ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI"

Transcrição

1 ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS abril/15 RESUMO INDICADORES Estudo Indicador Unidade Anterior Estudo Atual Variação (ABRIL/2015) Demanda Transportada pass/mês ,46% Demanda Equivalente pass/mês ,2% Oferta km/mês , ,63-0,2% Frota Efetiva veículos ,0% Frota Total veículos ,0% PMM km/veículo.mês 5.525, ,41-0,2% IPK passageiros/km 1,6942 1,7012 0,4% Custo por Quilômetro R$/km 5,2924 5,2974 0,1% Custo Final por Passageiro R$/passageiro 3,1238 3,1139-0,3% Tarifa R$/passageiro 3,0000 3,0000 0,0% CUSTOS DE OPERAÇÃO ITEM Estudo Anterior Estudo Atual Variação CUSTOS VARIÁVEIS: 1,7005 1,6915-0,5% Combustível 1,0888 1,0843-0,4% Lubrificantes 0,1206 0,1201-0,4% Rodagem 0,1607 0,1560-2,9% Peças e Acessórios 0,3303 0,3311 0,2% CUSTOS FIXOS: 3,3272 3,3411 0,4% Capital: 0,6434 0,6502 1,0% Depreciação: 0,3525 0,3575 1,4% Veículos 0,3461 0,3512 1,5% Validadores 0,0000 0,0000 0,0% S.B.E 0,0000 0,0000 0,0% M.I.E. 0,0064 0,0063-1,2% Remuneração: 0,2909 0,2926 0,6% Veículos 0,2464 0,2484 0,8% Validadores 0,0000 0,0000 0,0% S.B.E 0,0000 0,0000 0,0% M.I.E. 0,0256 0,0253-1,2% Almoxarifado 0,0189 0,0190 0,2% Pessoal: 2,2745 2,2801 0,2% Operação 1,5722 1,5756 0,2% Manutenção 0,2123 0,2127 0,2% Administração 0,1651 0,1654 0,2% Benefícios 0,2372 0,2385 0,6% Diretoria 0,0877 0,0879 0,2% Administração 0,4094 0,4108 0,4% IMPOSTOS 0,2646 0,2649 0,1% TOTAL 5,2924 5,2974 0,1%

3 3 ESTUDO DOS CUSTOS abril/15 RESUMO PARTICIPAÇÃO DOS CUSTOS DE OPERAÇÃO ITEM Estudo Anterior Estudo Atual Variação CUSTOS VARIÁVEIS: 32,1% 31,9% -0,6% Combustível 20,6% 20,5% -0,5% Lubrificantes 2,3% 2,3% -0,5% Rodagem 3,0% 2,9% -3,0% Peças e Acessórios 6,2% 6,2% 0,1% CUSTOS FIXOS: 62,9% 63,1% 0,3% Capital: 12,2% 12,3% 0,9% Depreciação: 6,7% 6,7% 1,3% Veículos 6,5% 6,6% 1,4% Validadores 0,0% 0,0% 0,0% S.B.E 0,0% 0,0% 0,0% M.I.E. 0,1% 0,1% -1,3% Remuneração: 5,5% 5,5% 0,5% Veículos 4,7% 4,7% 0,7% Validadores 0,0% 0,0% 0,0% S.B.E 0,0% 0,0% 0,0% M.I.E. 0,5% 0,5% -1,3% Almoxarifado 0,4% 0,4% 0,1% Pessoal: 43,0% 43,0% 0,2% Operação 29,7% 29,7% 0,1% Manutenção 4,0% 4,0% 0,1% Administração 3,1% 3,1% 0,1% Benefícios 4,5% 4,5% 0,5% Diretoria 1,7% 1,7% 0,1% Administração 7,7% 7,8% 0,3% IMPOSTOS 5,0% 5,0% 0,0% TOTAL 100,0% 100,0% 0,0%

4 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 4 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS abril/15 INSUMOS BÁSICOS 1. TARIFAS ATUAIS 1.1 Passageiros Inteiros com Cartão 3, Passageiros Inteiros sem Cartão 3, Passageiros Estudantes 1, Passageiros Professores 2, Passageiros Vale-Transporte 3, Passageiros Mineirinhos Fora com Cartão 3, Passageiros Mineirinhos Fora sem Cartão 4, Passageiros Mineirinhos Dentro com Cartão 0, Passageiros Mineirinhos Dentro sem Cartão 0, Passageiros Idosos 0, Passageiros Especiais 0, Passageiros Funcionários 0, Passageiros Gratuidades 0,00 2. PASSAGEIROS MÉDIOS MENSAIS 2.1 Passageiros Inteiros com Cartão Passageiros Inteiros sem Cartão Passageiros Estudantes Passageiros Professores Passageiros Vale-Transporte Passageiros Mineirinhos Fora com Cartão Passageiros Mineirinhos Fora sem Cartão Passageiros Mineirinhos Dentro com Cartão Passageiros Mineirinhos Dentro sem Cartão Passageiros Idosos Passageiros Especiais Passageiros Funcionários Passageiros Gratuidades Passageiros Transportados Passageiros Equivalentes Taxa de Equivalência -16,5% 3. QUILOMETRAGEM MENSAL ,63 4. FROTA

5 4.1 Chassis Microônibus AGRALE 131CV 1 VOLKSWAGEM Ônibus Leve Total 3 MERCEDES BENZ MERCEDES BENZ MERCEDES BENZ VOLKSWAGEM MERCEDES BENZ Ônibus Pesado Total 25 MERCEDES BENZ MERCEDES BENZ MERCEDES BENZ MERCEDES BENZ SCANIA K VOLKSWAGEM VOLKSWAGEM Ônibus Articulado Total 96 Total Carroceria Microônibus MARCOPOLO VOLARE 1 MARCOPOLO SENIOR GVO 1 MASCARELLO GRAN MICRO Ônibus Leve Ônibus Pesado Total 3 COMIL URBANA 4 MARCOPOLO TORINO URBANO 12 MARCOPOLO TORINO U 5 MARCOPOLO SÊNIOR MIDI MARCOPOLO SÊNIOR MIDI COMIL PIA M 1 MARCOPOLO SENIOR GVO 1 Total 25 BUSSCAR URBANUSS 2 COMIL SVELTO URBANO 3 COMIL URBANA 2 MARCOPOLO TORINO 8 MARCOPOLO TORINO U 23 MARCOPOLO TORINO URBANO 5 MARCOPOLO TORINO GV 2 MARCOPOLO TORINO GVU 19 MARCOPOLO VIALE 1 MARCOPOLO VIALE U 8 MARCOPOLO VIALE U K NEOBUS MG 4 Total Ônibus Articulado Total Frota Total Frota Operante 112

6 6 5. PNEUS 215/75x17,5 275/80x22,5 285/70X19,5 295/80X22,5 700x x x Microônibus Ônibus Leve Ônibus Pesado Ônibus Articulado Total DISTRIBUIÇÃO ETÁRIA DA FROTA Microônibus Ônibus Ônibus Ônibus Idade Leve Pesado Articulado Sistema 0 a a a a a a a a a a a a a a a de Total PREÇOS DOS INSUMOS (R$) 7.1 Preço de Um Litro de Combustível 2, Salário-Base Mensal Motorista 1.432, Cobrador 885, Fiscal/Despachante 1.967, Benefício Mensal Total , Remuneração Mensal de Diretoria , Despesa Anual com o Seguro de Responsabilidade Civil , Despesa Anual com o Seguro Obrigatório por Veículo 396, Despesa Anual com o IPVA 0, Receita Mensal com Publicidade 0,00 Tac Despesa Anual ACTU ,28 Tac Acumulado Anual Déficit ou Superávit 0, Preço do Veículo Chassis Microônibus AGRALE 131CV ,08 VOLKSWAGEM ,00 Ônibus Leve Preço Médio ,36 MERCEDES BENZ ,00 MERCEDES BENZ ,00 MERCEDES BENZ ,00 VOLKSWAGEM ,00 MERCEDES BENZ ,00 Ônibus Pesado Preço Médio ,00 MERCEDES BENZ ,00 MERCEDES BENZ ,54 MERCEDES BENZ ,54 MERCEDES BENZ ,00

7 SCANIA K ,00 7 VOLKSWAGEM ,00 VOLKSWAGEM ,00 Ônibus Articulado Preço Médio ,72 Preço Médio 0, Carrocerias Microônibus MARCOPOLO VOLARE ,92 MARCOPOLO SENIOR GVO ,00 MASCARELLO GRAN MICRO ,00 Preço Médio ,64 Ônibus Leve COMIL URBANA ,00 MARCOPOLO TORINO URBANO ,00 MARCOPOLO TORINO U ,00 MARCOPOLO SÊNIOR MIDI ,00 MARCOPOLO SÊNIOR MIDI ,00 COMIL PIA M ,00 MARCOPOLO SENIOR GVO ,00 Preço Médio ,40 Ônibus Pesado BUSSCAR URBANUSS ,00 COMIL SVELTO URBANO ,00 COMIL URBANA ,00 MARCOPOLO TORINO ,00 MARCOPOLO TORINO U ,00 MARCOPOLO TORINO URBANO ,00 MARCOPOLO TORINO GV ,00 MARCOPOLO TORINO GVU ,00 MARCOPOLO VIALE ,00 MARCOPOLO VIALE U ,00 MARCOPOLO VIALE U K ,00 NEOBUS MG ,00 Ônibus Articulado Preço Médio ,29 Preço Médio 0,00

8 Veículo Microônibus ,00 Ônibus Leve ,40 Ônibus Pesado ,01 Ônibus Articulado 0, Preço da Rodagem Pneu 215/75x17,5 275/80x22,5 285/70X19,5 295/80X22,5 700x x x22 Preço Médio 840, , , , , ,00 Microônibus 685,00 Ônibus Leve 1.471,52 Ônibus Pesado 1.518,15 Ônibus Articulado 1.850, Recapagem 215/75x17,5 275/80x22,5 285/70X19,5 295/80X22,5 700x x x22 Preço Médio 274,19 501,00 462,69 511,77 237,90 385,63 435,00 Microônibus 262,09 Ônibus Leve 500,36 Ônibus Pesado 500,32 Ônibus Articulado 511, Câmara 215/75x17,5 275/80x22,5 285/70X19,5 295/80X22,5 700x x x22 Preço Médio 50,00 97,00 115,00 Microônibus 16,67 Ônibus Leve 0,00 Ônibus Pesado 2,04 Ônibus Articulado 0, Protetor 215/75x17,5 275/80x22,5 285/70X19,5 295/80X22,5 700x x x22 Preço Médio 25,00 45,00 39,00 Microônibus 8,33 Ônibus Leve 0,00 Ônibus Pesado 0,95 Ônibus Articulado 0, Preço dos Validadores por Veículo 0, Preço do Sistema de Bilhetagem Eletrônica 0, Custo Anual da ACTU 0, Faturamento Anual do STPP/CRI ,35

9 9 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS abril/15 COEFICIENTES 1. DADOS OPERACIONAIS 1.1 Descontos Desconto Pass. Inteiros c/cartão 0,00% Pass. Inteiros s/cartão -8,33% Passageiros Estudantes 50,00% Passageiros Professores 25,00% Passageiros Vale-Transporte 0,00% Pass. Mineirinhos Fora c/ Cartão -23,33% Pass. Mineirinhos Fora s/ Cartão -33,33% Pass. Mineirinhos Dentro c/ Cartão 76,67% Pass. Mineirinhos Dentro s/ Cartão 76,67% Pass. Idosos 100,00% Pass. Especiais 100,00% Pass. Funcionários 100,00% Pass. Gratuidades 100,00% 1.2 Coeficiente de Frota Reserva 10,0% da frota total 1.3 Coeficiente de Quilometragem Improdutiva 5,0% da quilometragem total

10 2. CUSTOS VARIÁVEIS Índice de Consumo de Combustível Microônibus 0,370 litros/km Ônibus Leve 0,370 litros/km Ônibus Pesado 0,475 litros/km Ônibus Articulado 0,590 litros/km 2.2 Índice de Consumo de Óleos e Lubrificantes 0,05 litros de óleo diesel/km 2.3 Coeficientes de Consumo da Rodagem Vida útil ,00 km/pneu Quantidade de Recapagens 2,5 /pneu Quantidade de Câmaras 2,0 /pneu Quantidade de Protetores 2,0 /pneu 2.4 Coeficiente de Consumo de Peças e Acessórios 0,58 % 3. CUSTOS FIXOS 3.1 Coeficientes de Depreciação do Capital Veículo Microônibus 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0,0000

11 Ônibus Leve 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0, Ônibus Pesado 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0,0000 Ônibus Articulado 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0, Validadores 0, Sistema de Bilhetagem Eletrônica 0, Máquinas, Instalações e Equipamentos 0,01 %

12 3.2 Coeficientes de Remuneração do Capital Veículo Microônibus 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0,0180 Ônibus Leve 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0,0180 Ônibus Pesado 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0,0180

13 13 Ônibus Articulado 0 a 1 ano 0, a 2 anos 0, a 3 anos 0, a 4 anos 0, a 5 anos 0, a 6 anos 0, a 7 anos 0, a 8 anos 0, a 9 anos 0, a 10 anos 0, a 11 anos 0, a 12 anos 0, a 13 anos 0, a 14 anos 0, a 15 anos 0, de 15 anos 0, Validadores 0, Sistema de Bilhetagem Eletrônica 0, Máquinas, Instalações e Equipamentos 0,04 % Almoxarifado 0,03 % 3.3 Coeficientes de Despesas com Pessoal Fator de Utilização Motorista 2,50 funcionários/veículo Cobrador 2,20 funcionários/veículo Fiscal/Despachante 0,26 funcionários/veículo Tac Encargos Sociais 43,78 % Lei / Pessoal de Manutenção 13,5 % Pessoal de Administração 10,5 % 3.4 Coeficientes de Despesas Gerais de Administração 0,25 % 4. TRIBUTOS 4.1 Imposto sobre Serviços - ISS 0,00 % Lei Compl. 139/ Contribuição Social sobre o Faturamento - COFINS 0,00 % 4.3 Programa de Integração Social - PIS 0,00 % Lei / Tarifa de Gerenciamento 3,00 % 4.5 Contribuição INSS conforme Lei ,00 % 4.6 Taxa de Administração da ACTU 0,00 % 4.7 Total 5,00 %

14 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 14 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS abril/15 1. INSUMOS BÁSICOS 1.1 PREÇO DE UM LITRO DE COMBUSTÍVEL 2, SALÁRIO-BASE MENSAL Motorista 1.432, Cobrador 885, Fiscal/Despachante 1.967, BENEFÍCIO MENSAL TOTAL , REMUNERAÇÃO MENSAL TOTAL DE DIRETORIA , DESPESA ANUAL COM SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL , DESPESA ANUAL COM SEGURO OBRIGATÓRIO POR VEÍCULO 396, DESPESA ANUAL COM IPVA 0, RECEITA MENSAL COM PUBLICIDADE 0, DESPESA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ACTU PREÇO DOS VALIDADORES POR VEÍCULO 0, PREÇO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA POR VEÍCULO 0, PREÇO DA RODAGEM 2.1 PREÇO PONDERADO DE UM PNEU NOVO Microônibus 685, /11/ Ônibus Leve 1.471, Ônibus Pesado 1.518, Ônibus Articulado 1.850,00 17

15 2.2 PREÇO PONDERADO DE UMA RECAPAGEM Microônibus 262, Ônibus Leve 500, Ônibus Pesado 500, Ônibus Articulado 511, PREÇO PONDERADO DE UMA CÂMARA Microônibus 16, Ônibus Leve 0, Ônibus Pesado 2, Ônibus Articulado 0, PREÇO PONDERADO DE UM PROTETOR Microônibus 8, Ônibus Leve 0, Ônibus Pesado 0, Ônibus Articulado 0, PREÇO PONDERADO DA RODAGEM (para o cálculo dos custos variáveis) Microônibus (6 pneus) 8.341, Ônibus Leve (6 pneus) , Ônibus Pesado (6 pneus) , Ônibus Articulado (10 pneus) , PREÇO DO VEÍCULO-PADRÃO 3.1 PREÇO PONDERADO DO VEÍCULO-PADRÃO COMPLETO Microônibus , Ônibus Leve , Ônibus Pesado , Ônibus Articulado 0,00 37

16 3.2 PREÇO PONDERADO DA RODAGEM (para o cálculo dos custos fixos) Microônibus 4.260, Ônibus Leve 8.829, Ônibus Pesado 9.126, Ônibus Articulado , PREÇO PONDERADO DO VEÍCULO-PADRÃO MENOS A RODAGEM Microônibus , Ônibus Leve , Ônibus Pesado , Ônibus Articulado , PREÇO DO VEÍCULO-PADRÃO COMPLETO , PREÇO DO VEÍCULO-PADRÃO MENOS A RODAGEM , DADOS OPERACIONAIS 4.1 QUANTIDADE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES MENSAIS FROTA Distribuição Etária da Frota Idade Microônibus Ônibus Ônibus Ônibus (anos) Leve Pesado Articulado 0 a a a a a a a a a a a a a a a de Total Frota Total Frota Reserva

17 Coeficiente de Frota Frota Total de Reserva 124 x 0,10 = Frota Operante QUILOMETRAGEM MENSAL PERCORRIDA Quilometragem Produtiva , Quilometragem Improdutiva Quilometragem Coeficiente de Quilometragem Produtiva Improdutiva ,63 x 0,05 = , Quilometragem Total , PERCURSO MÉDIO MENSAL (PMM) Percurso Quilometragem Frota Médio Mensal Percorrida Operante (km/veículo.mês) (km/mês) (veículos) PMM = , = 5.513, ÍNDICE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES POR QUILÔMETRO (IPKeq) Passageiros Quilometragem IPKeq Equivalentes Percorrida (pass/km) (pass/mês) (km/mês) IPKeq = ,46 = 1,

18 18 5. CUSTOS VARIÁVEIS 5.1 COMBUSTÍVEL Custo do Combustível por Quilômetro Preço Índice de Custo por Unitário Consumo Quilômetro (R$/litro) (litros/km) (R$/km) Microônibus 2,403 x 0,370 = 0, Ônibus Leve 2,403 x 0,370 = 0, Ônibus Pesado 2,403 x 0,475 = 1, Ônibus Articulado 2,403 x 0,590 = 0, Ponderação do Custo do Combustível por Quilômetro Custo por Quilômetro (R$/km) (veículos) Produto Microônibus 0,88896 x 3 = 2, Ônibus Leve 0,88896 x 25 = 22, Ônibus Pesado 1,14124 x 96 = 109, Ônibus Articulado 0,00000 x 0 = 0, Frota Soma 134, Custo Ponderado do Combustível por Quilômetro Frota Total Custo por Quilômetro Soma (veículos) (R$/km) 134, = 1, LUBRIFICANTES (consumo equivalente em combustível) Preço Índice de Custo por Unitário Consumo Quilômetro (R$/litro) (litros de comb./km) (R$/km) 2,403 x 0,05 = 0,

19 RODAGEM Custo da Rodagem por Quilômetro Preço Ponderado Custo por da Rodagem Vida Útil Quilômetro (R$/conjunto) (km/conjunto) (R$/km) Microônibus 8.341, = 0, Ônibus Leve , = 0, Ônibus Pesado , = 0, Ônibus Articulado , = 0, Ponderação do Custo da Rodagem por Quilômetro Custo por Quilômetro Frota (R$/km) (veículos) Produto Microônibus 0,0794 x 3 = 0, Ônibus Leve 0,1556 x 25 = 3, Ônibus Pesado 0,1586 x 96 = 15, Ônibus Articulado 0,2980 x 0 = 0, Soma 19, Custo Ponderado da Rodagem por Quilômetro Frota Total Custo por Quilômetro Soma (veículos) (R$/km) 19, = 0,

20 5.4 PEÇAS E ACESSÓRIOS Custo de Peças e Acessórios por Quilômetro Preço do Custo por Veículo Completo Índice de Quilômetro (R$/veículo) Consumo (R$/km) Microônibus ,00 x 0, PMM (km/veículo) 5.513,41 = 0, Ônibus Leve ,40 x 0, PMM (km/veículo) 5.513,41 = 0, Ônibus Pesado ,01 x 0, PMM (km/veículo) 5.513,41 = 0, Ônibus Articulado 0,00 x 0, PMM (km/veículo) 5.513,41 = 0, Ponderação do Custo de Peças e Acessórios por Quilômetro Custo por Quilômetro (R$/km) (veículos) Produto Microônibus 0,26236 x 3 = 0, Ônibus Leve 0,33119 x 25 = 8, Ônibus Pesado 0,33318 x 96 = 31, Ônibus Articulado 0,00000 x 0 = 0, Frota Custo Ponderado de Peças e Acessórios por Quilômetro Soma 41, Frota Custo por Soma Total Quilômetro (R$.veículos/km) (veículos) (R$/km) 41, = 0,

21 5.5 CUSTO VARIÁVEL TOTAL 21 Custo do Combustível Custo dos Lubrificantes (R$/km) (R$/km) 1, , Custo da Custo de Custo Rodagem Peças e Acessórios Variável Total (R$/km) (R$/km) (R$/km) 0, ,33106 = 1,

22 22 6. CUSTOS FIXOS 6.1 CUSTOS DE CAPITAL Depreciação Depreciação do Veículo Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Microônibus Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1545 = 0, a 2 0 x 0,1391 = 0, a 3 0 x 0,1236 = 0, a 4 0 x 0,1082 = 0, a 5 0 x 0,0927 = 0, a 6 1 x 0,0773 = 0, a 7 0 x 0,0618 = 0, a 8 0 x 0,0464 = 0, a 9 0 x 0,0309 = 0, a 10 0 x 0,0155 = 0, a 11 0 x 0,0000 = 0, a 12 0 x 0,0000 = 0, a 13 0 x 0,0000 = 0, a 14 0 x 0,0000 = 0, a 15 1 x 0,0000 = 0, de 15 1 x 0,0000 = 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual = 0, Depreciação Anual da Frota de Microônibus ,00 x 0,0773 = , Depreciação Anual do Microônibus ,32 3 = 6.316, Depreciação Mensal do Microônibus 6.316,44 12 = 526,

23 23 Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Ônibus Leve Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1545 = 0, a 2 0 x 0,1391 = 0, a 3 0 x 0,1236 = 0, a 4 7 x 0,1082 = 0, a 5 0 x 0,0927 = 0, a 6 0 x 0,0773 = 0, a 7 12 x 0,0618 = 0, a 8 0 x 0,0464 = 0, a 9 0 x 0,0309 = 0, a 10 0 x 0,0155 = 0, a 11 3 x 0,0000 = 0, a 12 0 x 0,0000 = 0, a 13 0 x 0,0000 = 0, a 14 0 x 0,0000 = 0, a 15 0 x 0,0000 = 0, de 15 3 x 0,0000 = 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual = 1, Depreciação Anual da Frota de Ônibus Leve ,28 x 1,4990 = , Depreciação Anual do Ônibus Leve ,93 25 = , Depreciação Mensal do Ônibus Leve ,60 12 = 1.528, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Ônibus Pesado Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 2 x 0,1545 = 0, a 2 7 x 0,1391 = 0, a 3 10 x 0,1236 = 1, a 4 19 x 0,1082 = 2, a 5 7 x 0,0927 = 0, a 6 7 x 0,0773 = 0, a 7 3 x 0,0618 = 0, a 8 9 x 0,0464 = 0, a 9 16 x 0,0309 = 0, a 10 3 x 0,0155 = 0, a 11 1 x 0,0000 = 0, a 12 1 x 0,0000 = 0, a 13 3 x 0,0000 = 0, a 14 0 x 0,0000 = 0, a 15 5 x 0,0000 = 0, de 15 3 x 0,0000 = 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual = 6,

24 24 Depreciação Anual da Frota de Ônibus Pesado ,16 x 6,9084 = , Depreciação Anual do Ônibus Pesado ,22 96 = , Depreciação Mensal do Ônibus Pesado ,67 12 = 1.844, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Ônibus Articulado Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1545 = 0, a 2 0 x 0,1391 = 0, a 3 0 x 0,1236 = 0, a 4 0 x 0,1082 = 0, a 5 0 x 0,0927 = 0, a 6 0 x 0,0773 = 0, a 7 0 x 0,0618 = 0, a 8 0 x 0,0464 = 0, a 9 0 x 0,0309 = 0, a 10 0 x 0,0155 = 0, a 11 0 x 0,0000 = 0, a 12 0 x 0,0000 = 0, a 13 0 x 0,0000 = 0, a 14 0 x 0,0000 = 0, a 15 0 x 0,0000 = 0, de 15 0 x 0,0000 = 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual = 0, Depreciação Anual da Frota de Ônibus Articulado sem Ar Condicionado ,00 x 0,0000 = 0, Depreciação Anual do Ônibus Articulado 0,00 1 = 0, Depreciação Mensal do Ônibus Articulado 0,00 12 = 0,

25 Custo Ponderado de Depreciação do Veículo 25 Depreciação Depreciação do Veículo Frota da Frota (R$/veículo.mês) (veículos) (R$/mês) Microônibus 526,37 x 3 = 1.579, Ônibus Leve 1.528,97 x 25 = , Ônibus Pesado 1.844,56 x 96 = , Ônibus Articulado 0,00 x 0 = 0, Depreciação Ponderada do Veículo Depreciação Total da Frota = , , = 1.749, Depreciação dos Validadores Preço dos Validadores Coeficiente de Depreciação 0,00 x 0,0000 = 0, Depreciação do Sistema de Bilhetagem Eletrônica Preço do Sistema de Bilhetagem Eletrônica Coeficiente de Depreciação 0,00 x 0,0000 = 0, Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos Preço do Veículo- Coeficiente Padrão Leve Completo de (R$/veículo) Depreciação ,40 x 0,0001 = 31, Depreciação Total 1.749,04 + 0, , ,48 = 1.780,

26 Remuneração Remuneração do Veículo Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Microônibus Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1200 = 0, a 2 0 x 0,1015 = 0, a 3 0 x 0,0848 = 0, a 4 0 x 0,0699 = 0, a 5 0 x 0,0569 = 0, a 6 1 x 0,0458 = 0, a 7 0 x 0,0365 = 0, a 8 0 x 0,0291 = 0, a 9 0 x 0,0236 = 0, a 10 0 x 0,0199 = 0, a 11 0 x 0,0180 = 0, a 12 0 x 0,0180 = 0, a 13 0 x 0,0180 = 0, a 14 0 x 0,0180 = 0, a 15 1 x 0,0180 = 0, de 15 1 x 0,0180 = 0,0180 Coeficiente de Remuneração Anual = 0, Remuneração Anual da Frota de Microônibus ,00 x 0,0818 = , Remuneração Anual do Microônibus ,45 3 = 6.684, Remuneração Mensal do Microônibus 6.684,15 12 = 557,

27 Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Ônibus Leve 27 Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1200 = 0, a 2 0 x 0,1015 = 0, a 3 0 x 0,0848 = 0, a 4 7 x 0,0699 = 0, a 5 0 x 0,0569 = 0, a 6 0 x 0,0458 = 0, a 7 12 x 0,0365 = 0, a 8 0 x 0,0291 = 0, a 9 0 x 0,0236 = 0, a 10 0 x 0,0199 = 0, a 11 3 x 0,0180 = 0, a 12 0 x 0,0180 = 0, a 13 0 x 0,0180 = 0, a 14 0 x 0,0180 = 0, a 15 0 x 0,0180 = 0, de 15 3 x 0,0180 = 0,0540 Coeficiente de Remuneração Anual = 1, Remuneração Anual da Frota de Ônibus Leve ,28 x 1,0353 = , Remuneração Anual do Ônibus Leve ,99 25 = , Remuneração Mensal do Ônibus ,96 12 = 1.056, Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Ônibus Pesado Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 2 x 0,1200 = 0, a 2 7 x 0,1015 = 0, a 3 10 x 0,0848 = 0, a 4 19 x 0,0699 = 1, a 5 7 x 0,0569 = 0, a 6 7 x 0,0458 = 0, a 7 3 x 0,0365 = 0, a 8 9 x 0,0291 = 0, a 9 16 x 0,0236 = 0, a 10 3 x 0,0199 = 0, a 11 1 x 0,0180 = 0, a 12 1 x 0,0180 = 0, a 13 3 x 0,0180 = 0, a 14 0 x 0,0180 = 0, a 15 5 x 0,0180 = 0, de 15 3 x 0,0180 = 0,0540 Coeficiente de Remuneração Anual = 4,

28 Remuneração Anual da Frota de Ônibus Pesado ,16 x 4,8882 = , Remuneração Anual do Ônibus Pesado ,66 96 = , Remuneração Mensal do Ônibus Pesado ,90 12 = 1.305, Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Ônibus Articulado Idade (anos) Frota Coeficiente 0 a 1 0 x 0,1200 = 0, a 2 0 x 0,1015 = 0, a 3 0 x 0,0848 = 0, a 4 0 x 0,0699 = 0, a 5 0 x 0,0569 = 0, a 6 0 x 0,0458 = 0, a 7 0 x 0,0365 = 0, a 8 0 x 0,0291 = 0, a 9 0 x 0,0236 = 0, a 10 0 x 0,0199 = 0, a 11 0 x 0,0180 = 0, a 12 0 x 0,0180 = 0, a 13 0 x 0,0180 = 0, a 14 0 x 0,0180 = 0, a 15 0 x 0,0180 = 0, de 15 0 x 0,0180 = 0,0000 Coeficiente de Remuneração Anual = 0, Remuneração Anual da Frota de Ônibus Articulado ,00 x 0,0000 = 0, Remuneração Anual do Ônibus Articulado 0,00 1 = 0, Remuneração Mensal do Ônibus Articulado 0,00 12 = 0,

29 Custo Ponderado de Remuneração do Veículo 29 Remuneração Remuneração do Veículo Frota da Frota (R$/veículo.mês) (veículos) (R$/mês) Microônibus 557,01 x 3 = 1.671, Ônibus Leve 1.056,00 x 25 = , Ônibus Pesado 1.305,16 x 96 = , Ônibus Articulado 0,00 x 0 = 0, Remuneração Ponderada do Veículo Remuneração Total da Frota = , , = 1.236, Remuneração dos Validadores Preço dos Validadores Coeficiente de Remuneração 0,00 x 0,0000 = 0, Remuneração do Sistema de Bilhetagem Eletrônica Preço do Sistema de Bilhetagem Eletrônica Coeficiente de Remuneração 0,00 x 0,0000 = 0, Remuneração de Máquinas, Instalações e Equipamentos Preço do Veículo- Padrão Leve Completo Coeficiente (R$/veículo) Remuneração (R$/veículo.mês) ,40 x 0,0004 = 125, Remuneração mensal do Almoxarifado Preço do Veículo- Padrão Completo de Índice (R$/veículo) Técnico (R$/veículo.mês) ,11 x 0,0003 = 94,

30 Remuneração Total ,82 + 0,00 + 0, , ,41 = 1.457, Custo Total de Capital Depreciação Remuneração Custo Total Total Total de Capital (R$/veículo.mês) (R$/veículo.mês) (R$/veículo.mês) 1.780, ,17 = 3.237, DESPESAS COM PESSOAL Pessoal de Operação Motorista Salário-Base Encargos Sociais (R$/mês) (%) 1.432,90 x ( ,78 100) x 2 Fator de Cobrador Utilização Custo Mensal (funcionário/veículo) (R$/veículo.mês) 2,50 = 5.150, Salário-Base Encargos Sociais (R$/mês) (%) 885,33 x ( ,78 100) x 3 Fator de Fiscal / Despachante Salário-Base Encargos Sociais Utilização (R$/mês) (%) 1.967,92 x ( ,78 100) x 4 Fator de Custo Mensal (funcionário/veículo) (R$/veículo.mês) 2,20 = 2.800, Utilização Custo Mensal (funcionário/veículo) (R$/veículo.mês) 0,26 = 735,66 149

31 Despesa Mensal com Pessoal de Operação = 8.686, Pessoal de Manutenção Despesa Mensal com o Pessoal de Operação Pessoal Administrativo Despesa com o Pessoal de Manutenção (R$/mês) (R$/veículo.mês) 8.686,67 x 0,135 = 1.172, Despesa Mensal com o Pessoal de Operação Despesa com o Pessoal Administrativo (R$/mês) Coeficiente (R$/veículo.mês) 8.686,67 x 0,105 = 912, Benefícios Despesa com Benefício Total Frota Operante Benefícios (R$/mês) (veículos) (R$/veículo.mês) ,34 / 112 = 1.314, Remuneração da Diretoria Despesa Total com Pessoal Despesa com a Remuneração Total Frota Operante Remuneração da Diretoria (R$/mês) (veículos) (R$/veículo.mês) ,96 / 112 = 484, Pessoal de Operação Pessoal de Manutenção (R$/veículo.mês) (R$/veículo.mês) 8.686, , Pessoal Administrativo Benefícios (R$/veículo.mês) (R$/veículo.mês) 912, , Despesa com Remuneração da Diretoria Pessoal (R$/veículo.mês) (R$/veículo.mês) 484,79 = ,

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS.

CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS. CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA PARA O CÁLCULO DOS CUSTOS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE BAIXA CAPACIDADE OPERADO POR COOPERATIVAS. Renato Guimarães Ribeiro GETRANS Goiânia RESUMO A operação de veículos de

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência:

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Edital Concorrência Pública 05/2012 Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S/A BHTRANS 1 Conteúdo Introdução 03 Documentos Solicitados

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas SINTRAM Expositor: Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano Rubens Lessa Carvalho REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE HISTÓRICO DO

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA Março, 2015 2 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1 CUSTOS... 6 1.1 Custos fixos...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 8 CONTABILIDADE GERENCIAL UM ESTUDO DOS CUSTOS NA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DE BOA

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA DEZEMBRO, 2014 2 Sumário 1 CUSTOS...6 1.2 Remuneração do capital...6 1.3 Despesas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR Relatório Final Rio de Janeiro, 30 de junho de 2006 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 1 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921 ANEXO VI Econômico Financeiro Secretaria de Transportes 921 6.1 Metodologia do Cálculo de Custos Operacionais do Transporte Coletivo Público Tem como objetivo descrever a metodologia do Cálculo de Custos

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Tarifa simplificada

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Vagner da Silva Paulino Francisco Lopes Cançado Júnior Resumo: Este trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS 1) Dados do Município/Região Metropolitana Município/RM: DADOS CADASTRAIS UF População Total: habitantes 2) Quem

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO Impactos do Desequilíbrio Contratual Agosto de 2013 SUMÁRIO PREÂMBULO... 3 INTRODUÇÃO... 7 Tarifa equivalente... 7 Natureza e objetivos do estudo... 8 Cláusulas contratuais:

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA 1. TRABALHO REALIZADO PELO MPC E TCE 2. DADOS DO SISTEMA 3. CUSTOS TARIFÁRIOS: EXEMPLOS 4. GRATUIDADES 5. PLANILHA TARIFÁRIA

Leia mais

Manual para usuários site Lucrei no Frete

Manual para usuários site Lucrei no Frete Manual para usuários site Lucrei no Frete Para login clicar no endereço abaixo ou copiar e colar no navegador. http://lucreinofrete.a3sistemas.com.br/minha_conta/login.php Clicar em Registrar Preencher

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 1 MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Cidadania e Inclusão Social EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos.

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Matteus Freitas¹; Arthur Oliveira¹; Alice Ozorio¹; Roberta Carolina Faria¹; Filipe Oliveira¹; André Dantas¹. ¹Associação

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final SETRABH Relatório de Atualização da Modelagem Econômico-financeira dos Contratos de Concessão após dois anos decorridos da Revisão Tarifária prevista em Contrato Versão Final Ernst & Young Assessoria Empresarial

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Planilha de Composição de Custos SARZEDO / MG

COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Planilha de Composição de Custos SARZEDO / MG COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Planilha de Composição de Custos SARZEDO / MG jan/15 Síntese dos Custos Item Custo (R$/mês) % 1 Mão-de-obra 29.661,36 52,62 2 Uniformes 819,51 1,45 3 Veículos e equipamentos

Leia mais

Metodologia para informatização das empresas de ônibus de pequeno porte: uma proposta de baixo custo

Metodologia para informatização das empresas de ônibus de pequeno porte: uma proposta de baixo custo Metodologia para informatização das empresas de ônibus de pequeno porte: uma proposta de baixo custo Alexandre Milkiewicz Sanches (UTFPR) riversonic@hotmail.com Profª Dra. Isaura Alberton de Lima (UTFPR)

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

Perspectivas para o Setor

Perspectivas para o Setor Perspectivas para o Setor André Dantas Diretor Técnico São Paulo, 05 de dezembro de 2013 Estrutura da apresentação Contexto; Dados do setor; e Perspectivas. CONTEXTO (O que está acontecendo ao nosso redor?)

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Onibus. Onibus. Comil Doppio BRT. m a g a z i n e. 02 Fevereiro-Março/ 2013

Onibus. Onibus. Comil Doppio BRT. m a g a z i n e. 02 Fevereiro-Março/ 2013 News Brasil: - Marcio Bruxel/ Emerson Carlos revelam: seria o novo Torino? Frota em Foco: Empresa União Com forte tradição no transporte intermunicipal e interestadual partindo ou chegando no Litoral Sul

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA Autores ANA CRISTINA DE FARIA Universidade Regional de Blumenau ANTÔNIO CARLOS SCHLINDWEIN Universidade Regional de Blumenau ROBERTO

Leia mais

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas São Paulo, 01/12/2008 Neuto Gonçalves dos Reis Mestre em Engenharia de Transportes (EESC-USP) Pós-graduado em Administração de Empresas (FGV) Pós-graduado

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM

Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM Cálculo Tarifário do Transporte Coletivo Urbano DEZ / 2014 1 INSUMOS BÁSICOS R$ Preço de um litro

Leia mais

DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista

DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista INFORMAÇÃO N.º 27/2008 DATA: Porto Alegre, 08/07/2008 DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista PARA: Diretor de Tarifas PROCESSO: 001081-04.36/08-3,

Leia mais

ANEXO - 1.1 PLANILHA DE CUSTOS PARA BARCO EMPURRADOR 65HP ITEM DESCRIÇÃO DOS ITENS

ANEXO - 1.1 PLANILHA DE CUSTOS PARA BARCO EMPURRADOR 65HP ITEM DESCRIÇÃO DOS ITENS ANEXO - 1.1 PLANILHA DE CUSTOS PARA BARCO EMPURRADOR 65HP 1 INSUMOS (%) (R$) 1.1 COMBUSTÍVEL (800 km/mês)x(1,2 litro/km)x(r$ 2,25/litro) 2.160,00 1.2 MANUTENÇÃO 200,00 1.3 ÓLEO DO CARTER 120,00 1.4 DEPRECIAÇÃO

Leia mais

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília CÁLCULO TARIFÁRIO AN P Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília Flavio Augusto de Oliveira Passos Dias Secretaria de Estado de Transportes do Distrito

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

COMPANHIA CARRIS PORTO-ALEGRENSE LEILÃO N.º 003/2014 VENDA DE ÔNIBUS DESATIVADOS

COMPANHIA CARRIS PORTO-ALEGRENSE LEILÃO N.º 003/2014 VENDA DE ÔNIBUS DESATIVADOS A Companhia Carris Porto-Alegrense, situada na Rua Albion, 385, Porto Alegre, RS, CEP 91530-010, através da comissão permanente de licitações designada pela portaria de 18 de junho de 2013 - PT-11111-633,

Leia mais

CÁLCULO TARIFÁRIO TRANSPORTE PÚBLICO EMBU DAS ARTES

CÁLCULO TARIFÁRIO TRANSPORTE PÚBLICO EMBU DAS ARTES CÁLCULO TARIFÁRIO TRANSPORTE PÚBLICO EMBU DAS ARTES ESCLARECIMENTOS Esclarecimentos sobre os motivos do reajuste da tarifa do transporte público de passageiros na Cidade de Embu das Artes que ocorrerá

Leia mais

Qualidade dos dados e periodicidade das avaliações ambientais

Qualidade dos dados e periodicidade das avaliações ambientais Qualidade dos dados e periodicidade das avaliações ambientais Objetivo do Projeto I Promover a redução de poluentes atmosféricos emitidos pelos veículos, contribuindo com a sociedade para a melhoria da

Leia mais