METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE"

Transcrição

1

2 METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013.

3 RESOLUÇÃO NORMATIVA AGERGS Nº 06/2012 Revisão tarifária é um instrumento de recomposição da tarifa no qual são examinados os critérios e os parâmetros de produção e custo do serviço, bem como a metodologia de cálculo, visando à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro do serviço público delegado. Revisão tarifária ordinária: Pode ter previsibilidade contratual ou normativa. No caso da RMPA não há previsão contratual ou normativa. Revisão tarifária extraordinária: Pode ocorrer a qualquer tempo, gerada por fatores supervenientes ou imprevistos, os quais venham, comprovadamente ou por força legal impositiva, ocasionar alteração tarifária.

4 METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO A metodologia de reposicionamento tarifário é fundamentada na definição do valor de uma variável chamada Coeficiente Tarifário (CT). Quando seu valor é modificado, as tarifas são modificadas na mesma proporção (%). A metodologia básica do cálculo é: Tarifa da Linha = CT x Extensão (Km)

5 O Coeficiente Tarifário (CT) é apurado pela divisão do custo quilométrico pela quantidade média de passageiros pagantes no ônibus, ou seja: CT = Custo por Km Lotação Média x Aproveitamento Econômico O Aproveitamento Econômico (IAP) é obtido pela seguinte fórmula: IAP = Receita Auferida Receita Teórica

6 Já a Receita Teórica (RET) é o produto do número de viagens por linha multiplicado pela tarifa máxima da linha e pela lotação média dos veículos que operam aquela linha. Em termos de equação temos: RET = Σ (nº viagens x tarifa máxima x lotação) Em resumo, tem-se: IAP = Σ tarifa efetiva x tipo de pagante Σ (n viagens x tarifa máxima x lotação)

7 Os custos fixos se caracterizam por não reagir imediatamente à uma variação da distância de uma viagem. Logo, dentro de certos limites, um eventual aumento nos itinerários das linhas não acarreta uma elevação dos custos fixos. Insumos Fixos Peças e Acessórios, Depreciação e Remuneração da Frota, Remuneração de outros Ativos, Despesas Administrativas e Os insumos fixos são medidos proporcionalmente ao seu desgaste anual em relação ao valor de um ônibus novo (R$) e divididos pela quilometragem média percorrida anualmente por um ônibus PMA. O preço do veículo obedece ao critério de menor cotação no mercado.

8 O Percurso Médio Anual (PMA) é outra importante variável de produção e de apuração do custo quilométrico, sendo calculado pela fórmula: PMA = Soma (Nº de Viagens Realizadas) x (Extensão da Linha) Nº de Ônibus da Frota Ativa Os custos relativos a pessoal são mensurados de modo especial, considerando a quantidade necessária de motorista, cobrador e fiscal por veículo e o número de salários e encargos sociais pagos durante um ano. Também é considerado o valor do PMA no divisor. Ainda são calculados os custos com a mão-de-obra empregada em funções administrativas e de manutenção. Estes custos são estimados proporcionalmente ao custo com a mão-de-obra direta.

9 Valor do PMA (Km) ,95 INSUMOS UNIDADE PARÂMETRO VALOR (R$) R$/KM PART.% ÓLEO DIESEL L/Km 0, ,1103 0, ,93% ÓLEO DE TRANSMISSÃO L/Km 0, ,8622 0,0025 0,06% ÓLEO DE CAIXA L/Km 0, ,5566 0,0020 0,04% ÓLEO DE CÁRTER L/Km 0, ,9458 0,0250 0,56% RODAGEM (vida útil de Km) Pneu + Recap./Km 0, ,5200 0,0867 1,93% CÂMARA Cam./Km 0, ,00% PEÇAS E ACESSÓRIOS % Veículo 0, ,6800 0,3102 6,89% CUSTOS VARIÁVEIS 1,1884 DEPRECIAÇÃO FROTA % Veículo 0, ,8442 0,2318 5,15% REMUN. DA FROTA % Veículo 0, ,8442 0,2036 4,52% DEPRECIAÇÃO FROTA RESERVA 10% deprec. 0, ,8442 0,0232 0,52% REMUN. DA FROTA RESERVA 10% remun. 0, ,8442 0,0204 0,45% REM. OUTROS ATIVOS % Veículo 0, ,6800 0,0576 1,28% DESP. ADMINISTRAT. % Veículo 0, ,6800 0,3009 6,68% MOTORISTA: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 33, ,6300 0, ,15% VALE ALIMENTAÇÃO 16, ,0000 0,0633 1,41% CESTA BÁSICA 18, ,5000 0,0180 0,40% PLANO DE SAÚDE 18, ,6900 0,0303 0,67% SEGURO DE VIDA 18, ,8100 0,0012 0,03% COBRADOR: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 25, ,5300 0,4376 9,72% VALE ALIMENTAÇÃO 12, ,0000 0,0454 1,01% CESTA BÁSICA 13, ,5000 0,0129 0,29% PLANO DE SAÚDE 13, ,6900 0,0217 0,48% SEGURO DE VIDA 13, ,8100 0,0009 0,02% FISCAL: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 5, ,2200 0,1180 2,62% VALE ALIMENTAÇÃO 2, ,0000 0,0088 0,20% CESTA BÁSICA 2, ,5000 0,0025 0,06% PLANO DE SAÚDE 2, ,6900 0,0042 0,09% SEGURO DE VIDA 2, ,8100 0,0002 0,00% PESSOAL MANUTENÇÃO %Pessoal 0, ,2087 4,64% PESSOAL ADMNISTRAÇÃO %Pessoal 0, ,1792 3,98% CUSTOS FIXOS 2,9422 SUBTOTAL 4,1307 0,3700 TOTAL C/ TRIBUTOS 4, ,00% COEFICIENTE TARIFÁRIO - PAVIMENTADO CALCULADO (custo Km/ (aprov.* lot.)) 0, LOTAÇÃO 48,08 VIGENTE 0, APROVEITAMENTO 64,15% VARIAÇÃO% 3,68% TRIBUTOS % PIS 0,6500 COEFICIENTE TARIFÁRIO - NÃO PAVIMENTADO * COFINS 3,0000 CALCULADO 0, ICMS 2,4000 VIGENTE 0, SETM 1,2600 VARIAÇÃO% 3,68% AGERGS 0,9100 * Plus 12% TOTAL 8,22

10 Entretanto, a Lei Federal Nº , de , com vigência a partir de janeiro de 2013, alterou a alíquota das contribuições previdenciárias sobre a folha de salários devidas pelas empresas. O fator de encargos sociais previdenciários (INSS) não é mais calculado em 20% sobre a folha de pagamento, mas sim em 2% sobre o faturamento.

11 Valor do PMA (Km) ,95 INSUMOS UNIDADE PARÂMETRO VALOR (R$) R$/KM PART.% ÓLEO DIESEL L/Km 0, ,8360 0, ,62% ÓLEO DE TRANSMISSÃO L/Km 0, ,4007 0,0016 0,04% ÓLEO DE CAIXA L/Km 0, ,2000 0,0011 0,03% ÓLEO DE CÁRTER L/Km 0, ,2500 0,0175 0,41% PNEU NOVO Pneu/Km 0, ,1700 0,1004 2,37% RECAPAGEM Rec./Km 0, ,4697 0,0525 1,24% CÂMARA Cam./Km 0, ,3296 0,0072 0,17% PEÇAS E ACESSÓRIOS % Veículo 0, ,4877 0,3124 7,36% CUSTOS VARIÁVEIS 1,1557 DEPRECIAÇÃO FROTA % Veículo 0, ,2768 0,2682 6,32% REMUN. DA FROTA % Veículo 0, ,2768 0,0268 0,63% DEPRECIAÇÃO FROTA RESERVA 10% deprec. 0, ,2768 0,2267 5,34% REMUN. DA FROTA RESERVA 10% remun. 0, ,2768 0,0227 0,53% REM. OUTROS ATIVOS % Veículo 0, ,4877 0,0580 1,37% DESP. ADMINISTRAT. % Veículo 0, ,4877 0,3029 7,14% MOTORISTA: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 29, ,6800 0, ,40% VALE ALIMENTAÇÃO 16, ,0000 0,0549 1,29% CESTA BÁSICA 18, ,2000 0,0165 0,39% PLANO DE SAÚDE 18, ,5900 0,0280 0,66% SEGURO DE VIDA 18, ,1200 0,0011 0,03% COBRADOR: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 22, ,1400 0,3616 8,52% VALE ALIMENTAÇÃO 12, ,0000 0,0394 0,93% CESTA BÁSICA 13, ,2000 0,0118 0,28% PLANO DE SAÚDE 13, ,5900 0,0203 0,48% SEGURO DE VIDA 13, ,1200 0,0008 0,02% FISCAL: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 4, ,8600 0,0977 2,30% VALE ALIMENTAÇÃO 2, ,0000 0,0076 0,18% CESTA BÁSICA 2, ,2000 0,0023 0,05% PLANO DE SAÚDE 2, ,5900 0,0039 0,09% SEGURO DE VIDA 2, ,1200 0,0002 0,00% PESSOAL MANUTENÇÃO %Pessoal 0, ,1734 4,09% PESSOAL ADMNISTRAÇÃO %Pessoal 0, ,1489 3,51% CUSTOS FIXOS 2,6543 SUBTOTAL 3,8099 0,4337 TOTAL C/ TRIBUTOS 4, ,00% COEFICIENTE TARIFÁRIO - PAVIMENTADO CALCULADO (custo Km/ (aprov.* lot.)) 0, LOTAÇÃO 48,08 VIGENTE 0, APROVEITAMENTO 64,15% VARIAÇÃO% -2,24% TRIBUTOS % PIS 0,6500 COEFICIENTE TARIFÁRIO - NÃO PAVIMENTADO * COFINS 3,0000 CALCULADO 0, ICMS 2,4000 VIGENTE 0, SETM 1,2600 VARIAÇÃO% -2,24% AGERGS 0,9100 * Plus 12% INSS 2,00 TOTAL 10,22

12 Por seu turno, a Medida Provisória Nº617, de , reduziu a zero as alíquotas de Contribuição para o PIS/COFINS incidentes sobre a receita decorrente da prestação de serviços de transporte coletivo de passageiros nas regiões metropolitanas.

13 Valor do PMA (Km) ,95 INSUMOS UNIDADE PARÂMETRO VALOR (R$) R$/KM PART.% ÓLEO DIESEL L/Km 0, ,8360 0, ,88% ÓLEO DE TRANSMISSÃO L/Km 0, ,4007 0,0016 0,04% ÓLEO DE CAIXA L/Km 0, ,2000 0,0011 0,03% ÓLEO DE CÁRTER L/Km 0, ,2500 0,0175 0,42% PNEU NOVO Pneu/Km 0, ,1700 0,1004 2,41% RECAPAGEM Rec./Km 0, ,4697 0,0525 1,26% CÂMARA Cam./Km 0, ,3296 0,0072 0,17% PEÇAS E ACESSÓRIOS % Veículo 0, ,4877 0,3124 7,48% CUSTOS VARIÁVEIS 1,1557 DEPRECIAÇÃO FROTA % Veículo 0, ,2768 0,2682 6,42% REMUN. DA FROTA % Veículo 0, ,2768 0,0268 0,64% DEPRECIAÇÃO FROTA RESERVA 10% deprec. 0, ,2768 0,2267 5,43% REMUN. DA FROTA RESERVA 10% remun. 0, ,2768 0,0227 0,54% REM. OUTROS ATIVOS % Veículo 0, ,2768 0,0566 1,36% DESP. ADMINISTRAT. % Veículo 0, ,2768 0,2956 7,08% MOTORISTA: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 33, ,6800 0, ,01% VALE ALIMENTAÇÃO 16, ,0000 0,0549 1,31% CESTA BÁSICA 18, ,2000 0,0165 0,39% PLANO DE SAÚDE 18, ,5900 0,0280 0,67% SEGURO DE VIDA 18, ,1200 0,0011 0,03% COBRADOR: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 25, ,1400 0,4033 9,66% VALE ALIMENTAÇÃO 12, ,0000 0,0394 0,94% CESTA BÁSICA 13, ,2000 0,0118 0,28% PLANO DE SAÚDE 13, ,5900 0,0203 0,49% SEGURO DE VIDA 13, ,1200 0,0008 0,02% FISCAL: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 5, ,8600 0,1088 2,61% VALE ALIMENTAÇÃO 2, ,0000 0,0076 0,18% CESTA BÁSICA 2, ,2000 0,0023 0,05% PLANO DE SAÚDE 2, ,5900 0,0039 0,09% SEGURO DE VIDA 2, ,1200 0,0002 0,00% PESSOAL MANUTENÇÃO %Pessoal 0, ,1916 4,59% PESSOAL ADMNISTRAÇÃO %Pessoal 0, ,1645 3,94% CUSTOS FIXOS 2,8285 SUBTOTAL 3,9841 0,1908 TOTAL C/ TRIBUTOS 4, ,00% COEFICIENTE TARIFÁRIO - PAVIMENTADO CALCULADO (custo Km/ (aprov.* lot.)) 0, LOTAÇÃO 48,08 VIGENTE 0, APROVEITAMENTO 64,15% VARIAÇÃO% -3,83% TRIBUTOS % PIS 0,0000 COEFICIENTE TARIFÁRIO - NÃO PAVIMENTADO * COFINS 0,0000 CALCULADO 0, ICMS 2,4000 VIGENTE 0, SETM 1,2600 VARIAÇÃO% -3,83% AGERGS 0,9100 * Plus 12% TOTAL 4,57

14 Portanto, o efeito conjunto das desonerações previdenciária e fiscal, e do reajuste dos preços dos insumos é o apresentado na planilha seguinte:

15 Valor do PMA (Km) ,95 INSUMOS UNIDADE PARÂMETRO VALOR (R$) R$/KM PART.% ÓLEO DIESEL L/Km 0, ,1103 0, ,10% ÓLEO DE TRANSMISSÃO L/Km 0, ,8622 0,0025 0,06% ÓLEO DE CAIXA L/Km 0, ,5566 0,0020 0,05% ÓLEO DE CÁRTER L/Km 0, ,9458 0,0250 0,60% RODAGEM (vida útil de Km) Pneu + Recap./Km 0, ,5200 0,0867 2,06% CÂMARA Cam./Km 0, ,00% PEÇAS E ACESSÓRIOS % Veículo 0, ,6800 0,3102 7,37% CUSTOS VARIÁVEIS 1,1884 DEPRECIAÇÃO FROTA % Veículo 0, ,8442 0,2318 5,51% REMUN. DA FROTA % Veículo 0, ,8442 0,0232 0,55% DEPRECIAÇÃO FROTA RESERVA 10% deprec. 0, ,8442 0,2036 4,84% REMUN. DA FROTA RESERVA 10% remun. 0, ,8442 0,0204 0,48% REM. OUTROS ATIVOS % Veículo 0, ,6800 0,0576 1,37% DESP. ADMINISTRAT. % Veículo 0, ,6800 0,3009 7,15% MOTORISTA: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 29, ,6300 0, ,13% VALE ALIMENTAÇÃO 16, ,0000 0,0633 1,50% CESTA BÁSICA 18, ,5000 0,0180 0,43% PLANO DE SAÚDE 18, ,6900 0,0303 0,72% SEGURO DE VIDA 18, ,8100 0,0012 0,03% COBRADOR: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 22, ,5300 0,3924 9,32% VALE ALIMENTAÇÃO 12, ,0000 0,0454 1,08% CESTA BÁSICA 13, ,5000 0,0129 0,31% PLANO DE SAÚDE 13, ,6900 0,0217 0,52% SEGURO DE VIDA 13, ,8100 0,0009 0,02% FISCAL: REMUN. E ENCARGOS h/veic.ano 4, ,2200 0,1060 2,52% VALE ALIMENTAÇÃO 2, ,0000 0,0088 0,21% CESTA BÁSICA 2, ,5000 0,0025 0,06% PLANO DE SAÚDE 2, ,6900 0,0042 0,10% SEGURO DE VIDA 2, ,8100 0,0002 0,00% PESSOAL MANUTENÇÃO %Pessoal 0, ,1890 4,49% PESSOAL ADMNISTRAÇÃO %Pessoal 0, ,1623 3,86% CUSTOS FIXOS 2,7437 SUBTOTAL 3,9321 0,2765 TOTAL C/ TRIBUTOS 4, ,00% COEFICIENTE TARIFÁRIO - PAVIMENTADO CALCULADO (custo Km/ (aprov.* lot.)) 0, LOTAÇÃO 48,08 VIGENTE 0, APROVEITAMENTO 64,15% VARIAÇÃO% -3,05% TRIBUTOS % PIS 0,0000 COEFICIENTE TARIFÁRIO - NÃO PAVIMENTADO * COFINS 0,0000 CALCULADO 0, ICMS 2,4000 VIGENTE 0, SETM 1,2600 VARIAÇÃO% -3,05% AGERGS 0,9100 * Plus 12% INSS 2,00 TOTAL 6,57

16 OBRIGADO EDUARDO M. MESQUITA DA COSTA Diretor de Tarifas e Estudos Econômicos e Financeiros

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas SINTRAM Expositor: Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano Rubens Lessa Carvalho REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE HISTÓRICO DO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total ANEXO... PLANILHA DE CUSTOS 2º TURNO Quantidades (veículos/diárias): Tipo da contratação: ( ) Terceirizada ( ) Regime da CLT ( ) Cooperativa (Lei nº 5.764/71) ( ) Regime Tributário: ( ) Lucro Real ( )

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista

DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista INFORMAÇÃO N.º 27/2008 DATA: Porto Alegre, 08/07/2008 DE: Daniel Engelmann Técnico Superior - Contador Sérgio Alexandre Ramos González Técnico Superior - Economista PARA: Diretor de Tarifas PROCESSO: 001081-04.36/08-3,

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224 PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - (Dados a.) NOME DA EMPRESA Ano de Referência Período Referencial de Custos Composição dos Dados Básicos - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano - Média Concessão 365

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS 1) Dados do Município/Região Metropolitana Município/RM: DADOS CADASTRAIS UF População Total: habitantes 2) Quem

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS DO SERVIÇO DE LIMPEZA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA DEZEMBRO, 2014 2 Sumário 1 CUSTOS...6 1.2 Remuneração do capital...6 1.3 Despesas

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

1. Considerações Iniciais

1. Considerações Iniciais AGÊNCIA ESTADUAL DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DELEGADOS DO RIO GRANDE DO SUL Av. Borges de Medeiros, 659-13º andar - Bairro Centro - CEP 90020-023 - Porto Alegre - RS - www.agergs.rs.gov.br CNPJ

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA I - CUSTOS VARIÁVEIS: A - COMBUSTÍVEL: TIPO DE VEÍCULO N DE VEÍCULOS LITRO COMBUSTÍVEL COEFICIENTE DE CONSUMO CUSTO

Leia mais

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,7179 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 457,1400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 875,3500 1.4 Preço

Leia mais

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da da Folha de Pagamentos José Pastore Setembro de 2014 Custos do Trabalho Mudança de Cálculo Alterações legais Lei nº 13.043/2014 (MP651/2014)

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO A DISTÂNCIA PLANILHA DE CÁLCULO DE CUSTO E TARIFA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS 0 Sumário I - II - Objetivo do curso Dados Operacionais III - Custos Variáveis IV - Custos Fixos V - Impostos e taxas

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman

Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo. Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman Sistema de Transporte Coletivo por ônibus da Cidade de São Paulo Uma Análise Simplificada do Sistema de Remuneração Corrente (2014) Ciro Biderman 1 O sistema 16 empresas concessionárias e 9 cooperativas

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 2,2194 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 519,0949 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 915,5602 1.4 Preço

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA Estabelece a metodologia para o cálculo de reajuste tarifário dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário sujeitos à regulação pela Agência

Leia mais

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA

INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA INSPEÇÃO ESPECIAL EPTC TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE AGENDA 1. TRABALHO REALIZADO PELO MPC E TCE 2. DADOS DO SISTEMA 3. CUSTOS TARIFÁRIOS: EXEMPLOS 4. GRATUIDADES 5. PLANILHA TARIFÁRIA

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO MP 540/2011: SETOR MOVELEIRO Nossos levantamentos estão baseados nas principais informações levantadas em estudos feitos por diversos setores econômicos. Contamos com

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos.

Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Transporte urbano por ônibus: mapeamento da carga tributária e impacto nos custos. Matteus Freitas¹; Arthur Oliveira¹; Alice Ozorio¹; Roberta Carolina Faria¹; Filipe Oliveira¹; André Dantas¹. ¹Associação

Leia mais

Desoneração sobre folha de pagamento

Desoneração sobre folha de pagamento Desoneração sobre folha de pagamento Luciana Lupinucci Agosto/2015 Qual o conceito de contribuição patronal? Em regra, as empresas possuem os seguintes encargos previdenciários (INSS patronal), incidentes

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ANEXO 7.2.1. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1 APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros

Leia mais

81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito REITUP Desoneração do Transporte Público Marcos Bicalho dos Santos Guarulhos/SP, 9 de agosto de 2013 Estrutura

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante Desoneração da Folha - Call Center - Atividade 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 3.1 Empresas que exercem atividades

Leia mais

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA (Identificação completa do representante da EMPRESA), como representante devidamente constituído de (Identificação completa da EMPRESA)

Leia mais

SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS

SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS SPED3100 Geração Registro Apuração PIS/COFINS v04.35 Março/2011 Conforme processo ( SPED_DIV_PIS_COFINS ), o objetivo do programa é gerar/listar o registro de apuração do PIS/COFINS segundo o Manual de

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013

REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 REVISÃO TARIFÁRIA TRANSPORTE COLETIVO URBANO DEZEMBRO / 2013 Dezembro / 2013 METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções

Leia mais

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência:

Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Relatório Final de Levantamento de Receitas e Custos Referência: Edital Concorrência Pública 05/2012 Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S/A BHTRANS 1 Conteúdo Introdução 03 Documentos Solicitados

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TEXTO FINAL Substitutivo do Senado Federal ao Projeto de Lei da Câmara nº 310, de 2009 (nº 1.927, de 2003, na Casa de origem), que institui o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano

Leia mais

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA

ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA ESTUDO PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS MENSAIS À COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE TAPEJARA Março, 2015 2 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1 CUSTOS... 6 1.1 Custos fixos...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.768, DE 25 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.768, DE 25 DE JUNHO DE 2015 Altera a Resolução ANTT nº 2.130, de 3 de julho de 2007 A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, no uso de suas atribuições, fundamentada no Voto DAL - 196, de 25 de junho de 2015,

Leia mais

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília

Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília CÁLCULO TARIFÁRIO AN P Contribuição metodológica para o cálculo das tarifas de táxi: um estudo de caso em Brasília Flavio Augusto de Oliveira Passos Dias Secretaria de Estado de Transportes do Distrito

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14

CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 001.000925.14 A Comissão Especial de Licitação para concessão da prestação e exploração do serviço de transporte coletivo por ônibus no Município

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 UMA ABORDAGEM PARA O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS Pelas disposições da Lei 11.445 as concessões em caráter precário, as que estiverem com prazo

Leia mais

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI DECRETO Nº 121/2015 Institui planilha de cálculo de tarifa para transporte coletivo municipal. LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI, Vice Prefeito Municipal de Gramado, em exercício, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

AGERGS 3900 INFORMAÇÃO N. 4312010-DT

AGERGS 3900 INFORMAÇÃO N. 4312010-DT INFORMAÇÃO N. 4312010-DT RUBRICA DATA: Porto Alegre, 30 de junho de 2010 DE: Sérgio A. R. González - Técnico Superior - Economista Eduardo D'Avila Leal - Técnico Superior - Administrador PARA: Diretor

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais