DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS"

Transcrição

1 METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

2 ÍNDICE Título Índice Instruções básicas Cálculo tarifário Conceitos básicos e metodologia geral Considerações iniciais Estrutura dos custos operacionais Custos fixos Depreciação Remuneração do investimento Remuneração do operador Seguros, taxas e encargos sociais Lavagem geral e limpeza diária Custos variáveis Combustível Lubrificantes Rodagem Manutenção do veículo Metodologia de cálculo da tarifa Entrada de dados Planilha de custos operacionais dos serviços de táxi Memória de cálculo Gráfico Cotação e levantamento de gasolina, etanol, lubrificantes e pneu Tabela de depreciação anual de veículos Tabela de remuneração anual de veículos Determinação dos custos operacionais Levantamento de preços e determinação de parâmetros operacionais Coleta de preços para apropriação do custo operacional Combustível, lubrificantes e lavagem geral Rodagem (pneus e câmaras)...19 Manutenção mecânica e elétrica Salário do motorista Encargos sociais Seguros e taxas Veículos e equipamentos Fixação dos índices técnicos de consumo Consumo de pneu, câmara e recapagem Consumo de manutenção mecânica, elétrica e bateria Vida útil dos veículos e equipamentos Valor residual dos veículos e equipamentos Para a vida útil indica anteriormente, os parâmetros de valor residual poderão ser: Jornada de trabalho Taxa de juros de capital SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

3 Definição dos parâmetros operacionais Coeficiente de ocupação Quilometragem rodada total Quilometragem ocupada por usuários Tamanho médio da corrida Número de corridas Composição da frota Tipos de taxímetros Cálculo do custo operacional Cálculo do custo variável Combustível Custo médio ponderado de combustível Lubrificantes Rodagem (pneus e câmaras)...22 Manutenção do veículo Cálculo do custo da manutenção elétrica e mecânica Cálculo do custo de bateria Cálculo do custo fixo Remuneração do operador Depreciação Depreciação do veículo Vida economicamente útil Valor residual Método do cálculo Veículo Fator de depreciação anual Taxímetro Depreciação total Remuneração do investimento Para o veículo Fator de remuneração anual Para o taxímetro Remuneração de outros equipamentos diversos Taxas e seguros Custo total mensal Acompanhamento econômico do serviço Desempenho operacional Alterações do custo operacional Alterações na operação do serviço Alterações contábeis na planilha de custos Memória de cálculo II Reajustes da tarifa do transporte por táxi de Uberlândia a Conceitos básicos de estatísticas A importância do uso da estatística Duvidas e/ou esclarecimentos SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

4 INSTRUÇÕES BÁSICAS GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR TÁXI CÁLCULO TARIFÁRIO DOS CUSTOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS DE TÁXI ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TÁXI SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

5 CÁLCULO TARIFÁRIO 1. CONCEITOS BÁSICOS E METODOLOGIA GERAL 1.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Para garantir a operação do serviço de táxi, o motorista incorre em uma série de custos. Existem aqueles que, para sua cobertura, exigem dispêndios freqüentes de recursos (combustível). Outros que também exigem dispêndio de caixa quando ocorrem, porém sua freqüência é menos intensa. Por exemplo, manutenção mecânica do veículo (trimestral); licenciamento de veículos (anual); recolhimento de INSS (mensal); taxa Sindicato (mensal). Existem, por outro lado, custos que não exigem desembolso freqüente de caixa: é o caso de depreciação e da remuneração do investimento. Estes são de percepção menor por parte do operador, por serem despesas virtuais. A importância destes conceitos está no fato de se entender que o custo operacional do serviço não se limita à somatória dos custos que exigiram saídas de caixa em determinado período. No entanto, na prática, como o operador do serviço não segue rigorosamente esta lógica, poderá ocorrer que desembolse toda a receita que entrou durante o período. Quando chegar o momento de trocar seu veículo, não terá os fundos necessários para isto. Para uma adequada administração desse problema o poder público deve estar aparelhado para: - o desenvolvimento e implantação de uma planilha de apuração de custos operacionais do serviço; - a definição da estrutura de custos; - o acompanhamento periódico da evolução do custo operacional; - a apuração periódica do desempenho operacional ESTRUTURA DOS CUSTOS OPERACIONAIS CUSTOS FIXOS São aqueles independentes do volume de produção dos serviços. São os custos necessários para implantar e manter instalados os serviços. Inclusive a remuneração da mão-de-obra necessária à operação. São considerados custos fixos: CUSTOS FIXOS 1. Depreciação do veículo, taxímetro, rádio comunicador, etc; 2. Remuneração do investimento; 3. Remuneração do operador; 4. Seguros, taxas e encargos sociais; 5. Lavagem geral e limpeza diária. DEPRECIAÇÃO: Representa o capital consumido na operação do serviço com o desgaste dos equipamentos (veículo, taxímetro, etc...). Este custo permite que o operador, ao final da vida útil dos equipamentos, tenha acumulado recursos suficientes para a sua substituição, repondo o valor do capital empregado inicialmente. REMUNERAÇÃO DO INVESTIMENTO: Cobre o lucro do cooperado sobre o capital investido, devendo corresponder ao ganho normal de aplicações de capital em outras atividades de risco equivalente. Portanto, a taxa de remuneração do investimento deverá ser aplicada sobre o investimento realizado para a prestação dos serviços (veículo e acessórios obrigatórios). REMUNERAÇÃO DO OPERADOR: Cobre o valor do trabalho do operador do serviço, devendo-se considerar para tanto pelo menos uma jornada diária de 08 (oito) horas e de pelo menos 25 (vinte e cinco) dias mensais. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

6 SEGUROS, TAXAS E ENCARGOS SOCIAIS: Cobre os gastos com a contratação de seguro obrigatório do veículo, pagamento de taxas administrativas e emolumentos recolhidos aos órgãos públicos responsáveis pela emissão de documentos obrigatórios à prestação do serviço; e recolhimento dos encargos sociais. LAVAGEM GERAL E LIMPEZA DIÁRIA: Cobre as despesas de manter o veículo em condições de higiene e boa apresentação para prestação do serviço CUSTOS VARIÁVEIS Custos variáveis são aqueles decorrentes da produção dos serviços, medida em termos de quilometragem percorrida em determinado período (normalmente um mês). São considerados custos variáveis: CUSTOS VARIÁVEIS 1. Combustível; 2. Lubrificantes; 3. Rodagem (pneus e câmaras); 4. Manutenção mecânica e elétrica. COMBUSTÍVEL: Representa o consumo necessário para a operação do serviço e o respectivo preço unitário; deve ser determinado com sua participação na frota em termos de porte de veículo e tipo de combustível utilizado. LUBRIFICANTES: De forma idêntica aos combustíveis, são computados os gastos decorrentes do consumo de óleos lubrificantes, óleos para caixa de mudança, bateria elétrica etc. RODAGEM: Referente ao gasto com pneus, câmaras de ar e eventual recapagem admitida uma vida útil ideal para o conjunto. MANUTENÇÃO DO VEÍCULO: Representa os gastos com serviços de oficina e peças sobressalentes. A participação percentual de cada um dos itens total, é variável para cada cidade, tendo em vista as peculiaridades. No entanto, pode-se afirmar que os custos fixos normalmente constituem cerca de 2/3 do custo total, sobretudo pelo fato de conterem o custo de remuneração do operador que, isoladamente, geralmente ultrapassa 1/3 do custo total METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA De forma similar ao cálculo da tarifa de ônibus trata-se de identificar e quantificar os custos operacionais do sistema e, a seguir, rateá-lo entre os usuários previstos. Para facilitar este trabalho pode-se utilizar uma planilha como a ilustrada a seguir. Considerações sobre os conceitos e detalhamento da metodologia para o preenchimento da mesma são feitas a seguir, com o desenvolvimento de um exemplo, que é mostrado, através da planilha preenchida. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

7 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI ENTRADA DE DADOS 1.1. COMBUSTÍVEL, LUBRIFICANTES E LAVAGEM Veículos Percentual * Preço de um litro de Gasolina 2,95 R$/L ,26% * Preço de um litro de Etanol 2,82 R$/L ,74% * Preço de um litro de Óleo para Motor 55,00 R$/L * Preço de um litro de Óleo da Caixa de Transmissão 35,00 R$/L * Preço de uma Lavagem Geral 20,00 R$/Un Total Geral ,00% 1.2. RODAGEM * Preço de um Pneu Radial novo 150,00 R$/Un * Preço de uma Câmara de Ar 30,00 R$/Un * Preço de uma Recapagem para Radial 50,00 R$/Un 1.3. BATERIA * Preço de uma Bateria nova 210,00 R$/Un 1.4. PESSOAL Salário do motorista do sistema URBANO 1.308,00 R$/Mês Encargos sociais - Autônomos 20% % 1.569,60 R$/Mês 1.5. SEGURO E TAXAS Seguro obrigatório (anual) I.P.V.A. (anual) Imposto sobre ocupação de solo (anual) Imposto sindical (anual) Aferição do taxímetro (anual) Licenciamento placa do veículo de aluguel (anual) Inscrição no cadastro de motorista de táxi CMC (anual) I.S.S. (trimestral) 86,77 R$/Ano 115,16 R$/Ano 142,06 R$/Ano 76,46 R$/Ano 47,50 R$/Ano 116,88 R$/Ano 30,27 R$/Ano 28,21 R$/Tri 1.6. VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS Veículo Novo de Referência (marca/modelo) Veículo ,00 R$/Un Veículo 2 0,00 R$/Un Veículo 3 0,00 R$/Un Taxímetro Novo por Tipo Veículos Percentual Taxímetro Digital ,00% 480,00 R$/Un Taxímetro Eletro-Mecânico 0 0,00% 0,00 R$/Un Total Geral ,00% Diversos Luminoso completo 110,00 R$/Un Placa de veículo de aluguel 180,00 R$/Par 2.4. PESSOAL Dias trabalhados/mês Jornada de trabalho Diária 8 H/Dia Mensal 200 H/Mês 25 Dias/Mês - - Fonte: SETTRAN- Entrada de Dados Uberlândia-MG, 02/02/2013

8 3. DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS OPERACIONAIS PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI ENTRADA DE DADOS 3.1. INDICADORES DE PRODUÇÃO Coeficiente de Ocupação 50% Quilometragem Rodada Total Km/Mês Quilometragem Ocupada por Passageiros Km/Pass Tamanho Médio da viagem 8,10 Km/Viagem Número de corridas c/ Passageiros 125 Viagem/Pass 3.2. COMPOSIÇÃO ETÁRIA DA FROTA Tipo de Combustível à Gasolina 51,26% à Etanol 48,74% Total Geral 100,00% Veículos de Referência Veículo 1 Total Veíc ,00% Veículo 2 0 0,00% Veículo 3 0 0,00% Total Geral ,00% veículos Participação Etária da Frota do Sistema Percentual veículos de 00 a 01 ano 05 Veíc 1,81% 01 a 02 anos 65 Veíc 23,47% 02 a 03 anos 61 Veíc 22,02% 03 a 04 anos 62 Veíc 22,38% 04 a 05 anos 27 Veíc 9,75% 05 a 06 anos 28 Veíc 10,11% 06 a 07 anos 08 Veíc 2,89% 07 a 08 anos 09 Veíc 3,25% 08 a 09 anos 05 Veíc 1,81% 09 a 10 anos 06 Veíc 2,17% > de 10 anos 01 Veíc 0,36% Frota Total do Sistema 277 Veíc 100,00% Considerando a planilha dos cálculos da tarifa taximétrica que leva em consideração os custos de operação, manutenção, remuneração do condutor, depreciação e remuneração do veículo e justo lucro do capital investido, de forma que seja assegurada a estabilidade financeira relativa à prestação do serviço por táxi. Considerando a necessidade de equilibrar a receita com as despesas na execução de transporte de passageiros por táxi de forma a garantir que os valores fixados facilitem o acesso ao serviço ora ofertado. Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de Fonte: SETTRAN- Entrada de Dados Uberlândia-MG, 02/02/2013

9 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 1. PREÇOS BÁSICOS PARA CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 1.1. COMBUSTÍVEL, LUBRIFICANTES E LAVAGEM Veículos Percentual * Preço de um litro de Gasolina 2,95 R$/L ,26% * Preço de um litro de Etanol 2,82 R$/L ,74% * Preço de um litro de Óleo para Motor 55,00 R$/L * Preço de um litro de Óleo da Caixa de Transmissão 35,00 R$/L * Preço de uma Lavagem Geral 20,00 R$/Un Total Geral ,00% 1.2. RODAGEM * Preço de um Pneu Radial novo 150,00 R$/Un * Preço de uma Câmara de Ar 30,00 R$/Un * Preço de uma Recapagem para Radial 50,00 R$/Un 1.3. BATERIA * Preço de uma Bateria nova 210,00 R$/Un 1.4. PESSOAL Salário do motorista do sistema URBANO 1.308,00 R$/Mês Encargos sociais - Autônomos 0,20 % 1.569,60 R$/Mês 1.5. SEGURO E TAXAS Seguro obrigatório (anual) I.P.V.A. (anual) Imposto sobre ocupação de solo (anual) Imposto sindical (anual) Aferição do taxímetro (anual) Licenciamento placa do veículo de aluguel (anual) Inscrição no cadastro de motorista de táxi CMC (anual) I.S.S. (trimestral) 86,77 R$/Ano 115,16 R$/Ano 142,06 R$/Ano 76,46 R$/Ano 47,50 R$/Ano 116,88 R$/Ano 30,27 R$/Ano 28,21 R$/Tri 1.6. VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS Veículo Novo de Referência (marca/modelo) Veículo ,00 R$/Un Veículo 2 0,00 R$/Un Veículo 3 0,00 R$/Un Taxímetro Novo por Tipo Veículos Percentual Taxímetro Digital ,00% 480,00 R$/Un Taxímetro Eletro-Mecânico 0 0,00% 0,00 R$/Un Total Geral ,00% Diversos Luminoso completo 110,00 R$/Un Placa de veículo de aluguel 180,00 R$/Par 2. ÍNDICES TÉCNICOS DE CONSUMO 2.1. CONSUMO DE COMBUSTÍVEL E LUBRIFICANTES Gasolina 0, L/Km Etanol 0, L/Km Óleo do motor 0,00060 L/Km Óleo da caixa de transmissão 0,00017 L/Km Lavagem completa 1,00 Un/Mês Limpeza completa 0,50 H/Dia - - Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 02/02/2013

10 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 2.2. RODAGEM Vida útil Pneu Radial Km 0, Un/Km Câmara de Ar Km 0, Un/Km Recapagem Km 0, Un/Km 2.3. BATERIA 18 Meses 2.4. PESSOAL Dias trabalhados/mês Jornada de trabalho Diária 8 H/Dia Mensal 200 H/Mês 25 Dias/Mês 2.5. EQUIPAMENTOS Veículos Vida útil 10 Anos Valor Residual 20% Taxímetro e Outros Equipamentos Vida útil Valor Residual 20% 10 Anos 3. DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS OPERACIONAIS 3.1. INDICADORES DE PRODUÇÃO Coeficiente de Ocupação 50% Quilometragem Rodada Total Km/Mês Quilometragem Ocupada por Passageiros Km/Pass Tamanho Médio da viagem 8,10 Km/Viagem Número de corridas c/ Passageiros 125 Viagem/Pass 3.2. COMPOSIÇÃO ETÁRIA DA FROTA Tipo de Combustível Veículos de Referência à Gasolina 51,26% à Etanol 48,74% Total Geral 100,00% Veículo 1 100,00% Veículo 2 0,00% Veículo 3 0,00% Total Geral 100,00% veículos Participação Etária da Frota do Sistema Percentual veículos de 00 a 01 ano 05 Veíc 1,81% 01 a 02 anos 65 Veíc 23,47% 02 a 03 anos 61 Veíc 22,02% 03 a 04 anos 62 Veíc 22,38% 04 a 05 anos 27 Veíc 9,75% 05 a 06 anos 28 Veíc 10,11% 06 a 07 anos 08 Veíc 2,89% 07 a 08 anos 09 Veíc 3,25% 08 a 09 anos 05 Veíc 1,81% 09 a 10 anos 06 Veíc 2,17% > de 10 anos 01 Veíc 0,36% Frota Total do Sistema 277 Veíc 100,00% Tipo de Taxímetro Taxímetro Digital 100,00% Taxímetro Eletro-Mecânico 0,00% Total Geral 100,00% - - Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 02/02/2013

11 4. CÁLCULO DO CUSTO VARIÁVEL PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 4.1. COMBUSTÍVEL Gasolina Etanol Custo Médio Ponderado 0,2100 R$/Km 0,2112 R$/Km 0,2106 R$/Km 4.2. LUBRIFICANTES Óleo do Motor Óleo da Caixa de Transmissão Total 0,0330 R$/Km 0,0060 R$/Km 0,0390 R$/Km 4.3. RODAGEM Pneu Radial Novo Câmara de Ar Recapagem Total 0,0030 R$/Km 0,0006 R$/Km 0,0025 R$/Km 0,0244 R$/Km 4.4. MANUTENÇÃO MECÂNICA e ELÉTRICA Manutenção Bateria Total 0,1474 R$/Km 0,0058 R$/Km 0,1532 R$/Km 5. CÁLCULO DO CUSTO FIXO Valores de Referência Ponderados Veículos Taxímetro Veículo 1 390,00 R$ Veículo 2 0,00 R$ Veículo 3 0,00 R$ Média Ponderada 390,00 R$ Taxímetro Digital 4,80 R$ Taxímetro Eletro-Mecânico 0,00 R$ Média Ponderada 4,80 R$ 5.1. REMUNERAÇÃO DO OPERADOR 1.569,60 R$/Mês 5.2. DEPRECIAÇÃO DO CAPITAL (Método Soma dos Dígitos Inversos) * Coeficiente de Depreciação Anual da Frota Total Veículos Veículos de 00 a 01 ano 05 0,1455 0, a 02 anos 65 0,1309 8, a 03 anos 61 0,1164 7, a 04 anos 62 0,1018 6, a 05 anos 27 0,0873 2, a 06 anos 28 0,0727 2, a 07 anos 08 0,0582 0, a 08 anos 09 0,0436 0, a 09 anos 05 0,0291 0, a 10 anos 06 0,0145 0,0870 > de 10 anos 01 0,0000 0,0000 Frota Total do Sistema 277 Veíc Coeficiente de Depreciação Anual da Frota Total 28,1312 Cdaft/Ano Total de meses do ano 12 Meses Depreciação Mensal por Veículo 2,3443 R$/Mês Frota com menos de 10 anos 276 Veíc Coeficiente de Depreciação Mensal da Frota Total 647,02 Depreciação Mensal por Veículo 65,71 R$/Mês - - Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 02/02/2013

12 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Depreciação do Taxímetro e Outros Equipamentos Depreciação Mensal Depreciação Total Mensal 1,9499 R$/Mês 67,66 R$/Mês 5.3. REMUNERAÇÃO DO CAPITAL (Método Soma dos Dígitos Inversos) * Coeficiente de Remuneração Anual da Frota Total Veículos Veículos de 00 a 01 ano 05 0,1200 0, a 02 anos 65 0,1025 6, a 03 anos 61 0,0868 5, a 04 anos 62 0,0729 4, a 05 anos 27 0,0607 1, a 06 anos 28 0,0502 1, a 07 anos 08 0,0415 0, a 08 anos 09 0,0345 0, a 09 anos 05 0,0292 0, a 10 anos 06 0,0257 0,1542 > de 10 anos 01 0,0240 0,0240 Frota Total do Sistema 277 Veíc Coeficiente de Remuneração Anual da Frota Total 21,0883 Craft/Anual Total de meses do ano 12 Meses Remuneração Mensal por Veículo 1,7574 R$/Mês Taxímetro e Outros Equipamentos Remuneração Mensal do Taxímetro 1,7541 R$/Mês Remuneração Total Mensal 3,5114 R$/Mês 5.4. TAXAS E SERVIÇOS 60,66 R$/Mês 5.5. LAVAGEM E LIMPEZA Lavagem Geral 20,00 R$/Mês Limpeza Diária 81,75 R$/Mês Total Mensal 101,75 R$/Mês 6. QUADRO RESUMO 6.1. CUSTOS VARIÁVEIS Quilometragem Rodada Total Combustível Lubrificantes Rodagem Manutenção Mecânica e Elétrica Total Mensal Km/Mês 0,2106 R$/Km 0,0390 R$/Km 0,0244 R$/Km 0,1532 R$/Km 864,88 R$/Km 6.2. CUSTOS FIXOS Depreciação de Veículo e Taxímetro Remuneração de Veículo e Taxímetro Remuneração do Operador Taxas e Serviços Lavagem e Limpeza Total Mensal 67,66 R$/Mês 3,51 R$/Mês 1.569,60 R$/Mês 60,66 R$/Mês 101,75 R$/Mês 1.803,18 R$/Mês 6.3. CUSTO TOTAL 2.668,06 R$/Mês - - Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 02/02/2013

13 7. CÁLCULO DA TARIFA TAXIMÉTRICA PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Participação da Bandeira na formação da Tarifa 30% Correção da Hora Noturna Bandeira II 25% Bandeirada 4,33 R$ Km Rodado Bandeira I 2,10 R$/Km Bandeira II 2,63 R$/Km Valor da Hora Parada 13,34 R$/H Volume Transportado 0,40 R$/Un Unidade Taximétrica (UT) 2,10 R$ Bandeirada em (UT) 2,06 UT Considerando a planilha dos cálculos da tarifa taximétrica que leva em consideração os custos de operação, manutenção, remuneração do condutor, depreciação e remuneração do veículo e justo lucro do capital investido, de forma que seja assegurada a estabilidade financeira relativa à prestação do serviço por táxi. Considerando a necessidade de equilibrar a receita com as despesas na execução de transporte de passageiros por táxi de forma a garantir que os valores fixados facilitem o acesso ao serviço ora ofertado. Ficam fixadas as tarifas taximétricas de acordo com os seguintes valores, sendo: I - Bandeirada... R$ 4,33 II - Bandeirada I... R$ 2,10 III - Bandeirada II... R$ 2,63 IV - Hora parada... R$ 13,34 V - Volume transportado... R$ 0,40 Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 02/02/2013

14 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE POR TÁXI MEMÓRIA DE CÁLCULO LEVANTAMENTO DO VALOR E PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DE CADA ÍTEM DENTRO DO CUSTO TARIFÁRIO OPERACIONAL DO TRANSPORTE POR TÁXI R$ Participação % Participação 1-.. CUSTOS VARIÁVEIS 864,88 32,42% 1-1. Combustível 426,43 15,98% 1-2. Lubrificantes 78,87 2,96% 1-3. Rodagem 49,41 1,85% 1-4. Manutenção Mecânica e Elétrica 310,17 11,63% 2-.. CUSTOS FIXOS 1.803,18 67,58% 2-1. Custo de Capital 71,17 2,67% 2-2. Depreciação de Veículo e Taxímetro 67,66 2,54% 2-3. Remuneração de Veículo e Taxímetro 3,51 0,13% 2-4. Remuneração do Operador 1.569,60 58,83% 2-5. DESPESAS ADMINISTRATIVAS 162,41 6,09% 2-6. Taxas e Serviços 60,66 2,27% 2-7. Lavagem e Limpeza 101,75 3,81% 3-.. CUSTO TOTAL MENSAL 2.668,06 100,00% Participação da Bandeira na formação da Tarifa 30% Correção da Hora Noturna Bandeira II 25% Bandeirada 4,33 R$ Km Rodado Bandeira I 2,10 R$/Km Bandeira II 2,63 R$/Km Valor da Hora Parada 13,34 R$/H Volume Transportado 0,40 R$/Un Unidade Taximétrica (UT) 2,10 R$ Bandeirada em (UT) 2,06 UT Considerando a planilha dos cálculos da tarifa taximétrica que leva em consideração os custos de operação, manutenção, remuneração do condutor, depreciação e remuneração do veículo e justo lucro do capital investido, de forma que seja assegurada a estabilidade financeira relativa à prestação do serviço por táxi. Considerando a necessidade de equilibrar a receita com as despesas na execução de transporte de passageiros por táxi de forma a garantir que os valores fixados facilitem o acesso ao serviço ora ofertado. Ficam fixadas as tarifas taximétricas de acordo com os seguintes valores, sendo: I - Bandeirada... II - Bandeirada I... III - Bandeirada II... IV - Hora parada... V - Volume transportado... R$ 4,33 R$ 2,10 R$ 2,63 R$ 13,34 R$ 0,40 Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de Fonte: SETTRAN- Memória de Cálculo Uberlândia-MG, 02/02/2013

15 Levantamento do Percentual de Participação de Cada Ítem Dentro do Custo Tarifário - Sistema TÁXI Mémoria de Cálculo LEVANTAMENTO DO VALOR E PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DE CADA ÍTEM DENTRO DO CUSTO TARIFÁRIO OPERACIONAL DO TRANSPORTE POR TÁXI DESPESAS ADMINISTRATIVAS; 6,09% CUSTOS VARIÁVEIS; 32,42% REMUNERAÇÃO DO OPERADOR; 58,83% - - CUSTO DE CAPITAL; 2,67% CUSTOS FIXOS; 67,58% - - Fonte: SETTRAN- Gráfico Uberlândia-MG, 02/02/2013

16 Cotação e Levantamento de Gasolina, Etanol, Lubrificantes e Pneu Cotação Gasolina, Etanol e Lubrificantes Combustível Ipiranga S/A Petrobrás S/A Texaco S/A Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Gasolina - Lt R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 Etanol - Lt R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 R$ 0,000 0,00 R$ 0,000 Óleo para motor - 1 Lt R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Óleo para Cx. transmissão - 1 Lt R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Combustível Valor Médio Valor Médio Ponderado Ponderado Gasolina - Lt R$ 0,000 Litro R$ 0,000 Etanol - Lt R$ 0,000 Litro R$ 0,000 Óleo para motor - 1 Lt R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Óleo para Cx. transmissão - 1 Lt R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Cotação de Pneu, Câmara, Alinhamento e Recapagem Rodagem Goodyear Michelin Pirelli Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Pneu Radial R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Câmara de ar R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Alinhamento R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Recapagem R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Rodagem Valor Médio Ponderado Pneu Radial R$ 0,00 Câmara de ar R$ 0,00 Alinhamento R$ 0,00 Recapagem R$ 0,00 Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de Fonte: SETTRAN- Eta_Gas_Pne Uberlândia-MG, 02/02/2013

17 Tabela de Depreciação Anual de Veículos Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 05anos Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 07anos Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a Faixa etária anos Fator de depreciação Faixa etária anos Fator de depreciação ano 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 05 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 07 anos 0, = 0,0000 Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 07anos Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a Faixa etária anos Fator de depreciação Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 10anos ano 0, = 0,2000 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a anos 0, = 0,1714 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 07 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,0309 Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 10anos anos 0, = 0, > - 10 anos 0, = 0,0000 Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a Faixa etária anos Fator de depreciação ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,1164 Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 12anos anos 0, = 0,1018 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a anos 0, = 0,0873 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 10 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,0436 Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 12 anos 0, = 0,0000 Fonte: SETTRAN- Depreciação Uberlândia-MG, 02/02/

18 Tabela de Remuneração Anual de Veículos Fator de remuneração ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 05anos Fator de remuneração ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 07anos Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a Faixa etária anos Fator de remuneração Faixa etária anos Fator de remuneração ano ,12 = 0, ano ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, > - 05 anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, > - 07 anos 0, ,12 = 0,0180 Fator de remuneração ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 07anos Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a Faixa etária anos Fator de remuneração Fator de remuneração ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 10anos ano ,12 = 0,1200 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a anos 0, ,12 = 0,0960 Faixa etária anos Fator de remuneração anos 0, ,12 = 0, ano ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, > - 07 anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0,0236 Fator de remuneração ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 10anos anos 0, ,12 = 0, > - 10 anos 0, ,12 = 0,0180 Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a Faixa etária anos Fator de remuneração ano ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0,0868 Fator de remuneração ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 12anos anos 0, ,12 = 0,0729 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a - tx.jr = 12% a.a anos 0, ,12 = 0,0607 Faixa etária anos Fator de remuneração anos 0, ,12 = 0, ano ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, > - 10 anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0,0311 Uberlândia-MG, sábado, 02 de fevereiro de anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, anos 0, ,12 = 0, > - 12 anos 0, ,12 = 0,0180 Fonte: SETTRAN- Remuneração Uberlândia-MG, 02/02/

19 2. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS OPERACIONAIS 2.1. LEVANTAMENTO DE PREÇOS E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS OPERACIONAIS COLETA DE PREÇOS PARA APROPRIAÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL As fontes de informações para levantar os dados necessários ao processo de cálculo dos custos são as seguintes: a) COMBUSTÍVEL, LUBRIFICANTES E LAVAGEM GERAL - Obtida junto ao Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo ou diretamente junto a postos de abastecimento de combustível. b) RODAGEM (PNEUS E CÂMARAS) - Obtida junto às revendedoras de pneus e câmaras, com a devida especificação dos tipos de pneus e câmaras para cada modelo de veículo de referência utilizado no cálculo da tarifa. c) MANUTENÇÃO MECÂNICA E ELÉTRICA - Junto às revendedoras autorizadas de cada marca de veículo de referência. Além das peças, este item inclui ainda o valor da mão-de-obra da manutenção mecânica e elétrica. Em geral, como se verá adiante, este item é calculado de forma simplificada, sendo apenas necessário o levantamento do custo da bateria. d) SALÁRIO DO MOTORISTA (SM) - Pode-se usar como referência o salário correspondente ao motorista profissional de transporte coletivo urbano por ônibus. Uma vez que em geral os operadores de táxi são profissionais autônomos, deve-se considerar, nesta comparação, um acréscimo de 32% (trinta e dois por cento), por conta de 13º (décimo terceiro) salário. e) ENCARGOS SOCIAIS (ES) - Deve ser consultado o INSS - Instituto Nacional de Seguridade Social, sobre quais são as contribuições previdenciárias obrigatórias dos profissionais autônomos e qual percentual e base de valor para o cálculo das mesmas. Atualmente são fixadas em 20% sobre o salário. f) SEGUROS E TAXAS - Obtido junto a uma corretora de seguros que atue no mercado nesta faixa de seguros; além de taxas cobradas pelo Poder Público (de gerenciamento do serviço, de vistoria, de expediente, etc), existem as taxas de aferição obrigatória e aferição eventual (normalmente uma por ano) a serem informadas pelo Instituto de Pesos e Medidas e ainda as taxas sindicais (contribuição sindical obrigatória e mensalidade ou anuidade de associado). Como a associação a Sindicato não é obrigatória, fica a critério do poder público apropriar o custo da mensalidade ou anuidade, e, eventualmente, repassá-la para os custos do serviço. g) VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS - Para os veículos se definirá um ou mais modelos que sejam os mais representativos da frota (modelos de referência), cujos preços serão obtidos do mercado (veículo novo). Da mesma forma para os taxímetros e outros equipamentos FIXAÇÃO DOS ÍNDICES TÉCNICOS DE CONSUMO Os valores indicados são referenciais e devem ser melhor avaliados para a realidade local. a) CONSUMO DE COMBUSTÍVEL - Este item varia muito, sendo afetado por vários fatores que influenciam as condições operacionais: topografia, sistema viário, tipo de pavimento, idade média da frota, etc. Os índices de consumo de combustível deverão ser pesquisados para cada um dos modelos de veículo de referência componentes da frota. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

20 A TÍTULO DE EXEMPLO: MODELO DO TIPO DE CONSUMO ÍNDICE DE VEÍCULO COMBUSTÍVEL (Km/Litro) CONSUMO (Referência) (litro/km) GOL Gasolina 11,0 0, Etanol 7,8 0, UNO Gasolina 10,6 0, Etanol 7,9 0, b) CONSUMO DE LUBRIFICANTES - Os índices de consumo, fornecidos pelos fabricantes de veículos, podem ser considerados como padrão, pois dependem apenas da quilometragem rodada. TIPO DE CONSUMO ÍNDICE DE CONSUMO LUBRIFICANTE (Litro/Km) (Litro/Km) Óleo de Motor 3 Litros a cada Km 0,0006 Óleo de Transmissão 2,5 Litros a cada Km 0, c) LAVAGEM E LIMPEZA - Considera-se, em geral, uma lavagem completa por mês e meia hora de limpeza diária feita pelo próprio operador. d) CONSUMO DE PNEU, CÂMARA E RECAPAGEM - Este consumo depende essencialmente do tipo de pavimento predominante do sistema viário sobre o qual o veículo desenvolve os itinerários mais freqüentemente solicitados pelos usuários; portanto, é um índice que igualmente apresenta variações. ITENS DE RODAGEM VIDA ÚTIL POR PNEU ÍNDICE DE CONSUMO (1 Km) (Pneu/Km) Pneu Radial ,000020/Km Câmara ,000020/Km Recapagem ,000050/Km e) CONSUMO DE MANUTENÇÃO MECÂNICA ELÉTRICA E BATERIA - É composto por um grande número de peças e componentes variáveis por modelo, e respectiva mão-de-obra. Com este conjunto de variáveis, o cálculo dos gastos com manutenção mecânica e elétrica se torna muito complexo. Para efeito de simplificação, considerou-se que o custo de manutenção é igual a 70% do custo devido ao consumo de combustível (que é por sua vez função do uso do veículo). Outra simplificação possível é considerar-se o custo mensal como sendo 1,70% do valor do veículo novo. f) VIDA ÚTIL DOS VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS (VU) - É o período estimado, em anos, para a duração de determinado equipamento que será utilizado para prestação de serviço. NORMALMENTE SE CONSIDERA: Veículo (VUV) = 10 anos; Taxímetro e Outros equipamentos (VUT) = 10 anos. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

21 g) VALOR RESIDUAL DOS VEÍCULOS E EQUIPAMENTOS (VR) - É o valor de mercado atribuído ao equipamento ao final de sua vida útil. Normalmente se atribui um percentual determinado sobre o custo histórico (valor do equipamento novo), ou, caso houver uma pesquisa sistemática, o valor real de mercado correspondente a um equipamento cuja idade equivale ao número de anos da vida útil. PARA A VIDA ÚTIL INDICADA ANTERIORMENTE, OS PARÂMETROS DE VALOR RESIDUAL PODERÃO SER: Veículo (VRV) = 20%; Taxímetro e Outros equipamentos (VRT) = 20%. h) JORNADA DE TRABALHO - É o período de tempo efetivamente gasto pelos operadores na prestação do serviço. Varia em função da época (demanda maior ou menor). POR EXEMPLO: Produção Equivalente = 25 dias/mês; Jornada de Trabalho (JT) = 08 horas/dia; POR MÊS (JM) = 200 horas/mês. i) TAXA DE JUROS DE CAPITAL (i) - Reflete o custo do capital investido em equipamento (veículo) necessário à operação do serviço. Esta taxa é de 1% ao mês (12% ao ano) DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS OPERACIONAIS A seguir, são apresentados os conceitos dos indicadores necessários para auxiliar no cálculo dos custos operacionais. Em conjunto, estão ilustrados, a título de exemplificação, valores estimados e que serão utilizados no cálculo exemplificativo, supondo a apropriação mensal do custo operacional. a) COEFICIENTE DE OCUPAÇÃO (CO) - É a parcela da distância percorrida ocupada com passageiros. PARA O EXEMPLO: CO = 50% b) QUILOMETRAGEM RODADA TOTAL (KRT) - É o percurso ou distância percorrida pelo veículo-táxi durante determinado período na operação do serviço, independente de estar ocupado ou não. Não inclui o uso pessoal de veículo pelo operador para deslocamentos de seu interesse particular. Para o exemplo numérico, será adotado o período de 01 (um) mês; se for considerada uma média de 81,00 Km/dia de trabalho e 25 (vinte e cinco) dias de trabalho/mês, tem se: KRT = Km/mês. c) QUILOMETRAGEM OCUPADA POR USUÁRIOS (KO) - É a distância efetivamente utilizada pelos passageiros de serviço de táxi durante determinado período, dada por KO = CO x KRT. d) TAMANHO MÉDIO DA CORRIDA (TMC) - É o percurso médio percorrido, em cada deslocamento, para atendimento de passageiros. Para o exemplo numérico, considerou-se: TMC = 8,10 Km. e) NÚMERO DE CORRIDAS (NC) - É o número de viagens efetuadas no período para atendimento de passageiros. Se a tarifa é cobrada por taxímetro, corresponde ao número de bandeiradas recebidas pelo operador no período. O número de corridas representa, assim, a relação entre a Quilometragem Ocupada e o Tamanho Médio da Corrida: NC = KO/TMC. No exemplo: NC = 2.025/8,10 = 250 viagens/mês. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

22 f) COMPOSIÇÃO DA FROTA - É utilizada para ponderação dos custos e consumos médios da frota. Devem ser indicados os percentuais da frota por tipo de combustível e por modelo de veículos de referência (notar que os totais devem somar 100%). Devem também ser levantados os veículos por idade para cálculo da idade média. Alternativamente, a idade média pode ser, ao invés de calculada, assumida. g) TIPOS DE TAXÍMETROS - Se houver mais de um tipo, devem ser levantadas às participações percentuais CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL No sistema de táxi, normalmente não existem outras fontes de receita, senão a própria tarifa do serviço para cobrir os custos e atingir o equilíbrio econômico. Assim, o cálculo dos custos deve ser o mais próximo possível da realidade local. Para tanto, o Poder Público deverá desenvolver um procedimento metodológico para apuração do montante de gastos dos operadores e da forma como os usuários ressarcirão tais custos de operação do serviço CÁLCULO DO CUSTO VARIÁVEL (CV) Os custos variáveis são incorridos pelo fato do veículo se deslocar na prestação do serviço; por isto, são calculados em termos de R$/Km. a) COMBUSTÍVEL Custo do consumo de Etanol e Gasolina. Obtêm-se calculado: CCE = Custo do consumo do etanol/km = Preço do litro de etanol x consumo específico de veículos à etanol. CCG = Custo do consumo de gasolina/km = Preço do litro de gasolina x consumo específico de veículos à gasolina. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE COMBUSTÍVEL (CVC) Considerando a participação de veículos a etanol (et), gasolina (gi) na frota de táxi, basta ponderar os custos específicos calculados. Custo Médio Ponderado de Combustível = CCA * et + CCG * gi b) LUBRIFICANTES (CVL) O custo dos lubrificantes é dado por: Onde: ICO = ÍNDICE DE CONSUMO DE ÓLEO Custo de lubrificantes = ICO motor * preço do óleo do motor + ICO transmissão * preço do óleo de transmissão. c) RODAGEM (PNEUS e CÂMARAS) (CVR) Cada veículo possui um conjunto de rodagem específico, tanto para pneus como para câmaras. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

23 OS CUSTOS POR QUILÔMETRO SÃO DADOS POR: CUSTO PNEU = Índice de consumo de pneu * preço do pneu novo. CUSTO CÂMARA = Índice de consumo de câmara * preço da câmara. RECAPAGEM = Índice de consumo de recapagem*preço da recapagem. CVR = Custo total de rodagem = (Soma dos custos de pneus, câmara e recapagem) x 4. d) MANUTENÇÃO DO VEÍCULO d.1. CÁLCULO DO CUSTO DA MANUTENÇÃO ELÉTRICA E MECÂNICA Conforme visto, para efeito de simplificação, considera-se o custo de manutenção mecânica e elétrica igual a 70% do custo do combustível. d.2. CÁLCULO DO CUSTO DE BATERIA Tem-se que vida útil em Km = (vida útil em meses) * quilometragem rodada total por mês. Custo da bateria/km = (preço médio ponderado) / (vida útil em Km) CÁLCULO DO CUSTO FIXO (CF) O custo fixo do serviço de táxi é constituído dos seguintes componentes: depreciação; remuneração do investimento; remuneração do operador; seguros; taxas e encargos sociais; e lavagem geral e limpeza diária. A seguir, desenvolve-se o processo de cálculo de cada um deles em (R$/mês). a) REMUNERAÇÃO DO OPERADOR (RO) - A remuneração mensal do operador a ser considerada, é o salário virtual do motorista do transporte coletivo urbano por ônibus, acrescida dos encargos sociais referentes ao recolhimento do INSS (20%). b) DEPRECIAÇÃO: A Depreciação é a redução do valor de um bem durável, resultante do desgaste pelo uso ou obsolescência tecnológica. Para efeito do cálculo tarifário, é considerada a depreciação dos veículos que compõem a frota total do Sistema. b.1. DEPRECIAÇÃO DO VEÍCULO A depreciação do veículo depende de três fatores:. ONDE: VEU = Vida economicamente útil (anos); VRV = Valor residual do veículo (%); MC = Método de cálculo. VIDA ECONOMICAMENTE ÚTIL: A vida economicamente útil de qualquer bem durável é o período durante o qual a sua utilização é mais vantajosa do que sua substituição por um novo bem equivalente. Considerando-se o estágio tecnológico da indústria automobilística e as características construtivas e operacionais diferenciadas dos diversos tipos de veículo, recomenda-se a adoção da vida útil de 07 (sete) anos para os veículos do sistema. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

24 VALOR RESIDUAL: O valor residual é o preço de mercado que o veículo alcança ao final de sua vida útil. Esse valor é expresso como uma fração do preço do veículo novo ponderado. Recomenda-se a adoção do valor residual de 20% (vinte por cento). Para o cálculo da depreciação do veículo, toma-se como referência o preço ponderado do veículo novo equivalente da frota do sistema sem rodagem (pneus e câmaras de ar). MÉTODO DE CÁLCULO: Existem diversos métodos de cálculo, os mais conhecidos são os de depreciação linear e o de depreciação acelerada. O método de depreciação linear repõe a cada ano, até o final da vida útil, parcelas iguais de depreciação. O de depreciação acelerada tem várias alternativas de cálculo, mas a mais conhecida é a soma dos dígitos inversos dos anos. Este método repõe parcelas maiores de depreciação nos primeiros anos e parcelas menores nos últimos anos de vida útil do equipamento. Para ambos os métodos, o valor residual sempre será o mesmo. Se o veículo continuar sendo utilizado na prestação do serviço após o final da vida útil considerada, seu fator de depreciação será (0) zero, pois o capital investido inicialmente já foi todo reposto. Recomenda-se o uso do Método de Cole, (ou o Método da Soma dos Dígitos Inversos), por representar mais fielmente a desvalorização do veículo, caracterizada por uma perda acentuada de valor no início de sua utilização e que se atenua com o passar dos anos. Por esse método, o fator de depreciação anual é obtido aplicando-se a seguinte fórmula: b.2. VEÍCULO VU - j + 1 Fj = x (1 - VR / 100) VU ONDE: Fj = Fator de depreciação anual para o ano j; J = Limite superior da faixa etária (anos); VU = Vida útil adotada (anos); VR = Valor residual adotado (%). SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

25 Os quadros a seguir apresentam os fatores de depreciação anual para as faixas etárias, de acordo com os critérios descritos. FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL - Vida Útil = 5 anos Faixa Etária Fator de Depreciação Anual 0-1 ano 0,80 x 5/15 = 0, anos 0,80 x 4/15 = 0, anos 0,80 x 3/15 = 0, anos 0,80 x 2/15 = 0, anos 0,80 x 1/15 = 0,0533 > 5 anos zero FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL - Vida Útil = 7 anos Faixa Etária Fator de Depreciação Anual 0-1 ano 0,80 x 7/28 = 0, anos 0,80 x 6/28 = 0, anos 0,80 x 5/28 = 0, anos 0,80 x 4/28 = 0, anos 0,80 x 3/28 = 0, anos 0,80 x 2/28 = 0, anos 0,80 x 1/28 = 0,0286 > 7 anos zero FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL - Vida Útil = 10 anos Faixa Etária Fator de Depreciação Anual 0-1 ano 0,80 x 10/55 = 0, anos 0,80 x 9/55 = 0, anos 0,80 x 8/55 = 0, anos 0,80 x 7/55 = 0, anos 0,80 x 6/55 = 0, anos 0,80 x 5/55 = 0, anos 0,80 x 4/55 = 0, anos 0,80 x 3/55 = 0, anos 0,80 x 2/55 = 0, anos 0,80 x 1/55 = 0,0145 > 10 anos zero Os coeficientes de depreciação anual são obtidos multiplicando-se o fator de depreciação anual de cada faixa etária pela quantidade de veículos enquadrados nessa faixa. O coeficiente de depreciação anual da frota é obtido somando-se os coeficientes de todas as faixas etárias. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

26 b.3. TAXÍMETRO DT = PTN x (1 - VRT/100) VUT ONDE: DT = Custo de Depreciação do Taxímetro em (R$/ano); PTN = Preço de Taxímetro Novo em (R$); VRT = Valor Residual do Taxímetro em (%); VUT= Vida Útil do Taxímetro em (anos). b.4. DEPRECIAÇÃO TOTAL - O custo total de depreciação deverá ser dividido por 12 meses para se apurar o custo mensal (ou transformar a vida útil diretamente em meses). D = Fj + DT 12 c) REMUNERAÇÃO DO INVESTIMENTO - O cálculo da remuneração do investimento deve incidir sobre o capital investido, excluindo-se deste o valor residual e a parcela de capital já depreciada. Assim, deve-se inicialmente calcular o fator de remuneração anual do capital, o que é efetuado de forma conjugada com os métodos de depreciação (linear ou acelerada). Este fator determinará o coeficiente de cada ano para aplicação sobre a parcela de capital ainda não depreciada. c.1. PARA O VEÍCULO - A tabela a seguir apresenta os coeficientes de remuneração considerando os seguintes parâmetros: CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO (valor residual = 20%; vida útil = 5 anos; taxa de juros = 12% a.a) MÉTODO SOMA DOS DÍGITOS INVERSOS Faixa Etária Fator de Remuneração Anual ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 5/15)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 9/15)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 12/15)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 14/15)] x 0,12 = 0,0304 > 05 anos [(1-(0,8 x 15/15)] x 0,12 = 0,0240 CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO (valor residual = 20%; vida útil = 7 anos; taxa de juros = 12% a.a) MÉTODO SOMA DOS DÍGITOS INVERSOS Faixa Etária Fator de Remuneração Anual ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 7/28)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 13/28)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 18/28)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 22/28)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 25/28)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 27/28)] x 0,12 = 0,0274 > 07 anos [(1-(0,8 x 28/28)] x 0,12 = 0,0240 SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

27 CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO (valor residual = 20%; vida útil = 10 anos; taxa de juros = 12% a.a) MÉTODO SOMA DOS DÍGITOS INVERSOS Faixa Etária Fator de Remuneração Anual ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 10/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 19/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 27/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 34/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 40/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 45/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 49/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 52/55)] x 0,12 = 0, anos [(1-(0,8 x 54/55)] x 0,12 = 0,0257 > 10 anos [(1-(0,8 x 55/55)] x 0,12 = 0,0240 ONDE: * Remuneração do Investimento Veículo em (R$/ano); * Preço do Veículo Novo em (R$); * Coeficiente Remuneração Anual do Veículo (tabela); * Idade Média da Frota; * Valor Residual do Veículo; * Vida Útil do Veículo; * Taxa de Juros (12% a.a). c.2. PARA O TAXÍMETRO - Considera-se os seguintes parâmetros para cálculo da remuneração do investimento do taxímetro: ONDE: * Vida Útil do Taxímetro = 10 anos; * Valor Residual do Taxímetro = 20%; * Taxas de Juros de Capital = 12% a.a; * Idade Média do Taxímetro = 5 anos. Para calcular o Fator de Remuneração Anual para cada ano do período de vida útil, deve-se considerar a vida útil do taxímetro de 10 anos. Assim, o fator de remuneração anual do taxímetro, para uma idade média de 5 anos, é dado pela fórmula: FRAT = [1 - (0,8 x 5)] x 0,12 = 0, A Remuneração do Investimento do Taxímetro é dada pela seguinte fórmula: RIT = PTN x FRAT / 12 = PTN x 0,006 ONDE: RIT = Remuneração do Investimento no Taxímetro em (R$); PTN = Preço do Taxímetro Novo em (R$); FRAT = Fator de Remuneração Anual do Taxímetro (calculado). c.3. REMUNERAÇÃO DE OUTROS EQUIPAMENTOS DIVERSOS - Calcula-se da mesma forma que para o taxímetro. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

28 d) TAXAS e SEGUROS - O cômputo do valor mensal se faz dividindo-se por 12 meses a soma das taxas e seguros despendidos anualmente CUSTO TOTAL MENSAL O custo total mensal representa a soma simples do custo fixo mensal e do custo variável mensal expresso em (R$/Km), multiplicado pela quilometragem mensal média percorrida. Custo Total Mensal = Custo Fixo Mensal + Custo Variável Mensal * Quilometragem Rodada. A SEGUIR ESTÁ APRESENTADA UM EXEMPLO DE PLANILHA DE APURAÇÃO DE CUSTOS, CONTENDO OS PARÂMETROS INDICADOS ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO DO SERVIÇO A seguir se fazem observações quanto às necessidades e formas de acompanhamento do desempenho econômico e operacional do serviço DESEMPENHO OPERACIONAL É efetuado por coleta periódica de informações que determinem ou indiquem alguns parâmetros, como quilometragem rodada total, quilometragem ocupada, número de corridas, receita bruta, número de passageiros transportados, tamanho médio da corrida, etc. Os instrumentos de coleta de informação são através dos dados do próprio operador do serviço de táxi. Existem duas formas de se coletar estas informações: Através da leitura periódica dos taxímetros multinformacionais; e Através de pesquisas de campo, diretas, junto aos operadores. A primeira alternativa apresenta algumas desvantagens, tais como: Informações prejudicadas por funcionamento inadequado do taxímetro; Não sendo obrigatório o uso deste taxímetro, o percentual da frota de veículos equipados com tal aparelho pode não ser uma amostragem representativa das condições operacionais do serviço de táxi. A Segunda alternativa de coleta das informações é mais confiável, sendo efetuada através de formulário apropriado para o sistema de táxi ALTERAÇÕES DO CUSTO OPERACIONAL É necessário que a Administração Pública, ou o Sindicato colete periodicamente informações do custo operacional da prestação do serviço, levantando e atualizando os preços dos diversos itens componentes da planilha de custo. Esta atividade subsidia as decisões relativas à conveniência de reajustar as tarifas ou não. Pressupõe-se que a cada reajuste, as receitas e custos operacionais ficam equilibrados. A partir de então, até o próximo reajuste, só ocorre alteração dos custos devido ao processo inflacionário. Sendo assim, o acompanhamento periódico em época de alta inflação vai demonstrando a distorção que o processo inflacionário vai gerar entre custos e receitas, desequilibrando teoricamente o orçamento dos operadores. Por outro lado, poderão ocorrer alterações nos custos operacionais dos serviços prestados por mudanças na própria operação do serviço ou mesmo por alterações contábeis efetuadas na planilha de custos, negociadas entre o poder público e a entidade de representação dos operadores, ou ainda por outras medidas institucionais do poder público. SETTRAN- - Metodologia planilha de táxi... - Uberlândia-MG, sábado, 2 de fevereiro de

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO A previsão orçamentária é peça fundamental de um projeto. O orçamento é composto pela Previsão de Receita (item I) e pela Fixação de Despesas, representada

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

Aula 3: Custo de equipamento

Aula 3: Custo de equipamento Aula 3: Custo de equipamento CONSTRUÇÃO CIVIL IV Prof. 1 Dr. Leonardo F. R. Miranda Equipamentos representatividade relevante no custo da obra obras que envolvem terraplenagem estabelecer uma taxa horária

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 A Comissão Especial de Licitação para concessão da prestação e exploração do serviço de transporte coletivo por ônibus no Município

Leia mais

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília CÁLCULO TARIFÁRIO AN P Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília Flavio Augusto de Oliveira Passos Dias Secretaria de Estado de Transportes do Distrito

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

Documento RAQ. Registro Acumulado da Quilometragem FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS

Documento RAQ. Registro Acumulado da Quilometragem FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS Documento RAQ Registro Acumulado da Quilometragem APRESENTAÇÃO + PROCEDIMENTOS FROTA OPERAÇÃO URBANA APRESENTAÇÃO RAQ - REGISTRO ACUMULADO QUILOMETRAGEM SET OR M E S / ANO T IPO VEÍC ULO No OR DEM KM ACUM.

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO

ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO ANEXO I MODELO INDICATIVO DE REQUISIÇÃO DE ABASTECIMENTO REQUISIÇÃO DE COMBUSTÍVEL NÚMERO: VEÍCULO (MODELO/PLACA): HODÔMETRO: MOTORISTA (NOME/MATRÍCULA): Local, data. ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QUANTIDADE PREÇO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS PRÓPRIOS DA FATEC. Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas:

UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS PRÓPRIOS DA FATEC. Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas: UTILIZAÇÃO D VÍCULOS PRÓPRIOS DA FATC USO D VÍCULOS Veículos adquiridos em projetos podem ser utilizados obedecendo as seguintes normativas:.. Uso Os veículos somente podem ser utilizados para a execução

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Fiat Uno Mille Fire Flex, motor 1.0, 8 válvulas, 2 portas, ano de fabricação/modelo 2012, 0 km. Preço do bem: R$ 22.990,00.

Fiat Uno Mille Fire Flex, motor 1.0, 8 válvulas, 2 portas, ano de fabricação/modelo 2012, 0 km. Preço do bem: R$ 22.990,00. Sonho de consumo de dez Você entre sabe dez quanto brasileiros, custa o seu automóvel carro? de preocupada recursos. A maioria das pessoas, quando decide comprar pode um ser carro, um sorvedouro prestação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 784/2007. (republicada no DOAL nº 9212, de 12 de março de 2008) (vide publicação original abaixo)

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Tarifa simplificada

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 2014 TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 POTIGÁS DIRETORIA EXECUTIVA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO Este relatório apresenta a metodologia de cálculo da Tarifa Média da POTIGÁS para o ano de 2014, com base no Contrato

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 004, de 14 de março de 2.002

RESOLUÇÃO nº 004, de 14 de março de 2.002 UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE Av. Castelo Branco, 170 -CEP 88.509-900 - Lages - SC - Cx. P. 525 - Fone (0XX49) 251-1022 Fax 251-1051 RESOLUÇÃO nº 004, de 14 de março de 2.002 Estabelece normas para

Leia mais

SP 09/94 NT 183/94. Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio. Luciana Soriano Barbuto

SP 09/94 NT 183/94. Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio. Luciana Soriano Barbuto SP 09/94 NT 183/94 Avaliação de Investimento no Sistema Viário Alça de Acesso da Av. dos Bandeirantes à Av. 23 de Maio Engª Luciana Soriano Barbuto 1. Introdução A Prefeitura de SP visando a melhorar a

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Serviço de Gás Canalizado Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Apresenta-se abaixo as considerações realizadas por esta Agência quanto ao Pleito Tarifário apresentado pela ALGÁS. ALGÁS: PLEITO TARIFÁRIO

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR (VWXGRGH&DVR,QWURGXomR O objetivo do estudo é determinar os custos para operação de movimentação interna de diversos tipos de contêineres utilizados para armazenamento e transporte de produtos químicos.

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA TABELA REFERÊNCIA DE PREÇOS 1. DIMENSIONAMENTO DE CUSTOS DE OBRAS E INSTALAÇÕES DA GARAGEM Par0a o dimensionamento dos custos de Obras e Instalações de Garagem foram adotados os seguintes parâmetros baseados

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais