TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS"

Transcrição

1 TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

2 ÍNDICE Título Índice Tarifa simplificada metodologia de Uberlândia-MG Transporte coletivo - serviço público responsabilidade da Prefeitura Planilha de custos Transporte coletivo Tarifa Obrigações da Prefeitura (constituição federal) Isto significa: O custo de transporte é a soma de duas parcelas Custos variáveis Custos fixos O custo total de transportes é: O lucro do empresário é a remuneração do investimento em: A tarifa é o quanto cada um tem de contribuir para cobrir a despesa total Informações necessárias para calcular a tarifa Custo variável (por km) Custo fixo Quilometragem total Número de passageiros por tipo de tarifa Outra forma de calcular a tarifa O PMM - Percurso médio mensal é: O IPK - índice de passageiros por quilômetro é: Memória de cálculo I Levantamento do valor e percentual de participação de cada item dentro do custo operacional tarifário O custo tarifário Custo fixo Depreciação Depreciação do veículo Vida economicamente útil Valor residual Método de cálculo Veículo Fator de depreciação anual veículo leve SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

3 Fator de depreciação anual veículo pesado (padron) Fator de depreciação anual veículo especial (articulado) Depreciação total Remuneração do investimento Remuneração do investimento imobilizado em veículos Fator de remuneração anual veículo leve Fator de remuneração anual veículo pesado (padron) Fator de remuneração anual veículo especial (articulado) Remuneração total Planilha de custos operacionais do transporte coletivo urbano por ônibus Memória de cálculo Gráfico Cotação e levantamento de diesel Cotação e levantamento de pneu Tabela de depreciação anual de veículos Tabela de remuneração anual de veículos Redes integradas de transporte público Vantagens para que a integração aconteça, tais como Vantagens e desvantagens da integração Vantagens A implantação de sistema integrado tem por objetivo Sendo assim, pode-se observar alguns benefícios atribuídos à integração Desvantagens Tipos de integração A integração pode ser classificada em quatro níveis Integração física Integração tarifária...32 Integração operacional...32 Integração institucional Integração física Em relação aos usuários Em relação aos operadores do terminal Em relação à comunidade local Integração tarifária Opções de pagamento Bilhete unitário Bilhete múltiplo Passe temporal Crédito antecipado Serviço pós-pago Bilhetagem eletrônica Vantagens da bilhetagem Política tarifária nos transportes públicos Valor ou nível da tarifa Estratégia de cobrança Opções de pagamento Método de determinação do valor da tarifa Custo médio apurado em planilha Tarifa teto Concessões competitivas Procedimento de reajuste e revisão Unificação tarifária SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

4 Diversificação tarifária Por tipo de viagem Por tipo de usuário Gratuidades e descontos Integração operacional Integração institucional Sistemas integrados no Brasil Conceitos básicos de estatísticas A importância do uso da estatística Observatório da mobilidade Duvidas e/ou esclarecimentos SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

5 Tarifa simplificada metodologia de Uberlândia-MG Transporte Coletivo - Serviço público responsabilidade da Prefeitura A Prefeitura pode prestar o serviço ou contratar alguém para fazer isto por ela; Geralmente o serviço de Transporte Coletivo é prestado por Empresas Privadas. O direito ao transporte público está presente na Constituição Federal, Estadual e na Lei Orgânica Municipal. Na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 30, inciso V, e na Lei Orgânica do Município de Uberlândia, art. 7º inciso V, diz organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluindo o de transporte coletivo, que tem caráter essencial. Incumbe ao Município, respeitada a legislação federal, planejar, organizar, dirigir, coordenar, executar, delegar e controlar a prestação de serviços públicos ou de utilidade pública relativos a transporte coletivo e individual de passageiros, o tráfego, o trânsito e o sistema viário municipal. (Lei Orgânica do Município de Uberlândia, art.84,2006). Planilha de custos Como forma para garantir a sustentabilidade econômica dos serviços, o artigo 87 da Lei Orgânica do Município, determina que as tarifas sejam estabelecidas com base em planilhas de custos elaboradas pelo poder público concedente. A metodologia para apuração dos custos operacionais, os investimentos e a remuneração dos operadores que integram os estudos a serem considerados no estabelecimento de tarifa do sistema de transporte coletivo público, é o presente nas Instruções Práticas para Cálculo de Tarifas de Ônibus Urbano desenvolvida pelo GEIPOT/EBTU, adequada à realidade do serviço local de transporte coletivo e inovações tecnológicas, de acordo com o Edital de Licitação nº. 850/2006. Os serviços regulares prestados pelas Concessionárias serão remunerados pela tarifa fixada pelo Poder Executivo; A tarifa será objeto de ajuste anual, a cada 12 meses, levando em conta a data base de janeiro de 2009, de acordo com a seguinte fórmula econômica: IR = [(0,50 x v¹) + (0,25 x v²) + (0,25 x v³)] Sendo: IR - Índice de reajuste a aplicar entre os períodos considerados; V¹ - Variação anual do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor); V² - Variação anual do preço de óleo diesel e lubrificantes; V³ - Variação anual dos preços por atacado - oferta global - produtos industriais - material de transporte - veículos a motor. O modelo de planilha tarifária pode sofrer alteração, a qualquer momento, desde que aprovada pela SETTRAN, observando-se a manutenção do equilíbrio econômico financeiro do contrato de concessão. Transporte coletivo Transporte de passageiros que é realizado sistematicamente, com horários e itinerários definidos. SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

6 Tarifa Preço da passagem a ser pago pelo usuário, fixado pelo Chefe do Poder Executivo. Obrigações da Prefeitura (Constituição federal) Fiscalizar o serviço oferecido pelas Empresas; Garantir o equilíbrio econômico-financeiro das Empresas. Isto significa: RECEITA = CUSTO + LUCRO A RECEITA É ARRECADA BASICAMENTE ATRAVÉS DA TARIFA PAGA PELOS USUÁRIOS: RECEITA = TARIFA * NÚMERO DE PASSAGEIROS CUIDADO Tarifa com Desconto PASSAGEIRO EQUIVALENTE. Para a Receita, PASSAGEIRO VALE QUANTO PAGA. O CUSTO DE TRANPORTE É A SOMA DE 2 PARCELAS CUSTOS VARIÁVEIS: MAIS QUILÔMETROS MAIS GASTOS Combustível; Óleos e Lubrificantes; Rodagem (Pneus, Câmaras, Etc...) CUSTOS FIXOS: NÃO VARIAM MUITO COM A QUILOMETRAGEM Depreciação dos Veículos; Depreciação de Instalações, Máquinas, Equipamentos, Etc...; Salários de Motoristas, Cobradores, Fiscais, Pessoal de Manutenção e Pessoal Administrativo; Despesas com Peças e Acessórios; Despesas Administrativas, seguro obrigatório dos Veículos. O CUSTO TOTAL DE TRANSPORTES É: Custo Total = Custo Variável * Quilometragem Percorrida + Custo Fixo O LUCRO DO EMPRESÁRIO É A REMUNERAÇÃO DO INVESTIMENTO EM: Frota de Ônibus; Instalações, Máquinas e Equipamentos. A TARIFA É O QUANTO CADA UM TEM DE CONTRIBUIR PARA COBRIR A DESPESA TOTAL Tarifa = Quanto Custa Todo o Transporte Quantos Usam e Pagam SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

7 Tarifa = Custo Variável * Quilometragem + Custo Fixo + Lucro Número de Passageiros Equivalentes INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA CALCULAR A TARIFA Custo variável (Por Km); Custo Fixo. Quilometragem total Número de passageiros por tipo de tarifa OUTRA FORMA DE CALCULAR A TARIFA Normalmente utilizada nas planilhas de cálculo TARIFA = Quanto Custa Por Quilômetro Quantos Pagam Por Quilômetro Custo Variável + Custo Fixo por Veículo + Lucro por Veículo Tarifa = Percurso Médio Mensal por Veículo (PMM) Índice de Passageiros por Quilômetro (IPK) O PMM - PERCURSO MÉDIO MENSAL É: PMM = Quilometragem Percorrida Frota Total de Veículos O IPK - ÍNDICE DE PASSAGEIROS POR QUILÔMETRO É: IPK = Número de Passageiros (Equivalentes) Quilometragem Percorrida Ou NÚMERO DE PASSAGEIROS POR VEÍCULO IPK = Número de Passageiros (Equivalentes) / Frota Total de Veículos Percurso Médio Mensal por Veículo (PMM) SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

8 MEMÓRIA DE CÁLCULO I LEVANTAMENTO DO VALOR E PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DE CADA ÍTEM DENTRO DO CUSTO OPERACIONAL TARIFÁRIO 1 - CUSTOS VARIÁVEIS Custo ponderado/ipke 1-1 Combustível Custo ponderado combustível por km/ipke 1-2 Lubrificantes Custo por km/ipke 1-3 Rodagem Custo por rodagem/ipke 1-4 Peças e Acessórios Custo peças e acessórios/ipke 2 - CUSTOS FIXOS Custo fixo total/ipke 2-1 CUSTO DE CAPITAL Custo total de capital x frota total/ipke/km mensal DEPRECIAÇÃO Depreciação total x frota/ipke/km mensal Depreciação da Frota Custo ponderado depreciação veículos x frota/km mensal/ipke Depreciação Inst. e Equip. Depreciação instalações e equipamentos x frota/km mensal/ipke REMUNERAÇÃO Remuneração total x frota/km mensal/ipke Remuneração de Veículos Custo ponderado remuneração veículos x frota/km mensal/ipke Remuneração de Almoxarifado Custo ponderado remun. almoxarifado x frota/km mensal/ipke Remuneração de Inst. e Equip. Custo ponderado remun. inst. e equip. x frota/km mensal/ipke 2-2 DESPESAS ADMINISTRATIVAS Total despesas administrativas x frota/km mensal/ipke Despesas Gerais Despesas administrativas gerais x frota/km mensal/ipke Seguro de Responsabilidade Civil Seguro responsabilidade civil x frota/km mensal/ipke Seguro Obrigatório Seguro obrigatório x frota/km mensal/ipke I.P.V.A IPVA x frota/km mensal/ipke 2-3 DESPESA COM PESSOAL Despesa total de pessoal/cálculo PMM/IPKe Motorista Despesa total de motorista/cálculo PMM/IPKe Cobrador Despesa total de cobrador/cálculo PMM/IPKe Fiscal e Despachante Despesa total de fiscal e despachante/cálculo PMM/IPKe Manutenção Despesa total de manutenção/cálculo PMM/IPKe Administrativo Despesa total de administrativo/cálculo PMM/IPKe Benefícios Despesa total de benefícios/cálculo PMM/IPKe Pró - Labore Despesa total de pró-labore/cálculo PMM/IPKe CUSTO POR PASSAGEIRO Custo passageiro sem Tributos TRIBUTOS Custo passageiro com Tributos SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

9 O CUSTO TARIFÁRIO O custo unitário do serviço de transporte público é obtido rateando o custo total (mão-de-obra, veículos, combustível, etc) entre os passageiros que utilizam o sistema, inclui também os custos das gratuidades concedidas, passes escolares, idosos, etc. A tarifa é o preço cobrado aos usuários pelo transporte. No sistema de transporte por ônibus, a tarifa é na maioria dos casos, a única forma de remuneração dos serviços prestados, ao contrário dos sistemas de trens urbanos, que são subsidiados pelo poder público. As tarifas praticadas atualmente, são consideradas elevadas pelos usuários, e têm sido responsável pela crescente exclusão de milhares de cidadãos dos serviços de transporte público coletivo oferecido nas cidades, e pelo aumento da marcha a pé por motivo de trabalho nos grandes centros urbanos. O alto valor das tarifas tem sido responsável também pelo surgimento de novos problemas sociais como os desabrigados com teto, trabalhadores sem o direito de ir e vir por falta de dinheiro para pagar a passagem. A população de baixa renda, principalmente das classes D e E, que deveria ter acesso garantido ao transporte público, pois depende dele de forma mais evidente, tem sido sistematicamente expulsa desse modo de transporte, pois o aumento constante dos custos e insumos, a baixa produtividade dos serviços, a concessão de gratuidades, entre outros, vem se traduzindo em tarifas que transcendem sua capacidade de pagamento. A demanda de passageiros é altamente suscetível às alterações do valor da tarifa e a população de baixa renda, grande usuária do transporte público por ônibus, tem gradativamente abandonado o transporte público e migrado para o transporte informal ou para outros modos de transporte mais baratos, como a bicicleta, motocicleta ou a caminhada, mesmo para longas distâncias, incompatíveis com esses modais. O surgimento do transporte informal, nos últimos anos, se deve a diversos fatores como escassez de oferta de serviços, fiscalização deficiente e elevação das tarifas. Nas áreas urbanas a proliferação do transporte informal tem se mostrado danosa por aumentar os congestionamentos, com conseqüente aumento dos custos de operação em geral, e por reduzir o número de passageiros dos sistemas convencionais, implicando aumento na tarifa final paga pelos usuários. As viagens a pé por motivo trabalho representam hoje um terço dos deslocamentos nas grandes cidades brasileiras e passou a ser denominado como o fenômeno da marcha a pé. Ao mesmo tempo, os usuários de maior poder aquisitivo, têm migrado para o transporte individual, motos e carros, incentivando principalmente pelas facilidades de financiamento. SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

10 A. Custo fixo O custo fixo é a parcela do custo operacional que não se altera em função da quilometragem percorrida, ou seja, os gastos com os itens que compõem esse custo ocorrem mesmo quando os veículos não estão operando. Expresso em unidade monetária por veículo por mês (R$/veículo x mês), é constituído pelos custos referentes à depreciação, a remuneração do capital, a despesas com pessoal e a despesas administrativas. Para a obtenção da despesa mensal correspondente ao Custo Fixo deve-se multiplicar as parcelas relativas à depreciação, a remuneração do capital e a despesas administrativas pela frota total, e a parcela referente a despesas com pessoal, pela frota operante. O custo fixo por quilômetro é obtido dividindo-se a despesa mensal correspondente ao Custo Fixo pela quilometragem mensal programada, adotada no cálculo tarifário. A.1. Depreciação A Depreciação é a redução do valor de um bem durável, resultante do desgaste pelo uso ou obsolescência tecnológica. Para efeito do cálculo tarifário, são consideradas a depreciação dos veículos que compõem a frota total e a depreciação de máquinas, instalações e equipamentos do sistema. A.1.1. Depreciação do veículo A depreciação do veículo depende de três fatores:. Onde: VEU = Vida economicamente útil (anos); VRV = Valor residual do veículo (%); e MC = Método de cálculo. Vida economicamente útil A vida economicamente útil de qualquer bem durável é o período durante o qual a sua utilização é mais vantajosa do que sua substituição por um novo bem equivalente, Considerando-se o estágio tecnológico da indústria automobilística e as características construtivas e operacionais diferenciadas dos diversos tipos de veículo, recomenda-se a adoção da vida útil de 10 (dez) anos para os veículos leves, 12 (doze) anos para os veículos pesados (padron) e 15 (quinze) anos para os veículos especiais (articulados) do sistema. Valor residual O valor residual é o preço de mercado que o veículo alcança ao final de sua vida útil. Esse valor é expresso como uma fração do preço do veículo novo ponderado. Recomenda-se a adoção do valor residual de 20% (vinte p.p) para os veículos leves, 15% (quinze p.p) para os veículos pesados (padron) e 10% (dez p.p) para os veículos especiais (articulados) do sistema. Para o cálculo da depreciação do veículo, toma-se como referência o preço ponderado do veículo novo equivalente da frota do sistema sem rodagem (pneus, câmaras de ar e protetores). Método de cálculo Existem diversos métodos de cálculo, os mais conhecidos os de depreciação linear e o de depreciação acelerada. O método de depreciação linear repõe a cada ano, até o final da vida útil, parcelas iguais de depreciação. O de depreciação acelerada tem várias alternativas de cálculo, mas a mais conhecida é a SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

11 soma dos dígitos inversos dos anos. Este método repõe parcelas maiores de depreciação nos primeiros anos e parcelas menores nos últimos anos de vida útil do equipamento. Para ambos os métodos, o valor residual sempre será o mesmo. Se o veículo continuar sendo utilizado na prestação do serviço após o final da vida útil considerada, seu fator de depreciação será (0) zero, pois o capital investido inicialmente já foi todo reposto. Recomenda-se o uso do Método de Cole, (ou o Método da Soma dos Dígitos Inversos), por representar mais fielmente a desvalorização do veículo, caracterizada por uma perda acentuada de valor no início de sua utilização e que se atenua com o passar dos anos. Por esse método, o fator de depreciação anual é obtido aplicando-se a seguinte fórmula: SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

12 B.1. Veículo VU - j + 1 Fj = x ( 1 - VR / 100 ) VU Onde: Fj = Fator de depreciação anual para o ano j; J = Limite superior da faixa etária (anos); VU = Vida útil adotada (anos); VR = Valor residual adotado (%). Os quadros a seguir apresentam os fatores de depreciação anual para as faixas etárias, por tipo de veículo, de acordo com os critérios descritos. FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL VEÍCULO LEVE - Vida Útil = 10 anos Faixa Etária Anos Fator de Depreciação Anual do Veículo Leve ano 0,80 x 10/55 = 0, anos 0,80 x 09/55 = 0, anos 0,80 x 08/55 = 0, anos 0,80 x 07/55 = 0, anos 0,80 x 06/55 = 0, anos 0,80 x 05/55 = 0, anos 0,80 x 04/55 = 0, anos 0,80 x 03/55 = 0, anos 0,80 x 02/55 = 0, anos 0,80 x 01/55 = 0,0145 > 10 anos zero FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL VEÍCULO PESADO (PADRON) - Vida Útil = 12 anos Faixa Etária Anos Fator de Depreciação Anual do Veículo Pesado ano 0,85 x 12/78 = 0, anos 0,85 x 11/78 = 0, anos 0,85 x 10/78 = 0, anos 0,85 x 09/78 = 0, anos 0,85 x 08/78 = 0, anos 0,85 x 07/78 = 0, anos 0,85 x 06/78 = 0, anos 0,85 x 05/78 = 0, anos 0,85 x 04/78 = 0, anos 0,85 x 03/78 = 0, anos 0,85 x 02/78 = 0, anos 0,85 x 01/78 = 0,0109 > 12 anos zero SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

13 FATOR DE DEPRECIAÇÃO ANUAL VEÍCULO ESPECIAL (ARTICULADO) - Vida Útil = 15 anos Faixa Etária Anos Fator de Depreciação Anual do Veículo Especial ano 0,90 x 15/120 = 0, anos 0,90 x 14/120 = 0, anos 0,90 x 13/120 = 0, anos 0,90 x 12/120 = 0, anos 0,90 x 11/120 = 0, anos 0,90 x 10/120 = 0, anos 0,90 x 09/120 = 0, anos 0,90 x 08/120 = 0, anos 0,90 x 07/120 = 0, anos 0,90 x 06/120 = 0, anos 0,90 x 05/120 = 0, anos 0,90 x 04/120 = 0, anos 0,90 x 03/120 = 0, anos 0,90 x 02/120 = 0, anos 0,90 x 01/120 = 0,0075 > 15 anos zero Os coeficientes de depreciação anual são obtidos multiplicando-se o fator de depreciação anual de cada faixa etária pela quantidade de veículos enquadrados nessa faixa. O coeficiente de depreciação anual da frota, é obtido somando-se os coeficientes de todas as faixas etárias. B.2. Depreciação total O custo total de depreciação deverá ser dividido por 12 meses para se apurar o custo mensal (ou transformar a vida útil diretamente em meses). B.3. Remuneração do investimento O cálculo da remuneração do investimento deve incidir sobre o capital investido, excluindo-se deste o valor residual e a parcela de capital já depreciada. Assim, deve-se inicialmente calcular o fator de remuneração anual do capital, o que é efetuado de forma conjugada com os métodos de depreciação (linear ou acelerada). Este fator determinará o coeficiente de cada ano para aplicação sobre a parcela de capital ainda não depreciada. B.4. Remuneração do investimento imobilizado em veículos Para calcular o valor da remuneração anual do capital imobilizado em veículos, aplica-se a taxa de remuneração (12%) sobre o valor do veículo novo ponderado, sem pneus, câmaras de ar e protetores, deduzindo-se a parcela já depreciada. A tabela a seguir apresenta os coeficientes de remuneração considerando os seguintes parâmetros: SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

14 CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO LEVE (valor residual = 20%; vida útil = 10 anos; taxa de juros = 12% a.a) Faixa Etária Fator de Remuneração Anual do Veículo Leve ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 10/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 19/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 27/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 34/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 40/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 45/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 49/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 52/55)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,80 x 54/55)] x 0,12 = 0,0257 > 10 anos [(1 - (0,80 x 55/55)] x 0,12 = 0,0240 CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO PESADO (PADRON) (valor residual = 15%; vida útil = 12 anos; taxa de juros = 12% a.a) Faixa Etária Fator de Remuneração Anual Veículo Pesado ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 12/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 23/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 33/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 42/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 50/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 57/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 63/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 68/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 72/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 75/78)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,85 x 77/78)] x 0,12 = 0,0193 > 12 anos [(1 - (0,85 x 78/78)] x 0,12 = 0,0180 CÁLCULO DO FATOR DE REMUNERAÇÃO ANUAL DO VEÍCULO ESPECIAL (ARTICULADO) (valor residual = 10%; vida útil = 15 anos; taxa de juros = 12% a.a) Faixa Etária Fator de Remuneração Anual Veículo Especial ano (1-0) x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 15/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 29/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 42/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 54/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 65/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 75/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 84/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 92/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 99/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 105/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 110/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 114/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 117/120)] x 0,12 = 0, anos [(1 - (0,90 x 119/120)] x 0,12 = 0,0129 > 15 anos [(1 - (0,90 x 120/120)] x 0,12 = 0,0120 SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

15 Os coeficientes de remuneração anual são obtidos multiplicando-se o fator de remuneração anual de cada faixa etária pela quantidade de veículos enquadrados nessa faixa. O coeficiente de remuneração anual da frota é obtido somando-se os coeficientes de todas as faixas etárias. B.5. Remuneração total O custo total de remuneração deverá ser dividido por 12 meses para se apurar o custo mensal (ou transformar a vida útil diretamente em meses). SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia... - Uberlândia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de

16 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL REQUISITOS BÁSICOS PARA O CÁLCULO TARIFÁRIO * Preço de um litro de óleo diesel * Preço ponderado de um pneu novo para veículo leve * Preço ponderado de um pneu novo para veículo pesado * Preço ponderado de um pneu novo para veículo especial * Preço ponderado de uma recapagem para veículo leve * Preço ponderado de uma recapagem para veículo pesado * Preço ponderado de uma recapagem para veículo especial * Preço ponderado de uma câmara-de-ar para veículo leve * Preço ponderado de uma câmara-de-ar para veículo pesado * Preço ponderado de uma câmara-de-ar para veículo especial * Preço ponderado de um protetor para veículo leve * Preço ponderado de um protetor para veículo pesado * Preço ponderado de um protetor para veículo especial * Preço ponderado de um chassi novo para veículo leve * Preço ponderado de um chassi novo para veículo pesado * Preço ponderado de um chassi novo para veículo especial * Preço ponderado de uma carroceria nova para veículo leve * Preço ponderado de uma carroceria nova para veículo pesado * Preço ponderado de uma carroceria nova para veículo especial * Salário-base mensal de motorista * Salário-base mensal de cobrador * Salário-base mensal de fiscal/despachante * Benefício mensal total * Remuneração mensal total de diretoria por veículo * Despesa anual (Frota Total) com seguro de responsabilidade civil * Despesa anual com seguro obrigatório por veículo (DPVAT) * Despesa anual (Frota Total) com o IPVA R$ 2,6500 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00 R$ 1.700,00 R$ 500,00 R$ 600,00 R$ 700,00 R$ 120,00 R$ 130,00 R$ 150,00 R$ 70,00 R$ 70,00 R$ 80,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ 1.534,00 R$ 920,40 R$ 1.182,56 R$ 4.000,00 R$ 150,00 R$ 95,00 R$ 35,00 R$ 115,00 CUSTO DO VEÍCULO Categoria Leve Pesado Especial considera-se neste trabalho a classificação dos veículos em três categorias, quais sejam: Potência do Motor Exemplos de Modelos Até 200 HP Convencional/Alongado/Monobloco Acima de 200 HP Padron, com 2 ou 3 portas Acima de 200 HP Articulado - Preço do veículo Leve Chassi Carroceria R$ ,00 R$ ,00 Preço do veículo R$ ,00 - Preço do veículo Pesado Chassi Carroceria R$ ,00 R$ ,00 Preço do veículo R$ ,00 - Preço do veículo Especial Chassi Carroceria R$ ,00 R$ ,00 Preço do veículo R$ ,00 - Preço do Veículo Novo Menos Rodagem VEÍCULO LEVE Veículo Leve Pneu Câmara Protetor R$ ,00 R$ 1.500,00 R$ 120,00 R$ 70,00 Preço do Veículo R$ ,00 VEÍCULO PESADO Veículo Pesado Pneu Câmara Protetor R$ ,00 R$ 1.500,00 R$ 130,00 R$ 70,00 Preço do Veículo R$ ,00 VEÍCULO ESPECIAL Veículo Especial Pneu Câmara Protetor R$ ,00 R$ 1.700,00 R$ 150,00 R$ 80,00 Preço do Veículo R$ ,00-16 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

17 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 1.1. CÁLCULO DO NÚMERO EQUIVALENTE DE PASSAGEIROS Passageiros Transportados com Desconto de 50% Passageiros Transportados com Gratuidade Passageiros Transportados sem Desconto Cálculo do Número equivalente de passageiros transportados por mês pass/mês * Frota Operante * Frota Total 1.2. FROTA VEÍCULO LEVE VEÍCULO PESADO VEÍCULO ESPECIAL (0-1) 00 (0-1) 00 (0-1) 00 (1-2) 00 (1-2) 00 (1-2) 00 (2-3) 00 (2-3) 00 (2-3) 00 (3-4) 00 (3-4) 00 (3-4) 00 (4-5) 00 (4-5) 00 (4-5) 00 (5-6) 51 (5-6) 350 (5-6) 21 (6-7) 00 (6-7) 00 (6-7) 00 (7-8) 00 (7-8) 00 (7-8) 00 (8-9) 00 (8-9) 00 (8-9) 00 (9-10) 00 (9-10) 00 (9-10) 00 (> 10) 00 (10-11) 00 (10-11) 00 (11-12) 00 (11-12) 00 (> 12) 00 (12-13) 00 (13-14) 00 (14-15) 00 (> 15) 00 FROTA TOTAL Frota Total de Veículos Leves Frota Total de Veículos Pesados Frota Total de Veículos Especiais Frota Total 422 Frota Reserva QUILOMETRAGEM PERCORRIDA Quilometragem Produtiva (média dos últimos seis meses) Quilometragem Improdutiva (média dos últimos seis meses) Quilometragem Mensal Percorrida (média dos últimos seis meses) Km/mês , , , PERCURSO MÉDIO MENSAL (PMM) Quilometragem Mensal Percorrida Frota Operante Cálculo do PMM Km/mês ,77 veic. 374 Km/veic.mês 6.900, ÍNDICE DE PASSAGEIROS EQUIVALENTES POR QUILÔMETRO (IPKe) Passageiro Equivalente Mensal Quilometragem Mensal Percorrida Cálculo do IPKe pass/mês Km/mês ,77 pass/km 1, COMBUSTÍVEL Preço de Um Litro de Combustível R$ 2,6500 COEFICIENTE DE CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (L/Km) Tipo de Veículo Limite Inferior Limite Superior Limite Médio Leve 0,35 0,39 0,37 Pesado 0,45 0,50 0,48 Especial 0,53 0,65 0,59-17 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

18 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Cálculo do custo do combustível por Quilômetro VEÍCULO LEVE Preço de Um Litro de Combustível Coef. de consumo Custo por Km R$/L R$ 2,6500 L /Km 0,37 R$/Km 0,9805 VEÍCULO PESADO Preço de Um Litro de Combustível Coef. de consumo Custo por Km R$/L R$ 2,6500 L /Km 0,48 R$/Km 1,2588 VEÍCULO ESPECIAL Preço de Um Litro de Combustível Coef. de consumo Custo por Km R$/L R$ 2,6500 L /Km 0,59 R$/Km 1,5635 Cálculo de custo de combustível Ponderado por Quilômetro VEÍCULO LEVE Custo por Km Veículos Custo por Quilômetro R$/Km 0, R$xVeic/Km 50,0055 VEÍCULO PESADO Custo por Km Veículos Custo por Quilômetro R$/Km 1, R$xVeic/Km 440,5800 VEÍCULO ESPECIAL Custo por Km Veículos Custo por Quilômetro R$/Km 1, R$xVeic/Km 32,8335 CUSTO PONDERADO DE COMBUSTÍVEL POR QUILÔMETRO R$/Km 1, LUBRIFICANTES (consumo equivalente em combustível) Preço de Um Litro de Combustível R$/L R$ 2,6500 COEFICIENTE DE CONSUMO DE LUBRIFICANTES (L/Km) Limite Inferior Limite Superior Limite Médio 0,04 0,06 0,05 Cálculo do Custo de Lubrificantes por Quilômetro (todos os tipos de veículos) Preço de Um Litro de Combustível R$/L R$ 2,6500 Coef. de Consumo Equivalente L/Km 0,05 Custo por Quilômetro R$/Km 0, RODAGEM VEÍCULO VEÍCULO VEÍCULO LEVE Resultado PESADO Resultado ESPECIAL Resultado Pneu Recapagem Câmara-de-ar Protetor R$ 1.500,00 R$ 9.000,00 R$ 1.500,00 R$ 9.000,00 R$ 1.700,00 R$ ,00 R$ 500,00 R$ 7.500,00 R$ 600,00 R$ 9.000,00 R$ 700,00 R$ ,00 R$ 120,00 R$ 1.440,00 R$ 130,00 R$ 1.560,00 R$ 150,00 R$ 3.000,00 R$ 70,00 R$ 840,00 R$ 70,00 R$ 840,00 R$ 80,00 R$ 1.600,00 NÚMERO DE RECAPAGEM Tipo de Pneu Limite Inferior Limite Superior Diagonal 2,50 3,50 Radial 2,00 3,00 Limite Médio 3,00 2,50 VEÍCULO LEVE R$ VEÍCULO PESADO R$ VEÍCULO ESPECIAL R$ CUSTO TOTAL RODAGEM R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 - VIDA ÚTIL (ver quadro) VEÍCULO LEVE Km VEÍCULO PESADO Km VEÍCULO ESPECIAL Km Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/

19 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Tipo de Pneu Limite Inferior Diagonal Radial VIDA ÚTIL (Km) Limite Superior Limite Médio Cálculo do custo da rodagem por Quilômetro VEÍCULO LEVE R$/Km VEÍCULO PESADO R$/Km VEÍCULO ESPECIAL R$/Km R$ 0,1565 R$ 0,1700 R$ 0,3258 CÁLCULO PONDERADO DA RODAGEM POR QUILÔMETRO VEÍCULO LEVE R$/veic./Km VEÍCULO PESADO R$/veic./Km VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./Km R$ 7,9815 R$ 59,5000 R$ 6,8425 Cálculo Ponderado da Rodagem R$/veic./Km R$ 0, PEÇAS E ACESSÓRIOS Custo de Peças e Acessórios por Quilômetro (ver quadro) VEÍCULO LEVE R$/Km VEÍCULO PESADO R$/Km VEÍCULO ESPECIAL R$/Km R$0,2185 R$0,3278 R$0,6388 COEFICIENTE DE PEÇAS E ACESSÓRIOS Limite Inferior Limite Superior 0,0033 0,0083 Limite Médio 0,0058 Custo de Peças e Acessórios Ponderado por Quilômetro VEÍCULO LEVE R$/veic./Km VEÍCULO PESADO R$/veic./Km VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./Km Custo Ponderado de Peças e Acessórios por Quilômetro R$ 11,1451 R$ 114,7286 R$ 13,4144 R$/veic./Km R$0, CUSTO VARIÁVEL TOTAL VEÍCULO LEVE R$/Km VEÍCULO PESADO R$/Km VEÍCULO ESPECIAL R$/Km CUSTO VARIÁVEL TOTAL PONDERADO R$/Km R$ 1,4880 R$ 1,8891 R$ 2,6606 R$ 1, CUSTO DE CAPITAL 3-1 Depreciação Depreciação do Veículo Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves Veículo de 0-1 ano 00 0,1455 0,0000 Veículo de 1-2 anos 00 0,1309 0,0000 Veículo de 2-3 anos 00 0,1164 0,0000 Veículo de 3-4 anos 00 0,1018 0,0000 Veículo de 4-5 anos 00 0,0873 0,0000 Veículo de 5-6 anos 51 0,0727 3,7077 Veículo de 6-7 anos 00 0,0582 0,0000 Veículo de 7-8 anos 00 0,0436 0,0000 Veículo de 8-9 anos 00 0,0291 0,0000 Veículo de 9-10 anos 00 0,0145 0,0000 Veículo > 10 anos 00 0,0000 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves 3,7077 Depreciação Anual da Frota de Veículos Leves R$/ano R$ ,92 Depreciação Anual do Veículo Leve R$/veic./ano R$ ,82 Depreciação Mensal do Veículo Leve R$/veic./mês R$ 1.513,74-19 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

20 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados Veículo de 0-1 ano 00 0,1308 0,0000 Veículo de 1-2 anos 00 0,1199 0,0000 Veículo de 2-3 anos 00 0,1090 0,0000 Veículo de 3-4 anos 00 0,0981 0,0000 Veículo de 4-5 anos 00 0,0872 0,0000 Veículo de 5-6 anos 350 0, ,7050 Veículo de 6-7 anos 00 0,0654 0,0000 Veículo de 7-8 anos 00 0,0545 0,0000 Veículo de 8-9 anos 00 0,0436 0,0000 Veículo de 9-10 anos 00 0,0327 0,0000 Veículo de anos 00 0,2180 0,0000 Veículo de anos 00 0,1090 0,0000 Veículo > 12 anos 00 0,0000 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados Depreciação Anual da Frota de Veículos Pesados Depreciação Anual do Veículo Pesado Depreciação Mensal do Veículo Pesado 26,7050 R$/ano R$ ,00 R$/veic./ano R$ ,74 R$/veic./mês R$ 2.414,90 Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais Veículo de 0-1 ano 00 0,1125 0,0000 Veículo de 1-2 anos 00 0,1050 0,0000 Veículo de 2-3 anos 00 0,0975 0,0000 Veículo de 3-4 anos 00 0,0900 0,0000 Veículo de 4-5 anos 00 0,0825 0,0000 Veículo de 5-6 anos 21 0,0750 1,5750 Veículo de 6-7 anos 00 0,0675 0,0000 Veículo de 7-8 anos 00 0,0600 0,0000 Veículo de 8-9 anos 00 0,0525 0,0000 Veículo de 9-10 anos 00 0,0450 0,0000 Veículo de anos 00 0,0375 0,0000 Veículo de anos 00 0,3000 0,0000 Veículo de anos 00 0,0225 0,0000 Veículo de anos 00 0,0150 0,0000 Veículo de anos 00 0,0075 0,0000 Veículo > 15 anos 00 0,0000 0,0000 Coeficiente de Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais Depreciação Anual da Frota de Veículos Especiais Depreciação Anual do Veículo Especial Depreciação Mensal do Veículo Especial 1,5750 R$/ano R$ ,50 R$/veic./ano R$ ,50 R$/veic./mês R$ 4.629,38 * CÁLCULO DO CUSTO PONDERADO DE DEPRECIAÇÃO DE VEÍCULOS VEÍCULO LEVE R$/veic./mês R$ ,74 VEÍCULO PESADO R$/veic./mês R$ ,25 VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./mês R$ ,98 Cálculo do Custo Ponderado de Depreciação de Veículos R$ 2.416, Depreciação de Máquinas, Instalações e Equipamentos (0,0001) Depreciação Total R$/veic./mês R$ 26,00 R$/veic./mês R$ 2.442,19-20 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

21 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO DO VEÍCULO Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Leves Veículo de 0-1 ano 00 0,1200 0,0000 Veículo de 1-2 anos 00 0,1025 0,0000 Veículo de 2-3 anos 00 0,0868 0,0000 Veículo de 3-4 anos 00 0,0729 0,0000 Veículo de 4-5 anos 00 0,0607 0,0000 Veículo de 5-6 anos 51 0,0502 2,5602 Veículo de 6-7 anos 00 0,0415 0,0000 Veículo de 7-8 anos 00 0,0345 0,0000 Veículo de 8-9 anos 00 0,0292 0,0000 Veículo de 9-10 anos 00 0,0257 0,0000 Veículo > 10 anos 00 0,0240 0,0000 Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Leves Remuneração Anual da Frota de Veículos Leves Remuneração Anual do Veículo Leve Remuneração Mensal do Veículo Leve 2,5602 R$/ano R$ ,57 R$/veic./ano R$ ,97 R$/veic./mês R$ 1.045,25 Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados Veículo de 0-1 ano 00 0,1200 0,0000 Veículo de 1-2 anos 00 0,1043 0,0000 Veículo de 2-3 anos 00 0,0899 0,0000 Veículo de 3-4 anos 00 0,0768 0,0000 Veículo de 4-5 anos 00 0,0651 0,0000 Veículo de 5-6 anos 350 0, ,1100 Veículo de 6-7 anos 00 0,0455 0,0000 Veículo de 7-8 anos 00 0,0376 0,0000 Veículo de 8-9 anos 00 0,0311 0,0000 Veículo de 9-10 anos 00 0,0258 0,0000 Veículo de anos 00 0,0219 0,0000 Veículo de anos 00 0,0193 0,0000 Veículo > 12 anos 00 0,0180 0,0000 Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados Remuneração Anual da Frota de Veículos Pesados Remuneração Anual do Veículo Pesado Remuneração Mensal do Veículo Pesado 19,1100 R$/ano R$ ,00 R$/veic./ano R$ ,08 R$/veic./mês R$ 1.728,09 Veículo de 0-1 ano Veículo de 1-2 anos Veículo de 2-3 anos Veículo de 3-4 anos Veículo de 4-5 anos Veículo de 5-6 anos Veículo de 6-7 anos Veículo de 7-8 anos Veículo de 8-9 anos Veículo de 9-10 anos Veículo de anos Veículo de anos Veículo de anos Veículo de anos Veículo de anos Veículo > 15 anos Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais 00 0,1200 0, ,1065 0, ,0939 0, ,0822 0, ,0714 0, ,0615 1, ,0525 0, ,0444 0, ,0372 0, ,0309 0, ,0255 0, ,0210 0, ,0174 0, ,0147 0, ,0129 0, ,0120 0,0000 Coeficiente de Remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais Remuneração Anual da Frota de Veículos Especiais Remuneração Anual do Veículo Especial Remuneração Mensal do Veículo Especial 1,2915 R$/ano R$ ,05 R$/veic./ano R$ ,05 R$/veic./mês R$ 3.796,09-21 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

22 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL Cálculo do Custo Ponderado de Remuneração de Veículos VEÍCULO LEVE R$/veic./mês VEÍCULO PESADO R$/veic./mês VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./mês Custo Ponderado de Remuneração de Veículos Remuneração Mensal de Máquinas, Instalações e Equipamentos (0,0004) R$ ,75 R$ ,50 R$ ,89 R$/veic./mês R$ 1.748,48 R$/veic./mês R$ 104, Remuneração Mensal do Almoxarifado VEÍCULO LEVE R$/veic./mês (0,0003) VEÍCULO PESADO R$/veic./mês (0,0003) VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./mês (0,0003) R$/veic./mês R$ 78,00 R$/veic./mês R$ 117,00 R$/veic./mês R$ 228,00 Cálculo do Custo Ponderado de Remuneração do Almoxarifado VEÍCULO LEVE R$/veic./mês VEÍCULO PESADO R$/veic./mês VEÍCULO ESPECIAL R$/veic./mês Custo Ponderado de Remuneração do Almoxarifado R$/veic./mês R$ 3.978,00 R$/veic./mês R$ ,00 R$/veic./mês R$ 4.788,00 R$/veic./mês R$ 117, REMUNERAÇÃO TOTAL R$/veic./mês R$ 1.970, CUSTO TOTAL DE CAPITAL R$/veic./mês R$ 4.412,48 Pessoal de Operação Motorista Cobrador Fiscal/Despachante R$ R$ 1.534,00 R$ 920,40 R$ 1.182, DESPESAS COM PESSOAL Pessoal de Operação Encargos Sociais Fator de Utilização 1,6287 2,60 1,6287 2,60 1,6287 0,40 R$/veic./mês R$ 6.495,91 R$ 3.897,54 R$ 770,41 Despesa Mensal com Pessoal de Operação R$/veic./mês R$ ,86 Pessoal de Operação Motorista Cobrador Fiscal/Despachante FATOR DE UTILIZAÇÃO Limite Inferior Limite Superior Limite Médio 2,40 2,80 2,60 2,40 0,30 2,80 0,50 2,60 0,40 Pessoal de Manutenção Pessoal Administrativo R$/veic./mês R$ 1.507,12 R$/veic./mês R$ 1.172,21 Outros Manutenção Administrativo Limite Inferior 0,12 0,08 COEFICIENTES Limite Superior 0,15 0,13 Limite Médio 0,14 0,11 Benefícios R$/veic./mês R$ 10,70 Remuneração da Diretoria Total das Despesas com Pessoal R$/veic./mês R$ 0,40 R$/veic./mês R$ , DESPESAS ADMINISTRATIVAS Despesas Gerais R$/veic./mês R$ 650,00 COEFICIENTE DE DESPESAS GERAIS Limite Inferior Limite Superior Limite Médio 0,0017 0,0033 0,0025 * Seguro de Responsabilidade Civil R$/veic./mês R$ 0,02 * Seguro Obrigatório R$/veic./mês R$ 2,92 * IPVA R$/veic./mês R$ 0,02 * Total das Despesas Administrativas R$/veic./mês R$ 652,96-22 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

23 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS CÁLCULO DO CUSTO OPERACIONAL 3-4. CUSTO FIXO TOTAL * Custo de Capital e Administrativo * Custo de Pessoal * Custo Fixo Total * Custo Fixo Total por Km * Custos Variáveis * Custos Fixos * Custos/Km.Total * IPK.e CUSTO/PASSAGEIRO CÁLCULO DA TARIFA R$/mês R$ ,47 R$/mês R$ ,71 R$/mês R$ ,18 R$/Km R$ 2,8359 R$/Km R$ 1,8790 R$/Km R$ 2,8359 R$/Km R$ 4,7149 Pass./km 1,8008 R$/Pass. R$ 2,6183 Tributos *I.S.S / C.G.O / COFINS / P.I.S / INSS (5,0%+5,0%+3,0%+0,65%+2,0%) * Fator de Equivalência % 15,65 0,8435 CUSTO/FINAL * Custo/Passageiro acrescido Tributos CUSTO R$/Pass. R$ 2,6183 R$/Pass. R$ 3,1041 A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SETTRAN), fundamentada nos artigos XX e XX da Lei Orgânica Municipal, propõe que o valor da tarifa, seja de R$ 0,00 (xxx xxxxx x xxx xxxxxxxx), a vigorar a partir da 00:00 (zero) hora do dia: FIXA A TARIFA DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO, EM : 3,10 PASSE ESCOLAR PASSE INTEGRAL E VALE TRANSPORTE 1,55 3,10 Uberlânidia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de 2015 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx - 23 Fonte: SETTRAN- Planilha de Custos Uberlândia-MG, 05/02/2015

24 PLANILHA DE CUSTOS OPERACIONAIS DO TRANSPORTE COLETIVO URBANO POR ÔNIBUS MEMÓRIA DE CÁLCULO LEVANTAMENTO DO VALOR E PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO DE CADA ÍTEM DENTRO DO CUSTO TARIFÁRIO R$ Participação % Participação 1. - CUSTOS VARIÁVEIS 1, ,85% 1-1. Combustível 0, ,31% 1-2. Lubrificantes 0, ,81% 1-3. Rodagem 0, ,73% 1-4. Peças e Acessórios 0, ,00% 2. - CUSTOS FIXOS 2-1. CUSTO DE CAPITAL DEPRECIAÇÃO Depreciação da Frota Depreciação de Instalações e Equipamentos 1, ,15% 0, ,30% 0,2218 8,47% 0,2194 8,38% 0,0024 0,09% REMUNERAÇÃO Remuneração de Veículos Remuneração de Almoxarifado Remuneração de Instalações e Equipamentos 0,1789 6,83% 0,1588 6,06% 0,0107 0,41% 0,0094 0,36% 2-2. DESPESAS ADMINISTRATIVAS Despesas Gerais Seguro de Responsabilidade Cívil Seguro Obrigatório I.P.V.A 0,0593 2,26% 0,0590 2,25% 0,0000 0,00% 0,0003 0,01% 0,0000 0,00% 2-3. DESPESA COM PESSOAL Motorista Cobrador Fiscal/Despachante Manutenção Administrativo Benefícios Pró-Labore 1, ,58% 0, ,97% 0, ,98% 0,0620 2,37% 0,1213 4,63% 0,0943 3,60% 0,0009 0,03% 0,0000 0,00% CUSTO POR PASSAGEIRO R$ 2, ,00% CUSTO POR PASSAGEIRO ACRESCIDO TRIBUTOS *I.S.S / C.G.O / COFINS / P.I.S / INSS (5,0%+5,0%+3,0%+0,65%+2,0%) R$ 3,10 Uberlânidia-MG, quinta-feira, 05 de fevereiro de 2015 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx - 24 Fonte: SETTRAN- Memória de Cálculo Uberlândia-MG, 05/02/2015

25 Levantamento do Percentual de Participação de Cada Ítem Dentro do Custo Tarifário - Sistema DESPESA COM PESSOAL; 42,58% CUSTOS VARIÁVEIS; 39,85% DESPESAS ADMINISTRATIVAS ; 2,26% REMUNERAÇÃO; 6,83% DEPRECIAÇÃO; 8,47% CUSTOS FIXOS; 60,15% - 25 Fonte: SETTRAN- Gráfico Uberlândia-MG, 05/02/2015

26 Cotação e Levantamento de Derivados de Petróleo Derivados Ipiranga S/A Petrobrás S/A Texaco S/A Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Óleo Diesel - Lt R$ 0,0000 0,00 R$ 0,0000 R$ 0,0000 0,00 R$ 0,0000 R$ 0,0000 0,00 R$ 0,0000 Óleo para motor Lts R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Óleo para diferencial Lts R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Óleo para Cx. mudança Lts R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Fluído para freio Lts R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Graxa Lubrificante Kg R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Derivados Valor Médio Valor Médio Ponderado Ponderado Unidade Óleo Diesel - Lt R$ 0,0000 Litro R$ 0,0000 Óleo para motor Lts R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Óleo para diferencial Lts R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Óleo para Cx. mudança Lts R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Fluído para freio Lts R$ 0,00 Litro R$ 0,00 Graxa Lubrificante Kg R$ 0,00 Kilo R$ 0,00-26 Fonte: SETTRAN- Diesel Uberlândia-MG, 05/02/2015

27 Cotação e Levantamento de Rodagem Produtos Goodyear Michelin Pirelli Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Valor Desconto Valor Real Pneu Radial 900 R20 14L R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Câmara de ar R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Protetor R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Ressolagem R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Pneu Radial 1000 R20 16L R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Câmara de ar R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Protetor R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Ressolagem R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Pneu Radial 1100 R22 16L R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Câmara de ar R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Protetor R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Ressolagem R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 0,00 R$ 0,00 Produtos Pneu Radial 900 R20 14L Câmara de ar Protetor Ressolagem Valor Médio Ponderado R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Pneu Radial 1000 R20 16L Câmara de ar Protetor Ressolagem R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Pneu Radial 1100 R22 16L Câmara de ar Protetor Ressolagem R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00-27 Fonte: SETTRAN- Pneu Uberlândia-MG, 05/02/2015

28 Tabela de Depreciação ANUAL de Veículos _ Leves/Pesados/Especiais Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 05anos Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 07anos Fator de depreciação ANUAL - Veículos ESPECIAS - Vida Útil = 10anos Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a Valor RESISUAL = 10 p.p/a.a Faixa etária anos Fator de depreciação Faixa etária anos Fator de depreciação Faixa etária anos Fator de depreciação ano 0, = 0, ano 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 05 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 07 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,0327 Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 07anos anos 0, = 0, > - 10 anos 0, = 0,0000 Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a Faixa etária anos Fator de depreciação Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 10anos ano 0, = 0,2000 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a anos 0, = 0,1714 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, ano 0, = 0,1545 Fator de depreciação ANUAL - Veículos ESPECIAIS - Vida Útil = 12anos anos 0, = 0, anos 0, = 0,1391 Valor RESISUAL = 10 p.p/a.a anos 0, = 0, anos 0, = 0,1236 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 07 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,0808 Fator de depreciação ANUAL - Veículos LEVES - Vida Útil = 10anos anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 10 anos 0, = 0, anos 0, = 0,0577 Valor RESISUAL = 20 p.p/a.a anos 0, = 0,0462 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,0115 Fator de depreciação ANUAL - Veículos PESADOS - Vida Útil = 12anos anos 0, = 0, > - 12 anos 0, = 0, anos 0, = 0,1018 Valor RESISUAL = 15 p.p/a.a anos 0, = 0,0873 Faixa etária anos Fator de depreciação anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0,1090 Fator de depreciação ANUAL - Veículos ESPECIAIS - Vida Útil = 15anos anos 0, = 0, anos 0, = 0,0981 Valor RESISUAL = 10 p.p/a.a anos 0, = 0, anos 0, = 0,0872 Faixa etária anos Fator de depreciação 55 > - 10 anos 0, = 0, anos 0, = 0, ano 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 12 anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, anos 0, = 0, > - 15 anos 0, = 0,0000 Fonte: SETTRAN- Depreciação Uberlândia-MG, 05/02/

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC

ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC SETUF - Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros da Grande Florianópolis ESTUDO DOS CUSTOS DO SERVIÇO REGULAR DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ-SC junho/14 PUBLICAÇÃO DA PLANILHA

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS METODOLOGIA TARIFÁRIA CUSTO OPERACIONAL PLANILHA DE TÁXI SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Metodologia

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO E TRANSPORTES CTA ESTATÍSTICAS CTA - CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA AUTOR: AÍLTON BORGES SETTRAN- - Tarifa simplificada

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015.

PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS. Porto Alegre, 11 de maio de 2015. PROCESSO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE COLETIVO METROPOLITANO DE PASSAGEIROS Porto Alegre, 11 de maio de 2015. DIRETRIZES DA DIRETORIA DE TARIFAS Zelar pelo equilíbrio econômico-financeiro dos serviços públicos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL Índice 1 - Tarifa Básica de Remuneração 2 - Cálculo da Contrapartida 3 - Demanda Anual 4 - Prazo de Pagamento 5 - Apresentação da Proposta Comercial 6 Modelo de Declaração da

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar?

Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar? Sobre vinte centavos: como se calculam tarifas de ônibus no Brasil e que modelo devemos buscar? Rodrigo Ribeiro Novaes 1 As manifestações populares que tomaram as principais cidades brasileiras no último

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ESCONÔMICO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual

SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO. Impactos do Desequilíbrio Contratual SUSTENTABILIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO Impactos do Desequilíbrio Contratual Agosto de 2013 SUMÁRIO PREÂMBULO... 3 INTRODUÇÃO... 7 Tarifa equivalente... 7 Natureza e objetivos do estudo... 8 Cláusulas contratuais:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS

AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS AVALIAÇÃO NACIONAL DO VALE-TRANSPORTE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO POR ÔNIBUS 1) Dados do Município/Região Metropolitana Município/RM: DADOS CADASTRAIS UF População Total: habitantes 2) Quem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2013 2ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Julho de 2013 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

Visão dos Tribunais de Contas Sobre os Processos Licitatórios

Visão dos Tribunais de Contas Sobre os Processos Licitatórios Visão dos Tribunais de Contas Sobre os Processos Licitatórios AGENDA 1. CONTEXTUALIZAÇÃO: INTERESSE PÚBLICO 2. RESULTADOS DAS AUDITORIAS DO TCE-RS NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO POR ÔNIBUS DE PORTO

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2015 4ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Fevereiro de 2015 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

ANEXO I. 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,7179 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 457,1400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 875,3500 1.4 Preço

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS 1 1. Estrutura Física / Equipamentos de Garagens e Pátios de Estacionamento 1.1. Especificação do Padrão das Garagens e Pátios de Estacionamento

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 1 MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Cidadania e Inclusão Social EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 O sistema de transporte público por ônibus em São Paulo Pauline Niesseron (*) Após as manifestações de junho 2013, surgiu um questionamento

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ESTE REGULAMENTO DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA NA REDE DE TRANSPORTE COLETIVO NÃO INTEGRADA DA REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Wan Yu Chih Wplex Software Florianópolis SC http://www.wplex.com.br Objetivo O objetivo deste documento é fornecer informações sobre

Leia mais

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014 s 1 I Introdução Um projeto compreende a utilização coordenada de recursos humanos, financeiros e materiais dentro de um período de tempo para alcançar objetivos definidos. Elaborar um projeto é visualizar

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

CNPJ: 00.698.097/0001-02

CNPJ: 00.698.097/0001-02 CNPJ: 00.698.097/0001-02 Porto Alegre, 18 de Janeiro de 2016 Ao Ilustríssimo Senhor Pregoeiro Autoridade Pública Olímpica APO RJ Processo Administrativo Nº 91214.001263/2015-71 Impugnação Edital 02/2016

Leia mais

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte

Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Custo de transporte coletivo por ônibus em Belo Horizonte: planilha de custos e medidas de reduções de tarifa de transporte Vagner da Silva Paulino Francisco Lopes Cançado Júnior Resumo: Este trabalho

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS. un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 2,2194 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 519,0949 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 915,5602 1.4 Preço

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL. CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA

ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL. CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA ANEXO VIII SISTEMA TARIFÁRIO ATUAL CRITÉRIO DE REAJUSTE e REVISÃO DA TARIFA Concorrência 003/2015 PMSJDR Secretaria de Governo Página 1277 CRITÉRIO DE REAJUSTE Constitui princípio fundamental que informa

Leia mais

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT Código RT-BR0000364-000-0.000-0-0P3-Y05-400 Rev. 00 Emissão: 14/04/2015 Folha 1 / 62 Resp. Técnico / Projetista: Resp. Técnico / Concessionária: Lote: Edital de Chamamento Público Nº 4/2014 Rodovia: BR-364

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final

SETRABH. Maio de 2015. Versão Final SETRABH Relatório de Atualização da Modelagem Econômico-financeira dos Contratos de Concessão após dois anos decorridos da Revisão Tarifária prevista em Contrato Versão Final Ernst & Young Assessoria Empresarial

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224 PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - (Dados a.) NOME DA EMPRESA Ano de Referência Período Referencial de Custos Composição dos Dados Básicos - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano - Média Concessão 365

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais