Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM"

Transcrição

1 Prefeitura Municipal decaxias do Sul - RS Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade SMTTM Cálculo Tarifário do Transporte Coletivo Urbano DEZ / INSUMOS BÁSICOS R$ Preço de um litro de combustível 2, Preço de um pneu novo para veículo leve 1.233,38 2 Preço de um pneu novo para veículo pesado 1.286,57 3 Preço de um pneu novo para veículo especial 1.287,93 4 Preço de uma recapagem para veículo leve 413,09 5 Preço de uma recapagem para veículo pesado 427,61 6 Preço de uma recapagem para veículo especial 429,89 7 Preço de uma câmara-de-ar para veículo leve - 8 Preço de uma câmara-de-ar para veículo pesado - 9 Preço de uma câmara-de-ar para veículo especial - 10 Preço de um protetor para veículo leve - 11 Preço de um protetor para veículo pesado - 12 Preço de um protetor para veículo especial - 13 Preço ponderado de um chassi novo para veículo leve ,20 14 Preço ponderado de um chassi novo para veículo pesado ,04 15 Preço ponderado de um chassi novo para veículo especial ,91 16 Preço ponderado de uma carroceira nova para veículo leve ,00 17 Preço ponderado de uma carroceira nova para veículo pesado ,61 18 Preço ponderado de uma carroceira nova para veículo especial ,87 19 Salário mensal de motorista 2.379,19 20 Salário mensal de operador de sistema 1.333,89 21 Salário mensal de fiscal/despachante 3.508,12 22 Benefício mensal total (1) ,50 23 Remuneração mensal total de diretoria (2) ,58 24 Despesa anual (Frota Total) com seguro de responsabilidade civil(3) ,17 25 Despesa anual com seguro obrigatório por veículo 461,58 26 Despesa anual (Frota Total)com o IPVA (4) - 27 Despesa mensal de manutenção da bilhetagem eletrônica ,05 27a Despesa anual com taxas de vistoria ,40 27b 2 CUSTO DO VEÍCULO Preço do Veículo Leve Chassi Carroceria R$ R$ R$ , ,00 = ,20 28 Preço do Veículo Pesado Chassi Carroceria R$ R$ R$ , ,61 = ,65 29 Preço do Chassi Carroceria R$ R$ R$ , ,87 = ,78 30 Preço do Veículo Novo Menos Rodagem

2 Veículo Leve pneu câmara R$ R$ R$ ,20 _ ( , R$ R$ )'X 6 = ,91 31 Veículo Pesado pneu câmara R$ R$ R$ ,65 _ ( , protetor R$ R$ )'X 6,07 = ,20 32 pneu câmara R$ R$ R$ ,78 _ ( , protetor R$ R$ )'X 10,04 = , CÁLCULO DO NÚMERO EQUIVALENTE DE PASSAGEIROS * Número de Passageiros Transportados (média dos últimos doze meses) pass./mês _ Passageiros transportados com desconto de 50% _ Passageiros transportados com desconto de 40% a pass./mês _ Gratuidade e integração pass./mês _ Passageiros transportados sem desconto _ Cálculo do número equivalente de passageiros transportados por mês pass./mês pass./mês x 0,5 + 34a x 0,6 pass./mês pass./mês = FROTA veíc. * Frota Operante * Frota Total VEÍCULO LEVE VEÍCULO MÉDIO-PESADO VEÍCULO ESPECIAL veíc veíc. veíc _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

3 6 _ _ _ > _ _ _ _ _ _ > _ _ > * Frota Total Frota Total de Veículos Leves veíc Frota Total de Veículos Pesados veíc Frota Total de Veículos Especiais veíc Frota Total * Frota Reserva veíc. veíc. veíc _ = QUILOMETRAGEM PERCORRIDA km/mês * Quilometragem Produtiva (média dos últimos doze meses) , * Quilometragem improdutiva km/mês Quilometragem Mensal Percorrida PERCURSO MÉDIO MENSAL (PMM) km/mês * Quilometragem Mensal Percorrida * Frota operante * Cálculo do PMM km/mês veíc. km/veíc xmês : , ÍNDICE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES POR QUILÔMETRO (IPKE) pass/mês Passageiro Equivalente Mensal km/mês Quilometragem Mensal Percorrida Cálculo do IPKE : = 1, COMBUSTÍVEL R$/L * Preço de Um Litro de Combustível 2, * Cálculo do custo do Combustível por Quilômetro Veículo Leve Coefic.de Consumo R$/L L/km 1 2,4136 X 0,3000 = 0,

4 Veículo Pesado Coefic.de Consumo R$/L L/km 1 2,4136 X 0,3800 = 0, Coefic.de Consumo R$/L L/km 1 2,4136 X 0,5300 = 1, * Cálculo de Custo de Combustível Ponderado por Quilômetro R$/km Veíc. Fator de Equivalência R$xveíc/km 80 0,7241 X ,0793 = 53, ,9172 X ,0116 = 213, ,2792 X ,8080 = 47, R$xveíc./km , ,09 : = 0, LUBRIFICANTES (Consumo Equivalente em Combustível) R$/L * Preço de Um Litro de Combustível 2, * Coeficiente de Consumo Equivalente em Combustível (10) * Cálculo do custo de Lubrificantes por Quilômetro (todos os tipos de veículo) R$/L coef.cons.equiv. L/km 1 2,4136 X 0,050 = 0, RODAGEM Veículo Leve preço unitário R$ quant. resultado R$ Pneu ,38 X 6 recap 7.400,29 89 Recapagem 5 413,09 X 6 X ,06 90 Câmara-de-ar 8 - X 6 X 2-91 Protetor 11 - X 6 X 2-92 Veículo Pesado preço unitário R$ quant. resultado R$ Pneu ,57 X 6,07 recap 7.809,45 93 Recapagem 6 427,61 X 6,07 X ,17 94 Câmara-de-ar 9 - X 6,07 X 2-95 Protetor 12 - X 6,07 X 2-96 preço unitário R$ quant. resultado R$ Pneu ,93 X 10,04 recap ,87 97 Recapagem 7 429,89 X 10,04 X ,22 98 Câmara-de-ar 10 - X 10,04 X 2-99 Protetor 13 - X 10,04 X * Custo Total de Rodagem

5 Veículo Leve pneu R$ recapagem R$ câmara-de-ar R$ , , protetor = , Veículo Pesado pneu R$ recapagem R$ câmara-de-ar R$ , , protetor = , pneu R$ recapagem R$ câmara-de-ar R$ , , protetor = , * Vida Útil km Veículo Médio -Pesado Veículo Pesado * Cálculo do Custo da Rodagem por Quilômetro Veículo Leve R$ km R$/km ,35 : = 0, Veículo Pesado R$ km R$/km ,62 : = 0, R$ km R$/km ,08 : = 0, * Cálculo do Custo Ponderado da Rodagem por Quilômetro R$/km veíc. Fator de Equivalência R$xveíc./km 107 0, X ,0793 = 8, , X ,0116 = 28, , X ,8080 = 7, R$xveíc./km , R$xveíc./km veíc. R$xveíc./km , : = 0,

6 4.4 PEÇAS E ACESSÓRIOS * Custo de Peças e Acessórios por Quilômetro (ver quadro) Veículo Leve R$ coeficiente mêsxveíc./km ,20 X 0,0039 : ,88 = 0, Veículo Pesado R$ coeficiente mêsxveíc./km ,65 X 0,00390 : ,88 = 0, R$ coeficiente mêsxveíc./km ,78 X 0,00390 : ,88 = 0, * Custo de Peças e Acessórios Ponderado por Quilômetro veíc. Fator de Equivalência R$xveíc./km 115 0, X ,0793 = 14, , X ,0116 = 53, , X ,8080 = 16, R$xveíc/km , R$xveíc/km veíc , : = 0, CUSTO VARIÁVEL TOTAL Veículo Leve R$/km R$/km R$/km 80 0, , , , = 1, Veículo Pesado R$/km R$/km R$/km 81 0, , , , = 1, R$/km R$/km R$/km 82 1, , ,

7 , = 2, Custo Variável Total Ponderado R$/km R$/km R$/km 87 0, , , , = 1, CUSTOS DE CAPITAL DEPRECIAÇÃO DEPRECIAÇÃO DO VEÍCULO * Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves Veículo de 0 _ 1 ano X 0,2000 = 2, Veículo de 1 _ 2 anos 39 2 X 0,1714 = 0, Veículo de 2 _ 3 anos X 0,1429 = 4, Veículo de 3 _ 4 anos X 0,1143 = 2, Veículo de 4 _ 5 anos 42 0 X 0,0857 = Veículo de 5 _ 6 anos 43 0 X 0,0571 = Veículo de 6 _ 7 anos 44 0 X 0,0286 = Veículo de 7-8 anos 45 4 X 0,0000 = Coeficiente de Deprec. Anual da Frota de Veíc.Leves , * Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves R$ R$/ano ,91 X 135 9,4300 = , * Depreciação Anual do Veículo Leve R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,94 : = , * Depreciação Mensal do Veículo Leve R$/veíc.xano R$/veíc.xmês ,87 : 12 = 3.278, * Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados Veículo de 0 _ 1 ano X 0,1545 = 6, Veículo de 1 _ 2 anos X 0,1391 = 3, Veículo de 2 _ 3 anos X 0,1236 = 3, Veículo de 3 _ 4 anos X 0,1082 = 1, Veículo de 4 _ 5 anos 50 0 X 0,0927 = 0, Veículo de 5 _ 6 anos X 0,0773 = 3, Veículo de 6 _ 7 anos 52 6 X 0,0618 = 0, Veículo de 7 _ 8 anos X 0,0464 = 1,

8 Veículo de 8 _ 9 anos X 0,0309 = 1, Veículo de 9_ 10 anos 55 4 X 0,0155 = 0, Veículo com + de 10 anos X 0,0000 = 0, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados , * Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados R$ R$/ano ,20 X ,4150 = , * Depreciação Anual do Veículo Pesado R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,76 : = , * Depreciação Mensal do Veículo Pesado R$/ano R$/veíc.xmês ,02 : 12 = 2548, * Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais Veículo de 0 _ 1 ano 57 6 X 0,1385 = 0, Veículo de 1 _ 2 anos 58 0 X 0,1269 = 0, Veículo de 2 _ 3 anos 59 1 X 0,1154 = 0, Veículo de 3 _ 4 anos 60 1 X 0,1038 = 0, Veículo de 4 _ 5 anos 61 1 X 0,0923 = 0, Veículo de 5 _ 6 anos X 0,0808 = 0, Veículo de 6 _ 7 anos X 0,0692 = 1, Veículo de 7 _ 8 anos 64 2 X 0,0577 = 0, Veículo de 8 _ 9 anos 65 3 X 0,0462 = 0, Veículo de 9_ 10 anos 66 1 X 0,0346 = 0, Veículo de 10_ 11 anos 67 3 X 0,0231 = 0, Veículo de 11_ 12 anos 68 0 X 0,0115 = 0, Veículo com + de 12 anos 69 0 X 0,0000 = 0, Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais , * Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais R$ R$/ano ,91 X 167 3,5540 = , * Depreciação Anual do R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,10 : = , * Depreciação Mensal do R$/veíc.xano R$/veíc.xmês ,44 : 12 = 4.216, * Cálculo do Custo Ponderado de Depreciação de Veículos

9 R$/veícxmês Veíc. R$/mês ,32 X 70 68, = , ,25 X = , ,37 X = , R$/mês , R$/mês veíc. R$/veíc.xmês ,90 : = 2915, DEPRECIAÇÃO DE MÁQUINAS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS R$ R$/veíc.xmês ,20 X 0,0001 = 29, DEPRECIAÇÃO TOTAL R$/veíc.xmês R$/veíc.xmês R$/veíc.xmês , ,11 = 2944, REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO DO VEÍCULO Veículo Leve * Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Leves Veículo de 0 _ 1 ano X 0,1200 = 1, Veículo de 1 _ 2 anos 39 2 X 0,0960 = 0, Veículo de 2 _ 3 anos X 0,0754 = 2, Veículo de 3 _ 4 anos X 0,0583 = 1, Veículo de 4 _ 5 anos 42 0 X 0,0446 = 0, Veículo de 5 _ 6 anos 43 0 X 0,0343 = 0, Veículo de 6 _ 7 anos 44 0 X 0,0274 = 0, Veículo de 7 _ 8 anos 45 4 X 0,0240 = 0, Coef.de Remuneração Anual da Frota de Veíc.Leves , * Remuneração Anual da Frota de Veículos Leve R$ R$/ano ,91 X 186 5,2452 = , * Remuneração Anual do Veículo Leve R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,09 : 70 68,00 = , * Remuneração Mensal do Veículo Leve R$/veíc R$/veíc.xmês ,81 : 12 = 1823,48 189

10 Veículo Pesado * Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados Veículo de 0 _ 1 ano X 0,1200 = 4, Veículo de 1 _ 2 anos X 0,1015 = 2, Veículo de 2 _ 3 anos X 0,0848 = 2, Veículo de 3 _ 4 anos X 0,0699 = 0, Veículo de 4 _ 5 anos 50 0 X 0,0569 = 0, Veículo de 5 _ 6 anos X 0,0458 = 2, Veículo de 6 _ 7 anos 52 6 X 0,0365 = 0, Veículo de 7 _ 8 anos X 0,0291 = 0, Veículo de 8 _ 9 anos X 0,0236 = 0, Veículo de 9_ 10 anos 55 4 X 0,0199 = 0, Veículo com + de 10 anos X 0,0180 = 0, Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados , * Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados R$ R$/ano ,20 X ,5083 = , * Remuneração Anual do Veículo Pesado R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,35 : = , * Remuneração Mensal do Veículo Pesado R$/veíc/ano R$/veíc.xmês ,55 : 12 = 1.810, * Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais Veículo de 0 _ 1 ano 57 6 X 0,1200 = 0, Veículo de 1 _ 2 anos 58 0 X 0,1034 = 0, Veículo de 2 _ 3 anos 59 1 X 0,0882 = 0, Veículo de 3 _ 4 anos 60 1 X 0,0743 = 0, Veículo de 4 _ 5 anos 61 1 X 0,0618 = 0, Veículo de 5 _ 6 anos X 0,0508 = 0,

11 Veículo de 6 _ 7 anos X 0,0411 = 0, Veículo de 7 _ 8 anos 64 2 X 0,0328 = 0, Veículo de 8 _ 9 anos 65 3 X 0,0258 = 0, Veículo de 9_ 10 anos 66 1 X 0,0203 = 0, Veículo de 10_ 11 anos 67 3 X 0,0162 = 0, Veículo de 11_ 12 anos 68 0 X 0,0134 = 0, Veículo com + de 12 anos 69 0 X 0,0120 = 0, Coeficiente de Remuneração anual da frota de veículo Especiais , * Remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais R$ R$/ano ,91 X 218 2,4040 = , * Remuneração Anual do R$/ano veíc. R$/veíc.xano ,50 : = , * Remuneração Mensal do R$/veíc/ano R$/veíc.xmês ,49 : 12 = 2.852, * Cálculo do Custo Ponderado de Remuneração de Veículos R$/veíc.xmês Veíc. R$/mês ,48 X = , ,96 X = , ,04 X = , R$/mês , R$/mês Veíc. R$/veíc.xmês ,25 : = 1.952, REMUNERAÇÃO MENSAL DE MÁQUINAS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS R$ R$/veíc.xmês ,20 X 0,0004 = 116, REMUNERAÇÃO MENSAL DO ALMOXARIFADO R$ R$/veíc.xmês ,20 X 0, = 85, ,65 X 0, = 103, ,78 X 0, = 195, * Cálculo do Custo Ponderado de Remuneração do Almoxarifado R$/veíc.xmês R$/mês ,29 X = 5.799,50 228

12 ,23 X = , ,67 X = 9.000, R$/mes , R$/mês Veíc. R$/veíc.xmês ,05 : = 112, REMUNERAÇÃO TOTAL R$/veíc. x mês R$/veíc. x mês R$/veíc. x mês , , ,04 = 2.181, CUSTO TOTAL DE CAPITAL R$/veíc. x mês R$/veíc. x mês , ,13 = 5.125, DESPESAS COM PESSOAL Pessoal de Operação R$ encargos(11) fator util. Motoristas ,19 X 1,4132 X 2,4164 Operador de Sistema ,89 X 1,4132 X 2,1792 Fiscal/Despachante ,12 X 1,4132 X 0,0938 R$/veíc. x mês = 8.124, = 4.107, = 465, R$/veíc x mês Despesa Mensal com Pessoal de Operação , * Pessoal de Manutenção (ver quadro) R$/veíc. x mês coeficiente R$/veíc x mês ,53 X 0, = 1.680, * Pessoal Administrativo (ver quadro) R$/veíc. x mês coeficiente R$/veíc x mês ,53 X 0,1024 = 1.300, * Benefícios R$/mês veíc. R$/veíc x mês ,50 : = 970, * Remuneração da Diretoria R$/mês veíc. R$/veíc x mês ,58 : = 232, * Total das Despesas com Pessoal R$/veíc x mês R$/veíc x mês R$/veíc x mês

13 , , , , ,51 = , DESPESAS ADMINISTRATIVAS * Despesas Gerais (ver quadro) R$ coeficiente R$/veíc x mês ,20 X 0,0025 = 727, * Seguro de Responsabilidade Civil (ver Anexo I) R$/ano veíc. R$/veíc x mês ,17 : : 12 = 8, * Taxas de vistoria R$/ano veíc. R$/veíc x mês ,40 : : 12 = 25,89 248a * Seguro Obrigatório R$/veíc x ano R$/veíc x mês ,58 : 12 = 38, * IPVA R$/ano veíc. R$/veíc x mês 27 - : : 12 = *Manutenção da Bilhetagem Eletrônica R$/mês veíc. R$/veíc x mês 27a ,05 : = 87,72 250a * Total das Despesas Administrativas , , a 25, , a 87,72 = = 888, CUSTO FIXO TOTAL * Custo de Capital e Administrativo veíc. ( , ,15 ) X = , * Custo de Pessoal veíc ,22 X = , * Custo Fixo Total veíc.

14 , ,68 = , * Custo Fixo Total por Km km/mês ,65 : = 3, * Custo Total R$/km 126 1, , = 5, * Tributos % Soma das Alíquotas sobre a Receita 2, Fator de Equivalência 1 - (257 2,00 : 100 ) = 0, Custo Total com Tributos fator de equivalência 256 5, : 258 0,9800 = 5, CÁLCULO DA TARIFA GERAL IPKE Coef. 0,3% desc. sobre tarifa pass/km R$ 259 5, x 0,9970 : 79 1, = 3, CÁLCULO DA TARIFA DO INTERTERMINAIS Coef. Adotado de equivalência R$ 260 3, x 0,6000 = 261 1,8689

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,7179 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 457,1400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 875,3500 1.4 Preço

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 2,2194 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 519,0949 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 915,5602 1.4 Preço

Leia mais

Detalhamento da Planilha Tarifária do Transporte Público da Cidade de Londrina

Detalhamento da Planilha Tarifária do Transporte Público da Cidade de Londrina Linha Custos Micro Leve Pesado Micrão Padron TOTAL Forma de Cálculo de Informação L1 L2 Custos Variáveis L3 L4 Combustível L5 Preço do Litro de Combustível R$/l 2,2194 2,2194 2,2194 2,2194 2,2194 2,2194

Leia mais

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI

LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI DECRETO Nº 121/2015 Institui planilha de cálculo de tarifa para transporte coletivo municipal. LUIZ ANTÔNIO BARBACOVI, Vice Prefeito Municipal de Gramado, em exercício, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA

PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA PLANILHA DE CÁLCULO TARIFÁRIO SISTEMA URBANO DE VIAMÃO 2015 (REDE ATUAL) BACIA URBANA I - CUSTOS VARIÁVEIS: A - COMBUSTÍVEL: TIPO DE VEÍCULO N DE VEÍCULOS LITRO COMBUSTÍVEL COEFICIENTE DE CONSUMO CUSTO

Leia mais

Instrucões Práticas. Para Cálculo de Tarifas de Ônibus Urbanos MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES

Instrucões Práticas. Para Cálculo de Tarifas de Ônibus Urbanos MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES -------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES -- -_.._----------------------- ~mpr~sa Brasileira de Planejamento de Transl?~c_tes-GEJ!:0"I Empresa Brasileira dos Transportes Urbanos - EBTj -------------------------------.

Leia mais

TARIFA DE ÔNIBUS 2017 TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE MANAUS

TARIFA DE ÔNIBUS 2017 TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE MANAUS TARIFA DE ÔNIBUS 2017 TRANSPORTE COLETIVO DO MUNICÍPIO DE MANAUS Superintendente Municipal de Transportes Urbanos Audo Albuquerque da Costa METODOLOGIA GEIPOT Este trabalho reuniu todas as recomendações

Leia mais

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO À Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Transporte do Município de São Mateus Comissão Especial de Licitação Ref. Concorrência nº 002/2016

Leia mais

PLANILHAS DE CÁLCULO TARIFÁRIO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS

PLANILHAS DE CÁLCULO TARIFÁRIO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 16 PLANILHAS DE CÁLCULO TARIFÁRIO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS Prof. Leonardo Herszon

Leia mais

Estudo Técnico para Verificação do Equilíbrio Econômico-financeiro do Contrato de Concessão 056/2015

Estudo Técnico para Verificação do Equilíbrio Econômico-financeiro do Contrato de Concessão 056/2015 Estudo Técnico para Verificação do Equilíbrio Econômico-financeiro do Contrato de Concessão 056/2015 Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros - ES SETPES! Dezembro 2015 Contrato de Concessão

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo VI B. Instruções para Elaboração da Proposta de Tarifa Técnica

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo VI B. Instruções para Elaboração da Proposta de Tarifa Técnica Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração da Proposta de Tarifa Técnica Anexo VI B Instruções para Elaboração da Proposta de Tarifa Técnica 1. Instruções para elaboração

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI DE 1 O DE DEZEMBRO DE 1991 Publicada no DOM de 10.

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI DE 1 O DE DEZEMBRO DE 1991 Publicada no DOM de 10. Aprova planilha de custo para cálculo da tarifa do sistema de Transporte Coletivo Urbano do Município de Aracaju. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU: Faço saber que a Câmara aprovou e eu sanciono a seguinte

Leia mais

1 a Parte - Identificação. Data do cálculo Veículo placa Fazenda origem Destino de entrega

1 a Parte - Identificação. Data do cálculo Veículo placa Fazenda origem Destino de entrega TABELA 8 - PLANILHA DE CÁCULO DA PRODUÇÃO DA VEICULO 94 A-PDF MERGER DEMO 1 a Parte - Identificação Identificação Data do cálculo Veículo placa Fazenda origem Destino de entrega 2 a Parte - Determinação

Leia mais

Senhor Diretor de Controle e Fiscalização:

Senhor Diretor de Controle e Fiscalização: INFORMAÇÃO AT/DCF nº 46/2014 Assunto: Diligências determinadas pelo Conselheiro-Relator para o esclarecimento de dúvidas suscitadas no Edital da Concorrência Pública nº 03/2014, para a concessão do transporte

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SINIMBU PODER EXECUTIVO ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ANEXO II Coleta de Lixo: PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA COLETA DE RESÍDUOS URBANOS E RURAIS - SINIMBU 2015 1. MÃO DE OBRA MOTORISTAS DIURNO DISCRIMINAÇÃO UNIDADE QUANT. PREÇO SUB TOTAL TOTAL Horas Normais

Leia mais

Coleta de Resíduos Domiciliares Planilha de Composição de Custos. 1. Mão-de-obra

Coleta de Resíduos Domiciliares Planilha de Composição de Custos. 1. Mão-de-obra 1. Mão-de-obra 1.1. Coletor Turno Dia Salário Normal mês 1 1.092,25 1.092,25 Horas Extras (100%) hora 8 9,93 79,44 Horas Extras (50%) hora 26 7,45 193,63 Adicional de Insalubridade % 40 1.365,31 546,13

Leia mais

PRIMEIRA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE REGULAÇÃO E 19/02/2016

PRIMEIRA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE REGULAÇÃO E 19/02/2016 PRIMEIRA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 19/02/2016 Em atendimento à Lei 1.115/2009 que criouaagênciareguladoradeserviços DELEGADOS DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICADEITU,AR-ITU,esuasalterações,

Leia mais

Município de general câmara - rs PLANILHA DE CUSTOS TRANSPORTE ESCOLAR 2017

Município de general câmara - rs PLANILHA DE CUSTOS TRANSPORTE ESCOLAR 2017 Município de general câmara - rs PLANILHA DE CUSTOS TRANSPORTE ESCOLAR 2017 Roteiro 01 - Escola Trajano de Azambuja e Escola Anita Moreira Veículo Valor ÔNIBUS 40.000,00 Nº Dias Letivos Ano 200 Nº Meses

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS

SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS Julho-2013 Sumário da Apresentação Arrecadação Tarifária Evolução dos Custos Operacionais relativos à Frota Remuneração dos Operadores

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO TARIFÁRIO

MANUAL DE CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE FLORIANÓPOLIS SRTPP/FLN MANUAL DE CÁLCULO TARIFÁRIO Data do Relatório Básico: setembro de 2004 Data da 5 a Atualização: xx de xxxxx de 2007 2 PREFEITURA

Leia mais

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO Sistema de Transporte Publico por Ônibus, licitado em 2010, compreende a operação do sistema de ônibus em quatro áreas da cidade, sendo cada área operada

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO Conceitos Lucratividade e Rentabilidade aplicações distintas Permite avaliar a empresa Para obter os índices de lucratividade e rentabilidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO Ponto de Equilíbrio Ponto de equilíbrio: - Quanto eu tenho que vender para obter lucro? - Por quanto eu vou vender os serviços? Calculo da

Leia mais

PROJETO DA REDE NACIONAL TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. VOLUME II - MODELO de REMUNERAÇÃO

PROJETO DA REDE NACIONAL TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. VOLUME II - MODELO de REMUNERAÇÃO PROJETO DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS VOLUME II - MODELO de REMUNERAÇÃO MODELAGEM UTILIZADA PARA ELABORAÇÃO DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA SUMÁRIO

Leia mais

Hildo Mário Batista Alcântara Érica Elena Avdzejus

Hildo Mário Batista Alcântara Érica Elena Avdzejus A Superlotação do Transporte Coletivo Urbano Sob a Ótica do Custo Contábil: um Estudo no Município de Salvador (RMS) Hildo Mário Batista Alcântara [hildo_alcantara@globo.com], Érica Elena Avdzejus [ericavdzejus@hotmail.com]

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 342

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 342 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 342 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações dos preços do gás e do transporte fixados nas tarifas,

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T de abril de 2016

Teleconferência de Resultados 1T de abril de 2016 Teleconferência de Resultados 1T16 27 de abril de 2016 Agenda Cenário Setorial Destaques Operacionais Destaques Financeiros 2 Financiamento de Veículos Inadimplência em Financiamentos de Veículos Pessoa

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC)

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC), com uma extensão

Leia mais

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Evento: Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Evento: Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Guarulhos, 08/08/2013 NOTA TÉCNICA Tarifação e financiamento do transporte público urbano Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Evento: Sumário Introdução Evolução do preço

Leia mais

CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE PÚBLICO

CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 14 CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE PÚBLICO Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc CÁLCULO TARIFÁRIO

Leia mais

ORÇAMENTOS FLEXÍVEIS. Com base nisso, é possível estabelecer um plano orçamentário para o mês:

ORÇAMENTOS FLEXÍVEIS. Com base nisso, é possível estabelecer um plano orçamentário para o mês: ORÇAMENTOS FLEXÍVEIS Considere o Rick s Hairstyling, um salão de cabeleireiros luxuoso localizado em Beverly Hills, Estados Unidos. O salão possui clientes muito fiéis muitos dos quais são associados a

Leia mais

O IMPACTO DA TARIFA NA DEMANDA POR PASSAGEIROS DO TRANSPORTE URBANO DE FLORIANÓPOLIS,

O IMPACTO DA TARIFA NA DEMANDA POR PASSAGEIROS DO TRANSPORTE URBANO DE FLORIANÓPOLIS, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC COORDENADORIA DE ESTÁGIOS E MONOGRAFIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS O IMPACTO DA TARIFA NA DEMANDA POR PASSAGEIROS DO TRANSPORTE URBANO DE FLORIANÓPOLIS,

Leia mais

Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor

Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor Marcos Bicalho dos Santos Brasília-DF, 01 de junho de 2017 Estrutura da apresentação 1. Tarifa pública x Tarifa de remuneração; 2. Fontes externas

Leia mais

TRANSPORTE SELETIVO EM PORTO ALEGRE: CÁLCULO DA TARIFA DE LOTAÇÃO

TRANSPORTE SELETIVO EM PORTO ALEGRE: CÁLCULO DA TARIFA DE LOTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Renata Onzi Campeol TRANSPORTE SELETIVO EM PORTO ALEGRE: CÁLCULO DA TARIFA DE LOTAÇÃO Porto Alegre julho

Leia mais

ANEXO I - Modelo de requerimento para solicitação de veículo

ANEXO I - Modelo de requerimento para solicitação de veículo ANEXO I - Modelo de requerimento para solicitação de veículo À Prefeitura Universitária A/C da Seção de Transportes do Departamento de Segurança e Logística Solicitante: ( ) Servidor ( ) Aluno Matrícula:

Leia mais

Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE - CONTRATO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVO

Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE - CONTRATO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVO São Paulo, xx xx xxxx PCM XXX/XX Concessionário Solicitante (DN/Nome) Responsável Pela Negociação À A/C.: Sr (a) Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE -

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

BALANCETE MENSAL Janeiro/ SALDO INICIAL ,74 1. Caixa 18,07 2. Bancos ,67 3. Aplicações Financeiras ,00

BALANCETE MENSAL Janeiro/ SALDO INICIAL ,74 1. Caixa 18,07 2. Bancos ,67 3. Aplicações Financeiras ,00 Janeiro/2013 0. SALDO INICIAL 111.827,74 2. Bancos 36.809,67 3. Aplicações Financeiras 75.000,00 1. RECEITAS 11.725,10 01. Receitas de Associados 10.475,10 01. Mensalidades de Associados 10.088,64 02.

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR.

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM Aumento no preço dos combustíveis Prazo de entrega reduzido Aumento no preço dos pneus

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T de março de 2016

Teleconferência de Resultados 4T de março de 2016 Teleconferência de Resultados 4T15 22 de março de 2016 Agenda Cenário Setorial Destaques Operacionais Destaques Financeiros 2 Financiamento de Veículos Inadimplência em Financiamentos de Veículos Pessoa

Leia mais

Balancete Consolidado - De Janeiro 2014 até Dezembro 2014

Balancete Consolidado - De Janeiro 2014 até Dezembro 2014 Página: 1 1 Ativo 416.718,52D 1.369.991,42 1.274.348,95 512.360,99D 1.1 Ativo Circulante 34.417,55D 1.315.467,41 1.237.378,87 112.506,09D 1.1.1 Disponibilidades 27.213,00D 1.263.321,71 1.192.261,80 98.272,91D

Leia mais

Ver exercício(desenvolvimento) feito em sala mostrando a interrelação entre a DEMANDA(tipo, distribuição temporal e espacial) e o PLANO OPERACIONAL

Ver exercício(desenvolvimento) feito em sala mostrando a interrelação entre a DEMANDA(tipo, distribuição temporal e espacial) e o PLANO OPERACIONAL RESUMO das 1ª, 2ª e 3ª AULAS da UNIDADE DIDÁTICA V - Operação de Sistemas de Transporte de EER422 ( Antonio) Conforme o título, trata o presente de um resumo das referidas aulas com o objetivo de servir

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO CUSTO OPERACIONAL DE VEÍCULOS (nas atividades de transferência de cargas e nos serviços de coletas e de entregas)

ADMINISTRAÇÃO CUSTO OPERACIONAL DE VEÍCULOS (nas atividades de transferência de cargas e nos serviços de coletas e de entregas) ADMINISTRAÇÃO CUSTO OPERACIONAL DE VEÍCULOS (nas atividades de transferência de cargas e nos serviços de coletas e de entregas) Por Fernando Giudice¹ A indústria de transporte também se utiliza de máquinas

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 730, DE 29 DE MAIO DE

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 730, DE 29 DE MAIO DE ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 730, DE 29 DE MAIO DE 2017 Dispõe sobre o ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO. Caraterização da Habitação Social

ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO. Caraterização da Habitação Social ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Caraterização da Habitação Social Série Retrospetiva 2009-2015 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

AO JORNAL IMPRENSA OFICIAL DA PMM

AO JORNAL IMPRENSA OFICIAL DA PMM AO JORNAL IMPRENSA OFICIAL DA PMM 155/2014 - OBJETO: AJUSTA A PRORROGAÇÃO DO PRAZO DO CONTRATO Nº 070/2014 DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA IMPLANTAÇÃO E LOCAÇÃO DE LICENÇA DE USO DE SISTEMAS

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

USO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EM CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIRO

USO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EM CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIRO USO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EM CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIRO THE USE OF MARGIN CONTRIBUTION IN CONTROLLERSHIP: A CASE STUDY IN A COMPANY OF URBAN PASSENGER

Leia mais

2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS. 29 de Outubro de Fuel Economy. Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA

2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS. 29 de Outubro de Fuel Economy. Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA Fuel Economy Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA ABRAFA 2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FABRICANTES DE ADITIVOS Associação legalmente constituída pelos

Leia mais

Projeto Diesel de cana Rumo a 2016.

Projeto Diesel de cana Rumo a 2016. Projeto Diesel de cana Rumo a 2016. Giselle Smocking Rosa Bernardes Ribeiro 1 ; Viviane Japiassú Viana 1 ; Morgana Batista Alves Rangel 1, Guilherme Wilson da Conceição 1 1 FETRANSPOR Federação das Empresas

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa I - Fluxo de Caixa Descrição 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano TOTAL GERAL RECEITA BRUTA 2.764.557 7.429.547 4.096.640 4.758.681 6.845.260 3.696.573 3.225.966 32.817.224 RECEITA BRUTA DE VENDAS

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS.

III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. III - MÓDULO MÉTODO DE CUSTEIO / FORMAÇÃO DE PREÇOS. Método de custeio direto ou variável e margem de contribuição. A pousada Lagoa Azul possui 90 quartos para alugar, praticando um preço médio de R$ 56,00

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 137.351,67 137.351,67 De receitas próprias:

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 ATIVO 9.854.457,63 ATIVO CIRCULANTE 9.658.703,72 Disponível Vinculado C/C Bancária 4.989.235,75 Créditos a Receber do Exercício 4.635.067,97 Demais Créditos e Valores a Curto

Leia mais

Sindicato das Empresas e Proprietários de Serviços de Reboque - SEGRESP. Planilha Referencial SEGRESP de Custo de Socorro com Guincho

Sindicato das Empresas e Proprietários de Serviços de Reboque - SEGRESP. Planilha Referencial SEGRESP de Custo de Socorro com Guincho Planilha Referencial SEGRESP de Custo de Socorro com Guincho 5 km 10 km 15 km 20 km Hora Excedente 1 km Excedente Cobertura 2 Guincho Motos R$ 204,27 R$ 237,46 R$ 270,64 R$ 303,83 R$ 102,13 R$ 3,32 R$

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Pregão Presencial n"

TERMO DE REFERENCIA. Pregão Presencial n ,. ;'f~~ la PREFETURA MUNCPAL DE LAGO DOS RODRGUES CNPJ - 01.612.541/0001-33 Rua 08 de maio sino- Centro, CEP: 65.712-000 - Lago dos Rodrigues - Maranhão. TERMO DE REFERENCA Pregão Presencial n" 00712015

Leia mais

ANÁLISE DAS VIABILIDADES DE IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DAS VIABILIDADES DE IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DAS VIABILIDADES DE IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

Versão 2.0 ANEXO II PROJETO BÁSICO ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

Versão 2.0 ANEXO II PROJETO BÁSICO ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II PROJETO BÁSICO ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS - Anexo II - PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS O Projeto Básico consiste na descrição detalhada do objeto a ser contratado, dos serviços a executar,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.231.528,49 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 13.229,65 Operações de Tesouraria 1.218.298,84 12.868.203,30 Receitas Correntes 8.648.917,76 04 Taxas,

Leia mais

ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS 1 ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS Planilha de Proposta de Preço nº Processo: Licitação nº Dia / / às : horas Data da apresentação da proposta Município/UF Ano Acordo, Convenção

Leia mais

UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO /03/2015

UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO /03/2015 UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO 2015 01/03/2015 Grupos de Natureza de Despesa Orçamento da UFRRJ - 2009 a 2015 Ano R$ Percentuais do Orçamento Inicial Orçamento Inicial Pessoal e Encargos

Leia mais

Seja bem vindo AZUL SAT (62) teste. tecnologia em segurança eletrônica

Seja bem vindo AZUL SAT (62) teste. tecnologia em segurança eletrônica Seja bem vindo AZUL SAT 4000-1115 (62) 3416-5800 www.azulsat.com.br www.azulalarmes.com.br teste tecnologia em segurança eletrônica Nossa experiência. Sua parceria. AZULSAT A AzulSat agradece a você pela

Leia mais

DECRETO Nº , DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº , DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.224, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015. Estabelece os critérios e os percentuais máximos, relativos às taxas de Benefícios e Despesas Indiretas (BDI), a serem aplicados na elaboração do orçamento

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 12ºSeminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 04 de Dezembro de 2013

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2 (PUC-SP Adaptada) Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2 (PUC-SP Adaptada) Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 O banco A cobra uma tarifa para manutenção de conta da seguinte forma: uma taxa de R$ 11,00 mensais e mais uma taxa de R$ 0,14 por cheque emitido. O banco B cobra como tarifa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO (SINTÉTICO) - DEMONSTRATIVO CONTÁBIL LEVANTADA EM 31/01/2015

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO (SINTÉTICO) - DEMONSTRATIVO CONTÁBIL LEVANTADA EM 31/01/2015 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO (SINTÉTICO) - DEMONSTRATIVO CONTÁBIL LEVANTADA EM 31/01/2015 APSOL GREEN - Associação dos Moradores do Residencial GGC Portal do Sol Green C.N.P.J.: 14.244.510/0001-19

Leia mais

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Definições... Gerenciamento de Custos do Projeto O gerenciamento de custos do projeto inclui os processos envolvidos em planejamento, estimativa, orçamentação

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO E

REGULAMENTO DE CONTROLO E REGULAMENTO DE CONTROLO E UTILIZAÇÃO DE VIATURAS Artigo 1.º Objeto e âmbito da aplicação 1 - O presente regulamento estabelece as normas de controlo e as condições de utilização das viaturas propriedade

Leia mais

CAPITULO I OBJETIVO CAPITULO II NORMAS GERAIS

CAPITULO I OBJETIVO CAPITULO II NORMAS GERAIS CAPITULO I OBJETIVO ART. 1º Esta Instrução Normativa tem como objetivo estabelecer as normas de controle, utilização, identificação e manutenção dos veículos de propriedade do SENAR-RS. CAPITULO II NORMAS

Leia mais

Posicionamento Consultoria de Segmentos Valorização automática do custo do produto beneficiado

Posicionamento Consultoria de Segmentos Valorização automática do custo do produto beneficiado 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 6 7.

Leia mais

VOLUME SÉRIE DE CADERNOS TÉCNICOS

VOLUME SÉRIE DE CADERNOS TÉCNICOS SÉRIE DE CADERNOS TÉCNICOS VOLUME 19 ANÁLISE DE MODELOS DE CONCESSÃO E GOVERNANÇA PARA SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS POR ÔNIBUS NA CIDADE DE SÃO PAULO Pezco Consultoria, EMBRACEC,

Leia mais

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00 Direção-Geral da Saúde Gerência de 01-01-2015 a 31-12-2015 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior 857.255,31 Execução Orçamental De dotações orçamentais (OE) 111 - RG não afetas a projetos

Leia mais

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana BHTRANS: agência reguladora e fiscalizadora Gestão dos Serviços de Transporte Ônibus Convencional / BRT 2.969 Miniônibus Suplementar

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

EVOLUTION INDEMNIFICATION CONTRACT REQUIRED BY LAW AN APPROACH FOR TRANSPORT OF PASSENGERS INTERCITY

EVOLUTION INDEMNIFICATION CONTRACT REQUIRED BY LAW AN APPROACH FOR TRANSPORT OF PASSENGERS INTERCITY INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 UMA ABORDAGEM PARA O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS Cont. Odair Gonçalves Técnico Superior Contador - AGERGS - RS odair@agergs.rs.gov.br RESUMO

Leia mais

ATA DE RESULTADO DE JULGAMENTO DE PROPOSTAS DE PREÇO

ATA DE RESULTADO DE JULGAMENTO DE PROPOSTAS DE PREÇO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 01/2007 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 001.001941.07.0 AVISO DE RESULTADO DE JULGAMENTO DE PROPOSTAS DE PREÇO Objeto: Contratação de serviços de coleta de resíduos sólidos, correspondente

Leia mais

ESCASSEZ DE MOTORISTAS PODE ELEVAR CUSTOS DO TRC Por Neuto Gonçalves dos Reis. Taxa de desocupação nas RM (%)

ESCASSEZ DE MOTORISTAS PODE ELEVAR CUSTOS DO TRC Por Neuto Gonçalves dos Reis. Taxa de desocupação nas RM (%) ESCASSEZ DE MOTORISTAS PODE ELEVAR CUSTOS DO TRC Por Neuto Gonçalves dos Reis O Brasil vive um período de baixíssimos índices de desemprego. Segundo dados do IBGE o índice de desemprego nas regiões metropolitanas

Leia mais

O CASO LUBRIFIQUE DISCIPLINA: GESTÃO DO DESEMPENHO COTIDIANO EXERCÍCIO:

O CASO LUBRIFIQUE DISCIPLINA: GESTÃO DO DESEMPENHO COTIDIANO EXERCÍCIO: Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) DISCIPLINA: GESTÃO DO DESEMPENHO COTIDIANO EXERCÍCIO: O CASO LUBRIFIQUE O CASO LUBRIFIQUE No Departamento

Leia mais

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR Execução Orçamental - Fundos Próprios 16 01 01 De dotações orçamentais (OE ou OE...) 0,00 0,00 De receitas próprias Na posse do serviço 10.302.904,47 10.302.904,47

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM... DESAFIOS INTERNOS Aumento da disponibilidade da frota Redução dos custos da frota Controle dos custos por KM rodado Decisões

Leia mais

k Fortaleza DEPARTAMENTO LEGISLATIVO GÃMAKAMUNIGimi DE FORTALEZA : PROTOCOLO Senhor Presidente,

k Fortaleza DEPARTAMENTO LEGISLATIVO GÃMAKAMUNIGimi DE FORTALEZA : PROTOCOLO Senhor Presidente, GÃMAKAMUNIGimi DE FORTALEZA : PROTOCOLO N _ ^ Funcionário Prefeitura de k Fortaleza MENSAGEM DE VETO N ) 02? DE DE 2014. Senhor Presidente, Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do Art. 83, inciso

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL)

TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL) TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL) Distância = origem ao destino Percurso da viagem redonda = 2 x distância Mês de referência: JULHO/11 Distância Carreta

Leia mais

Transporte Coletivo Urbano de Ribeirão Preto. Estruturação Financeira da Concessão

Transporte Coletivo Urbano de Ribeirão Preto. Estruturação Financeira da Concessão Transporte Coletivo Urbano de Ribeirão Preto Estruturação Financeira da Concessão Agenda Cálculo da tarifa básica inicial. Método de reajuste dos valores contratuais Reajuste de Janeiro de 2013 Documentos

Leia mais

MANUAL DE RECOMPRA MELHOR TEMPO PEUGEOT. PEUGEOT 208 e 2008

MANUAL DE RECOMPRA MELHOR TEMPO PEUGEOT. PEUGEOT 208 e 2008 1 MANUAL DE RECOMPRA MELHOR TEMPO PEUGEOT PEUGEOT 208 e 2008 2 Este Manual é parte integrante do Certificado de Recompra de Veículo e tem por objetivo esclarecer as regras de recompra do veículo pelo concessionário

Leia mais

/ Emissão: 26/08/2015 Filial : 3, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

/ Emissão: 26/08/2015 Filial : 3, Depto: 01 Conta Redu Descrição Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 01/07/2015 a 31/07/2015 Folha:1 1 203 Ativo 1.01 204 Circulante 1.01.01 205 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.01.01.01 206 Caixa 1.01.01.01.001 207 Caixa Geral 4.406,00 0,00 0,00 4.406,00 TOTAL Caixa --->

Leia mais

COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE

COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE COMO CALCULAR 1.084,12 AS PRINCIPAIS TAXAS QUE COMPÕEM O FRETE Como calcular as principais taxas que compõem o frete Introdução Frete Peso Cubagem Frete Valor GRIS Pedágio Outras Taxas Contato 03 04 06

Leia mais

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito LEI N.º 7.243, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983 Altera disposições das Leis n.ºs 7.056, de 30 de dezembro de 1977, 7.188, de 11 de dezembro de 1981, 7.192, de 21 de dezembro de 1981, e dá outras providências.

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

REVISÃO TARIFÁRIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA AGLOMERAÇÃO URBANA DO SUL (Pelotas, RS).

REVISÃO TARIFÁRIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA AGLOMERAÇÃO URBANA DO SUL (Pelotas, RS). REVISÃO TARIFÁRIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA AGLOMERAÇÃO URBANA DO SUL (Pelotas, RS). Airton Roberto Rehbein, técnico superior da AGERGS, contador, MS em Controladoria, UFRGS,

Leia mais

DEMONSTRA ˆO DO RESULTADO DO EXERC CIO EM 31/12/2015

DEMONSTRA ˆO DO RESULTADO DO EXERC CIO EM 31/12/2015 0001 Receita Operacional INSCRI ES EM PROCESSOS SELETIVOS 1.050,00 MATR CULAS 3.160,00 MENSALIDADES DE ALUNOS 18.424,60 HORAS DE V O 254.729,91 CURSO AVULSO 1.880,00 CONTRIBUI ˆO TREINAMENTO MISSION`RIO

Leia mais

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A)

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) São Paulo, SP 30 de Setembro de 2014 1 IN CVM 371/2002 CPC 32 Planos de Longo Prazo 2014-2024 Ativos Fiscais Diferidos Realização Ativos

Leia mais

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus 1. Extinção da EBTU (1991); 2. Perda de demanda: 1994-2012; 3. Perda de demanda: 2013-2016; 4. Perda de produtividade-ipk; 5. Política de incentivo ao transporte individual; 6. Queda da velocidade comercial;

Leia mais