DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR"

Transcrição

1 DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política pública. É um valor que tem como referência o custo, mas é decretada pelo Poder Concedente do serviço. A tarifa cobrada do passageiro A tarifa pode ser menor, igual ou maior que o custo do serviço por passageiro. Quando a tarifa é maior que o custo, o Poder Concedente pode estar formando um fundo para desenvolvimento do sistema de transporte. (Geralmente, ocorria em torno de centavos, quando se arredondava para mais, prática comum nos períodos de alta inflação quando as tarifas eram reajustadas mensalmente). Quando a tarifa é menor que o custo, se faz necessária a cobertura dos custos através de subsídios, que deveriam ser suportados pelo Governo Federal, uma vez que 84% da população reside em áreas urbanas. (É a forma de tarifa praticada quando se considera o transporte urbano uma função social. Por exemplo, São Paulo que pratica tarifa menor que o custo e subsidia a diferença em valores estimados em R$780 milhões ao ano, referentes a, segundo informações da NTU). A prática mais comum no Brasil é considerar a tarifa igual ao custo, partindo-se do princípio que o sistema está equilibrado. (No entanto, trata-se de uma prática de mercado, como se o transporte urbano fosse um produto meramente comercial e não um serviço público essencial). O custo por passageiro O custo por passageiro é um rateio do valor do custo de prestação do serviço pelo total de passageiros transportados: CUSTO POR PASSAGEIRO = CUSTO APURADO PARA PRESTAR O SERVIÇO PASSAGEIRO TRANSPORTADO A lógica de determinação do custo por passageiro é a de rateio do valor do custo total pela quantidade de passageiros pagantes do sistema. O passageiro pagante As passagens pagas pelos passageiros são: - de valor inteiro - meia passagem escolar Ainda há os que não pagam: - gratuitos - integrações 1

2 Cada dois estudantes que pagam meia passagem são computados como 1 passageiro pagante Os gratuitos não são computados como passageiros pagantes. Esses benefícios tarifários impactam no número de passageiros pagantes. Diminuem a quantidade de passageiros pagantes, porém mantém o custo que é formado para transportar o passageiro total - o custo por passageiro vai aumentar. TOTAL POR FORMA DE PAGAMENTO Gratuitos (catracados) 5,1% MPE Integrado 1,0% MPE 16,0% Gratuitos e Evasão(porta desembarque) 16,8% Espécie 32,9% VTE Integrado 1,8% VTE 24,7% Bil. Avulso Integrado 0,1% Bilhete Avulso 1,6% Fontes: SETPS e EMPRESAS GRATUITOS POR CATEGORIA - UTILIZAÇÃO MENSAL POLÍCIA OUTROS (porta desembarque) 39,5% POLICIA 7,2% IDOSOS (porta desembarque) 29,8% DEFICIENTES (catracados) 9,5% DEFICIENTES (porta desembarque) 12,5% CORREIOS JUSTIÇA JUIZADO DE MENORES CONSELHO TUTELAR/ FISCALIZAÇÃO DE VEÍCULOS E TRÂNSITO TRANSALVADOR DEFICIENTES (catracados) DEFICIENTES (porta desembarque) (1) IDOSOS (porta desembarque) (2) OUTROS (porta desembarque) (3) Fontes: SETPS e EMPRESAS (1) Gratuidade estimada com base na utilização mensal dos deficientes que passam pela catraca. (2) Gratuidade estimada com base em pesquisa realizada pelo setor em (3) Gratuidade estimada com base em pesquisa realizada pelo setor em - Caronas, baleiros, Crianças, policiais fardados, gestantes, evasão. 2

3 TARIFAS INTEIRAS, DESCONTOS DE 50% E GRATUITOS PASSAGEIROS PAGANTES E GRATUITOS EFEITO DOS BENEFÍCIOS POR ÔNIBUS 66% dos passageiros pagam tarifa inteira 34% não pagam tarifa Fontes: SETPS e EMPRESAS 3

4 Axé Barramar BTU Boa Viagem Central Capital Ilha Tropical Joevanza Modelo Ondina Praia Grande Rio Vermelho São Cristóvão Transol Verdemar União Expresso Vitória Vitral Se o sistema fosse remunerado pela quantidade de passageiros que são efetivamente transportados, por exemplo, o atual custo seria reduzido em 33,6%. IMPACTO DOS BENEFÍCIOS NOS CUSTOS DO SISTEMA Impacto dos benefícios no custo (valor em R$) Custo por Passageiro Total 3,60 3,20 2,80 0,80 0,40 0,00 SISTEMA R$1,08 é o custo dos benefícios para um custo de R$3,20 IMPACTO DOS BENEFÍCIOS NOS CUSTOS DAS EMPRESAS (em R$) 1,40 1,00 0,80 0,60 0,40 Fonte: SETPS A PLANILHA DE CUSTOS A metodologia para apropriação dos custos de transporte teve origem no CIP Conselho Interministerial de Preços da década de Posteriormente, nos anos 1980, o Ministério dos Transportes, através do GEIPOT, aperfeiçoou o método de cálculo através de estudos e pesquisas nas cidades mais importantes do Brasil. Essa metodologia, que sofreu atualização em 1996, hoje é aplicada por todas as prefeituras do país, observando-se as características locais. No caso de Salvador, o Executivo Municipal regulamentou seu cálculo de custos seguindo a planilha do GEIPOT com ajustes locais. No ano de, a Câmara Municipal submeteu sua metodologia a uma auditoria realizada pela Fundação Getúlio Vargas. A apropriação de custos baseia-se no conceito de custo médio, ou seja, um sistema formado por diferentes linhas de ônibus, longas ou curtas, de alto ou baixo volume de passageiros, que 4

5 Capital Ilha Tropical Ondina São Cristóvão Transol Verdemar Modelo Barramar Axé Sistema Praia Grande Central Boa Viagem Rio Vermelho BTU Expresso Vitória Vitral União Joevanza implicam em custos diferenciados, terão esses dados totalizados e, em sequência, apurado seu valor médio. As diversas empresas que operam o sistema de transporte, individualmente, incorrem em custos maiores ou menores que o custo médio. Na fase de remuneração dos serviços, essas operadoras compensam entre si os eventuais déficits versus os superávits que forem observados. CUSTO POR PASSAGEIRO PAGANTE 4,80 4,40 4,00 3,60 3,20 2,80 0,80 0,40 - METODOLOGIA DO CÁLCULO DE CUSTOS São definidos dois grandes grupos de custo: 1. Custo Variável Fonte: SETPS O custo variável, que se apresenta à medida que os serviços sejam prestados, ou seja, que os ônibus circulem nas linhas, apropria as despesas vinculadas à quilometragem rodada pelas empresas, são eles: Custo de combustível (óleo diesel); Custo de lubrificantes (óleo de motor, freio, etc.); Custo de peças e acessórios (peças e componentes dos chassis, motores e carrocerias dos ônibus); Custo de rodagem (pneus e seus componentes). 2. Custo fixo Os custos fixos, incorrem para a empresa operadora, independentemente dela estar produzindo quilometragem ou não. São eles: Depreciação (de veículos e máquinas); Remuneração do Capital (empregado em veículos, máquinas, equipamentos e almoxarifado); 5

6 Axé Barramar BTU Boa Viagem Central Capital Ilha Tropical Joevanza Modelo Ondina Praia Grande Rio Vermelho São Cristóvão Transol Verdemar União Expresso Vitória Vitral SISTEMA Pessoal Operacional (salários, encargos e benefícios em função dos homens-hora de operação); Pessoal administrativo, de manutenção e pró-labore de diretoria executiva; Despesas administrativas, seguros de responsabilidade civil e bilhetagem eletrônica. Apropriados os custos, variável e fixo, por quilometro rodado ao mês, obtém-se o Custo Operacional. Ao custo operacional aplicam-se as alíquotas de impostos diretos incidentes, no nosso caso 2% de ISS. Ao final, para obtenção do Custo por Passageiro, aplica-se o divisor entre quilometragem rodada e quantidade de passageiros por quilômetro, chegando-se ao CPT que representa o custo do sistema para cada passageiro pagante. CUSTO POR PASSAGEIRO PAGANTE = CUSTO APURADO PARA PRESTAR O SERVIÇO PASSAGEIRO PAGANTE Como se vê, o custo é rateado apenas pela quantidade de passageiros pagantes, que suportam a estrutura de oferta do serviço para atender a todos os passageiros beneficiários de descontos e gratuidades. CUSTO POR PASSAGEIRO 4,80 4,40 4,00 3,60 3,20 2,80 0,80 0,40 0,00 Custo por Passageiro Total Custo por Passageiro Pagante Fonte: SETPS 6

7 SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR PLANILHA DE CUSTOS DO SISTEMA JULHO/ COMPONENTES R$/VEÍC./MÊS R$/KM TOTAL PART% 1.CUSTO VARIÁVEL 1, ,89 28,70% 1.1 COMBUSTÍVEL 0, ,44 15,46% 1.2 ÓLEOS LUBRIFICANTES 0, ,06 2,44% 1.3 PEÇAS E ACESSÓRIOS 0, ,96 7,55% 1.4 RODAGEM 0, ,42 3,25% 2.CUSTO FIXO ,68 3, ,80 69,30% 2.1 DEPRECIAÇÃO 2.020,51 0, ,16 5,65% VEÍCULOS 1.995,38 0, ,27 5,58% MÁQUINAS 25,14 0, ,89 0,07% 2.2 REMUNERAÇÃO DE CAPITAL 1.412,49 0, ,52 3,95% VEÍCULOS 1.238,24 0, ,19 3,46% ALMOXARIFADO 73,71 0, ,78 0,21% INST. E EQUIPAMENTOS 100,54 0, ,55 0,28% 2.3 PESSOAL ,93 2, ,51 49,36% PESSOAL DE OPERAÇÃO ,82 1, ,19 38,36% MOTORISTAS 7.963,59 1, ,77 22,27% COBRADORES 4.798,29 0, ,38 13,42% FISCAIS 119,74 0, ,63 0,33% DESPACHANTES 838,20 0, ,41 2,34% PESSOAL DE MANUTENÇÃO 1.893,34 0, ,93 5,29% PESSOAL ADMINISTRATIVO 1.371,98 0, ,72 3,84% REMUN. DA DIRETORIA EXECUTIVA 666,78 0, ,67 1,86% 2.4 DESPESAS ADMINISTRATIVAS 3.697,75 0, ,60 10,34% BENEFÍCIOS 1.907,46 0, ,18 5,33% VALE REFEIÇÃO 1.419,79 0, ,54 3,97% SEG. DE VIDA EM GRUPO 1,18 0, ,89 0,00% UNIFORME 211,83 0, ,35 0,59% AUXILIO ASSISTENCIAL 274,65 0, ,40 0,77% SEGURO OBRIGATÓRIO 44,50 0, ,48 0,12% OUTRAS DESPESAS 818,98 0, ,50 2,29% SEG. RESP. CIVIL 90,82 0, ,45 0,25% CONTROLE ELETRONICO 836,01 0, ,00 2,34% 3. CUSTO OPERACIONAL 4, ,68 98,00% 4. IMPOSTOS E TAXAS 0, ,26 % 4.1 TAXA DE GERENCIAMENTO 0,0000-0,00% 4.2 ISS 0, ,26 % 4.3 FINSOCIAL 0,0000-0,00% 4.4 PIS 0,0000-0,00% 4.5 A.R.F 0,0000-0,00% 5.CUSTO TOTAL POR KM 4, ,94 100,00% 6.CUSTO POR PASSAGEIRO - CPT 3, ,94 7. TARIFA PMM= 7.693,18 IPK= 1,4512 PASSAGEIROS= QUILOMETRAGEM= ,44 FROTA OPERANTE=

8 COMPOSIÇÃO DA PLANILHA DE CUSTOS DO SISTEMA Julho/ 3,20 2,80 0,0641 0,3075 R$3,20 R$2,80 0,9193 0,80 0,1605 1,7518 Impostos Custo Capital Custo Variável Custo Administrativo Custo de Pessoal 0,40 0,00 R$ Fonte: SETPS GRÁFICOS DE EVOLUÇÃO DOS PREÇOS 1. INSUMOS 2,60 2,20 DIESEL VARIAÇÃO ( - ) 43% , , ,00 ÔNIBUS VARIAÇÃO ( - ) 117% 1, ,00 1,40 1, , ,00 0,00 SALÁRIO MOTORISTA VARIAÇÃO ( - ) 85% 1.800, , , , ,00 800,00 600,00 400,00 PNEU VARIAÇÃO ( - ) 68% Fontes: ANP, SETPS e Fornecedores 8

9 Milhões 2. PASSAGEIROS PAGANTES 33, ,00 30,00 29,00 28,00 27,00 26,00 25,00 24,00 PASSAGEIROS PAGANTES VARIAÇÃO ( - ) -16% Fonte: SETPS 3. OUTROS INDICADORES TARIFA DE ÔNIBUS, GASOLINA E SALÁRIO MÍNIMO 3,50 3,00 2,50 1,50 1,00 0,50 0,00 TARIFA (ÔNIBUS URBANO EM SALVADOR) VARIAÇÃO ( - ) 87% 2,60 2,20 1,80 1,40 1,00 GASOLINA VARIAÇÃO ( - ) 38% SALÁRIO MÍNIMO VARIAÇÃO ( - ) 183% Fontes: ANP, Transalvador e Ministério do Trabalho 9

10 DEMONSTRATIVO DOS CUSTOS MENSAIS DAS EMPRESAS Despesas operacionais = Custo operacional (Custo Variável + Custo de pessoal de operação e manutenção + benefícios + bilhetagem eletrônica) Despesas Administrativas = Seguro Obrigatório + Seguros responsabilidade. Civil + Pessoal Administrativo + Remuneração diretoria Executiva + Outras Despesas (água, luz, telefone, informática...). Custo de Capital = Depreciação + Remuneração de capital Obs.: Os custos apresentados acima são proporcionais à quantidade de ônibus e característica das linhas que a empresa opera. 10

11 VARIÁVEIS RELEVANTES No processo de formação de custos do serviço por passageiro, as variáveis relevantes são o PASSAGEIRO TRANSPORTADO e a QUILOMETRAGEM RODADA. Tendo-se controle administrativo e social dessas variáveis, teremos um sistema justamente remunerado. Não é sustentável o crescimento indevido de benefícios quando apenas o passageiro pagante é que arca com os custos do sistema de transporte. No processo de formação do custo operacional as variáveis relevantes são o pessoal de operação e o combustível. Também não é sustentável que o sistema seja ineficiente, incorrendo em custos altos por consequência da infraestrutura viária em estado precário e por um desenho de linhas obsoleto que não é mais compatível com os deslocamentos das pessoas na cidade. Quanto aos fatores e índices que compõem o procedimento de cálculo do custo, devido à evolução tecnológica da frota, as modificações de processos operacionais, alterações nos aspectos trabalhistas, entre outros, impõe-se um amplo estudo técnico e pesquisas para a devida atualização desses valores, visto que os que estão sendo utilizados já estão defasados. 11

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o Decreto Municipal de nº 076/2005 que institui a Bilhetagem Eletrônica no Município de Petrolina-PE, bem como a Lei nº 1.123/2002 e o Decreto 90/2002,

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar?

Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar? Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar? Rodrigo Ribeiro Novaes 1 As manifestações populares que tomaram as principais cidades brasileiras no último

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR Palestrante: Horácio Brasil MAIO 2013 Var% 2011/2001 CRESCIMENTO POPULACIONAL 20,00 15,00 14,72 16,07 11,60 10,00 8,36 6,69 5,00 3,77

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA 1. TRABALHO REALIZADO PELO MPC E TCE 2. DADOS DO SISTEMA 3. CUSTOS TARIFÁRIOS: EXEMPLOS 4. GRATUIDADES 5. PLANILHA TARIFÁRIA

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas SINTRAM Expositor: Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano Rubens Lessa Carvalho REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE HISTÓRICO DO

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013.

RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013. RESOLUÇÃO AGERBA N 08, DE 03 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Bilhetagem Eletrônica em linhas metropolitanas de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. A Diretoria

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 1 MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Cidadania e Inclusão Social EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS 1) Dados do Município/Região Metropolitana Município/RM: DADOS CADASTRAIS UF População Total: habitantes 2) Quem

Leia mais

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO Segunda Passagem Integrada Grátis 1) Quando será lançada a segunda passagem gratuita? Será lançada no dia 1 de julho. 2) Como funcionará a segunda passagem gratuita? O passageiro

Leia mais

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Vagner da Silva Paulino Francisco Lopes Cançado Júnior Resumo: Este trabalho

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR

ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR ANÁLISE ECONÔMICO- FINANCEIRA DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE SALVADOR CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR Relatório Final Rio de Janeiro, 30 de junho de 2006 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 1 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal;

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal; DECRETO Nº 11.245, DE 26 DE JUNHO DE 2008. REGULAMENTA O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA VENDA DE PASSAGENS E CRÉDITOS ELETRÔNICOS DE TRANSPORTES NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DE UBERLÂNDIA

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO Impactos do Desequilíbrio Contratual Agosto de 2013 SUMÁRIO PREÂMBULO... 3 INTRODUÇÃO... 7 Tarifa equivalente... 7 Natureza e objetivos do estudo... 8 Cláusulas contratuais:

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA I - CUSTOS VARIÁVEIS: A - COMBUSTÍVEL: TIPO DE VEÍCULO N DE VEÍCULOS LITRO COMBUSTÍVEL COEFICIENTE DE CONSUMO CUSTO

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA Objeto: Referência: PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VII Legislação Aplicável Anexo VII O presente anexo apresenta a relação da legislação principal aplicável a este procedimento licitatório e à operação

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência:

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Edital Concorrência Pública 05/2012 Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S/A BHTRANS 1 Conteúdo Introdução 03 Documentos Solicitados

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ESTE REGULAMENTO DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA NA REDE DE TRANSPORTE COLETIVO NÃO INTEGRADA DA REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

NOTIFICAÇÃO Nº 21/2011 NOTIFICANTE: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA FAZENDA PÚBLICA NOTIFICADO: EXMº SR. PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA

NOTIFICAÇÃO Nº 21/2011 NOTIFICANTE: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA FAZENDA PÚBLICA NOTIFICADO: EXMº SR. PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA NOTIFICAÇÃO Nº 21/2011 NOTIFICANTE: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA FAZENDA PÚBLICA NOTIFICADO: EXMº SR. PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL, representado pelo

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Tarifa simplificada

Leia mais

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA.

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Intervenção do estado sobre a atividade de transporte

Leia mais

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final SETRABH Relatório de Atualização da Modelagem Econômico-financeira dos Contratos de Concessão após dois anos decorridos da Revisão Tarifária prevista em Contrato Versão Final Ernst & Young Assessoria Empresarial

Leia mais

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 Dezembro / 2013 METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Econômico Financeiro. Secretaria de Transportes 921 ANEXO VI Econômico Financeiro Secretaria de Transportes 921 6.1 Metodologia do Cálculo de Custos Operacionais do Transporte Coletivo Público Tem como objetivo descrever a metodologia do Cálculo de Custos

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo IV Sistema de Controle da Qualidade do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO IV SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE DO SERVIÇO DE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000581/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014079/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46334.001611/2015-99 DATA DO

Leia mais

Perspectivas para o Setor

Perspectivas para o Setor Perspectivas para o Setor André Dantas Diretor Técnico São Paulo, 05 de dezembro de 2013 Estrutura da apresentação Contexto; Dados do setor; e Perspectivas. CONTEXTO (O que está acontecendo ao nosso redor?)

Leia mais

Tarifa aumentará antes da licitação Ter, 16 de Junho de 2015 07:47

Tarifa aumentará antes da licitação Ter, 16 de Junho de 2015 07:47 A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) concederá o reajuste da tarifa de ônibus de Natal antes de finalizar o processo da licitação dos transportes. A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana

Leia mais

DECRETO Nº 38279 DE 29 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 38279 DE 29 DE JANEIRO DE 2014 DECRETO Nº 38279 DE 29 DE JANEIRO DE 2014 Estabelece medidas para o aperfeiçoamento da prestação do Serviço Público de Transporte de Passageiros por Ônibus - SPPO, determina o reajuste tarifário, e dá

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU DESONERAÇÃO DOS CUSTOS DAS TARIFAS DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO E DE CARACTERÍSTICA URBANA Abril/2009 1. APRESENTAÇÃO O setor de transporte público

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE MBA EXECUTIVO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE LOGÍSTICA EMPRESARIAL EDSON RENATO PRIEBERNOW LETTNIN GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS COM ÊNFASE NO CÁLCULO DO QUILÔMETRO

Leia mais