,00 24 Desp.anual (frota total) c/ seguro de responsabilidade civil [³] R$ - 25 Desp.anual com seguro obrigatório por veículo R$ 396,49 26 Desp.anual (frota total) com o IPVA [4] R$ - 27 Obs : a forma de obtenção destes dados é detalhada no Anexo I. [¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. [²]Remuneração efetivamente paga aos diretores de empresas operadoras. Valores sujeitos à aprovação do orgão de gerência local. [³]Prêmio de seguro efetuado mediante aprovação do órgão de gerência local. [4] Quando não houver isenção.. CUSTO DO VEÍCULO Considera-se neste trabalho a classificação dos veiculos em três categorias, quais sejam Categoria Potência do Motor Exemplos de Modelo

2 Leve até 200 HP Convenc./alongado/monobloco Pesado Acima de 200 HP Padron, com 2 ou 3 portas Especial Acima de 200 HP Articulado - Preço do Veículo Leve chassi carroceria 14 R$ , R$ ,16 = R$ , Preço do Veículo Pesado chassi carroceria 15 R$ , R$ ,00 = R$ , Preço do Veículo especial chassi carroceria 16 R$ R$ - = R$ - 30 Preço do Veículo Novo Menos Rodagem - Veículo Leve pneu câmara 28 R$ ,38 - [ (2) R$ 1.146,50 + (8) R$ 0,00 + protetor + (11) R$ 0,00 ] x 6 = R$ , Veículo Pesado pneu câmara 29 R$ ,00 - [ (3) R$ 1.146,50 + (9) R$ 0,00 + protetor + (12) R$ 0,00 ] x 6 = R$ , Veículo Especial pneu câmara 30 R$ - - [ (4) R$ - + (10) R$ - + protetor + (13) R$ - ] x 10 = R$ DADOS OPERACIONAIS 2.1-CÁLCULO DO NÚMERO EQUIVALENTE DE PASSAGEIROS 2.2-FROTA 2.3-QUILOMETRAGEM PERCORRIDA

3 2.4-PERCURSO MÉDIO MENSAL (PMM) 2.5-ÍNDICE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES POR QUILOMETRO (IPKe) 2.1-CÁLCULO DO NÚMERO EQUIVALENTE DE PASSAGEIROS. Número de Passageiros Transportados (Média dos últimos doze meses) - Passageiros transportados com desconto de 50 % [5] Passageiros transportados sem desconto Cálculo do número equivalente de passageiros transportados por mês x 1-50/100 + (35) FROTA = Frota Operante [6] Frota Total [7] VEÍCULO LEVE VEÍCULO PESADO VEÍCULO ESPECIAL (38) (46) (39) (47) (40) (48) (41) (49) (42) (50) (43) (51) (44) (52) > 7 8 (45) (53) (54) (55) > (56) > [5] Existindo mais de uma categoria de desconto, considerá-las individualmente [6] Quantidade de veículos necessários para a operação das linhas [7] Frota operante + Frota-Reserva ( 5 a 15 % da frota operante). Frota Total Frota Total de Veículos Leves (38)+(39)...+(45) Frota Total de Veículos Pesados (46)+(47)...+(56) 70 71

4 Frota Total de Veículos Especiais (57)+(58)...+(69) 0 72 Frota Total (70) + (71) + (72) Frota Reserva (37) 75 = QUILOMETRAGEM PERCORRIDA. Quilometragem Produtiva (média dos últimos doze meses) [8] Quilometragem Improdutiva [9] Quilometragem Mensal Percorrida (75) + (76) PERCURSO MÉDIO MENSAL (PMM). Quilometragem Mensal Percorrida Frota Operante Cálculo do PMM / = 7.204, ÍNDICE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES POR QUILÔMETRO (IPKe) Passageiro Equivalente Mensal Quilometragem Mensal Percorrida Cálculo do IPKe / ,99 79 [8] Utilizar a média dos últimos 12 meses, adicionando e/ou subtraindo eventuais expansões e reduções do serviço programado para o período de vigência da tarifa. [9] Limitada a 5% a quilometragem produtiva de cada empresa. 3.1 COMBUSTÍVEL 3.2 LUBRIFICANTES 3.3 RODAGEM 3.4 PEÇAS E ACESSÓRIOS 3.5 CUSTO VARIÁVEL TOTAL 3.1 COMBUSTÍVEL

5 . Preço de um litro de Combustível R$ 2, Coeficiente de Consumo [10] Tipo de Veículo Limite Inferior Limite Superior Leve 0,35 0,39 Pesado 0,45 0,50 Especial 0,53 0,65. Cálculo do Custo do Combustível por Quilometro - Veículo Leve coef de consumo 1 R$ 2,1171 x 0,35 = R$ 0, Veículo Pesado coef de consumo 1 R$ 2,1365 x 0,45 = R$ 0, Veículo Especial coef de consumo 1 R$ - x = R$ Cálculo de Custo de Combustivél Ponderado por Quilômetro 80 R$ 0,7410 x = R$ 13, R$ 0,9614 x = R$ 67, R$ - x 72 0 = R$ - 85 (83) + (84) + (85) R$ 80, R$ 80,6375 / = R$ 0, [10] No caso de a linha apresentar trechos não pavimentados superiores a 20% de sua extensão, acrescentar 10% no valor do coeficiente de consumo. 3.2 LUBRIFICANTES (consumo Equivalente em Combustível). Preço de um litro de Combustível R$ 2, Coeficiente de Consumo Equivalente em Combustível [10]

6 COEFICIENTE DE CONSUMO DE LUBRIFICANTES ( l/km) Limite inferior Limite Superior 0,04 0,06 coef.cons.equiv. 1 R$ 2,11710 x 0,04 = R$ 0, RODAGEM - Veículo Leve Preço Unitário Quantidade resultado.pneu (2) R$ 1.146,50 x 6 = R$ 6.879,00 89 recap.recap. (5) R$ 398,38 x 6 2 = R$ 4.780,56 90 ver quadro.câmara (8) R$ - x6 x 2 = R$ - 91 de ar.protetor (11) R$ - x6 x 2 = R$ Veículo Pesado Preço Unitário Quantidade resultado.pneu (3) R$ 1.146,50 x 6 = R$ 6.879,00 93 recap.recap. (6) R$ 398,38 x 6 2 = R$ 4.780,56 94 ver quadro.câmara (9) R$ - x6 x 2 = R$ - 95 de ar.protetor (12) R$ - x6 x 2 = R$ Veículo Especial Preço Unitário Quantidade resultado.pneu (4) R$ - x 10 = R$ - 97 recap.recap. (7) R$ - x 10 2 = R$ - 98 ver quadro.câmara (10) R$ - x 10 x 2 = R$ - 99 de ar.protetor (13) R$ - x 10 x 2 = R$ - 100

7 [10] No caso de a linha apresentar trechos não pavimentados superiores a 20% de sua extensão, acrescentar 10% no valor do coeficiente de consumo. NÚMERO DE RECAPAGENS Tipo de Pneu Limite inferior Limite Superior Diagonal 2,5 3,5 Radial 2,0 3,0. Custo Total de Rodagem - Veículo Leve pneu recapagem câmara-de-ar 89 R$ 6.879,00 + (90) R$ 4.780,56 + (91) R$ - + protetor + (92) R$ - = R$ , Veículo Pesado pneu recapagem câmara-de-ar 93 R$ 6.879,00 + (94) R$ 4.780,56 + (95) R$ - + protetor + (96) R$ - = R$ , Veículo Especial pneu recapagem câmara-de-ar 97 R$ - + (98) R$ - + (99) R$ - + protetor + (100) R$ - = R$ Vida útil (ver quadro) - Veículo Leve km - Veículo Pesado Veículo Especial VIDA ÚTIL (km) Tipo de Pneu Limite Inferior Limite Superior Diagonal

8 Radial Cálculo do Custo da Rodagem por Quilômetro - Veículo Leve 101 R$ ,56 / = R$ 0, Veículo Pesado 102 R$ ,56 / = R$ 0, Veículo Especial 103 / 106 = 109. Cálculo do Custo Ponderado da Rodagem por Quilômetro 107 R$ 0,1372 x = R$ 2, ,1372 x = 9, x (110) + (111) + (112) R$ 12, R$ 12,0711 / = R$ 0, PEÇAS E ACESSÓRIOS. Custo de Peças e Acessórios por Quilômetro (ver quadro) - Veículo Leve coeficiente 28 R$ ,38 x 0,0033 / 78 R$ 7.204,37 = R$ 0, Veículo Pesado coeficiente 29 R$ ,00 x 0,0033 / 78 R$ 7.204,37 = 0, Veículo Especial coeficiente 30 x / 78

9 = 117 Limite Inferior COEFICIENTE DE PEÇAS E ACESSÓRIOS Limite Superior 0,0033 0,0083. Custo de Peças e Acessórios Ponderado por Quilômetro 115 R$ 0,1203 x (70) 18 = R$ 2, ,1154 x (71) 70 = 8, x (72) = 120 (118) + ( 119) + (120) R$ 10, R$ 10,2422 / (73) 88 = R$ 0, CUSTO VARIÁVEL TOTAL -Veículo Leve 80 R$ 0,74 + (88) R$ 0, (107) R$ 0, (115) R$ 0,1203 = R$ 1, Veículo Pesado 81 R$ 0, (88) R$ 0, (108) 0, (116) 0,1154 = R$ 1, Veículo Especial 82 + ( 88) + (109) + + (117) = 125. Custo Variável Total Ponderado

10 87 R$ 0, (88) R$ 0, (114) R$ 0, (122) R$ 0,1164 = R$ 1, CUSTOS FIXOS 4.1 CUSTO DE CAPITAL Depreciação Remuneração 4.2 DESPESAS COM PESSOAL 4.3 DESPESAS ADMINISTRATIVAS 4.4 CUSTO FIXO TOTAL 4.1 CUSTOS DE CAPITAL Depreciação Depreciação de Veículo. Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves Veículos 0 a 1 ano (38) 0 x 0,2000 = 0, a 2 anos (39) 0 x 0,1714 = 0, a 3 anos (40) 0 x 0,1429 = 0, a 4 anos (41) 0 x 0,1143 = 0, a 5 anos (42) 10 x 0,0857 = 0, a 6 anos (43) 0 x 0,0571 = 0, a 7 anos (44) 0 x 0,0286 = 0, anos (45) 8 x 0,0000 = 0, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves (127) + (128) +...(134) 0, Depreciação Anual Frota de Veículos Leves 31 R$ ,38 x (135) 0,8570 = R$ , Depreciação Anual do Veículo Leve 136 R$ ,93 / = R$ , Depreciação Mensal do Veículo Leve

11 137 R$ ,94 / 12 = R$ 1.014, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados Veículos 0 a 1 ano (46) 10 x 0,1545 = 1, a 2 anos (47) 0 x 0,1391 = 0, a 3 anos (48) 10 x 0,1236 = 1, a 4 anos (49) 15 x 0,1082 = 1, a 5 anos (50) 0 x 0,0927 = 0, a 6 anos (51) 10 x 0,0773 = 0, a 7 anos (52) 0 x 0,0618 = 0, a 8 anos (53) 0 x 0,0464 = 0, a 9 anos (54) 0 x 0,0309 = 0, a 10 anos (55) 0 x 0,0155 = 0, anos (56) 25 x 0,0000 = 0, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados (139) + (140)+...(149) 5, Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados 32 R$ ,00 x 150 5,1770 = R$ , Depreciação Anual do Veículo Pesado 151 R$ ,72 / = R$ , Depreciação Mensal do Veículo Pesado 152 R$ ,05 / 12 = R$ 1.510, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais Veículos 0 a 1 ano (57) 0 x 0,1385 = 0, a 2 anos (58) 0 x 0,1269 = 0,

12 2 a 3 anos (59) 0 x 0,1154 = 0, a 4 anos (60) 0 x 0,1038 = 0, a 5 anos (61) 0 x 0,0923 = 0, a 6 anos (62) 0 x 0,0808 = 0, a 7 anos (63) 0 x 0,0692 = 0, a 8 anos (64) 0 x 0,0577 = 0, a 9 anos (65) 0 x 0,0462 = 0, a 10 anos(66) 0 x 0,0346 = 0, a 11 anos(67) 0 x 0,0231 = 0, a 12 anos(68) 0 x 0,0115 = 0, anos (69) 0 x 0,0000 = 0, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais (154) + (155) +...(166) 0, Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais 33 R$ 0,00 x 167 0,0000 = R$ Depreciação Anual do Veículo Especial 168 R$ - / 72 0 = R$ Depreciação Mensal do Veículo Especial 169 R$ - / 12 = R$ Cálculo de Custo Ponderado de Depreciação de Veículos 138 R$ 1.014,66 x = R$ , R$ 1.510,09 x = R$ , R$ - x 72 0 = R$ (171) + (172) + (173) R$ , R$ ,05 / = R$ 1.408, Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos

13 28 R$ ,38 x 0,0001 = R$ 26, Depreciação Total 175 R$ 1.408, R$ 26,26 = R$ 1.435, Remuneração Remuneração do Veículo - Veículo Leve. Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Leves Veículos 0 a 1 ano (38) 0 x 0,1200 = 0, a 2 anos (39) 0 x 0,0960 = 0, a 3 anos (40) 0 x 0,0754 = 0, a 4 anos (41) 0 x 0,0583 = 0, a 5 anos (42) 10 x 0,0446 = 0, a 6 anos (43) 0 x 0,0343 = 0, a 7 anos (44) 0 x 0,0274 = 0, anos (45) 8 x 0,0240 = 0, Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Leves (178)+(179)...(185) = 0, remuneração Anual da Frota de Veículos Leves 31 R$ ,38 x 186 0,6380 = R$ , remuneração Anual do Veículo Leve 187 R$ ,45 / = R$ 9.064, remuneração Mensal do Veículo Leve 188 R$ 9.064,47 / 12 = R$ 755,37 189

14 - Veículo Pesado. Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados Veículos 0 a 1 ano (46) 10 x 0,1200 = 1, a 2 anos (47) 0 x 0,1015 = 0, a 3 anos (48) 10 x 0,0848 = 0, a 4 anos (49) 15 x 0,0699 = 1, a 5 anos (50) 0 x 0,0569 = 0, a 6 anos (51) 10 x 0,0458 = 0, a 7 anos (52) 0 x 0,0365 = 0, a 8 anos (53) 0 x 0,0291 = 0, a 9 anos (54) 0 x 0,0236 = 0, a 10 anos (55) 0 x 0,0199 = 0, anos (56) 25 x 0,0180 = 0, Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados (190) + (191)...+(200) 4, remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados 32 R$ ,00 x 201 4,0045 = R$ , remuneração Anual do Veículo Pesado 202 R$ ,59 / = R$ , remuneração Mensal do Veículo Pesado 203 R$ ,95 / 12 = R$ 1.168,08 204

15 - Veículo Especial. Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais 0 a 1 ano (57) 0 x 0,1200 = 0, a 2 anos (58) 0 x 0,1034 = 0, a 3 anos (59) 0 x 0,0882 = 0, a 4 anos (60) 0 x 0,0743 = 0, a 5 anos (61) 0 x 0,0618 = 0, a 6 anos (62) 0 x 0,0508 = 0, a 7 anos (63) 0 x 0,0411 = 0, a 8 anos (64) 0 x 0,0328 = 0, a 9 anos (65) 0 x 0,0258 = 0, a 10 anos(66) 0 x 0,0203 = 0, a 11 anos(67) 0 x 0,0162 = 0, a 12 anos(68) 0 x 0,0134 = 0, anos (69) 0 x 0,0120 = 0, Coeficiente de remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais (205)+(206)+...(217) = 0, remuneração Anual da Frota de Veículos Especias 33 R$ - x 218 0,0000 = R$ Remuneração Anual do Veículo Especial 219 R$ - / 72 0 = R$ Remuneração Mensal do Veículo Especial 220 R$ - / 12 = R$ - 221

16 . Cálculo do Custo Ponderado de Depreciação Remuneração de Veículos de Veículos 189 R$ 755,37 x = R$ , R$ 1.168,08 x = R$ , R$ - x 72 0 = R$ (222) + (223) + (224) R$ , R$ ,25 / = R$ 1.083, Remuneração Mensal de Máquinas, Instalações e Equipamentos 28 R$ ,38 x 0,0004 = R$ 105, Remuneração Mensal do Almoxarifado 28 R$ ,38 x 0,0003 = R$ 78, R$ ,00 x 0,0003 = R$ 75, R$ - x 0,0003 = R$ Cálculo do Custo Ponderado de Remuneração do Almoxarifado 228 R$ 78,78 x = R$ 1.418, R$ 75,57 x = R$ 5.289, R$ - x 72 0 = R$ (231) + (232) + (233) R$ 6.708, R$ 6.708,03 / = R$ 76, Remuneração Mensal do Investimento em Obras do Sistema de Transporte 261 x 0, = R$ Remuneração Total

17 226 R$ 1.083, R$ 105, R$ 76, R$ - = R$ 1.264, Custo Total de Capital 177 R$ 1.435, R$ 1.264,94 = R$ 2.699, DESPESAS COM PESSOAL. Pessoal de Operação encargos fator Util -Motorista (20) R$ 1.745,44 x 1,5535 x 2,25 = R$ 6.100, Cobrador (21) R$ 796,18 x 1,5535 x 0,13 = R$ 160, Fiscais (22) R$ 877,00 x 1,5535 x 0,24 = R$ 326, Despesa Mensal com Pessoal de Operação (238) + (239) + (240) R$ 6.588, FATOR UTILIZAÇÃO Pessoal de Operação Limite Inferior Limite Superior Motorista 2,20 2,80 Cobrador 2,20 2,80 Fiscal 0,20 0,50. Pessoal de Operação coeficiente 241 R$ 6.588,74 x 0,15 = R$ 988, Pessoal Administrativo coeficiente 241 R$ 6.588,74 x 0,13 = R$ 856, COEFICIENTES Categoria do Pessoal Limite Inferior Limite Superior

18 Manutenção 0,12 0,15 Administrativo 0,08 0,13. Benefícios 23 R$ ,98 / = R$ 1.221, Remuneração da Diretoria 24 R$ 6.500,00 / = R$ 86, Total das Depesas com Pessoal 241 R$ 6.588, R$ 988, R$ 856, R$ 1.221, R$ 86,67 = R$ 9.741, DESPESAS ADMINISTRATIVAS coeficiente 28 R$ ,38 x 0,0017 = R$ 446, Limite Inferior COEFICIENTE DE DESPESAS GERAIS Limite Superior 0,0017 0,0033. Seguro de Responsabilidade Civil 25 R$ - / / 12 = Seguro Obrigatório 26 R$ 396,49 / 12 = R$ 33, I P V A 27 R$ - / / 12 = R$ Total das Despesas Administrativas 247 R$ 446, R$ R$ 33, R$ - = R$ 479, CUSTO FIXO TOTAL. Custo de Capital Administrativo

19 [237 R$ 2.699, R$ 479,49 ]x = R$ , Custo de Pessoal 246 R$ 9.741,81 x = R$ , Custo Fixo Total 252 R$ , R$ ,07 = R$ , Custo Fixo Total por km 254 R$ ,53 / = 1, CÁLCULO FINAL TARIFA. Custo Total 126 R$ 1, R$ 1,8700 = R$ 3, Tributos Soma das Alíquotas sobre a Receita 5,00% 257 Fator de equivalência 1- [ 257 5,00% / 100 ]= 0, Custo Total com Tributos fator equivalência 256 R$ 3,1246 / 258 0,9500 = R$ 3, Cálculo da Tarifa IPKe 259 R$ 3,2891 / 79 0,99 = R$ 3, Bragança Paulista, de Novembro Março de de NOSSA SENHORA DE FÁTIMA AUTO-ÔNIBUS LTDA. Antonio Fernando Chiarion - procurador

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921 ANEXO VI Econômico Financeiro Secretaria de Transportes 921 6.1 Metodologia do Cálculo de Custos Operacionais do Transporte Coletivo Público Tem como objetivo descrever a metodologia do Cálculo de Custos

Leia mais

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 Dezembro / 2013 METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL UM ESTUDO DOS CUSTOS NA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DE BOA

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS.

CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS. CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS. Renato Guimarães Ribeiro GETRANS Goiânia RESUMO A operação de veículos de

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR Relatório Final Rio de Janeiro, 30 de junho de 2006 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 1 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência:

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Edital Concorrência Pública 05/2012 Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S/A BHTRANS 1 Conteúdo Introdução 03 Documentos Solicitados

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM

Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM Cálculo Tarifário do Transporte Coletivo Urbano DEZ / 2014 1 INSUMOS BÁSICOS R$ Preço de um litro

Leia mais

Manual para usuários site Lucrei no Frete

Manual para usuários site Lucrei no Frete Manual para usuários site Lucrei no Frete Para login clicar no endereço abaixo ou copiar e colar no navegador. http://lucreinofrete.a3sistemas.com.br/minha_conta/login.php Clicar em Registrar Preencher

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO TIPO DE AUDITORIA : ESPECIAL UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO CÓDIGO : 250042 CIDADE : Rio de Janeiro/RJ RELATÓRIO Nº : 201204188

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA

CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 PBP/3.1.6.3 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO Impactos do Desequilíbrio Contratual Agosto de 2013 SUMÁRIO PREÂMBULO... 3 INTRODUÇÃO... 7 Tarifa equivalente... 7 Natureza e objetivos do estudo... 8 Cláusulas contratuais:

Leia mais

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final SETRABH Relatório de Atualização da Modelagem Econômico-financeira dos Contratos de Concessão após dois anos decorridos da Revisão Tarifária prevista em Contrato Versão Final Ernst & Young Assessoria Empresarial

Leia mais

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA 1. TRABALHO REALIZADO PELO MPC E TCE 2. DADOS DO SISTEMA 3. CUSTOS TARIFÁRIOS: EXEMPLOS 4. GRATUIDADES 5. PLANILHA TARIFÁRIA

Leia mais

Nota Técnica. Revisão Tarifária Sistema Metropolitano Regular Parâmetros e Coeficientes Operacionais. Coordenadoria de Transportes CTR

Nota Técnica. Revisão Tarifária Sistema Metropolitano Regular Parâmetros e Coeficientes Operacionais. Coordenadoria de Transportes CTR Nota Técnica Revisão Tarifária Sistema Metropolitano Regular Parâmetros e Coeficientes Operacionais Coordenadoria de Transportes CTR Diretoria de Trânsito e Transportes - DITET Agosto de 2011 Sumário 1.

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Tarifa simplificada

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos.

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Matteus Freitas¹; Arthur Oliveira¹; Alice Ozorio¹; Roberta Carolina Faria¹; Filipe Oliveira¹; André Dantas¹. ¹Associação

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG -FROTA

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG -FROTA Planilha de Apropriação de Custos Uberaba / MG FROTA 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7338 /l

Leia mais

sediada à Avenida Ernesto Vaz de Lima n 79 - Bairro do Uberaba nesta cidade de Bragança

sediada à Avenida Ernesto Vaz de Lima n 79 - Bairro do Uberaba nesta cidade de Bragança EXCELENTÍSSIMO SENHOR DR. FERNÃO DIAS DA SILVA LEME DD. PREFEITO MUNICIPAL DE BRAGANÇA PAULISTA REAJUSTE NO VALOR DE TARIFA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA AUTO-ÔNIBUS LTDA. concessionária do serviço de transporte

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA Março, 2015 2 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1 CUSTOS... 6 1.1 Custos fixos...

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília CÁLCULO TARIFÁRIO AN P Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília Flavio Augusto de Oliveira Passos Dias Secretaria de Estado de Transportes do Distrito

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224 PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - (Dados a.) NOME DA EMPRESA Ano de Referência Período Referencial de Custos Composição dos Dados Básicos - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano - Média Concessão 365

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

CNPJ: 00.698.097/0001-02

CNPJ: 00.698.097/0001-02 CNPJ: 00.698.097/0001-02 Porto Alegre, 18 de Janeiro de 2016 Ao Ilustríssimo Senhor Pregoeiro Autoridade Pública Olímpica APO RJ Processo Administrativo Nº 91214.001263/2015-71 Impugnação Edital 02/2016

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que por conta da Resolução CONAMA 403/2008, a partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Fase P-7 do Programa

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais